sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Quatro cidades vão banir o diesel em dez anos

Sustentabilidade 🚌

Em dez anos quatro cidades vão banir o diesel - O uso de diesel nos transportes tem vindo a ser objecto de um exame crescente nos últimos anos, uma vez que as preocupações com o seu impacto na qualidade do ar aumentaram. A Organização Mundial de Saúde (OMS) diz que cerca de três milhões de mortes por ano estão ligadas à exposição à poluição do ar exterior.

Matt McGrath - BBC
Mobilize Brasil 
foto - ilustração
Em uma reunião bienal de líderes municipais, o C40 Cities, na Cidade do México, os prefeitos de Paris, Cidade do México, Madri e Atenas anunciaram ações para proibir a utilização de veículos movidos a óleo diesel em suas cidades. Na mesma ocasião, eles informaram que darão incentivos ao uso de veículos de tração elétrica e estímulos a deslocamentos a pé e de bicicleta.
O uso de diesel nos transportes tem vindo a ser objecto de um exame crescente nos últimos anos, uma vez que as preocupações com o seu impacto na qualidade do ar aumentaram. A Organização Mundial de Saúde (OMS) diz que cerca de três milhões de mortes por ano estão ligadas à exposição à poluição do ar exterior.
Os motores a diesel produzem material particulado (PM) e óxidos de nitrogênio (NOx). As partículas finas de fuligem (PM) podem penetrar nos pulmões e causar doenças respiratórias, cardiovasculares e morte.
Os óxidos de nitrogênio (NOx) formam ozônio ao nível do solo, o que pode exacerbar as dificuldades respiratórias, mesmo para pessoas sem histórico de doenças pulmonares. À medida que a evidência cresce, os grupos ambientais têm usado os tribunais para tentar impor normas e regulamentos claros sobre o ar. No Reino Unido, os ativistas recentemente tiveram sucesso em forçar o governo a agir mais rapidamente.
Agora, os prefeitos de uma série de grandes cidades com conhecidos problemas de qualidade do ar decidiram usar sua autoridade para reprimir o uso de diesel.

México
Na reunião da C40 os quatro prefeitos declararam que vão proibir todos os veículos a diesel até 2025 e se comprometeram a fazer tudo o que estiver ao seu alcance para incentivar o uso de veículos elétricos, de hidrogênio e híbridos. "Não é segredo que na Cidade do México enfrentamos os problemas gêmeos da poluição do ar e do tráfego", disse o prefeito da cidade, Miguel Ángel Mancera. "Ao expandir opções de transporte alternativas, como os nossos corredores de ônibus e sistemas de metrô, ao mesmo tempo em que investimos em infraestrutura de ciclismo, estamos trabalhando para aliviar o congestionamento de nossas rodovias e de nossos pulmões".

Paris
A capital francesa já adotou uma série de medidas para reduzir o impacto de carros e caminhões diesel. Os veículos matriculados antes de 1997 já foram proibidos de entrar na cidade, com restrições que aumentam a cada ano até 2020. Uma vez por mês, o Champs-Élysées é fechado ao trânsito, e recentemente uma seção de 3 km da margem direita do rio Sena, que já foi uma via expressa, foi transformada em espaço exclusivo para pedestres.

"Nossa cidade está implementando um plano audacioso - vamos proibir progressivamente os veículos mais poluentes, ajudando os cidadãos de Paris com medidas de acompanhamento concretas", disse Anne Hidalgo, prefeita da cidade. "Nossa ambição é clara e começamos a desenvolvê-la: queremos proibir o diesel de nossa cidade, seguindo o modelo de Tóquio, que já fez o mesmo". completou a dirigente parisiense.
Fonte - Mobilize  02/12/2016

Mulheres trabalham cinco horas a mais e ganham 76% do salário dos homens

Trabalho 👩

A renda das mulheres equivale a 76% da renda dos homens e elas continuam sem as mesmas oportunidades de assumir cargos de chefia ou direção. A dupla jornada também segue afastando muitas mulheres do mercado de trabalho, apesar de elas serem responsáveis pelo sustento de quatro em cada dez casas.

Isabela Vieira *
Repórter da Agência Brasil

foto - ilustração
O crescimento econômico do Brasil na última década não se refletiu em mais igualdade no mercado de trabalho. Com ou sem crise, as mulheres brasileiras continuam trabalhando mais – cinco horas a mais, em média – e recebendo menos.
A renda das mulheres equivale a 76% da renda dos homens e elas continuam sem as mesmas oportunidades de assumir cargos de chefia ou direção. A dupla jornada também segue afastando muitas mulheres do mercado de trabalho, apesar de elas serem responsáveis pelo sustento de quatro em cada dez casas.
As contatações são da Síntese de Indicadores Sociais - Uma análise das condições de vida da população brasileira, divulgada hoje (2), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa estudou os indicadores entre os anos de 2005 e 2015.
As mulheres tendem a receber menos que os homens porque trabalham seis horas a menos por semana em sua ocupação remunerada. Porém, como dedicam duas vezes mais tempo que eles às atividades domésticas, trabalham, no total, cinco horas a mais que eles. Ao todo, a jornada das mulheres é de 55,1 horas por semana, contra 50,5 horas deles.
De acordo com a pesquisadora do IBGE Cristiane Soares, os homens continuam se esquivando de tarefas da casa, o que se reflete em mais horas na conta delas. "Na década, a jornada masculina com os afazeres domésticos permanece em 10 horas semanais", destacou.
Mesmo trabalhando mais horas, as mulheres têm renda menor, de 76% da remuneração dos homens. Esse número era de 71% em 2005 e reflete o fato de mulheres ganharem menos no emprego e também por não serem escolhidas para cargos de chefia e direção. Dos homens com mais de 25 anos, 6,2% ocupavam essas posições, contra 4,7% das mulheres com a mesma idade. Porém, mesmo nesses cargos, fazendo a mesma coisa, o salário delas era 68% do deles.
Apesar deste cenário, a pesquisa mostra que cresce o número de mulheres chefes de família. Considerando todos os arranjos familiares, elas são a pessoa de referência de 40% das casas. Entre aqueles arranjos formados por casais com filhos, uma em cada quatro casas é sustentada por mulheres. O percentual de homens morando sozinho com filhos é mínimo.

Nem trabalham, nem estudam
Acompanhando a tendência mundial, as mulheres jovens entre 15 e 29 também estão em desvantagem em relação aos homens da mesma idade. No Brasil, boa parte delas interrompe os estudos e para de trabalhar para cuidar da casa. Entre o total de mulheres, 21,1% não trabalha nem estuda, contra 7,8% dos homens.
Em uma década, a situação dos jovens chamados de nem-nem mudou pouco. Em 2005, 20,2% das mulheres estavam nesta situação e 5,4% dos meninos. De acordo com a pesquisa, a hipótese mais provável é que essas meninas estejam cuidando de filhos ou da casa. Em média, 91,6% delas contaram que dedicam 26,3 horas semanais a afazeres domésticos. Já entre os meninos, 26,3% dos nem-nem que responderam cuidar da casa dedicam 10,3 horas semanais à atividade.
A especialista do IBGE no tema, Luana Botelho, destaca que a situação não se alterou na década, mesmo quando a situação econômica do país era mais favorável, em 2005."Podemos olhar a série histórica que a situação não se altera com a economia. O fato de ter mais ou menos emprego não vai fazer essa mulher deixar de ser nem-nem", disse. Para ela, são necessárias medidas específicas para permitir que as jovens diminuam a dedicação às tarefas domésticas e voltem a trabalhar.
No total, cerca de 70% das mulheres brasileiras estão fora do mercado de trabalho. A maioria tem 50 anos ou mais e não tem instrução ou só completou o ensino fundamental.
* Colaborou Tâmara Freire, repórter do Radiojornalismo da EBC
Fonte - Agência Brasil  02/12/2016

Região Metropolitana de Salvador ganhará R$ 14 bilhões em obras de infraestrutura

Infraestrutura 🚄

A perspectivas de investimentos foi feita pelo secretário de Infraestrutura do Estado, Marcus Cavalcanti, durante a realização do IV Fórum de Oportunidades e Investimentos na Bahia, realizado na sede da Federação das Indústrias (Fieb), ontem, numa iniciativa do setor empresarial baiano com vistas a intensificar o relacionamento com empresários de outras regiões do Brasil e de outros países. 

Tribuna da Bahia - RF
foto - ilustração/arquivo
O Governo do Estado quer começar 2017 em ritmo de obras e investimentos em infraestrutura e logística, e já em janeiro dá largada ao processo de consolidação do VLT (Veículo Leve sobre Trilho), ao lançar o edital de licitação para a obra. Estão previstos investimentos de R$ 14 bilhões em Salvador e Região Metropolitana em 2017, que incluem além do VLT e metrô, as Avenidas 29 de Março e Gal Costa e melhorias no sistema viário e de infraestrutura urbana dos municípios da RMS.
A perspectivas de investimentos foi feita pelo secretário de Infraestrutura do Estado, Marcus Cavalcanti, durante a realização do IV Fórum de Oportunidades e Investimentos na Bahia, realizado na sede da Federação das Indústrias (Fieb), ontem, numa iniciativa do setor empresarial baiano com vistas a intensificar o relacionamento com empresários de outras regiões do Brasil e de outros países. O evento teve como objetivo criar um ambiente favorável para atrair novos investimentos no Estado, reunindo os principais agentes econômicos nacionais e locais.
Conforme explicou o secretário da Seinfra, as parcerias com a iniciativa privada é o caminho para que obras estruturantes sejam realizadas no estado. Ele citou como exemplo claro a concessão do aeroporto internacional de Salvador, Deputado Luís Eduardo Magalhães, cujo leilão deverá ocorrer em março do próximo ano e o regime de parceria público privada com o Metrô de Salvador, que já está em funcionando na Linha 1 e cuja primeira etapa da Linha 2 vai ser inaugurada na próxima semana.
Para Cavalcanti, na Região Metropolitana de Salvador os investimentos de R$ 14 bilhões previstos serão feitos em parcerias com a classe empresária, no regime de Parceria Público Privada. “O poder público sozinho não tem como bancar grandes investimentos e as parcerias públicas privadas agilizam essas obras. Mas é importante haver a segurança jurídica e menos burocracia para atrair esses investidores”, disse.

A médio prazo
O Plano Plurianual (PPA) do Governo do Estado, que vai até 2019, prevê investimentos da ordem de R$ 95 bilhões, dos quais 80 bilhões são do Tesouro do Estado e R$ 13 bilhões vindos de outras fontes de receitas. Desses recursos, as obras de mobilidade urbana e do sistema viário de Salvador, deverão consumir investimentos de R$ 3,4 bilhões.
O secretário Marcus Cavalcanti explicou que dos R$ 14 bilhões previstos, pelo menos R$ 4 bilhões referem-se aos investimentos nas obras do metrô e do VLT. O VLT, cujos recursos totais deverão chegar a R$ 1 bilhão, deverá ter seu processo iniciado já em 2017, com a audiência pública para abrir o processo de licitação. A obra deverá ser concluída em 2019 e será feita também em regime PPP.
O metrô, que é a obra de maior custo, vai ter a primeira fase da Linha 2 inaugurada na próxima segunda-feira. O governador Rui Costa e o presidente da CCR Metrô Bahia, Luís Valença vão acompanhar o início da operação das estações Acesso Norte 2, Detran e Rodoviária. Essas estações começam a receber passageiros menos de dois anos após a ordem de serviço dada pelo Governo do Estado para início das obras na Linha 2, em fevereiro de 2015.
A previsão é que até maio o corredor de tráfego pela Avenida Paralela seja estendido até o Centro Administrativo e que em 2018 as Linhas 1 e 2 do metrô de Salvador estejam plenamente funcionando. Já prolongamento da Linha1, com 5,5 quilômetros, entre o terminal Pirajá e o bairro de Águas Claras, na BR-324, só deverá ficar pronto ao final de 2019.
No prazo até 2019, como prevê o Plano Plurianual do Estado, os investimentos previstos para as áreas de logística, desenvolvimento urbano e infraestrutura deverão somar R$ 9,4 bilhões. Nessas áreas estão as obras estruturantes e de mobilidade urbana, como o metrô, recuperação e construção de rodovias, implantação do trem metropolitano até Simões Filho, ampliação da linha 3 do metrô (Pirajá/Águas Claras), VLT do Subúrbio e a conclusão das avenidas Gal Costa e 29 de março.
O secretário de Infraestrutura explicou ainda que as o Estado da Bahia avança no regime de concessões, a exemplo do que fez com os aeroportos de Barreiras, Caravelas e Teixeira de Freitas, e Vitória da Conquista, que deverá passar pelo mesmo processo a partir de 2018, juntamente com o de Lençóis.O mesmo deverá acontecer com a nova Estação rodoviária de Salvador, cujo investimento de R$ 100 milhões será feito em regime de PPP. “A remuneração dos investimentos da iniciativa privada é feita com a outorga e a exploração de serviços e cobrança de tarifas”, disse.

Empresários estão otimistas com os investimentos
O leque de investimentos projetados pelo Governo do Estado nos próximos anos é visto com bastante otimismo pela classe empresarial baiana. A insegurança jurídica e excessiva burocratização, contudo, são fatores que dificultam a atração do capital privado, que mesmo se predispondo a investir, vêm com certas restrições a concretização de projetos.
A avaliação é do vice-presidente da Federação das Indústrias do estado da Bahia (Fieb), Carlos Gantois, que cobra uma definição do cenário político nacional como premissa para atrair investimentos privados em grandes obras públicas. “Não podemos continuar lamentando a crise econômica. É preciso mudar o cenário, mas para isso é preciso que se tenha segurança de investimento. E isso só será possível com uma definição do cenário político para que se possa estabelecer metas econômicas. Tudo isso acrescentado a simplificação do sistema tributário brasileiro e do sistema trabalhista para criar condições especiais e maior produtividade “, disse.
Para o vice-presidente da Fieb, o governo adotar uma gestão mais racional dos recursos públicos, com menos gastos e mais parcerias com o setor empresarial. “As concessões como as do aeroporto e metrô de Salvador são exemplos claro disso, pois o Poder Público não tem recursos para investir e estes recursos estão nas mãos da iniciativa privada”, explica.

Pequenos e médios
Presidente do Conselho Consultivo da Frente Parlamentar das Pequenas, Médias e Microempresas na Bahia, Gantois disse que a entidade pretende apresentar ao governador Rui Costa uma proposta de criação de um estatuto que regulamente essa atividade no estado. O projeto será encaminhado pelo presidente da Frente Parlamentar, deputado Eduardo Sales, e reúne representantes da Federação do Comércio, da Agricultura, Sebrae, CDL Fórum Empresarial Baiano, Associação Comercial e a Fieb.
A ideia, como explicou, é fomentar a interiorização das atividades empresariais e industriais no interior do estado, descentralizando os investimentos e criando condições para a implantação de empreendimentos em pequenas e médias cidades do interior. “Não podemos conceber um estado onde os investimentos sejam concentrados na capital e Região Metropolitana. É preciso implantá-los em para outras regiões”, disse.
Fonte - Revista Ferroviária  02/12/2016

MPF reitera pedido de liminar para restringir dragagens em Santos

Meio ambiente 🚢

Desde o ano de 2010, quando foram iniciadas as dragagens para aprofundamento e alargamento do canal de acesso ao porto de Santos, começou um rápido processo de erosão das faixas de areia das praias de Santos, entre os bairros do Embaré e Ponta da Praia, o que compromete cerca de 40% das praias da cidade e praticamente já fez desaparecer a faixa de areia da Ponta da Praia.

Por Portogente
Portogente
Para a procuradoria, dragagens intensificam ressacas e também causam erosão em metade das praias da cidade
O Ministério Público Federal reiterou o pedido de liminar na ação civil pública na qual contesta o excesso de dragagens na Baía de Santos, no trecho I do canal de navegação do Porto de Santos. O pedido foi apresentado em caráter de urgência para a 3ª Vara Federal de Santos em razão da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) ter reiniciado as escavações no local.
As escavações são feitas por draga que retira dezenas de milhares de toneladas de sedimentos da Baía de Santos por dia, descartando-os no oceano, em ponto distante das praias.
Desde o ano de 2010, quando foram iniciadas as dragagens para aprofundamento e alargamento do canal de acesso ao porto de Santos, começou um rápido processo de erosão das faixas de areia das praias de Santos, entre os bairros do Embaré e Ponta da Praia, o que compromete cerca de 40% das praias da cidade e praticamente já fez desaparecer a faixa de areia da Ponta da Praia.
Uma das consequências das dragagens é a intensificação e aumento do número de ressacas (ondas com mais energia). Antes restritas a, no máximo, quatro por ano, em 2010, primeiro ano das dragagens, o número de ressacas já saltou para 26, conforme apontam relatórios do Programa de Monitoramento do Perfil Praial contratado pela Codesp.
Após 2010, os efeitos de erosão e a perda do nível de areia das praias foram sentidos pela população, motivando um abaixo-assinado para proteção das praias, com 3.000 assinaturas, além de duas audiências públicas realizadas na Câmara Municipal.
A cada ano após o início das referidas dragagens na Baía de Santos, as ressacas atingem mais equipamentos públicos, derrubando muretas, ponto de ônibus, deixando expostas e sem sustentação, por falta de areia, raízes de coqueiros, cabos de iluminação dos postes, tubulação de água da Sabesp, que teve que ser transferida da faixa de areia para debaixo da ciclovia, além de causar prejuízos à população em geral.
Para o MPF, determinante para o problema são as falhas no Estudo de Impacto Ambiental (EIA-Rima) feito pela Codesp e aprovado pelo Ibama, que autorizou a dragagem na entrada do estuário de Santos. As praias, por exemplo, não foram consideradas áreas diretamente afetadas pelo empreendimento, não foram estudados os efeitos do aumento do canal de navegação sobre elas, mesmo seu traçado apontando diretamente para a direção das praias do Embaré e da Aparecida (entre os canais 4 e 6) e passando ao lado da Ponta da Praia, todas de Santos, e da praia do Góes, em Guarujá.
“O Eia-Rima cumpriu apenas seu papel formal, pois, na prática, tais relevantes efeitos nocivos à sustentabilidade ambiental não foram devida e previamente estudados e evitados”, afirma o procurador da República Antonio Daloia no documento em que reitera o pedido liminar. Consta da petição do MPF que a Codesp, o Ibama e a União “nada fizeram para evitar os efeitos erosivos da dragagem” depois de a ação ter sido proposta, em junho de 2015.
Para o MPF, é descabida a alegação da Codesp de que a construção dos Canais de Santos (de 1907), da Avenida da Praia (de 1940) e da Plataforma do Emissário Submarino (de 1973) são responsáveis pela acentuada erosão verificada ano após ano desde 2010, pois se tratam de “intervenções antrópicas existentes há muitos anos (de cem a quarenta anos atrás), consolidadas há décadas e que nunca tiverem o condão de causar a acelerada erosão ora em curso na Ponta da Praia e adjacências, conforme comprovam fotos de satélite comparativas da região” (veja as imagens na petição).
Ainda, sustenta o MPF, as alegações da Companhia Docas ignoram o fato de que a acelerada erosão e o aumento da intensidade e do número de ressacas iniciaram somente após fevereiro de 2010, quando começaram as dragagens na Baía de Santos para aprofundar e alargar o canal de navegação nela situado, o que permitiu a entrada de mais água no sistema hídrico da Baía de Santos, alterando os padrões hidrodinâmicos da região, nos termos de estudos de oceanógrafo do MPF e outros profissionais da área que instruem a ação.
Para o MPF, baseado em pareceres elaborados por peritos da instituição, a largura atual do canal de navegação, de 170 metros, é suficiente para a passagem e a navegação segura dos maiores navios que operam no Porto de Santos. A paralisação ou restrição da dragagem, portanto, não prejudicaria a operação do porto.
Fonte - Portogente  02/12/2016

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Começa a operação da linha 2 do Metrô de Salvador com três estações a partir de segunda (05/12)

Transportes sobre trilhos 🚇

A primeira faze da linha 2 do Metrô de Salvador,entra em operação na segunda feira ,05 de dezembro,com o inicio dos serviços embarque e desembarque de passageiros,das 03 primeiras estações concluídas,Acesso Norte,Detran e rodoviária.

Da redação
foto - ilustração/arquivo
Está prevista para a próxima segunda feira (05) o inicio da operação da linha 2 do Metrô de Salvador com as três primeiras estações Acesso Norte,Estação Detran e estação Rodoviária.
O inicio da operação é acompanhada pelo Governador da Bahia Rui Costa e pelo Presidente da CCR Metrô Bahia Luis Valença
Depois de menos de dois anos da assinatura da ordem de serviço,dada no inicio do ano de 2015 pelo Governo do Estado da Bahia,para o começo das obras da Linha 2 que ligara Salvador a vizinha cidade de Lauro de Freitas,passando pela Av. Paralela,as três primeiras estações entram em operação de embarque e desembarque de passageiros.
As obras da linha 02 do Metrô de Salvador,estão avançadas em mais de 80% em sua extensão até o Aeroporto de Salvador e a previsão para conclusão total da obra com a entrada em operação completa da linha 2 é para o final de 2017.
A linha 2 irá provocar uma grande transformação no sistema de transportes em toda a área coberta pela mesma,além de estabelecer uma ligação mais rápida entre vários vetores da cidade,deverá também contribuir para amenizar o fluxo intenso do tráfico de veículos na Av. Paralela e região.
Pregopontocom 01/12/2016

Demanda por transporte aéreo tem redução pelo 15º mês seguido

Aviação comercial  ✈

A oferta doméstica apresentou a 14ª baixa sucessiva, com redução de 6,1% no mesmo período.No acumulado do ano, a demanda doméstica registrou queda de 6,3%. A oferta doméstica apresentou a 14ª baixa sucessiva, com redução de 6,1% no mesmo período.

Sabrina Craide
Repórter da Agência Brasil

foto ilustração/Pregopontocom
Pelo 15º mês consecutivo, a demanda por transporte aéreo doméstico apresentou queda no Brasil. Em outubro, a queda foi de 5,6% comparada com o mesmo mês do ano passado. No acumulado do ano, a demanda doméstica registrou queda de 6,3%. A oferta doméstica apresentou a 14ª baixa sucessiva, com redução de 6,1% no mesmo período.
Segundo Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), entre as principais empresas aéreas brasileiras, apenas a Avianca apresentou crescimento na demanda doméstica em outubro de 2016, quando comparada com o mesmo mês de 2015, da ordem de 13,4%. Latam, Azul e Gol registraram retração de 11,7%, 5,2% e 3,5%, respectivamente.
O número de passageiros pagos transportados no mercado doméstico em outubro de 2016 chegou a 7,3 milhões, caindo 8,9% em relação a outubro de 2015 e também completou 15 meses consecutivos de queda.

Mercado internacional

Por outro lado, a demanda do transporte aéreo internacional de passageiros das empresas aéreas brasileiras registrou aumento de 2,6% em outubro deste ano, em comparação com o mesmo mês de 2015. O resultado encerrou sequência de sete meses consecutivos de queda e alcançou o maior nível para outubro desde o início da série histórica, em 2000.
Fonte - Agência Brasil  01/12/2016

Proseguem as obras de manutenção no Centro Histórico de Salvador

Centro Histórico 🏠

A Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder),segue com obras de manutenção no Centro Histórico de Salvador.A ação faz parte da manutenção do território tombado, realizada pelo Governo do Estado, e compreende também reforma de telhados, praças, paisagismo e recuperação do pavimento.O trabalho é feito de maneira permanente.

Da Redação
foto - Ascom Dircas/Conder
A Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder), vinculada à Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano (Sedur), concluiu a pintura de 31 casarões localizados nas ruas Gregório de Matos, João de Deus, 28 de Setembro e Largo do Pelourinho, Centro Histórico de Salvador.
A ação faz parte da manutenção do território tombado, realizada pelo Governo do Estado, e compreende também reforma de telhados, praças, paisagismo e recuperação do pavimento. O trabalho é feito de maneira permanente. Recentemente, a Conder finalizou a recuperação do piso e da calçada da Ladeira do Carmo.
“A pintura é feita por blocos de casa, o que facilita a logística do serviço e minimiza os transtornos para moradores e visitantes”, explica Milton Melo, superintendente Operacional da Diretoria do Centro Antigo de Salvador (Dircas/Conder), responsável pela execução do trabalho. Outros imóveis também serão contemplados até o final do ano nas ruas João de Deus, Laranjeiras e Gregório de Matos, sendo três já em andamento.
Segundo ele, a ação é indispensável à preservação das edificações, importantes marcos históricos da capital baiana. “As fachadas estão sujeitas a uma série de patologias que provocam danos à pintura, causadas pela retenção de umidade e componentes químicos presentes nas alvenarias e revestimentos antigos”, acrescenta.

foto - Ascom Dircas/Conder
Conservação do patrimônio
Como parte do trabalho de conservação do patrimônio histórico, a Dircas/Conder também está realizando a limpeza e pintura externa do Lar Franciscano Santa Isabel, palacete em estilo colonial do século XVII, fundado em 1848. No local está sendo construída mais um espaço de lazer, a Praça Ary Barroso, com área de 470 metros quadrados.
A recuperação de praças e largos também integra a série de ações para manutenção da área do Centro Histórico, por onde circulam 530 mil pessoas anualmente. Um exemplo é a Praça Thereza Batista, que foi recuperada pela Conder, com a troca da estrutura metálica e da cobertura, pintura das fachadas dos imóveis que compõem a praça, além da reforma do palco e camarins.
A reforma da Praça Pastores da Noite, no Pelourinho também foi concluída. Localizada entre o estacionamento, conhecido por 14-M e a Rua das Laranjeiras, o local é um importante acesso ao Centro Histórico de Salvador. Lá, foram realizados serviços de jardinagem, pintura, limpeza, desobstrução da tubulação para melhorar a drenagem e recuperação do mobiliário urbano. Atualmente, está sendo realizada a revisão elétrica da Praça Pedro Arcanjo.
Com informações da Secom Ba.  01/12/2016

Londres testa ônibus double-decker movido a "hidrogênio" com emissão zero

Sustentabilidade 🚏

O primeiro ônibus de dois andares do mundo movido a hidrogênio foi apresentado em 30/11 pela prefeitura de Londres.O veículo será testado nas ruas da cidade e a iniciativa faz parte de um esforço para a troca progressiva da antiga frota de ônibus movidos com motores a diesel,por novos e modernos veículos movidos por energia limpa com zero emissão.

Da redação
foto - ilustração/Wrightbus
Em um movimento para eliminar progressivamente os ônibus a diesel da capital,a Prefeitura de Londres apresentou o primeiro ônibus double-decker movido a hidrogênio do mundo e anunciou que não serão mais incorporados ônibus double-deck movidos a diesel puro a frota de Londres a partir de 2018. Além disso,todos os novos ônibus convencionais para o serviço no centro de Londres serão com emissões zero.
O novo double-decker com a nova tecnologia do hidrogênio,foi fabricado pela Wrightbus,empresa da Irlanda do Norte.
Segundo a Wrightbus,a nova tecnologia fornece um sistema de acionamento de emissão zero,que engloba uma célula de combustível de hidrogênio e uma bateria para alimentar o veículo.A combinação destas duas tecnologias torna a operação diária do veículo contínua e viável no sistema de transporte público.
No total serão entregues 20 ônibus a hidrogênio com parte do projeto financiado pela UE e a Transport for London com um percentual menor do financiamento.
O Prefeito Sadiq Khan,está incentivando outras cidades a seguir o exemplo de Londres e convidando-as para trabalharem juntas,para induzir o aumento da produção de ônibus com zero emissão de poluentes,diminuindo assim os custos de produção da nova tecnologia.
Pregopontocom 01/12/2016

Faturamento da indústria cai 3,3% em outubro, diz CNI

Economia $

Todos os indicadores da pesquisa registraram queda em outubro na comparação com setembro, nas séries de dados com ajuste sazonal. As horas trabalhadas na produção caíram 1,7% e alcançaram o menor nível da série histórica, que começou em 2003.

Da Agência Brasil
Ag.Brasil
O faturamento da indústria caiu 3,3% em outubro frente a setembro, na série com ajuste sazonal, de acordo com a pesquisa Indicadores Industriais, divulgada hoje (1º) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Essa foi a quarta redução consecutiva do indicador. Na comparação com outubro de 2015, a diminuição é de 18%.
Todos os indicadores da pesquisa registraram queda em outubro na comparação com setembro, nas séries de dados com ajuste sazonal. As horas trabalhadas na produção caíram 1,7% e alcançaram o menor nível da série histórica, que começou em 2003. De janeiro a outubro, as horas trabalhadas na produção acumulam uma redução de 8,3% frente ao mesmo período do ano passado.
O emprego recuou 0,6% em outubro ante setembro, na 21ª queda consecutiva do indicador. De janeiro a outubro, o emprego acusa retração de 8% em relação ao mesmo período de 2015.

Massa salarial cai 1,4% em outubro
A pesquisa mostra ainda que a massa salarial real caiu 1,4% em outubro na comparação com setembro. No acumulado de janeiro a outubro, a massa real de salários é 8,8% menor do que a de igual período do ano passado. O rendimento médio real dos trabalhadores encolheu 0,9% em outubro em relação a setembro. A perda é de 0,8% no acumulado de janeiro a outubro frente aos mesmos meses de 2015.
A utilização da capacidade instalada caiu 0,4% e alcançou 76,6% em outubro. É o menor nível desde 2003, quando começou a série histórica, informa a CNI.
Fonte - Agência Brasil  01/12/2016

Travessia marítima na Baia de Todos os Santos pelo Fery-Boat é tranquila nesta quinta(1/12)

Travessia marítima 🚢

A travessia marítima na Baia de Todos os Santos entre Salvador e a ilha de Itaparica através do sistema Ferry-Boat, tem movimento tranquilo nesta quinta (01/12) com quatro embarcações em serviço,com saídas sempre de hora em hora nos dois sentidos.

Da redação
foto - ilustração/arquivo🚢
O sistema Ferry-Boat que faz a travessia marítima entre a ilha de Itaparica e Salvador tem nesta quinta-feira (01),um movimento tranquilo nos dois terminais de embarques,Bom Despacho e São Joaquim.Quatro embarcações estão em operação no dia de hoje,são eles os ferries, Agenor Gordilho, Dorival Caymmi, Juracy Magalhães Júnior e Pinheiro,as saídas são realizadas dentro dos horários programados,sempre de hora em hora, e viagens extras podem ocorrer sempre que houver um aumento na demanda.Os usuários do sistema podem adquirir as passagens nos dois terminais com pagamento feito por meio de cartões de crédito,de débito ou em dinheiro.
A opção pelo serviço de hora,exclusiva para travessias de veículos e seus condutores,garante um embarque sem filas ou espera,a disponibilidade de vagas para este tipo de serviço pode ser consultada através do site da empresa -portalsits.internacionaltravessias.- e o pagamento das passagens deverá ser feito com cartões de débito ou crédito.Os terminais de embarques disponibilizam também acessos exclusivos para idosos,gestantes e pessoas com capacidade física reduzida ou limitação de movimentos
Para maiores informações o sistema disponibiliza uma Central de Atendimento ao Cliente (CAC), localizada no Terminal São Joaquim sempre funcionando de segunda a sexta, das 8h às 18h, e aos sábados, das 7h às 13h, e contatos podem ser feitos através do Tel 071 3032-0475 e pelo cac@internacionaltravessias.com.br.
Com informações da ITS  01/12/2016

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Obras do metrô alteram tráfego nas madrugadas dos dias 01,02 e 03/12

Mobilidade  🚙  🚉

Obras de remoção e montagens de passarelas,nos trechos do Shoping Salvador,Estação Rodoviária e no Detran provocarão algumas alterações no trânsito nesse locais  nos dias 01.02,03/12.Saiba quais serão as alternativas que deverão ser usadas devido as interdições. 

Da Redação
foto - ilustração/CCR
Para dar seguimento às obras da Linha 2 do Metrô de Salvador e Lauro de Freitas, a CCR Metrô Bahia e o Consórcio Mobilidade Bahia realizarão mudanças temporárias no tráfego das avenidas Tancredo Neves e ACM, nas madrugadas de 1º, 2 e 3 de dezembro.

As intervenções previstas são:
- 01/12 (quinta-feira), das 00h às 05h - A remoção de um trecho da antiga passarela do Salvador Shopping requer a interdição de um trecho da Av. Tancredo Neves, no sentido Paralela. O bloqueio será colocado pouco antes do Makro, o que provocará o desvio dos veículos para a Rua Marcos Freire, de onde poderão seguir pela Avenida Tancredo Neves até alcançar a Paralela (nas proximidades do Salvador Shopping).
- 02/12 (sexta-feira), das 00h às 05h - A remoção de um trecho da antiga passarela do Salvador Shopping requer a interdição de um trecho da Av. Tancredo Neves, no sentido Paralela. O bloqueio será colocado pouco antes do Makro, o que provocará o desvio dos veículos para a Rua Marcos Freire, de onde poderão seguir pela Avenida Tancredo Neves até alcançar a Paralela (nas proximidades do Salvador Shopping).
- 02/12 (sexta-feira), das 00h às 05h – A montagem de uma peça da nova passarela da Estação Detran requer a interdição parcial da Av. ACM, sentido Paralela, na altura da HDI Seguros. Os motoristas que passarem pelo local contarão com duas faixas livres à direita, exceto entre 2h e 2h30, quando a movimentação da estrutura motivará o bloqueio total da passagem.
- 03/12 (sábado), das 00h às 05h – A remoção de uma peça da antiga passarela da Rodoviária requer a interdição parcial da Av. ACM, sentido Rótula do Abacaxi, próximo ao Posto Mataripe. Os motoristas que passarem no local contarão com uma faixa livre à direita para tráfego, exceto entre 2h e 2h30, quando a movimentação da estrutura motivará o bloqueio total da passagem. O acesso ao Viaduto Raul Seixas estará livre durante todo o período.
Com informações da CCR Metrô Bahia  30/11/2016

Desmatamento na Amazônia cresce 29% em um ano

Desmatamento 🌿

O estado do Pará teve 3.025 km2 de sua área devastada, o que representa a maior taxa de desmatamento na Amazônia Legal. O Amazonas, contudo, é o estado que teve o maior aumento, com uma devastação 54% superior à registrada entre 2014 e 2015. Os únicos estados que apresentaram queda nas taxas foram o Acre e Mato Grosso. No entanto, Mato Grosso é o segundo estado com a maior área desmatada.

Débora Brito
Repórter da Agência Brasil

foto - ilustração/arquivo
Estimativas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciai (Inpe) apontam que o desmatamento da Amazônia teve crescimento de 29% em 2016. No período de agosto de 2015 a julho deste ano, o instituto registrou uma taxa de 7.989 quilômetros quadrados (km2) de remoção total da cobertura da floresta por corte raso. O país não atingia a marca de 7 mil quilômetros quadrados desmatados desde 2010.
O estado do Pará teve 3.025 km2 de sua área devastada, o que representa a maior taxa de desmatamento na Amazônia Legal. O Amazonas, contudo, é o estado que teve o maior aumento, com uma devastação 54% superior à registrada entre 2014 e 2015. Os únicos estados que apresentaram queda nas taxas foram o Acre e Mato Grosso. No entanto, Mato Grosso é o segundo estado com a maior área desmatada.
O mapeamento mostra ainda que, em comparação a 2004, quando foi iniciado o Plano para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia, houve redução de 71% na taxa de corte raso, ou seja, na eliminação de toda vegetação existente sobre uma área. Os dados são registrados por satélite em áreas que tem mais 6,25 hectares.

Repercussão
Especialistas e integrantes de organizações não governamentais reagiram ao resultado. Para Tasso Azevedo, coordenador do Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estufa do Observatório do Clima, o crescimento do desmatamento em 2016 deve representar um aumento de 130 milhões de toneladas de gás carbônico nas emissões brasileiras. “Isso equivale a tudo que emitiu em 2015 o Estado de São Paulo, o mais populoso do Brasil, ou a duas vezes a emissão total de Portugal. A área desmatada é o dobro da meta que o Brasil fixou para 2020, de reduzir o desmatamento na Amazônia em 80%, para 3.925 quilômetros quadrados. Estamos nos afastando cada vez mais do compromisso”, afirma.
O Greenpeace defendeu mudança nas políticas de combate ao desmatamento. “O número é a colheita do que se plantou nas políticas nos últimos anos: anistia a desmatadores no Código Florestal, abandono da criação de áreas protegidas e demarcação de terras indígenas e o passa-vergonha da meta para florestas do Brasil na ONU. Para reverter essa situação só há um jeito: desfazer as políticas erradas. O anúncio da transparência do Cadastro Ambiental Rural é um começo, mas é preciso fazer mais”, disse Marcio Astrini, coordenador de Políticas Públicas do Greenpeace.
O Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) também se manifestou sobre a elevação da taxa e cobrou ações mais efetivas de combate ao problema. “Essa taxa comprova que a luta contra o desmatamento precisa ser uma batalha nacional, não mais apenas da área ambiental. Nós, enquanto sociedade, deixamos que isso acontecesse, e agora teremos de ser criativos para reduzir e zerar a devastação. Precisamos de novos incentivos, de monitoramento mais eficiente e do envolvimento do setor privado. Só comando e controle não bastam mais”, declarou André Guimarães, diretor-executivo do Ipam.

Governo
Em nota, o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, afirmou que, desde junho, o orçamento da pasta obteve um crescimento significativo para as principais unidades envolvidas no combate ao desmatamento: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Serviço Florestal Brasileiro.
“O MMA [Ministério do Meio Ambiente] conseguiu disponibilizar a integralidade de limite para empenho, ou seja, o ministério tem hoje zero por cento de contingenciamento”, destacou o ministro.
Sarney declarou ainda que a nova fase do Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal deve ampliar o diálogo com os estados e os setores produtivos e que será elaborada uma lista de municípios prioritários na Amazônia e no Cerrado para a adoção de medidas de prevenção e controle do desmatamento. O ministro reconheceu que o monitoramento não é suficiente. “Embora necessários, instrumentos de comando e controle têm alcance limitado, sendo indispensável o desenvolvimento de alternativas econômicas”, declarou.
A Agência Brasil entrou em contato com a Secretaria de Meio Ambiente do estado do Pará, mas até o momento da publicação desta matéria, não recebeu retorno.
Fonte - Agência Brasil  30/11/2016

Três linhas de ônibus metropolitanos serão integradas ao Metrô e terão pontos finais alterados

Mobilidade 🚏 🚉

A partir da próxima semana,os passageiros de três linhas que passavam pela Terminal do Retiro,poderão realizar integração com a Linha 1 do metrô,o que vai garantir uma viagem mais rápida, cômoda e barata.

Da redação
foto -  Daniele Rodrigues/Sedur)
A partir da próxima segunda-feira (5), três linhas metropolitanas que ligam São Sebastião do Passé, Nova Dias D’Ávila e Candeias à Salvador terão como fim de linha o Terminal do Retiro, ao lado da estação de metrô. Esta mudança busca ampliar a integração das linhas rodoviárias metropolitanas com o sistema metroviário.
Os usuários das linhas 048A.URB (São Sebastião do Passé/Terminal da França), 803A2 (Nova Dias D’Avila/Estação Aquidabã) e 809.URB (Candeias/Estação Aquidabã), que passavam pela Terminal do Retiro, devem ficar atentos às mudanças. A partir da próxima semana, os passageiros poderão realizar integração com a Linha 1 do metrô, o que vai garantir uma viagem mais rápida, cômoda e barata.
O número de usuários deste sistema cresce a cada dia. Mais de 300 mil passageiros de ônibus urbanos e metropolitanos utilizam mensalmente a integração com o metrô de Salvador. O sistema integrado metropolitano permite ao usuário utilizar os dois modais pagando uma única tarifa, em intervalo de até três horas.


Atualmente, 17 linhas metropolitanas fazem parte do sistema, benefício que abrange todas as linhas de ônibus da região metropolitana que chegam a Salvador via BR-324.
Com informações da Secom Ba.  30/11/2016

Reunião discute plano estratégico de revitalização da Bacia do Rio Cachoeira

Meio Ambiente 💁

O rio Cachoeira é um rio importante localizado no sul do estado da Bahia.Ele nasce na cidade de Itororó na Serra de Ouricana e atravessa várias cidades até chegar em Itabuna e a sua foz em Ilhéus.A bacia hidrográfica do Cachoeira banha 12 municípios.O rio tem graves problemas se poluição ao longo da sua trajetória e na época de grandes chuvas,ocorrem enchentes que geralmente causam sérios problemas na cidade de Itabuna

Da Redação
Secom.Ba
A Secretaria do Meio Ambiente do Estado (Sema) promoveu reunião com o objetivo de discutir os projetos e ações para o Plano Estratégico de Revitalização do Rio Cachoeira, no sul da Bahia. O encontrou realizado no auditório da Ceplac, em Itabuna, reuniu representantes de instituições regionais e o presidente do Comitê de Bacias Hidrográficas do Leste, Luciano Veiga, na terça-feira (29).
A proposta é promover a articulação entre os atores da Bacia e os executores do Plano Estratégico para possibilitar o envolvimento e a participação no contexto de toda a elaboração. Para Luciano, do ponto de vista institucional, diversos atores poderão dar suas contribuições, “a exemplo da criação do Observatório de Recursos Hídricos, que terá a finalidade de ser um Centro Tecnológico de Informações”.
O observatório formará um núcleo de informação e projetos que permitem a condução eficiente e eficaz das políticas públicas e privadas do setor. Estarão disponíveis os Planos de Saneamento Básico, os Planos de Bacias, diagnósticos, planos e projetos de institutos de ensino e de outros.
O Comitê de Bacias irá se reunir com os integrantes nos próximos dias para continuar o debate. Segundo o presidente, os membros do comitê têm autonomia necessária para moldar o Plano Estratégico a sua real necessidade, ou seja, apesar de ser uma proposta do Governo, o plano terá que ter o DNA da região.
Com informações da Secom Ba.  30/11/2016

Ex Presidente Lula propõe usar US$ 100 bi de reservas para infraestrutura

Política

Lula voltou a falar da possibilidade de se candidatar à Presidência em 2018, com uma plataforma econômica que incluiria expansão de investimentos e de crédito para famílias de baixa renda.Disse que os bancos públicos precisam adotar uma política de mais crédito para famílias mais pobres e criticou a decisão do Banco do Brasil de reduzir o número de agências pelo país. 

Valor Econômico - RF
foto - ilustração/arquivo
O ex-presidente Luiz Inácio da Silva (PT) defendeu ontem que a receita para a retomada do crescimento econômico deve passar por uma injeção de investimentos da União e que os recursos para isso devem ser retirados das reservas internacionais.
Lula voltou a falar da possibilidade de se candidatar à Presidência em 2018, com uma plataforma econômica que incluiria expansão de investimentos e de crédito para famílias de baixa renda.O ex-presidente é réu em três ações penais e pode ficar inelegível se condenado por órgão colegiado do Judiciário.
Em dois dias de encontros e atos públicos em Belo Horizonte, Lula pareceu estar em campanha. Ontem pela manhã, em uma grande área ocupada por 8 mil famílias na cidade, ele subiu em palanque, pegou crianças no colo, entrou na casa de uma moradora e foi saudado como candidato.
Antes, em entrevista à Rádio Itatiaia, defendeu um programa de retomada do crescimento conduzido pelo Estado.
Disse que os bancos públicos precisam adotar uma política de mais crédito para famílias mais pobres e criticou a decisão do Banco do Brasil de reduzir o número de agências pelo país. "Nós estamos no momento que nós temos que abrir mais agências, [para] que o povo tenha acesso a dinheiro."
O ponto central, segundo disse, é recuperar a condição do Estado como "indutor" do crescimento.
"O Brasil precisa voltar a crescer urgente e o Brasil só vai crescer se a União voltar a fazer investimento. Nós temos US$ 300 bilhões de reserva [o último balanço do Banco Central registra US$ 372,5 bilhões]. Pega US$ 100 bilhões da reserva que está aplicada em dólar rendendo juro abaixo de zero, vamos transformar em reais e aplicar em obra de infraestrutura", disse ele na entrevista.
No início do ano, a ideia já havia sido defendida pelo PT e suscitou críticas entre economistas e oposição, que apontavam que a saída poderia desarranjar ainda mais as contas do país.
Tanto nos discursos quando na entrevista, Lula insistiu na mensagem de que foi capaz de lidar com momentos de crise econômica e que saberia fazê-lo novamente. A certa altura, ao falar da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), apontou o que considerou um erro: expandir para quase R$ 500 bilhões as desonerações e isenções a empresas. "Eu, se fosse a presidente Dilma na época, teria acabado com a desoneração para o Estado poder voltar a arrecadar."
Lula acusou o presidente Michel Temer de não apontar saída para reaquecer a economia e que há "incompetência" para lidar com a crise. Mas se disse contrário à ideia de embalar um pedido de impeachment. "O problema não é tirar mais um presidente. Já teve um golpe contra a Dilma."
Sobre 2018, disse - como em outras vezes - que gostaria de surgisse uma alternativa mais jovem para disputar a Presidência, mas que "se necessário" será candidato para ganhar. "E para provar que esse país não precisa estar na desgraceira que está."
Fonte - Revista Ferroviária  30/11/2016