domingo, 30 de abril de 2017

Odebrecht nega saída do consórcio que constrói metrô de Quito

Transportes sobre trilhos  🚇

Em seu comunicado de hoje, a Odebrecht apontou que "desde 4 de abril" este processo de cessão "se encontra suspenso" e que esta decisão "foi formalmente comunicada ao senhor prefeito de Quito em 18 de abril".A obra do metrô de Quito, cujo projeto abrange 22 quilômetros de túnel e 15 estações, foi licitada ao consórcio hispano-brasileiro em 2015 por mais de US$ 1,5 bilhão.

Da Agência EFE/Por Ag.Brasil
foto - ilustração/arquivo
O diretor regional da Odebrecht no Equador, Mauro Hueb, afirmou neste sábado (29) que a "prioridade" da empresa é finalizar as obras do metrô de Quito e assegurou que a cessão de sua participação no consórcio com a espanhola Acciona, e sua saída do mesmo, está suspensa desde 4 de abril. A informação é da agência EFE.
"Nossa prioridade atual é concluir as obras com segurança para benefício da cidade e da sociedade de Quito", assegurou Hueb em um comunicado divulgado pela Odebrecht.
O prefeito de Quito, Mauricio Rodas, informou ontem durante uma visita às obras do metrô sua aprovação à reorganização do consórcio, já que não tinha recebido objeções dos organismos multilaterais que financiam o projeto, como o Banco Mundial e o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF).
Rodas assegurou que deu este passo "em virtude de que o próprio consórcio o tinha solicitado no mês de outubro", e que a saída da Odebrecht implicava na "cessão da totalidade" de responsabilidades da construtora brasileira.
Em seu comunicado de hoje, a Odebrecht apontou que "desde 4 de abril" este processo de cessão "se encontra suspenso" e que esta decisão "foi formalmente comunicada ao senhor prefeito de Quito em 18 de abril".
A obra do metrô de Quito, cujo projeto abrange 22 quilômetros de túnel e 15 estações, foi licitada ao consórcio hispano-brasileiro em 2015 por mais de US$ 1,5 bilhão.
O Equador abriu uma investigação após a revelação da Justiça dos Estados Unidos, em dezembro do ano passado, de que a construtora brasileira pagou US$ 33,5 milhões a funcionários daquele país andino entre 2007 e 2016.
Fonte - Agência Brasil  29/04/2017

sábado, 29 de abril de 2017

Novo trem do Metrô de Moscou esbanja tecnologia

Transportes sobre trilhos  🚇

Inovador, silencioso e espaçoso foram alguns dos adjetivos usados pelas autoridades da cidade para descrever a nova tecnologia.O novo veículo também descrito como “o melhor trem de metrô do mundo”,segundo a Prefeitura da capital russa,tem um custo uma vez e meia menor que os seus equivalentes estrangeiros.

Ekaterina Sinelschikova - Gazeta Russa
foto -  Serguêi Kiselev/Agência Moskva
O sistema de metrô da capital russa lançou um trem de nova geração chamado Moscou.Inovador, silencioso e espaçoso foram alguns dos adjetivos usados pelas autoridades da cidade para descrever a nova tecnologia.
O novo veículo também descrito como “o melhor trem de metrô do mundo”,segundo a Prefeitura da capital russa,tem um custo uma vez e meia menor que os seus equivalentes estrangeiros.
Por enquanto, os novos trens estão funcionando apenas na linha Tagansko-Krasnopresnensky (violeta), que transporta o maior número de pessoas diariamente.

Operação suave e silenciosa
foto - Vladímir Pesnia/RIA Nôvosti
Os passageiros garantem que, ao contrário de outros trens no metrô de Moscou, os novos modelos funcionam de “maneira suave e silenciosa”.
Nos trens antigos, os passageiros são aconselhados a segurar nos corrimãos, pois a uma simples redução de velocidade pode resultar em queda.No novo trem, porém,os passageiros podem viajar sem a necessidade de se apoiarem nas barras de segurança,ou até se deslocando no interior da composição entre todos os carros,devido ao sistema gangwey,passagem livre entre eles.


Comodidades para viagens em pé
Para as pessoas que gostam de viajar em pé, os novos trens também oferecem algumas vantagens,como os apoios que simulam um assento,ainda que em pé.Além disso, há portas USB para carregar smartphones e outros dispositivos móveis.
Essas tomadas, porém, não podem ser usados por pessoas que estiverem sentadas no trem, já que estão localizadas em pontos onde não há assentos. Assim como nos demais trens já existentes, o Moscou também tem acesso Wi-Fi gratuito.

Luz do dia artificial
Mapa de consertos no metrô, informações sobre “o que se fazer ”, tarifas, regulamentos e publicidade , tudo o que costumava ser afixado nos antigos trens pode ser visto agora em monitores com tela touchscreen.
O monitor permite ao passageiro criar seu itinerário, calcular o tempo da viagem e até assistir à TV. É claro que, em alguns pontos, ainda se vê cartazes de informação e publicidade coladas nas laterais.
Os desenvolvedores do novo trem deram atenção especial à iluminação,o resultado é uma luz “fria” pela manhã e “quente” à noite.
Painéis verticais de LED também emolduram as portas.Quando a porta estiver fechada,a luz ficará branca,quando aberta,permanecerá vermelha.Quando piscar, indica que a porta deverá fechar em breve.

Mais espaços para todos
Os moscovitas costumam ficar ao lado da porta mesmo que não planejem sair na próxima estação,e isto é claro,incomoda os passageiros que tentam entrar e sair do trem. Nos novos trens, entretanto, as portas são mais largas, o que deixa todo o ambiente mais espaçoso e transitável.
Além disso, alguns assentos são do tipo dobráveis e, nos carros principais, há espaço para bicicletas, carrinhos de bebê e cadeiras de roda.
Fonte - Gazeta Russa  28/04/2017

Nota do Editor - Alguns pequenos ajustes foram feitos aqui na edição dessa matéria em relação ao texto original, para facilitar a leitura e compreensão do mesmo.

Sistema Ferry-Boat opera com esquema especial durante o período do feriado de 1º de maio

Travessia marítima  🚢

O sistema Ferry-Boat terá durante o período do feriado Dia do Trabalho,entre 28 de abril e 2 de maio,o mesmo esquema do último feriado, com viagens nos horários regulares e saídas extras sempre que  demanda aumentar. 

Da Redação
foto - ilustração
Para atender aos usuários que optarem pelo sistema Ferry-Boat durante o período de 28 de abril a 02 de maio – operação especial do feriado Dia do Trabalho – a ITS deverá manter o mesmo esquema do último feriado, com viagens nos horários regulares e saídas extras sempre que a demanda aumentar. Neste sábado (29), o funcionamento será antecipado no terminal São Joaquim, tendo início já a partir das 4h. Também já está programada a antecipação para às 4h no dia 02/05, a partir do terminal Bom Despacho.
Para este período,cinco embarcações, Maria Bethânia, ​Anna Nery, Ivete Sangalo, Juracy Magalhães Júnior e Zumbi dos Palmares permanecem à disposição da operação. Nestes cinco dias, a expectativa é de que circulem entre os dois terminais, São Joaquim e Bom Despacho, mais de 64.400 passageiros e mais de 9.700 veículos. O volume é equivalente ao transportando no mesmo feriado ano passado.
Os condutores de veículos interessados no serviço Hora Marcada podem verificar a disponibilidade de vagas atuais acessando o site -portalsits.internacionaltravessias.-, através do qual também deverá ser feita a compra das passagens por meio dos cartões de crédito e débito.Para esse serviço 
foram disponibilizadas ao todo 5.780 vagas.
Horários de funcionamento,com viagens extras em caso de aumento de demanda igual ou superior a 70% da capacidade da embarcação:
28/04: até 23h30 - 29/04: 4h às 23h30 - 30/04: 6h às 23h30 - 01/05: 6h às 23h30 - 02/05: 4h às 23h30
Com informações da ITS  28/04/2017

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Reforma trabalhista - a bomba mãe

Ponto de Vista   🔍

Como ocorre na fantasia, na dura realidade do País, a formiga (o projeto de reforma encaminhado pelo Executivo) se transformou em elefante (a proposta apresentada pelo deputado). E o conteúdo do projeto modificado permite afirmar que se trata de um elefante atômico, uma verdadeira bomba acionada para destruir e reconfigurar o sistema de relações de trabalho e o direito trabalhista.

Clemente Ganz Lúcio* - Portogente
foto - ilustração/arquivo
Entrou na pauta da Câmara dos Deputados a nova versão do projeto de reforma trabalhista, agora a partir do relatório apresentado pelo deputado Rogério Marinho, relator da Comissão Especial que analisa a proposta. Como ocorre na fantasia, na dura realidade do País, a formiga (o projeto de reforma encaminhado pelo Executivo) se transformou em elefante (a proposta apresentada pelo deputado). E o conteúdo do projeto modificado permite afirmar que se trata de um elefante atômico, uma verdadeira bomba acionada para destruir e reconfigurar o sistema de relações de trabalho e o direito trabalhista.
A justificativa que consta na apresentação do projeto indica um conjunto de fundamentos com os quais há, sim, acordo: a valorização da negociação, o fortalecimento sindical, a busca de solução ágil de conflitos, a segurança jurídica. Porém, o detalhamento da propositura no documento revela de maneira cristalina o verdadeiro sentido do projeto de reforma: criar um poderoso sistema de proteção trabalhista das empresas, que proporcione e acentue o desequilíbrio de força a favor do capital, transferindo para o trabalhador, individualmente, a solução dos conflitos entre capital e trabalho e afastando os Sindicatos dessa relação.
O projeto altera mais de 100 artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e outros 200 dispositivos! Amplia a liberdade de negociação para fixar parâmetros muito inferiores aos delimitados hoje na legislação. Os Sindicatos, os representantes no local de trabalho e o próprio trabalhador estão autorizados a reduzir direitos. As negociações coletivas resultarão em acordos com, no máximo, dois anos de validade, e fica proibida a ultratividade. Os Sindicatos celebram acordos com validade para todos os trabalhadores da base, sem que estes tenham nenhuma responsabilidade pelo financiamento dessa ação. As entidades perderão a capacidade de financiamento e, pior, o trabalhador que quiser contribuir com elas deverá comunicar a empresa – o que é um acinte à liberdade sindical. E tem mais: os trabalhadores deverão eleger comissões por empresas, nas quais fica proibida a participação sindical! Essas comissões terão poder de negociação e de quitação de débitos trabalhistas, que também podem ser saldados pelo próprio trabalhador, ao longo do ano. Criam-se as bases para o sindicalismo por empresa, sonho neoliberal no século XXI.
Inúmeras práticas de precarização das condições de trabalho e flexibilização das formas de contratação serão legalizadas. No limite, o trabalhador ganhará por hora trabalhada e ponto – trabalho intermitente, jornada parcial, teletrabalho, home office etc.
A Justiça do Trabalho será estruturalmente alterada, com a atuação restrita, e haverá inúmeros instrumentos para cercear o acesso dos trabalhadores a ela. O objetivo é limitar o ônus das empresas.
O projeto mira a redução estrutural do custo do trabalho, a garantia de que não haverá pressão distributiva, mas segurança jurídica e validade de acordos privados, entre empresas e indivíduos ou com Sindicatos fracos. Trata-se de uma proposta ousada, porque escancara uma intenção de recolocar as “coisas no seu devido lugar”. Como a bomba que Donald Trump lançou no Afeganistão, essa reforma tem efeitos destrutivos estruturais e de longo prazo, inúmeras vezes mais drásticos e perniciosos do que a da Previdência.
Tempos difíceis, de muita luta e mobilização para construir capacidade de resistir e/ou produzir o inédito. O futuro está para ser construído. É preciso ir à luta!
*Clemente Ganz Lúcio é técnico de Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).
Fonte - Portogente  28/04/2017

Grande Recife amanhece sem ônibus nas ruas no dia de greve geral

Greve Geral 🚌

O Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco manteve a decisão de paralisar as atividades, apesar de a Justiça do Trabalho ter determinado, nesta quinta-feira, que a categoria mantivesse a circulação de 50% dos ônibus nos horários de pico e 30% no restante do dia.

Diário de Pernambuco
foto - Milena Semann/DN
No dia de greve geral contra as reformas trabalhistas e da Previdência Social, a Região Metropolitana do Recife amanhece sem ônibus nas ruas. O Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco manteve a decisão de paralisar as atividades, apesar de a Justiça do Trabalho ter determinado, nesta quinta-feira, que a categoria mantivesse a circulação de 50% dos ônibus nos horários de pico e 30% no restante do dia. O descumprimento poderá acarretar em multa de R$ 100 mil.
Na terça-feira passada, o Grande Recife Consórcio de Transportes já havia feito a mesma recomendação à categoria: "O Grande Recife esclarece que foi informado pela imprensa quanto à paralisação dos rodoviários prevista para esta sexta-feira (28). Diante disso, encaminhou um ofício ao Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Pernambuco (Urbana/PE) solicitando a adoção de medidas legais e adequadas no sentido de garantir a circulação de 50% dos serviços de transporte público no horário de maior movimento de usuários, das 5h às 9h e das 16h às 20h, e 30% nos demais horários, a fim de evitar transtornos e prejuízos à população", informou o consórcio por nota.
Sobre a determinação, o presidente da Urbana-PE, Fernando Bandeira, informou que o sindicato das empresas "fará de tudo para cumprir a determinação". Na visão dele, o órgão estadual acertou ao determinar a circulação de pelo menos metade dos ônibus nos horários de pico. "O transporte não pode parar por completo. Existe uma obrigação legal para não deixar serviços essenciais pararem totalmente. Nesse caso, vamos agir de duas maneiras. Primeiro, vamos conscientizar nossos funcionários. Outra medida que vamos tomar é acionar os nossos advogados para ver quais medidas são cabíveis", pontuou.
Na segunda-feira passada, o Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco aderiu à greve geral convocada pela Central Única dos Trabalhadores. "Nós tomamos uma decisão apoiada pelos trabalhadores. No dia 28, essa greve geral vai ter o apoio dos rodoviários. Nós precisamos pressionar e só pressionamos nas ruas, parando e deixando o estado sem transporte. Não vai ter transporte", disse o presidente do Sindicato dos Rodoviários, Benilson Custódio, após a assembleia, na tarde dessa segunda-feira, na Avenida Guararapes. Nesta terça, ele informou que não recebeu o ofício do Grande Recife. "A categoria decidiu parar e, até agora, não recebi nenhuma notificação. Vou aguardar até amanhã para poder me posicionar sobre essa determinação", afirmou.

Metrô
Os metroviários também deflagraram adesão ao movimento paredista desta sexta em assembleia nesta terça-feira, às 18h, na Estação Central do Recife. "Toda a categoria, isto é, metroviários das áreas de manutenção, administrativo e operação, estava representada na assembleia e decidiu pela paralisação total nesta sexta. Também faremos um ato público para a população sobre os efeitos danosos das reformas do Governo Temer", afirmou o diretor de Comunicação do Sindicato dos Metroviários de Pernambuco, Levi Arruda.
Fonte - Diário de Pernambuco  28/04/2017

Região Metropolitana de Fortaleza recebe ônibus com ar-condicionado e wi-fi

Mobilidade  🚌

A mudança obedece ao Decreto 32.136/17 que estabelece o prazo de 8 anos para a adaptação integral da frota.Segundo o Governo do Estado, o prazo para a mudança integral da frota - 380 ônibus - do sistema metropolitano é de oito anos

Do Diário do Nordeste
foto - Carlos Gibaja/DN
A rede de transporte público da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) e do Cariri passou, esta semana, por renovação. Foram disponibilizados 30 novos coletivos equipados com ar-condicionado e acesso à internet wi-fi. Destes, 27 veículos foram destinados à RMF e três ao Cariri. A entrega ocorreu na Praça da Estação, no Centro de Fortaleza.
Segundo o governador Camilo Santana, a iniciativa de modernização do transporte coletivo cumpre o Decreto 32.136/2017, que vigora desde o dia 25 de janeiro. A norma, segundo o Governo do Estado, estabelece o prazo de oito anos para a mudança integral da frota - 380 ônibus - do sistema metropolitano. Com a alteração, os veículos usados darão lugar aos equipados com ar condicionado e wi-fi.
A norma que regula a substituição determina que os novos ônibus serão incorporados na proporção anual mínima de 12,5% da frota cadastrada. O decreto estabelece ainda que as empresas devem retirar de circulação os veículos que atingiram o limite de vida útil.
O Decreto rege e contempla os trajetos realizados entre os municípios de Caucaia, Maracanaú, Maranguape, Pacatuba, Eusébio, Itaitinga, Aquiraz, Pindoretama, Horizonte, Cascavel, Pacajus, Chorozinho, Guaiúba, Pacatuba e também São Gonçalo do Amarante.
Com a entrega destes 30 veículos, a expectativa é que a troca completa da frota ocorra antes de oito anos.
Fonte - Diário do Nordeste  28/04/2017

Trabalhadores de várias categorias param hoje em todo o país

Greve Geral  👷

Convocada por centrais sindicais e movimentos sociais, a greve geral marcada para hoje (28) em protesto contra as reformas trabalhista e da Previdência, que tramitam no Congresso Nacional, e a Lei da Terceirização deve ter a adesão de diversas categorias profissionais, que realizaram assembleias nos últimos dias e decidiram pela paralisação em várias cidades do país. A maioria atua nos serviços de transporte coletivo, aeroportos e escolas.

Da Agência Brasil
foto - ilustração
A greve de um dia foi convocada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), Intersindical, Central e Sindical Popular (CSP/Conlutas), União Geral dos Trabalhadores (UGT), Força Sindical, Nova Central, Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) e Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB).

Distrito Federal
Pelo menos 21 sindicatos que representam trabalhadores de diversas atividades aprovaram, em assembleia, apoio à greve geral. De acordo com a CUT-DF, cruzarão os braços os rodoviários, metroviários, bancários, professores da rede pública e privada, servidores administrativos do governo do Distrito Federal e do Departamento de Trânsito (Detran), além de técnicos e professores da Universidade de Brasília (UnB).
Também vão aderir vigilantes, trabalhadores do setor de hotéis, bares e restaurantes, servidores da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), da Companhia Energética de Brasília (CEB), do Ministério Público da União e das cidades do Entorno do DF, como Formosa, Águas Lindas e Valparaíso, além dos trabalhadores do ramo financeiro, como os de transporte de valores.
Apesar de os sindicatos, não terem marcado oficialmente atos, em virtude da paralisação dos transportes públicos, está prevista uma manifestação, às 11h, no gramado central da Esplanada dos Ministérios.

São Paulo
Ao menos 15 categorias informaram que vão parar no estado, entre elas os metroviários (com exceção da Linha Amarela), ferroviários (Linhas 7, 10, 11 e 12 da CPTM não funcionarão); professores da rede pública estadual, municipal e particular, bancários de São Paulo, Osasco e região; servidores municipais, trabalhadores da Saúde e Previdência do estado e metalúrgicos do ABC.
Também vão parar os rodoviários de São Paulo, Guarulhos (paralisação de 24 horas com contingente de 30% da frota), Santos, Campinas, Sorocaba e região; petroleiros das refinarias de Paulínia (Replan), Capuava (Recap) de São José dos Campos e Cubatão; portuários de Santos; e os funcionários dos Correios, que decretaram greve nacional por tempo indeterminado.
Aeroviários paulistas decidiram pela adesão à greve geral a partir das 5h. A paralisação envolve funcionários das empresas aéreas que atuam no check-in, como auxiliar de serviços gerais, mecânicos de pista, despachante de voo, entre outros cargos, do Aeroporto de Guarulhos.
Por conta da paralisação, as companhias Avianca, Gol e Latam informaram, em nota, que os voos poderão registrar atrasos e cancelamentos em rotas domésticas e internacionais.
Na noite dessa quinta -feira, os aeronautas (pilotos e comissários) anunciaram que não vão aderir à greve. De acordo com o sindicato, a decisão foi confirmada em assembleia em Brasília, Campinas, no Rio de Janeiro, em São Paulo e Porto Alegre.
Segundo nota divulgada pelo sindicato da categoria, a orientação é "encerrar movimentações para qualquer tipo de paralisação próxima", uma vez que foram retiradas da proposta de reforma trabalhista pontos que prejudicavam a categoria. "A categoria foi excluída do artigo que permite a contratação por meio de contrato de trabalho intermitente. Desta forma, não haverá a possibilidade de pilotos e comissários serem convocados para trabalhar de forma esporádica, recebendo apenas por trabalho realizado. Isso afetaria diretamente a segurança de voo", disse a entidade.
Trabalhadores do Porto de Santos também aprovaram em assembleia a participação na greve geral.

Rio de Janeiro
Os funcionários do metrô e os motoristas e cobradores de ônibus vão parar nas primeiras horas de hoje (28), assim como professores das escolas públicas e particulares, policiais civis, militares, federais; servidores da Justiça Federal e da Trabalhista; radialistas; petroleiros; carteiros e aeroviários.
A Secretaria Estadual de Transportes informou que os sistemas de metrô, trens, barcas e ônibus intermunicipais funcionarão normalmente, mas que há planos de contingência. A concessionária do serviço ferroviário no estado e a MetrôRio, que administra o metrô da cidade, informaram que vão monitorar a demanda de passageiros para reforçar a operação, caso haja necessidade.
Segundo as empresas municipais de ônibus, que operam por meio da Rio ônibus, o trabalhador que não comparecer será considerado ausente e estará sujeito às punições previstas na legislação trabalhista. A concessionária do VLT Carioca informou que o Veículo Leve sobre Trilhos terá operação normal nas linhas 1 e 2 .
As secretarias estadual e municipal de Educação informaram que as escolas abrirão normalmente. Os profissionais que faltarem terão o ponto cortado. O Colégio Federal Pedro II enviou nota informando que será ponto facultativo e que não vai descontar o dia de quem não for trabalhar.

Minas Gerais
No estado, ao menos 14 categorias decidiram em assembleia aderir à greve geral convocada pelas centrais sindicais. Aderiram à greve: rodoviários, metroviários, professores das redes pública e privada, servidores públicos, profissionais da saúde, trabalhadores dos Correios, eletricitários, bancários, psicólogos, economistas, jornalistas, radialistas, petroleiros e aeroportuários, entre outros. A maior mobilização ocorrerá em Belo Horizonte, onde está previsto um ato nas ruas do centro a partir das 9h.
Os professores das escolas municipais de Belo Horizonte aprovaram uma greve de dois dias, que começou ontem (27). Professores e servidores da Universidade Federal de Minas Gerais também decidiram cruzar os braços, assim como os das universidades federais de Juiz de Fora, de Viçosa e de Uberlândia. Segundo o Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais, docentes de mais de 30 escolas e universidades particulares da capital não irão trabalhar, entre elas, a Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Minas Gerais.
Bancários de diversos municípios também aprovaram a adesão, e as agências devem ficar fechadas em Juiz de Fora, Patos de Minas, Ipatinga, Uberaba, Cataguases, Divinópolis e Teófilo Otoni, além de Belo Horizonte.
No caso da saúde, algumas unidades vão funcionar com escala mínima. De acordo com o Sindicato Único dos Trabalhadores da Saúde de Minas Gerais (Sind-Saúde), é o caso do Hospital de Pronto-Socorro João XXIII e dos hospitais Júlia Kubistchek e Odete Valadares.
O Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MG) concedeu liminar à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) determinando que 80% dos trens circulem nos horários de pico e 60% nos demais horários. O sindicato será multado em R$ 250 mil caso descumpra a decisão. O Sindicato dos Metroviários diz que a paralisação deve ser geral.
O TRT-MG declarou feriado o dia de hoje no órgão, suspendendo as audiências e os prazos que venceriam na data, que serão prorrogados para o primeiro dia útil seguinte.
A BH Airport, concessionária do Aeroporto Internacional de Confins, informou que os serviços serão oferecidos normalmente, mas recomenda que os passageiros informem-se previamente com as companhias aéreas sobre a situação de seus voos.

Bahia
Na Bahia, pelo menos seis categorias profissionais pretendem suspender as atividades. Os rodoviários em Salvador iniciaram a paralisação à meia-noite. As agências bancárias estarão fechadas. Como segunda-feira (1º) é feriado, os serviços internos serão retomados a partir da terça-feira (2).
Professores das redes estadual e municipal vão aderir à greve geral. Os médicos estaduais também informaram que vão suspender os atendimentos eletivos (como consultas). Os serviços de urgência e de emergência serão mantidos. Os petroleiros vão parar, assim como os servidores municipais, da Justiça e do Ministério Público Estadual.
A prefeitura de Salvador informou que os servidores que faltarem “sem justificativa para a ausência terão o ponto cortado” e que os funcionários que forem trabalhar poderão usar serviços de táxis sem custo, nos horários de início e fim de expediente.
No Aeroporto Internacional de Salvador, aeronautas (pilotos e comissários de voo) anunciaram adesão ao movimento, e voos poderão ser cancelados ou remarcados. A Associação Brasileira das Empresas Aéreas orienta os passageiros com viagem marcada para que entrem em contato com a empresa aérea e se informem sobre possíveis cancelamentos e remarcações.

Ceará
Pelo menos 21 cidades terão paralisações e atos. Várias categorias anunciaram adesão à greve geral, a exemplo dos profissionais da educação, da construção civil e do transporte público. Os servidores do Judiciário também informaram que participarão da greve.
A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social reforçará o número de policiais militares em praças, nos terminais de integração do transporte coletivo e nas principais avenidas. A Autarquia Municipal de Trânsito vai atuar na organização do fluxo de veículos nos locais onde houver manifestações.

Pernambuco
Policiais civis, federais, rodoviários federais, agentes penitenciários e guardas municipais do Recife e dos municípios de Camaragibe e Ipojuca, região metropolitana do Recife devem aderir à greve geral.
No setor público, vão parar servidores da Assembleia Legislativa e do Ministério Público de Pernambuco, professores e servidores da Universidade de Pernambuco e auditores fiscais da Secretaria da Fazenda do estado.
Professores e profissionais das redes estadual, municipal e privada de educação de todo o estado também aderiram ao movimento. Houve adesão ainda de metalúrgicos, petroleiros, químicos, indústria naval, construção pesada, bancários e comerciários. Segundo a Central Única dos Trabalhadores (CUT), categorias como psicólogos, farmacêuticos, odontologistas, porteiros, técnicos de enfermagem, enfermeiros e condutores de ambulância aprovaram, em assembleia, a greve.
Quanto ao funcionamento dos ônibus e do metrô, a desembargadora Gisane Barbosa de Araújo, do Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (TRT), determinou que 50% da frota circule nos horários de pico e 30% nos demais períodos. Foi estabelecida multa de R$ 100 mil caso haja descumprimento. O Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco informou que a paralisação está mantida.
Fonte - Agência Brasil  28/04/2017

Brasil tem a maior taxa de desemprego da história e bate vários outros recordes amargos

Economia  👷

Os números mostraram queda na taxa de ocupação e registra inéditos 14 milhões de desempregados em todo o Brasil.Essa foi a maior taxa de desemprego desde que o IBGE começou a divulgar os números, no primeiro trimestre de em 2012.

Sputnik
foto - ilustração
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD) na manhã desta sexta. Os números mostraram queda na taxa de ocupação e registra inéditos 14 milhões de desempregados em todo o Brasil.
De acordo com o IBGE, o primeiro trimestre do ano registrou uma taxa de desocupação (desemprego) de 13,7%, uma alta de 1,7 ponto percentual frente ao último trimestre de 2016 (12,0%) e de 2,8 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano passado.
Essa foi a maior taxa de desemprego desde que o IBGE começou a divulgar os números, no primeiro trimestre de em 2012.
O Brasil também alcançou a marca inédita de 14,2 milhões e bateu o recorde da série histórica. Entre o trimestre anterior e o atual fechado em março, foram 1,8 milhões de pessoas a perderem seus empregos. A alta foi de 14,9%.
O número de empregados com carteira de trabalho assinada recuou tanto em relação ao último trimestre de 2016 (-1,8% ou menos 599 mil pessoas) quanto na comparação no mesmo período do ano passado (-3,5% ou menos 1,2 milhão de pessoas). É também o menor contingente de trabalhadores com carteira assinada já observado na série histórica da pesquisa.
Fonte - Sputnik  28/04/2017

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Operação flagra 70,37% de motoristas trabalhando irregularmente no país

Transportes  🚚

A operação fez parte da Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes do Trabalho (Canpat), feita neste mês de abril, e do movimento Abril Verde, que teve como tema Conhecer para Prevenir. O dia 28 de abril é mundialmente dedicado à memória das vítimas de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho.

Andreia Verdélio
Repórter da Agência Brasil

foto - ilustração
Excesso de jornada, falta de descanso, trabalho sem registro em carteira e fraudes no seguro-desemprego foram algumas situações flagradas pelo Ministério do Trabalho durante a fiscalização do setor de transporte nas rodovias do país, em abril. Segundo a pasta, 70,37% dos caminhoneiros abordados estavam trabalhando irregularmente.
A operação fez parte da Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes do Trabalho (Canpat), feita neste mês de abril, e do movimento Abril Verde, que teve como tema Conhecer para Prevenir. O dia 28 de abril é mundialmente dedicado à memória das vítimas de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho.
A Secretaria de Inspeção do Trabalho do ministério priorizou na campanha deste ano as atividades do setor de transporte, que tem sido um dos destaques negativos em acidentes de trabalho, principalmente o transporte rodoviário. Em 2013, o setor foi responsável por uma taxa de mortalidade de 30,28%, um indicador 4,6 vezes maior do que a taxa nacional no ano, que foi 6,53%. O setor rodoviário de cargas concentra o maior número de mortes no segmento de transporte, em média, 15% das mortes do setor ocorrem com motoristas de caminhão.
Para o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, no caso dos motoristas de caminhões, além da própria vida e saúde, colocam em risco a vida de outras pessoas. “Os casos de informalidade e com jornada exaustiva reduzem a capacidade do próprio trabalhador de conduzir o veículo. E os riscos são iminentes”, disse.

Impactos sociais e econômicos
Além dos danos individuais, existe ainda um impacto social dos acidentes de trabalho, segundo Nogueira. “Aquele trabalhador que muitas vezes é surpreendido por um acidente de trabalho ou tendo a saúde afetada, esse trabalhador termina indo para a Previdência Social, que precisa amparar esse trabalhador.”
Segundo o ministério, estima-se que os gastos e despesas relacionados a acidentes e doenças de trabalho atinjam 4% do Produto Interno Bruto (PIB), o que totalizaria, somente em 2016, valores superiores a R$ 200 bilhões ao ano. Nesse montante estão despesas do Sistema Único de Saúde e com benefícios previdenciários, além de despesas e gastos de empregadores por conta de dias parados, perda de produtividade e ações de ressarcimento. O equivalente a 7 milhões de dias de trabalho são perdidos a cada ano.
Dados de 2010 a 2014 revelam a ocorrência média anual de 710 mil doenças e acidentes de trabalho, que resultam em 15 mil incapacitações permanentes e mais de 2,8 mil mortes. Ou seja, um acidente a cada 44 segundos, uma incapacitação a cada 30 minutos e uma morte a cada 3 horas nos locais de trabalho do país.

Minuto de silêncio
Durante o balanço da Canpat, hoje (27), em Brasília, autoridades fizeram um minuto de silêncio em memória de todas as vítimas de acidentes de trabalho.
O procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Curado Fleury, estendeu seu pesar à aprovação da reforma trabalhista, ontem (26) na Câmara dos Deputados. “Confesso que meu minuto de silêncio se estendeu das vítimas de acidente de trabalho para o próprio direito de trabalho que sofreu um duro golpe”, disse. “Espero que no Senado Federal ainda haja espaço para a discussão democrática, aberta e sincera das consequências do que foi aprovado ontem”.
Sobre a Canpat, Fleury ressaltou que é preciso conscientizar as empresas para a cultura da prevenção. “O trabalhador deve voltar pra casa da mesma forma que ele saiu. Ele saiu vivo e saudável e assim deve retornar para sua família”, disse. “Mas se a palavra da moda é desenvolvimento e recuperar a economia, o que representa isso para a economia do país?”.
Fleury citou dados do Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho, que apontam que, entre 2012 e 2016, os trabalhadores brasileiros perderam mais de 250 milhões de dias de trabalho devido a acidentes e doenças ocupacionais, enquanto cerca de 20 bilhões de reais foram gastos com benefícios acidentários.
A nova ferramenta online apresenta dados georreferenciados de incidência e de número de notificações de acidentes de trabalho, gastos previdenciários acumulados e dias de trabalho perdidos, entre outros. Ela foi lançada hoje pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e desenvolvida em parceria com a Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP).

Subnotificação de acidentes
Segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait), Carlos Fernando Silva Filho, apenas um quinto dos acidentes de trabalho ocorridos no Brasil são notificados de maneira oficial pois mais de metade da população economicamente ativa vive na informalidade. “Isso é uma catástrofe. O que já é comunicado é alarmante, 700 mil acidentes, se nós multiplicarmos por cinco, teremos 3,5 milhões de acidentes em razão de condições inadequadas de trabalho.”
Para ele, a Canpat é positiva, pois, de maneira institucional, leva a mensagem da cultura prevencionista como uma das medidas mais eficazes para evitar os problemas de saúde e acidentes de trabalho.
Silva critica, entretanto, o fato de o governo federal não ter reservado orçamento para a fazer concurso e contratação de auditores fiscais do trabalho. Segundo ele, o quadro de auditores é o pior dos últimos 20 anos. “Temos 1,2 mil cargos vagos dos 3,6 mil que existem por lei. Mas esse quadro que já existe é um quadro ultrapassado de acordo com as regras da OIT, que dá conta que o Brasil precisaria de 8 mil auditores fiscais do trabalho.”
Fonte - Agência Brasil  27/04/2017

Ferry-Boat tem movimento tranquilo nesta quinta (27)

Travessia marítima  🚢

O sistema Ferry-Boat está operando nesta quinta-feira (27), com quatro (04) embarcações, Anna Nery, Juracy Magalhães Jr., Zumbi dos Palmares e Ivete Sangalo, com saídas nos horários programados com intervalos de hora em hora.

Da Redação
foto - ilustração/arquivo
O sistema Ferry-Boat,que realiza a travessia marítima entre Salvador e a ilha de itaparica,está operando nesta quinta-feira (27), com quatro (04) embarcações, Anna Nery, Juracy Magalhães Jr., Zumbi dos Palmares e Ivete Sangalo, com saídas nos horários programados com intervalos de hora em hora.Viagens extras podem ocorrer com eventual aumento na demanda durante o dia.O movimento de passageiros e veículos está tranquilo nos dois terminais,em São Joaquim e Bom Despacho.
Os usuários do sistema dispõem ainda do serviço de Hora Marcada,que deverá ser consultado antecipadamente através do site da ITS, -portalsits.internacionaltravessias- para verificar a disponibilidade de vagas para embarque e aquisição das passagens através de cartões de credito ou débito
Uma Central de Atendimento ao Cliente (CAC), localizada no Terminal São Joaquim funciona de segunda a sexta, das 8h às 18h, e aos sábados, das 7h às 13h.
Contatos através do Tel 071 3032-0475 e pelo cac@internacionaltravessias.com.br.
Com informações da ITS  27/04/2017

Pilotos e comissários ameaçam aderir à greve geral no dia 28

Greve Geral  ✈ 

Pilotos e comissários de bordo ameaçam paralisar suas atividades nesta sexta-feira, 28, durante greve geral convocada por sindicatos e movimentos sociais de todo o país. A informação é do presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil (Fentac), Sérgio Dias, em entrevista à Sputnik.

Sputnik
foto - ilustração/arquivo
O dirigente disse que o pessoal que trabalha em terra (aeroviários) e os aeroportuários, como as equipes de manutenção e os que trabalham na infraestrutura dos aeroportos, já decidiram cruzar os braços, enquanto pilotos e comissários de bordo decidem a adesão em assembleias nesta quinta-feira. A categoria já aprovara anteriormente a decretação do estado de greve. A paralisação ganhou considerável reforço nesta quarta-feira, depois que o Sindicato dos Aeroviários de Guarulhos pediu a colaboração do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST)) para fechar os dois principais aeroportos do país, o de Guarulhos e o de Congonhas. O aeroporto internacional tem mais de 700 pousos e decolagens por dia, enquanto em Congonhas são quase 500. 
A assembleia de pilotos e comissários desta quinta-feira também vai discutir diversos pontos que estão sendo criticados na reforma trabalhista aprovada na Comissão da Câmara e que agora segue para votação em plenário. Vários pontos estão sendo considerados prejudiciais, como a proposta que legaliza turnos de 12 horas trabalhadas por 36 de descanso e o fim de legislações específicas, como a da categoria de aeronautas.
"Essa reforma aborda vários pontos que nos preocupam, como o trabalho intermitente, quando um tripulante pode ser destacado para trabalhar em determinada época do ano. Quando em alta ele trabalharia, enquanto na baixa estação ele ficaria desempregado. Com isso você não tem como planejar a sua vida, a questão profissional e social", diz Dias.
O presidente da Fentac aponta ainda outra questão preocupante para a categoria: a idade mínima de 65 anos para homens na reforma da Previdência, o que inviabilizaria a carreira de pilotos internacionais, que não podem mais voar ao chegar a essa idade. Para evitar essas mudanças, os aeronautas estão elaborando algumas propostas de emenda para garantir uma condição mínima de trabalho para esses profissionais que têm a responsabilidade de conduzir passageiros e cargas.
"Além da reforma trabalhista, a previdenciária também nos atinge de forma bastante cruel. Como pilotos e comissários tendem a ingressar com uma idade não muito tenra — eles precisam de aplicação nos estudos — você não tem o tempo dos 49 anos exigidos de contribuição e chegar aos 65 para receber a integralidade dessa aposentadoria. Estamos colocando que, ao chegar aos 65, eles tenham a integralidade da aposentadoria", observa Dias.
Fonte - Sputnik  26/04/2017

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Ouvidoria Itinerante da CCR Metrô Bahia volta à Estação Lapa

Transportes sobre trilhos  🚇

Lançado em setembro de 2016, o programa já recebeu quase 500 manifestações de usuários, com predominância dos pedidos de informação, que correspondem a mais de 60 % dos registros. As sugestões ocupam o segundo lugar em frequência, correspondendo a 30% do total.

Da Redação
Divulgação/CCR
A Estação Lapa do metrô volta a receber a Ouvidoria Itinerante da CCR Metrô Bahia, em sua terceira edição em 2017, nesta quinta-feira (27), das 7h às 19h. Ao longo do dia, os usuários poderão registrar suas sugestões, solicitações de informação, elogios e reclamações diretamente com a ouvidora da concessionária.
Lançado em setembro de 2016, o programa já recebeu quase 500 manifestações de usuários, com predominância dos pedidos de informação, que correspondem a mais de 60 % dos registros. As sugestões ocupam o segundo lugar em frequência, correspondendo a 30% do total.
A proposta da Ouvidoria Itinerante é que sua equipe possa receber o usuário no local e momento da prestação do serviço, consolidando o diálogo entre a CCR Metrô Bahia e a população de Salvador e Região Metropolitana. O objetivo é solucionar a manifestação do usuário no mesmo dia do atendimento.
Além da Estação Lapa, o programa já passou pelas estações Acesso Norte, Campo da Pólvora, Rodoviária e Pirajá.
A Ouvidoria Itinerante acontece em estandes montados nas estações de metrô. Todos que são atendidos recebem um número de protocolo para acompanhar a solicitação feita para a Ouvidoria da concessionária.
Com mais de 26 mil atendimentos realizados desde o início da operação do Sistema Metroviário de Salvador e Lauro de Freitas, a Ouvidoria da CCR Metrô Bahia funciona de segunda a sexta, das 7h às 22h, e aos sábados, das 7h às 14h, com atendimento pelo 0800 071 8020 e o faleconosco.metrobahia@grupoccr.com.br. Os usuários também podem fazer contato pelo Fale Conosco do site www ccrmetrobahia com br, disponível 24 horas.
Com informações da CCR Metrô Bahia  26/04/2027

Reforma: o que era ruim, ficou pior!

Ponto de Vista  🔍

O substitutivo dos catedráticos do mercado é de fato uma reforma para o mercado e o capital, e o desmonte para os trabalhadores e suas organizações protetivas, os sindicatos. Trata-se, portanto, “da mais profunda e extensa proposta de precarização das relações de trabalho dos últimos 70 anos”, como preconiza nota técnica sobre o substitutivo, elaborada pela LBS Advogados, parceiro do DIAP.

Marcos Verlaine* - Portogente
foto - ilustração
O relator do projeto que trata da “reforma” trabalhista (PL 6.787/16), deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), apresentou parecer, na forma de substitutivo, à proposta do governo, no dia 12 de abril. O que já era ruim, ficou muito pior. O parecer é obra de catedráticos do mercado. Foi feito a várias mãos. Cuidaram de tudo. Grosso modo, não tem brechas ou erros que possam comprometê-lo.
O substitutivo dos catedráticos do mercado é de fato uma reforma para o mercado e o capital, e o desmonte para os trabalhadores e suas organizações protetivas, os sindicatos. Trata-se, portanto, “da mais profunda e extensa proposta de precarização das relações de trabalho dos últimos 70 anos”, como preconiza nota técnica sobre o substitutivo, elaborada pela LBS Advogados, parceiro do DIAP.
Numa análise preliminar, vê-se que os trabalhadores perderão com a aprovação do fim das proteções legais aos direitos conquistados ao logo de mais de 70 anos de lutas.
Para o mercado e o capital, a reforma fornece “segurança jurídica” e propícia a tão propalada “melhoria do ambiente de negócios”. Estes eufemismos ancoram o desejo, há muito acalentado pelo mercado, de acabar com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e desmontar o movimento sindical. E não pode ser diferente, pois para cumprirem esse script precisam destruir as organizações que irão se opor ferrenhamente ao cenário devastado que surgirá pós-CLT.
O relatório que o deputado Marinho apresentou é um novo projeto, que trouxe algo inimaginável em outro contexto. No atual, está configurado o “vale tudo”, o “salve-se quem puder”, o “poder do mais forte”, porque será isto que definirá os processos negociais pós-CLT.

Negociado sobre o legislado
A coluna vertebral do projeto é a instituição do negociado sobre o legislado. É como dissemos em outras oportunidades, que não ficaria apenas nos treze itens do projeto original. O relator ampliou para quatro vezes mais o que o governo propôs.
Além da prevalência da negociação sobre a legislação, o relator acrescentou que os acordos poderão se sobrepor às convenções. Isto é, se alguma convenção avançar o sinal, o acordo poderá reduzi-la.

Comissão de representantes
O substitutivo apresentado propõe a instituição da comissão de representantes no local de trabalho. Pelo texto, essa comissão vai substituir as prerrogativas e responsabilidades do sindicato, inclusive com poder negocial.
A eleição da comissão não poderá sofrer “interferência” da empresa e do sindicato da categoria. E, ainda, “organizará sua atuação de forma independente”. Os membros terão estabilidade. O mandato será de um ano, com uma recondução, mas os representantes não terão liberação.

Contribuição sindical
O texto do relator extingue, na prática, esta e outras formas de custeio para os sindicatos e os empregadores, que até poderão descontar a contribuição dos empregados, “desde que por eles devidamente autorizados”.
Veja a redação do substitutivo: “Art. 579. O desconto da contribuição sindical está condicionado à autorização prévia e expressa dos que participarem de uma determinada categoria econômica ou profissional, ou de uma profissão liberal, em favor do sindicato representativo da mesma categoria ou profissão ou, inexistindo este, na conformidade do disposto no art. 591 desta Consolidação. (NR)”
Por esta orientação expressa, vê-se qual intenção está por trás dessa lógica: asfixiar financeiramente o movimento sindical. Sem recursos materiais e financeiros, não poderá fazer frente ao desmonte da CLT e a precarização das relações de trabalho que advirá com o fim do mínimo exigido, que é a legislação trabalhista.

Acordo extrajudicial
Outra mazela que compõe o cardápio de maldades apresentado pelo relator é o acordo extrajudicial irrevogável, que impede o trabalhador de ir à Justiça buscar algum direito ou reparação de dano.
Esse acordo, pelo substitutivo apresentado, terá termo de quitação anual das obrigações trabalhistas. Isto é, uma vez feito não restará o que reclamar ou buscar na Justiça.

Terceirização e novos contratos de trabalho
O substitutivo de Marinho atualiza a Lei da Terceirização geral e fecha as brechas contidas na Lei 13.429/17, sancionada no dia 31 de março. Além disso, propõe novas formas de contratação, além dos contratos de trabalho a tempo parcial e temporário.
O novo texto do relator institui o contrato de trabalho intermitente e o teletrabalho. Estas modalidades de relações precárias de trabalho jogarão milhões de trabalhadores em condições extremas. Sem a fiscalização do Estado, será de fato a “melhoria do ambiente de negócios”, mas só para os donos dos negócios.
*Marcos Verlaine é jornalista, analista político e assessor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap)
Fonte - Portogente  26/04/2017

Trabalhadores dos Correios entram em greve por tempo indeterminado

Greve  ✉

As ameaças de privatização e demissões, o fechamento de agências e o "desmonte fiscal" da empresa, com diminuição do lucro devido a repasses ao governo e patrocínios, são os principais motivos para a mobilização, segundo a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect).

Andreia Verdélio
Repórter da Agência Brasil
Fernando Frazão/Agência Brasil
Os trabalhadores dos Correios entrarão em greve por tempo indeterminado hoje (26) a partir das 22h. As ameaças de privatização e demissões, o fechamento de agências e o "desmonte fiscal" da empresa, com diminuição do lucro devido a repasses ao governo e patrocínios, são os principais motivos para a mobilização, segundo a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect).
A estatal teve prejuízos de R$ 2,1 bilhões em 2015 e R$ 2 bilhões no ano passado. Em dezembro do ano passado, foi anunciado um plano de demissão voluntária e o fechamento de agências para reduzir os gastos.
“O que tem acontecido é um plano de desmonte próprio da empresa, atacando a própria qualidade e universalização do serviço. Faz parte de um projeto privado com interesse de entrar no mercado”, disse a secretária de Imprensa da Fentect, Suzy Cristiny.
Segundo a entidade, a "privatização" coloca em risco o direito da população aos serviços dos Correios, já que a empresa tem fechado agências em cidades menos lucrativas. “Mais de 200 agências estão sendo fechadas por todo o Brasil. Com isso, muitos moradores do interior e das periferias vão ficar sem o atendimento bancário e postal dos Correios do Brasil”, informou a federação.
O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, tem dito que é contra privatizar os os Correios, mas que a empresa terá que fazer “cortes radicais” de gastos para evitar a privatização, já que o governo não socorrerá a empresa financeiramente.

Críticas dos grevistas

Além do fortalecimento de franqueados e o fechamento de agências próprias, o que, na opinião da federação, “esvazia os negócios da empresa para a iniciativa privada”, a Fentect critica os repasses da empresa ao governo federal acima do valor estabelecido. “Nos últimos anos, os Correios repassaram para o governo federal R$ 6 bilhões e, desse montante, R$ 3,9 bilhões foram acima do valor estabelecido legalmente, prejudicando as reservas financeiras e investimentos necessários para a modernização da empresa”, informou.
A entidade cita ainda o distrato de R$ 2,3 bilhões do Banco Postal com o Banco do Brasil e a destinação de R$ 300 milhões em patrocínios nas Olimpíadas e pede uma auditoria na contabilidade da empresa.
Os sindicatos de todo o país se reúnem hoje (26) para referendar a manifestação sobre a greve. As entidades e a empresa já promoveram mesas de negociação, mas, segundo a secretária, não houve avanços. Ela disse ainda que os trabalhadores dos Correios se unirão às manifestações marcadas para a próxima sexta-feira (28) contra as reformas trabalhista e da Previdência.
Além da mobilização pelo fortalecimento institucional dos Correios e universalização dos serviços, os trabalhadores reivindicam melhorias nas condições de trabalho, a contratação de novos funcionários, mais segurança nas agências, o retorno da entrega diária e o fim da suspensão de férias.

Outro lado
Em nota, a empresa informou que, caso o movimento grevista seja deflagrado, os Correios adotarão as medidas necessárias para garantir a continuidade de todos os serviços. “Uma paralisação dos empregados neste momento delicado pelo qual passa a empresa é um ato de irresponsabilidade, uma vez que a direção está e sempre esteve aberta ao diálogo com as representações dos trabalhadores”, informou. Os Correios não se manifestaram sobre as reivindicações dos trabalhadores.
Fonte - Agência Brasil  26/04/2017

Uber e Embraer juntas vão criar conceito de carros voadores

Tecnologia  ✈

A empresa, gigante mundial do serviço de transporte compartilhado, anunciou uma série de parcerias para fabricar veículos "de decolagem e pouso vertical" (VTOL, na sigla em inglês), e desenvolver redes que disponibilizem estes carros para passageiros, em um sistema apelidado de 'Uber Elevate'.

Ag.France Presse - DP
Uber Elevate
Em parceria com empresas da indústria aeroespacial, como a brasileira Embraer, o Uber anunciou nesta terça-feira o plano de construir e disponibilizar sistemas de carros voadores para transportar pessoas nas cidades, com o objetivo de apresentar projetos demonstrativos em 2020.
A empresa, gigante mundial do serviço de transporte compartilhado, anunciou uma série de parcerias para fabricar veículos "de decolagem e pouso vertical" (VTOL, na sigla em inglês), e desenvolver redes que disponibilizem estes carros para passageiros, em um sistema apelidado de 'Uber Elevate'.
As cidades-parceiras que trabalham com a Uber neste projeto são Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, e Dallas-Fort Worth, no Texas.
"A meta destas parcerias é desenvolver uma nova rede VTOL sob demanda para habilitar clientes no futuro a conseguir, com o apertar de um botão, um voo de alta velocidade nas cidades e arredores", anunciou o Uber em um comunicado.
O anúncio foi feito durante uma conferência celebrada na região de Dallas com parceiros do projeto.
"O que começou como uma simples pergunta, 'por que eu não posso apertar o botão e conseguir um carro?' virou, para o Uber, uma busca apaixonada pelo pináculo da mobilidade urbana, a redução do congestionamento e da poluição dos transportes, devolvendo o tempo às pessoas, liberando imóveis dedicados a vagas de estacionamento e fornecendo acesso à mobilidade em todos os cantos de uma cidade", disse o chefe de produtos do Uber, Jeff Holden.
"A aviação urbana é o próximo passo natural para o Uber nesta busca, e é por isso que estamos trabalhando para transformar em realidade o 'aperte um botão, consiga um voo'", prosseguiu.
O objetivo do Uber é obter a primeira rede de demonstração em Dubai para a Exposição Mundial de 2020 nesta cidade e outro projeto-piloto em Dallas no mesmo ano, antes de "operações em larga escala" na região do Texas em 2023.
O anúncio foi feito um dia depois de a startup dedicada ao 'carro voador', Kitty Hawk, do Vale do Silício, apoiada pelo cofundador do Google, Larry Page, divulgar um vídeo de seu protótipo aéreo e anunciar planos para apresentar uma "máquina voadora pessoal" este ano.
Os planos do Uber parecem mais ambiciosos e incluem parcerias com a americana Bell Helicopter, a fabricante brasileira de aeronaves Embraer e a eslovena Pipistrel para produzir máquinas voadoras para operações urbanas de curta distância.
"A rede Elevate, do Uber, é uma oportunidade animadora para a Bell Helicopter ajudar a transformar a forma como as cidades deslocam pessoas e produtos no futuro", disse o presidente e diretor-executivo da Bell, Mitch Snyder, em um comunicado.
O CEO da Embraer, Paulo Cesar de Souza e Silva, enalteceu a "oportunidade única de complementar o conhecimento do transporte aéreo de uma companhia de transporte terrestre visionária e revolucionária".
O plano do Uber também incluir realizar parcerias para a criação de "vertiportos" para veículos voadores decolarem e pousarem verticalmente. Espera-se que os veículos sejam majoritariamente elétricos.
Fonte - Diário de Pernambuco  26/04/2017