quarta-feira, 31 de agosto de 2016

A PEC 241 e o papel do Estado brasileiro

Ponto de Vista

Pouco se falou da gravidade dessa iniciativa, que terá consequências catastróficas sobre o futuro do País e do povo brasileiro. Apontamos a seguir algumas dessas possíveis consequências para ilustrar a gravidade dessa proposta, que atende integralmente aos interesses do mercado financeiro.

Antônio Augusto de Queiroz* - Portogente
foto - ilustração
O governo interino de Michel Temer encaminhou ao Congresso uma Proposta de Emenda à Constituição – PEC 241/16, que, se aprovada, terá o condão de alterar o papel do Estado brasileiro. Ela determina que a expansão do gasto público não-financeiro nos próximos 20 anos não poderá ser superior à inflação.
Pouco se falou da gravidade dessa iniciativa, que terá consequências catastróficas sobre o futuro do País e do povo brasileiro. Apontamos a seguir algumas dessas possíveis consequências para ilustrar a gravidade dessa proposta, que atende integralmente aos interesses do mercado financeiro.
A primeira consequência será a limitação ou o direcionamento do papel do Estado apenas para garantir o direito de propriedade, assegurar o cumprimento de acordos e honrar os compromissos com os credores das dívidas interna e externa, já que não poderá mais criar novos programas nem ampliar investimentos.
A segunda será a retirada do controle do Poder Executivo, do Congresso e da sociedade sobre o tamanho do orçamento, que ficará automaticamente engessado por 20 anos, independentemente de haver crescimento econômico ou aumento de arrecadação.
A terceira será o acirramento do conflito distributivo, com os diversos setores da sociedade lutando para ver quem perde menos com os cortes, considerando que a prioridade é economizar nas despesas de custeio e investimento para assegurar o pagamento dos encargos da dívida mobiliária.
A quarta será o desmonte do Estado enquanto instrumento de prestação se serviços, com uma forte reforma administrativa voltada à desvalorização dos servidores, com corte de direitos e de reajustes, além da proibição de novas contratações, mediante a vedação de novos concursos públicos nos próximos 20 anos.
A quinta será a inevitabilidade de uma reforma ou ajuste com viés fiscal na seguridade social e na educação, já que o congelamento não se sustenta sem um drástico corte de despesas na previdência e assistência social, na saúde e na educação.
Apenas a título de ilustração, se as regras da PEC 241 já estivessem em vigor desde 2003, início do primeiro mandato do presidente Lula, o salário mínimo, atualmente de R$ 880,00 seria equivalente a R$ 509,00. O gasto com saúde e educação seria a metade do que é hoje.
No caso da previdência e da assistência social, o maior programa de distribuição de renda do planeta, que é responsável pela paz social no Brasil, seu escopo teria sido reduzido drasticamente, não apenas para dificultar o acesso a esses benefícios, mas também para desvincular suas prestações do salário mínimo, especialmente os benefícios assistenciais, cujo valor seria próximo do pago aos beneficiários do Bolsa-Família.
Pode parecer terrorismo, mas a verdade é que o congelamento do gasto público obriga o corte de direitos dos atuais beneficiários para permitir o acesso a esses direitos de novas pessoas, afinal a população não para de crescer, as pessoas preenchem os requisitos para requerer aposentadoria, há demanda por mais saúde e educação e isso só será possível se houver aumento da despesa ou redução dos benefícios de quem já vinha usufruindo desses benefícios.
O raciocínio é simples. Se há um valor fixo, que já está comprometido com uma despesa, o atendimento a novos beneficiários só será possível se o valor que atende aos atuais for reduzido. Na previdência, por exemplo, existe uma regra de reajuste que só continuará a ser aplicada se não houver nenhuma nova aposentadoria. Como novas aposentadorias surgirão, ou se aumenta o valor (o que a PEC proíbe) ou se suprime o reajuste. A última hipótese, combinada com o corte de direitos, é que será colocada em prática, segundo a visão do governo.
O governo fez uma opção política de não aumentar tributo dos mais ricos e economizar em cima dos mais pobres. Com a PEC 241, a prioridade é o pagamento da dívida, já que essa não está sujeita a nenhum tipo de congelamento. É simples assim.
*Antônio Augusto de Queiroz, jornalista, analista político e Diretor de Documentação do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap)
Fonte - Portogente  30/08/2016

Impeachment: golpe, e farsa, para escapar à Lava Jato

Ponto de Vista

Ex-presidentes, governadores, prefeitos fizeram e fazem isso que chamam "Pedalada". Temer "pedalou". Se fosse crime de responsabilidade deveria valer para todos. Não apenas quando isso se torna pretexto tramado por funcionário do Tribunal de Contas.Gambiarra jurídica para emprestar legalidade a um fim ilegítimo.Motivos e trama não se sustentam. O que se busca é, com um golpe parlamentar, derrubar a presidente eleita.

Bob Fernandes



imagem - ilustração/arquivo

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Governo da Bahia entrega sistema BR-Águas Claras neste domingo

Infraestrutura Urbana

Com investimento de R$ 50 milhões, o novo sistema viário é formado por uma via marginal à BR-324, com extensão de 1,9 quilômetro incluindo um viaduto sobre a Rua Celika Nogueira, e um conjunto de vias totalizando 4,2 quilômetros, dispondo de alças de acesso à BR-324 e uma pista apta a operar BRT, além de ciclovia, passeios com piso tátil, escadas, passagem para pedestres, sinalização e paisagismo.

Da Redação
foto - Lucas Pondé/Ascom Conder
O novo sistema viário BR-Águas Claras, mais uma obra do Governo do Estado em Salvador, será inaugurada neste domingo (4), às 9h, pelo governador Rui Costa. Executada pela Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder), a obra integra a futura Avenida 29 de Março, via responsável pela ligação entre a Avenida Orlando Gomes, já duplicada pelo Governo, e a BR-324. Essas intervenções urbanas fazem parte da Linha Vermelha, corredor que vai ligar os bairros de Piatã e Paripe, no Subúrbio Ferroviário de Salvador.
Com investimento de R$ 50 milhões, o novo sistema viário é formado por uma via marginal à BR-324, com extensão de 1,9 quilômetro incluindo um viaduto sobre a Rua Celika Nogueira, e um conjunto de vias totalizando 4,2 quilômetros, dispondo de alças de acesso à BR-324 e uma pista apta a operar BRT, além de ciclovia, passeios com piso tátil, escadas, passagem para pedestres, sinalização e paisagismo.

NOVO SISTEMA VIÁRIO EM SEIS ROTAS POSSÍVEIS

- Da BR-324 para Águas Claras ou Cajazeiras
Entra na Via Marginal, desce a primeira à direita, pega o Sistema novo e sobe pela Rua Celika Nogueira.

- Da BR-324 (sentido Feira de Santana) para voltar a Salvador ou pegar a Estrada do Derba
Entra na Via Marginal e desce na alça de retorno, passando embaixo do viaduto.

- De Águas Claras ou Cajazeiras em direção à BR-324
Desce pela Rua Oswaldo Leal e pega o Sistema novo, chegando à rodovia, nos dois sentidos.

- De Salvador para a Via Regional:
Pega a Via Marginal da BR-324, após a passarela lilás, desce na primeira alça, pega o sistema novo e vai direto.

- Da Estrada do Derba para a Via Regional:
Passa embaixo do viaduto e segue direto pelo Sistema novo.

- Da Estrada do Derba para Feira de Santana:
Passa embaixo do viaduto e sobe a primeira alça à direita, chegando à nova Via Marginal
Com informações da Secom Ba  30/08/2016

Impeachment - Um filme que será levado a todo o mundo

Política

Pelo menos quatro documentários estão em fase de produção, o que está preocupando muito o mundo político brasileiro.

Jornal do Brasil
foto - ilustração
Cineastas estão filmando os momentos finais do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Tudo o que está acontecendo no país vai se transformar em filmes que serão levados para o mundo inteiro.
Pelo menos quatro documentários estão em fase de produção, o que está preocupando muito o mundo político brasileiro.
Os documentários mostram o Senado com suas fragilidades e os processos que estão tramitando na Justiça brasileira em todos os níveis.
Fonte - Jornal do Brasil  30/08/2016

Desemprego sobe para 11,6% e atinge 11,8 milhões de pessoas

Economia

A informação consta da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad Contínua), divulgada hoje (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esta é a maior taxa de desemprego da série histórica iniciada em 2012.Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, quando a taxa foi estimada em 8,6%, o desemprego já acumula alta de 3 pontos percentuais.

Nielmar de Oliveira
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
Em todo o país, a taxa de desemprego fechou o trimestre encerrado em julho último em 11,6%, subindo 0,4 ponto percentual em relação ao percentual do trimestre imediatamente anterior - de fevereiro a abril - que foi de 11,2%.
A informação consta da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad Contínua), divulgada hoje (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esta é a maior taxa de desemprego da série histórica iniciada em 2012.
Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, quando a taxa foi estimada em 8,6%, o desemprego já acumula alta de 3 pontos percentuais. Os dados do IBGE indicam que a população desocupada, de 11,8 milhões de pessoas, cresceu 3,8% na comparação com o trimestre fevereiro-abril (11,4 milhões), um acréscimo de 436 mil pessoas.
Com o resultado do trimestre de maio, junho e julho, a população desocupada fechou com crescimento de 37,4%, quando comparada a igual trimestre do ano passado, um aumento de 3,2 milhões de pessoas desocupadas.

Brasil tem 90,5 milhões de pessoas empregadas

Os dados indicam que a população empregada no trimestre encerrado em julho era de 90,5 milhões de pessoas, ficando estável quando comparada com o trimestre imediatamente anterior (de fevereiro a abril deste ano), uma vez que os 146 mil postos de trabalho fechados entre um período e outro “não foram estatisticamente significativos”.
Em comparação com igual trimestre do ano passado, quando o total de ocupados era de 92,2 milhões de pessoas, foi acusado declínio de 1,8% no número de trabalhadores, aproximadamente, menos 1,7 milhão de pessoas no contingente de ocupados.

Carteiras assinadas têm queda de 3,9%
No Brasil, o número de trabalhadores com carteira assinada fechou o trimestre encerrado em julho deste ano com queda de 3,9%, o equivalente a 1,4 milhão de pessoas, comparativamente ao trimestre de maio e julho de 2015.
Os dados da Pnad Contínua, divulgados pelo IBGE, indicam, no entanto, que o total com carteira assinada, que fechou julho em 34,3 milhões de empregados, não apresentou variação estatisticamente significativa quando a comparação se dá com o trimestre de fevereiro a abril deste ano.
A mesma relação ocorre quando se analisa o rendimento médio e a massa de rendimento real habitual recebida pelo trabalhador.
Segundo os números da Pnad Contínua, o rendimento médio real habitualmente recebido em todos os trabalhos fechou o trimestre encerrado em julho em R$ 1.985, com estabilidade frente ao trimestre de fevereiro a abril de 2016 (R$ 1.997); mas em queda de 3% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (R$ 2.048).
Já a massa de rendimento real habitualmente recebida em todos os trabalhos em julho encerrou o trimestre em R$ 175,3 bilhões, o que segundo o IBGE também não constitui “variação significativa” em relação ao trimestre de fevereiro a abril de 2016; mas recuou 4% frente ao mesmo trimestre de 2015.
Fonte - Agência Brasil  30/08/2016

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Movimentos sociais planejam intensificar mobilizações nas ruas de todo o país

Política

Além de Brasília, o Dia Nacional de Luta contra o Golpe levou milhares de pessoas às ruas em Recife, Fortaleza, Campina Grande e Salvador, onde foram armados telões para que os manifestantes pudessem acompanhar a fala da presidente afastada no Senado. No Rio de Janeiro, centrais sindicais e diversos movimentos sociais reuniram cerca de 10 mil manifestantes, segundo os organizadores, que saíram em passeata da Candelária até a Central do Brasil, no Centro do Rio, levando cartazes e faixas em defesa de Dilma e contra o governo interino.

Sputnik
Sputnik
Enquanto a presidente Dilma Rousseff apresentava no Senado nesta segunda-feira, 29, sua defesa no processo de impeachment, milhares de manifestantes promoviam mobilizações no Distrito Federal e em mais seis estados contra as políticas econômicas e sociais do governo do presidente interino Michel Temer. Além de Brasília, o Dia Nacional de Luta contra o Golpe levou milhares de pessoas às ruas em Recife, Fortaleza, Campina Grande e Salvador, onde foram armados telões para que os manifestantes pudessem acompanhar a fala da presidente afastada no Senado. No Rio de Janeiro, centrais sindicais e diversos movimentos sociais reuniram cerca de 10 mil manifestantes, segundo os organizadores, que saíram em passeata da Candelária até a Central do Brasil, no Centro do Rio, levando cartazes e faixas em defesa de Dilma e contra o governo interino. A Sputnik Brasil foi buscar o sentimento dos grupos de esquerda em São Paulo e em Alagoas para saber quais as reações da fala da presidente e quais serão as estratégias em um eventual afastamento definitivo de Dilma da presidência. A palavra de ordem tanto entre o PSOL, em São Paulo, quanto na Via Campesina, em Alagoas é uma só: as manifestações contra o governo vão crescer para assegurar a manutenção de direitos trabalhistas e previdenciários ameaçados pela futura administração.
O presidente do diretório do PSOL em São Paulo, Joselício Jr., o Juninho, lembra que o partido sempre foi oposição ao governo Dilma, rebatendo a política econômica, o projeto de conciliação de classes, o diálogo com setores conservadores para governabilidade. Segundo ele, o partido sempre teve uma postura muito crítica, mas a partir do momento em que se viu a possibilidade do impeachment, a forma como foi arquitetado, o apoio foi dado, uma vez que não ficou comprovado no processo o crime de responsabilidade fiscal. "Tudo que foi arquitetado foi um golpe institucional promovido pelos setores conservadores que criaram uma narrativa para justificar essa movimentação. O PT foi perdendo sua base de governo, mas nós nos posicionamos claramente contra o impeachment porque entendíamos que, do ponto de vista da democracia, era um grave erro a retirada da Dilma sem um crime de responsabilidade. Não consideramos as pedaladas fiscais uma justificativa para sua retirada." Para Juninho, o processo de impeachment foi uma ação dos setores conservadores, que perderam nas eleições, para tentar retomar o poder. "Se não é possível a Dilma retomar o governo, que a decisão seja tomada pelo povo e não a instalação de um governo golpista, que é uma caricatura do atraso, que não tem mulheres, não tem negros, representatividade e que representa o que há de mais retrógrado na política brasileira. Nossa estratégia vai ser a de continuar denunciando, encampando a bandeira do ‘Fora Temer’." Para o presidente do PSOL em São Paulo, a saída seria uma consulta popular ou uma nova eleição presidencial, um plebiscito, uma nova eleição constituinte. "Há várias propostas no campo da esquerda. A mais plausível seria uma nova eleição presidencial. Estamos bastante preocupados com o que pode vir e o pacote de maldades que está sendo articulado nessa política de congelamento na saúde, educação, revisar a CLT, a própria reforma da Previdência, questões que representam um profundo retrocesso para a classe trabalhadora."
No campo, a sensação e a preocupação são as mesmas. Débora Nunes, da coordenação nacional do Movimento do Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), diz que a discussão do impeachment vai trazer repercussões profundas nos próximos anos para a história do Brasil. "Foi importante a ida da presidente ao Congresso para fazer sua própria defesa. Na fala aos senadores, ela traz o sentimento de milhões de brasileiros. A partir dos argumentos políticos ela consegue desmanchar o que tem sido o processo de impeachment, afirmando que não cometeu crime de responsabilidade, que não afrontou nem feriu a Constituição brasileira e colocando de forma muito clara para a sociedade o golpe parlamentar que está em curso e as consequências disso para toda a população." Quanto às manifestações ocorridas nesta segunda-feira em várias cidades do país, Débora diz que elas são a forma legítima de reivindicar a decisão das urnas no que se refere ao mandato da presidenta Dilma. "Há uma construção pela elite brasileira, da burguesia aliada ao capital internacional para concretização de todo esse processo e o afastamento da presidenta. Já que a decisão das urnas não tem sido respeitada pela classe política e pelo Congresso, são as ruas que vão levar essa voz e esse sentimento à população." Apesar da confiança, e de que o quadro ainda esteja indefinido, Débora admite que é muito pouco provável a reversão. "Isso foi muito bem articulado, apoiado pela grande mídia golpista, por isso talvez não haja uma mudança no desfecho. Isso não significa em nenhum momento que os movimentos sociais e a classe trabalhadora vão deixar de ocupar as ruas, até porque o afastamento definitivo da presidente não coloca um ponto final na crise que está instalada no Brasil. Uma crise econômica, social, política, de valores e moral. Com isso as manifestações vão ganhar ainda mais força porque o governo interino já tem sinalizado qual vai ser sua política e seu comportamento no que se refere ao que a classe trabalhadora conquistou ao longo dos anos."
Fonte - Spunik  29/08/2016

CCR estima concluir metrô de Salvador em um ano

Transportes sobre trilhos

Após vencer a licitação da parceria público-privada em 2013, por meio da concessionária CCR Metrô Bahia, o grupo sediado em São Paulo revitalizou e concluiu a inacabada linha 1 do metrô baiano, passando a operá-la com oito estações desde o início deste ano. Atualmente, já tem 40% de avanço nas obras da linha 2, que em seu traçado começa na estação Acesso Norte, da linha 1, e vai por 20 km até o aeroporto de Salvador, com plano de avançar até o município de Lauro de Freitas.

Valor Econômico
foto - ilustração/arquivo
Dentro de um ano, o grupo de infraestrutura CCR tem a intenção de entregar a linha 2 do metrô de Salvador, capital baiana, passando a operar o terceiro maior sistema metroviário do país, com 41 km de extensão quando ganhar mais dois pequenos trechos. Fica atrás apenas dos metrôs de São Paulo e do Rio.
Após vencer a licitação da parceria público-privada em 2013, por meio da concessionária CCR Metrô Bahia, o grupo sediado em São Paulo revitalizou e concluiu a inacabada linha 1 do metrô baiano, passando a operá-la com oito estações desde o início deste ano. Atualmente, já tem 40% de avanço nas obras da linha 2, que em seu traçado começa na estação Acesso Norte, da linha 1, e vai por 20 km até o aeroporto de Salvador, com plano de avançar até o município de Lauro de Freitas.
Luís Valença, presidente da CCR Metrô Bahia, diz que no momento o projeto metroviário conta com mais de 8 mil empregados, entre diretos e indiretos. A força de trabalho está espalhada, a grande parte, na obra em curso e na operação e manutenção da linha 1. A concessão tem prazo de 30 anos, sendo 25 anos de gestão do sistema contados desde janeiro deste ano.
O investimento total no empreendimento, que terá 23 estações, sendo dez com integração de ônibus, é de R$ 4 bilhões. Desse valor, ficou a cargo da CCR o montante de R$ 1,8 bilhão. O restante está dividido entre o governo federal, com R$ 1,2 bilhão, e o Estado da Bahia, com mais R$ 1 bilhão.
Quando a linha 2 estiver pronta, o transporte de passageiros no sistema vai superar 500 mil pessoas ao dia, informa Valença, executivo que está no grupo CCR desde 1998. Assumiu o cargo atual em fevereiro de 2015, época do início das obras da linha 2. "Para Salvador, será um sistema estruturante que vai reorganizar o atual modelo de trânsito na cidade, muito complicado e congestionado", diz o executivo.
Estão previstos 40 trens para o sistema, sendo 34 fornecidos pela concessionária. A fabricante é a sul-coreana Hyundai Roten, com unidade em Araraquara, interior de São Paulo, onde faz a nacionalização e a montagem dos equipamentos que são fabricadas na Coreia do Sul. Ao ganhar a concessão, a CCR recebeu metade da linha 1 pronta e seis trens de transporte. Com um novo lote que acaba de chegar a Salvador, a empresa adiciona 20 equipamentos à frota anterior.
Segundo a concessionária, até dezembro devem estar concluídas e prontas para operação as estações do primeiro trecho da Linha 2: Acesso Norte, Detran e Rodoviária. As nove restantes têm previsão de serem entregues ao longo de nove meses de 2017.
Valença diz que a geração de empregos diretos na operação do metrô baiano passará dos atuais 1 mil para 1,8 mil quando estiver totalmente concluído. Ele estima mais três mil a quatro mil postos indiretos.
O governo estadual tem plano de expandir, para além da concessão atual, mais duas estações na linha 1 (Brasilgás e Águas Claras/Cajazeiras) e uma na linha 2, a de Lauro de Freitas. As extensões serão também operadas pela CCR Metrô Bahia. Os projetos dependem de o governo fazer licitações para as obras de construção, informa o diretor.
Com o metrô de Salvador, o grupo CCR passa a ser operador em sistemas de transporte de três cidades. Já opera a linha 4, Amarela, do metrô paulistano, ainda com quatro estações inacabadas pelo governo paulista, e tem participação no consórcio que operar o VLT do Rio de Janeiro.
Presente em vários tipos de concessões de infraestrutura no país, a CCR está na gestão de várias rodovias, como o sistema Anhanguera-Bandeirantes e a Dutra, e de aeroportos, como o de Confins, ao lado de Belo Horizonte. Com o metrô baiano, não é por menos que a licitação do aeroporto de Salvador é a que mais atrai o grupo entre as quatros que o governo federal pretende oferecer. A companhia tem como acionistas controladores Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Serveng-Civilsan (do grupo Soares Penido).
Fonte - Revista Ferroviária  29/08/2016

Parlamentares britânicos condenam "suspensão" de Dilma em carta no The Guardian

Internacional

De maneira mais ousada, o jornal britânico The Guardian publicou uma carta aberta "condenando a suspensão da presidente Dilma Rousseff". "É completamente errado que alguns poucos parlamentares se coloquem sobre a vontade política expressa nas urnas por 54 milhões de brasileiros", diz a carta, cujo título é "Suspensão de Dilma Rousseff é um insulto à democracia no Brasil".

Da Agência Ansa
foto - ilustração/Ag.Brasil
Imagens da presidente afastada Dilma Roussef foram estampadas nos sites dos principais jornais mundiais nesta segunda-feira (29) devido ao seu pronunciamento no Senado contra o processo de impeachment. A mídia internacional destacou a acusação da petista de que há um "golpe" em curso no Brasil. As informações são da Agência Ansa.
De maneira mais ousada, o jornal britânico The Guardian publicou uma carta aberta "condenando a suspensão da presidente Dilma Rousseff". "É completamente errado que alguns poucos parlamentares se coloquem sobre a vontade política expressa nas urnas por 54 milhões de brasileiros", diz a carta, cujo título é "Suspensão de Dilma Rousseff é um insulto à democracia no Brasil".
"O novo governo mostrou suas verdadeiras facetas ao criar um gabinete sem representatividade, somente com homens, lançando políticas neoliberais que ferem milhões de trabalhadores e pessoas de baixa renda. O governo interino não tem mandato para implementar estas políticas", critica o texto. A carta é assinada por mais de 15 parlamentares trabalhistas britânicos, como Richard Burgon, Ruth Cadbury, Lord Martin John O'Neill e Andrew Gwynne.
"Nós estamos ao lado dos movimentos sociais e grupos civis da sociedade para condenar esse atentado contra a democracia no Brasil", finalizou o documento
"Rousseff diz que está ocorrendo um golpe de Estado no Brasil", publicou o espanhol El Pais, na mesma linha adotada pelo francês Le Monde e pelo argentino Clarín.
O jornal norte-americano The New York Times deu ênfase à promessa de Dilma de que "não será calada pelo processo de impeachment". A emissora latino-americana Telesur publicou que Dilma assegurou, durante todo seu pronunciamento, que não violou a Constituição nem cometeu crimes de responsabilidade em seu governo.
"Jamais atentaria contra o que acredito ou praticaria algum ato que seja contrário aos interesses dos que me elegeram", disse Dilma, citada pela rede de TV.
Desde que foi afastada da Presidência para responder ao processo de impeachment, Dilma acusa a oposição de orquestrar um golpe de Estado e tenta denunciar o "golpe" no exterior. Ela chegou até a mencionar isso, sutilmente, em seu discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, em abril.
Fonte - Agência Brasil  29/08/2016

Ferry-Boat - Travessia Marítima Salvador/Itaprica nessa segunda (29)

Travessia Marítima

Quatro embarcações,Agenor Gordilho,Dorival Caymmi,Maria Betânia e Rio Paraguaçu realizam viagens nos horários programados (de hora em hora),e viagens extras podem ocorrer com o aumento da demanda

Da Redação
foto - ilustração/arquivo
O sistema Ferry-Boat,nesta segunda-feira (29) esta operando com fluxo tranquilo nos dois terminais São Joaquim em Salvador e em Bom Despacho na ilha de Itaparica.Quatro embarcações,Agenor Gordilho,Dorival Caymmi,Maria Betânia e Rio Paraguaçu realizam viagens nos horários programados (de hora em hora),e viagens extras podem ocorrer com o aumento da demanda.A aquisição de passagens podem ser feitas nos terminais por meio de cartões de crédito,débito ou dinheiro.
A disponibilidade de vagas para o serviço de Hora Marcada (exclusivo aos condutores de veículos),pode ser consultada através do site da empresa -portalsits.internacionaltravessias.- O pagamento para este serviço pode ser feito através dos cartões de débito ou crédito.
O sistema disponibiliza uma Central de Atendimento ao Cliente (CAC), localizada no Terminal São Joaquim e aberta de segunda a sexta, das 8h às 18h, e aos sábados, das 7h às 13h
Contatos -  Tel 071 3032-0475 e pelo cac@internacionaltravessias.com.br
Com informações da Internacional Travessias Marítimas  29/08/2016

domingo, 28 de agosto de 2016

Madeira mais resistente

Tecnologia

Como o nome “Sida vid sida” (traduzido: lado a lado), o projeto foi vencedor de um concurso para projetar um centro cultural e um hotel, na cidade sueca de rica indústria madeireira e também para destacar os múltiplos benefícios no design utilizando a madeira como material de construção.

Portogente

Difícil de acreditar que a madeira está sendo apresentada como uma ideia séria para as cidades ficarem mais verdes – leves e sustentáveis -, e ainda ser mais resistente ao fogo do que o aço. Mas é o que acreditam os construtores de uma estrutura de 19 andares na cidade sueca de Slelleftea.
Como o nome “Sida vid sida” (traduzido: lado a lado), o projeto foi vencedor de um concurso para projetar um centro cultural e um hotel, na cidade sueca de rica indústria madeireira e também para destacar os múltiplos benefícios no design utilizando a madeira como material de construção.
Ainda que possa surpreender, esse não é um projeto pioneiro. Em 2012, o residencial Forte, de dez andares, foi construído com vista para Melbourne Victoria Harbour, na Austrália. Era o mais alto edifício de madeira do mundo, até o Treet, no centro de Bergen, Noruega, roubar seu título em 2014, com um extra de quatro andares.
Por trás dessa admirável inovação na aplicação da madeira há uma avançada tecnologia. Como afirma o Dr. Dr. Michael Ramage, do Centro de Material Natural e Inovação na Universidade de Cambridge. "Há todo um conjunto de novos materiais feitos de madeira que são estruturalmente capazes de construir grandes edifícios." O que se verifica é que a ciência amplia os litmites de uso para o mundo moderno de uma material tão antigo quanto a vida.
Técnicas e matérias aglomerantes avançados fazem com que madeira laminada cruzada ou camadas finas de madeira colocadas em frente uma da outra em ângulo reto, utilizando cola resistente ao fogo para criar um tecido mais forte.
Mas é no bambu – um material que foi usado na construção da Ásia durante séculos – que há maior interesse para a indústria. Com um período de cinco vezes maior taxa de crescimento do que a madeira, mas com propriedades mecânicas semelhantes, existem 31,4 milhões de hectares de bambu em todo o mundo, segundo a Organização para a Alimentação e Agricultura. A engenharia vem trabalhando no bambu, para levantar paredes de tubos de bambu, ou cortá-los em retângulo e colá-los em grandes lajes.
Obviamente, quando se trata de construções de madeira, há uma pergunta ardente: arranha-céus de madeira são um perigo de incêndio?
Mas o Dr. Ramage traz também tranquilidade para essa questão: "Há um problema de percepção enorme. Madeira não queima na forma como o público imagina."
Fonte - Portogente  27/08/2016

sábado, 27 de agosto de 2016

Amtrak trocará as composições Acela Express por uma nova frota de TAVs da Alstom com sistema Tiltronix

Transportes sobre trilhos

Uma nova frota com 28 novos trens de alta velocidade da Alstom,deverá entrar em serviço nas rotas do operador Amtrak entre Washington/Nova York,e Nova York/Boston até 2021/22,.Os trens serão fabricados pela Alstom em suas sedes localizadas em Hornell e Rochester,Nova York.Os novos trens terão cerca de 30% a mais da capacidade das atuais 20 composições Acela Express,com sistema pendular,que trafegam a uma velocidade média de 110km.Os novos trens vão incorporar a tecnologia de inclinação Tiltronix da Alstom e um sistema de Gestão de Energia.As composições serão formadas com duas locomotivas elétricas e nove carros articulados,com opção para adicionar até mais três veículos em caso de aumento na demanda.




imagem/YouTube

Moradores de Santa Teresa lembram acidente e pedem volta plena do bonde

Transportes sobre trilhos

Em alusão à Rio 2016, o protesto, intitulado Prova olímpica pelo resgate do bonde popular, consistiu na ocupação dos veículos, que hoje circulam de forma precária, por grupos de moradores que levavam cartazes e gritavam palavras de ordem pela volta do serviço.

Paulo Virgílio
Agência Brasil
Paulo Virgílio/Agência Brasil
Cinco anos após o acidente ocorrido em 27 de agosto de 2011, quando o descarrilamento de um bonde deixou seis mortos e mais de 50 feridos, moradores de Santa Teresa, na região central do Rio, realizaram neste sábado (27) uma manifestação pelo funcionamento pleno do tradicional meio de transporte, que é um dos cartões-postais do bairro.
Em alusão à Rio 2016, o protesto, intitulado Prova olímpica pelo resgate do bonde popular, consistiu na ocupação dos veículos, que hoje circulam de forma precária, por grupos de moradores que levavam cartazes e gritavam palavras de ordem pela volta do serviço.
“O morador não está contente. Queremos bonde é na hora do batente” e “Turista no bonde. Morador a pé, qual é?” foram alguns dos slogans da manifestação, que começou por volta do meio-dia no Largo dos Guimarães, considerado o coração do bairro e atualmente ponto final provisório da única linha em funcionamento de um sistema que já serviu a toda Santa Teresa. Ao longo dos cinco anos desde o acidente, o principal e, por muito tempo, único meio de transporte dos moradores do bairro de muitas ladeiras íngremes e sinuosas passou a ser micro-ônibus de uma mesma empresa, que já provocaram dezenas de acidentes.
“O direito à nossa mobilidade está profundamente prejudicado sem o bonde. Tem uma obra da qual falta um terço, a verba já foi gasta, sete aditivos e um escândalo, que é uma ação que nós, da Amast [Associação de Moradores e Amigos de Santa Teresa] ganhamos na Justiça, por meio do Ministério Público, que obriga o estado a fazer as obras. Não se pode dizer que não tem dinheiro. Não se pode deixar buracos, obra inacabada, sem nenhum respeito aos nossos direitos”, desabafou Ana Lúcia Magalhães Barros, uma das diretoras da entidade.
A Amast organizou a manifestação, que também serviu para lembrar o trágico acidente de 2011.
Segundo Ana Lúcia, não há incompatibilidade entre o uso do bonde pelos turistas e pelos moradores, que, no entanto, rejeitam a visão do meio de transporte como meramente turístico. “Nós adoramos conviver com os turistas, e eles adoram conviver com os habitantes de um bairro que é ativo, que protesta, que fala. Não há racismo, nem luta de classes dentro do bonde”, disse.
Para Ana Lúcia, a falta de conclusão das obras do sistema de bondes de Santa Teresa, prometida para este ano, foi “um estelionato olímpico”. “Vamos continuar com a ação contra os poderes que nos impedem de ter o que nos é de direito”, disse a diretora da Amast, destacando que os moradores querem o bonde servindo todo o bairro, com uma linha indo do Largo da Carioca até o Silvestre e outra, até a Paula Matos.
A assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Transportes informou que o bonde está circulando, desde a semana anterior aos Jogos Olímpicos, no regime de “operação assistida”, razão pela qual não é cobrada tarifa, e com lotação máxima de 32 passageiros sentados, “por questão de segurança”. Segundo a secretaria, não há nenhuma prioridade para os turistas, em detrimento dos moradores do bairro.
O bonde circula de segunda-feira a sábado, das 8h às 16h, com intervalos de 10 minutos, e a secretaria estuda a ampliação progressiva desse horário. Já a retomada das obras depende da liberação de recursos, para os quais não há previsão.
Fonte - Agência Brasil  27/08/2016

Metrô de Salvador integra o Metro Mapper Turismo Brasil

Transporte sobre trilhos

Desenvolvido pela ANPTrilhos (Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos) com colaboração da associada CCR Metrô Bahia, o aplicativo está disponível para smartphones nas versões para Android e iOS, em português e inglês.

Tribuna da Bahia

Os usuários do Metrô de Salvador e os turistas que visitarem a cidade podem contar com o aplicativo de mobilidade urbana Metro Mapper Turismo Brasil, gratuito e inédito no país, dedicado aos deslocamentos feitos nas cidades com transporte sobre trilhos.
Desenvolvido pela ANPTrilhos (Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos) com colaboração da associada CCR Metrô Bahia, o aplicativo está disponível para smartphones nas versões para Android e iOS, em português e inglês.
Oferece mapa do Metrô de Salvador e de metrôs, trens urbanos e Veículos Leves sobre Trilhos (VLT) das cidades brasileiras, além dos principais pontos turísticos de cada cidade, permitindo personalizar as rotas. Pode ser usado por qualquer pessoa, permitindo localizar o ponto turístico mais próximo da estação de metrô e a rota que vai percorrer, conjugada com o transporte sobre trilhos.
“O Metro Mapper deve se tornar, em breve, uma referência para quem visita a cidade e até mesmo para nossos usuários cotidianos. Com o auxílio dessa ferramenta, poderão traçar os melhores caminhos para conhecer as principais atrações, a partir das estações do metrô da Linha 1 e, a partir de 2017, da Linha 2, e utilizar o sistema metroviário, que é o meio de transporte mais rápido para se chegar lá, devido à regularidade, eficiência e qualidade na prestação de serviços, aliado à integração com ônibus”, disse Luis Valença, diretor-presidente da CCR Metrô Bahia.
O Metro Mapper traz informações como horário de funcionamento, endereço, telefone de contato e a estação de metrô ou trem mais próxima, listadas ao lado da foto de cada um dos pontos turísticos.
É possível traçar rotas com auxílio do Google Maps. A consulta também pode ser feita por ordem alfabética ou pela proximidade da localização em relação ao ponto de destino.
“O Metro Mapper é prático, dinâmico e autoexplicativo, com o objetivo de disseminar o transporte metroferroviário no país. Queremos oferecer aos 6,5 milhões de turistas estrangeiros que vêm ao Brasil todo ano uma plataforma para conhecer e utilizar esse sistema”, explicou Joubert Flores, presidente da ANPTrilhos.
Com informações da ANPTrilhos  26/08/2016

Descoberta relacionada ao Mal de Alzheimer dá prêmio à pesquisadora brasileira

Ciência

A Sociedade Brasileira de Bioquímica (SBBq) concedeu a Maíra Assunção Bicca, pesquisadora brasileira de 28 anos, o 20º Prêmio Jovem Talento para Ciências da Vida, pela sua pesquisa que identificou uma proteína encontrada no cérebro que pode ajudar a identificar o Mal de Alzheimer.

Sputnik
Sputnik
O trabalho da pesquisadora foi apresentado em junho último em Natal, como parte do doutorado de Maíra, que atualmente cursa pós-doutorado em Farmacologia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). A proposta da tese é que essa proteína possa ser usada como uma espécie de marcador utilizado nas ressonâncias magnéticas para identificar a doença. Antes da premiação da SBBq, Maíra já havia recebido, em 2012, um prêmio da Sociedade Brasileira de Farmácia Comunitária (SBFC) de Jovem Investigador. A pesquisadora, que mora em Laguna, no sul catarinense, estuda a doença há dez anos. Em entrevista à Sputnik Brasil, Maíra conta que a descoberta foi em foi em relação a uma proteína, conhecida no meio científico como TRPA-1. "Eu não descobri a proteína. A novidade é que descobri que ela está no cérebro. Já se sabia que ela é encontrada em outros tecidos do corpo e a participação dela em outras doenças de fundo espasmatório. Além disso, vi que estava associada à iniciação e progressão da doença de Alzheimer."
A pesquisadora lembra que, como a proteína já tinha sido descrita anteriormente participando de outras doenças inflamatórias na periferia do corpo, o grande mérito do estudo foi estabelecer essa ligação. Como o Alzheimer também tem um fundo inflamatório e como essa proteína participa muito nesses quadros, talvez ela também estivesse no cérebro, contribuindo para a doença. Esse foi o ponto de partida e o grande trunfo da pesquisa. Segundo Maíra, a descoberta pode resultar ou não na produção de remédios contra o Alzheimer. "O que a gente faz é pesquisa em animais e em tecidos humanos. Outros estudos serão necessários após a realização dessa primeira fase. Nosso trabalho foi o inicial, para que outras pesquisas venham resultar num possível tratamento ou diagnóstico." O principal sintoma do Mal de Alzheimer é a perda da memória, o que se manifesta primeiro, mas a doença apresenta uma série de outras sinalizações, assim como as enfermidades de fundo neurodegenerativo. Conforme a doença vai progredindo vão se manifestando outros sintomas como mudança de personalidade, perda da fala, locomoção, resultando na perda de qualidade de vida do paciente.
Fonte - Sputnik  26/08/2016

Metrô de Pequim apresentou o primeiro trem da linha 16

Transportes sobre trilhos

O teste com trem na parte norte da Linha 16,entre Beianhe e Xiyuan,deverá começar ainda este ano,e a operação com passageiros devera começar no próximo ano,com uma demanda inicial estimada em 80 000 passageiros/dia.

Da Redação
foto - Railway Gazette
Pequim - Em uma cerimônia no dia 22 de agosto foi lançado o primeiro trem do metrô da Linha 16. De acordo com o Conselho de Estado,a composição com oito carros,tem a maior capacidade de transporte do metrô.
O teste com trem na parte norte da Linha 16,entre Beianhe e Xiyuan,deverá começar ainda este ano,e a operação com passageiros devera começar no próximo ano,com uma demanda inicial estimada em 80 000 passageiros/dia.Quando estiver totalmente completa e operando a linha norte-sul  terá 50 km, entre Beianhe e Wanping Town,com 29 estações ao longo do percurso.
A joint venture Beijing MTR Corp de MTR Corp (49%), Beijing Capital Group (49%) e Beijing Infrastructure Investment Corp (2%) assinaram em novembro de 2015 um contrato concessão (PPP), para operação e manutenção durante 30 anos.
Com informações da Railway Gazette 26/08/2016


Mapa do metrô de Pequim