quinta-feira, 1 de junho de 2017

São Vicente (SP) começa a definir tarifa integrada de lotação e VLT

Transportes sobre trilhos  🚄

A primeira reunião sobre o futuro formato do transporte vicentino e para a elaboração do edital que definirá quem ficará responsável pelo serviço ocorreria nesta quinta-feira (1º), mas foi adiada porque representantes da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), do Governo Estadual, não poderiam comparecer nesta data. 

A Tribuna 
foto - ilustração
A integração das tarifas do transporte municipal de São Vicente e do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) começa a ser definida nos próximos dias. A primeira reunião sobre o futuro formato do transporte vicentino e para a elaboração do edital que definirá quem ficará responsável pelo serviço ocorreria nesta quinta-feira (1º), mas foi adiada porque representantes da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), do Governo Estadual, não poderiam comparecer nesta data.
Com média entre 15 mil e 20 mil pessoas utilizando o transporte público por dia, ou cerca de 600 mil usuários por mês, segundo estimativa da Secretaria de Trânsito e Transportes de São Vicente, a Cidade mantém o sistema de transporte alternativo, que é feito por 275 micro-ônibus.
Circulando por todos os bairros vicentinos, os veículos que formam o sistema são administrados pela Cooperlotação, que conta com sete associações. “Cada veículo tem o seu proprietário, conforme o alvará registrado. Hoje, São Vicente não tem uma empresa operando como concessionária. Este modelo atual inviabiliza a integração. Por isso, temos discutido a questão desde o início do governo do prefeito Pedro Gouvêa (PMDB)”, explica o secretário de Trânsito e Transportes, Alexandre Almeida da Costa.
O secretário destaca que a reunião será mais um passo no sentido de se instituir a integração. “A reunião contará com a presença de técnicos da EMTU, que nos tem dado subsídios para que a mudança necessária seja concretizada”.
Costa também trata dos profissionais que atuam no transporte vicentino. “Eles terão de se adaptar às regras que forem definidas, mudando a atual forma administrativa da Cooperativa, para, assim, poderem participar do futuro processo licitatório”, explica.
A Tribuna procurou representantes da Cooperlotação, mas não conseguiu o retorno até a publicação deste nota.

Pode mudar
Com a tarifa integrada, os usuários pagarão apenas um valor, que será definido com a oficialização do sistema, para utilizarem os ônibus (ou micro-ônibus, se estes vencerem a futura licitação) e o VLT.
“Ainda não temos um valor definido. Mas é certo que a integração vai facilitar o transporte e com preço bem mais acessível para os usuários”, de acordo com o secretário.
A integração existe há anos na Capital: usuários do metrô podem optar pela integração entre este serviço e ônibus ou os de metrô e trens, pela ligação do sistema da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e do Metrô com os ônibus municipais da SPTrans.
Fonte - Abifer  01/06/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua visita,ajude-nos na divulgação desse Blog
Cidadania não é só um estado de "direito",é também um estado de "espírito"