terça-feira, 30 de maio de 2017

Mais de 30 mil empregos eliminados no Estado de SP

Economia  ðŸ“‰

Os dados compõem a Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP) realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, calculado com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Portogente

foto - ilustração
Pelo quarto mês consecutivo, o comércio varejista do Estado de São Paulo apresenta encolhimento no quadro de funcionários. Em março, foram fechados 9.949 postos de trabalho, resultado de 71.449 admissões contra 81.398 desligamentos. Apesar do saldo negativo, a eliminação de vagas foi menor do que a registrada em março de 2016, quando 13.277 empregos foram extintos. Com o resultado, o varejo encerrou o mês com um estoque total de 2.052.514 trabalhadores, queda de 1,5% na comparação com março de 2016. No acumulado dos últimos 12 meses, foram eliminados 30.797 empregos com carteira assinada.
Os dados compõem a Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP) realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, calculado com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).
De acordo com a Federação, os números do mercado de trabalho do comércio varejista do Estado de São Paulo no mês de março exemplificam bem a persistência da crise de empregabilidade que o setor vivencia. Segundo a Entidade, está cada vez mais claro que por mais que haja uma continuidade no processo de amenização das perdas de vagas, na comparação interanual, o estancamento da retração do mercado de trabalho se dá de forma bastante lenta.
Entre as nove atividades pesquisadas, apenas farmácias e perfumarias (2%) e supermercados (1%) apresentaram crescimento no número total de empregos na comparação com o mesmo mês de 2016. Por outro lado, os piores desempenhos foram registrados nos segmentos de concessionárias de veículos (-4,9%), lojas de vestuário, tecidos e calçados (-4,4%) e lojas de móveis e decoração (-4,2%).
Fonte - Portogente 30/05/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua visita,ajude-nos na divulgação desse Blog
Cidadania não é só um estado de "direito",é também um estado de "espírito"