sábado, 4 de março de 2017

Operação assistida de trecho do VLT de Fortaleza só deve começar em junho

Transportes sobre trilhos  🚄

A operação comercial do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) permanece sem previsão de início. O projeto começou em 2012 e já teve inúmeras paralisações. A fase experimental, sem passageiros, foi iniciada em 2016 em um trecho. O projeto total, que já passou por múltiplas paralisações e retomadas de obras desde 2012, quando começou a ser implantado, possui cerca de 60% dos trabalhos executados.

Diário do Nordeste
foto - ilustração/arquivo
A operação assistida de parte do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) de Fortaleza deve começar até junho deste ano. O novo prazo dado pela Secretaria da Infraestrutura do Estado (Seinfra), que já havia prometido a entrega de um trecho do modal até março deste ano, refere-se ao início dos testes com passageiros na extensão que vai da estação Borges de Melo até a estação Parangaba, onde já ocorre a operação experimental desde o último mês de setembro. A operação comercial do transporte, contudo, permanece sem previsão.
De acordo com o órgão, o trecho entre as estações Borges de Melo e Parangaba é o segundo da obra (que está dividida em três partes), e deve ser o primeiro a ficar pronto. O projeto total, que já passou por múltiplas paralisações e retomadas de obras desde 2012, quando começou a ser implantado, possui cerca de 60% dos trabalhos executados. O trecho 1, que inclui a construção da passagem inferior da Avenida Borges de Melo, deve ser o próximo da lista, com expectativa de entrega até julho. Conforme a Seinfra, a obra, que foi retomada em abril do ano passado, está 30% concluída. O maior impasse é a finalização do terceiro trecho, localizado entre as estações Iate e Borges de Melo.
Segundo o órgão, o cronograma de obras no percurso teve de ser revisto. A Secretaria de Infraestrutura não informou se há novo prazo para entrega.

Impasses

Conforme havia divulgado a secretaria em 2015, ano em que um novo contrato foi firmado para a realização das intervenções, o trecho 3 possui a maior extensão e a maior quantidade de desapropriações pendentes.
Ao todo, o projeto inicial do VLT prevê aproximadamente 2.000 remoções. Em setembro do ano passado, quando foi iniciada a operação experimental do trecho 2, cerca de 1.500 haviam sido realizadas. Com o gargalo, o prazo anunciado à época para a conclusão das obras do trecho - primeiro semestre de 2018 - pode ser afetado.
Os testes sem passageiros do segundo trecho do modal foi o principal avanço no projeto nos últimos anos. Desde setembro, o VLT faz o percurso de 3,6 km entre as estações Borges de Melo e Parangaba no período de 10h a 11h. São realizadas quatro viagens por dia. De acordo com o Metrofor, o teste serve para verificar o funcionamento da via férrea, da plataforma e das estações. Até o momento, conforme o órgão, o experimento não revelou a necessidade de ajustes ou adequações no projeto.

Abrangência

Ao todo, o modal terá 12 km em superfície e 1,4 km de trechos elevados que atravessarão 22 bairros de Fortaleza. Serão 10 estações: Parangaba, Montese, Vila União, Borges de Melo, São João do Tauape, Pontes Vieira, Antônio Sales, Papicu, Mucuripe e Iate.
A Seinfra calcula que, quando finalizado, o VLT deverá ser utilizado diariamente por 90 mil pessoas. Outro promessa é que o modal tenha estações integradas às linhas Leste e Sul do Metrô de Fortaleza, e também a terminais rodoviários da Cidade.
Fonte - Diário do Nordeste  04/03/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua visita,ajude-nos na divulgação desse Blog
Cidadania não é só um estado de "direito",é também um estado de "espírito"