terça-feira, 12 de abril de 2016

Semace aprova primeiro Relatório Ambiental do Metrô de Fortaleza


Transportes sobre trilhos

O relatório da Semace certifica que a operação do metrô não tem causado impactos negativos ao meio ambiente, certificando também as iniciativas de educação ambiental desenvolvidas nas comunidades lindeiras – aquelas que vivem próximas dos trilhos.

Metrofor

O Metrô de Fortaleza recebeu parecer favorável da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) ao seu primeiro Relatório de Acompanhamento e Monitoramento Ambientais (Rama), relativo ao ano de 2015. Essa documentação certifica que a operação do metrô não tem causado impactos negativos ao meio ambiente, certificando também as iniciativas de educação ambiental desenvolvidas nas comunidades lindeiras – aquelas que vivem próximas dos trilhos.
Um dos itens analisados são as emissões de materiais na atmosfera. No caso da Linha Sul, foi certificado que não há emissões atmosféricas, já que o sistema metroviário é movido à eletricidade. Na Linha Oeste, em que a tração do trem funciona a diesel, foi verificado que os motores têm padrões internacionais, estando as emissões dentro da normalidade. Também foram medidos ruídos e vibrações emitidos pelos dois sistemas, antes e durante a passagem dos trens. De acordo com o relatório, o resultado apontou que ruídos e vibrações estão dentro dos padrões.
Também foi analisado e aprovado o funcionamento do sistema de coleta dos resíduos gerados na operação dos trens. Há lixeiras em todas as estações das linhas Sul e Oeste, com coleta realizada pela Ecofor às terças, quintas e sábados. Os materiais recicláveis são encaminhados a entidades que aproveitam o lixo como matéria-prima. Os demais materiais são transportados até o aterro sanitário de Caucaia. O parecer da Semace aponta que “no interior do metrô, os resíduos produzidos são praticamente zero".
Quanto ao possível impacto da operação do metrô sobre o solo e a bacia hidrográfica, o estudo apontou que não há prejuízos. Segundo a pesquisa, “o metrô não interfere nos recursos hídricos. [...] Considerando que o metrô está inserido em áreas urbanizadas, onde o solo é, em sua maioria, recoberto por revestimento asfáltico, a interferência deste sobre os solos locais, é mínima”.
A análise também destacou as ações sociais voltadas para a preservação do meio ambiente e o bom convívio entre o metrô e as comunidades lindeiras, todas elas inseridas no projeto Metrô & Cidadania. De acordo com o parecer, “no que diz respeito aos Planos de Controle e Monitoramento Ambiental visando à mitigação dos impactos inerentes à atividade quando de sua operação, foram implementadas ações voltadas para a educação ambiental das comunidades próximas, junto às escolas públicas com parcerias firmadas entre diversas instituições a nível estadual e municipal. Foi implantada ainda a Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P) no Metrofor, enfatizando o gerenciamento de resíduos sólidos”.

Rama
A aprovação dada pela Semace às categorias ambientais relacionadas à operação do metrô de Fortaleza se deu através de análise do Relatório de Acompanhamento e Monitoramento Ambiental (Rama), cuja obrigatoriedade é prevista na Resolução nº 001/86 do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama). Inserido no contexto da Polícia Nacional de Meio Ambiente (Lei nº 6938/81), o Rama faz parte das diretrizes de licenciamento ambiental. O objetivo do Rama é avaliar o impacto do equipamento licenciado sobre o meio ambiente. Por isso, o estudo para elaboração do Rama inclui medição e testagem de diversos parâmetros ambientais, bem como o relato de todas as ações sociais de cunho ambiental que tenham sido desenvolvidas pelo equipamento ou órgão analisado.
Fonte - Metrofor  11/04/2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua visita,ajude-nos na divulgação desse Blog
Cidadania não é só um estado de "direito",é também um estado de "espírito"