quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Metrô de Salvador organiza comércio informal no Terminal Pirajá

Metrô de Salvador

Um acordo que contempla a regularização do comércio no Terminal Pirajá,a padronização dos espaços comerciais,a política de responsabilidades e deveres a serem seguidos pelos vendedores,a definição dos produtos e serviços que legalmente podem ser comercializados foi assinado no último mês.Além do contrato de cessão de uso de espaço,os vendedores receberam um manual de orientação,kit de identificação e uniforme,bancada pronta no ponto de venda e o cartão de acesso.

Da Redação
foto - ilustração /Manu Dias - Gov.Ba
Após meses de negociação, a concessionária CCR Metrô Bahia, a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano (Sedur), e a Companhia de Transporte da Bahia (CTB), conseguiram alocar 96 vendedores ambulantes credenciados que continuarão atuando dentro do Terminal Pirajá.
Um acordo que contempla a regularização do comércio no Terminal Pirajá, a padronização dos espaços comerciais, a política de responsabilidades e deveres a serem seguidos pelos vendedores, a definição dos produtos e serviços que legalmente podem ser comercializados foi assinado no último mês. Além do contrato de cessão de uso de espaço, os vendedores receberam um manual de orientação, kit de identificação e uniforme, bancada pronta no ponto de venda e o cartão de acesso.
No Terminal Pirajá os vendedores credenciados poderão comercializar bebidas industrializadas não alcoólicas (água, refrigerante, isotônicos, café, água de coco, chás), alimentos prontos como salgados e doces e guloseimas (amendoim, chiclete, balas, chocolate, picolé, sorvetes, etc.).
Para a segurança dos comerciantes, usuários e colaboradores do terminal, serão proibidas no interior do espaço as atividades que usem gás GLP ou gerem qualquer tipo de fumaça, vapores e odores, que possam provocar princípios de incêndio ou incômodo aos usuários. Os comerciantes não poderão vender jogos de azar, medicamentos, produtos de tabacaria, substâncias tóxicas ou proibidas, e utilizar aparelhos sonoros.
Os vendedores deverão seguir as normas de higiene e vigilância sanitária previstas por lei e ficarão responsáveis pela limpeza, manutenção e pela conservação das áreas ocupadas e dos equipamentos móveis utilizados, arcando com esses custos.
A proposta de ordenamento do comércio informal dentro do Terminal Pirajá segue as diretrizes da política de sustentabilidade da CCR Metrô Bahia que tem como objetivo fomentar o desenvolvimento socioeconômico nas regiões em que atua.
Lembrando aos usuários, que vale para os terminais de ônibus sob administração da CCR Metrô Bahia, os mesmos direitos e obrigações dos usuários constantes no Decreto Estadual 15.197/2014.
Com informações da CCR Metrô Bahia  04/02/2016

2 comentários:

Obrigado pela sua visita,ajude-nos na divulgação desse Blog
Cidadania não é só um estado de "direito",é também um estado de "espírito"