quarta-feira, 31 de maio de 2017

Metroviários de SP consideram escandalosa proposta de Alckmin para privatizar Metrô

Transportes sobre trilhos  🚇 

Para os trabalhadores, a proposta de lance mínimo do governo Alckmin é irrisória perto do valor das obras. O lance inicial proposto é de R$ 189 milhões, pelas duas linhas. O valor corresponde a aproximadamente 2% do que o governo está investindo na construção dos trechos. Até dezembro, o orçamento estimado era de R$ 10 bilhões.

Rede Brasil Atual - RF
foto - ilustração
A proposta do governo Geraldo Alckmin (PSDB) para privatizar as linhas 5-Lilás (Capão Redondo-Chácara Klabin) e 17-Ouro (Congonhas-Morumbi) do Metrô paulista foi tachada de "escandalosa" pelo coordenador geral do Sindicato dos Metroviários Wagner Fajardo, durante audiência pública realizada na noite de ontem (29), na Assembleia Legislativa de São Paulo. "Essa licitação é um escândalo. Nós vamos à greve e vamos à Justiça contra isso. Não vamos aceitar essa entrega do patrimônio público", afirmou Fajardo.
Para os trabalhadores, a proposta de lance mínimo do governo Alckmin é irrisória perto do valor das obras. O lance inicial proposto é de R$ 189 milhões, pelas duas linhas. O valor corresponde a aproximadamente 2% do que o governo está investindo na construção dos trechos. Até dezembro, o orçamento estimado era de R$ 10 bilhões.
No entanto, em março deste ano a base do governador na Assembleia aprovou a transferência de R$ 200 milhões para a Linha 5, que estavam destinados à Linha 6-Laranja (Brasilândia-São Joaquim). Mudança feita a pedido de Alckmin. "Só essa transferência já cobre o valor do lance mínimo. O governo constrói com dinheiro público e depois entrega de bandeja para a iniciativa privada lucrar muito, sem necessidade de investir nada", afirmou o deputado estadual Carlos Gianazzi (Psol), que organizou a audiência.
O valor cobrado pelo governo também é equivalente a apenas cinco dos 26 novos trens da Linha 5-Lilás, que ao todo custaram R$ 630 milhões aos cofres paulistas, mas que estão sem utilização, por causa dos recorrentes atrasos nas obras (iniciadas em em 1998). Pela concessão – que terá vigência por 30 anos –, será pedida somente a outorga onerosa mínima de R$ 189 milhões, mais 1% da arrecadação tarifária e 1% da receita com publicidade e utilização de espaços comerciais.
Para os participantes, a privatização das linhas se vale de uma falsa ideia de que a iniciativa privada é sempre melhor. E busca compensar trocas de financiamento de campanha de Alckmin, que recebeu boa parte das doações na eleição de 2014 de empresas envolvidas no cartel investigado pelo Ministério Público paulista. "Precisa ficar claro à população que quem quer privatizar tem rabo preso com a corrupção disfarçada de financiamento de campanha", afirmou o diretor da Federação Nacional dos Metroviários (Fenametro) Paulo Pasin.
Os trabalhadores pretendem apresentar quatro pedidos de investigação ao Ministério Público, aproveitando a audiência, sobre os R$ 200 milhões transferidos após o anúncio da privatização, os 26 trens sem uso na Linha 5, comprados em 2013 por R$ 630 milhões e que serão repassados à empresa que vencer a licitação, a insegurança do novo sistema de controle de trens que está sendo instalado na rede e a contratação do ex-executivo da Odebrecht – empresa investigada na Operação Lava Jato – Lucas Bermutto, para o setor de planejamento do Metrô.
Segundo o coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, é absurdo que Alckmin proponha nova privatização depois da Linha 4-Amarela (Luz- Butantã). "As empresas que administram a linha participaram do consórcio que a construiu. Daí atrasaram a obra de um lado, depois entraram na justiça para cobrar indenização de R$ 400 milhões pelo atraso. É um escárnio. Os empresários só ganham", afirmou.
Fonte - Revista Ferroviária  30/05/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua visita,ajude-nos na divulgação desse Blog
Cidadania não é só um estado de "direito",é também um estado de "espírito"