sexta-feira, 17 de março de 2017

Maquinistas reduzem velocidade dos trens em 49 trechos da CPTM por problemas em trilhos

Transportes sobre trilhos  ðŸšƒ

A falta manutenção nas linhas segundo especialistas,essa falta de cuidado,coloca a segurança dos passageiros em risco.Os trens também reduzem a velocidade em quase nove quilômetros de trilhos condenados, que já estão gastos e precisam ser substituídos, na Linha 10-Turquesa. Defeitos detectados em 2015 e que até hoje não foram consertados.

G1 - RF
foto - ilustração
A lentidão é uma rotina constante na vida dos passageiros da CPTM. O trem vai devagar em vários trechos. O Bom Dia São Paulo teve acesso a documentos da própria CPTM que comprovam o que todo mundo já desconfiava: falta manutenção nas linhas. Segundo especialistas, essa falta de cuidado coloca a segurança dos passageiros em risco.
O Bom Dia São Paulo teve acesso a informações da CPTM que mostram que em 49 pontos da rede os maquinistas são obrigados a diminuir a velocidade dos trens.
Esse tipo de cautela é comum em qualquer ferrovia. Com o tempo e a circulação dos trens as peças precisam ser trocadas e, durante a manutenção, os trens devem passar mais devagar nesse trecho. O problema é que na CPTM esse processo acaba se arrastando por anos.
O problema mais antigo da linha é de 2001, quando os técnicos da CPTM disseram que o trilho entre campo limpo paulista e várzea paulista, na linha 7-Rubi, estava desnivelado. Por isso, o limite de velocidade caiu de 90 km/h para 20 km/h. Hoje, 16 anos depois, o problema não foi resolvido e nem tem data pra ser.
Os trens também reduzem a velocidade em quase nove quilômetros de trilhos condenados, que já estão gastos e precisam ser substituídos, na Linha 10-Turquesa. Defeitos detectados em 2015 e que até hoje não foram consertados.
Na linha mais cheia, a Linha 11-Coral, são oito pontos de redução de velocidade. Um deles por causa de um parafuso emperrado. Um maquinista que trabalha há 20 anos na CPTM disse que tem medo de um acidente acontecer a qualquer momento. “Quanto mais cheio o trem tá ele fica mais pesado e no trilho desgastado ele tem um risco maior de queda”, afirmou.
O presidente da CPTM, Paulo de Magalhães, informou que a companhia comprou dez mil toneladas de trilhos para substituir os que estão com problemas. "Está sendo feito dentro da nossa capacidade de execução, mas não tem nenhum risco para a operação", disse.
Fonte - Revista Ferroviária  17/03/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua visita,ajude-nos na divulgação desse Blog
Cidadania não é só um estado de "direito",é também um estado de "espírito"