quarta-feira, 15 de março de 2017

Manifestantes protestam em Salvador contra reformas da Previdência e trabalhista

Política  👀

Em Salvador, os manifestantes se reuniram em frente a um shopping center, na região do Iguatemi, onde protestam contra as propostas enviadas pelo governo federal ao Congresso Nacional.Segundo o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) na Bahia, Cedro Silva, o protesto é uma forma de os trabalhadores resistirem à proposta e ao projeto de lei da terceirização.

Sayonara Moreno
Correspondente da Agência Brasil
imagem - Facebook/Walter Takemoto
Desde o início do dia de hoje (15), trabalhadores de diversas categorias sindicais, integrantes de movimentos sociais e estudantes realizam um ato pelo Dia Nacional de Luta Contra as Reformas da Previdência e Trabalhista. Em Salvador, os manifestantes se reuniram em frente a um shopping center, na região do Iguatemi, onde protestam contra as propostas enviadas pelo governo federal ao Congresso Nacional.
De acordo com a Polícia Militar, cerca de 9 mil pessoas participam do ato composto, em sua maioria, por bancários e profissionais da educação. Segundo o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) na Bahia, Cedro Silva, o protesto é uma forma de os trabalhadores resistirem à proposta e ao projeto de lei da terceirização.
“Não vamos permitir que milhões de trabalhadores e trabalhadoras sejam prejudicados com essa reforma porque o povo não foi consultado. Nós não vamos aceitar que essa reforma seja aprovada, porque é um retrocesso para o país”, argumenta o líder sindicalista.
A diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB Sindicato), Elza Melo, explica que o objetivo “não é somente chamar a atenção no dia de hoje”.
“Esta luta é coletiva e solidária, do povo brasileiro contra esse governo que quer retirar os direitos dos trabalhadores. Não aceitaremos isso. A nossa luta vai continuar. Vamos realizar atos públicos nos próximos dias até derrotar essa proposta. Hoje, a educação parou completamente na Bahia tanto escolas privadas quanto as públicas”, disse a dirigente.
Elza Mello contou que, na capital baiana, diversas escolas estão sem atividades nesta quarta-feira (15). Algumas unidades paralisaram as atividades somente hoje. Há ainda escolas que vão manter a paralisação por dez dias. Segundo a APLB, escolas de 390 municípios do estado participam do dia de luta.
Para a parte da tarde, os manifestantes devem fazer uma caminhada para protestar contra as reformas.
Fonte - Agência Brasil  15/03/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua visita,ajude-nos na divulgação desse Blog
Cidadania não é só um estado de "direito",é também um estado de "espírito"