terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Metrô de Recife inicia fase de testes do Carro Rosa,exclusivo para mulheres

Transportes sobre trilhos   🚇

Carro Rosa inicia fase de testes por 15 dias no metrô de Recife.- Por dia,400 mil pessoas se deslocam de metrô pela Região Metropolitana do Recife (RMR).Cerca de 56% desse público,segundo dados de pesquisa realizada em 2010 pelo sistema,é de mulheres.Em média,250 mulheres serão transportadas no espaço exclusivo,demarcado inicialmente apenas por adesivos cor-de-rosa nas portas.

Diário de Pernambuco
foto - ilustração/arquivo
Consolidado em capitais como Rio de Janeiro e São Paulo, o carro exclusivo para mulheres começou a operar ontem no Metrô do Recife. Em fase de testes pelos próximos 15 dias, o carro irá circular em horários de pico (6h às 8h30 e 16h às 19h30), na Linha Centro, entre as estações de Camaragibe e Jaboatão dos Guararapes. Em média, 250 mulheres serão transportadas no espaço exclusivo, demarcado inicialmente apenas por adesivos cor-de-rosa nas portas. A primeira viagem aconteceu ontem, no fim da tarde, sob aplausos de muitas passageiras.
Por dia, 400 mil pessoas se deslocam de metrô pela Região Metropolitana do Recife (RMR). Cerca de 56% desse público, segundo dados de pesquisa realizada em 2010 pelo sistema, é de mulheres. A vendedora Elienai Melo, 31 anos, utiliza o metrô há três anos. Em uma das viagens, percebeu que havia um homem sem cueca passando partes do corpo nela e em outra passageira. Uma das primeiras mulheres a testar o carro segregado, Elienai concordou com a iniciativa. “Me sinto mais segura, mais confortável”, justificou.
O carro rosa foi assunto entre a roda de colegas de trabalho de Elienai. “A nossa única dúvida é se ele irá funcionar mesmo”, questionou a vendedora. A professora Bernadete Lira, 57 anos, também usuária da primeira viagem do carro rosa, discordou da medida. “Até quando vamos nos sentir inseguras? À noite, quando estivermos sozinhas, será que vai funcionar? É preciso trabalhar a questão da educação e também melhorar a segurança como um todo.” A ideia também é criticada por coletivos feministas.
O Carro Rosa funcionará com o apoio de cinco seguranças: quatro deles distribuídos entre as portas e um entre o carro rosa e o carro misto. Ele fará uma média de seis viagens por turno. Apenas crianças do sexo masculino acompanhados da mãe ou outra mulher responsável poderão usar o espaço. Ontem, uma grade foi colocada para facilitar a divisão entre homens e mulheres. Ainda assim, foi preciso impedir a passagem de alguns desavisados.
Para o superintendente do metrô, Leonardo Villar Beltrão, a primeira experiência foi positiva. “A nossa intenção com o teste é observar a aceitação, analisar as melhorias que precisam ser realizadas, como vamos adaptar a segurança. Acreditamos que houve um respeito grande na entrada”, disse.
Segundo ele, o Recife tem um carro segregado em um trem de quatro carros, enquanto outras cidades oferecem a segregação em um trem com seis carros. A quantidade de seguranças para o Carro Rosa foi estabelecida visando não descobrir outras áreas do sistema. Durante os 15 dias, haverá ainda um trabalho de educação, com distribuição de panfletos e anúncios sonoros sobre a nova modalidade de acomodação do transporte. Também serão estudadas formas de intensificar a identificação visual do vagão. Após a fase de testes, será feita uma avaliação para a continuidade do serviço.

Câmeras
Em fevereiro, começarão a ser instaladas câmeras de alta definição nas estações. Serão instalados 1,3 mil equipamentos. Também entrará em funcionamento um aplicativo no qual as pessoas poderão enviar imagens e textos informando sobre qualquer problema. A partir da plataforma, serão identificados e acionados os seguranças mais próximos às ocorrências.
Também estão sendo relicitados os contratos de serviço terceirizado de vigilância, com a exigência de maior qualificação entre os profissionais. Tudo estará implementado até julho. No ano passado, R$ 18 milhões do orçamento do metrô foram usados em segurança. Neste ano, o valor será de R$ 33 milhões. “Ações estão sendo tomadas para atacar um problema que consideramos importante solucionar”, acrescentou Beltrão.
Fonte - Diário de Pernambuco  17/01/2017

COMENTÁRIO  Pregopontocom

Sempre apelam para a maneira mais fácil de encontrar "soluções"nem sempre corretas e adequadas,em vez da "educação" vão pelo caminho da segregação.Aonde vai parar isso?.....concordo com os Coletivos Feministas,questionável essa ideia tosca de colocar as mulheres num "curralzinho".Em vez de proverem meios de garantirem os seus direitos como cidadãs,preferem segrega-las,separa-las,como se fossem elas as grandes culpadas. 👎

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua visita,ajude-nos na divulgação desse Blog
Cidadania não é só um estado de "direito",é também um estado de "espírito"