sábado, 10 de dezembro de 2016

Governo do Estado autoriza implantação Fusegate na Barragem de Ponto Novo (BA)

Tecnologia 🌊

A ordem de serviço foi assinada pelo governador Rui Costa na manhã deste sábado (10), na sede de Ponto Novo, junto com a entrega de cinco equipamentos hospitalares e da assinatura de autorização para a implantação de um projeto, por meio do programa Bahia Produtiva, que beneficiará diretamente 35 famílias da associação dos apicultores do município.

Da Redação
foto - Manu Dias/Gov Ba. 
O abastecimento para 150 mil baianos de Ponto Novo e outros oito municípios do Centro Norte do estado vai ser reforçado com mais 9 milhões de metros cúbicos de água, com a implantação de um Fusegate, equipamento de tecnologia francesa, na barragem local, que terá a capacidade de reserva aumentada em 24%. A ordem de serviço foi assinada pelo governador Rui Costa na manhã deste sábado (10), na sede de Ponto Novo, junto com a entrega de cinco equipamentos hospitalares e da assinatura de autorização para a implantação de um projeto, por meio do programa Bahia Produtiva, que beneficiará diretamente 35 famílias da associação dos apicultores do município.
Segundo Rui, além dos R$ 7,5 milhões na barragem, serão investidos outros R$ 6,5 milhões, também autorizados por ele neste sábado, para aumentar a produção com criação de peixes e para os agricultores. “Isso significa mais emprego e renda para toda a região. E aqui ao lado temos uma nova estação de tratamento que já está abastecendo Senhor do Bonfim, Filadélfia, Jaguarari e os demais municípios. Somente na adutora nova foram investidos mais R$ 60 milhões pelo Governo do Estado, garantindo abastecimento de Jacobina a Senhor do Bonfim”.

sistema Fusegate/ilustração
Fusegate
O sistema fusegate possibilita o controle dos vertedouros sem necessidade de intervenção humana ou elétrica. Com a vantagem de possuir baixo valor de investimento e altos resultados, o principal objetivo do equipamento, composto por módulos de concreto ou aço implantados sobre a crista do vertedouro, é aumentar o acúmulo de água nas reservas, garantindo a segurança hídrica. É um dos métodos mais eficazes e baratos e pode ser instalado em qualquer tipo de barragem.
Cesare de Simone, diretor técnico da Hydroplus, empresa responsável pela instalação do sistema fusegate, informa que os estudos para a implantação começam na próxima segunda-feira. “Teremos o tempo de fabricação e instalação das peças. A previsão é que o projeto esteja implantado em no máximo 15 meses. Já temos dois projetos destes implantados na Bahia, um na barragem de Jacobina e outro com a Embasa, em Itaparica, garantindo o abastecimento de água para essas regiões”.
Com informações da Secom Ba. 10/12/2016

Computação quântica a caminho

Ciência & Tecnologia 💻

Estamos falando de computadores quânticos capazes de resolver em milésimos de segundo problemas que se estima levar no mais veloz supercomputador milhões de anos para achar a solução.O computador quântico do qual falamos é baseado na Física Quântica

 Editor Portogente
foto - ilustração/arquivo
O século XXI vem se caracterizando pela velocidade com que as mudanças de paradigma ocorrem. Pesquisadores da Universidade de Sussex, Inglaterra, anunciam que estão caminhando no desenvolvimento de uma inteiramente nova tecnologia de computação, chamada de computação quântica.
Estamos falando de computadores quânticos capazes de resolver em milésimos de segundo problemas que se estima levar no mais veloz supercomputador milhões de anos para achar a solução.
O computador quântico do qual falamos é baseado na Física Quântica, uma complexa teoria física que vem anunciando que um átomo pode estar em dois diferentes lugares ao mesmo tempo. O que vemos aqui é um sistema à vácuo, dentro do qual o vácuo é muito melhor que o espaço externo.
O que vem sendo feito é confinar átomos isolados usando campos elétricos, para que os átomos se modifiquem em bits quânticos. Novos conceitos físicos e computacionais, na geração de velocidades computacionais tão altas e uma mudança de paradigma quase impossível de se imaginar. Mas, resta a esperança de que esse homem Deus ainda vai continuar sem entender a alegria e a tristeza que habitam o interior do ser humano.
Fonte - Portogente  10/12/2016

A travessia marítima entre Salvador e Itaparica pelo sistema Ferry-Boat terá escala de 24 horas nesse final de semana

Travessia marítima

Do dia 11,domingo,para 12,segunda, a partir de Bom Despacho o sistema vai funcionar 24 horas.O sistema Ferry-Boat vai operar com seis embarcações: Agenor Gordilho, Dorival Caymmi, Ivete Sangalo, Pinheiro, Anna Nery e Juracy Magalhães Júnior.

Da Redação
foto - ilustração/arquivo
Durante esse fim de semana e até segunda feira (12) sistema Ferry-Boat vai operar com seis embarcações: Agenor Gordilho, Dorival Caymmi, Ivete Sangalo, Pinheiro, Anna Nery e Juracy Magalhães Júnior.As viagens irão ocorrer nos horários programados (de hora e hora),com viagens extras previstas para os momentos de maior demanda.
Do dia 11,domingo,para 12,segunda, a partir de Bom Despacho o sistema vai funcionar 24 horas.
Para os usuários que fazem a travessia em veículos,o serviço de Hora Marcada,para o período,a Internacional Travessias Salvador disponibilizou vagas extras para os horários 1h e 4h das madrugadas de 08/12 (a partir de São Joaquim) e 12/12 (a partir de Bom Despacho),somando 200 vagas adicionais.Para saber a disponibilidade atual de vagas e para a compra de passagens para hora marcada,os usuários deverão acessar o site -portalsits.internacionaltravessias-.O  pagamento para esse serviço deverá ser realizado por meio de cartões de crédito ou débito.A ITS está avaliando a necessidade de horários extras para este serviço.
O sistema Ferry-Boat disponibiliza uma Central de Atendimento ao Cliente (CAC), funcionando sempre no Terminal São Joaquim,aberta de segunda a sexta,das 8h às 18h,e aos sábados,das 7h às 13h. O serviço também pode ser acionado pelos contatos através do Tel 071 3032-0475 e pelo ecac@internacionaltravessias.com.br.
Com informações da ITS  10/12/2016

Urucu completa 30 anos de exploração de petróleo em plena Amazônia

Economia/Petróleo

Descoberta em 1986 no coração da Amazônia, em Coari, a cerca de 650 quilômetros de Manaus, Urucu chama a atenção pelo desafio de produzir petróleo com respeito ao meio ambiente e redução dos impactos da atividade sobre a região.Foi necessário que o geólogo responsável pelo projeto amazônico fosse à sede da estatal,no Rio de Janeiro, para convencer a diretoria a manter as tentativas.E a descoberta de Urucu significou que ele estava certo e selou o destino da atividade da empresa na região.

Nielmar de Oliveira
Enviado especial*-Agência Brasil
Agência Petrobras/Geraldo Falcão
Já se passaram 30 anos desde que o petróleo jorrou pela primeira vez do poço pioneiro Rio Urucu número 1 (RUC-1), que deu origem à Província Petrolífera de Urucu, no Amazonas, maior reserva provada terrestre de óleo equivalente (petróleo e gás natural) do país.
Descoberta em 1986 no coração da Amazônia, em Coari, a cerca de 650 quilômetros de Manaus, Urucu chama a atenção pelo desafio de produzir petróleo com respeito ao meio ambiente e redução dos impactos da atividade sobre a região.
O óleo de Urucu, um dos mais leves produzidos no país (quanto mais leve, melhor a qualidade), facilita o seu processamento nas refinarias e permite o aproveitamento na produção de gasolina, nafta petroquímica, óleo diesel e Gás Liquefeito de Petróleo (GLP).
Em outubro deste ano, o complexo registrou a produção de 35.387 barris de petróleo por dia e 13,9 milhões de metros cúbicos de gás natural, além de 1,2 tonelada de GLP, o equivalente a 112 mil botijões de gás de cozinha.
Se comparada aos 100 mil barris/dia de uma única unidade do pré-sal, a produção de Urucu é pequena, mas fundamental para o abastecimento da Região Norte e parte do Nordeste, além de ter papel importante na atividade econômica do Amazonas, com participação de cerca de 15% do Produto Interno Bruto (PIB) do estado.

A chegada à Amazônia nos anos 1980

O engenheiro de produção Ivaldo Santos da Silva, 34 anos de Petrobras, 30 dos quais dedicados à Urucu, lembra das dificuldades de instalação do complexo em meio à mata fechada, numa obra grandiosa. “Isto aqui era mata cerrada e lamaçal. Não era incomum encontrarmos onças, cobras e todo tipo de animal. Era aventura pura, estilo Indiana Jones mesmo. Todo transporte de material e de pessoas era feito pelo Rio Urucu. Os equipamentos, máquinas, tratores e sondas eram desmontadas e carregados pelo meio da mata fechada e enlameada nas costas mesmo. Desmontava-se tudo, colocava-se tábuas para reduzir os atoleiros e, em meio as clareiras que eram abertas, se montava tudo de novo”, conta, emocionado.
O gerente da Província de Urucu, João Roberto Rodrigues, há 29 anos no projeto, recorda outro desafio da criação da base de exploração na Amazônia: a concorrência com a Bacia de Santos, que era prioridade da Petrobras na época por causa dos 100% de chances de acerto na perfuração dos poços e do retorno rápido e garantido do investimento, ao contrário de Urucu, onde a exploração ainda era incerta. Foi necessário que o geólogo responsável pelo projeto amazônico fosse à sede da estatal, no Rio de Janeiro, para convencer a diretoria a manter as tentativas.
“E a descoberta de Urucu significou que ele estava certo e selou o destino da atividade da empresa na região. Era a última bala, a última chance e ele provou que estava certo com a descoberta do poço pioneiro RUC-1. E aí houve a decisão pelos investimentos na região, o retorno do pessoal que já havia deixado o local, além do deslocamento de mais funcionários para a região”, relembra Rodrigues.
Se em 1986 apenas 62 pessoas presenciaram o momento em que o petróleo jorrou pela primeira vez na Amazônia, hoje Urucu tem cerca de 1,2 mil trabalhadores.
“Estarmos aqui, com todo esta estrutura, é resultado de muito sonho nosso. A companhia sempre foi muito importante para o país. E o legado que a gente deixa é este aqui, é o fato de que Urucu é importante para o desenvolvimento da região e para a geração de empregos para muita gente que não teria uma oportunidade como esta não fosse o sonho de alguns exploradores há 30 anos”, acrescenta o gerente.

Cuidados ambientais
Segundo a Petrobras, o custo de extração de petróleo e gás natural de Urucu está entre os menores no país, apesar dos desafios de logística e operação em plena selva. A localização exigiu da estatal cuidados adicionais na implantação do projeto, que incluíram o reflorestamento das áreas abertas e o maior reaproveitamento possível do que é retirado da natureza.
Os troncos das árvores derrubadas nas áreas em que estão os poços, por exemplo, são transformados em bancos e os restos de comida, em adubo. A energia para o funcionamento do complexo é produzida em uma termelétrica movida a gás natural, com capacidade de geração de 20 Megawatts.
O trabalho de recomposição da cobertura vegetal e de catalogação das espécies retiradas das áreas de extração de óleo, entre outras medidas ambientais, tornaram Urucu referência internacional no setor. Desde o início do projeto, as áreas afetadas são recompostas de modo que apenas algumas clareiras denunciam a presença dos equipamentos na floresta.
Um viveiro natural abriga dezenas de milhares de mudas de 80 espécies nativas da Amazônia para viabilizar o programa de replantio intensivo implementado à medida que as clareiras são abertas para a perfuração dos poços. Entre as espécies catalogadas e reintroduzidas na natureza estão bromélias e orquídeas.
“Toda vez que vamos trabalhar em alguma área nova aqui na região, a gente faz a identificação nominal da árvore, o estudo e o inventário dela e entramos com o licenciamento. A partir deste inventário é feita a coleta de sementes, para desenvolvermos as mudas no viveiro, de modo que na fase pós exploratória, quando iniciamos a recuperação da área, a gente possa devolver as características originais o mais próximo possível do que era antes de desmatarmos para construir o poço”, explica engenheiro florestal Jander Muniz Rabelo.
Rodrigues, gerente da Província de Urucu, diz que os cuidados são essenciais para a continuidade da exploração petrolífera em uma área sensível como o ecossistema amazônico. “Nossa missão é produzir petróleo e gás e vamos fazer isto dentro de uma lógica de responsabilidade e respeito ao meio ambiente, caso contrário não sobreviveremos. Aprendemos que aqui temos que ficar no nosso canto, quietos, respeitando os proprietários do local, que são as árvores e os animais. A velocidade é controlada, o carro tem que parar, não atropelar os animais”, conta.
Os resíduos orgânicos produzidos no complexo viram adubo para reflorestamento e jardinagem, os recicláveis são separados e destinados a empresas licenciadas e o esgoto doméstico é tratado segundo parâmetros exigidos pela legislação. De acordo com a Petrobras, “a sucata ferrosa e os resíduos perigosos são tratados, neutralizados e destinados de acordo com as exigências legais”.

Logística
Estar dentro da mata fechada também impõe outro desafio à Província Petrolífera de Urucu: a logística. Para levar a produção da reserva aos centros urbanos, o principal caminho é o Gasoduto Urucu-Coari-Manaus, construído em 2009. Com 663 km quilômetros de extensão, o duto tem capacidade para escoar até 5,5 milhões de metros cúbicos por dia de gás natural de Urucu à capital do Amazonas.
Antes do gasoduto, o produto era levado a Coari em balsas pelo Rio Urucu e depois pelo Rio Solimões até Manaus, em viagens que levavam mais de uma semana.
*O repórter viajou a convite da Petrobras
Fonte - Agência Brasil  10/12/2016

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

MAM tem exposição, música e programação infantil no fim de semana

Arte & Cultura 🎼

Passados 35 anos desde que o único vinil do Sexteto do Beco foi lançado, o grupo emblemático da música instrumental baiana volta ao mercado fonográfico com versão remasterizada em edição limitada nos formatos vinil e CD, digital para download e website com a história do grupo. 

Da Redação
foto - ilustração
Entre sexta-feira (9) e domingo (11), a Galeria 3 do Museu de Arte Moderna da Bahia segue em sua última semana com a exposição ‘Caminhos’ do artista Roddolfo Carvalho, em cartaz. Já a mostra ‘Hiperfotos-Salvador’ de Jean-François Rauzier ficará na Capela até o dia 29 de janeiro de 2017. Ambas ficam abertas gratuitamente de terça a domingo, das 13h às 18h.
Sábado (10), haverá uma edição especial da tradicional ‘JAM no MAM’. Passados 35 anos desde que o único vinil do Sexteto do Beco foi lançado, o grupo emblemático da música instrumental baiana volta ao mercado fonográfico com versão remasterizada em edição limitada nos formatos vinil e CD, digital para download e website com a história do grupo. O lançamento acontecerá neste sábado (10), às 17h, no Pátio Flamboyant.
No domingo (11), não haverá o projeto ‘Pinte no MAM’, que retomará suas atividades a partir de 2017. As crianças poderão se divertir com a ‘Contação de Estórias’ da mediadora Eliane Garcia, a partir das 15h, no Pátio Flamboyant. Também no domingo (11) haverá o projeto de meditação ao ar livre ‘MAM Medita’, às 16h, no Pátio Unhão. Ambas as atividades são gratuitas.
Com informações da Secom Ba. 09/12/2016

Começa na Suíça a operação do túnel ferroviário mais longo do mundo

Transportes sobre trilhos  🚅

Suíça inicia operação do mais longo túnel ferroviário do mundo.O túnel de via dupla aproximará o norte e o sul da Suíça e diminuirá o tempo de viagem entre os países vizinhos.Ele também permitirá que os passageiros de perto e de longe passem mais tempo nos seus destinos,descobrindo as maravilhas da Suíça ao norte e ao sul dos Alpes.

Por PR Newswire

Ele é mais longo – e mais profundo – do que qualquer outro túnel ferroviário do mundo. No domingo 11 de dezembro terá início a operação do Túnel Base de São Gotardo. Esse projeto pioneiro permitirá que os passageiros atravessem velozmente por baixo dos Alpes em cerca de 17 minutos. O túnel de via dupla aproximará o norte e o sul da Suíça e diminuirá o tempo de viagem entre os países vizinhos. O túnel permitirá que os passageiros de perto e de longe passem mais tempo nos seus destinos, descobrindo as maravilhas da Suíça ao norte e ao sul dos Alpes.
A Suíça já possui a rede de transportes públicos mais densa do planeta e, ao longo dos anos, aumentou sua impressionante liderança em relação aos outros países. Em junho de 2016 aconteceu a festiva inauguração do Túnel Base de São Gotardo – um projeto pioneiro de 17 anos, o qual se estende por 57 quilômetros, a uma profundidade máxima de 2.300 metros, por baixo do Maciço de São Gotardo. A SBB, companhia Ferroviária Federal da Suíça, terminou agora de fazer no túnel exaustivos testes técnicos e de segurança. No domingo, 11 de dezembro – o dia no qual a rede pública de transportes da Suíça muda seu calendário anual em todo o país – o Túnel Base de São Gotardo iniciará seu serviço regular.

Mais fácil, mais rápido e mais confortável.
Esse túnel com superlativos espetaculares é mais do que uma obra-prima da engenharia ferroviária – ele é também um compromisso com o transporte ferroviário eficiente, seguro e sustentável através dos Alpes. O Túnel Base de São Gotardo permitirá que os passageiros viagem por baixo do maciço de São Gotardo em cerca de 17 minutos. O túnel reduzirá 30 a 40 minutos no tempo de viagem da Suíça de língua alemã para a Suíça de língua italiana. A nova via de tráfego significará conexões mais rápidas e frequentes, utilizando materiais rodantes modernizados e novos. O Túnel Base de São Gotardo é uma convincente razão para explorar o norte e o sul da Suíça através do transporte público.
Fonte - Portogente  09/12/2016

Produção industrial no Brasil cai em 11 dos 14 locais pesquisados

Economia

No acumulado de 12 meses, 13 estados tiveram queda, com destaque para Espírito Santo (-21,2%), e dois registraram aumento: Pará (7,8%) e Mato Grosso (0,1%).Outros áreas com recuo na produção foram Rio Grande do Sul (-1%), Espírito Santo (-0,6%), Ceará (-0,3%) e Bahia (-0,3%).

Vitor Abdala
Repórter da Agência Brasil
Arquivo/Agência Brasil
A produção industrial recuou em 11 dos 14 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na passagem de setembro para outubro deste ano, segundo dados da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física Regional. A maior queda foi em Minas Gerais (-7,6%).
Outros locais que tiveram uma redução mais acentuada do que a média nacional (-1,1%) foram Pará (-4,2%), Goiás (-3%), Amazonas (-2,5%), São Paulo (-2,4%), Santa Catarina (-2,1%) e Região Nordeste (-1,2%).Outros áreas com recuo na produção foram Rio Grande do Sul (-1%), Espírito Santo (-0,6%), Ceará (-0,3%) e Bahia (-0,3%).
Apenas três estados tiveram aumento na produção industrial: Rio de Janeiro (3,4%), Paraná (2,7%) e Pernambuco (1,5%).

Redução em 13 locais
Nos demais tipos de comparação, o IBGE também analisa o desempenho da indústria em Mato Grosso. Na comparação com outubro de 2015, 13 locais tiveram queda, com destaque para Mato Grosso, com redução de 21,6%. Apenas dois locais acusaram alta: Rio de Janeiro (5,7%) e Pará (2,4%).
No acumulado do ano, 14 locais tiveram queda, com destaque para o Espírito Santo (-21,6%). Apenas o estado do Pará teve alta (9,3%). No acumulado de 12 meses, 13 estados tiveram queda, com destaque para Espírito Santo (-21,2%), e dois registraram aumento: Pará (7,8%) e Mato Grosso (0,1%).
Fonte - Agência Brasil  09/12/2016

Teto de 20 anos para o gasto público violará direitos humanos, alerta relator da ONU

Política 👪

Se adotada, essa emenda bloqueará gastos em níveis inadequados e rapidamente decrescentes na saúde, educação e segurança social, colocando, portanto, toda uma geração futura em risco de receber uma proteção social muito abaixo dos níveis atuais”,afirmou Philip Alston. Os planos do governo de congelar o gasto social no Brasil por 20 anos são inteiramente incompatíveis com as obrigações de direitos humanos do Brasil disse.

Revista Amazônia
foto - ilustração/arquivo
Os planos do governo de congelar o gasto social no Brasil por 20 anos são inteiramente incompatíveis com as obrigações de direitos humanos do Brasil, disse nesta sexta-feira (9) o relator especial da ONU para extrema pobreza e direitos humanos, Philip Alston.
Segundo o especialista independente, o efeito principal e inevitável da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 55, elaborada para forçar um congelamento orçamentário como demonstração de prudência fiscal, será o prejuízo aos mais pobres pelas próximas décadas. A emenda deverá ser votada pelo Senado no dia 13 de dezembro.
“Se adotada, essa emenda bloqueará gastos em níveis inadequados e rapidamente decrescentes na saúde, educação e segurança social, colocando, portanto, toda uma geração futura em risco de receber uma proteção social muito abaixo dos níveis atuais”, afirmou Alston.
O relator especial nomeado pelo Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas recomendou ao governo brasileiro que garanta um debate público apropriado sobre a PEC 55; que estime seu impacto sobre os segmentos mais pobres da sociedade; e que identifique outras alternativas para atingir os objetivos de austeridade.
“Uma coisa é certa”, acrescentou o especialista independente. “É completamente inapropriado congelar somente o gasto social e atar as mãos de todos os próximos governos por outras duas décadas. Se essa emenda for adotada, colocará o Brasil em uma categoria única em matéria de retrocesso social.”
O plano de mudar a Constituição para os próximos 20 anos vem de um governo que chegou ao poder depois de um impeachment e que, portanto, jamais apresentou seu programa a um eleitorado. Isso levanta preocupações ainda maiores sobre a proposta de amarrar as mãos de futuros governantes, afirmou Alston.
O Brasil é a maior economia da América Latina e sofre sua mais grave recessão em décadas, com níveis de desemprego que quase dobraram desde o início de 2015.
O governo alega que um congelamento de gastos estabelecido na Constituição deverá aumentar a confiança de investidores, reduzindo a dívida pública e a taxa de juros, e que isso, consequentemente, ajudará a tirar o país da recessão. A medida, porém, terá um impacto severo sobre os mais pobres, alerta o relator especial.
“Essa é uma medida radical, desprovida de toda nuance e compaixão”, disse. “Vai atingir com mais força os brasileiros mais pobres e mais vulneráveis, aumentando os níveis de desigualdade em uma sociedade já extremamente desigual e, definitivamente, assinala que para o Brasil os direitos sociais terão uma prioridade muito baixa nos próximos vinte anos.”
Alston lembrou que “isso evidentemente viola as obrigações do Brasil de acordo com o Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que o pais ratificou em 1992 e que veda a adoção de ‘medidas deliberadamente regressivas’ a não ser que não exista nenhuma outra alternativa e que uma profunda consideração tenha sido feita dada de modo a garantir que as medidas adotadas sejam necessárias e proporcionais”.
O especialista independente apontou que, ao longo das últimas décadas, o Brasil estabeleceu um impressionante sistema de proteção social voltado para a erradicação da pobreza e o reconhecimento dos direitos à educação, saúde, trabalho e segurança social.
“Essas políticas contribuíram substancialmente para reduzir os níveis de pobreza e desigualdade no país. Seria um erro histórico atrasar o relógio nesse momento,” disse.
O Plano Nacional de Educação no Brasil exige um aumento anual de 37 bilhões de reais para prover uma educação de qualidade para todos os estudantes, ao passo que a PEC reduzirá o gasto planejado em 47 bilhões de reais nos próximos oito anos. Com mais de 3,8 milhões de crianças fora da escola, o Brasil não pode ignorar o direito deles de ir à escola, nem o direito de todas as crianças a uma educação de qualidade, afirmou o relator.
O especialista afirmou que o debate sobre a PEC 55 foi conduzido apressadamente no Congresso Nacional pelo novo governo com a limitada participação dos grupos afetados e sem considerar seu impacto sobre os direitos humanos. Um estudo recente sugere que 43% dos brasileiros não conhecem a emenda e, entre aqueles que conhecem, a maioria se opõe a ela.
O relator especial, que está em contato com o governo brasileiro para entender melhor o processo e o conteúdo da emenda proposta, ressaltou ainda que “mostrar prudência econômica e fiscal e respeitar as normas internacionais de direitos humanos não são objetivos mutuamente excludentes, já que ambos focam na importância de medidas cuidadosamente concebidas para evitar ao máximo consequências negativas para as pessoas”.
“Efeitos diretamente negativos têm que ser equilibrados com potenciais ganhos a longo prazo, assim como esforços para proteger os mais vulneráveis, especialmente os mais pobres, na sociedade”, afirmou Alston.
“Estudos econômicos internacionais, incluindo pesquisas do Fundo Monetário internacional, mostram que a consolidação fiscal tipicamente tem efeitos de curto prazo como redução da renda, aumento do desemprego e da desigualdade de renda. E a longo prazo, não existe evidência empírica que sugira que essas medidas alcançarão os objetivos sugeridos pelo governo”, salientou o especialista independente.
O apelo do relator especial às autoridades brasileiras foi endossado também pela relatora especial sobre o Direito à Educação, Koumbou Boly Barry.
Os Relatores Especiais são parte do que é conhecido como Procedimentos Especiais do Conselho de Direitos Humanos. Procedimentos Especiais, o maior corpo de peritos independentes do sistema ONU para Direitos Humanos, é o nome dado aos mecanismos independentes para monitoramento do Conselho.
Relatores especiais são especialistas em direitos humanos apontados pelo Conselho de Direitos Humanos para tratar de questões específicas de país ou temáticas em todo o mundo. Eles não são funcionários da ONU e são independentes de qualquer governo ou organização.
Eles servem em capacidade individual e não recebem salário por seu trabalho. Para mais informações, clique aqui.
Fonte - Revista Amazônia  09/12/2016

Em meio a crise, Metrô de São Paulo opera com déficit de 632 funcionários

Metrô de SP  🚉

A lista de cargos com maior déficit, segundo planilha obtida pela Folha e atualizada no mês passado, conta com diferentes áreas operacionais, com impacto nos serviços prestados aos passageiros.Lidera esse ranking a função de operador de transporte metroviário, com 129 vagas em aberto.

Folha de São Paulo - RF
foto - ilustração/arquivo
Em meio a uma forte crise financeira, o Metrô de São Paulo opera hoje com um déficit de 632 funcionários –6,5% do total de cargos ativos informados ao governo.
O resultado disso é a piora no atendimento e a maior espera nos serviços aos mais de 4 milhões de usuários diários atendidos pela companhia.
A empresa ligada à gestão Geraldo Alckmin (PSDB) nega esses problemas, mas suas ações sinalizam o contrário. Em novembro foi realizado um concurso para contratar 40 empregados, o que representa 6% do déficit atual.
A lista de cargos com maior déficit, segundo planilha obtida pela Folha e atualizada no mês passado, conta com diferentes áreas operacionais, com impacto nos serviços prestados aos passageiros.
Lidera esse ranking a função de operador de transporte metroviário, com 129 vagas em aberto. Os operadores têm, conforme seus níveis, a atribuição de atuar nas bilheterias, de organizar o fluxo de passageiros nas estações, de operar os trens ou de supervisionar as operações.
Outros cargos que estão no topo dessa lista são os de agente de segurança metroviária (com 52 postos vagos), engenheiro júnior (49) e técnico de sistemas metroviários (30), além de outras funções administrativas.
Pelo concurso aberto, só 20 vagas de operadores serão repostas, além de outras quatro para técnicos de sistemas.
Essa situação deve se agravar nos próximos dois anos, porque outros exatos 632 funcionários manifestaram interesse em aderir ao programa de demissão voluntária aberto pela empresa neste ano como forma de reduzir custos.
Somando-se tal contingente ao déficit atual, a companhia paulista teria 13% de seus cargos não preenchidos.
Do total de interessados no programa de demissão, 66% estão ligados a cargos de operação e 34% a funções administrativas, de gestão ou assessoria. Quando anunciou a medida, a empresa se comprometeu a repor os funcionários em postos operacionais.
Diretor do Sindicato dos Metroviários, Alex Santana critica o cenário atual.
"Enquanto os usuários pedem mais metrô, mais investimentos e mais funcionários, o governo do Estado vai na contramão, reduzindo tanto funcionários quanto investimentos", afirma.
O Metrô é uma empresa pública que, diferentemente da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), consegue se sustentar com as próprias receitas. O único repasse que recebe do governo do Estado é relativo ao pagamento de passageiros com passe livre –um benefício concedido por decisão política, não da companhia.
Apesar disso, no ano passado a gestão Geraldo Alckmin deu um calote de R$ 66 milhões na empresa, dinheiro que seria usado justamente para cobrir os custos dessa política de gratuidades.

Impactos
Desde o fim do ano passado, as bilheterias nas estações registram longas filas, gerando atrasos para os usuários do transporte público.
Com a crise, muitos passageiros perderam o benefício do vale-transporte ou deixaram de fazer recargas antecipadas de Bilhete Único para comprar seus bilhetes em papel conforme viajam.
O efetivo do Metrô para atendimento ao público, porém, se mostrou insuficiente para atender os usuários –com muitos guichês de atendimento ao público fechados, enquanto as estações convivem com longas filas que antes quase não existiam.
Outro problema ligado ao número de operadores é o aumento do tempo de espera para embarcar. Esse fenômeno tem ocorrido nas já lotadas linhas 3-vermelha e 5-lilás, piorando a qualidade do serviço nos horários de pico.
Quanto maior o tempo de espera, mais cheias ficam as plataformas e mais lotados ficam os vagões dos trens.

Compatível
O Metrô diz que seu "quadro de empregados está de acordo com as necessidades operacionais, o equilíbrio financeiro da companhia e compatível com a eficiência adquirida em todo o sistema com a modernização de equipamentos e operações".
Com isso, a companhia ligada à gestão Geraldo Alckmin nega ter deficit e afirma que "a qualidade dos serviços prestados aos usuários é um indicativo da boa gestão, com otimização de recursos e do quadro de pessoal".
A empresa cita ainda pesquisa Datafolha pela qual o metrô foi eleito, por dois anos consecutivos, "como o melhor serviço de transporte público de São Paulo".
Outras pesquisas, como a de imagem feita pela ANTP (Associação Nacional de Transportes Públicos) com apoio do próprio Metrô, também já apontaram a liderança do modo em relação a outros, bem como a queda de sua aprovação.
Em 2006, o Metrô tinha 93% de avaliações excelentes ou boas. Em 2014, último ano da divulgação, apenas 64%.
O Metrô destaca que conseguiu aumentar o número de viagens apesar dos impactos da crise econômica do país, "que resultou em redução de 11 milhões de passageiros transportados de janeiro a novembro de 2016 em relação ao mesmo período de 2015".
A companhia realizou 1.045.204 de viagens, 50,6 mil a mais que no ano anterior.
Esse aumento levou à redução no intervalo entre trens em duas das quatro linhas. Na linha 1-azul, diz que a espera caiu um segundo (de 1 min. e 32 s. para 1 min. e 31 s.). Na 2-verde, igual redução (de 1 min. e 53 s. para 1 min. e 52 s.).
O Metrô diz ainda que "o programa de demissão voluntária foi implantado para a renovação do quadro da companhia". Em mensagem interna aos funcionários, a empresa adotou outro discurso e disse que o plano "faz parte das medidas que a companhia vem adotando visando a sustentabilidade e o equilíbrio financeiro da empresa".
A última vez em que o Metrô adotou esse expediente foi em 1998.
Fonte - Revista Ferroviária  09/12/2016

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Governador Rui Costa discute com governo chinês novos investimentos para a Bahia

Infraestrutura 🚄🚃

Na embaixada da China, Rui apresentou ao embaixador Li Jinzhang o projeto da Ponte Salvador – Itaparica, do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) do Subúrbio de Salvador, do Porto Sul e a obra da Ferrovia de Integração Oeste Leste (Fiol).

Da Redação
Reunião com o embaixador da China, Li Jinzhang
foto -  Camila Peres/GOVBA
Projetos estruturantes que colocarão a Bahia num novo patamar de atração de negócios estão na mira do governador Rui Costa e são pauta de viagem a Brasília nesta quarta-feira (7). Na embaixada da China, Rui apresentou ao embaixador Li Jinzhang o projeto da Ponte Salvador – Itaparica, do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) do Subúrbio de Salvador, do Porto Sul e a obra da Ferrovia de Integração Oeste Leste (Fiol).
A discussão na embaixada permitiu o detalhamento da missão que o governador fez à China, em março deste ano, e a continuidade das negociações. O entendimento comum entre o Governo da Bahia e o Governo Chinês sobre o trajeto da Fiol e seu uso para viabilizar a Ferrovia Bioceânica foi comemorado. Os chineses estudam este investimento, que ligará o Brasil ao Oceano Pacífico, chegando ao Peru.
Os dois governos atestam a viabilidade do projeto, sendo então a Fiol e o Porto Sul parte deste canal de ligação e escoamento. "Estamos trabalhando firme para ter a presença chinesa nesses grandes projetos da Bahia. E abertos para sermos parceiros, entrando com investimento dentro de nosso território, retirada do peso tributário para viabilizar a Bioceânica, passando pela Bahia", afirmou Rui.
No encontro, o embaixador Li Jinzhang indagou: "Por que não vamos iniciar agora este projeto?". Em resposta, o governador rapidamente pegou a caneta e afirmou que estava pronto para assinar. O representante da China garantiu que a embaixada está com total atenção à Fiol e garantiu ao governador: "Vou te dar todo apoio neste projeto".
A Fiol tem 70% executados no trecho Ilhéus/Caetité e 10% de Caetité ao Rio São Francisco. Na despedida, o embaixador assinalou que não pode-se esperar muito para ver a obra concluída. O governador concordou, acrescentando: "Meu estilo é trabalhar muito e falar pouco".
A próxima agenda de Rui será com o presidente da República, Michel Temer, ainda na tarde desta quarta (7), quando solicitará rapidez nas definições que cabem ao governo federal para que o investimento chinês chegue logo e a estrada de ferro comece a operar na Bahia, sendo ponto de partida para a Bioceânica.
A comitiva que acompanhou o governador foi formada pelo vice-governador, João Leão, o secretário da Casa Civil, Bruno Dauster, secretário de Infraestrutura, Marcus Cavalcanti, e o coordenador da Representação da Bahia em Brasília, Jonas Paulo.
Com informações da Secom Ba.  08/12/2016

Paris enfrenta maior nível de poluição em 10 anos

Meio ambiente  ☁  

Para reduzir os danos, foi adotado um rodízio de veículos que chega hoje (8) ao seu terceiro dia e deve vigorar até amanhã. As autoridades também fizeram concessões de uso gratuito de transporte público

Da Agência Ansa
foto - ilustração
A capital da França, Paris, enfrenta seu pior nível de poluição em uma década, de acordo com a organização que monitora a qualidade do ar local, a Airparif. Para reduzir os danos, foi adotado um rodízio de veículos que chega hoje (8) ao seu terceiro dia e deve vigorar até amanhã. As autoridades também fizeram concessões de uso gratuito de transporte público. As informações são da Agência ANSA.
O aumento da poluição está relacionado com o tempo frio, já que é inverno no Hemisfério Norte, e com a falta de ventos. Embora considerado um nível alto de poluição, a situação em Paris é melhor que a de Pequim, na China, considerada uma das cidades com o ar mais poluído do mundo.
Fonte - Agência Brasil  08/1'2/2016

O que diz a reforma da Previdência do governo Temer

Política 👫

A nova reforma, nas bases apresentadas, é absolutamente inaceitável. Os segurados, tanto do setor público quanto da iniciativa privada, devem se mobilizar para senão rejeitá-la em sua integralidade, pelo menos reduzir seus efeitos mais perversos. O desafio está posto.

Por Antônio Augusto de Queiroz* - Portogente
foto - ilustração
Por meio da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/16, o presidente Michel Temer encaminhou ao Congresso Nacional, no dia 5 de dezembro de 2016, a mais radical proposta de reforma da Previdência após a Constituição de 1988.
De acordo com o texto, a proposta aprofunda as reformas de FHC e Lula e muda as regras previdenciárias em relação: 1) à idade mínima, 2) às regras de transição, 3) ao cálculo dos benefícios previdenciários, 4) aos requisitos entre homem e mulher para efeito de aposentadoria, 5) às aposentadorias especiais, 6) às pensões, 7) à aposentadoria por invalidez, 8) à acumulação de aposentadorias ou aposentadorias e pensões, e 9) à paridade e integralidade.

Idade mínima

A idade mínima para efeito de aposentadoria, fixada em 65 anos para homens e mulheres, será instituída para o setor privado e aumentada para o servidor público. A idade mínima será acrescida de um ano, para ambos os sexos, sempre que a expectativa de sobrevida da população aumentar um ano.
O segurado dos regimes próprios ou do INSS, que até a data da promulgação da Emenda ainda não tiver reunido todos os requisitos para requerer aposentadoria com base nas regras então em vigor, será submetido às novas regras, exceto para os poucos que serão alcançados pela nova regra de transição.

Regras de transição
As novas regras de transição, que revogam todas as anteriores, são fixadas com base na idade do segurado e no tempo de efetivo exercício no serviço público.
O segurado que, na data da promulgação da emenda, comprovar 20 anos de efetivo exercício no Serviço Público e tiver idade igual ou superior a 45, se mulher, ou 50 anos de idade, se homem, será “beneficiado” pela regra de transição e poderá se aposentar aos 60 anos de idade, se homem, ou 55 se mulher, desde que cumpra o pedágio de 50% sobre o tempo que faltava para completar o tempo de contribuição na data da promulgação da emenda.
O servidor que ingressou em cargo efetivo no Serviço Público até 16 de dezembro de 1998 e que tenha mais de 50 anos e 35 anos de contribuição, no caso do homem, ou mais 45 de idade e 30 de contribuição, no caso da mulher, poderá optar pela redução da idade mínima (respectivamente 60 e 50 anos) em um dia para cada dia de contribuição que exceder ao tempo de contribuição.
No caso dos professores e dos policiais, desde que tenham idade superior a 50 anos, no caso de homem, ou 45, no caso de mulher, será reduzido em cinco anos os requisitos de idade mínima, de 60 para 55, no caso do homem, e de 55, para 50, no caso da mulher, sendo exigido 20 anos de efetivo exercício, no caso dos policiais.
Isto significa que todas as regras de transição das emendas constitucionais anteriores perderão validade a partir da promulgação da nova emenda constitucional, exceto para quem já tenha direito adquirido, ou seja, quem já tenha preenchido todos os requisitos para aposentadoria.

Equiparação entre homens e mulheres e entre trabalhadores urbanos e rurais
A PEC unifica os critérios para concessão de benefícios entre homens e mulheres e entre trabalhadores urbanos e rurais. Haverá, portanto, a equiparação dos critérios de idade e tempo de contribuição.
Isto significa que a mulher, o professor e o trabalhador rural perderão os dois requisitos que atualmente os diferenciam para efeito de aposentadoria: idade e tempo de contribuição.

Cálculo da aposentadoria
O cálculo do benefício previdenciário, tanto para aposentadoria por incapacidade permanente quanto para a voluntária, será feito com base na média das remunerações e dos salários de contribuição, da seguinte forma: 1) 51% decorrente do requisito da idade (65 anos) ou do fato que levou à aposentadoria por invalidez (que não seja decorrente de acidente de trabalho), e 1% por cada ano de efetiva contribuição.
Nenhum segurado enquadrado nas novas regras poderá ter aposentadoria com proventos inferiores ao limite mínimo ou superiores ao limite máximo estabelecidos para o Regime Geral de Previdência social.
Os 100% da média só serão alcançados se o segurado comprovar pelo menos 49 anos de contribuição.

Aposentadorias especiais
As aposentadorias especiais, aplicáveis às pessoas com deficiência ou cujas atividades sejam exercidas sob condições especiais que efetivamente prejudiquem a saúde, serão concedidas com redução do requisito da idade em no máximo 10 e no mínimo cinco anos, observadas as demais exigências quanto ao tempo de contribuição.
O benefício será calculado com base na média das remunerações e dos salários de contribuição, da seguinte forma: 1) 51% decorrente do requisito da idade (55 ou 60 anos), e 2) 1% por cada ano de efetiva contribuição.

Pensões
As pensões, que atualmente são integrais até o valor de R$ 5.189,82 (teto do INSS) e, no caso dos servidores públicos, sofrem um redutor de 30% sobre a parcela que excede ao teto do INSS, ficarão limitadas a 60% do benefício, acrescidas de 10% por dependente. As novas regras valerão para todos os segurados (regimes próprio e geral) que, na data da promulgação da nova emenda, não estejam aposentados ou que não tenham direito adquirido, ou seja, não tenham preenchido todos os requisitos para requerer aposentadoria com base nas regras anteriores.
O benéfico da pensão será equivalente a uma cota familiar de 50%, acrescida de cotas individuais de 10% por dependente, até o limite de 100%, de acordo com as hipóteses de óbitos.
Na hipótese de óbito de aposentado, as cotas serão calculadas sobre a totalidade dos proventos do falecido, respeitado o limite máximo do benefício estabelecido para o regime geral.
Na hipótese de óbito de segurado em atividade, as cotas serão calculadas sobre o valor dos proventos aos quais teria direito caso fosse aposentado por incapacidade permanente na data do óbito. Ou seja, 51% da média decorrente do óbito e 1% por cada ano de efetiva contribuição.
O tempo de duração da pensão por morte e as condições de concessão serão definidos conforme a idade do beneficiário na data do óbito do segurando, devendo permanecer a regra da Lei 13.135/15, segundo a qual a pensão por morte será devida além dos quatro meses — e condicionada à idade do beneficiário — somente se forem comprovadas as seguintes carências: 1) pelo menos 18 contribuições mensais ao regime previdenciário, e 2) pelo menos dois anos de casamento ou união estável anteriores ao óbito do segurado, as quais asseguram ao pensionista/beneficiário usufruir do benéfico:

1) por três anos, se tiver menos de 21 anos de idade;
2) por seis anos, se tiver entre 21 e 26 anos de idade;
3) por dez anos, se tiver entre 27 e 29 anos de idade;
4) por 15 anos, se tiver entre 30 e 40 anos de idade;
5) por 20 anos, se tiver entre 41 e 43 anos de idade; e
6) vitalício, com mais de 44 anos de idade.

Aposentadoria por invalidez decorrente de acidente de trabalho
O provento da aposentadoria por invalidez exclusivamente decorrente de acidente de trabalho será calculado com base em 100% da média das remunerações utilizadas como base para as contribuições. Nos demais casos, será 51% dessa média decorrente do ensejo que deu causa à incapacidade permanente ou invalidez e 1% por cada ano de contribuição.

Vedação de acumulação de aposentadorias e pensões
A PEC proíbe a acumulação de aposentadoria, exceto as previstas em lei (áreas de educação e saúde), bem como da aposentadoria com pensão ou de pensões, permitindo a opção pelo provento de maior valor.

Fim da paridade e integralidade
A proposta prevê o fim da paridade e integralidade para todos os servidores que não tenham direito adquirido, ou seja, que não tenham preenchido os requisitos para requerer aposentadoria na data da promulgação da emenda, inclusive aqueles que ingressaram no serviço público antes de 2003, ou que não tenham sido alcançados pelas novas regras de transição.

Abono de permanência
Por fim, mantém o abono de permanência, correspondente à contribuição previdenciária, exclusivamente para os servidores que preencheram os requisitos para a aposentadoria voluntária e decidiram continuar trabalhando, podendo permanecer nessa condição até a aposentadoria compulsória, aos 75 anos.
A nova reforma, nas bases apresentadas, é absolutamente inaceitável. Os segurados, tanto do setor público quanto da iniciativa privada, devem se mobilizar para senão rejeitá-la em sua integralidade, pelo menos reduzir seus efeitos mais perversos. O desafio está posto.
*Antônio Augusto de Queiroz é jornalista, analista político e diretor de Documentação do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap)
Fonte - Portogente  08/12/2016

Ampliação adequada do Parque dos Veadeiros pode garantir proteção a 50 espécies

Meio ambiente  🐦

O projeto original prevê o aumento dos atuais 65 mil hectares para 222 mil hectares, em área contígua.No entanto, uma contraproposta apresentada pelo governo de Goiás na última semana autoriza a anexação de apenas 90 mil hectares à unidade de conservação, excluindo da ampliação as terras que dependem de regularização fundiária, formando uma espécie de peneira de áreas protegidas.

Luana Lourenço
Enviada Especial da Agência Brasil*
Marcelo Camargo/Agência Brasil
O simpático pato mergulhão, de penacho na cabeça e bico longo e serrilhado para capturar peixes diretamente dentro d'água, tem apenas 200 exemplares em todo o mundo, 70 deles na região na Chapada dos Veadeiros (GO), de acordo com o pesquisador da Universidade de Brasília (UnB) e doutor em ecologia Reuber Brandão. Considerado uma das dez aves aquáticas mais ameaçadas do planeta, o pato-mergulhão está na lista das 32 espécies da fauna e 17 da flora que podem ser extintas caso a ampliação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros não seja feita de acordo com a proposta formulada pelo Ministério do Meio Ambiente, contestada pelo governo de Goiás.
O projeto original prevê o aumento dos atuais 65 mil hectares para 222 mil hectares, em área contígua. No entanto, uma contraproposta apresentada pelo governo de Goiás na última semana autoriza a anexação de apenas 90 mil hectares à unidade de conservação, excluindo da ampliação as terras que dependem de regularização fundiária, formando uma espécie de peneira de áreas protegidas.
Apesar de não ser a maior unidade de conservação do Cerrado, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros tem uma importância estratégica para a proteção da região, segundo a pesquisadora e professora do Departamento de Ecologia da UnB Mercedes Bustamante. “O parque é extremamente importante para a região e para o bioma por tratar-se de áreas de Cerrado de altitude com endemismos (representantes de flora e fauna restritos a essa região) significativos”, destaca.
A lista de animais ameaçados de extinção identificados na área também inclui a onça-pintada (Panthera onca), o socó boi jararaca (Tigrisoma fasciatum), a águia-cinzenta (Harpyhaliaetus coronatus), o cachorro do mato vinagre (Speothos venaticus) e duas espécies símbolo do Cerrado: o lobo-guará (Chrysocyon brachyurus) e o tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla).
Para a flora, a ampliação do parque vai garantir a conservação de formações vegetais do Cerrado até agora desprotegidas, como a mata seca, predominante na região do Pouso Alto, a mais alta do Planalto Central, hoje fora dos limites oficias do parque. Além dessa, mais oito formações vegetais do bioma fazem parte do novo desenho da unidade: matas de galeria, cerradão, cerrado sentido restrito, parque cerrado, vereda, campo sujo, campo limpo e campo rupestre.

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Segundo especialistas em Cerrado, pelas características do bioma, a demarcação fragmentada das áreas a serem protegidas não garante o grau de preservação que cabe a uma unidade de conservação de proteção integral. “A fragmentação reduz a sua efetividade da área protegida, com redução do fluxo gênico, impactos sobre a funções importantes dos ecossistemas como ciclos do carbono e da água, e aumenta o impacto que as transformações no entorno das áreas tem sobre o interior protegido”, ressalta Mercedes.
Além disso, o modelo de “peneira”, com áreas não protegidas no interior do parque, inviabiliza a sobrevivência de algumas espécies ameaçadas, como a onça-pintada e o lobo-guará, que precisam de áreas extensas para suas atividades e reprodução.
“É preciso garantir a preservação dessas espécies para que a gente possa reverter o quadro de ameaça de extinção”, diz a especialista em pato-mergulhão Gislaine Disconzi, coordenadora do Censo Neotropical de Aves Aquáticas no Brasil.
“A proposta [do governo de Goiás] vem com uma colcha de retalhos, é uma fragmentação tão grande do sistema que não ajuda, não melhora as condições atuais. Não tem valor científico, não foram levados em conta os critérios de biodiversidade. O que essa colcha de retalhos vai trazer é o decaimento do ecossistema e isso a gente não quer, a gente quer áreas que possam ser o mais conectadas possível. A proposta que o ICMBio [Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade] e o MMA fizeram é a correta, em área contígua, e contempla critérios de biodiversidade, é para isso que se quer a ampliação”, acrescenta a bióloga.
Responsável pela descoberta de 11 espécies de anfíbios, nove delas na Chapada dos Veadeiros, Reuber Brandão destaca o potencial de novos achados científicos na região, atividade que pode ser estimulada com a decretação da nova área do parque. Sua última descoberta foi em novembro: uma rã ainda não batizada, encontrada na Reserva Natural Serra do Tombador, uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) a cerca de 20 quilômetros do parque federal.
*A repórter e o fotógrafo viajaram a convite do WWF Brasil
Veja a matéria completa AQUI
Fonte - Agência Brasil  08/12/2016

Alstom fornecerá 20 trens extras MP14 para a linha 4 do Metrô de Paris

Transportes sobre trilhos 🚇

As novas composições vão operar na linha 4 de Paris,os trens MP14 irão ajudar a aumentar a capacidade e a qualidade do transporte da linha,com um serviço equivalente ao da linha 1

Da Redação
foto - ilustração/Alstom
A Alstom irá fornecer 20 composições MP14 de metro com 6 carros cada para o STIF/RATP pelo valor de 163 milhões de euros como parte da automação e modernização da linha 4,que tem a segunda maior demanda do metrô de Paris.Esta opção é parte do contrato para fornecimento dos MP14,assinado em janeiro de 2015 entre a RATP (STIF/PEC) e a Alstom para entrega de até 217 trens MP14 durante 15 anos no valor total de mais de 2 bilhões de euros.
As novas composições vão operar na linha 4 de Paris,os trens MP14 irão ajudar a aumentar a capacidade e a qualidade do transporte da linha,com um serviço equivalente ao da linha 1.Os trens MP14, cujos níveis de design e conforto dos passageiros foram completamente revisto,vão permitir a circulação de passageiros em toda composição,sem separações entre os carros e serão equipados com ar condicionado e informações de áudio-visual para os passageiros.O material representa uma redução de 20% no consumo de energia em comparação com a geração anterior. Ele oferece níveis sem precedentes de conforto e segurança, graças a novos bancos ergonômicos, iluminação LED, informações a bordo e vídeo monitoramento.O sistema de frenagem é 100% elétrico com recuperação de energia.
Com informações da Alstom 07/12/2016

Renan o Supremo e a foto histórica de Moro

Ponto de Vista 🔎

Um dos 11 ministro do Supremo, Marco Aurélio concedeu liminar que afastou Renan Calheiros da presidência do Senado...Gilmar Mendes, outro Supremo, defendeu o impeachment de Marco Aurélio.Horas depois, Marco Aurélio escancarou o que está em jogo: o Poder. E expos Gilmar, que já voava para a Suécia.Expos o jogo de Gilmar ao cobrar da Câmara determinação de abril: instalem a comissão para analisar o impeachment de Temer.

Bob Fernandes



imagem/YouTube

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

No primeiro dia de operação da linha 2, demanda de passageiros no metrô aumentam em 30%

Transportes sobre trilhos 🚇

No primeiro dia de operação, a CCR Metrô Bahia, operadora do sistema, identificou um acréscimo de 30% na quantidade de passageiros transportados, saindo de 50 mil em média, para 69 mil pessoas.Jorge e Silvana, que moram em Bom Juá, pegaram o metrô levando no colo Sofia, que tem menos de um ano, desceram no Acesso Norte 2 e continuaram para a Estação Rodoviária. “De ônibus era horrível, o ônibus vem muito cheio, tem gente que não cede a cadeira, de metrô com a criança é tranquilo, mais confortável e mais seguro”.

Da Redação
fotos -  Amanda Oliveira/GOVBA
Trabalhadores, estudantes, turistas, viajantes, famílias. Quem precisa se locomover em Salvador e utiliza a linha dois do metrô, que entrou em operação na segunda-feira (5) com a presença do governador Rui Costa, percebe que houve uma transformação para melhor na rotina da capital baiana. No primeiro dia de operação, a CCR Metrô Bahia, operadora do sistema, identificou um acréscimo de 30% na quantidade de passageiros transportados, saindo de 50 mil em média, para 69 mil pessoas.
Jorge e Silvana, que moram em Bom Juá, pegaram o metrô levando no colo Sofia, que tem menos de um ano, desceram no Acesso Norte 2 e continuaram para a Estação Rodoviária. “De ônibus era horrível, o ônibus vem muito cheio, tem gente que não cede a cadeira, de metrô com a criança é tranquilo, mais confortável e mais seguro”.
Além da segurança, a professora Geise Caren Pinto, 27 anos, que também mora em Bom Juá, outro benefício é o tempo economizado. “Eu tinha que sair de casa às 16h para chegar ao trabalho, próximo à Estação Rodoviária, antes das 18h e muitas vezes não conseguia, demorava mais de duas horas, em cada viagem. Agora, faço em meia hora, com muito mais segurança e conforto. Sobra tempo para descansar, para fazer minhas coisas”.
Coisa para fazer é o que não falta, principalmente para quem trabalha e estuda, como Daiana Ribeiro, que é menor aprendiz. “Eu trabalho de terça a sábado, mas até a sexta-feira eu tinha que sair correndo do trabalho e pegar dois ônibus, chegava tarde na escola, porque estudo de noite. Agora, tenho mais tempo, chego com facilidade no trabalho, e quando volto, chego cedo na escola descansada para assistir as aulas. Tenho certeza de que essa facilidade vai ter reflexo no meu aproveitamento e também no meu futuro”.
As melhorias não são apenas para quem anda de metrô, de acordo com a superintendente de Mobilidade da Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado, Grace Gomes. “A expectativa é que facilite a vida de quem ainda anda de ônibus ou de carro pelas ruas de Salvador, que hoje são engarrafadas, o tempo de demora da viagem de ônibus é muito maior. O importante é as pessoas entenderem que o metrô traz uma viagem mais rápida, segura e confortável. Para isso, ainda falta completar o projeto de integração com os ônibus, que depende apenas da gestão municipal”.
Com informações da Secom Ba. 07/12/2016

Janot diz que é necessário afastar Renan imediatamente da presidência do Senado

Política 👀

O procurador-geral da República rebateu ainda a hipótese de que Renan Calheiros pudesse ser mantido no cargo, mas fosse impedido somente de assumir o cargo de presidente da República em caso de vacância.“Não é aceitável que a presidência de um órgão de representação popular vocacionado a substituir o presidente,pela Carta da República,seja afastada de antemão dessa linha de substituição por problemas pessoais do ocupante do cargo.

Felipe Pontes
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração/arquivo
O procurador-geral da República Rodrigo Janot afirmou em sustentação oral no plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) que “se faz necessário afastar de imediato o senador Renan Calheiros do exercício da nobilíssima função de presidente do Senado da República”.
Janot participa do julgamento em que o plenário do STF decide se deve ser mantida a liminar expedida pelo ministro Marco Aurélio na segunda-feira (5), em que ele determinou o afastamento de Renan da presidência do Senado.
O procurador-geral da República rebateu ainda a hipótese de que Renan Calheiros pudesse ser mantido no cargo, mas fosse impedido somente de assumir o cargo de presidente da República em caso de vacância. Tal possibilidade foi aventada nos corredores do Senado e do STF nas horas que antecederam ao julgamento, nesta quarta-feira.
“Não é aceitável que a presidência de um órgão de representação popular vocacionado a substituir o presidente, pela Carta da República, seja afastada de antemão dessa linha de substituição por problemas pessoais do ocupante do cargo. A prerrogativa constitucional é do cargo. A prerrogativa constitucional não é da pessoa, e problemas afetos da pessoa não podem prejudicar as prerrogativas do cargo”, afirmou Janot.

“Pau que bate em Chico”
Janot criticou ainda a postura da Mesa Diretora do Senado, que ontem (6) decidiu não cumprir a liminar que afastou Renan da presidência da Casa.
"Desafiar uma decisão judicial é como desafiar as noções fundamentais de um Estado democrático de direito, é aceitar que uns poucos cidadãos podem mais, podem escolher arbitrariamente quando e se se submeterão aos fundamentos legais e constitucionais”, disse o procurador-geral da República.
Para Janot, a circunstância exige que o Senado demonstre que "pau que bate em Chico tem que bater em Francisco”, citando o ditado popular.
Apesar da decisão de Marco Aurélio que afastou Renan ter sido proferida no início da noite de segunda-feira (5), o senador se recusou a receber o oficial de justiça destacado para notificá-lo e permanece no cargo.
Segundo a decisão liminar do ministro Marco Aurélio, Renan não poderia ocupar a linha sucessória da Presidência da República (presidente da Câmara, presidente do Senado e presidente do STF) por ser réu. Renan Calheiros foi afastado por ter se tornado, na semana passada, réu no STF pelo crime de peculato.

Rede Sustentabilidade
Na ação que resultou no afastamento de Renan, protocolada pelo partido Rede Sustentabilidade, a maioria dos ministros do STF já votou pelo entendimento de que réus não podem ocupar cargos na linha de sucessão presidencial. A votação, no entanto, foi interrompida após pedido de vista do ministro Dias Toffolli.
Em sustentação oral durante o julgamento de hoje, o advogado Daniel Sarmento, da Rede, ressaltou haver “uma racionalidade constitucional” subjacente à linha sucessória da presidência da República.
Ele argumentou não ser à toa que a linha seja composta primeiro pelo presidente da Câmara, representante do povo, depois pelo presidente do Senado, representante dos estados, e só então, por último, pelo presidente do STF, que não possui cargo eletivo. Por isso, segundo ele, não seria razoável, de acordo com a lógica constitucional, que o presidente do Senado ficasse no cargo, mas fosse afastado da prerrogativa de ocupar a presidência da República.
Fonte - Agência Brasil  07/12/2016

Aluna de colégio estadual da Bahia representa o Brasil em evento na China

Educação  📖

Ela representará o Brasil com o projeto ‘Grupo de Apoio e Conselhos (GAC)’, no Be The Change Conference, em Pequim, evento anual no qual trocará experiências com crianças e jovens de diversas partes do mundo que, assim como ela, protagonizam projetos voltados para soluções criativas em suas escolas e comunidades. 

Da Redação
foto - Emerson Santos/Secom
Para a estudante Rayssa Rodrigues, 12 anos, 7° ano, do Colégio Estadual Professor Hermes Miranda do Val, localizado em Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador, sua vida não será mais a mesma, após ter embarcado em um avião, nesta quarta-feira (6), rumo à China, onde ficará até segunda-feira (12). Ela representará o Brasil com o projeto ‘Grupo de Apoio e Conselhos (GAC)’, no Be The Change Conference, em Pequim, evento anual no qual trocará experiências com crianças e jovens de diversas partes do mundo que, assim como ela, protagonizam projetos voltados para soluções criativas em suas escolas e comunidades.
A viagem inclui apresentação do projeto e um passeio cultural pela China. Palavras como ‘zǎo shàng hǎo’ e ‘xiè xiè’, que significam bom dia e obrigado, respectivamente, já estão fazendo parte do vocabulário de Rayssa. “Estou muito feliz com esta grande oportunidade porque nunca imaginei que iria conhecer outro país com apenas 12 anos. Já estou treinando algumas palavras para tentar me comunicar com os estudantes chineses e discutir sobre o GAC, que é um projeto muito especial para a nossa escola”.
A mãe de Rayssa, Damiana Rodrigues não esconde o orgulho que sente pela filha. “Já estou com saudade, mas, sei que essa viagem vai ser uma experiência que ela vai guardar para a vida toda. Espero que mais jovens a tenham como exemplo porque esse projeto pode render muito mais do que a gente imagina”.
A professora e orientadora do projeto, Simone Bocaiuva, que viajou com a estudante diz que o projeto representa muito para a comunidade escolar. “O reconhecimento e valorização do GAC dentro e fora da nossa comunidade mostra o potencial dos nossos alunos. Este é um projeto que visa uma transformação positiva dos estudantes e da escola, pois permite que o ambiente escolar seja mais fortalecido por ações que provocam as mudanças que esperamos”.
A educadora informa que, após o retorno da viagem, serão realizados dois encontros para que as experiências vivenciadas por Rayssa sejam compartilhadas com os demais estudantes, com o objetivo de desenvolver ainda mais o projeto na unidade escolar. O GAC envolve estudantes de diferentes idades e contribue para mudar a realidade escolar, por meio do diálogo e do enfrentamento de questões como o bullying, o preconceito e a baixa autoestima. Em 2015, o projeto foi premiado no concurso ‘Desafios Criativos da Escola’, uma iniciativa do projeto ‘Criativos da Escola’, do Instituto Alana.
Com informações da Secom Ba. 07/12/2016

Haddad rebate Doria e chama monotrilho de desastre urbanístico

Política 🚧

Haddad sobre o monotrilho.Veja há quantos anos as duas estações estão fazendo teste. Já são mais de dois anos em teste e não temos nenhum horizonte de solução desse problema”, afirmou.O Governo de São Paulo prometeu entregar entre 2012 e 2015, um total de 59,7 quilômetros de monotrilhos em três linhas. Apenas 2,9 quilômetros entre as estações Oratório e Vila Prudente, da linha 15 Prata, estão em operação.

Diário do Transporte - RF
foto - ilustração/arquivo
O prefeito de São Paulo Fernando Haddad elevou nesta terça-feira, 6 de dezembro de 2016, o tom das críticas às declarações do prefeito eleito João Doria, que classificou a cidade como um “lixo vivo”, em evento na Fecomercio, federação que reúne os comerciantes, na última segunda-feira.
Haddad não teve uma reação nominal a Doria, mas criticou políticas do governo estadual.
Geraldo Alckmin é considerado padrinho político de João Doria.
Haddad classificou de desastrada a ação da polícia em 2012 que, segundo ele, teria possibilitado o espalhamento da “Cracolândia” pela cidade.
O atual prefeito disse também que as obras do monotrilho degradam as regiões onde estão instaladas e possibilitam o aumento de usuários de crack e moradores de rua no entorno das vigas e estações dos trens elevados.
“O monotrilho é um pequeno desastre urbanístico e econômico. É uma tecnologia que não foi adotada por nenhum país civilizado”. Haddad também classificou os monotrilhos de erro urbanístico “gravíssimo”, que formam “novos Minhocões na cidade”. E que representam um transporte “extremamente ineficiente”.
“Veja há quantos anos as duas estações estão fazendo teste. Já são mais de dois anos em teste e não temos nenhum horizonte de solução desse problema”, afirmou.
O Governo de São Paulo prometeu entregar entre 2012 e 2015, um total de 59,7 quilômetros de monotrilhos em três linhas. Apenas 2,9 quilômetros entre as estações Oratório e Vila Prudente, da linha 15 Prata, estão em operação.
Em nota, segundo o jornal O Estado de São Paulo, a Secretaria de Transportes Metropolitanos disse que, “ao contrário do que informou o prefeito Haddad, o sistema monotrilho foi implantado e opera há décadas em países como Japão, China, Austrália e Estados Unidos exatamente pelos benefícios do modal”.
Na mesma nota, a pasta estadual ainda defende o meio de transporte, destacando “a utilização de via elevada, sem necessidade de escavação e construção de túnel; os custos menores com menos desapropriações; as estruturas de concreto pré-moldado instaladas em canteiros centrais de avenidas, gerando pouca interferência no viário; o transporte elétrico, ecologicamente limpo e com impactos ambientais e sonoros reduzidos”.

SITUAÇÃO DOS MONOTRILHOS DE SÃO PAULO:
O Governo de São Paulo prometeu entregar entre 2012 e 2015, um total de 59,7 quilômetros de monotrilhos em três linhas. Apenas 2,9 quilômetros entre as estações Oratório e Vila Prudente, da linha 15 Prata estão em operação duas linhas, a 15- Prata e a 17 – Ouro, que somam 44 quilômetros estão em construção, sendo que 21,9 quilômetros foram descartados dos cronogramas iniciais.
Na linha 15-Prata são 16 quilômetros e oito estações a menos. A linha 17-Ouro perdeu 10 quilômetros e 11 estações. A linha 18 do ABC está indefinida

Confira abaixo:
A linha 15 Prata deveria ter 26,7 quilômetros de extensão, 18 estações entre Ipiranga e Hospital Cidade Tiradentes ao custo R$ 3,5 bilhões com previsão de entrega total em 2012. Em 2015, orçamento ficou 105% mais alto, com o valor de R$ 7,2 bilhões. O custo por quilômetro sairia em 2010 por R$ 209 milhões, em 2015 por R$ 260 milhões e, no primeiro semestre de 2016, subiu para R$ 354 milhões. A previsão de 9 estações agora é para 2018. Está congelado o trecho entre Hospital Cidade Tiradentes e Iguatemi e Vila Prudente-Ipiranga. O governo do estado promete atendimento a uma demanda de 550 mil passageiros por dia.
A linha 17 Ouro do monotrilho deveria ter 17,7 quilômetros de extensão, com 18 estações entre Jabaquara, Aeroporto de Congonhas e região do Estádio do Morumbi ao custo de R$ 3,9 bilhões com previsão de entrega total em 2012. Em 2015, o orçamento ficou 41% mais caro somando R$ 5,5 bilhões e a previsão para a entrega de 8 estações até 2018. Em 2010, o custo do quilômetro era de R$ 177 milhões. Em 2015, o custo por quilômetro seria de R$ 310 milhões e no primeiro semestre de 2016 foi para R$ 325 milhões. O monotrilho, se ficar pronto, não deve num primeiro momento servir as regiões mais periféricas. Assim, os trechos entre Jabaquara e a Aeroporto de Congonhas e entre depois da Marginal do Rio Pinheiros até a região do Estádio São Paulo-Morumbi, passando por Paraisópolis, estão com as obras congeladas. Com este congelamento, não haverá as conexões prometidas com a linha 4 Amarela do Metrô na futura estação São Paulo – Morumbi, e nem com estação Jabaquara e da Linha 1 Azul do Metrô e Terminal Metropolitano de Ônibus e Trólebus Jabaquara, do Corredor ABD. Segundo o site do próprio Metrô, quando estiver totalmente pronto, este sistema de monotrilho atenderá 417 mil e 500 passageiros por dia.
A linha 18 Bronze deveria ter 15,7 quilômetros de extensão, com 13 estações entre a região do Alvarenga, em São Bernardo do Campo, até a estação Tamanduateí, na Capital Paulista ao custo de R$ 4,5 bilhões com previsão de entrega total em 2015. Em 2015, orçamento estava 14% mais caro, chegando a R$ 4,8 bilhões, sem previsão de entrega. A previsão de demanda é de até 340 mil passageiros por dia, quando completo. O custo hoje por quilômetro em 2015 seria de R$ 305 milhões. Como as obras não começaram, outro meio de transporte para a ligação, como um corredor de ônibus BRT, que pode ser até cinco vezes mais barato com capacidade de demanda semelhante, é uma das alternativas.
Fonte - Revista Ferroviária  07/12/2016

Caráter democrático em risco no Enem

Educação 📖

Dentre as principais alterações, o exame deixa de ser um certificado do Ensino Médio. Segundo o professor Gilberto Alvarez, diretor executivo do Cursinho da Poli, se a certificação cair, a tendência é que o Enem se torne mais difícil.

Por Gilberto Alvarez - Portogente
foto - ilustração/arquivo
O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) deve sofrer alterações no próximo ano. As mudanças visam a diminuir o número de inscritos, tornando a prova mais sustentável. Além disso, o Inep, organizador do exame, estuda formas de adequar ao prova à reforma do Ensino Médio, que consta na Medida Provisória 746/2016.
Dentre as principais alterações, o exame deixa de ser um certificado do Ensino Médio. Segundo o professor Gilberto Alvarez, diretor executivo do Cursinho da Poli, se a certificação cair, a tendência é que o Enem se torne mais difícil.
“Um dos parâmetros para colocar questões de complexidade baixa na prova é justamente a obrigatoriedade de certificar o Ensino Médio. Sem essa característica, o Enem se transforma simplesmente em um vestibular, muito parecido com a Fuvest”, afirma Alvarez. Ele complementa que esse tipo de exclusão faz com que “as mudanças excluam o caráter democrático do exame”.
Se isso for colocado em prática, uma nova avaliação voltada para o certificado deverá ser aplicada no fim do semestre do ano que vem. Entre as medidas que podem começar a valer em 2017 estão: não poderão se inscrever para as próximas edições os candidatos a treineiro, alunos matriculados no Fundamental II e nas duas primeiras séries do Ensino Médio no ano letivo de 2017, apenas para um simulado que deve acontecer em julho; a taxa de inscrição deve aumentar de 68 reais para 74 reais; a prova pode ter menos questões e ser aplicada somente em um dia; a plataforma da Hora do Enem e a do Geekie Games poderão ser excluídas na próxima edição.
*Gilberto Alvarez é especialista em educação
Fonte - Portaogente  06/12/2016

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Metrô de Salvador Linha 2 - Inicio da operação

Transportes sobre trilhos  🚇

VÍDEO - Linha 2 do Sistema Metroviário de Salvador.Inicio da operação em 05/12/2016 com 03 Estações,Acesso Norte II(integração com a linha 1),Estação Detran e Estação Rodoviária 




Imagem/Pregopontocom

Trabalhador terá de contribuir por 49 anos para receber aposentadoria integral

Política 👀

As novas regras estabelecem idade mínima de 65 anos para homens e mulheres, segurados do INSS, servidores públicos, trabalhadores rurais e urbanos poderem pedir a aposentadoria, assim como parlamentares e detentores de cargos eletivos.

Pedro Peduzzi e Daniel Lima
Repórteres da Agência Brasil

ilustração -  imagem/YouTube
A proposta do governo federal para a Reforma da Previdência prevê que o trabalhador terá que contribuir por 49 anos se quiser receber 100% da aposentadoria. Atualmente, o teto do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) é de R$ 5.189,82, que é reajustado anualmente pelo INPC. Os cálculos são do secretário da Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano.
Segundo o secretário da Previdência, Marcelo Caetano, com as regras previstas na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma, será possível economizar entre R$ 5 bilhões e R$7 bilhões a cada ano apenas com o Regime Próprio de Servidores Civis. Além disso - cumprindo-se a expectativa do governo federal de aprovar a reforma ainda em 2017, bem como aprovar também uma lei específica com novas regras para o Benefício da Prestação Continuada (BPC) - poderão ser economizados outros R$ 678 bilhões entre 2018 e 2027.
“Nossa expectativa é de que o Congresso aprove [a reforma] em 2017 para garantir [os benefícios para os cofres públicos]. Só a reforma pelo BPC para o INSS, a economia será de R$ 4,8 bilhões em 2018, valor que cresce para R$ 14,6 em 2019. Em 2020, será de R$ 26,7 bilhões; e em 2021 será de R$ 39,7 bilhões. De 2018 a 2027, a economia seria algo em torno de R$ 678 bilhões”, disse o secretário. “Além disso, com regime próprio de servidores civis, a economia será de R$ 5 bilhões a 7 bilhões por ano”, acrescentou.
O Benefício da Prestação Continuada (BPC) equivale a um salário mínimo mensal que é concedido a idoso com mais de 65 anos ou pessoas com deficiência física, mental, intelectual ou sensorial de longo prazo.
A ideia do governo é fazer com que a renda de todos os entes da família passem a ser consideradas para o cálculo, sem as exceções previstas na lei atual – caso, por exemplo da renda obtida por pessoas com deficiências. Nas regras atuais, para receber o BPC, a renda per capita da família tem de ser inferior a um quarto do salário mínimo.

Pensões
As pensões pagas a viúvas e viúvos poderão, eventualmente, ser menores do que o salário mínimo, segundo o secretário.
"Nas pensões por morte, o valor pago [à viúva ou viúvo] será de 50% da aposentadoria, acrescido de um adicional de 10% por dependente. Essa cota não será mais revertida para a viúva [ou viúvo] quando o filho completar 18 anos de idade", disse, ao ressaltar que as novas regras só valerão após serem promulgadas, não abrangendo as pensões que já são pagas. “Entre nossas premissas está a de não mexer com direitos já adquiridos”, acrescentou.

Idade mínima
As novas regras estabelecem idade mínima de 65 anos para homens e mulheres, segurados do INSS, servidores públicos, trabalhadores rurais e urbanos poderem pedir a aposentadoria, assim como parlamentares e detentores de cargos eletivos. O tempo mínimo de contribuição será de 25 anos.
As regras valerão para homens com idade inferior a 50 anos e mulheres com menos de 45 anos. Para os contribuintes com idade superior, a proposta prevê a aplicação de um acréscimo de 50% sobre o tempo que restava para a aposentadoria, tendo como base a regra antiga.
“Digamos que homem de 52 anos, com 34 de contribuição, com a regra de transição aplica-se 50% do tempo. Como o tempo de contribuição era 35 anos, o tempo que falta passa de 1 ano para 1 ano e meio”, disse o secretário.

Congresso Nacional
Ontem (5) ao deixarem a reunião no Palácio do Planalto em que debateram a reforma, sindicalistas disseram que, na forma como foi apresentada, a reforma não será aprovada no Congresso Nacional. Eles reclamaram da idade prevista na regra de transição, que deveria ser feita de forma mais suave.
Questionado se o governo está preparado para mudanças da reforma no Congresso, Caetano disse que as questões políticas fogem de seu controle, mas defendeu que a reforma é necessária ou o país terá de encarar problemas previdenciárias no futuro.
“O Congresso é fundamental nesse aspecto. É o local do diálogo social. No ambiente democrático seu papel é fundamental. Mas essa reforma foi feita com visão de Estado. Não de governo. Temos uma visão de longo prazo. Se começar a abrir mão de muita coisa vai ter que fazer uma nova reforma lá na frente. A reforma tem que ser duradoura. Queremos evitar não ter como pagar a Previdência, como acontece em vários estados. Se a reforma não for feita, daqui a 2 anos teremos que fazer nova entrevista para explicar uma nova reforma”, disse o secretário, em entrevista coletiva no Palácio do Planalto.
Fonte - Agência Brasil  06/12/2016

Travessia entre Salvador e Itaparica pelo sistema Ferry-Boat,tem movimento tranquilo nessa terça (06)

Travessia marítima  🚢

O movimento na travessia entre Salvador e a ilha de Itaparica pelo sistema Ferry-Boat é tranquilo nos dois sentidos.Hoje estão em operação quatro embarcações realizando viagens com intervala de uma hora.

Da Redação
foto - ilustração/arquivo
Para quem pretende viajar fazendo a travessia marítima entre Salvador e Itaparica pelo sistema Ferry-Boat, encontra nesta terça-feira (06), um fluxo com movimento tranquilo nos terminais de embarque de Bom Despacho e São Joaquim.Hoje estão em operação as quatro embarcações, Agenor Gordilho, Dorival Caymmi, Anna Nery e Pinheiro,sempre com saídas nos horários programados,de hora em hora, podendo acontecer viagens extras caso haja um eventual aumento da demanda.Os usuários do sistema podem adquirir as passagens nos dois terminais de embarque com pagamento feito com  cartões de crédito,de débito ou em dinheiro.
A disponibilidade de vagas para o serviço de Hora Marcada (exclusivo aos condutores de veículos), basta acessar o site da ITS -portalsits.internacionaltravessias-.O pagamento para este tipo de serviço deve ser feito com cartões de débito ou crédito.
Para mais informações o sistema disponibiliza uma Central de Atendimento ao Cliente (CAC), localizada no Terminal São Joaquim funcionando de segunda a sexta, das 8h às 18h, e aos sábados, das 7h às 13h,ou pelo Tel.071 3032-0475 e pelo cac@internacionaltravessias.com.br.
Com informações da ITS  06/12/2016