sábado, 8 de outubro de 2016

Estudantes ocupam escola no centro de SP em ato contra reforma do ensino médio

Educação

De acordo com informações divulgadas pela União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) nas redes sociais, 62 escolas estão ocupadas por alunos no país. A maioria no Paraná, pelo menos 37. No estado de São Paulo, duas escolas foram ocupadas no estado, sendo que a primeira e única a ser ocupada na capital paulista foi a Caetano de Campos. Para a Ubes, a medida provisória, que prevê mudanças no ensino médio, é um retrocesso em por isso, tem provocado mobilizações estudantis no país.

Camila Boehm
Repórter da Agência Brasil
Wilson Dias/Agência Brasil
Alunos ocupam desde a noite de ontem (7) a Escola Estadual Caetano de Campos, no bairro da Consolação, centro da capital paulista, segundo informações da Polícia Militar (PM). Eles protestam contra a reforma do ensino médio, proposta pelo governo federal. De acordo com a assessoria da PM, os estudantes continuam no local e a ocupação segue pacífica.
De acordo com informações divulgadas pela União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) nas redes sociais, 62 escolas estão ocupadas por alunos no país. A maioria no Paraná, pelo menos 37. No estado de São Paulo, duas escolas foram ocupadas no estado, sendo que a primeira e única a ser ocupada na capital paulista foi a Caetano de Campos. Para a Ubes, a medida provisória, que prevê mudanças no ensino médio, é um retrocesso em por isso, tem provocado mobilizações estudantis no país.
A Agência Brasil entrou em contato com a Secretaria Estadual de Educação, mas não houve retorno até a publicação da reportagem.

MP do ensino médio
A medida provisória torna obrigatórias para os três anos do ensino médio apenas as disciplinas de português e matemática. Inglês também será obrigatório, mas não necessariamente para os três anos. Os demais conteúdos serão determinados pela Base Nacional Comum Curricular, que ainda está sendo definida.
Pela MP, cerca de 1,2 mil horas, metade do tempo total do ensino médio, serão destinadas ao conteúdo obrigatório definido pela Base Nacional. No restante da formação, os alunos poderão escolher entre cinco trajetórias: linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas - modelo usado também na divisão das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) - e formação técnica e profissional. A medida também amplia gradualmente a carga horária do ensino médio para 7h por dia ou 1,4 mil horas por ano.
As mudanças só devem começar a valer a partir de 2018 – de acordo com o texto, no segundo ano letivo subsequente à data de publicação da Base Curricular, mas pode ser antecipado para o primeiro ano, desde que com antecedência mínima de 180 dias entre a publicação da Base e o início do ano letivo.
O texto, que modifica a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei 9.394/1996), prevê o fim da obrigatoriedade do ensino de arte e de educação física no ensino médio. As disciplinas serão obrigatórias apenas no ensino infantil e fundamental.
Em audiência pública na Câmara dos Deputados, no último dia 4, a secretária-executiva do Ministério da Educação, Maria Helena Guimarães, disse que não houve exclusão de disciplinas e que a MP transferiu para a Base Nacional Comum Curricular, o que deverá ser ensinado nas escolas. De acordo com o MEC, não há sinalização que os conteúdos deixarão de fazer parte do ensino médio ou que serão retirados da Base, que definirá também as diretrizes da formação dos professores.
Fonte - Agência Brasil  08/10/2016

Abandono de setores fará Petrobras ser apenas mais uma petrolífera média

Pré-Sal

O programa de venda de ativos da Petrobras, proposto no Plano de Negócios da empresa de 2017 a 2021, preocupa não só petroleiros,como também especialistas no setor. E não só devido à redução de valores,mas pela saída de áreas estratégicas.

Da Redação
foto - ilustração/arquivo
A estatal já vendeu a malha de Gasodutos do Sudeste, confirmou que busca interessados na compra da BR Distribuidora, a maior do setor no país, negócio que pode render US$ 6 bilhões, e que vai sair das áreas de petroquímica, biocombustíveis e fertilizantes. A Câmara dos Deputados também aprovou, em uma sessão tumultuada, na última quarta-feira o fim da obrigação de a empresa ser operadora única no pré-sal.Até agora,a estatal tinha que ter uma participação mínima de 30% nesses consórcios.Agora ela passa a ter a liberdade de escolher de quais blocos quer participar.Petroleiros e movimentos sociais dizem que a decisão ameaça a soberania brasileira na área de energia.O ex-diretor da Agência Nacional de Petróleo (ANP),Haroldo Lima,vê motivos de preocupação,sim,mas apenas no tocante à venda de ativos.Ele cita como exemplo a venda do campo de Carcará,na Bacia de Santos,considerado o segundo mais importante da área do pré-sal."Ela,que era operadora única no pré-sal,vende para uma empresa estrangeira (a norueguesa Statoil, por US$ 2,5 bilhões).Por mim, nesse plano de desmobilização de ativos não entraria Carcará,como não entraria a BR Distribuidora, nem as participações na petroquímica, biocombustíveis,nem na área de fertilizantes."
Lima diz que a Petrobras não pode estar se concentrando apenas na exploração e produção,porque,se ela deixa esse conceito de verticalização,passa a ser apenas uma média ou pequena empresa de petróleo.Ele observa que,com relação ao projeto de lei 4.567,houve muitas incompreensões.Segundo o especialista,não foi aprovado o projeto apresentado pelo José Serra (então deputado federal pelo PSDB de São Paulo), o 12.351/10 que previa que a Petrobras deixaria de ser operadora única do pré-sal e não teria participação no pré-sal.
O ex-diretor da ANP lembra que,na ocasião,o Senado promoveu diversos debates sobre o assunto. Em um deles,Lima convidado."Colocamos a Petrobras como operadora única no contexto em que o petróleo estava valorizado e o caixa da empresa bastante fortalecido.Num contexto em que o petróleo está desvalorizado e a Petrobras altamente endividada,não havia por que insistir que ela continuasse como operadora única,o que faria com que a exploração do pré-sal ficasse muito demorada,o que já está acontecendo.Descobrimos o pré-sal há dez anos e desde então só tivemos um leilão para a área, mas não é o caso de deixar a Petrobras completamente à margem do pré-sal." Lima diz que não dar nenhuma regalia à Petrobras,que descobriu o pré-sal,seria algo inusitado.Por isso foi defendido que ela passasse a ser operadora preferencial,escolhendo o bloco em que ela quisesse operar."Essa concepção mudou completamente o projeto inicial do Serra."
Fonte - Sputnik  07/10/2016

Falha no sistema da Linha 2 do Metrô de SP,traz risco de colocar trens em rota de colisão

Transportes sobre trilhos

Sistema da Linha 2 do Metrô paulista traz risco de colocar trens em rota de colisão - Na último dia 29, dois trens da linha 2 do metrô de SP,quase colidiram na Estação Vila Prudente.A recorrência das falhas no CBTC da linha 2-Verde já foi alvo de várias denúncias dos metroviários.O sistema passou a operar integralmente na Linha 2-Verde em fevereiro deste ano. 

RBA
foto - ilustração/Pregopontocom
O Controle de Trens Baseado em Comunicação (CBTC, na sigla em inglês), sistema operacional da Linha 2-Verde do Metrô (Vila Madalena-Vila Prudente), pode definir a mesma rota para dois trens, sem verificar o risco de colisão entre eles. A situação quase levou ao choque entre as composições G19 e G20, na manhã do dia 29 de setembro, na estação Vila Prudente, na zona leste de São Paulo.
Em áudio obtido pela RBA, o engenheiro de sinalização do Metrô Marcelo Martins diz que o problema é conhecido pela companhia, que aguarda uma solução pela Alstom, fornecedora do equipamento, na próxima versão, que não tem data para ser instalada na linha.
“Desde quando o CBTC foi mostrado pra gente, em fábrica, já tem essa dificuldade e o Metrô briga com a Alstom até hoje para resolver esse problema. O que o Metrô quer e que vai ser resolvido na próxima versão do CBTC é que os equipamentos de campo, não o OTS (operador do trem), fiquem responsabilizados para não deixar alinhar essa rota no lugar onde já tem um trem”, relata Martins – trecho do áudio pode ser ouvido ao final da reportagem. Ou seja, hoje, quando o sistema falha, cabe exclusivamente aos operadores perceber o problema e garantir a segurança da composição e dos passageiros.
O áudio diz respeito à reunião da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) da Linha 2-Verde do Metrô paulista, realizada no último dia 5, para discutir o ocorrido em 29 de setembro. Segundo documentos repassados à RBA pelo Sindicato dos Metroviários de São Paulo, parte do sistema operacional falhou e o trem G19, que saia da estação Tamanduateí (TTI) com destino à estação Vila Prudente (VPT) carregado de passageiros, foi mandado em direção ao trem G20, que estava parado no local. Ao perceber o problema, visualizando que havia um trem parado, e sua velocidade estava em cerca de 50km/h, o operador do trem acionou o freio de emergência e conseguiu parar a composição.
Ainda segundo os documentos, as telas de monitoramento do Centro de Controle Operacional (CCO) ficaram “congeladas” por 50 segundos, não mostrando o que estava ocorrendo na Linha 2. Nesse tempo, o trem G20 solicitou rota para concluir seu percurso e, sem resposta, o próprio CBTC o encaminhou para a plataforma 2 da estação Vila Prudente. Quando o sistema retornou, o trem G19 acabou seguindo a rota definida para o G20, quando devia ter sido mandado para a plataforma 1.
Os sistemas de controle de velocidade, definição de rota e segurança contra colisão são separados nessa linha. Nas linhas 1-Azul e 3-Vermelha, o sistema ATC controla todas as funções. E ocorreu que, enquanto um sistema definiu a rota, o que deveria verificar a segurança falhou. E o G19 foi de encontro ao G20. “Tem um equipamento que faz alinhamento de rota. Ele não fica vendo onde está o trem. Isso quem faz é outro equipamento. Esse equipamento que alinha rota obedece o CCO. O que aconteceu, provavelmente, o OTS solicitou a rota para o trem G20 e não teve retorno dessa informação. Isso fez com que, ao voltar a indicação, o trem G20 já estava lá”, explicou Martins na reunião.
Para os trabalhadores, o problema é grave, como se pode concluir de emails obtidos pela RBA, como um pedido de reunião entre agentes da Cipa e da direção do Metrô. “Essa situação, aparentemente causada por falha no sistema, foi de extrema gravidade e deve ser analisada imediatamente em todas as instâncias necessárias”, diz o documento. E prossegue, destacando que “as constantes falhas que o atual sistema de controle de trens ocasiona trazem insegurança” e que a Cipa “já tratou sobre situações semelhantes (...) demonstrando que este ocorrido relatado não pode ser considerado de forma isolada”.
A companhia minimizou o caso em outro e-mail, em resposta ao pedido da Cipa, alegando que “não houve falha de segurança no sistema, pois o trem G19 iria parar a uma distância segura do G20”. Em e-mail assinado pelo supervisor de operação Nilo Leite da Cunha, é relatado que “em nenhum momento os empregados que estavam operando os trens correram riscos graves de acidente”. E afirma que a velocidade do trem no momento da parada era de 30km/h, e não 50 km/h, como relatou o operador.
Porém, segundo relatórios administrativos, a situação era grave. A operadora do G20 relatou que estava pedindo liberação da plataforma ao CCO, quando notou que outro trem se aproximava. “Comecei a falar com o CCO quando vi o trem chegando pelo túnel. Pensei que ele havia me retido devido ao trem que vinha e que provavelmente iria primeiro para a via 1 e depois o meu seria despachado. Acabei de falar com o CCO e na sequência ele começou a falar continuamente para o G19 parar. Percebi que o trem vinha em minha direção. Comecei a dar farol para ele atentar-se, caso não estivesse ouvindo o CCO”.

RBA
O operador do trem G19 relatou que não percebeu nada de anormal na composição. Martins admitiu aos trabalhadores que a composição vinha apresentando pequenos problemas de comunicação desde o início da manhã daquele dia. O instrutor do relatório conclui que a “atuação do OTM2-TRA (operador de trem) foi correta, merece elogios, evitou um possível acidente”.
A recorrência das falhas no CBTC da linha 2-Verde já foi alvo de várias denúncias dos metroviários. E pode ser comprovada no próprio áudio, quando o engenheiro Marcelo Martins relata que um caso semelhante ao do dia 29 ocorreu na estação Vila Madalena, da mesma Linha 2-Verde. “Assim como aconteceu em VPT, nós tivemos recentemente, só pra ilustrar pra vocês, um (trem da frota) K quebrou em (Vila) Madalena 1 e o CCO demorou para reagir e o trem que veio de trás alinhou rota e encostou no outro.

RBA
Foi um transtorno. Aí já é tarde. Eu tenho um trem que não anda e o outro trem já entrou na rota”, afirmou, sem dizer a data da ocorrência.
Outro relatório administrativo da companhia, datado de 28 de setembro, relata o caso da composição E06, que após ser estacionada, iniciou sozinha o procedimento de partida da plataforma. “Ao deixar o trem conforme procedimento no comando Leste, o trem fez o barulho característico de inversão de comando e buzinou duas vezes avisando despacho, aliviou freio e movimentou-se por aproximadamente um metro em direção ao trem E01. Imediatamente dei emergência pela bola vermelha parando o trem completamente. Perguntei à torre se ele havia despachado o trem, como a resposta foi negativa, solicitei permissão para realinhar o trem de volta ao ponto de parada”.
O sistema passou a operar integralmente na Linha 2-Verde em fevereiro deste ano. O CBTC foi adquirido pelo governo de Geraldo Alckmin (PSDB), da Alstom, em 2008. A promessa era reduzir o intervalo entre trens em todas as linhas, mas, até agora, a aplicação só funciona na linha verde. Porém, desde a instalação, a linha é a que mais apresenta problemas. Segundo dados obtidos por Lei de Acesso à Informação pelo site Fiquem Sabendo, a Linha 2-Verde teve 17 panes com gravidade entre janeiro e julho de 2016, quando a circulação dos trens foi interrompida ou prejudicada por tempo considerável.
Procurado, o Metrô não se manifestou.
Fonte - RBA  07/10/2016

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Metrô de Salvador é destaque na 42ª Reunião de Manutenção Metroferroviária

Transportes sobre trilhos

A Companhia de Transportes do Estado da Bahia (CTB),em parceria com a CCR Metrô Bahia,reuniu 15 operadoras metroferroviárias brasileiras de São Paulo,Rio de Janeiro, Brasília,Belo Horizonte, Porto Alegre,Teresina,Recife,João Pessoa,Maceió,Natal e Fortaleza,para promover a troca de informações,boas práticas e resultados sobre operação,rede aérea,via permanente,sistema de material rodante,sinalização e controle,telecomunicações e logística de manutenção.

Da Redação
foto -  Daniele Rodrigues/ Ascom Sedur
Nos dias 5, 6 e 7 de outubro, Salvador sediou a 42ª Reunião do Grupo Permanente de Autoajuda na Área de Manutenção Metroferroviária (GPAA). O encontro, promovido pela Companhia de Transportes do Estado da Bahia (CTB), em parceria com a CCR Metrô Bahia, reuniu 15 operadoras metroferroviárias brasileiras de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Porto Alegre, Teresina, Recife, João Pessoa, Maceió, Natal e Fortaleza, para promover a troca de informações, boas práticas e resultados sobre operação, rede aérea, via permanente, sistema de material rodante, sinalização e controle, telecomunicações e logística de manutenção.
“O GPAA é uma oportunidade de intercambiar conhecimentos e compartilhá-los com os colegas de empresas metroferroviárias. É um contexto positivo para consolidar a presença da Bahia no segmento sobre trilhos”, destacou o presidente da CTB, Eduardo Copello. O coordenador geral do GPAA e representante do Metrô de Belo Horizonte, Ricardo Torsani, reiterou: “Nós não discutimos teses, mas, sim, problemas reais. O Grupo resultou em uma integração tão grande, que as ações no setor não são mais isoladas. Compartilhamos soluções, ideias e problemas”.
Segundo Torsani, a escolha de Salvador para sediar o evento se deu graças ao atual cenário de mobilidade. “De um lado, você tem os trens do Subúrbio, que são históricos, e do outro, o metrô, com características mais modernas. É interessante conhecer as peculiaridades do Subúrbio e a modernidade do metrô, que apresenta a realidade da Linha 1, já funcionando, e a expansão da Linha 2”.

foto -  Daniele Rodrigues/ Ascom Sedur
O encontro ainda contou com a participação do representante do Consulado do Canadá, Márcio Francesquine, marcando o início de uma possível parceria local para pesquisa e capacitação. “Nosso objetivo é entender as necessidades do setor metroferroviário e promover mais capacitação, cursos técnicos, pesquisa e desenvolvimento na área, através do intercâmbio com o Brasil”.
No encerramento, o Grupo ainda fez uma visita técnica às instalações da CCR, em Pirajá, incluindo a Oficina de Manutenção dos Trens, o Centro de Controle Operacional e a própria estação de metrô. “É um grande projeto de mobilidade. O maior projeto metroferroviário do Brasil. Alta performance e equipamentos modernos”, elogiou o representante da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) de Recife, Jurandir Campos.

Sobre o GPAA
Criado em 1999 pelas operadoras metroferroviárias brasileiras, e vinculado à Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), o Grupo Permanente de Auto Ajuda na Área de Manutenção Metroferroviária se reúne duas vezes ao ano, em cidades alternadas, com técnicos das operadoras, empresas parceiras, investidores e especialistas na área em prol de melhorias e modernização dos sistemas de transporte de passageiros.
Com informações da Sedur Ba.  07/10/2016 

Bancários encerram greve após 31 dias de paralisação

Greve/Bancos

Após 31 dias de paralisação, os trabalhadores dos bancos privados e do Banco do Brasil decidiram aceitar a última proposta salarial e encerrar a greve da categoria em assembleias realizadas na tarde desta quinta-feira (6).

Sputnik
foto - ilustração/arquivo
O fim da paralisação foi aceita por bancários de todos os 26 Estados, mais o Distrito Federal, e as agências devem voltar a funcionar normalmente nesta sexta-feira (7).
Funcionários da Caixa, no entanto, rejeitaram a oferta do reajuste e decidiram manter a greve em capitais de sete estados: Amapá, Bahia, Maranhão, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e São Paulo.
De acordo com a Agência Brasil, a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) apresentou na quinta-feira ao Comando Nacional dos Bancários, na 11ª rodada de negociação, um acordo com validade de dois anos, no qual, em 2016 a categoria vai receber reajuste de 8% e abono de R$3.500; o vale-refeição e o auxílio creche-babá serão reajustados em 10% e o vale-alimentação em 15%; em 2017, haverá a correção integral da inflação acumulada, com aumento real de 1% em todos os salários e demais verbas.
No início da greve, os trabalhadores reivindicavam reajuste de 14,78%, sendo 5% de aumento real, considerando inflação de 9,31%, além da participação nos lucros e resultados (PLR) de três salários acrescidos de R$ 8.317,90 e outros benefícios.
Fonte - Sputnik  07/07/2016

6ª Conferência Estadual das Cidades discute desafios à função social da cidade e da propriedade

Desenvolvimento Urbano

A etapa estadual antecede a 6ª Conferência Nacional, que abordará a mesma temática e está programada para junho de 2017.A escolha do tema para esta edição tem relação direta com o 15º aniversário do Estatuto da Cidade - Lei aprovada em 2001, que abriu novas perspectivas para o planejamento e gestão urbana - e os avanços nas discussões para a elaboração do Sistema Nacional de Desenvolvimento Urbano (SNDU), que visa estimular ações governamentais relacionadas à política urbana. 

Da Redação

Nos dias 30 de novembro e 1 e 2 de dezembro, será realizada, em Salvador, a 6ª Conferência Estadual das Cidades (ConCidades), cujo enfoque é discutir questões referentes à função social da cidade e da propriedade. Os quatro grupos formados através dos Eixos Temáticos (Planejamento e Gestão Territorial Urbana - PGTU, Habitação, Saneamento e Mobilidade) apresentarão alternativas para se pensar em cidades mais inclusivas, participativas e socialmente justas, a partir das demandas específicas de cada Eixo. A etapa estadual antecede a 6ª Conferência Nacional, que abordará a mesma temática e está programada para junho de 2017.
A escolha do tema para esta edição tem relação direta com o 15º aniversário do Estatuto da Cidade - Lei aprovada em 2001, que abriu novas perspectivas para o planejamento e gestão urbana - e os avanços nas discussões para a elaboração do Sistema Nacional de Desenvolvimento Urbano (SNDU), que visa estimular ações governamentais relacionadas à política urbana. “O tema busca suscitar a ideia de inclusão. O que significa o conceito de ‘cidade’ e o papel social de uma cidade? É uma oportunidade para refletir políticas públicas que incluem e não excluem”, pontuou a coordenadora do Conselho Estadual das Cidades, Micau Barreto.
Para Micau, o ConCidades representa um processo democrático entre sociedade e governo. “A partir das Conferências, o Governo tem a ideia do que ocorre nos territórios baianos e consegue visualizar quais políticas públicas serão direcionadas para a realidade de cada região. É uma oportunidade estratégica, uma conquista para as lutas dos movimentos sociais. Nós esperamos que o atual Governo dê continuidade ao que já construímos”, ressaltou.

Programação
30/11 – Manhã: Cerimônia de abertura com a presença do governador Rui Costa, o secretário de Desenvolvimento Urbano Carlos Martins, e representantes estaduais, municipais e de movimentos sociais. Aprovação do Regimento da Conferência e palestra central sobre “Função Social da Cidade e da Propriedade”, seguida de debates.
Tarde: Reuniões dos Eixos Temáticos para elaboração de propostas referentes a cada tema e ao tema central da Conferência.
01/12 – Reunião dos relatores para sistematizar as propostas de cada Eixo.
02/12 – Manhã: Plenário para aprovação das propostas | Tarde: Eleição dos delegados para a 6ª Conferência Nacional das Cidades e dos conselheiros para a gestão dos próximos três anos do ConCidades.
O local do evento ainda não foi definido

Sobre o ConCidades
Processo instituído pelo Governo Federal, no âmbito do Ministério das Cidades, desde 2003, a Conferência das Cidades serve como instrumento de participação social e democrática na construção de políticas públicas, articulando as três esferas do poder público e em diálogo aberto com a sociedade civil. As conferências são realizadas a cada três anos, sempre respeitando o processo em etapas (municipais, estaduais e nacional). O propósito é manter as discussões e resoluções sempre atualizadas e alinhadas com a realidade vigente e o contexto histórico, político, econômico, cultural e social.
Com informações da Sedur Ba.  07/10/2016

Operadoras de sistemas de metrô conhecem experiência do Metrô de Salvador

Transportes sobre trilhos

Após uma palestra, os profissionais visitaram as instalações do Centro de Controle Operacional e o pátio de manutenção localizados na Estação Pirajá. O projeto e a qualidade dos equipamentos deixaram impressão bastante positiva aos visitantes.

Da Redação
foto - Alberto Coutinho/GOVBA
Técnicos de 15 operadoras de sistemas de metrô de todo o país estiveram em Salvador para conhecer a estrutura da capital baiana, nesta sexta feira (7). A visita faz parte da 42º reunião do Grupo Permanente de Auto Ajuda na Área de Manutenção Metroferroviária (GPAA), que tem como objetivo trocar conhecimentos e experiências para aprimorar o funcionamento dos programas de transporte de todo o país.
O diretor da companhia de transporte da Bahia, Eduardo Copello, comenta a experiência. “As empresas trazem para o encontro tanto as dificuldades que enfrentaram quanto as soluções, e isso é compartilhado aqui, fazendo com que uma organização aprenda com a outra. Para a Bahia é especialmente importante por conta do investimento feito no metrô e no futuro VLT do subúrbio. Esse intercâmbio de informações nós dá uma noção dos problemas e de como superá-los”, afirma.

foto - Alberto Coutinho/GOVBA
Após uma palestra, os profissionais visitaram as instalações do Centro de Controle Operacional e o pátio de manutenção localizados na Estação Pirajá. O projeto e a qualidade dos equipamentos deixaram impressão bastante positiva aos visitantes. O gestor de contratos do Metrô do Recife, Jurandir Campos, avalia. “A Bahia está de parabéns, a implantação do metrô aqui está sendo maravilhosa. Investir num complexo de mobilidade urbana moderno é importante pra fazer com que a cidade cresça não apenas em um aspecto social e econômico, mas como ambientalmente”.
Para Décio Bin, coordenador de manutenção em via permanente na Cia do Metropolitano de São Paulo, a experiência do sistema baiano vai levar novas ideias para outros estados. “O crescimento e a quantidade de obras que nós vimos é fenomenal, principalmente a tecnologia que está sendo aplicada aqui. O material colocado é de primeira linha. Nosso objetivo é implantar o mesmo equipamento nas linhas já existentes do metrô de São Paulo. Estou levando daqui novas técnicas com o objetivo de acompanhar a evolução que a modernidade traz”, comenta.
Essa foi a primeira vez que Salvador sediou uma reunião da GPAA. José Kako, gestor de Manutenção da CCR Metrô Bahia, acredita que eventos como este são importantes para o desenvolvimento tecnológico em todas as cidades. “Essa troca de conhecimentos é muito importante. Os problemas de uma empresa no presente muitas vezes são os mesmos enfrentados por outras no passado. Essa troca potencializa a solução de problemas, traz novos conceitos e abre canais de comunicação”
Com informações da Secom Ba.  07/10/2016

Falha elétrica paralisa metrô por mais de 40 minutos na capital paulista

Transportes sobre trilhos

Como reflexo da pane, outras linhas que se interligam com a Azul também passaram a operar com lentidão. Tiveram problemas de circulação também as linhas Verde, que liga a zona sul a oeste, e a Vermelha, que liga a zona leste a região central. 

Daniel Mello
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração/arquivo
Uma falha na Linha 1 – Azul, do Metrô de São Paulo, interrompeu, na manhã de hoje (7), a circulação entre as estações Sé e Luz, as duas maiores do centro da capital paulista. Segundo o Metrô, o problema foi causado pela falta de eletricidade que deixou a linha desenergizada no trecho entre as 8h30 e 9h16.
Como reflexo da pane, outras linhas que se interligam com a Azul também passaram a operar com lentidão. Tiveram problemas de circulação também as linhas Verde, que liga a zona sul a oeste, e a Vermelha, que liga a zona leste a região central. A Linha um faz o trajeto norte-sul. A companhia informou que o tráfego já foi normalizado em todo o sistema.
Pelo Twitter, os passageiros relataram os inconvenientes decorrentes do problema. Em alguns casos, a espera na plataforma chegou a 40 minutos. Há ainda relatos de usuários que tiveram que aguardar dentro dos trens por mais de meia hora, em um horário em que as composições costumam trafegar lotadas.
Fonte - Agência Brasil  07/10/2016

Alstom entrega os primeiros VLTs Citadis que ligarão Estrasburgo na França e Kehl na Alemanha

Transportes sobre trilhos

A entrega da nova frota marca o início do primeiro serviço de  VLT  trans-fronteira da França que irá operar na linha estendida da CTS A e linha D,chegando até Kehl,na Alemanha.A entrada em operação comercial está prevista para o próximo mês de Abril

Da Redação
foto - ilustração
A Alstom acaba de entregar os primeiros VLTs Citadis para testes operacionais,que entrarão em serviço entre as cidades de Estrasburgo na França e Kehl, na Alemanha .
Foram entregues 12 VLTs à empresa de transporte Strasbourg CTS,no valor total de £ 41 milhões,após a assinatura de um contrato há quase dois anos para o fornecimento de 50 composições.O primeiro VLT começará a realizar o teste dinâmico de linha.
A entrega da nova frota marca o início do primeiro serviço de  VLT  trans-fronteira da França que irá operar na linha estendida da CTS A e linha D,chegando até Kehl,na Alemanha.O inicio da operação comercial deverá acontecer no próximo mês de Abril.
A maior parte dos VLTs,são fabricados na França em La Rochelle,Ornans,Le Creusot,Tarbes ,Villeurbanne e Saint-Ouen.Os veículos dispõe de áreas reservadas para cadeiras de rodas e passageiros com carrinhos de criança.
Pregopontocom  07/10/2016

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Senador russo - Mudança de poder no Brasil não foi realizada sem intervenção externa

Política

Durante um encontro com jovens representantes de círculos político-sociais e mídia dos países da América Latina e Espanha, realizada hoje (6) em Moscou, um dos representantes do Brasil expressou a opinião que a destituição de Dilma Rousseff do cargo de presidente poderia ter sido realizada com participação dos EUA, que estão interessados em receber recursos energéticos do Brasil.

Sputnik
Sputnik
A mudança de poder no Brasil não pode ter passado sem intervenção externa, uma das causas foi a política soberana e independente que o país estava realizando nos últimos anos, considera o presidente do Comitê Internacional do Conselho da Federação, Konstantin Kosachev.
Durante um encontro com jovens representantes de círculos político-sociais e mídia dos países da América Latina e Espanha, realizada hoje (6) em Moscou, um dos representantes do Brasil expressou a opinião que a destituição de Dilma Rousseff do cargo de presidente poderia ter sido realizada com participação dos EUA, que estão interessados em receber recursos energéticos do Brasil.
"Estou pronto a compartilhar suas avaliações de que a mudança de poder no Brasil não podia ser realizada sem uma intervenção externa", disse Kosachev. Segundo ele, uma das causas foi a política soberana e independente que o país estava realizando nos últimos anos. Ele sublinhou que ultimamente a Rússia avançou muito na cooperação bilateral com o Brasil, inclusive no quadro do BRICS. Em 31 de agosto, o Senado do Brasil votou a favor do impeachment de Dilma Rousseff. Em resultado de uma votação em separado, foi deliberado que ela não será impedida de ocupar cargos governamentais.
Fonte - Sputnik  06/10/2016

O petróleo e o interesse nacional

Ponto de Vista

A matéria, que teve origem no Senado,sendo de autoria de José Serra (PSDB/SP),atual ministro das Relações Exteriores,retira a obrigatoriedade de atuação da Petrobras pelo regime de partilha de produção em áreas do pré-sal.A medida vem sendo combatida por diversas entidades,inclusive pelo SEESP e pela Federação Nacional dos Engenheiros (FNE), que defendem que se resguarde à Petrobras

Por Murilo Pinheiro* - Portogente
foto - ilustração/arquivo
No dia 20 de setembro último, foi apresentado o plano de negócios para o período 2017-2021 da Petrobras. Conforme divulgado pelo jornal Valor Econômico, segue-se no ajuste de contas da empresa, reduzindo-se investimentos e fazendo a venda de ativos, mas ainda assim mantendo a previsão de produção em 2,7 milhões de barris diários em 2020. A proposta foi bem recebida pelo mercado, já que os papéis ordinários da companhia subiram 1,07% e as ações preferenciais, 3,44%. A aprovação financeira, contudo, não sana as preocupações que os brasileiros devem ter em relação à sua principal e mais estratégica empresa.
Pronto para ser votado na Câmara dos Deputados desde 7 de julho, quando foi aprovado pela Comissão Especial da Petrobras e Exploração do Pré-Sal, o Projeto de Lei 4.567/16 entrou em discussão na Casa na segunda-feira (3/10). A matéria, que teve origem no Senado, sendo de autoria de José Serra (PSDB/SP), atual ministro das Relações Exteriores, retira a obrigatoriedade de atuação da Petrobras pelo regime de partilha de produção em áreas do pré-sal.
A medida, que portanto pode entrar em votação a qualquer momento, vem sendo combatida por diversas entidades, inclusive pelo SEESP e pela Federação Nacional dos Engenheiros (FNE), que defendem que se resguarde à Petrobras – e, portanto, ao interesse nacional – a exploração das reservas de petróleo encontradas na camada do pré-sal. Entre os especialistas a afirmarem a correção do modelo de partilha, está o engenheiro Ricardo Maranhão, ex-deputado federal e Conselheiro do Clube de Engenharia. Em artigo publicado no site da Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados (CNTU), ele destaca questão fundamental: o pré-sal, após os esforços empreendidos pela empresa brasileira, tem produção garantida. “O baixo risco geológico foi comprovado pela Petrobras, após pesados investimentos em vários poços pioneiros exploratórios, com grande risco, o que certamente nenhuma empresa estrangeira faria”, afirma ele.
Maranhão argumenta ainda que a Lei 12.351/2010, que estabeleceu as regras de partilha, reservando o mínimo de 30% à petrolífera brasileira, e o conteú­do local, favorecendo a indústria nacional, não impede a participação das empresas estrangeiras que pode ser de até 70%. “Não é, portanto, restritiva! Seus dispositivos visam apenas à defesa do interesse nacional. Objetivam dar ao Estado brasileiro um mínimo de controle sobre a extração de produto mineral não renovável e estratégico para a segurança econômica, energética e militar de nosso País”, descreve.
Assim, é de se perguntar por qual motivo o Brasil abriria mão voluntariamente de um recurso que lhe pertence e que tem condições de explorar. É necessário que a sociedade esteja atenta à relevância desse tema e faça toda a pressão possível para que o projeto não seja aprovado na Câmara dos Deputados.
*Murilo Celso de Campos Pinheiro é presidente da Federação Nacional dos Engenheiros (FNE)
Fonte - Portogente  06/10/2016

Ferry-Boat com movimento intenso no sentido Salvador/Itaparica nesta quinta (06)

Travessia marítima

O sistema Ferry-Boat que realiza a travessia entre Salvador e a ilha de Itaparica,opera hoje com quatro embarcações,com movimento tranquilo no terminal de Bom Despacho em Itaparica e movimento intenso de veículos no terminal de São Joaquim em Salvador.

Da Redação
foto - ilustração/arquivo
O sistema Ferry-Boat,administrado pela ITS,que realiza o transporte de veículos e passageiros na travessia entre Salvador e a ilha de Itaparica,esta operando nesta quinta-feira (06) com o movimento tranquilo em Bom Despacho e intenso, apenas de veículos, no terminal São Joaquim.Quatro embarcações,Anna Nery,Rio Paraguaçu,Pinheiro e Agenor Gordilho,estão a disposição do usuários e realizam viagens nos horários programados(de hora em hora).Viagens extras podem ocorrer por conta de aumento pontual na demanda durante o dia.Os usuários podem adquirir as passagens nos terminais de embarque efetuando o pagamento por meio de cartões de crédito,débito ou em dinheiro.
A disponibilidade de vagas para o serviço de Hora Marcada (exclusivo aos condutores de veículos),pode ser verificada pelo cliente através do site -portalsits.internacionaltravessias.- O pagamento para esse tipo de serviço pode ser feito através de cartões de débito ou crédito.
Para mais informações os usuários deverão se dirigir a Central de Atendimento ao Cliente (CAC), localizada no Terminal São Joaquim,aberta de segunda a sexta,das 8h às 18h, e aos sábados, das 7h às 13h. Para contatos, a ITS disponibiliza o Tel  - 071 3032-0475 ou através do ecac@internacionaltravessias.com.br. Programe a sua viagem e não perca o horário,informe-se antes de viajar.
Com informações da ITS  06/10/2016

Vendas de veículos novos caem 27,4% em 12 meses, diz Anfavea

Economia

Na comparação de setembro último com o mesmo mês de 2015, a queda nas vendas fica em 20,1%. Foram comercializados 160 mil veículos, enquanto no mesmo período do ano passado as vendas chegaram a 200 mil unidades. No acumulado de janeiro a setembro, a comercialização de 1,5 milhão de veículos, significou uma retração de 22,8% em relação ao mesmo período de 2015.

Daniel Mello
Repórter da Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil
As vendas de veículos novos caíram 27,4% em 12 meses, entre outubro de 2015 e setembro passado, em comparação com o mesmo período anterior. Segundo o balanço divulgado hoje (6) pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), foram emplacados 2,12 milhões de unidades no período, contra 2,93 milhões de outubro de 2014 a setembro de 2015. Os veículos importados representaram 13,9% das vendas feitas neste ano.
Na comparação de setembro último com o mesmo mês de 2015, a queda nas vendas fica em 20,1%. Foram comercializados 160 mil veículos, enquanto no mesmo período do ano passado as vendas chegaram a 200 mil unidades. No acumulado de janeiro a setembro, a comercialização de 1,5 milhão de veículos, significou uma retração de 22,8% em relação ao mesmo período de 2015.
A produção registrou queda de 2,2% em setembro em comparação com o mesmo mês do ano passado, com a fabricação de 170 mil unidades. No acumulado dos primeiros três trimestres do ano a retração chega a 18,5%, com a produção de 1,55 milhão de veículos.
Para o presidente da Anfavea, Antonio Megale, a retomada do setor depende da melhora do cenário econômico nacional. Nesse sentido, o executivo acredita que é importante que seja aprovada a Proposta de Emenda Constitucional 241, que estabelece um limite nos gastos do governo. A previsão é que o texto seja votado na próxima semana. “A gente entende que seria fundamental que esse primeiro sinal fosse dado”, ressaltou Megale ao apresentar o balanço das vendas e produção.
Fonte - Agência Brasil  06/10/16

Tendências preocupantes

Ponto de Vista

Mais uma vez comprovou-se a dificuldade do movimento sindical em se inserir com êxito no processo eleitoral; esta é uma tendência antiga que já vinha se manifestando antes e se confirma nessas eleições.Mas tenho que me referir também ao endosso dado pela maioria do eleitorado votante ao apelo propagandístico contra a política e os políticos, com o endeusamento da “gestão” e, o que é pior, da gestão privada.

João Guilherme Vargas Netto*
foto - ilustração/arquivo
Vistas a partir de São Paulo as eleições municipais apresentam tendências preocupantes, mais até que os próprios resultados.
Refiro-me à acachapante proporção de eleitores que recusaram participar das escolhas, seja por abstenção, por voto branco ou nulo. Este alheamento é antessala para propostas retrógradas da não obrigatoriedade do voto e alimenta o discurso antidemocrático: o povo não quer votar.
Mas tenho que me referir também ao endosso dado pela maioria do eleitorado votante ao apelo propagandístico contra a política e os políticos, com o endeusamento da “gestão” e, o que é pior, da gestão privada.
O candidato eleito em primeiro turno – privatista, fiscalista, controlador de gastos e administrativista – conseguiu aglutinar um campo de força (com base no fundo do quadro) que lhe dará impulso (e aos seus aliados) para a tomada de medidas que privilegiam o corte de gastos públicos, a reforma previdenciária e as privatizações. Sob este ângulo esta surpreendente vitória reforça as propostas que o movimento sindical tem apontado como negativas e aumenta as dificuldades para a resistência. O vitorioso pode se fazer passar por “trabalhador”, mas é essencialmente contra o movimento dos trabalhadores.
Mais uma vez comprovou-se a dificuldade do movimento sindical em se inserir com êxito no processo eleitoral; esta é uma tendência antiga que já vinha se manifestando antes e se confirma nessas eleições.
Os resultados foram muito precários em uma situação na qual o impulso organizado dos sindicatos foi diluído, com raríssimas exceções (registro apenas a vitória eleitoral do presidente do sindicato dos professores municipais, que já havia sido vereador).
Se alongarmos as vistas para o Estado, pode-se elogiar o relativo sucesso no interior, da Corrente Comerciária, que conseguiu ampliar a presença de dirigentes sindicais em câmaras de vereadores.
*João Guilherme Vargas Netto é analista político e consultor sindical
Fonte - Portogente  06/10/2016

Em 31 dias de fiscalização,483 passageiros já foram multados no VLT do Rio

Transportes sobre trilhos

Valor da penalidade para quem não pagar a tarifa do transporte é de R$ 170. Em caso de reincidência, aumenta para R$ 225.Do total de multados,20 são turistas estrangeiros e 181 turistas brasileiros de diversas cidades do Rio e de outros estados.

O Dia
foto - ilustração/arquivo
Em 31 dias de fiscalização, a Guarda Municipal multou 483 passageiros que não pagaram a tarifa do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). A multa de R$ 170 (R$ 255 em caso de reincidência) passou a valer desde o dia 5 do mês passado para aqueles que não fizerem a validação voluntária do cartão de passagem.
Do total de multados, 20 são turistas estrangeiros e 181 turistas brasileiros de diversas cidades do Rio e de outros estados. O primeiro dia de fiscalização teve o maior número de penalidades aplicadas, com 36 casos. Somente no mês de setembro, foram 424 infrações.
A fiscalização é realizada por guardas municipais em conjunto com agentes da concessionária do VLT, que utilizam um equipamento para verificação do último débito efetuado no cartão de passagem. Além de validar o pagamento, cada passageiro deve portar seu próprio cartão.
A notificação é impressa e entregue na hora pelos agentes. Ela contém informações sobre impressão da guia de pagamento, na internet, e orientações para recurso. Aqueles que não pagarem a multa ficam sujeitos à inclusão nos serviços de Proteção ao Crédito e na Dívida Ativa do Município.
Fonte - O Dia  05/10/2016

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Bancários completam um mês de greve com abraço simbólico na Caixa no Rio

Greve/Bancos

Os bancários deram um abraço simbólico no prédio, aos gritos de “A Caixa é nossa” e “Fora Temer”. O ato terminou ao som do Hino Nacional.De acordo com um dos integrantes do comando de greve, Otacílio Ramalho, funcionário da Caixa, a oferta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) de reajuste de 7% e abono de R$ 3 mil é insuficiente para repor as perdas da categoria.

Akemi Nitahara
Repórter da Agência Brasil

foto - ilustração
Para marcar os 30 dias da greve dos bancários, a categoria fez, na tarde de hoje (5), no Rio de Janeiro, um ato no Largo dos Bancários e seguiu em passeata até a sede da Caixa Econômica Federal, também na Avenida Rio Branco, a cerca de 500 metros do local. Os bancários deram um abraço simbólico no prédio, aos gritos de “A Caixa é nossa” e “Fora Temer”. O ato terminou ao som do Hino Nacional.
De acordo com um dos integrantes do comando de greve, Otacílio Ramalho, funcionário da Caixa, a oferta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) de reajuste de 7% e abono de R$ 3 mil é insuficiente para repor as perdas da categoria.
“A proposta que eles fizeram foi 7% de reajuste com abono de R$ 3 mil, o que é absolutamente insuficiente. Só a inflação no último período foi de 9,62%. Além disso, o lucro dos bancos no primeiro semestre foi de R$ 30 milhões, só os cinco maiores bancos do país. Eles agora estão querendo fazer um acordo de dois anos, ou seja, não querem que os bancários lutem no ano que vem para enfrentar toda sorte de ataques contra a gente”.
Ramalho classificou o dia de hoje como “histórico” para a mobilização, pois, segundo ele, 90% dos funcionários da Caixa no Rio de Janeiro aderiram à greve. “Há um ataque profundo que está sendo feito, não só com a exigência das metas, que são absurdas, colocadas para as agências cumprirem. A empresa também mudou o normativo interno de recursos humanos, RH 184, que retira direitos antigos que a gente tinha, como a incorporação da função depois de 10 anos de trabalho, a retirada à revelia, sem qualquer motivo", disse.
A pauta de reivindicação dos bancários inclui 9,62% de reajuste e PLR (Participação nos Lucros e Resultados) no limite de três salários mais o limite escalonado de acordo com as funções. “Estamos querendo na Caixa a reposição das perdas, que chega a 60% dos salários calculados desde a implantação do Plano Real. Revogação da medida RH 184, isonomia dos direitos dos bancários de bancos públicos. Os que entraram a partir de 1998 não têm os mesmos direitos dos mais antigos”, disse Ramalho.
A proposta mais recente da Federação Nacional de Bancos (Fenaban) é do dia 28 de setembro, quando foi apresentado reajuste de 7% e um abono de R$ 3,5 mil, com aumento real de 0,5% para 2017.
De acordo com o funcionário da Caixa, uma reunião de negociação nacional com os bancos está marcada para o fim da tarde de hoje e, à noite, haverá outra reunião com a Caixa, quando deve ser apresentada nova proposta patronal. Se houver nova proposta, a categoria fará assembleia amanhã (6) para decidir os rumos da greve.
Fonte - Agência Brasil  05/10/2016

Imóveis do Centro Histórico de Salvador ganham novo colorido

Desenvolvimento Urbano

Diariamente, engenheiros, técnicos, pedreiros, pintores e auxiliares se revezam na missão de dar um novo colorido aos imóveis e preservar o patrimônio cultural da região. “As intervenções fazem parte da manutenção que realizamos rotineiramente no Centro Histórico de Salvador e compreende, além da pintura, a reforma de telhados, praças, paisagismo e recuperação do pavimento

Da Redação
foto - Ascom/Dircas
A Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder), por meio da Diretoria do Centro Antigo de Salvador (Dircas), segue com as obras de reparo e manutenção das vias do Centro Histórico. Os trabalhos se concentram nas ruas Gregório de Matos e João de Deus, no Pelourinho. Nesta área, estão sendo realizadas pinturas das fachadas dos imóveis e a reforma da Praça do Artesanato.
Diariamente, engenheiros, técnicos, pedreiros, pintores e auxiliares se revezam na missão de dar um novo colorido aos imóveis e preservar o patrimônio cultural da região. “As intervenções fazem parte da manutenção que realizamos rotineiramente no Centro Histórico de Salvador e compreende, além da pintura, a reforma de telhados, praças, paisagismo e recuperação do pavimento”, explica o superintendente Operacional da Dircas/Conder, Milton Melo.
As antigas edificações existentes nesta região da cidade são importantes marcos históricos e, para a preservação, é fundamental o trabalho de conservação de fachadas, uma vez que estão sujeitas à uma série de patologias causadas pela umidade proveniente da exposição à chuva e ao sol, provocando danos à pintura. “Estamos desenvolvendo nossas ações na recuperação por blocos de casas, assim mantemos as obras concentradas na mesma região, facilitando a logística dos serviços e minimizando os transtornos para a população”, afirma Milton Melo.

Consultoria
Três casarões na área do Centro Histórico de Salvador estão sendo submetidos a ensaios para identificar o material e a técnica mais indicados para o reboco do imóvel e, posteriormente, qual o tipo de tinta mais apropriado para a pintura. A Conder segue as orientações de uma equipe especialista em restauro e conservação, que elaborou um estudo sobre os materiais e componentes para indicar qual revestimento mais apropriado para as fachadas antigas e, assim, garantir o máximo de eficiência e durabilidade.
“Os revestimentos de paredes, pela sua grande exposição às ações externas e pelo seu papel de proteção de alvenarias, são os elementos construtivos mais atingidos pela degradação e são, portanto, os mais frequentemente abrangidos nas intervenções”, explica Milton Melo. Esses imóveis serão avaliados periodicamente para que seja verificada a eficiência da nova técnica.
Com informações da Secom Ba.  06/10/2016

Governo da França cria plano para manter industria ferroviária funcionando em Belfort

Transportes sobre trilhos

O plano.que visa manter em funcionamento a industria ferroviária e os empregos em Belfort,foi revelado pelo secretário de Estado francês para indústria Christophe Sirugue e pela Alstom.O plano foi desenvolvido após o anúncio da Alstom em 7 de Setembro,da sua intenção de encerrar a produção de locomotivas em sua planta de Belfort até o final de 2018,transferindo o trabalho de montagem para sua fábrica em Reichshoffen

Da Redação
foto - Railway Gazette
França - Esta no centro de um plano de resgate,um programa de diversificação de longo prazo para preservar a fabricação de veículos ferroviários e atividade industrial localizada em Belfort.O plano.que visa manter em funcionamento a industria ferroviária e os empregos locais,foi revelado pelo secretário de Estado francês para indústria Christophe Sirugue e pela Alstom.
O plano foi desenvolvido após o anúncio da Alstom em 7 de Setembro,da sua intenção de encerrar a produção de locomotivas em sua planta de Belfort até o final de 2018,transferindo o trabalho de montagem para sua fábrica em Reichshoffen,deixando apenas um pequeno negócio de manutenção em Belfort. Esse anúncio provocou uma reação furiosa de políticos locais e representantes sindicais,e levou a uma série de negociações entre a Alstom e o governo francês,com vista a manutenção dos empregos em Belfort.
A operadora ferroviária SNCF,já encomendou seis (06) TGVs para a linha entre Paris(França) e Milano(Itália) e mais 20 locomotivas para o trabalho de resgate e outras funções de suporte operacional.O governo francês também encomendou mais 15 TGVs (trens de alta velocidade Euroduplex) para uma linha intercidades (Bordeaux,Marseille,Toulouse e Perpignan).
A Alstom se compromete a investir € 30m em Belfort,onde trabalham mais de 400 pessoas,ao longo dos próximos dois anos para apoiar o desenvolvimento do "TGV do futuro",e uma nova locomotiva híbrida ou a diesel para operações de manobras,que seria bem adaptada às necessidades do mercado.
Este plano,que foi construído através de um diálogo entre todas as partes interessadas,trará soluções para a questão da carga de trabalho e perspectivas de longo prazo para o local,Belfort", disse o ministro das Finanças Michel Sapin.Ele se enquadra dentro de uma abordagem que visa defender e promover a indústria ferroviária francesa.
Com informações da Railway Gazette 05/10/2016

Pedidos de recuperação judicial batem recorde em setembro, diz Serasa

Economia

Entre janeiro e setembro deste ano, 1.405 pedidos de falência foram requeridos no país, o que representou aumento de 6% em relação ao mesmo período do ano passado.No acumulado de janeiro a setembro deste ano, o crescimento foi de 62%, com 1.479 ocorrências, enquanto, no mesmo período do ano passado, foram 913 requerimentos. 

Elaine Patricia Cruz
Repórter da Agência Brasil

foto - ilustração
No mês passado, o número de pedidos de recuperação judicial bateram o recorde histórico para meses de setembro, desde 2005, alcançando o total de 244 requerimentos. Segundo o Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações, divulgado hoje (5), houve aumento de 66% em comparação com setembro de 2015, mês em que o número de requerimentos somou 147 pedidos.
No acumulado de janeiro a setembro deste ano, o crescimento foi de 62%, com 1.479 ocorrências, enquanto, no mesmo período do ano passado, foram 913 requerimentos. A maior parte dos requerimentos de recuperação judicial foi feita por micro e pequenas empresas (917), seguidas pelas de porte médio (357) e as grandes empresas (205).
Para os economistas da Serasa Experian, o recorde atingido pelos pedidos de recuperação judicial em setembro “revela a gravidade da situação financeira das empresas brasileiras, especialmente a das micro e pequenas empresas”.
“Enfrentando prolongada recessão, que deteriora o fluxo de caixa, combinada com adversas condições creditícias – juros altos e restrições de acesso – [as empresas] acabam tendo que recorrer ao instrumento da recuperação judicial como mecanismo de sobrevivência”, disseram os economistas.

Falências
Entre janeiro e setembro deste ano, 1.405 pedidos de falência foram requeridos no país, o que representou aumento de 6% em relação ao mesmo período do ano passado. Desse total, 740 pedidos foram de micro e pequenas empresas.Fonte - Agência Brasil  05/10/2016

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Teori Zavascki critica Ministério Público e "espetacularização" em denúncia contra Lula

Política

Nós todos tivemos a oportunidade de verificar um espetáculo midiático com forte divulgação que se fez lá em Curitiba, não com a participação do juiz, mas do Ministério Público Federal e da Polícia Federal. Se deu notícia sobre organização criminosa colocando o presidente Lula como o líder dessa organização criminosa dando a impressão, sim, de que se estaria investigando essa organização criminosa. Mas aquilo que foi objeto do oferecimento da denúncia, efetivamente, não foi nada disso”, disse Teori Zavascki.

Michèlle Canes e Ivan Richard
Repórteres da Agência Brasil

Ag.Brasil
O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), criticou hoje (4) a atuação do Ministério Público Federal (MPF) no dia em que foi apresentada a denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Durante a sessão da Segunda Turma do STF, que julgou um recurso da defesa de Lula, Teori considerou que houve “espetacularização” no episódio.
“Nós todos tivemos a oportunidade de verificar um espetáculo midiático com forte divulgação que se fez lá em Curitiba, não com a participação do juiz, mas do Ministério Público Federal e da Polícia Federal. Se deu notícia sobre organização criminosa colocando o presidente Lula como o líder dessa organização criminosa dando a impressão, sim, de que se estaria investigando essa organização criminosa. Mas aquilo que foi objeto do oferecimento da denúncia, efetivamente, não foi nada disso”, disse Teori Zavascki.
Para o ministro, a postura do MPF não foi compatível com a seriedade exigida do órgão. “Houve esse descompasso. Essa espetacularização do episódio não é compatível nem com aquilo que foi objeto da denúncia nem parece compatível com a seriedade que se exige na apuração desses fatos”.
Apesar de criticar a atuação do MPF, o ministro negou o recurso da defesa do ex-presidente. O voto do relator foi acompanhado pelos demais membros da turma. No mês passado, Zavascki já havia negado o pedido feito pela defesa de Lula para que fossem suspensas as investigações contra ele que estão em Curitiba, com o juiz federal Sergio Moro, da Justiça Federal do Paraná, e que as ações fossem remetidas ao Supremo.
Apesar da decisão monocrática, Teori decidiu levar o caso para análise da Segunda Turma.
A defesa questiona a competência de Moro para conduzir três inquéritos contra o ex-presidente no âmbito da Operação Lava Jato e alega que os fatos investigados são os mesmos apurados pelo STF em outro inquérito contra Lula.
Para Teori, muitas das ações relacionadas à Operação Lava Jato têm relação com um dos inquéritos que tramitam na Corte. O ministro lembrou ainda que o STF definiu que só tramitariam na Corte ações de pessoas com foro privilegiado.
“Se fez desde o início dessa investigação da Lava Jato, claro, de se manter aqui apenas aquilo que diz respeito fundamentalmente a pessoas com prerrogativa de foro e, na medida do possível, é o que se está fazendo”, disse Teori.
Fonte - Agência Brasil  04/10/2016

Sky Train está sendo testado em Chengdu

Transportes sobre trilhos

Desenvolvido em conjunto com a Southwest Jiaotong University de Chengdu, o monotrilho suspenso foi projetado para uso em pequenas cidades e lugares pitorescos.

Da Redação
foto - Xinhua/Railway Gazette
O Sky Train,um monotrilho suspenso desenvolvido pela Nanjing Puzhen,subsidiária da chinesa CRRC,começou a ser testado em 30 de setembro numa pista apropriada de 300m em Chengdu.
Desenvolvido em conjunto com a Southwest Jiaotong University de Chengdu, o monotrilho suspenso foi projetado para uso em pequenas cidades e lugares pitorescos.O designer-chefe Zhai Wanming estima que o custo por km da Sky Train sera muito mais barato que o de uma linha de metrô subterrâneo.
A composição protótipo foi apresentada em Nanjing em 10 de setembro.Seu design é inspirado no urso panda gigante,que é nativo da província de Sichuan da qual Chengdu é a capital. O conjunto de dois carros é alimentado por baterias de lítio,que são recarregadas durante as paradas nas estações,e a velocidade máxima será de 60 km / h. Cada carro tem capacidade para 120 passageiros e está equipado com duas portas duplas de cada lado.
A pista de testes deverá ser aumentada para 1.2 km,e a execução dos serviços públicos deverá começar no próximo ano.
Com informações da Railway Gazette  04/10/2016

Fraudes em empresas de SP podem superar R$ 8 bilhões em evasão de divisas

Economia

Segundo a Receita, esses contribuintes estariam se utilizando de empresas de fachada - situadas em paraísos fiscais - para refaturar mercadorias que deixaram o país com seu valor real reduzido de forma artificial, permitindo que valores que deveriam retornar ao Brasil sejam desviados para outros países. A Receita Federal diz que apura fortes indícios de que esse venha sendo um dos principais mecanismos para a fuga ilegal de capitais do país.

Da Agência Brasil
foto - ilustração
A Receita Federal iniciou uma série de fiscalizações em empresas exportadoras do estado de São Paulo,suspeitas de evasão de divisas do Brasil, informou hoje (4) o órgão. A estimativa é que os autos de infração alcancem valores superiores a R$ 8 bilhões.
Segundo a Receita, esses contribuintes estariam se utilizando de empresas de fachada - situadas em paraísos fiscais - para refaturar mercadorias que deixaram o país com seu valor real reduzido de forma artificial, permitindo que valores que deveriam retornar ao Brasil sejam desviados para outros países. A Receita Federal diz que apura fortes indícios de que esse venha sendo um dos principais mecanismos para a fuga ilegal de capitais do país.
A Receita explicou que a refaturadora é uma empresa sem atividade operacional que se presta exclusivamente a faturar mercadoria que não recebeu acrescendo à nova fatura, valor que não foi atribuído à mercadoria em sua saída do país. Por exemplo, uma mercadoria faturada por 100 tem sua fatura indicando como comprador a refaturadora, que emite nova fatura para a mesma mercadoria com valor de 200. No caso concreto, diz a Receita, são empresas de fachada situadas em paraísos fiscais e vinculadas ao exportador brasileiro (mesmo sócio ou mesmo grupo econômico).

Fraude causa queda no recolhimento de impostos
Para a Receita Federal, o mecanismo também se presta a diminuir de forma indevida a receita das empresas que se utilizam dessa fraude. Com a receita reduzida, diminui também a base de cálculo do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL), tributos que incidem sobre o lucro das empresas exportadoras.
Além disso, as legislações que tratam da tributação de lucros no exterior e preço de transferência, construídas para aplicação em transações reais e de boa-fé, têm sua eficácia bastante prejudicada pela artificialidade do esquema, segundo a auditora fiscal Márcia Meng, delegada da Delegacia Especial de Maiores Contribuintes de São Paulo.
Já foram identificadas várias empresas brasileiras que, ao exportar, se utilizam desse tipo de fraude e, por isso, serão investigadas nos próximos meses. Caso as irregularidades e fraudes sejam comprovadas, as empresas serão autuadas, com cobrança de impostos devidos - acrescidos de multas e juros - e das demais penalidades administrativas cabíveis.
Conforme o caso, as empresas e seus administradores também poderão ficar sujeitos a sanções no âmbito penal pelos crimes de sonegação fiscal, falsidade ideológica, evasão de divisas e lavagem de dinheiro, explicou a Receita Federal.
Fonte - Agência Brasil  04/10/2016

Movimento tranquilo no sistema Ferry-Boat nesta terça (04) na travessia entre Salvador e Itaparica

Travessia Marítima

Movimento no sistema Ferry-Boat segue tranquilo nesta terça (04) nos terminais de São Joaquim e Bom Despacho.Quatro ferries estão operando hoje na travessia entre Salvador e Itaparica

Da Redação
foto - ilustração/arquivo
Nesssa terça feira (04) o sistema Ferry-Boat,opera com movimento tranquilo em Bom Despacho e São Joaquim. Quatro embarcações, o Anna Nery, Rio Paraguaçu, Pinheiro e Agenor Gordilho realizam a travessia entre Salvador e a ilha de Itaparica em horários regulares (de hora em hora). Viagens extras podem ocorrer caso haja um aumento na demanda durante o dia.O s usuários do sistema poderão adquirir as passagens nos terminais com pagamentos feitos por cartões de crédito, débito ou em dinheiro.
Quem desejar verificar a disponibilidade de vagas para o serviço de Hora Marcada (exclusivo aos condutores de veículos),poderá faze-lo acessando o site -portalsits.internacionaltravessias.- O pagamento para este tipo de serviço pode ser feito através de cartões de débito ou crédito.
Uma Central de Atendimento (CAC),funciona no Terminal São Joaquim de segunda a sexta, das 8h às 18h, e aos sábados, das 7h às 13h
Contatos - Tel 071 3032-0475 ou pelo ecac@internacionaltravessias.com.br
Com informações da ITS  04/10/2016

Bancários,após assembleia decidem manter greve

Greve/Bancos

Os trabalhadores, em assembleia realizada hoje, cobraram dos bancos uma proposta condizente aos seus altos lucros. Não vamos aceitar proposta rebaixada e queremos o fim das demissões”, disse Juvandia Moreira, presidenta do sindicato.

Elaine Patricia Cruz
Repórter da Agência Brasil

foto - ilustração
A greve dos bancários continua, segundo decisão tomada em assembleia feita hoje (3), em São Paulo, informou o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. Nesta segunda, a paralisação completou 28 dias.
“Os trabalhadores, em assembleia realizada hoje, cobraram dos bancos uma proposta condizente aos seus altos lucros. Não vamos aceitar proposta rebaixada e queremos o fim das demissões”, disse Juvandia Moreira, presidenta do sindicato.
Segundo o sindicato, oito centros administrativos e 804 agências bancárias, localizadas nas cidades-base do sindicato, estão paradas. O sindicato estima que mais de 28 mil trabalhadores participam da paralisação.
A última proposta apresentada pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) foi, segundo os bancários, no dia 28 de setembro, quando foi proposto reajuste de 7% e um abono de R$ 3,5 mil, com aumento real de 0,5% para 2017. Os bancários, no entanto, pedem reajuste de 14,78%, sendo 5% de aumento real.
Fonte - Agência Brasil  04/10/2016

Curitiba recebe três propostas para redes de transportes não poluentes

Mobilidade

Curitiba recebeu na sexta-feira, 30 de setembro de 2016, três propostas de redes de transportes limpos no âmbito da PMI – Pesquisa de Manifestação de Interesse lançada em maio pelo poder público municipal.

Adamo Bazani* - Ponto de Ônibus
Ônibus elétrico foi testado entre Curitiba e Fazenda Rio Grande
 na região Metropolitana. Também há testes somente na capital 
de outros modelos. foto - Divulgação COMEC
Enquanto cidades como São Paulo ainda não introduzem marcos regulatórios consistentes e que podem ser cumpridos de fato para deixar os transportes por ônibus menos poluentes, a prefeitura de Curitiba recebeu nesta sexta-feira, 30 de setembro de 2016, três propostas de redes de transportes limpos no âmbito da PMI – Pesquisa de Manifestação de Interesse lançada em maio pelo poder público municipal.
Havia a expectativa de propostas de VLTs – Veículos Leves sobre Trilhos, no entanto, todas os três projetos envolvem soluções para modernizar os transportes sobre pneus na capital paranaense.
Além da implantação dos sistemas de transportes, os projetos também levaram em consideração custos de operação, modelos de contrato, integração com a Região Metropolitana e estimativa de crescimento populacional para os modais não nascerem saturados. Até o final do ano, a prefeitura de Curitiba deve lançar um edital para escolher essas propostas. Outros projetos poderão ser enviados.

Confira cada uma delas:

VLP – Veículo Leve sobre Pneus
Uma delas diz respeito ao VLP – Veículo Leve sobre Pneus, sugerido pelo consórcio das empresas JMaluceli Construtora, M4 Consultoria e Pontoon Participações.
A tecnologia proposta deve ser da empresa francesa NTL, que e já administra sistemas semelhantes em cidades como, Paris na França; Medellín, na Colômbia; e Xangai, na China.
O trajeto seria o mesmo do BRT da cidade e haveria rede elétrica aérea. Os veículos teriam capacidade para 358 passageiros. O projeto teve base a tarifa técnica atual de R$ 3,66, com uma média de 8 a 12 mil passageiros hora sentido nos horários de pico. Mas o sistema teria muita margem para expansão, defende o consórcio. Foi considerada uma taxa de crescimento de 1,36% por ano na demanda de passageiros, tendo como base a taxa de crescimento da população da região metropolitana de Curitiba.
City Vehicles Interconnectd (Civi)/BRT 2.0
A outra proposta é do consórcio formado pela Nórdica Volvo (resentante da rede de vendas de veículos pesados da Volvo no Paraná), pela Cesbe Engenharia (construtora paranaense que atua em projetos de infraestrutura) e pela Associação Metrocard (que reúne as empresas de ônibus da região metropolitana de Curitiba).
Chamada de City Vehicles Interconnectd (Civi) ou ainda o BRT 2.0, é mais abrangente de todas do ponto de vista territorial porque, além de envolver os quatro trechos sugeridos pela prefeitura, também leva em consideração o eixo Norte-Sul e engloba parte da Região Metropolitana.
Seriam ônibus articulados e híbridos, cujo motor a combustão já estaria baseada nas normas Euro 6 de restrição à poluição, além do motor elétrico.
O sistema teria 300 novas estações. Todas elas seriam conectadas por fibra ótica, haveria monitoramento por câmera em todo o sistema e informações disponíveis em tempo real, usando painéis, internet e aplicativos. A pavimentação seria feita de concreto, haveria pontos de ultrapassagem e a velocidade operacional poderia subir em cerca de 50 % ultrapassando a de um VLT por causa da eficiência operacional, garantem os idealizadores. O custo por quilômetro seria de R$ 27 milhões, sendo dois terços para infraestrutura e um terço para compra dos veículos. A tarifa média estimada é de R$ 3,80, se estive em operação hoje. Seriam requalificados 106 quilômetros de vias exclusivas para ônibus. Também foi levada em consideração a taxa de crescimento da população de Curitiba. A chamada Linha Verde poderia pular, dentro das estimativas de crescimento populacional, dos atuais 31 mil passageiros por dia para 120 mil passageiros por dia. O modelo proposto de contrato seria uma PPP – Parceria Público-Privada.
Cooperativa de Ônibus Elétricos:
Já a Sociedade Peatonal, representada pelo engenheiro André Caon, propõe ônibus elétricos com baterias no trajeto entre a CIC e o Parque da Imigração Japonesa.
Foi usado como base o modelo de negócio da empresa chinesa BYD, que testou ônibus elétricos em Curitiba e, pela Leblon Transporte, na região metropolitana, pelo qual o ônibus seria adquirido, mas a baterias seriam financiadas. Isso, segundo o projeto, faria o investimento inicial cair de R$ 45 milhões para R$ 12,7 milhões.
O investimento seria privado e o retorno para o investidor, como lucro livre, seria de R$ 5 milhões.
Um dos diferenciais é que o projeto prevê uma cooperativa de trabalhadores de transportes para operação. A sociedade também levou em conta a possibilidade de tarifa zero na linha, desde que houvesse a Cide Municipal, imposto sobre as vendas dos combustíveis direcionados para este sistema.
Agora a prefeitura de Curitiba vai analisar essas propostas e comparar com os resultados da pesquisa de origem e destino que devem ficar prontos até o final do ano.
Após o procedimento, será lançado o edital para a implantação do sistema escolhido, prevê administração municipal.
Na licitação, mais propostas de outros grupos ou consórcios podem ser apresentadas.
*Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes
Fonte - Blog Ponto de Ônibus  03/10/2016

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Transito sofrerá alterações nas regiões da Av.Tacredo Neves,Av.Paralela e do Aeroporto,para obras da linha 2 do Metrô de Salvador

Mobilidade

Av. Tancredo Neves terá interdição parcial para retirada de passarela.Faixas de trânsito são interditadas na Av. Paralela e na região do Aeroporto.As intervenções acontecem sempre mantendo uma faixa livre para o tráfego. 

Da Redação
foto - CCR
A CCR Metrô Bahia e o Consórcio Mobilidade Bahia informam que, dando seguimento à obra da Linha 2 do Metrô de Salvador, realizarão a interdição parcial na Avenida Tancredo Neves, fechando as faixas que dão acesso direto à Av. Paralela, entre meia-noite de terça-feira (04/10) e 05h de quarta-feira (05/10). O bloqueio será colocado na região em frente ao Centro Empresarial Iguatemi, desviando os veículos para as faixas à direita, que dão acesso ao trecho da avenida onde fica a Casa do Comércio. Para acessar a Paralela, basta seguir à esquerda na Tancredo Neves e virar à direita na altura do Salvador Shopping.
Outras alterações serão realizadas também no início da Av. Paralela e na região do Aeroporto, entre meia-noite de quarta-feira (05/10) e 05h de quinta-feira (06/10).

foto - CCR
Sempre mantendo uma faixa livre para o tráfego, as intervenções acontecem nos pontos seguintes:
- Início da Paralela (Av. Luís Viana Filho), no sentido Aeroporto, terá interdição de três faixas ao longo de aproximadamente 300 metros de extensão. Motivada pelo lançamento de um tramo da nova passarela de acesso ao Hospital Sarah Kubitschek, a interdição ocorre nas proximidades do hospital.
- Três faixas de trânsito serão interditadas na Estrada do Coco (BA-099), no sentido Salvador. Motivada pela retirada de um pórtico, a interdição será feita logo após a entrada da via de acesso ao Jardim das Margaridas.
Com informações da CCR Metrô Bahia  03/10/2016

As Cameratas da Orquestra Sinfônica da Bahia promovem música de concerto em apresentações gratuitas

Arte&Cultura

 Nesta terça-feira (4), às 16h30, o sexteto Opus Lúmen apresenta mais um concerto pelo projeto ‘Terças Musicais’, no Museu Geológico da Bahia (corredor da Vitória), em Salvador.

Da Redação
foto -  Maurício Serra
As Cameratas da Orquestra Sinfônica da Bahia (Osba) realizam novos concertos no mês de outubro em espaços alternativos de Salvador. Nesta terça-feira (4), às 16h30, o sexteto Opus Lúmen apresenta mais um concerto pelo projeto ‘Terças Musicais’, no Museu Geológico da Bahia (corredor da Vitória), em Salvador.
Além do Quadro Solar e do Opus Lumen, o Projeto Cameratas é desenvolvido também pelos conjuntos Quarteto Novo e Bahia Cordas e tem o objetivo de promover a formação de plateias, difundindo a música de concerto - os grandes mestres, épocas e estilos, focalizando ainda os compositores brasileiros, como Villa-Lobos, Ernesto Nazareth, Pixinguinha, Tom Jobim, entre outros. As apresentações são gratuitas.
A Osba tem como curador artístico o maestro Carlos Prazeres e é mantida pela Secretaria de Cultura do Estado (Secult-BA), por meio da Fundação Cultural (Funceb) e do Teatro Castro Alves. O público também pode assistir aos ensaios abertos das Cameratas no Piso B, Sala Naipe 02, Ala B do TCA, que disponibiliza no seu site a programação completa dos concertos.
Com informações da Secom Ba. 03/10/2016

China tenta expulsar EUA da América Latina e controlar novo 'canal do Panamá'

Internacional

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, começou hoje (3) sua visita à América Latina. Ele visitará o Equador, o Peru, a Bolívia e a Colômbia.A missão de Wang Yi, aparentemente, consiste em assegurar as posições e a influência da China na América Latina. Além disso, os EUA tentam expulsar a China da região.

Sputnik
foto - ilustração
Estes países se destacam na Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) e são parceiros-chave da China na região.
Mais antes, o ministro das Relações Exteriores do Equador, Guillaume Long, disse que a visita de tal nível será a primeira na história deste país. O chefe da diplomacia equatoriana destacou que isso é uma "caraterística de relações cada vez mais estreitas" entre os dois países, que criam "amplas oportunidades para promover as exportações equatorianas". A América Latina considera de forma cautelosa a desaceleração do ritmo de crescimento da economia chinesa, pensando que esta pode ser um obstáculo para as suas exportações. É por isso que se espera que o apoio chinês ao crescimento econômico seja o tema principal da visita do ministro chinês.
O Peru, ao invés do Equador, recebe as autoridades chinesas de forma frequente. Uma visita ao país do presidente chinês Xi Jinping está marcada para novembro. Ele participará dos eventos em homenagem ao 45º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas entre os dois países e do encontro não formal dos ministros da economia da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC).
Em setembro, o presidente peruano, Pedro Pablo Kuczynski, visitou Pequim para acordar investimentos e atingiu seu objetivo, inclusive em relação à construção de ferrovias. No ano passado, os dois países acordaram que Peru se juntará ao projeto de construção da ferrovia através da América do Sul que ligará o litoral do Pacífico no Peru com o litoral atlântico do Brasil. Hoje, os três países preparam um documento que servirá de base ao projeto. O custo do projeto será de $10 bilhões. Os analistas pensam que Wang Yi tenciona promover a construção da ferrovia porque esta tem grande importância estratégica para a China. A China obterá o controle sobre fluxos de carga do porto brasileiro de Acu até ao porto peruano de Ilo. Os especialistas chamam este projeto de alternativa ferroviária ao Canal de Panamá, que está sob controle dos EUA.
A missão de Wang Yi, aparentemente, consiste em assegurar as posições e a influência da China na América Latina. Além disso, os EUA tentam expulsar a China da região.
"Este cenário de isolamento da China está sendo desenvolvido há muito tempo à escala global. Para atingir isso os EUA elaboraram, nomeadamente, a Parceria Transpacífico. Os norte-americanos estão muito preocupados com a crescente influência da China na América Latina", disse o vice-diretor do Instituto da América Latina da Academia de Ciências da Rússia, Boris Martynov, à Sputnik China. Para não perder sua influência na América Latina, os EUA lançam novas iniciativas, uma das quais é restaurar as relações diplomáticas com Cuba. Agora os EUA devem escolher o que fazer – abandonar o continente ou conter suas ambições na competição com a China. "O que agora a China está fazendo na América Latina, está fazendo partindo dos seus interesses. É uma política absolutamente pragmática que faz honra à China."
Fonte - Sputnik  03/10/2016