sábado, 7 de maio de 2016

Começa a Onda Global de ações pedindo liberdade dos combustíveis fósseis

Meio ambiente

Maior momento de desobediência civil na história do movimento ambiental.Uma onda global de ações pacíficas com duração de 12 dias atingirá seis continentes até o dia 15 de maio, tendo como alvo os mais perigosos projetos de combustíveis fósseis do mundo, sob o mote da liberdade.

Revista Amazônia

2015 foi o ano mais quente já registrado e os impactos das mudanças climáticas já estão atingindo inúmeras comunidades ao redor do mundo. Da elevação do nível do mar a tempestades extremas, a necessidade de agir sobre as mudanças climáticas nunca foi tão urgente. Some-se a isso o fato de que o setor de combustíveis fósseis enfrenta uma crise sem precedentes – preços em colapso, desinvestimentos maciços, um novo acordo climático global e um movimento crescente pedindo mudança. O clima nunca foi melhor para uma transição justa para um sistema energético limpo.
Para aproveitar o momento, ativistas e cidadãos interessados e comprometidos com o combate às mudanças climáticas – de grupos internacionais até comunidades locais e cidadãos individuais – irão se unir para assegurar que uma forte pressão seja mantida para forçar os fornecedores de energia, bem como os governos locais e nacionais, a implementar as políticas e investimentos adicionais necessários para libertar o mundo dos combustíveis fósseis.
Pessoas do mundo inteiro estão assumindo a necessária liderança, intensificando ações através de uma desobediência civil pacífica em escala global já que ainda há muito a ser feito para diminuir os efeitos da crise climática. Isso inclui exigir que os governos mexam-se após os compromissos assumidos no âmbito do acordo de Paris, assinado no mês passado.
A fim de equacionar a crise climática atual e manter o aquecimento global abaixo de 1.5C, os projetos de combustíveis fósseis precisam ser arquivados e a infra-estrutura existente precisa ser substituída agora que a energia renovável é mais acessível e difundida do que nunca. A única maneira de se conseguir isso é manter o carvão, petróleo e gás no chão e acelerar a mudança para energias 100% renováveis. Durante o Liberte-se, pessoas de todo o mundo estão se manifestando para para garantir que este seja o caso.

Ações que ocorrerão entre 3 e 15 de maio:

Brasil: as ações acontecerão em 3 locais. Entre 5 e 15 de maio, haverá uma feira rural em Maringá (PR), que incluirá um grande comício no dia 6 pedindo a proibição do fracking. Em 7 de maio, em Toledo (PR), haverá uma ação massiva anti-fracking com milhares de pessoas presentes. E no dia 14 de maio haverá uma marcha de desobediência civil tendo por alvo uma usina de carvão em Pecém (CE).

África do Sul: duas ações serão realizadas, cada um com centenas de pessoas destacando os impactos locais do carvão e as alterações climáticas. A primeira, em 12 de maio, vai reunir pessoas em Emalahleni Witbank, uma das cidades mais poluídas do mundo, para falar sobre os efeitos das mudanças climáticas. A segunda, em 14 de Maio, está focada na residência dos Gupta em Saxonwold, Johannesburg.

Alemanha: durante o fim de semana de 13-15 de Maio, alguns milhares de ativistas devem se reunir em Lusatia, onde irão se envolver em um ação de desobediência civil para parar a escavação de uma das maiores minas de lenhite a céu aberto da Europa, que a empresa sueca Vattenfall colocou à venda. A ação irá mostrar a eventuais futuros compradores que qualquer investimento em carvão enfrentará resistência e demonstrará o compromisso do movimento contra as empresas de combustíveis fósseis.

Austrália: em 8 de Maio, mais de 600 pessoas vão se reunir no maior porto de carvão do mundo, em Newcastle. Elas irão demonstrar sua vontade de tornar o clima em uma questão-chave nas próximas eleições e mostrar sua determinação em continuar resistindo ao carvão, independente de quem esteja na cadeira de primeiro-ministro.

Canadá: nos dias 13 e 14 de maio, centenas de pessoas vão promover ações em terra e na água em Vancouver para mostrar sua oposição ao projeto do oleoduto Kinder Morgan Transmountain de areias betuminosas nos arredores do terminal de Westridge Marinha.

Equador: uma ação está sendo organizada em 14 de maio por Yasunidos, aproximando pessoas de todo o país com uma chamada para manter o óleo no chão e proteger o Parque Nacional Yasuní.

Estados Unidos: em todo o país, ativistas dos EUA terão como alvo seis áreas-chave do desenvolvimento dos combustíveis fósseis entre 12-15 maio. Esses alvos incluem os novos gasodutos de combustíveis extraídos das areias betuminosas no Centro-Oeste, em ação perto de Chicago; fracking na Mountain West, com um evento nos arredores de Denver; ‘trens bomba’ que transportam petróleo e gás de fracionamento hidráulico para um porto em Albany, NY; a devastadora poluição da refinaria da Shell e Tesoro ao norte de Seattle; ação em torno de perfuração offshore na costa do Ártico, Atlântico e do Golfo, a ser realizada em Washington, DC; e a perigosa perfuração de óleo e gás em Los Angeles.

Filipinas: em 4 de maio, ativistas anti-carvão de todas as Filipinas irão convergir em uma marcha climática que visa mobilizar 10.000 pessoas em Batangas City, onde a JG Summit Holdings pretende instalar uma usina movida a carvão de 600 megawatts que deverá ocupar uma área de 20 hectares em Barangay Pinamucan Ibaba, Batangas City. As pessoas exigirão o cancelamento dessa planta de carvão em Batangas, bem como todas as outras 27 usinas propostas nas Filipinas.

Indonésia: haverá uma ação em massa com milhares de pessoas no palácio presidencial em Jacarta em 11 de maio. Ela vai reunir participantes de muitas das comunidades que lideram a resistência a projetos de carvão em todo o país. A mobilização terá como alvo o presidente Joko Widodo, exigindo que ele reveja seu ambicioso plano de energia de 35.000 megawatts, afastando-se do carvão e aderindo às energias renováveis. Poucos dias depois, haverá uma ou mais ações nos locais dos projetos de infraestrutura de carvão.

Nigéria: as ações acontecerão em três locais emblemáticos do Delta do Níger para mostrar o que acontece quando o óleo acaba e à comunidade resta a poluição e nada da riqueza. Uma ação em terra Ogoni vai exigir uma limpeza urgente das décadas de vazamentos de petróleo e destacar como é possível que os cidadãos resistam ao poder das empresas de petróleo e mantenham-no no solo onde ele pertence. Outra ação será na costa do Atlântico, onde poços offshore da Exxon frequentemente vazam, impactando a pesca de impacto e prejudicando os meios de subsistência das comunidades do litoral.

Nova Zelândia: entre 4 e 15 de maio, centenas de pessoas em todo o país vão agir para encerrar as operações de um dos maiores investidores e credores da indústria de combustíveis fósseis, o banco ANZ. Haverá bloqueios, ações disruptivas e culturais de Norte a Sul.

Reino Unido: o Reclaim The Power reuniu centenas de pessoas no dia 3 de Maio na maior mina de carvão a céu aberto do Reino Unido – Ffos-y-fran, perto de Merthyr Tydfil, no sul de Gales. A ação aconteceu alguns dias antes das eleições para a Assembleia galesa, realizada em 5 de maio. O Assembleia de Gales votou a favor de uma moratória sobre a mineração de carvão a céu aberto em abril passado, mas isso ainda tem de se tornar juridicamente vinculativo.

Turquia: líderes comunitários conduzirão uma ação em massa em Aliağa no dia 15 de Maio, em um local de resíduos de carvão, para pedir um fim de 4 projetos de usinas movidas a combustíveis fósseis na área circundante. Esta ação irá unir várias campanhas contra usinas à carvão em uma posição unificada contra o atual plano do governo turco de expandir dramaticamente o uso de carvão no país.

REPERCUSSÃO:
“Ao apoiar campanhas e ações de massa que visam impedir os projetos de combustíveis fósseis mais perigosos do mundo – das usinas de carvão na Turquia e Filipinas, a minas na Alemanha e na Austrália até o fracking no Brasil e os poços de petróleo na Nigéria – o movimento Liberte-se dos Combustíveis Fósseis espera eliminar o poder e a poluição da indústria de combustíveis fósseis e impulsionar o mundo rumo a um futuro sustentável”,May Boeve, Diretora Executiva, 350.org
“Nunca houve uma onda maior e mais orquestrada de ações contra os planos da indústria de combustíveis fósseis para superaquecer nossa terra – e em prol do mundo justo, justo e sustentável que almejamos. No ano mais quente já registrado, nós estamos determinado a direcionar o calor político sobre os maiores poluidores do planeta”, Bill McKibben, co-fundador da 350.org
“As comunidades na linha de frente das mudanças climáticas não estão esperando pelos governos a agir. Elas estão tomando medidas ousadas e o mundo precisa ouvir. O Acordo de Paris só foi possível porque milhões de pessoas passaram anos lutando por justiça climática. Agora que os governos se comprometeram a agir, devemos nos certificar de que eles sigam a ciência e cumpram suas palavras. A única maneira de sobreviver às mudanças climáticas é através de uma transição justa e rápida para 100% de energias renováveis, mantendo petróleo, carvão e gás no subsolo”, Jennifer Morgan, diretora executiva do Greenpeace International
“Comunidades em todas as Filipinas estão exigindo que o governo cancele todos os planos, licenças e esforços para abrir novas usinas e minas de carvão nas Filipinas, e dão passos decisivos para a progressiva eliminação das já existentes. Precisamos tomar medidas importantes, a fim de nos libertarmos dos combustíveis fósseis e de todas as fontes de energia prejudiciais. A transição completa para as energias renováveis não é apenas possível, mas urgente”, Lidy Nacpil, coordenadora do Asian Peoples Movement on Debt and Development (APMDD) e Co-Coordenadora da Global Campaign to Demand Climate Justice
“Liberte-se dos Combustíveis Fósseis é um voto para a vida e para o planeta. O Acordo de Paris, assinada pelos líderes mundiais, ignora o fato de que a queima de combustíveis fósseis é o principal culpado no aquecimento global. Nestas ações, povos de todo o mundo insistirão que nós devemos nos livrar do vício dos combustíveis fósseis. Na Nigéria, vamos além, levantando nossas vozes para exigir uma limpeza da poluição extrema causada por companhias petrolíferas que operam no Delta do Níger”, Nnimmo Bassey, ativista nigeriano da Health of Mother Earth Foundation
“A humanidade está atualmente em uma encruzilhada onde precisa optar por continuar pelo caminho destrutivo da extração de combustíveis fósseis ou mudar para formas sustentáveis de vida. O que precisamos é de projetos de energias renováveis ambiciosos, não de mais oleodutos de areias betuminosas. Esses dutos não têm o apoio das comunidades locais e das nações indígenas que irão afetar. Se continuarmos a construir infra-estrutura para combustíveis fósseis, nós estaremos quebrando nossa promessa de fazer a nossa parte no Canadá para conter a crise climática global que já está sendo sentida pelas comunidades todos todo o planeta “, Melina Laboucan-Massimo, Lubicon Cree First Nation, ativista de cima e energia do Greenpeace Canadá membro do conselho da 350.org
“O movimento de justiça climática global está aumentando rapidamente. Mas os oceanos também. Assim como as temperaturas globais. Esta é uma corrida contra o tempo. Nosso movimento é mais forte do que nunca, mas para vencer as adversidades, temos que nos tornar ainda mais fortes”, Naomi Klein, premiado jornalista / autor
“O poder das pessoas em nossas cidades, nas nossas aldeias e na linha de frente das mudanças climáticas nos trouxeram a um ponto em que temos um acordo global do clima – mas não podemos parar agora, precisamos de mais ação e mais rapidamente. A sociedade civil está decidida a se levantar novamente para lutar por nossas sociedades e as libertar dos combustíveis fósseis, para levá-las ainda mais rapidamente rumo a um futuro movido por 100% de energias renováveis “, Wael Hmaidan, Diretor of Climate Action Network
“Usinas de combustíveis fósseis causam danos extremos para as comunidades e ecossistemas locais. Elas também são um perigo para o país e todo o planeta, uma vez que são um dos principais contribuintes para a mudanças climáticas. É imoral onerar as gerações futuras com o custo das escolhas energéticas equivocadas feitas hoje. É hora de acabar com a era dos combustíveis fósseis “, Dom Ramon Arguelles, Arcebispo da Arquidiocese de Lipa nas Filipinas
Fonte - Revista Amazônia  07/05/2016

Metroviários de Recife param em protesto neste domingo por falta de segurança

Transportes sobre trilhos

Treze trens da Linha Centro e 7 trens da Linha Sul ficarão sem circular. No total, 1930 trabalhadores fazem parte da categoria. Segundo o presidente do Sindicato dos Metroviários do Recife, Diogo Morais, a insegurança no Metrô do Recife foi agravada pela saída dos policiais ferroviários federais de suas funções e pelas brigas de torcidas. 

Diario de Pernambuco
foto - ilustração
Quem for usuário do metrô vai ter de procurar outro meio de transporte neste domingo. Os metroviários do Recife vão cruzar os braços em protesto contra a falta de segurança no sistema, agravada por atos de vandalismo e violência nos trens e estações em dia de jogos. Sport e Santa Cruz farão, a partir das 16h, a final do campeonato pernambucano.
Treze trens da Linha Centro e 7 trens da Linha Sul ficarão sem circular. No total, 1930 trabalhadores fazem parte da categoria. Segundo o presidente do Sindicato dos Metroviários do Recife, Diogo Morais, a insegurança no Metrô do Recife foi agravada pela saída dos policiais ferroviários federais de suas funções e pelas brigas de torcidas.
"É uma luta nossa para resolver um problema que afeta a sociedade como um todo. Queremos resguardar a integridade física dos funcionários, da população e do patrimônio público. Sempre que há atos de vandalismo em dias de jogos, a consequência no dia seguinte é a redução da frota de trens."
A decisão de parar no dia da "Final das Multidões" foi tomada durante assembleia da categoria na noite dessa sexta-feira. Na próxima terça-feira, dia 10, os metroviários vão parar novamente, em apoio a uma ação da Central Única de Trabalhadores (CUT) em todo o Brasil em protesto contra o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Alternativa
Os torcedores que quiserem ir à Ilha do Retiro de transporte público terão, a partir das 13h, dez ônibus a disposição. Os coletivos estarão distribuídos nos Terminais Integrados de Afogados (quatro), da PE-15 (cinco) e no Terminal de Rio Doce (um). Para voltar para casa, 13 ônibus sairão do Terminal Integrado Joana Bezerra.
Fonte - Diário de Pernambuco  07/05/2016

Biblioteca Pública do Estado celebra 205 anos com diálogo e concerto musical

Cultura

Vinculada à Fundação Pedro Calmon (FPC), a Biblioteca pretende reunir crianças, jovens e adultos para comemorar a data.Um dos destaques da programação é a exposição ‘Viagem a Timbuktu - Fotografias de Edmond Fortier - Da costa da Guiné às margens do Saara em 1906’, dedicada à obra do fotógrafo francês Edmond Fortier (1862-1928), que está aberta à visitação até o dia 22 de junho, junto a debates sobre a temática. 

Da Redação
Secom Ba.
Em celebração aos 205 anos de fundação, completados no próximo dia 13, a Biblioteca Pública do Estado da Bahia, localizada nos Barris, em Salvador, programa uma série de atividades para promover a interação de frequentadores da unidade em seus diversos setores. Vinculada à Fundação Pedro Calmon (FPC), a Biblioteca pretende reunir crianças, jovens e adultos para comemorar a data.
Um dos destaques da programação é a exposição ‘Viagem a Timbuktu - Fotografias de Edmond Fortier - Da costa da Guiné às margens do Saara em 1906’, dedicada à obra do fotógrafo francês Edmond Fortier (1862-1928), que está aberta à visitação até o dia 22 de junho, junto a debates sobre a temática.
Os próximos encontros estão marcados para segunda-feira (9), às 17h, com o professor honorário e fellow da Universidade de Birmingham (Inglaterra) Paulo Fernando de Moraes Farias, e no dia 11, no mesmo horário, com o mestre em História Social e especialista em História Africana Contemporânea, o touareg Mahfouz Ag Adnane.
Já no dia 13, às 15h, com o objetivo de ampliar a interação com os usuários, a Biblioteca promove o diálogo ‘Histórias e histórias da Biblioteca Pública - 205 anos’, com a presença das bibliotecárias Hildenise Novo e Henriete Gomes (ICI-UFBA), que vão abordar o tema ‘A biblioteconomia e a biblioteca pública’.
Para quem gosta de ouvir música popular brasileira, a Biblioteca recebe, no dia 19, o concerto do ‘Duo Radamés’, formado pelo flautista César Diniz e violonista Yuri Barreto. No repertório, compositores baianos e importantes autores do cenário nacional, como Paulo Costa Lima, Elomar Figueira Mello, além dos cariocas Heitor Villa-Lobos, Egberto Gismonti e do gaúcho Radamés Ganattali. Na ocasião, os músicos irão dialogar com a plateia para transmitir informações sobre os instrumentos, os compositores, as obras e estéticas envolvidas, a fim de fornecer ferramentas que favoreçam a apreciação musical aos ouvintes.

BPEB
A Biblioteca Pública do Estado da Bahia é a mais antiga da América Latina e a primeira biblioteca pública do Brasil. Atualmente possui um acervo de mais de 600 mil exemplares, distribuídos por diversos setores, como braille, infantil, pesquisa/referência, empréstimo, periódicos, obras raras e valiosas, documentação baiana, artes e audiovisual. Em 2015, cerca de 67 mil pessoas visitaram o espaço de leitura.
A unidade ainda desenvolve atividades culturais e acadêmicas, como orientação aos portadores de deficiência visual, orientação à pesquisa, lançamentos de livros, exibição de filmes, seminários, palestras, visitas guiadas, visitas técnicas, oficinas, exposições, apresentações teatrais, espetáculos musicais, contação de história, saraus e recitais.
Com informações da Secom Ba.  07/05/2016

Justiça do Rio determina interdição total da ciclovia Tim Maia

Ciclovia

Parte da ciclovia desabou após uma onda atingir a construção, causando a morte de duas pessoas que passavam no local.A decisão do juiz Marcelo Martins Evaristo da Silva, da 9ª Vara de Fazenda Pública da Capital, determinou que a prefeitura do Rio efetue a interdição total da ciclovia Tim Maia, que liga os bairros de São Conrado e Leblon, na zona sul

Douglas Corrêa
Repórter da Agência Brasil

Fernando Frazão/Agência Brasil
A Justiça do Rio determinou hoje (6) o fechamento total da ciclovia Tim Maia, em São Conrado, zona sul do Rio, onde, no dia 21 de abril, parte da estrutura de 20 metros desabou com a força das ondas, devido à ressaca do mar, e matou duas pessoas.
A decisão do juiz Marcelo Martins Evaristo da Silva, da 9ª Vara de Fazenda Pública da Capital, determinou que a prefeitura do Rio efetue a interdição total da ciclovia Tim Maia, que liga os bairros de São Conrado e Leblon, na zona sul. A medida vale até que seja juntado aos autos do processo o laudo que comprova a inexistência de risco de desabamento em outros pontos da pista.
No dia 21 de abril, parte da via desabou após uma onda atingir a construção, causando a morte de duas pessoas que passavam no local. Caso a decisão judicial seja descumprida, a multa diária será de R$ 5 mil.
Na sentença, o juiz Marcelo da Silva diz que “a interdição deve incidir sobre todo o trecho que interliga os bairros de São Conrado e Leblon, inclusive para evitar o risco de acidentes e atropelamentos de ciclistas e pedestres, que se veem obrigados a desviar de bloqueios, dividindo a Avenida Niemeyer com veículos e ônibus”.
O magistrado determina ainda que a medida deve perdurar até a juntada aos autos, pelo município, de laudo técnico que ateste a inexistência do risco de um novo episódio semelhante em outro ponto da ciclovia.
A decisão concede em parte antecipação de tutela em ação popular visando à impugnação dos contratos celebrados pelas partes. Os réus são a prefeitura do Rio, o prefeito Eduardo Paes, o Consórcio Contemat-Concrejato, a Concremat Engenharia e Tecnologia S/A, Marcello José Ferreira Carvalho, Ioannis Saliveros Neto e Hércules Bruno Neto.
A prefeitura do Rio informou que ainda não foi notificada da decisão e que desde o dia da queda de parte da estrutura, o trecho suspenso da ciclovia Tim Maia entre o Vidigal e a Praia de São Conrado está interditado e não tem previsão de ser liberado enquanto não terminarem às investigações.
Fonte - Agência Brasil  06/05/2016

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Brasil é o quinto país a mais enviar recursos para paraísos fiscais, diz Unctad

Economia

Entre 2010 e 2014, Hong Kong liderou o envio de recursos para esses centros financeiros, com 33% do total (US$ 148 bilhões), seguido por Estados Unidos (21% ou US$ 93 bilhões), Rússia (17%, ou US$ 77 bilhões), China (10% ou US$ 45 bilhões) e Brasil (5% ou US$ 23 bilhões). Outros países responderam por 14% do total ou US$ 64 bilhões, informou a Unctad.

Da Agência Brasil
foto - ilustração
O Brasil foi o quinto país que mais enviou recursos para paraísos fiscais como Ilhas Virgens e Ilhas Cayman entre 2010 e 2014, totalizando US$ 23 bilhões, segundo estudo divulgado da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad).
Entre 2010 e 2014, Hong Kong liderou o envio de recursos para esses centros financeiros, com 33% do total (US$ 148 bilhões), seguido por Estados Unidos (21% ou US$ 93 bilhões), Rússia (17%, ou US$ 77 bilhões), China (10% ou US$ 45 bilhões) e Brasil (5% ou US$ 23 bilhões). Outros países responderam por 14% do total ou US$ 64 bilhões, informou a Unctad.
Em 2015, os fluxos financeiros para paraísos fiscais somaram 72 bilhões de dólares, uma queda de 8% na comparação com o ano anterior. Apesar da baixa, a Unctad considerou que o volume “permanece alto”, citando as iniciativas internacionais para reduzir esse fenômeno que causa prejuízos bilionários aos países.
“Os esforços para reduzir os fluxos financeiros offshore estão ocorrendo tanto em nível nacional como internacional”, disse a Unctad. “Além de reformas na Holanda e em Luxemburgo, e o pacote da Comissão Europeia contra a evasão fiscal, os Estados Unidos têm implementado gradualmente o Fatca (Foreing Account Tax Compliance Act)”, completou, citando ainda a cooperação internacional no âmbito do G-20.
“Revelações de que empresas grandes e pequenas têm usado centros financeiros offshore e outras jurisdições para evadir ou sonegar impostos forneceram ímpeto adicional a reformas políticas nessas áreas”, disse a Unctad, completando, porém, que “mais esforços são necessários”. Multinacionais contabilizam maiores lucros em paraísos tributários.

Lucro de multinacionais
O estudo mostrou, ainda, que uma amostra de multinacionais de 26 países desenvolvidos teve mais lucros em Bermudas (43,7 bilhões de dólares) que na China (36,4 bilhões de dólares) ou no Brasil (31,6%) em 2014.
A participação dos lucros dessas multinacionais em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) de Bermudas foi de 780% naquele ano, enquanto em países não considerados paraísos fiscais foi, em média, de 1%.
Segundo a Unctad, as perdas com práticas tributárias de multinacionais causam prejuízos substanciais aos países, já que há um crescente número de companhias globais que contabilizam mais lucros em jurisdições offshore caracterizadas como paraísos fiscais.
Fonte - Agência Brasil   06/05/2016

Consórcio do VLT de Cuiabá entrega opções de cronogramas de obras

Transportes sobre trilhos

A informação foi dada durante reunião com a Frente Parlamentar em prol da Retomada e Conclusão das Obras do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) na Assembleia Legislativa de Mato Grosso. De acordo com o diretor de obras do Consórcio VLT, Luiz Milani, tanto o governo quanto as empresas são a favor da retomada, mas alguns pontos precisam ser discutidos e acertados.

Dantielle Venturini
Repórter de A Gazeta

foto - ilustração
Representantes do Consórcio responsável pelas obras do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) em Cuiabá e Várzea Grande vão apresentar nesta sexta-feira (6), ao governo de Mato Grosso opções de cronogramas financeiros e de execução de obras para a retomada dos trabalhos do modal. Com isso, as empresas esperam fechar acordo e garantir a retomada das obras ainda para outubro desse ano.
A informação foi dada durante reunião com a Frente Parlamentar em prol da Retomada e Conclusão das Obras do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) na Assembleia Legislativa de Mato Grosso. De acordo com o diretor de obras do Consórcio VLT, Luiz Milani, tanto o governo quanto as empresas são a favor da retomada, mas alguns pontos precisam ser discutidos e acertados.
“Acreditamos que as obras serão retomadas esse ano, mas para isso vamos ter que formular um acordo, que terá que ser validado nos autos entre as partes envolvidas e, em seguida, vem a parte de validação dos projetos. Imaginando que tudo isso aconteça o mais rápido possível, imagino que outubro seja uma data possível para retomada das obras”.
Ao ser questionado quanto ao prazo para que o modal esteja pronto, Milani ressaltou que o prazo de 19 meses apontado pelo relatório da KPMG é possível, mas para isso o Estado teria que ter recursos disponíveis, além de providenciar todas as desapropriações que ainda estão pendentes. Além disso, esse prazo iria gerar um novo transtorno no trânsito da cidade, já que todas as frentes de obras teriam que ser tocadas ao mesmo tempo. “Esse prazo que tem que ser definido, vai gerar um cronograma financeiro e o Estado terá que definir aquilo que as contas suportam”.
A obra do VLT está paralisada desde dezembro de 2014. Nesse semana, o Estado e o Consórcio estão realizando reuniões na tentativa de acordo para a retomada dos trabalhos. Milani ressaltou ainda que entrará também no pacote de discussão com o governo os custos que o tempo em que as obras estão paralisadas tem gerado às empresas.
Quanto à manutenção dos vagões e dos materiais do VLT, questionada pelo coordenador da Frente Pró-VLT, deputado Emanuel Pinheiro (PMDB), os representantes do Consórcio garantiram que está sendo realizada e tudo será entregue em perfeito estado para operação.
Fonte - Gazetadigital 06/05/2016

Dilma inaugura a usina hidrelétrica de Belo Monte

Energia

A usina de Belo Monte terá carga suficiente para atender 60 milhões de pessoas em 17 estados, o que representa cerca de 40% do consumo residencial de todo o País.Construída no rio Xingu, a usina é a maior hidrelétrica 100% nacional e a terceira maior do mundo,com capacidade instalada de 11.233,1 MW

Blog do Planalto
foto -  Osvaldo de Lima/Norte Energia S.A
A presidenta Dilma Rousseff inaugura, nesta quinta-feira (5), a usina hidrelétrica de Belo Monte, localizada no município de Vitória do Xingu, sudoeste do Pará. Construída no rio Xingu, a usina é a maior hidrelétrica 100% nacional e a terceira maior do mundo. Com capacidade instalada de 11.233,1 MW, terá carga suficiente para atender 60 milhões de pessoas em 17 estados, o que representa cerca de 40% do consumo residencial de todo o País.
Duas turbinas já começaram a gerar energia comercialmente desde abril, uma localizada na Casa de Força Principal, no Sítio Belo Monte, e a outra, na Casa de Força Complementar, no Sítio Pimental. Juntas, adicionam 649,9 MW ao Sistema Interligado Nacional (SIN), operação também autorizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).
A usina de Belo Monte foi leiloada, em 2010, por R$ 25,8 bilhões para a empresa Norte Energia S.A, responsável pela construção e operação da hidrelétrica. Segundo informações da empresa, as obras civis do empreendimento estão praticamente concluídas e a previsão é que a cada dois meses, em média, seja ativada uma nova turbina até o pleno funcionamento da hidrelétrica, em 2019.
A construção de Belo Monte atende aos interesses do governo brasileiro de produzir energia limpa, renovável e sustentável para assegurar o desenvolvimento econômico e social do País. Os primeiros estudos começaram na década de 1970 e, desde então, o projeto original sofreu várias modificações para que fossem reduzidos os impactos ambientais da usina.
Através da interligação dos reservatórios por um canal, o chamado modelo de usina a fio d’água permitiu que Belo Monte ocupasse uma área 60% menor do que a prevista no projeto original. A mudança garantiu que nenhuma aldeia indígena próxima ao empreendimento fosse inundada e a hidrologia do rio Xingu, preservada. A piracema também não comprometida, graças a colocação de escadas de peixes que preservam o equilíbrio da fauna aquática do rio Xingu.

Responsabilidade socioambiental
Cerca de 14% do total do orçamento de Belo Monte, cerca de R$ 4 bilhões, foram investidos em melhorias em 12 municípios da área de influência da usina. Entre essas ações, estão a instalação da rede de saneamento básico de Altamira, construção de escolas e unidades de saúde, melhora da qualidade da água e dos igarapés da cidade e na transferência de mais de 30 mil pessoas dessas áreas de risco para cinco novos bairros construídos pela Norte Energia.
Para preservar a floresta às margens do Rio Xingu, a empresa comprou 26 mil hectares em uma faixa contínua, onde a vegetação está sendo enriquecida com espécies nativas. Como compensação ambiental pelo empreendimento, foram repassados R$ 135 milhões ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) para criar ou regularizar unidades de conservação ambiental.

Valorização dos povos indígenas
Além de garantir que nenhuma comunidade indígena seja realocada, a usina é o primeiro empreendimento hidrelétrico com ações voltadas em benefício das aldeias do entorno da obra. Com acompanhamento da Fundação Nacional do Índio (Funai), projetos sociais vêm garantindo a segurança territorial, alimentar e ambiental aos povos tradicionais do Médio Xingu. Foram mais de R$ 260 milhões em investimentos de 2010, início do projeto, a 2016, com ações que beneficiam 3,5 mil indígenas de nove etnias, em 11 terras indígenas do médio Xingu.

Geração de empregos
A construção da usina gerou, no pico das obras, cerca de 20 mil empregos diretos, e 40 mil empregos indiretos na região. O efeito indireto sobre a economia também foi significativo, com o aumento na demanda por trabalhos relacionados, serviços e insumos, o que dinamizou a estrutura produtiva das comunidades próximas à hidroelétrica.
Fonte - Blog do Planalto  05/05/2016

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Sistema Ferry-Boat opera normalmente com quatro embarcações nessa quinta (05)

Travessia Marítima

Sistema Ferry-Boat opera normalmente nessa quinta (05) a travessia Salvador/Itaparica com quatro embarcações 

Da Redação
foto - ilustração/Int.Trav.Salvador
Segundo informações da Internacional Travessias Salvador, que administra o sistema Ferry-Boat, o movimento nessa quinta feira (05) é tranquilo nos terminais São Joaquim e Bom Despacho. As quatro embarcações em operação,Zumbi dos Palmares, Maria Bethânia, Pinheiro e Dorival Caymmi,realizam viagens nos horários regulares (de hora em hora), além disso também podem realizar viagens extras caso venha ocorrer um aumento na demanda. As passagens podem ser adquiridas nos terminais por meio dos cartões de crédito, débito ou dinheiro.
Para verificar a disponibilidade de vagas para o serviço Hora Marcada (exclusivo aos condutores de veículos), os usuários devem acessar o site* da empresa. Os pagamentos neste caso,podem ser feitos através de cartões de débito ou crédito.
O sistema disponibiliza uma Central de Atendimento ao Cliente (CAC), localizada no Terminal São Joaquim e aberta de segunda a sexta, das 8h às 18h, e aos sábados, das 7h às 13h
Contatos - 071 3032-0475 ecac@internacionaltravessias.com.br
*Siteportalsits.internacionaltravessias
Com informações da Internacional Travessias Salvador  05/05/2016 

Guilherme Boulos sobre Cunha - 'por que ele foi afastado tão tarde?'

Política

O presidente do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, comentou com exclusividade à Sputnik a medida liminar que determinou nesta quinta-feira (5) o afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da Presidência da Câmara dos Deputados e de seu mandato de deputado federal.

Sputnik
foto - ilustração
"O afastamento era algo mais do que esperado. A pergunta que se faz necessária, porém, é: por que ele foi afastado tão tarde? A Procuradoria Geral da República já havia solicitado o afastamento em 16 de dezembro" – defende o ativista.
Boulos alertou ainda para a possibilidade de o afastamento esconder segundas intenções voltadas para sustentar um provável governo do vice-presidente Michel Temer, caso a Presidenta Dilma Rousseff seja afastada do cargo.

"Dá a impressão que se fez um movimento de assepsia para o governo de Michel Temer. De qualquer forma, o Brasil está aliviado com a saída desse personagem e ficará muito mais quando ele for preso" – concluiu o presidente do MTST.

A suspensão do mandato de deputado de Eduardo Cunha e o seu afastamento da presidência da Câmara foram determinados por liminar concedida pelo ministro do STF Teori Zavascki, em resposta a um pedido apresentado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
Na noite de ontem, o ex-presidente da Câmara foi transformado em réu no STF, por unanimidade, por crimes de lavagem de dinheiro e participação da esquema de corrupção da Petrobras, tendo recebido 5 milhões de dólares em propina.
Fonte - Sputnik  05/05/2016

Consórcio defende a retomada das obras do VLT de Cuiabá em outubro

Transportes sobre trilhos

A declaração foi dada na terça-feira (3), ocasião em que o diretor e demais representantes do consórcio foram ouvidos pela Frente Parlamentar em Prol da Retomada e Conclusão do VLT, da Assembleia Legislativa.

Mídia News
foto - ilustração
O diretor do Consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande, Luiz Milani, afirmou que as obras do modal de transporte poderão ser retomadas no segundo semestre deste ano, caso o Governo e o consórcio entrem em um acordo em relação ao cronograma físico-financeiro da obra.
“Entendemos que as obras vão ser retomadas neste ano. Precisamos chegar a um bom termo com Estado. Esse acordo vai ter que ser validado nos autos, existirá um tempo para que a antiga gerenciadora ou outra, valide os projetos e daí então a gente vai dar início às obras. Imagino que outubro seria uma data factível”, disse Milani.
A declaração foi dada na terça-feira (3), ocasião em que o diretor e demais representantes do consórcio foram ouvidos pela Frente Parlamentar em Prol da Retomada e Conclusão do VLT, da Assembleia Legislativa.
Na ocasião, Milani comentou sobre a reunião realizada com o Governo do Estado na última segunda-feira (2), para tratar sobre a continuidade do modal.
Entendemos que as obras vão ser retomadas neste ano. Imagino que outubro seria uma data factível
Ele afirmou que, ainda nesta semana, o consórcio irá encaminhar ao Estado “cenários” financeiros para retomada e conclusão da obra e, a partir de então, caberá ao Executivo escolher uma das “opções”, no sentido de dar prosseguimento aos trabalhos.
“Temos que ter em mente que estamos tratando de um empreendimento de alta complexidade, e é preciso definir com muita clareza todos os pontos pra se definir cronograma de execução e valor da obra”, explicou o advogado Aldair Trova, que representa o consórcio.

Custos e prazos
Aldair Trova, no entanto, preferiu não detalhar valores necessários à conclusão da obra, já que, segundo ele, essa definição dependerá do “cenário” escolhido pelo Governo.
“Na sexta-feira [6], apresentaremos alguns cenários ao Estado que, de acordo com suas condições, vai avaliar esses cenários e tomar a posição a respeito de qual lhe interessa. A partir daí, o consórcio terá condições de apresentar um orçamento definitivo para retomada e conclusão da obra”, disse.
Ele também preferiu não fixar um prazo para conclusão do modal e disse apenas que o cronograma apresentado pela auditoria realizada pela KPMG, de 19 meses para o término da obra, é um prazo factível.
“A conclusão dependerá das premissas adotadas. O relatório da KMPG fala em 19 meses. É possível, mas, para isso, depende das desapropriações estarem todas feitas, de o Estado equacionar a questão financeira, decidir se vai executar todos os três trechos de uma vez só ou se isso será feito em partes. Essas definições é que vão possibilitar responder o prazo efetivo de conclusão do empreendimento”, concluiu.
Fonte - ANPTrilhos  05/05/2016

Ministro do STF determina afastamento de Cunha do mandato de deputado

Política

Decisão de Teori Zavascki atendeu a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. que apresentou denúncia acusando Cunha de tentar interferir na condução das investigações da Operação Lava Jato. 

Da Agência Brasil
Wilson Dias/Agência Brasil 
O ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, determinou hoje (5) o afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) do mandato de deputado federal e, em consequência, da presidência da Câmara.
O ministro atendeu a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que apresentou denúncia acusando Cunha de tentar interferir na condução das investigações da Operação Lava Jato. A decisão é liminar.
A assessoria do deputado Eduardo confirmou que ele recebeu, há pouco, a notificação da Corte. Quem assume a presidência da Câmara é o primeiro vice-presidente Waldir Maranhão (PP-MA), que também é investigado na Lava Jato.

Julgamento
Independentemente da decisão do ministro Teori Zavascki, o STF julga hoje à tarde o pedido da Rede Sustentabilidade de afastamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha. A ação foi protocolada terça-feira (3) na Corte e está sob a relatoria do ministro Marco Aurélio Mello. O partido sustenta que Cunha não pode permanecer na presidência da Câmara por ser réu em ação penal.

Lava Jato
No mês passado, o Supremo abriu ação penal contra Cunha e a ex-deputada federal e atual prefeita de Rio Bonito (RJ), Solange Almeida, pelos crimes de corrupção. Cunha passou a condição de primeiro réu nas investigações da Operação Lava Jato que tramitam no Supremo.
De acordo com os ministros, há indícios suficientes de que Eduardo Cunha pressionou, desde 2010, o ex-consultor da empresa Mitsui e um dos delatores da Lava Jato, Júlio Camargo, para que ele voltasse a pagar propina de US$ 5 milhões por um contrato de navios-sonda com a Petrobras, cuja negociação foi interrompida por problemas jurídicos.
Fonte - Agência Brasil 05/05/2016

NOTÍCIA DE RODAPÉ

Veja a íntegra da decisão de Teori Zavascki que afasta Eduardo Cunha da Câmara

Da Agência Brasil
O ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal,determinou hoje (5) o afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) do mandato de deputado federal e, em consequência, da presidência da Câmara.
O ministro atendeu a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que apresentou denúncia acusando Cunha de tentar interferir na condução das investigações da Operação Lava Jato. A decisão é liminar.
A assessoria do deputado Eduardo confirmou que ele recebeu, há pouco, a notificação da Corte. Quem assume a presidência da Câmara é o primeiro vice-presidente Waldir Maranhão (PP-MA), que também é investigado na Lava Jato.
Veja Aqui
www.ebc.com.br/sites/_portalebc2014/files/atoms/files/ac4070.pdf

Geração fotovoltaica ganha força com nova regulamentação

Sustentabilidade

A geração pelo sistema fotovoltaico pode ser utilizada para complementar a energia elétrica convencional em residências, comércios ou indústrias. Pode ser conectada à rede pública de forma simplificada, atendendo o consumo local e devolvendo o excedente à rede.

Revista Amazônia
Marcos Rodrigues da Silva*


A microgeração e minigeração de energia solar vêm ganhando força após o aumento significativo nas tarifas de energia elétrica e as facilidades promovidas pela nova Resolução Normativa nº 687/2015 da Aneel, que entrou em vigor em março e melhorou a relação entre quem gera energia solar e as distribuidoras. Outras iniciativas prometem aquecer ainda mais esse mercado. Alguns estados, como Minas Gerais, São Paulo, Pernambuco e Goiás, já não cobram ICMS em cima da geração solar e o BNDES sinaliza apoiar investimentos na modalidade.
A geração pelo sistema fotovoltaico pode ser utilizada para complementar a energia elétrica convencional em residências, comércios ou indústrias. Pode ser conectada à rede pública de forma simplificada, atendendo o consumo local e devolvendo o excedente à rede. Essa diferença retorna ao consumidor sob a forma de créditos em energia. Isso significa que é possível zerar a conta de luz, pagando apenas uma taxa mínima pelo serviço da distribuidora.
O investimento em energia solar passou a ser interessante depois que as placas tiveram redução no preço ao alcançar novos mercados. Além disso, o aumento de quase de 50% da energia convencional, fez o retorno do investimento (pay back) da geração por fotovoltaicas cair para seis anos. O sistema conectado à rede, on grid, é bastante vantajoso: a placa tem 15 anos de garantia e uma expectativa de vida útil de mais de 25 anos. Além disso, antes havia morosidade no processo, mas agora a concessionária tem o prazo de 30 dias para fazer a conexão, a partir da solicitação de acesso. A distribuidora também passa a ser a responsável pela troca do medidor, sem custos para o gerador.
O projeto para instalação do sistema fotovoltaico conectado é elaborado com base no consumo de energia, que pode ser observado na conta de luz, o tipo de telhado e a orientação, que deve ser preferencialmente voltada para o norte para haver melhor aproveitamento da radiação. Esse tipo de geração vem sendo usado plenamente na CasaE, Casa Ecoeficiente da BASF, desde o início de sua operação em 2013, e tem sido importante para promover sua eficiência energética e sustentabilidade. Segundo o estudo de ecoeficiência realizado pela Fundação Espaço ECO, a geração solar contribuiu para que fosse apurada a economia de 17% de energia da CasaE, em relação a uma edificação convencional. Além disso, foi importante para garantir que a construção, que fica em exposição na zona Sul de São Paulo, conquistasse a certificação LEED-NC Gold para novas construções. Nesta construção foram instaladas oito placas que garantem a geração de 300 kW em média por mês. No momento de elaborar o projeto, é possível dimensionar o sistema para produzir toda a demanda de energia ou parte dela, sendo o restante automaticamente fornecido pela rede de distribuição local.
Outra novidade da nova regulação está na possibilidade de utilização dos créditos de energia por outra unidade consumidora, em até oito imóveis, desde que estejam dentro da área de uma mesma distribuidora. Isso vai permitir, inclusive, a criação de cooperativas ou consórcios para a geração compartilhada. Antes os créditos só poderiam ser utilizados por um mesmo CPF ou CNPJ. Houve também a ampliação da possibilidade de utilização do crédito de energia de 36 para 60 meses.
Há também o sistema off grid, em que a energia captada é armazenada em baterias. Esse modelo foi instalado pela Redimax na Casa Econômica, proposta de construção aberta ao público, também desenvolvida pela BASF. É normalmente utilizado em regiões que não são atendidas por concessionárias de energia e o projeto contempla a armazenagem de um excedente para ser utilizado nos momentos sem radiação. Mais oneroso, o retorno financeiro desse modelo se dá numa média de 12 anos. Além disso, a bateria possibilita apenas o uso de equipamentos de menor consumo, como iluminação, televisão, computador, não oferecendo autonomia para aparelhos de alto consumo, como ar condicionado.
*Marcos Rodrigues da Silva - diretor da Redimax Sistema de Energia Solar
Fonte - Revista Amazônia  04/05/201

Veja Também 
Brasil é 3º país em ranking internacional de aquecedores solares

quarta-feira, 4 de maio de 2016

STF vai julgar amanhã pedido de "afastamento" de CUNHA

Política

O pedido de afastamento do presidente da Câmara dos Deputados foi da Rede Sustentabilidade A ação foi protocolada ontem na Corte e está sob a relatoria do ministro Marco Aurélio.O partido sustenta que Cunha não pode permanecer na presidência da Câmara por ser réu em uma ação penal que tramita no STF sobre o suposto recebimento de U$S 5 milhões de propina em contratos de navios-sonda da Petrobras.

André Richter
Repórter da Agência Brasil

imagem/Ag.Brasil
O Supremo Tribunal Federal (STF) anunciou agora há pouco que vai julgar amanhã (5) o pedido da Rede Sustentabilidade de afastamento do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. A ação foi protocolada ontem na Corte e está sob a relatoria do ministro Marco Aurélio.
O partido sustenta que Cunha não pode permanecer na presidência da Câmara por ser réu em uma ação penal que tramita no STF sobre o suposto recebimento de U$S 5 milhões de propina em contratos de navios-sonda da Petrobras. Para o partido, Cunha está na linha sucessória da Presidência da República, cargo que não admite, de acordo com a Constituição, ser exercido por um réu.
“Não é possível que ocupe um cargo que é constitucionalmente vocacionado à substituição do Presidente da República alguém que é réu em ação penal instaurada pelo STF, porque esse estado é incompatível com o exercício das funções de Chefe de Estado e de Governo. Consequentemente, enquanto pende o processo, o envolvido está impedido de exercer a Presidência da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal, devendo, por isso, ser afastado destes cargos.”, argumenta o partido.
Ao fazer o anúncio do julgamento, o presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski, disse que a Corte deve resolver a questão amanhã, porque será a última sessão do STF antes da votação no plenário do Senado sobre o pedido de abertura de processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff. Ela será afastada por 180 dias, em caso de aprovação. A votação está prevista para a próxima quarta-feira (11).
“Está caracterizada a urgência na medida em que amanhã será a última sessão [do STF] antes daquela quarta-feira, e que nós poderemos decidir a questão que será trazida pelo ministro Marco Aurélio”, disse o presidente.
Caso o Senado aprove a admissibilidade do impeachment e o afastamento de Dilma por 180 dias, Michel Temer, atual vice-presidente, assumiria o cargo e Cunha seria o primeiro na linha sucessória, exercendo na prática as atividades de vice.
A Constituição proíbe que um réu assuma uma cadeira no Palácio do Planalto, mesmo de forma interina, no caso de uma viagem de Temer para fora do país, por exemplo. A dúvida é saber se Eduardo Cunha poderá ocupar o cargo sendo réu em uma ação penal no STF, por suspeita de receber U$S 5 milhões em propina.

Ação Penal
No mês passado, o Supremo abriu ação penal contra Cunha e a ex-deputada federal e atual prefeita de Rio Bonito (RJ), Solange Almeida, pelos crimes de corrupção. Cunha passou a condição de primeiro réu nas investigações da Operação Lava Jato que tramitam no Supremo.
De acordo com os ministros, há indícios suficientes de que Eduardo Cunha pressionou, a partir de 2010, o ex-consultor da empresa Mitsui e um dos delatores da Lava Jato, Júlio Camargo, para que ele voltasse a pagar propina de US$ 5 milhões por um contrato de navios-sonda com a Petrobras, cuja negociação foi interrompida por problemas jurídicos.

Outro processo
Cunha é alvo de um segundo pedido de afastamento, feito no ano passado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. O pedido é mais amplo e solicita que Cunha seja afastado do cargo, mas não deve julgado amanhã.
Para justificar o pedido, o procurador citou 11 fatos que comprovariam que Cunha usa o mandato de deputado e o cargo de presidente da Casa “para intimidar colegas, réus que assinaram acordos de delação premiada e advogados”.
Fonte - Agência Brasil   04/05/2016

‘Sem dólar’ e sem concorrer com FMI: Conheça a fundo o projeto econômico dos BRICS

Internacional

BRICS ganha força no mercado financeiro.- Aleksandr Lukashik, chefe do departamento da planificação de política externa do Ministério das Relações Exteriores da Rússia e da seção do BRICS, deu uma entrevista à Sputnik.

Sputinik
Marcelo Camargo/Ag.Brasil 
Sputnik: Conta-nos, por favor, sobre o Banco de Desenvolvimento do BRICS.
Aleksandr Lukashik: O acordo de criação do Banco de Desenvolvimento foi celebrado em Fortaleza durante a cúpula do grupo BRICS em 2014. Já em 2015 ele começou a funcionar. Depois disso, os representantes dos nossos países discutiam o conteúdo dos documentos que regulam o funcionamento do banco. Agora estes documentos estão sendo aprovados pelos representantes. O Banco já está de fato operando. A sua sede foi estabelecida em Xangai após a celebração do acordo entre os representantes da China e os chefes deste Banco.

S: Países do BRICS mantem a rota em direção à renúncia do dólar e a repassagem ao comercio nas moedas nacionais…
AL: Agora se trata do aumento dos volumes e intercâmbios entre os nossos países em moedas nacionais.

S: Então, sem uso de dólar?
AL: Então, sim. Por exemplo, existe um acordo de 2015 entre o Banco Central da Rússia e o Banco Nacional da China de estabelecimento da linha de swap entre estes bancos e também da cooperação entre bancos comerciais. Foram realizados testes bem sucedidos. Agora estamos discutindo a questão de aumento do comércio, pelo menos, entre a Rússia e a China em moeda nacional. Estudamos a questão de tais operações entre a Rússia e a Índia e também entre a Rússia e o Brasil. Não está faltando trabalho. Mas isto não é assunto do grupo BRICS, mas um assunto das relações bilaterais.

S: É que este banco é um concorrente do Fundo Monetário Internacional (FMI)?
AL: Não, não podemos dizer isso. Pelo contrário estamos tentando desmentir esta comparação, quando alguém a formula, porque isto não é assim. O nosso objetivo novo consiste na entrada no sistema monetário internacional que existe agora e fazer uma contribuição, apresentar as nossas propostas para fazê-lo mais legítimo e equilibrado porque a nossa opinião é que a parte dos países em desenvolvimento é baixa e não corresponde ao seu nível do desenvolvimento econômico na etapa atual. Especialmente, tomando em conta o poder de compra dos nossos cinco países. Acreditamos que no âmbito da decima quinta ronda da revisão das quotas, que deve ser afinal começado, os países do BRICS ressaltarão das posições do aumento da sua participação e das suas quotas no âmbito do FMI, que permitirá fortalecer as posições desta organização e aumentar o papel do BRICS na salvação das questões ligadas com o funcionamento do FMI.

S: Como é que os países pequenos podem ser incluídos na vossa agenda?
AL:Vejo a possibilidade da realização de tal cooperação através do desenvolvimento econômico e estratégico e também através do mapa rodoviário da cooperação econômica e de investimentos. Além disso pode prestar a tensão do que os países do BRICS no âmbito do projeto do novo banco de desenvolvimento vão discutir os projetos ligados com o desenvolvimento da infraestrutura e com a realização do projeto no âmbito do desenvolvimento estável. Neste domínio é possível a construção de alguns objetos e os investimentos em países terceiros. Os projetos de construção podem ser realizados naqueles países onde eles estão apresentados.
Fonte - Sputnik  04/05/2016

"Dilma vai usar todos os recursos contra o golpe", diz ex-marido da presidenta

Política

Carlos Araújo, advogado trabalhista e ex-marido de Dilma Rousseff, concede entrevista ao Programa Espaço Público, da TV Brasil.  Para Araújo, a reação popular irá crescer se o vice-presidente Michel Temer assumir o governo, caso o Senado aceite o processo e Dilma seja afastada do cargo.

Da Agência Brasil
Divulgação/Espaço Público/TV Brasil
O advogado gaúcho Carlos Araújo disse que a presidenta Dilma Rousseff – com quem teve um relacionamento de 25 anos e uma filha – vai usar todos os recursos possíveis para se opor ao processo de impeachment, que chamou de golpe. Para Araújo, a reação popular irá crescer se o vice-presidente Michel Temer assumir o governo, caso o Senado aceite o processo e Dilma seja afastada do cargo. O advogado e ex-preso político deu as declarações ontem (3) ao participar do programa Espaço Público, da TV Brasil.
“No governo Lula e no primeiro governo Dilma, as elites brasileiras, de modo geral, foram muito beneficiadas, ganharam muito dinheiro. Mas os trabalhadores também. O povo também. A classe média alta ficou de fora – não foi beneficiada nem prejudicada. Mas se sentiu prejudicada ideologicamente, por vários fatores”, disse, em entrevista ao programa. Carlos Franklin Paixão de Araújo é advogado trabalhista e foi três vezes deputado estadual pelo PDT do Rio Grande do Sul. Ao lado de Dilma, militou contra ditadura militar de 1964. Ele e Dilma são pais da procuradora do Trabalho Paula Rousseff Araújo e avós de Gabriel, 5 anos, e Guilherme, nascido no começo deste ano. Dilma e Araújo mantêm o companheirismo.
Na avaliação de Araújo, o “conformismo” em relação à saída de Dilma tende a desaparecer ao longo das próximas semanas. Para ele, a questão por trás do atual cenário político brasileiro é uma tentativa de impedir uma nova eleição de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República. “Se não fosse 2018, não tinha impeachment, não tinha nada”, disse. “Se Lula morresse hoje, se houvesse essa desgraça, não haveria impeachment”.
Fonte - Agência Brasil   04/05/2016

Embasa corta ligações clandestinas de água em condomínio de alto padrão em Guarajuba

Notícias

No final de abril, equipes de campo encontraram ligações irregulares que estavam sendo utilizadas para abastecer o clube e área de convivência de um condomínio de alto padrão em Guarajuba, no município de Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador (RMS).Após a realização de testes que comprovaram a irregularidade, representantes da Embasa registraram boletim de ocorrência na 33ª Delegacia Territorial (DT) de Monto Gordo.

Da Redação
Ascom/Embasa
Os grandes consumidores de água estão entre os principais alvos das ações da Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa) de combate às ligações clandestinas em sua rede distribuidora e fraudes no consumo de água. No final de abril, equipes de campo encontraram ligações irregulares que estavam sendo utilizadas para abastecer o clube e área de convivência de um condomínio de alto padrão em Guarajuba, no município de Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador (RMS).
Após a realização de testes que comprovaram a irregularidade, representantes da Embasa registraram boletim de ocorrência na 33ª Delegacia Territorial (DT) de Monto Gordo. “Na ocasião, solicitamos a realização de perícia técnica a fim de levantar as evidências da fraude, para a fundamentação jurídica do processo que será aberto contra os responsáveis”, explica a gerente da unidade regional de Camaçari, Janaína Santos. Agora, a empresa está efetuando os cálculos para estimar a quantidade de água que foi desviada e definir a multa a ser aplicada ao empreendimento. A retirada das ligações irregulares foi feita na presença de perito da policia civil.
Qualquer intervenção no hidrômetro e na rede da Embasa com o propósito de furtar água é crime e o infrator está sujeito ao cumprimento das penalidades previstas na legislação vigente. O usuário que estiver nessa situação deve procurar um ponto de atendimento da Embasa e regularizar sua ligação, evitando problemas e corte no abastecimento do imóvel. Atualmente, a empresa conta com 40 equipes de campo somente nas unidades da capital e região metropolitana, responsáveis por mais de 200 verificações deste tipo todos os dias.
Com informações da Secom Ba.  04/05/2016

Kátia Abreu diz que pretende ser corresponsável se Dilma for afastada

Política

Kátia Abreu disse confiar na honestidade e espírito público da presidenta Dilma Rousseff . Kátia Abreu, voltou a defender hoje (4) a presidenta Dilma Rousseff durante o lançamento do Plano Safra 2016/2017, que vai disponibilizar R$ 202,88 bilhões em recursos para produtores rurais. Na sexta-feira (29), a ministra fez a defesa de Dilma na comissão do Senado que analisa o processo de impeachment.

Ana Cristina Campos
Repórter da Agência Brasil

José Cruz/Agência Brasil 
Única integrante do PMDB a permanecer no cargo, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu, voltou a defender hoje (4) a presidenta Dilma Rousseff durante o lançamento do Plano Safra 2016/2017, que vai disponibilizar R$ 202,88 bilhões em recursos para produtores rurais.Na sexta-feira (29),a ministra fez a defesa de Dilma na comissão do Senado que analisa o processo de impeachment.
“Muito me entristece as acusações à sua pessoa para tomar seu mandato por ter ajudado,investido e acreditado na agricultura brasileira.Se isso for verdade e se isso se concretizar [o afastamento],quero ser corresponsável nesses atos, porque foi através da CNA [Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil] e como ministra que sugeri à presidenta Dilma: invista na agricultura que a senhora terá retorno direto na economia brasileira”, afirmou Kátia.
No Senado, a ministra fez a defesa de Dilma com uma exposição focada no que ficou conhecido como pedaladas fiscais – possíveis atrasos de pagamentos aos bancos públicos. Ela alertou que a subvenção agrícola não pode ser comparada a um empréstimo.

Orgulho
“Vou acompanhar a presidenta Dilma no que acontecer. Qualquer resultado que ocorra, estarei do lado dela. Sou senadora. Tenho sete anos de mandato pela frente. Vou voltar para a Casa que me elegeu. Saio do governo junto com a presidenta Dilma e volto ao Senado”, acrescentou a ministra.
Kátia Abreu reiterou que confia na honestidade de Dilma. “A popularidade vai e vem, mas a dignidade e a honra, se forem um dia, nunca mais retornarão. Tenho orgulho de estar do seu lado, de ser sua ministra, de ter a senhora como presidenta do Brasil. Confio na sua honestidade, no seu espírito público e tenho convicção do legado que a senhora vai deixar para o Brasil”, destacou a ministra, na cerimônia no Palácio do Planalto.
Fonte - Agência Brasil  04/05/2016

Terminal de carga do Aeroporto de Petrolina registra crescimento em abril


Logística

O Terminal de Logística de Carga do Aeroporto de Petrolina tem 3 mil m² de área e conta com 6 câmaras de armazenamento, 3 antecâmaras de resfriamento e 2 túneis de resfriamento – toda uma infraestrutura para atender ao principal cliente do setor de Exportação do Vale do Rio São Francisco: frutas.

Redação Portogente
imagem/Portogente
O Terminal de Logística de Carga (Teca) do Aeroporto de Petrolina/Senador Nilo Coelho (PE) registrou, no mês de abril, 275.557 toneladas de mercadorias exportadas – um crescimento de 120,8% em relação a abril de 2015, quando foram contabilizadas 124.788 t. No acumulado de 2016 em relação ao ano passado, também há crescimento: de 261% (451.505 t contra 124.788 t).
Atualmente, o Aeroporto de Petrolina conta com uma frequência semanal da empresa cargueira Cargolux, que opera com um Boeing 747-400 e iniciou sua temporada no terminal pernambucano mais cedo este ano: em 2/3. Em 2015, a temporada da empresa começou em 8/4.
Para Márcia Cristina Araújo, encarregada de Logística de Carga do Aeroporto de Petrolina, esse crescimento é um demonstrativo do desempenho que o Teca deve ter em 2016. “Os números de abril são excelentes, e já estamos negociando voos extras para o segundo semestre”, destacou.

Teca de Petrolina
O Terminal de Logística de Carga do Aeroporto de Petrolina tem 3 mil m² de área e conta com 6 câmaras de armazenamento, 3 antecâmaras de resfriamento e 2 túneis de resfriamento – toda uma infraestrutura para atender ao principal cliente do setor de Exportação do Vale do Rio São Francisco: frutas.
A pista de pousos e decolagens do aeroporto é uma das maiores do país e a segunda maior do Nordeste, com 3.250 metros de comprimento, e o aeroporto conta com um pátio de aeronaves exclusivo para atender a demanda da área de Logística de Carga. Atualmente, o terminal conta com uma frequência semanal da Cargolux, que faz a rota Luxemburgo/Campinas/Curitiba/Petrolina/Luxemburgo. Durante o período do pico de safra, que compreendem os meses de outubro até dezembro, as frequências aumentam e chegam a ter até três operações semanais.
Fonte - Portogente  04/05/2016

Governo de SP dá 'calote' de R$ 332 milhões no Metrô

Transportes sobre trilhos

No demonstrativo de 2014, o Metrô já dizia que o governo do Estado havia atrasado o pagamento da quantia devida,o que o levou a registrar uma provisão para perda com o que na época parecia uma "pedalada" do controlador.O calote do Governo de São Paulo (Geraldo Alckmin - PSDB) foi de R$332 milhões no Metrô,referente a uma recomposição tarifária a que a estatal entende que tem direito a receber. 

Valor Econômico - RF
foto - ilustração
O governo do Estado de São Paulo, comandado por Geraldo Alckmin (PSDB), deu "calote" de R$ 332 milhões no Metrô, referente a uma recomposição tarifária a que a estatal entende que tem direito a receber. A informação consta do balanço de 2015 da empresa.
No demonstrativo de 2014, o Metrô já dizia que o governo do Estado havia atrasado o pagamento desses R$ 332 milhões, o que o levou a registrar uma provisão para perda com o que na época parecia uma "pedalada" do controlador.
Em 2015, as partes relacionadas chegaram a uma solução para a pendência: em vez do pagamento do valor em atraso, o governo de um lado e o comando da estatal controlada pelo mesmo governo de outro firmaram um "Termo de Acordo", em 30 de outubro de 2015, por meio do qual o Metrô reconheceu que não vai mesmo receber os valores, que foram então baixados para prejuízo. Nos termos técnicos das notas explicativas, "em conformidade com a Cláusula Primeira - Das Adequações Contábeis do referido Termo de Acordo, foi reconhecido como perda da Companhia o montante de R$ 332 milhões".
Ao mesmo tempo em que perdoa o passado, o acordo prevê que futuros compromissos da mesma natureza passarão a ser pagos pelo governo do Estado "naquilo que afetar a sustentabilidade econômico-financeira" do Metrô.
O texto sugere que não há prazo ou cronograma para pagamento, e que o repasse só será feito se a companhia estiver passando por dificuldades financeiras. No fim de 2015, além do valor já baixado para prejuízo, a estatal divulgava haver mais R$ 136 milhões a receber do governo de São Paulo referente ao "convênio Linha 4 - Amarela", sem informar sobre atraso ou provisão.
O registro do contas a receber pelo Metrô em face do controlador decorre da diferença de remuneração de serviço que existe em relação à concessionária privada que opera a Linha 4 - Amarela, que liga o Butantã à Estação da Luz.
Enquanto a Via Quatro recebe uma remuneração fixada em contrato e que é corrigida anualmente por índices de inflação, o Metrô têm direito à tarifa paga pelo usuário, que era de R$ 3,50 e aumentou para R$ 3,80, que não sobe no mesmo ritmo todos os anos devido a pressões políticas e da população.
Tendo como base a receita líquida e o número de passageiros transportados, a remuneração média por viagem ficou em R$ 2,24 para a concessionária privada e em R$ 1,97 para o Metrô em 2015. A diferença ante o preço cheio se deve às integrações e baldeações.
Quando o passageiro usa a malha privada e a pública, a Via Quatro tem direito a receber 50% da remuneração prevista no seu contrato, enquanto o Metrô teria direito a receber metade da tarifa da catraca. Mas o valor pago pelo usuário não cobre os dois serviços, e como a concessionária privada tem por contrato prioridade para receber, o Metrô entende que o Estado deveria lhe ressarcir pela diferença.
O Metrô foi questionado sobre qual seu benefício ao firmar um acordo pelo qual ficou sem receber os R$ 332 milhões. Em nota, a estatal disse que "não há prejuízo ao usuário do Metrô tampouco na qualidade dos serviços oferecidos".
A empresa disse ainda que o acordo prevê que o "Estado poderá repassar, a seu critério, as diferenças da arrecadação tarifária". E afirmou que, como detentor de 96,1% do capital, o governo paulista tem "todo o interesse de que o Metrô prossiga obtendo resultados positivos em sua operação".
O Metrô teve prejuízo operacional em todos os sete anos entre 2009 e 2015. Com receita bruta acumulada de R$ 13,72 bilhões nesse período, a perda acumulada com a operação do serviço foi de R$ 778 milhões. Depois de computados o resultado financeiro e os impostos, o prejuízo líquido nos sete anos foi de R$ 311 milhões.
Sem dinheiro próprio gerado com o serviço, a empresa depende de aportes do controlador e de outros agentes - como bancos públicos e agências multilaterais internacionais - para investir.
Em 2015, quando abriu mão de receber os R$ 332 milhões do controlador, o Metrô investiu R$ 264 milhões em manutenção, o menor valor dos últimos anos e cerca de metade dos R$ 524 milhões de 2014. Os gastos com expansão da malha diminuíram menos, 14%, para R$ 2,89 bilhões em 2015.
Ao todo, o Metrô recebeu quase R$ 3 bilhões de agentes externos para investir em 2015, 20% a menos que os R$ 3,76 bilhões de 2014. A queda se explica pela redução dos repasses de recursos oriundos do caixa do governo de São Paulo, que diminuiu de R$ 1,64 bilhão em 2014 para R$ 778 milhões em 2015. A fatia conjunta repassada por BNDES, Banco Mundial, BID e Caixa Econômica ficou próxima de R$ 2,2 bilhões em cada ano.
A Secretaria da Fazenda estadual foi procurada para falar sobre o acordo, mas não tinha porta-voz.
Fonte - Revista Ferroviária  04/05/2016

Alstom fornecerá trens para o metrô de Buenos Aires

Transportes sobre trilhos

Os trens serão produzidos na fábrica da Alstom no Brasil e deverão ser entregues em 2017. A Alstom será responsável pela manutenção durante os trens nos dois primeiros anos de operação.

Da Redação
Railway Gazette
O Metrô de Buenos Aires, Sbase, assinou um contrato de € 60 milhões com a Alstom para fornecer 10 composições Metropolis com seis carros cada para operar na Linha D.
Os trens serão produzidos na fábrica da Alstom no Brasil e deverão ser entregues em 2017. A Alstom será responsável pela manutenção durante os trens nos dois primeiros anos de operação.
Cada composição terá capacidade para 1 500 passageiros,e carros com quatro portas. Os trens serão equipados com telas de informação dos passageiros, CCTV e ar-condicionado.
A Alstom iniciou as entregas de 120 carros Metropolis para a Linha H do Metrô em agosto de 2015.
Com informações da Railway Gazette  03/05/2016

terça-feira, 3 de maio de 2016

Sistema Ferry-Boat opera a travessia marítima com quatro embarcações nesta terça (03)

Travessia Marítima

As embarcações Zumbi dos Palmares, Maria Bethânia, Ivete Sangalo e Dorival Caymmi realizam as viagens nos horários regulares (de hora em hora), além de viagens extras nos momentos de maior demanda.

Da Redação
foto - ilustração/ITM
A Internacional Travessias Salvador, concessionária na operação do sistema Ferry-Boat, informa que o movimento é tranquilo nos terminais São Joaquim e Bom Despacho. As embarcações Zumbi dos Palmares, Maria Bethânia, Ivete Sangalo e Dorival Caymmi realizam as viagens nos horários regulares (de hora em hora), além de viagens extras nos momentos de maior demanda. As passagens podem ser adquiridas nos terminais por meio dos cartões de crédito, débito ou dinheiro.
A disponibilidade de vagas para o serviço Hora Marcada (exclusivo aos condutores de veículos), estão a disposição dos usuários no site* da empresa O pagamento para esta modalidade pode ser feito através dos cartões de débito ou crédito.
O sistema disponibiliza uma Central de Atendimento ao Cliente (CAC), localizada no Terminal São Joaquim e aberta de segunda a sexta, das 8h às 18h, e aos sábados, das 7h às 13h
Contatos - 071 3032-0475 e cac@internacionaltravessias.com.br
*Site - internacionaltravessias.com.br.
Com informações da Internacionais Travessias Salvador  03/05/2016

Maré baixa obriga travessia para Mar Grande ser encerrada mais cedo

Travessia Marítima

Em períodos de maré baixa acentuada como o que começou nesta terça-feira, o Terminal de Vera Cruz, na Ilha de Itaparica, fica inoperante devido à pouca profundidade (calado) do seu canal de navegação. 

TB
foto - ilustração
Por causa da maré baixa baixa, a travessia marítima do Sistema Salvador-Mar Grande vai encerrar as operações mais cedo nesta terça-feira (3/5).
Saindo de Salvador, o último horário será às 17h30 e não às 20h, como normalmente acontece. Já no sentido de Mar Grande para a capital a última saída será às 18h, em vez de 18h30.
Em períodos de maré baixa acentuada como o que começou nesta terça-feira, o Terminal de Vera Cruz, na Ilha de Itaparica, fica inoperante devido à pouca profundidade (calado) do seu canal de navegação. (Leia no final explicações da Astramab).
Nesta manhã de tempo chuvoso em Salvador e em toda a Ilha de Itaparica, a travessia Salvador-Mar Grande registra embarque tranquilo, tanto no Terminal Náutico da Bahia, no Comércio, como no Hidroviário de Vera Cruz, na Ilha de Itaparica. O movimento maior aconteceu das 6 às 8h, com muitos usuários se deslocando para os seus locais de trabalho em Salvador e na Ilha de Itaparica.
Oito embarcações estão em tráfego e os horários de saída no sistema Salvador-Mar Grande são de 30 em 30 minutos. Apesar das chuvas, as condições de navegação na Baía de Todos os Santos são normais, e as embarcações fazem o percurso da travessia em tempo médo de 40 minutos.
A linha Salvador-Morro de São Paulo registra movimento também moderado. Os horários de hoje saindo do Terminal Náutico são às 8h30. 9h, 10h30, 13h e 14h30. Saídas de Morro de São Paulo - 9h, 11h30, 13h e 15h.. A viagem direta vde catamarã dura em média 2he20.
Para quem quer fazer o passeio pelas ilhas da Baía de Todos os Santos nesta terça-feira, a tarifa das escunas é de R$ 50 e o tour inclui paradas para banho de mar na Ilha dos Frades e em Itaparica, com retorno a Salvador às 17h30.
Fonte - Tribuna da Bahia  03/05/2016

Duas boas notícias

Economia

Duas iniciativas do governo que deverão contribuir para o crescimento do comércio exterior.Uma dessas iniciativas é o Portal Único do Comércio Exterior, que pretende, até o final de 2016, reduzir de 13 para oito dias o tempo das atividades de exportação e de 18 para dez dias o prazo de importação. 

Milton Lourenço* - Portogente
foto - ilustração
Apesar da instabilidade política que se reflete diretamente na economia, não se pode deixar de elogiar duas iniciativas do governo que deverão contribuir para o crescimento do comércio exterior, aliás, um dos caminhos para que o País saia do atual ciclo de estagnação, que só contribui para agravar os índices sociais.
Uma dessas iniciativas é o Portal Único do Comércio Exterior, que pretende, até o final de 2016, reduzir de 13 para oito dias o tempo das atividades de exportação e de 18 para dez dias o prazo de importação. Se conseguir esse objetivo, em 2017, o Brasil sairá da 124ª posição para figurar entre as 70 melhores nações para se realizar operações de comércio exterior, segundo o relatório Doing Business, do Banco Mundial.
Com o Portal, a Receita Federal procura estabelecer processos mais eficientes, harmonizados e integrados entre todos os intervenientes públicos e privados. O programa prevê a integração entre os 22 órgãos que atuam no comércio exterior e também com o setor privado. Com isso, espera-se a eliminação de uma série de obstáculos burocráticos, especialmente a produção de documentos que, por vezes, são apresentados de forma distinta a cada um dos órgãos envolvidos num processo. Essa situação, há anos, gera custos desnecessários tanto para o governo como para importadores e exportadores.
Com o programa, todas as exigências, licenças ou autorizações diretamente incidentes sobre operações de comércio deverão ser demandadas dos operadores mediante o Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex). Ou seja, os intervenientes privados nas operações de comércio exterior terão conhecimento de todos os requisitos que deverão cumprir para concluir suas operações.
Outra iniciativa que merece elogios é a transição do regime Linha Azul para o programa de Operadores Econômicos Autorizados (OEA). A Linha Azul é um regime aduaneiro que, sem comprometer os controles, vem procurando reduzir o tempo das liberações das mercadorias, mediante a racionalização da movimentação da carga, nas operações de importação, exportação e de trânsito aduaneiro.
Já o programa OEA é uma certificação concedida pelas aduanas a importadores, exportadores, portos, aeroportos, terminais, companhias marítimas e despachantes que lhes confere o status de empresa segura e confiável em suas operações. Em outras palavras: o OEA é uma parte envolvida no movimento de cargas internacional que se insere no contexto dos programas de segurança criados por cada país, com base nas recomendações da Organização Mundial das Aduanas (OMA) para a segurança da cadeia logística.
Portanto, as duas iniciativas vêm ao encontro do Acordo sobre Facilitação de Comércio, da Organização Mundial do Comércio (OMC), já aprovado pelo Senado brasileiro, que prevê medidas para a modernização da administração aduaneira, bem como celeridade e simplificação de procedimentos, contribuindo para a redução de custos tanto no âmbito do governo como nos setores privados.
*Milton Lourenço é presidente da Fiorde Logística Internacional e diretor do Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística do Estado de São Paulo (Sindicomis) e da Associação Nacional dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística (ACTC)
Fonte - Portogente  03/05/2016

CBTU implanta mais dois horários de viagem para o município de Ceará-Mirim

Transportes sobre trilhos

Em dezembro do último ano, a CBTU havia acrescido mais duas viagens à grade horária ligando os município de Extremoz a Natal, além do lançamento do projeto Trem da Praia, no qual o sistema de trens passou a circular nos domingos e em alguns feriados.

CBTU

Dando continuidade ao plano de expansão e melhoria do transporte público sobre trilhos no Rio Grande do Norte, a Superintendência de Trens Urbanos de Natal anuncia a inclusão de 2 novos horários de viagens em sua grade horária para atender ao município de Ceará-Mirim.
Em dezembro do último ano, a CBTU havia acrescido mais duas viagens à grade horária ligando os município de Extremoz a Natal, além do lançamento do projeto Trem da Praia, no qual o sistema de trens passou a circular nos domingos e em alguns feriados.
De acordo com o Superintendente de Trens Urbanos de Natal, Leonardo Diniz, “o incremento da grade horária do sistema de trens urbanos do RN visa melhorar a mobilidade urbana na região metropolitana, dando a população mais uma opção de transporte para o seu deslocamento diário”. A CBTU continuará os trabalhos para aperfeiçoar e desenvolver cada vez mais o sistema de trens urbanos do nosso Estado, complementou o superintendente.

Confira abaixo os novos horários:
• Pela manhã, de segunda à sábado, os usuários contarão com uma nova viagem partindo às 6h24 da Estação Ceará-Mirim, com chegada prevista às 7h49 à Estação Natal, na Ribeira.
• No final da tarde, de segunda à sexta, seguirá mais uma viagem partindo da estação Natal às 17h20, com previsão de chegada na Estação Ceará-Mirim às 18h45.
Fonte - CBTU  02/05/2016

Brasil investiu R$ 26,6 bi em infraestrutura de transporte em 2015

Infraestrutura

No ano passado, foram concluídas 391 e iniciadas outras 146 obras em rodovias, com a realização de 329,81 quilômetros de duplicações.O balanço de atividades de 2015 foi publicado nesta segunda-feira (2) pelo Ministério dos Transportes, demonstrando os avanços do setor no período. 

Ministério dos Transportes
foto - ilustração
Os investimentos para duplicação, adequação e construção de rodovias por meio de recursos públicos totalizaram R$ 6,3 bilhões
Os investimentos em infraestrutura no País somaram R$ 26,6 bilhões no ano passado, entre recursos do setor público e privados relativos aos contratos de concessão, informa o Caderno de Transportes 2015. O balanço de atividades de 2015 foi publicado nesta segunda-feira (2) pelo Ministério dos Transportes, demonstrando os avanços do setor no período.
Entre os anos 2011-2014, o setor de infraestrutura apresentou evoluções importantes, também a partir das parcerias entre os setores público e privado, promovendo o aumento da capacidade das vias, atraindo maior competitividade para o setor em âmbitos nacional e internacional.
De 2012 a 2013, especificamente, os investimentos do Ministério dos Transportes subiram de R$ 15,5 bilhões para 16,3 bilhões. Destaque para a duplicação de investimentos em ferrovias, em relação ao ano anterior: de R$ 1,04 bilhão para R$ 2,5 bilhões.

Rodovias
Em 2015, os recursos disponíveis foram utilizados para a duplicação, adequação e construção de rodovias administradas pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Os investimentos no modal por meio de recursos públicos totalizaram R$ 6,3 bilhões.
No exercício, foi possível a conclusão de 391 obras, com a realização de 329,81 quilômetros de duplicações, além do início de outras 146, em razão da assinatura de Termos de Ajuste de Conduta (TAC), entre a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e as concessionárias, promovidas em 2013. A partir do setor privado, foram investidos R$ 5,8 bilhões.
Destacam-se também 42.765,30 quilômetros da malha rodoviária federal que foram atendidos por meio dos Programas de Contratação, Restauração e Manutenção por Resultados de Rodovias Federais Pavimentadas (PROCREMA), aliados às obras de restauração e serviços de conserva rotineira.

Ferrovias
Entre 2011 e 2014, foram concluídos 913,7 quilômetros de ferrovias. A expansão da malha ferroviária, fundamental para a cadeia logística do País, registrou em 2013 a execução de trechos da Ferrovia Norte-Sul com investimentos de R$ 6,04 bilhões. Outros R$ 4,23 bilhões foram investidos na Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) e mais R$ R$ 7,53 bilhões na construção da Nova Transnordestina.
No ano passado, houve o investimento pelas concessionárias de R$ 7.658 milhões. O transporte por ferrovia atingiu a marca de 485,4 milhões de toneladas úteis (TU) no ano.
Pelo Programa de Aceleração do Crescimento, destacaram-se as execuções de 15% da Ferrovia Norte Sul (FNS) – Extensão Sul, trecho Ouro Verde/GO – Estrela d’Oeste/SP (682,0 km); 15% da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), trecho Ilhéus/BA – Caetité/BA (537 km) e mais 8% da FIOL no trecho Caetité/BA – Barreiras/BA (485 km). A Ferrovia Nova Transnordestina registrou avanços em sua execução: foram lançados 599,5 km de superestrutura.

Hidrovias
Foram executadas ações em mais de 6 mil quilômetros de hidrovias para garantir a navegabilidade. Dentre as intervenções realizadas estão sinalização, adequação de pontes, adequação de canais, melhorias em eclusas, retiradas de obstáculos e dragagens de manutenção.
Foram realizadas obras de adequação e melhoria nos corredores das hidrovias do Paraná, Paraguai e Brasil – Uruguai, com destaque para as dragagens de manutenção no tramo norte do rio Paraguai e no rio Taquari e para a manutenção da sinalização das hidrovias do Paraguai e do Paraná.
Além dessas intervenções, também deve ser ressaltado o apoio aos melhoramentos na Hidrovia do Tietê, com a continuidade da obra de ampliação do vão da ponte ferroviária Ayrosa Galvão e com o início das obras do atracadouro de espera da eclusa de Bariri.
Fonte -  Portal Brasil  02/05/2016