sábado, 23 de janeiro de 2016

Fortaleza terá 30 estações de carros elétricos compartilhados

Mobilidade

Na primeira fase do projeto,10 estações de veículos compartilhados serão instaladas em pontos estratégicos da cidade.Nas etapas seguintes,o sistema poderá disponibilizar mais 20 estações compartilhadas até o fim de 2017.No total,serão 30 pontos com 45 veículos.

Da Redação
Modelo do veículo totalmente elétrico foi apresentado pela Prefeitura
foto: Bruno Gomes
Foi apresentado na última quinta-feira (21) pela Prefeitura de Fortaleza,o projeto do primeiro Sistema Público de Carros Elétricos Compartilhados do Brasil,que será implantado ainda este ano na capital cearense.
Na primeira fase do projeto,10 estações de veículos compartilhados serão instaladas em pontos estratégicos da cidade.
Nas etapas seguintes,o sistema poderá disponibilizar mais 20 estações compartilhadas até o fim de 2017.No total,serão 30 pontos com 45 veículos.
Os principais objetivos do sistema são reduzir a poluição na cidade, incentivar a "carona amiga" e contribuir com a diminuição da quantidade de veículos nas vias. Os automóveis disponibilizados também serão integrados com os ônibus e as bicicletas,permitindo que o usuário utilize os três meios de transporte.

Utilização do sistema
Para realizar o cadastro, o motorista deverá apresentar carteira de habilitação (CNH),comprovante de residência e pagar a taxa de adesão,estipulada em R$40. É possível reservar e retirar o automóvel em qualquer uma das estações com intervalos de 15 minutos entre as viagens. Os usuários também podem oferecer ou solicitar carona.
A tarifa de uso, que vale nos primeiros 30 minutos de utilização, será de R$20. Após esse período, esse valor será acrescido com adicional por minuto de viagem. O usuário do sistema poderá dirigir pelo tempo que quiser.
A implantação do novo sistema não terá custos aos cofres públicos e terá edital aberto para licitação a partir de fevereiro.
Com informações do Diário do Nordeste  23/01/2016

O pior do El Niño já passou,segundo a NASA

Clima

O fenômeno ocorre quando as águas oceânicas superficiais do Pacífico equatorial começam a esquentar, deslocando o fluxo de água do sul, o que acaba perturbando os padrões de circulação atmosférica e dos oceanos.

Revista Amazônia
No mapa é possível se ter uma ideia
de como foram os últimos 12 meses.
O El Niño é como aquele pior tipo de convidado em uma festa: ele é daqueles que aparece tarde e com fúria para, tropeçar em sua casa e vazar após uma hora. No último mês, estávamos nos perguntando quando ele iria nos deixar, e a NASA disse que o fenômeno climático que causa essa confusão no tempo está ficando menos potente. Isso significa que a gente pode ter atingido o pico do El Niño.
O fenômeno ocorre quando as águas oceânicas superficiais do Pacífico equatorial começam a esquentar, deslocando o fluxo de água do sul, o que acaba perturbando os padrões de circulação atmosférica e dos oceanos. Você pode imaginar o Pacífico equatorial como um gigante caldeirão de água que está fervendo aos poucos nos últimos 12 meses. Em dezembro, este caldeirão começou a ferver, e um pouco mais tarde, todo mundo percebeu que o El Niño chegou pesado. Na Califórnia, choveu torrencialmente, na costa leste dos EUA parecia que era verão. Enquanto isso, o polo norte começou a derreter.
Como a NASA gosta de observar, o El Niño parece assustadoramente parecido com o El Niño de 97-98. Após esse aquecimento, o Pacífico equatorial deveria começar a esfriar, em tese. O fato é que ainda não podemos afirmar isso com certeza, pois precisamos de dados para reforçar essa tese. O satélite Jason-2 tem monitorado o El Niño da órbita da Terra medindo as variações da da altura da superfície do mar e correlacionando com a temperatura do oceano (a água se expande quando é aquecida, causando, fazendo com que o oceano “inche”).
Há ainda um coringa que pode entrar em cena, segundo a previsão da NASA: o aquecimento global. 2015 foi o ano mais quente nos últimos 135 anos, e não foi só o El Niño que contribuiu para isso. O caldeirão gigante de água pode estar ficando mais frio, porém, um idiota ligou um aquecedor na cozinha. Se a tendência geral de aquecimento fará com que o El Niño seja um pouco mais longo, nós ainda não sabemos.
Mas considerando que o El Niño atingiu seu pico, isso significa que o clima voltará a ficar normal em breve? É melhor não se adiantar nas conclusões. Em um comunicado recente, o Centro de Previsão de Clima NOAA disse que o “EL Niño já produziu impactos globais significantes e é esperado que afete a temperatura e os padrões de precipitação nos Estados Unidos durante os próximos meses. A maioria dos modelos indica que um El Niño mais forte ficará fraco com uma transição ENSO (El Niño/Oscilação para o sul) durante o fim da primavera ou no início do verão no Hemisfério Norte”.
O El Niño pode estar indo embora, mas ele não vai para a casa sem deixar estragos.
Fonte - Revista Amazônia  23/01/2016

Movimentos sociais pedem auditoria da dívida pública e criticam impeachment

Política

Assembléia dos movimentos sociais marca o encerramento do Fórum Social Temático, em Porto Alegre.Movimentos Sociais,aprovaram hoje (23), na assembleia final do evento, uma carta compromisso com agendas comuns para as organizações.A primeira delas, é fazer do 1° de maio (Dia Internacional do Trabalho) um dia de luta na América Latina em defesa da democracia e de enfrentamento do conservadorismo e do “golpismo” na região.

Camila Maciel
Enviada especial - Ag.Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Movimentos sociais que participam do Fórum Social Temático, em Porto Alegre, aprovaram hoje (23), na assembleia final do evento, uma carta compromisso com agendas comuns para as organizações. A primeira delas, é fazer do 1° de maio (Dia Internacional do Trabalho) um dia de luta na América Latina em defesa da democracia e de enfrentamento do conservadorismo e do “golpismo” na região.
No encerramento, as entidades também aprovaram uma campanha para cobrar a auditoria da dívida pública e se comprometeram a acelerar a construção da Frente Brasil Popular, formada por organizações e partidos de esquerda.
O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) do Rio Grande do Sul, Claudir Nespolo, disse que esta carta final do fórum é uma afirmação da luta dos segmentos que defendem a ampliação de direitos na sociedade. “Essa agenda reafirma a militância dos movimentos que aqui estão, que passa pelos direitos à moradia, à reforma agrária, o tema da saúde, da educação de qualidade, do meio ambiente, do combate a todas as discriminações”, listou.

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Documento final do fórum defende a democracia e propõe campanha pela auditoria da dívida pública
Nespolo diz que a cobrança por uma auditoria da dívida pública é uma forma de enfrentar o capital rentista.
“Se a presidenta [Dilma Rousseff] levantar qualquer crítica relacionada ao pagamento dos juros, desestabiliza esse tal de mercado, que é muito nervoso. Quem tem que levantar esse tema somos nós. Temos que dizer isso para sociedade, para desmascarar e criar uma correlação de forças para que o governo se posicione no sentido de verificar se essa dívida toda já não foi paga, se uma parte já foi paga. Vamos abrir essa caixa-preta”.
A presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), Carina Vitral, disse que o documento aponta para a unidade das organizações de esquerda, inclusive na posição contrária à tentativa de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.
“É uma carta de intenções dos movimentos que lutam contra o golpe em curso no país, tomando lado, dizendo que a democracia é o único caminho para que os direitos avancem e que a gente sabe exatamente o que está em jogo, que são todos os direitos conquistados nos últimos anos com muita luta dos movimentos sociais”, disse.
O encontro foi encerrado com um coro com palavras de ordem contrárias ao pedido de impeachment de Dilma.
Fonte - Agência Brasil 23/01/2016

Chuvas fortes causam inundações no interior da Bahia

Tempo

A ocorrência de fortes chuvas nos últimos dias no interior da Bahia tem causado estragos em vários municípios do estado.Foram registrado desabamento de pontes nas BRs 381 e 324,interrupções no fornecimento de água e energia,além do risco de enchente no município do Conde,banhado pelo Rio Itapicuru

Da Redação
Oito cidades ficam sem água por causa da chuva
imagem - A Tarde

Oito cidades ficaram sem abastecimento de água por causa da chuva que atingiu a Bahia na sexta-feira(22). Os municípios de Riachão do Jacuípe, Pé de Serra, Ichu, Candeal, Nova Fátima, São Domingos, Valente e Gavião tiveram o serviço interrompido após  ter sido danificada uma adutora,na altura do povoado de Vila Aparecida.
A Embasa em boletim emitido na sexta informou que, não é possível chegar ao local devido ao grande volume de água,e informa ainda que logo seja possível o acesso,os serviços de manutenção serão realizados e em seguida o abastecimento de água retomado.

Ponte na BR-381 se parte com correnteza de rio
A a pressão da correnteza do rio Itapicuru Mirim,que transbordou com a chuva na sexta-feira (22), partiu ao meio a ponte que liga os municípios de Filadélfia e Itiúba, na BR-381.
A força da correnteza do rio,aos poucos,rompeu a ponte ao meio.
Ainda na sexta,em Riachão do Jacuípe,a cabeceira de uma ponte na BR-324,também se rompeu. A Polícia Rodoviária Federal,interditou o tráfego no local. O abastecimento de água e luz foi interrompido na cidade.

A cidade do Conde em alerta por conta do risco de enchente do rio Itapicuru
A prefeitura de Conde,no litoral norte baiano, divulgou um comunicado nesta sexta-feira (22), para que os moradores da cidade fiquem em estado de "alerta máximo" por conta do risco de enchente do Rio Itapicuru,que corta o município.
Segundo a nota, a prefeitura foi informada pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia (Inema),do alto volume de água no rio, causado pelas chuvas que atingem o interior baiano.
Segundo Cláudio Teles,coordenador de Meio Ambiente do município a situação é preocupante porque já aconteceram em outras épocas,a exemplo de 1989,fortes enchentes.O coordenador informou também que a prefeitura já pediu ao Inema a abertura de um canal para que a água possa escoar do rio e amenizar os riscos de enchente.Alem disso,prefeitura  informou que vai disponibilizar escolas,em caso de ocorrência de desabrigados,para que todos possam ficar em segurança.
Segundo informa o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet),a previsão é de chuva forte neste sábado (23) na cidade do Conde. No domingo,as pancadas de chuvas devem diminuir.
Com informações de A Tarde 23/01/2016

Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil entra em vigor

Política

Uma das novidades mais importantes é a abrangência nacional da nova legislação, que passa a estabelecer as mesmas regras para a União, o Distrito Federal, estados e municípios firmarem parcerias com as organizações. Outro ponto do texto é a obrigatoriedade de uma chamada pública para firmar parcerias com as organizações

Karine Melo
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração

Entrou em vigor hoje (23) o Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil. A norma estabelece novas regras para as parcerias entre a administração pública e essas entidades, que, segundo levantamento feito em 2015 pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em parceria com a Secretaria de Governo da Presidência da República, somam 323 mil.
Na prática, a realização de convênios entre os governos federal, estadual e municipal e essas organizações fica extinta. A partir de agora, para celebrar parcerias, as organizações da sociedade civil deverão comprovar tempo mínimo de existência, sendo três anos para atuar junto com a União, dois anos com Distrito Federal e estados e um ano com municípios. Nesse último caso, a lei passará a valer em janeiro de 2017.

Mudanças
Uma das novidades mais importantes é a abrangência nacional da nova legislação, que passa a estabelecer as mesmas regras para a União, o Distrito Federal, estados e municípios firmarem parcerias com as organizações. Outro ponto do texto é a obrigatoriedade de uma chamada pública para firmar parcerias com as organizações. A expectativa é que a medida dê mais transparência na aplicação dos recursos públicos e amplie as possibilidades de acesso das organizações da sociedade civil a esses recursos.

Histórico
O Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil tramitou no Congresso Nacional por mais de dez anos. O texto final incorporou contribuições de diversos grupos. Na avaliação da Secretaria de Governo da Presidência da República, a entrada em vigor da lei constitui um avanço na democracia, valoriza a atuação de uma sociedade civil autônoma e participativa; reconhece as suas diferenças e especificidades para a construção de parcerias; e estabelece regras claras para o acesso legítimo, democrático e transparente aos recursos públicos, além de mecanismos eficazes para coibir fraudes e o mau uso dos recursos públicos.
Fonte - Agência Brasil  23/01/2016

Suspenso projeto de trem de passageiros nos trilhos da FTC

Transportes sobre trilhos

Está suspenso, por tempo indeterminado, o projeto que viabilizaria o translado da população através de dos trilhos da Ferrovia Tereza Cristina (FTC). Após um teste experimental de 15 dias, realizado em outubro, um estudo de custo e rentabilidade do trem para passageiros será refeito. Conforme o responsável pela FTC, Benony Schmidt, ainda não existe uma previsão para conclusão deste novo estudo, nem para que a locomotiva possa ser de fato implantado na região. 

A Tribuna - Criciúma
foto - ilustração/ferrovia FTC
Para o retorno às aulas, os acadêmicos ainda não poderão contar com o transporte ferroviário, como havia sido idealizado pelas prefeituras de Içara e Criciúma. Está suspenso, por tempo indeterminado, o projeto que viabilizaria o translado da população através de dos trilhos da Ferrovia Tereza Cristina (FTC). Após um teste experimental de 15 dias, realizado em outubro, um estudo de custo e rentabilidade do trem para passageiros será refeito. Conforme o responsável pela FTC, Benony Schmidt, ainda não existe uma previsão para conclusão deste novo estudo, nem para que a locomotiva possa ser de fato implantado na região.
Será analisado em estudo valores de vagões, novos terminais, número de passageiros, preço da tarifa, e custeio da manutenção do projeto. Depois desta análise, a ferrovia buscará recursos com as prefeituras envolvidas, mas também com empresas parcerias. "Esse ano ainda não é possível que funcione. Faremos todo o levantamento do que é necessário para o projeto funcionar e depois, se for possível do ponto de vista econômico, apresentaremos às prefeituras de Içara e Criciúma”, adianta Benony. Para operar sem ser em caráter experimental, seria necessário principalmente que novos vagões fossem adquiridos pela ferrovia.
"Os utilizados durante o teste são de propriedade do Museu Ferroviário e são antigos. Serviços como este dependem de conseguir carros mais modernos”, pontua Benony. A Ferrovia Tereza Cristina ainda não possui uma concessão junto à Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT) para transportar passageiros. A liberação compete apenas à translado de cargas. Após o estudo feito, a ferrovia deverá conseguir essa permissão.

Necessário mil passageiros
Para que esta proposta venha a ser viável, a Ferrovia Tereza Cristina orçará o custo do projeto a ser implantado, para então poder definir preços de tarifas e o número de passageiros necessários. Além dos custos de carros e terminais, estão em conta os impostos e o valor de todas as operações ainda por serem feitas. "Com o orçamento em mãos, poderemos ter uma noção de rentabilidade. Por cima, seria necessário cerca de mil passageiros por dia para tornar esta proposta viável. Ou então, deveremos aumentar o valor da tarifa a cobrar. Tudo será devidamente analisado”, diz Benony. Um dos preços sugeridos a ser cobrado pelo translado, estava em torno de R$ 5.
Conforme um dos maiores incentivadores do projeto, o prefeito de Içara, Murialdo Gastaldon, a prefeitura irá contribuir com o necessário para que o projeto saia do papel. "Nós iremos apoiar, mas queremos saber qual é o real custo disso e como será executado e investido. Sabemos que o projeto precisa de uma locomotiva própria e que é necessário preparar um local apropriado para o desembarque dos passageiros. Mas, temos muito interesse de que esse projeto possa ser executado”, alega. Murialdo destacou que toda parte técnica desta proposta está a cargo da ferrovia e que a Prefeitura de Içara segue aguardando o estudo.

Entenda a proposta
O transporte de estudantes e passageiros através da ferrovia tem por objetivo resgatar a história ferroviária local e oferecer novas opções de locomoção para a população da região. Durante 15 dias de experimento, estudantes içarenses deixaram a cidade e desembarcaram no trilho ao lado da Faculdade Satc, onde um túnel de acesso para passageiros foi construído pela Prefeitura de Criciúma. Todo o percurso foi feito com vagões cedidos pelo Museu Ferroviário em um tempo de aproximadamente 30 minutos, onde o vagão disponibilizou o total de 200 lugares.
No entanto, nem todas as opiniões foram favoráveis ao projeto, havendo reclamações, principalmente, com relação ao horário em que os estudantes estavam chegando em casa ao retornarem de trem. "Os problemas que encontramos durante os testes estavam dentro do esperado, muito em função do trajeto e dos carros utilizados. É possível fazer, mas muito precisa ser melhorado”, define o responsável pela ferrovia.
Fonte - ABIFER  22/01/2016

Código de Trânsito Brasileiro completa 18 anos

Trânsito

Na maioridade do CTB, especialistas comentam avanços e desafios da legislação de trânsito no Brasil .Há 18 anos,a nova legislação de trânsito entrou em vigor.Nesse período,impôs mudanças significativas de comportamento e trouxe diversos avanços.Mas também passou por muitas mudanças,que causam confusão,e não foi totalmente regulamentado pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito),a quem cabe, segundo o próprio Código,estabelecer como implementar alguns de seus artigos.

Natália Pianegonda - Agência CNT
foto -  Arquivo CNT
O CTB (Código de Trânsito Brasileiro) chega, nesta sexta-feira (22), à maioridade: há 18 anos, a nova legislação de trânsito entrou em vigor. Nesse período, impôs mudanças significativas de comportamento e trouxe diversos avanços. Mas também passou por muitas mudanças, que causam confusão, e não foi totalmente regulamentado pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito), a quem cabe, segundo o próprio Código, estabelecer como implementar alguns de seus artigos.

Brasil está à frente da maioria das nações
O texto do CTB contempla a maioria dos aspectos considerados mais importantes pela OMS (Organização Mundial da Saúde) para aumentar a segurança nas vias, com leis que tratam de álcool e direção, uso de capacete e do cinto de segurança, além de normas sobre dispositivos de segurança para crianças. Esses são temas que já estão na rotina dos brasileiros, mas não são realidade na maior parcela das nações.
Apenas 34 países, com 30% da população mundial, punem a embriaguez ao volante; 17% da população mundial está nos 53 países que tratam, legalmente, do uso de equipamentos de segurança para crianças; e apenas 44 nações, também com 17% da população mundial, têm legislação que obriga uso de capacete para andar de moto. No caso do cinto de segurança, a situação é um pouco melhor: 67% das pessoas vivem nos 105 países em que o dispositivo é uma exigência.
Os dados são do relatório global sobre segurança viária da OMS de 2015. Pelo documento, o Brasil ainda precisaria limitar a velocidade em vias urbanas a 50 km/h, para reduzir a gravidade de acidentes nas cidades. Esse tipo de lei está presente em 47 países (13% da população mundial).

Em 18 anos, 575 resoluções de trânsito
A legislação é elogiada, mas o problema é a complexidade e as constantes mudanças, que dificultam sua compreensão e aplicação, conforme o especialista em direito do trânsito e comentarista do site CTB Digital, Julyver Modesto de Araujo.
Segundo ele, desde 1998 até agora, o Contran já publicou 575 resoluções, sendo que parte delas modificaram resoluções anteriores. “São normas que dificultam o conhecimento completo da legislação de trânsito. E ainda existem questões que reclamam regulamentação, mas isso ainda não ocorreu”, diz. Um exemplo é a utilização de vestuário apropriado para motociclistas e passageiros de motos. “Existe a necessidade, prevista nos artigos 54 e 55, a infração, no artigo 244, mas não se sabe como é esse vestuário”, esclarece.
Ainda segundo Julyver Araujo, “nessas mudanças frequentes, muitas vezes se elabora uma norma sem discussão adequada, sem saber se aquilo deve trazer benefícios de fato”. Foi o que ocorreu com o extintor de incêndio ABC: primeiro, uma resolução obrigou que todos os veículos tivessem o equipamento. Depois, o Contran revogou a determinação e passou a entender que o extintor deve ser acessório opcional.
Por outro lado, algumas dessas modificações foram relevantes. A resolução 168, de 2004, é um caso. Foram 15 alterações, segundo o observador certificado do ONSV (Observatório Nacional de Segurança Viária), tenente-coronel Ordeli Savedra Gomes. Elas tornaram mais rigoroso o processo de formação de condutores. “Até a vigência do código, as pessoas não eram obrigadas a fazer aulas teóricas e práticas na autoescola”, lembra. “O CTB, primeiro, estabeleceu 20 horas/aulas teóricas e 10 horas de prática. Hoje são 45 horas/aula teóricas e 25 horas/aula práticas. São mudanças que trouxeram aspectos positivos”, avalia. Das 25 horas práticas, cinco horas são com simulador veicular, que se tornou obrigatório desde 1º de janeiro deste ano - alteração mais recente.
Para Julyver Araujo, as modificações devem parar por aí, porque as exigências já oferecem condições de formar bons motoristas. Mas reforça que é preciso aplicar a lei com qualidade: “Exigir dos instrutores uma formação adequada, que ministrem as aulas para atingir os objetivos da segurança viária, não apenas transmitir o que cai na prova”.

28 leis alteraram o CTB em 18 anos
Mas se a sociedade muda, a legislação precisa acompanhá-la. Nesses 18 anos, conforme o tenente-coronel Ordeli Gomes, foram 28 novas leis que alteraram o Código de Trânsito Brasileiro. Algumas foram importantes para aumentar a segurança, como o agravamento da punição para quem bebe e dirige, faz manobras ou ultrapassagens perigosas e participa de rachas. Nesses casos, a multa chega a R$ 1.915,40 e dobra em caso de reincidência. O motorista também fica sem poder dirigir por um ano. As consequências penais também foram agravadas e há casos em que o condutor pode ser preso.
“O CTB deve ser cumprido não só porque, se violado, dá origem a uma infração de transito, que é administrativa, mas também porque pode ter consequências civis e criminais. As mais de 40 mil mortes anuais no trânsito não foram acidentes, foram crimes de trânsito, com pena de detenção de até seis anos”, ressalta Gomes.

Frota cresceu 245% desde 1998; número de mortes em acidentes subiu 40%
Dados do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) mostram que, desde que o CTB entrou em vigor, a frota de automóveis em circulação no Brasil cresceu 275%. No mesmo período, o número de mortes em acidentes de trânsito aumentou 40%.
“Embora o número seja alarmante e o governo federal esteja empenhado num esforço global para reduzir o número de acidentes no trânsito, sem a vigência do CTB, a tendência, segundo os técnicos do Denatran, seria ter um total de vítimas ainda maior, levando-se em consideração o crescimento do total de veículos em circulação”, diz o Ministério das Cidades.
Com o incremento da frota, cresceu também o número de infrações. Em 2015, segundo o Denatran, foram aplicadas mais de 13 milhões de multas de trânsito. Um ano antes, em 2014, foram 8 milhões. A maioria por excesso de velocidade.

Educação para o trânsito

Leis, sozinhas, não alteram as condições de segurança no trânsito. Elas devem fazer parte do comportamento de cada indivíduo. Para isso, é necessário informação e consciência, o que passa pela educação, prevista como obrigatória no capítulo VI do CTB, desde o ensino infantil até o superior.
Para Ordeli Savedra Gomes, esse é um dos aspectos mais importantes do Código, mas que não saiu do papel. “Precisamos que os gestores levem o trânsito a sério, que tiremos isso da letra fria do Código e levemos para a vida real. O que se percebe é que alguns órgãos trabalham com educação para o trânsito porque tem mais estruturas. As polícias militares e a Polícia Rodoviária Federal também fazem algum esforço. Mas, na grande maioria dos municípios pequenos do interior, isso não é trabalhado”, alerta.
A ausência de órgãos de trânsito nas cidades, que também é uma exigência do Código Brasileiro de Trânsito, representa outro desafio para ampliar a conscientização e aprimorar a fiscalização nas vias urbanas, onde os condutores passam a maior parte do tempo. Mas nem 30% dos municípios cumprem a determinação e, assim, não integram o SNT (Sistema Nacional de Trânsito).
Durante a 2ª Conferência Global de Alto Nível para Segurança no Trânsito da ONU, realizada em novembro de 2015 no Brasil, o ministro das Cidades, Gilberto Kassab, disse que a pasta propõe a criação de consórcios intermunicipais, que seriam responsáveis pela gestão de trânsito nessas cidades de menor porte. Segundo ele, isso atenderá, em parte, os municípios que enfrentam limitações financeiras para se adequarem à legislação. “Mas”, complementou, “não deixará de ser um avanço para chegar às pequenas e médias cidades, que têm tido dificuldade nessa atuação”.
O representante do Observatório Nacional de Segurança Viária lembra, também, da necessidade de investir os recursos das multas segundo a previsão do Código Brasileiro de Trânsito. E faz um apelo: “os governos precisam levar isso a sério. Que invistam as multas na entrega de material para os agentes de fiscalização, na formação desses profissionais e dos futuros condutores. Precisamos de uma qualificação total na área de trânsito. Então, que invistam, especialmente, em educação para o trânsito”.
Fonte - Agência CNT de Notícias  22/01/2016

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Consultoria que custou R$ 3,8 milhões revela que VLT é viável para Cuiabá (MT)

Transportes sobre trilhos

A empresa é responsável por estudos de viabilidade técnica e financeira do modal e foi contratada pela secretaria em outubro de 2015, pelo valor de R$ 3,8 milhões.O documento final da auditoria ficará pronto em março e deverá nortear as ações governamentais em relação ao VLT. 

Circuito Mato Grosso - RF
foto - ilustração
Após receber um relatório preliminar, nesta semana, da empresa KPMG Consultoria Ltda., o secretário estadual de Cidades, Eduardo Chilleto, revelou que a implantação do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) será viável. A empresa é responsável por estudos de viabilidade técnica e financeira do modal e foi contratada pela secretaria em outubro de 2015, pelo valor de R$ 3,8 milhões.
O documento final da auditoria ficará pronto em março e deverá nortear as ações governamentais em relação ao VLT. As declarações foram feitas na tarde desta quarta-feira (20), no Cenário Rural, ocasião em que várias autoridades estatais (incluindo o governador Pedro Taques/PSDB) anunciavam medias emergenciais para combater o mosquito aedes aegypti no estado.
O estudo encomendado revelou que a operação do VLT em Cuiabá e Várzea Grande é totalmente viável, mas irá depender de uma Parceria Público-Privada (PPP). “O estudo mostrou que podem ser feitos três tipos de operação, mas a mais viável é uma PPP. O Estado bancará um valor anual e a iniciativa privada tomaria conta do modal para que o preço da passagem caiba no bolso dos usuários”, disse o secretário.
Apesar disso os custos anteriormente apontados para a conclusão do modal devem subir, por conta da demora no reinício das obras – previstas para ser entregues em 2014. “A primeira etapa deste relatório já nos mostrou qual é o valor que precisa ser repassado ao Consórcio VLT. Porém, não posso revelar. Ficará a cargo do governador Pedro Taques anunciar isso. O que posso dizer é que haverá um aumento por conta dos reajustes anuais. O VLT era para ficar pronto em 2014, mas não ficou. Agora passou 2015, vai para 2016, 2017, 2018... Em todos esses anos, o contrato precisa ser reajustado. Então de R$ 1,4 bilhão pode ir para R$ 1,6 bilhão, R$ 1,8 bilhão, sem contar o equilíbrio-econômico-financeiro que o consórcio pede”, explicou Chilleto.

Consultoria
A empresa em questão foi escolhida para realizar uma auditoria no Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), ela dará a palavra final sobre a viabilidade, ou não de continuar as obras do modal.
Contratada pelo valor de R$ 3,8 milhões sua missão será, se nada for feito, realizar estudos para a implantação do VLT. Segundo a nota de esclarecimento, o procedimento para contratação de empresa de consultoria obedeceu a todos os critérios previstos na legislação vigente.
A medida foi adotada após decisão favorável proferida em 25 de agosto de 2015 pela Justiça Federal, atendendo à solicitação do próprio Poder Executivo. Na decisão, o Juiz Federal deferiu a contratação por meio de dispensa de licitação e determinou a suspensão do contrato para que o Estado promova os atos necessários para a realização do estudo técnico no prazo de 4 meses.
Segundo o Termo de Referência nº 001/2015, a intenção do Governo é a de obter serviços de verificação independente das estimativas de término da atual implantação do VLT, bem como estudos tarifários, modelo operacional ideal e de viabilidade econômico-financeira e estruturação do projeto VLT de Cuiabá e Várzea Grande.
Fonte - Revista Ferroviária  22/01/2016

Maré baixa reduz operação de barcas na travessia de Salvador a Mar Grande

Travessia marítima

O terminal fica sem condições operacionais em períodos de maré baixa acentuada.Oito embarcações estão em tráfego, seis na reserva e os horários de saída são de 30 em 30 minutos.Mesmo com tempo nublado em Salvador e na Ilha de Itaparica, a Associação dos Transportadores Marítimos da Bahia (Astramab) tem a expectativa de que que o fluxo de usuários cresça um pouco mais a partir do meio dia, no sentido da capital para Mar Grande

TB
foto - ilustração
A travessia marítima do sistema Salvador-Mar Grande opera nesta manhã de sexta-feira (22/1) com movimento moderado de embarque de passageiros nos terminais Náutico da Bahia, no Comércio, e no Hidroviário de Vera Cruz, na Ilha de Itaparica.
Oito embarcações estão em tráfego, seis na reserva e os horários de saída são de 30 em 30 minutos.
Mesmo com tempo nublado em Salvador e na Ilha de Itaparica, a Associação dos Transportadores Marítimos da Bahia (Astramab) tem a expectativa de que que o fluxo de usuários cresça um pouco mais a partir do meio dia, no sentido da capital para Mar Grande.
Maré Baixa - A Astramab informa aos usuários que as operações hoje serão encerradas às 18h30 e não às 20h, nos dois sentidos da travessia. Isto vai acontecer por conta da maré baixa, que impede a atracações dos barcos no Terminal de Vera Cruz, na Ilha de Itaparica.
O terminal fica sem condições operacionais em períodos de maré baixa acentuada devido à falta de profundidade do seu canal de navegação.
Morro de São Paulo - A linha Salvador-Morro de São Paulo opera com movimento muito bom de procura de passagens nos guichês do Terminal Náutico. Turistas que estão na capital também aproveitam para conhecerem a Ilha de Tinharé.
Para hoje a tendência é que todos os horários do dia sejam com lotação completa. O primeiro catamarã para o Morro zarpa às 8h30m e depois ocorrem as saídas das 9h, 10h30, 13h e 14h30. Já as saídas de Morro de São Paulo para Salvador acontecem às 9h, 10h, 11h30m, 12h30m e 15h.
A passagem custa R$ 85 e a viagem dura 2h e 20m. As escunas de turismo que fazem o "Passeio às Ilhas" da Baía de Todos os Santos também estão bem requisitadas. Elas saem a partir das 9h e retornam às 17h30. O tour inclui paradas na Ilha dos Frades e em Itaparica e a passagem custa R$ 50.
Fonte - Tribuna da Bahia  22/01/2016

Marcha em Porto Alegre pede o fim da intolerância religiosa

Direitos Humanos

Pelo oitavo ano, a Marcha pela Vida e Liberdade Religiosa percorreu as principais ruas da capital gaúcha.Nesta edição, a marcha foi uma atividade do Fórum Social Temático.Ao som de tambores, com vestimentas brancas e cantorias, diversos terreiros do Rio Grande do Sul se encontraram no Largo Glênio Peres e seguiram até o Largo Zumbi dos Palmares.

Camila Maciel
Enviada especial - Ag.Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil
“Intolerância religiosa é a face mais perversa do racismo”, disse hoje (21) Baba Diba de Iemanjá, sacerdote africanista e presidente do Conselho do Povo de Terreiro do Rio Grande do Sul, durante a Marcha pela Vida e Liberdade Religiosa, que percorreu nesta quinta-feira as ruas do centro de Porto Alegre. É o oitavo ano que a caminhada ocorre na capital gaúcha no Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Nesta edição, a marcha foi uma atividade do Fórum Social Temático.
Ao som de tambores, com vestimentas brancas e cantorias, diversos terreiros do Rio Grande do Sul se encontraram no Largo Glênio Peres e seguiram até o Largo Zumbi dos Palmares. “[A marcha] surgiu como ato político para dar visibilidade à intolerância religiosa e também à luta pela reivindicação de direitos, direitos sociais, pela garantia do Estado laico e também para tentar diálogo com as outas religiões”, informou Baba Diba.

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Baba Diba lembrou os ataques a terreiros do entorno do Distrito Federal
O dia 21 de janeiro é uma referência a ataques sofridos por Mãe Gilda, que teve a casa invadida por grupos evangélicos após uma foto dela ter sido colocada na capa da Folha Universal com o título “Macumbeiros charlatões lesam o bolso e a vida dos clientes”.
A casa dela foi apedrejada e o marido agredido verbalmente. Gildásia dos Santos, nome de registro, não suportou os ataques e, após enfartar, faleceu em 21 de janeiro de 2000.
Baba Diba lembrou os ataques incendiários em terreiros do entorno do Distrito Federal. Foram pelo menos três no ano passado. “Quanto mais avançamos em política pública, em discussões que tentam aproximar as tradições, o racismo muda de status e passa de velado à revelado. Aqui ainda não incendiaram terreiros, mas no país já. Por isso, precisamos estar nas ruas e fazer desse dia o dia nacional de combate à intolerância religiosa.”
A ministra das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Nilma Lino, participou da marcha e destacou o evento como um momento de celebração da força ancestral africana.
“Ainda temos de lutar muito pela tolerância religiosa. O Brasil é uma democracia, um país de diversos e todos os credos e religiões têm de ser respeitadas e ter lugar”, acrescentou a ministra.
Sobre os ataques ocorridos no Distrito Federal, Nilma Lino afirmou que a Ouvidoria do órgão tem acompanhado o caso e prestado atendimento às vítimas.
A funcionária pública Júlia Kolatayó, 37 anos, não falava de religiosidade. “A sociedade nos julga pelos olhares. Agora que tenho militado bastante na questão social e na religião africana, tenho conseguido me afirmar mais, mas é bem difícil, porque já perdi emprego, cargo, cursos." Ela foi batizada com 25 anos e sofreu resistência da família católica quando decidiu mudar de religião.
Embora não seja de religião africana, o analista de sistemas Alexandre Hahn disse que também enfrenta preconceitos por conta da religião de bruxaria Wicca. “Não é todo lugar e momento que posso dizer que sou bruxo. Quando digo, a primeira pergunta que vem à cabeça é se faço magia negra. Magia não tem cor. Se vou numa entrevista de emprego, pentagrama é sempre dentro da camiseta. Não posso mostrar. Rosário, uso aqui hoje, mas não posso usar em todo lugar.”

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Para a ministra Nilma Lino, o Brasil é um país de diversos e todos os credos têm de ser respeitados
Michel Borges, o Pai Maicon de Oxalá, foi criado na religião africanista no município de Santa Maria. Segundo ele, a relação do terreiro com a comunidade foi construída através de uma aproximação ao longo dos anos.
“Temos a festa de Natal, das crianças, das mães. Assim, estabelecemos uma relação com as pessoas e todos respeitam.”
Maria de Fátima Rodrigues também nasceu na religião. “Minha mãe diz que eu tinha 24 dias quando passei a fazer parte da religião.” Maria de Fátima lembrou que a estratégia para estabelecer um vínculo com a comunidade foi reunir crianças em uma ação de empoderamento da cultura negra.
Fonte - Agência Brasil  21/01/2016

CBTU se prepara para o Galo da Madrugada

Transportes sobre trilhos

Durante o Galo da madrugada, milhares de foliões desembarcam na Estação Recife. Lá são centralizadas as maiores estratégias em prol da segurança dos usuários.

CBTU
A Segurança no Galo da Madrugada
Continua esta semana a série de reportagens sobre os preparativos da CBTU para o Galo da Madrugada. A empresa precisa da adesão de grande parte dos seus empregados e departamentos, durante os vários meses que antecedem o evento. Essa série irá mostrar um pouco do trabalho dos departamentos envolvidos. Hoje, iremos abordar sobre o esquema de segurança durante o evento.
Durante o Galo da madrugada, milhares de foliões desembarcam na Estação Recife. Lá são centralizadas as maiores estratégias em prol da segurança dos usuários. As equipes do Corpo de Bombeiros, Patrulha, Polícia Civil, Ministério Público, entre outras, contam com salas operacionais para fiscalizar tudo o que circunda a via. A área de estacionamento fica disponível para a Defesa Civil e Polícia Rodoviária Federal, em situações que seja necessário o uso de helicópteros.
De acordo com Joelson Chaves, Chefe de Segurança Empresarial - GOSEG, durante a organização do esquema de segurança, foi enviado um ofício em 2015, para solicitar reforços policiais nas áreas internas e externas do metrô, com previsão de 150 Policiais Militares. Já a equipe de segurança da Companhia, conta atualmente com 112 vigilantes operacionais e 62 patrimoniais. A previsão para o sábado de Zé Pereira é de 50 seguranças extras distribuídos nas Estações.
“Em todas as estações, durante as viagens no dia do Galo da Madrugada, haverá fiscalização nas linhas de bloqueio. Os passageiros serão proibidos de portar no embarque e desembarque, bebidas alcoólicas e garrafas de vidro” conta Joelson Chaves. O metrô é um dos principais meios de transporte para os foliões aproveitarem a festa de carnaval e a CBTU Recife trabalha para que todos possam aproveitar de forma mais tranquila e segura o período momesco.
Fonte - CBTU  21/01/2016

Prefeitura de Campinas (SP) quer implantar projeto de transportes sobre trilhos na cidade

Transportes sobre trilhos

VLT pode chegar em Capinas SP,a prefeitura local começa a trabalhar na formação de um projeto para implantar na cidade uma nova concepção de  mobilidade através do sistema de transportes sobre trilhos.O VLT vem gradativamente se destacando e ocupando um bom espaço em várias cidades brasileiras como uma nova e moderna opção de transporte público.

Rádio Brasil Campinas - RF
foto - ilustração
A Prefeitura de Campinas começa a trabalhar na formação de um projeto para implementar na cidade um sistema de transporte sobre trilhos. O plano é criar uma linha ou de VLT, trem urbano, monotrilho ou metrô.
O prefeito Jonas Donizette afirmou acreditar que está na hora do município pensar seriamente em inserir os trilhos na mobilidade urbana porque, segundo ele, somente assim os problemas de transporte que a cidade enfrenta serão resolvidos.
Na quarta-feira, ele se reuniu com o secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, para convidar o Estado a participar da elaboração do programa. Jonas quer ter um projeto pronto até o fim de 2016, último ano do atual mandato.
Fonte - Revista Ferroviária  21/01/2016

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Dezessete linhas de ônibus já estão integradas ao Metrô de Salvador

Mobilidade

A integração com os ônibus urbanos pode ocorrer em qualquer estação do metrô. Já a integração com as linhas metropolitanas acontece somente na Estação Retiro, até que a operação esteja plena, com todas as linhas integradas ao sistema, o que está previsto para abril. Com isso, é possível que o usuário do transporte público soteropolitano pague apenas uma passagem para usar dois modais.

Da Redação
foto -  Daniele Rodrigues/Sedur
Com menos de um mês de operação comercial do metrô, 17 linhas de ônibus de Salvador e Região Metropolitana já estão integradas ao sistema para servir à população. Dessas, 10 são urbanas e sete são originárias de cidades vizinhas, como Simões Filho e Lauro de Freitas.
A integração com os ônibus urbanos pode ocorrer em qualquer estação do metrô. Já a integração com as linhas metropolitanas acontece somente na Estação Retiro, até que a operação esteja plena, com todas as linhas integradas ao sistema, o que está previsto para abril.
Com isso, é possível que o usuário do transporte público soteropolitano pague apenas uma passagem para usar dois modais. Há também a possibilidade do usuário iniciar sua viagem em uma linha de ônibus com integração, usar o metrô e, ainda, utilizar novamente umas das linhas de ônibus que compõem o sistema integrado, desde que a viagem não ultrapasse o período de duas horas.
foto - ilustração/Pregopontocom
Para fazer uso do sistema que une ônibus e metrô, o usuário precisa adquirir um cartão de integração, que é vendido em todas as estações do sistema metroviário. O cartão custa uma recarga mínima de R$ 5, valor que é revertido em crédito para as viagens.
As linhas de ônibus que fazem integração possuem um adesivo de identificação com a imagem do metrô em destaque, na frente do veículo. Além dessas, outras quatro linhas, metropolitanas, entram na estação Acesso Norte, mas ainda sem integração de tarifas. São elas:

Confira as linhas que fazem parte da integração:

Linhas urbanas com ponto de parada no Terminal Acesso Norte
1113 - Pernambués-Lapa
1108 - Resgate x Lapa
0919 - Vale dos Rios/Stiep-Lapa

Linhas urbanas com ponto de parada na Av. Barros Reis, próximo à Estação Retiro
322 - Marechal Rondon-Lapa
1510 - Valéria-Lapa
301 - Alto do Peru-Barroquinha
0305 - Bom Juá-Lapa

Linhas urbanas com ponto de parada no Terminal Lapa
0136 - Lapa-Chame-Chame
0137 - Lapa-Barra Avenida/Barra
0138 - Lapa-Garibaldi/Ondina

Linhas metropolitanas com ponto de parada exclusivo no Terminal Retiro
868 - Simões Filho-Lapa
873 - Mapele-Lapa
875 - Areia Branca-Lapa
826 - Simões Filho-Lapa
869 - Simões Filho-Barra
826A - Góes Calmon
872 - Ilha de São João

Linhas metropolitanas que entram na estação Acesso Norte mas não têm integração de tarifas
861- Mata de São João - Estação da Lapa
803 A2- Nova Dias D'Ávila - Estação da Lapa
805A - Madre de Deus - Estação da Lapa
809 - Candeias - Estação da Lapa
Com informações da Secom Ba.  21/01/2016

Bahia deve ganhar 264 novas creches ainda este ano

Educação

A informação foi dada pelo presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Antônio Idilvan, na manhã desta quinta-feira (21), durante reunião com representantes do governo e de prefeituras, no prédio da União dos Municípios da Bahia (UPB), em Salvador.Duzentas e sessenta e quatro creches que estavam por iniciar ou com as obras paradas, em 152 municípios baianos, devem ser concluídas ainda este ano.

Da Redação
foto - Manu Dias/Gov.Ba.
Duzentas e sessenta e quatro creches que estavam por iniciar ou com as obras paradas, em 152 municípios baianos, devem ser concluídas ainda este ano. A informação foi dada pelo presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Antônio Idilvan, na manhã desta quinta-feira (21), durante reunião com representantes do governo e de prefeituras, no prédio da União dos Municípios da Bahia (UPB), em Salvador. No local foi montado um escritório do Fundo, órgão do Ministério da Educação que financia programas educacionais, para que os gestores municipais resolvam pendências envolvendo prestação de contas e obras e esclareçam dúvidas em relação às ações desenvolvidas pelo FNDE. A estrutura ficará disponível para atendimento até a próxima sexta-feira (22).
Iniciativa da Secretaria de Educação do Estado, por meio do programa Educar para Transformar, o encontro contou com a presença do governador Rui Costa, que destacou o efeito cumulativo da educação. "Os estímulos iniciais, chamados pelos especialistas de fase de desenvolvimento cognitivo da criança, são muito importantes e precisam ser conduzidos por pessoas capacitadas para isso. Investindo em creches estaremos formando uma nova geração de baianos, com uma capacidade criativa muito maior. São diversos os estímulos que as crianças recebem dentro da creche, com brinquedos, desenhos e músicas, por exemplo".
Na ocasião, Antônio Idilvan disse ainda que as obras paradas não são um problema apenas na Bahia, destacando que a interrupção não foi motivada por irregularidades ou falta de iniciativa das prefeituras. "Os problemas se deram com as empresas contratadas, que não cumpriram os contratos. As obras demoraram mais do que o prazo previsto, o custo aumentou e não foi possível fazer o aditivo. Agora estamos aqui reunidos para orientar os gestores, para que todos os entraves sejam vencidos e as próprias prefeituras façam a licitação e possam concluir a sua obra".
O governador ressaltou que em suas viagens pelo interior tem inaugurado algumas creches e visto outras com problemas de execução. "Tem uma empresa do Paraná, por exemplo, que ganhou um lote grande e não executou quase nada na Bahia. O tempo vai passando, o orçamento fica defasado e não se consegue concluir. O objetivo aqui hoje é resolver os problemas dessa natureza".
A adesão dos prefeitos às ações do Estado voltadas para a educação também foi destacada por Rui. "Eu tenho orgulho de ter prefeitos e prefeitas que abraçaram a causa. Quase 400 gestores municipais estiveram afirmando seu compromisso com a educação e, hoje, esse auditório lotado é mais uma afirmação do compromisso deles com o item creche". Para Rui, o papel das creches é tão importante que os municípios que quiserem construir o equipamento terão o apoio do Estado com a doação de terrenos.
A presidente da UPB, Maria Quitéria Macedo, destacou a parceria entre os entes federativos para a resolução de problemas que interessa a todos. “A obra parada é um prejuízo para a criança que não está na escola, para o erário e a sociedade como um todo. Quando buscamos soluções junto com o Estado e a União, fortalecemos a democracia, resolvendo um problema social. Vieram agora as alternativas e soluções para obras importantes que estavam paradas no meio do caminho”.
Com informações da Secom Ba.  21/01/2016

Metrô de Salvador será o 3º maior do Brasil em extensão em 2017

Transportes sobre trilhos

Quando a Linha 2 estiver pronta, em 2017, o Metrô de Salvador será o terceiro maior sistema metroviário do Brasil em extensão, totalizando 41 quilômetros. Ele só perderá em extensão para os metrôs de São Paulo e Rio de Janeiro.

ANPTrilhos
foto - ilustração
As obras do Metrô de Salvador estão em ritmo acelerado. Menos de um ano após vencer a licitação da parceria público-privada para a construção, operação e manutenção do sistema soteropolitano, a CCR Metrô Bahia concluiu as obras da Linha 1 e está conduzindo as obras da Linha 2.
Quando a Linha 2 estiver pronta, em 2017, o Metrô de Salvador será o terceiro maior sistema metroviário do Brasil em extensão, totalizando 41 quilômetros. Ele só perderá em extensão para os metrôs de São Paulo e Rio de Janeiro.
A linha 1 entrou em operação assistida em junho de 2014, com quatro estações, durante a Copa do Mundo. Depois, foram construídas mais quatro estações, totalizando os 12 quilômetros de extensão. A Linha 2 está em construção e terá 29 quilômetros, com 13 estações.
O transporte de passageiros sobre trilhos é um transporte de alta capacidade que contribuiu para a mobilidade dos cidadãos e desenvolvimento das cidades. Um sistema rápido e regular, que não polui e otimiza o tempo de deslocamento da população.
“O Governo da Bahia decidiu dar um grande passo para o avanço da mobilidade do cidadão soteropolitano e está investindo no sistema sobre trilhos como estruturador dos grandes fluxos da cidade de Salvador. Após 15 anos do projeto parado, a decisão pela concessão do sistema colocou o metrô operando em poucos meses e, em menos de quatro anos, o tornará o terceiro maior sistema do Brasil”, explica Roberta Marchesi, superintendente da Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos). A CCR Metrô Bahia é associada à ANPTrilhos.
A ANPTrilhos parabeniza o Governo da Bahia pelo avanço da rede de trilhos na cidade, acreditando que ela beneficiará a qualidade ambiental da cidade e contribuirá para melhorar a vida dos cidadãos.
Fonte - ANPTrilhos  21/01/2016

Estado descarta encurtar VLT de Cuiabá e estuda PPP para conclusão da obra

Transportes sobre trilhos

O governo do MT já sinaliza, após receber a primeira etapa da consultoria realizada pela KPMG de que uma Parceira Público Privada – PPP, deve ser a solução para a retomada e conclusão dos dois ramais que somam 23 km.

Folha Max/Cuiabá
foto - ilustração
Sem condições econômicas e financeiras para assumir a conclusão das obras do Veículo Leve sobre Trilhos – VLT, que fazia parte da Matriz de Responsabilidade da Copa do Mundo de 2014, que teve apenas parte das obras executadas, o governo do Estado já sinaliza, após receber a primeira etapa da consultoria realizada pela KPMG de que uma Parceira Público Privada – PPP, deve ser a solução para a retomada e conclusão dos dois ramais que somam 23 km. Mesmo sem admitir, durante a suspensão das obras e a posse do governo Pedro Taques, foi articulada a possibilidade do próprio Consórcio VLT Cuiabá/Várzea Grande, que é responsável pela obra e é composto pelas empreiteiras lideradas pela CR Almeida, Santa Bárbara, CAF, Magna e Astep, assumir não apenas a conclusão como também a exploração do modal.
Mesmo que as obras sejam concluídas via PPP, ainda restaria ao governo do Estado e às prefeituras de Cuiabá e Várzea Grande o custo para subsidiar a tarifa que somente será conhecida com a terceira etapa da consultoria da KPMG, que tem previsão de ser encerrada no final do mês de março próximo. Alegando respeitar a demanda da Justiça Federal, o secretário de Cidades, Eduardo Chiletto, sinalizou que a primeira etapa da consultoria mostrou qual o valor necessário para o Consórcio VLT concluir as obras dos 23 km mais as estações, mas somente o próprio governador Pedro Taques deverá divulgar todas as três etapas da consultoria da KPMG contratada por R$ 3,8 milhões.
A segunda etapa da consultoria trará o custo para operacionalização do VLT que, por estar entre os mais modernos do mundo, demandará treinamento específico além da questão de manutenção e conservação de trilhos, fibras óticas, vagões e material rodante. Eduardo Chilleto descartou, por exemplo, a possibilidade de redução de um dos dois trechos do VLT que é dividido entre o CPA e o Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, no primeiro trecho, e do Tijucal até a Avenida da Prainha, no segundo trecho.
Segundo o titular da Secid, a retirada de um dos trechos tornaria mais onerosa a operação do outro trecho, citando que o trecho entre o Tijucal no Grande Coxipó até o centro de Cuiabá é o mais importante por causa do volume de pessoas que se utilizam do sistema público de transporte de massa. Prazos para conclusão das obras e custo em definitivo ainda dependerão de outros estudos, pois o próprio contrato estabelece as correções de valores de ano para ano com a incidência da inflação que disparou em 2015 superando os 10,6%, cálculos que estão sendo projetados, mas que precisarão de novas correções diante da necessidade de mais de dois anos para retomada e conclusão das obras.
Fonte - ANPTrilhos  21/01/2016

Fórum Social lembra “atingidos ocultos” do desastre de Mariana

Meio ambiente

Participantes debatem o tema Consequências do Crime Ambiental de Mariana, durante o Fórum Social Temático.De acordo com a entidade, é a própria empresa que seleciona os que serão indenizados. Pescadores, agricultores, empreendedores de turismo são alguns dos moradores da região do município mineiro que, embora estejam na área afetada pelo rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Samarco, dizem não ser identificados como atingidos.

Camila Maciel
Enviada Especial - Ag.Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil
O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) cobrou hoje (21) uma política nacional que defina quem são os afetados por desastres, como o que ocorreu em Mariana (MG). De acordo com a entidade, é a própria empresa que seleciona os que serão indenizados. Pescadores, agricultores, empreendedores de turismo são alguns dos moradores da região do município mineiro que, embora estejam na área afetada pelo rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Samarco, dizem não ser identificados como atingidos. O tema foi discutido hoje (21) em debate no Fórum Social Temático, em Porto Alegre.

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Neudicléia Oliveira, da coordenação nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens, debate as consequências da tragédia de Mariana, no Fórum Social Temático
“Ao longo da bacia do Rio Doce tem os moradores que chamamos de 'atingidos ocultos', que viviam diretamente da água do rio. São pescadores, meeiros, posseiros, arrendatários, pessoas que plantavam e precisavam da irrigação, além dos veranistas que viviam do turismo e comércio”, citou Neudicléia Oliveira, da coordenação nacional do MAB. Segundo ela, essas pessoas passam por uma dupla violação de direitos. “Por um lado, são atingidos pela lama, pela água suja, e por outro, vão ter que provar legalmente que elas sofreram consequências pelo rompimento.”
Neudicléia lembrou ainda que as famílias pedem reassentamento e que, em alguns casos, as casas têm sido reformadas pela Samarco. “Há famílias que estão vivendo em hotéis, algumas que estão em apartamentos e outras que ainda vivem em área de risco, sem segurança alguma”, disse. Ela destacou que as comunidades, próximo à barragem de Germano, estão preocupadas com o risco de rompimento. “A empresa diz que daria tempo de alertar a população por conta das sirenes, mas a gente avalia que o tempo não seria suficiente”, acrescentou.

Memória
A presidenta da Central Única dos Trabalhadores (CUT) de Minas Gerais, Beatriz Cerqueira, falou da necessidade de pensar um novo modelo de mineração. “Se vocês observarem, os indicadores sociais de Mariana não correspondem ao fato de receberem mais recursos dos impostos da mineração. Esse modelo não repercute em desenvolvimento para a região para que as comunidades aturem esse tipo de violação”, destacou. Ela ressaltou ainda a necessidade de que o tema não deixe de ser debatido. “Conversem sobre Mariana. Essa é a forma de nós, pessoas comuns, fazermos com que memória dos oprimidos não seja apagada pelos opressores.”

Exposição
Na entrada do Auditório Araújo Viana, onde ocorreu o debate sobre o desastre ambiental em Mariana, uma exposição fotográfica mostra as imagens da lama que destruiu o distrito de Bento Rodrigues e que afetou também o município de Barra Longa. O fotógrafo paranaense Joka Madruga esteve na região durante 20 dias para fazer os registros. “O contato em Mariana foi difícil, porque a cidade depende da mineração, e as pessoas tem um relacionamento afetivo até com a Samarco. Algumas pessoas, inclusive, eram contra a empresa pagar pelo direito dos atingidos, pois poderia quebrar a Samarco”, relatou ele ao participar do debate e relembrar a experiência da região.
A Agência Brasil procurou a Samarco, mas não houve retorno até a publicação da reportagem.
Fonte - Agência Brasil  21/01/2016

Estações do Metrô de Salvador funcionarão até mais tarde nesse sábado

Transportes sobre trilhos

A CCR informa o funcionamento do Metrô em horário estendido nesse sábado (22) em função do jogo amistoso que será realizado a noite na Arena Fonte Nova.

Da Redação
foto - ilustração
As estações do metrô Lapa, Campo da Pólvora, Brotas, Bonocô, Acesso Norte, Retiro e Bom Juá, funcionarão nesse sábado, das 5h30 às 21h15, para facilitar o deslocamento dos torcedores que irão ao jogo Amistoso na Arena Fonte Nova.
Apenas a Estação Pirajá do metrô, ainda em operação assistida, funcionará normalmente nesse sábado, das 8h às 14h30.
A CCR Metrô Bahia orienta os usuários a adquirir, antecipadamente, o cartão de viagem do metrô na bilheteria das estações, evitando filas na ida para o estádio ou na volta para casa. Vale lembrar que a tarifa do metrô custa R$ 3,30.
Com informações da CCR Metrô Bahia 21/01/2016

VLT sera integrado ao Metrô de Salvador por túnel ligando o Comercio a estação da Lapa

Transportes sobre trilhos

Em resumo: um túnel subterrâneo seguirá em linha reta ascendente, com inclinação de 2%, passará pelo prédio do Sulacap, onde terá um acesso para a estação da Barroquinha. De lá, o túnel continua seguindo até chegar ao nível abaixo do subsolo da Estação da Lapa. 

Bahia Notícias
foto - ilustração
A prometida integração entre o veículo leve sobre trilhos (VLT) e o metrô de Salvador será feita por um túnel subterrâneo que liga a cidade baixa à estação da Lapa. Em entrevista ao Bahia Notícias, o chefe da Casa Civil do Governo do Estado, Bruno Dauster, explicou como a operação será realizada.
“Imagine um ponto qualquer na encosta entre a Igreja da Conceição da Praia e o Convento do Museu de Arte Sacra. Pegue um ponto qualquer e siga em linha reta. Você vai passar pelo final da Av. J. J. Seabra, onde tem a Barroquinha, e vai chegar à estação da Lapa”, detalhou Dauster. Em resumo: um túnel subterrâneo seguirá em linha reta ascendente, com inclinação de 2%, passará pelo prédio do Sulacap, onde terá um acesso para a estação da Barroquinha. De lá, o túnel continua seguindo até chegar ao nível abaixo do subsolo da Estação da Lapa.
O túnel será ligado às estações por escadas rolantes. Ainda em entrevista, Dauster acrescentou que os corredores flutuantes que ligam a orla atlântica até a orla da baía vão se articular com o VLT do Lobato, com o metrô em Pirajá e em Pituaçu. O VLT em Paripe será articulado à estação do metrô de Águas Claras e do Bairro da Paz. O edital do VLT será lançado em até 120 dias
Fonte - ABIFER  20/01/2016

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Quase 99% das exportações do Brasil em 2015 passaram pelos portos

Economia

Foram mais de 628 milhões dos 637,6 milhões comercializados para o exterior em todo o ano passado, conforme a SEP (Secretaria Especial de Portos), com base em dados do MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio).

Natália Pianegonda - Agência CNT
foto -  Divulgação/Appa
Os portos brasileiros movimentaram 98,6% das exportações brasileiras em 2015, dos quais 95,9% foram por via marítima e 2,7% por via fluvial. Foram mais de 628 milhões dos 637,6 milhões comercializados para o exterior em todo o ano passado, conforme a SEP (Secretaria Especial de Portos), com base em dados do MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio).
As exportações de soja puxaram boa parte do resultado. Os portos que mais movimentaram o produto foram Santos (13 milhões de toneladas), Rio Grande (11,3 milhões) e Paranaguá (8,5 milhões).
Os portos do Arco Norte consolidaram-se como importante ponto de saída dos produtos brasileiros e apresentaram destaque com relação à soja em grão. O volume de exportações passou de 8,7 milhões de toneladas em 2014 para 12,6 milhões de toneladas em 2015.
Com informações da SEP
Fonte - Agência CNT de Notícias  20/01/2016

Metrô de Salvador gratuidade: entenda quem tem direito ao benefício

Transportes sobre trilhos

Algumas categorias precisam solicitar a emissão do Cartão Gratuidade para ter acesso ao benefício. À exceção de idosos com mais de 60 anos, oficial de justiça federal, fiscal do trabalho e crianças até cinco, os demais beneficiários devem agendar uma visita ao Posto de Atendimento na estação da Lapa, através do telefone (71) 3432-7735, para se cadastrar e adquirir o cartão. 

Da Redação
foto - ilustração/Pregopontocom
Após 1 ano e seis meses de operação assistida, o metrô de Salvador começou a ser cobrado em janeiro, com a conclusão dos 12 km do seu projeto original, ligando a Lapa a Pirajá em 18 minutos. A tarifa estabelecida em R$ 3,30 ainda dá direito à integração com linhas de ônibus urbanas e metropolitanas. A gratuidade, entretanto, permanece para idosos acima de 60 anos, crianças até cinco, Oficial de Justiça Federal, Fiscal do Trabalho e pessoas com deficiência (comprovadamente carente e previamente cadastrada pela Secretaria Estadual da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos).
Algumas categorias precisam solicitar a emissão do Cartão Gratuidade para ter acesso ao benefício. À exceção de idosos com mais de 60 anos, oficial de justiça federal, fiscal do trabalho e crianças até cinco, os demais beneficiários devem agendar uma visita ao Posto de Atendimento na estação da Lapa, através do telefone (71) 3432-7735, para se cadastrar e adquirir o cartão.
Até o dia 28 de junho, pessoas com deficiência e portando cartão emitido pela Superintendência dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Sudef) ou da Unidade de Gratuidade de Pessoas Com Necessidades Especiais (UGPD) terão, automaticamente, acesso gratuito ao metrô. Após esta data, será necessária a confecção do Cartão Gratuidade. Já as crianças até dois anos sequer precisam girar a catraca, enquanto as com até cinco, por questões de segurança e controle, necessitam de liberação do Agente de Estação, que deve ser solicitada por seus acompanhantes ou responsáveis.
O Cartão Gratuidade é pessoal e intransferível, com punição, prevista por Lei, a quem tentar burlar o benefício. Também não é permitido o uso seguido no metrô dentro do intervalo de 15 minutos. A validade do Cartão é de 12 meses (limitada à validade dos cartões do Sudef ou UGPD nos casos específicos).
O acesso às estações é, exclusivamente, via catraca sinalizada com ícones de acessibilidade. O usuário apresenta seu cartão ao Agente, que valida e permite o acesso.
Acompanhantes – Para os casos em que o deficiente necessite de acompanhante, o cartão Gratuidade será identificado como “com Acompanhante” e apresentará, no verso, a identificação de até três pessoas previstas como tais, e que deverão ser cadastradas junto ao metrô quando da solicitação do Cartão. Para a liberação do acompanhante, basta apresentar documento com foto ao Agente da Estação.
Com informações da Sedur Ba. 20/01/2016

Bolsistas do CNPq estão entre os cientistas mais influentes do mundo

Ciência & Tecnologia

Três bolsistas de produtividade em pesquisa do (CNPq) estão na lista dos “mais brilhantes” cientistas em todo o mundo, divulgada pela Thomson Reuters no relatório The World’s Most Influential Scientific Minds 2015. 


Portal Brasil/CNPq
Três bolsistas de produtividade em pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) estão na lista dos “mais brilhantes” cientistas em todo o mundo, divulgada pela Thomson Reuters no relatório The World’s Most Influential Scientific Minds 2015. Um outro brasileiro também integra o seleto grupo de pesquisadores.
Os bolsistas da lista são Paulo Artaxo, do Departamento de Física da Universidade de São Paul; Ado Jorio, da Universidade Federal de Minas Gerais (Física); e Adriano Nunes-Nesi, da Universidade Federal de Viçosa (Ciências das Plantas e dos Animais). O outro cientista brasileiro da lista é Álvaro Avezum, do Instituto de Cardiologia Dante Pazzanese (Medicina Clínica).
O relatório aponta 3.126 nomes escolhidos entre um universo de cerca de 9 milhões de pesquisadores contabilizados pela Thomson Reuters. Os nomes destacados correspondem aos cientistas cujos artigos foram os mais citados ao longo de um período de 11 anos, entre 2003 e 2013.
De acordo com a metodologia adotada, esses 3.126 cientistas são responsáveis por 1% dos artigos mais citados em 21 áreas de pesquisa. Artaxo, por exemplo, está entre os 148 mais citados em Geociências; Jorio, por sua vez, está entre os 119 mais citados em Física.
Quase a metade dos 3.126 pesquisadores está vinculada a instituições sediadas nos Estados Unidos. Os demais se distribuem entre instituições do Reino Unido, Alemanha, China, Austrália, Canadá, Holanda, Japão, França, Suíça, Arábia Saudita e Espanha.
O relatório se baseia em dados e análises realizadas pelos especialistas em bibliometria da Negócios de Intellectual Property and Science, uma unidade de negócio da Thomson Reuters. Foram avaliados mais de 120 mil papers, indexados entre 2003 e 2013, em cada área de estudo.

Saiba mais sobre os brasileiros
Paulo Artaxo, do Departamento de Física da Universidade de São Paulo, na área de Geociências. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq – Nível 1A, foi membro do Comitê de Assessoramento de Física e Astronomia.
Currículo: http://lattes.cnpq.br/3977660018939385

Ado Jorio, da Universidade Federal de Minas Gerais (Física).
Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq – Nível 1A e membro do Comitê de Assessoramento de Física e Astronomia.
Currículo: http://lattes.cnpq.br/0034894070455412

Adriano Nunes-Nesi, da Universidade Federal de Viçosa (Ciências das Plantas e dos Animais). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq – Nível 1D e foi membro do Comitê de Assessoramento de Botânica.
Currículo: http://lattes.cnpq.br/4220071266183271

Álvaro Avezum, do Instituto de Cardiologia Dante Pazzanese (Medicina Clínica).
Currículo: http://lattes.cnpq.br/5000252539139347
Fonte - Revista Amazônia  20/01/2016

Rui Costa anuncia data da reabertura da Concha Acústica do TCA

Arte&Cultura

Para inauguração, haverá festa nos dias 13, 14 e 15, (sexta, sábado e domingo), segundo Rui. A primeira etapa do complexo Castro Alves, custou em torno de R$ 80 milhões, segundo balanço do governo.

A Tarde
Com informações de Anderson Sotero

A Concha Acústica do Teatro Castro Alves(TCA), em Salvador, deve ser reinaugurada no próximo dia 13 de maio, conforme anunciou o governador Rui Costa, nesta terça-feira, 19, durante entrega de obra de contenção de encosta em Canabrava.
Para inauguração, haverá festa nos dias 13, 14 e 15, (sexta, sábado e domingo), segundo Rui. A primeira etapa do complexo Castro Alves, custou em torno de R$ 80 milhões, segundo balanço do governo.
Rui também disse que, depois da inauguração da Concha, serão iniciadas as obras para a Sala do Coro. Com a conclusão da Sala do Coro, as obras seguirão na sala principal do TCA, com previsão de entrega no início de 2018.

Atrasos
As obras na Concha Acústica foram iniciadas em dezembro de 2013. O prazo inicial para entrega era outubro de 2014, mas o cronograma precisou ser alterado.
"A primeira etapa da obra foi financiada pelo Banco do Brasil, porém a verba demorou para ser repassada. Por isso, adiamos o início. Uma vez liberada, a obra acelerou", explicou Rui Costa.
Fonte - A Tarde  20/01/2016

1,14 milhão de usuários realizam conexão entre Metrô e Aeroporto via Aeromóvel em 2015

Transportes sobre trilhos

Porto Alegre - Em média, 3,4 mil passageiros por dia útil utilizaram linha que integra sistema metroviário da Trensurb ao Terminal 1 do Salgado Filho. Em 2014, 891.269 usuários haviam realizado a conexão entre metrô e aeroporto via aeromóvel.

Trensurb
foto -  Fabiano Scheck/Trensurb
Em 2015, a linha da tecnologia aeromóvel operada pela Trensurb, que conecta o metrô ao Terminal 1 do Aeroporto Internacional Salgado Filho, registrou o transporte de 1.140.802 passageiros, média de 95.067 por mês. A média de usuários por dia útil foi de 3.406. Em 2014, 891.269 usuários haviam realizado a conexão entre metrô e aeroporto via aeromóvel. No mesmo ano, a média havia sido de 2.801 passageiros transportados por dia útil. Vale lembrar que a linha opera comercialmente no horário integral de funcionamento do metrô (das 5h às 23h20) desde maio de 2014.
No dia 15 de junho de 2015, 4.342 passageiros utilizaram o serviço, recorde diário desde o início da operação. No mês seguinte, em julho, a linha chegou ao recorde de passageiros transportados em um único mês: 103.478, com média de mais de 3.611 passageiros por dia útil, também a maior marca atingida desde o início da operação do modal. Outra marca alcançada no ano que passou, no dia 4 de novembro, foi a de dois milhões de usuários transportados desde a abertura ao público, em agosto de 2013, ainda em regime experimental. Desde então, até o fim de 2015, 2.179.779 passageiros viajaram no aeromóvel.

Conexão metrô-aeroporto
O projeto foi desenvolvido no Brasil, usando tecnologia 100% nacional e movimentou uma cadeia produtiva que envolveu mais de 50 empresas e mil profissionais. Os veículos suspensos, movidos a ar, permitem integração e acesso rápido e direto ao terminal aeroportuário sem custo adicional para os usuários do metrô. O trajeto de 814 metros, com duas estações de embarque, é percorrido em 2 minutos e 40 segundos. Além de qualificar o acesso ao aeroporto, o empreendimento cumpre diretriz do governo federal para empresas estatais de investir em projetos de infraestrutura e inovação tecnológica e fomentar o desenvolvimento da indústria nacional.
Projetado pelo Grupo Coester, de São Leopoldo, o aeromóvel é um meio de transporte automatizado, em via elevada, que utiliza veículos leves, não motorizados, com estruturas de sustentação esbeltas. Sua propulsão é pneumática – o ar é soprado por ventiladores industriais de alta eficiência energética, por meio de um duto localizado dentro da via elevada. O vento empurra uma aleta (semelhante a uma vela de barco) fixada por uma haste ao veículo, que se movimenta sobre rodas de aço em trilhos.
Sustentabilidade e economia são marcas do aeromóvel. O projeto atende às legislações ambientais vigentes e, como a propulsão se dá com o acionamento de motores elétricos, não há emissão de poluentes gasosos. Esses motores são dispostos em casas de máquinas acusticamente isoladas, evitando também a poluição sonora. Já as estruturas elevadas e menos espessas, com design moderno, evitam a poluição visual. Por sua vez, a média mensal de custo de propulsão por passageiro foi inferior a R$ 0,10 em 2015.
Fonte - Trensurb  20/01/2016

Quarta revolução industrial é tema do Fórum Econômico Mundial em Davos

Internacional

Fórum Econômico Mundial vai discutir consequências da quarta revolução industrial EPPA. Depois da primeira revolução (com o aparecimento da máquina a vapor, da segunda (eletricidade, cadeia de montagem) e da terceira (eletrônica, robótica), surge a quarta revolução industrial que combinará numerosos fatores como a internet dos objetos ou a "big data” para transformar a economia.

Da Agência Lusa
foto - ilustração
A quarta revolução industrial, que implicará a perda de 5 milhões de empregos nos próximos cinco anos nas principais economias mundiais, vai ser o tema principal do Fórum Econômico Mundial, que começa hoje (20) em Davos, Suíça.
Além da perda de 5 milhões de empregos nos próximos cinco anos em todo o mundo, a quarta revolução industrial provocará "grandes perturbações não só no modelo dos negócios, mas também no mercado de trabalho nos próximos cinco anos", indica um estudo da entidade que organiza o Fórum de Davos.
Depois da primeira revolução (com o aparecimento da máquina a vapor, da segunda (eletricidade, cadeia de montagem) e da terceira (eletrônica, robótica), surge a quarta revolução industrial que combinará numerosos fatores como a internet dos objetos ou a "big data” para transformar a economia.
"Sem uma atuação urgente e focada a partir de agora para gerir esta transição a médio prazo e criar uma mão de obra com competências para o futuro, os governos vão enfrentar desemprego crescente constante e desigualdades", alerta o presidente e fundador do Fórum de Davos, Klaus Schwab, citado num comunicado.
Esta 46ª edição do Fórum de Davos, que termina em 23 de janeiro, ocorre num momento em que o medo da ameaça terrorista e a falta de respostas coerentes para a crise de refugiados na Europa se juntam às dificuldades que a economia mundial encontra para voltar a crescer e à forte desaceleração das economias emergentes.
Apesar de ter passado quase meio século desde que começou, a atração do Fórum de Davos não diminui, pelo contrário parece reforçar-se, sobretudo tendo em conta a lista de participantes, entre os quais estão mais de 40 chefes de Estado e de Governo de todas as regiões do mundo.
Várias edições do Fórum Econômico proporcionaram encontros e diálogos inesperados, que, em determinadas ocasiões, contribuíram para baixar tensões entre países ou encaminhá-los para aproximações posteriores.
Assim, este ano, especula-se sobre eventuais encontros para ajudar a frear crises como as atuais, entre a Turquia e a Rússia ou a do Irã com a maioria dos países do golfo Pérsico, depois da execução na Arábia Saudita de um líder religioso xiita.
A localidade suíça de Davos, apreciada pelos esquiadores pelas ótimas infraestruturas, recebe anualmente delegações oficiais de alto nível de 80 países, além de entre 2 mil e 3 mil empresários executivos e líderes da sociedade civil, de confissões religiosas, da juventude e da arte.
A concentração de personalidades obriga os organizadores e o governo suíço a tomar medidas de segurança excepcionais, mas este ano estima-se que assumam dimensões nunca vistas até agora porque um encontro desse tipo é visto como um objetivo para os terroristas. Um porta-voz da organização garantiu que não há motivo para preocupação, porque a segurança será "muito boa".
Fundado em 1971, o Fórum de Davos apresenta-se como um “laboratório de ideias” para debater grandes temas relevantes para o mundo a curto e médio prazo.
Fonte - Agência Brasil  20/01/2016