sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Trabalhadores protestam contra PEC do Teto dos Gastos

Política

Em todo o Brasil diversas categorias estão em greve neste momento interrompendo a atividade, os serviços e a produção. Estamos organizando essa greve geral em razão do retrocesso que está sendo imposto pelo governo federal, representado pela PEC 55, que foi aprovada na Câmara como PEC 241, que congela os investimentos em educação, saúde e áreas sociais. 

Andreia Verdélio
Repórter da Agência Brasil

Salvador-Ba/imagens Facebook - Walter Takemoto
Servidores públicos e trabalhadores de diversas categorias fazem hoje (11) paralisações em várias cidades do país contra “a retirada de direitos” da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55 e outras medidas do governo de Michel Temer. O movimento foi convocado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) , por outras entidades sindicais e por movimentos sociais.
Conhecida como PEC do Teto dos Gastos, a proposta que tramita no Senado determina que, nos próximos 20 anos, o governo federal só poderá gastar o mesmo valor do ano anterior corrigido pela inflação.
“Em todo o Brasil diversas categorias estão em greve neste momento interrompendo a atividade, os serviços e a produção. Estamos organizando essa greve geral em razão do retrocesso que está sendo imposto pelo governo federal, representado pela PEC 55, que foi aprovada na Câmara como PEC 241, que congela os investimentos em educação, saúde e áreas sociais. Essa e várias outras questões que estão sendo conduzidas pelo governo que são um retrocesso para a classe trabalhadora”, disse o secretário-geral da CUT do Distrito Federal, Rodrigo Rodrigues.
O governo federal alega que a PEC não reduzirá os repasses para educação e que o ajuste fiscal é necessário em um contexto de crise econômica.
Os manifestantes são contrários ainda à reforma da Previdência, que aumenta a idade mínima da aposentadoria para 65 anos, tanto de mulheres quanto de homens, e as reformas tributária e trabalhista. A Medida Provisória de reformulação do ensino médio e a "entrega do petróleo do pré-sal a empresas estrangeiras” também motivou os protestos.
No Distrito Federal, os manifestantes se concentraram em frente ao Ministério da Educação. Segundo Rodrigues, não há intenção de fazer audiências ou negociações com representantes do governo.
“Não há diálogo quando se tem um golpe, não há diálogo com os setores da sociedade. Continuaremos fazendo manifestações até que os retrocessos sejam revertidos”, disse o secretário da CUT-DF.

Rodoviários, bancários e professores paralisam atividades na Bahia

Sayonara Moreno 
Rodoviários, bancários e professores foram algumas das categorias que paralisaram as atividades na manhã de hoje (11) em Salvador em protesto contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55 que tramita no Senado e limita os gastos públicos federais nos próximos 20 anos.
Os rodoviários atrasaram a saída dos ônibus das garagens e ficaram a maior parte da manhã sem rodar em alguns pontos da cidade.
Os professores estaduais e municipais também aderiram à paralisação nacional. Os docentes da rede municipal anunciaram a reposição das aulas para o próximo dia 19 e disseram que a decisão foi comunicada com antecedência aos pais de alunos do município. Os professores da rede estadual ainda não comunicaram uma data para reposição de aulas.
Também foram registrados atos na BR-415, região de Itabuna, Sul da Bahia e na BA-535, próximo a Camaçari, região metropolitana.
Em Salvador, um grupo de manifestantes bloqueou a pista da Avenida ACM, uma das principais da cidade, em frente a um shopping, no início da manhã, causando congestionamento.
Fonte - Agência Brasil  11/11/2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua visita,ajude-nos na divulgação desse Blog
Cidadania não é só um estado de "direito",é também um estado de "espírito"