sábado, 1 de outubro de 2016

Engenheiro japonês desenvolve turbina eólica que aproveita energia de tufões

Tecnologia

“Tufões são sempre um desastre”. No entanto, Shimizu acredita que ele pode transformar as forças destrutivas em solução para as crises de energia do Japão. Tufões são capazes de produzir ventos imensos que geralmente quebram turbinas eólicas tradicionais.


Interesting Engineering/Ciclo Vivo
imagem/YouTube
O engenheiro japonês Atsushi Shimizu é o desenvolvedor de uma turbina eólica que irá aproveitar com segurança o poder dos ventos fortes produzidos por um tufão.
Desde 2011, o programa nuclear do Japão foi desligado sobre as preocupações em torno da crise de Fukushima. Atualmente, o país está enfrentando uma crise de energia, resultando na necessidade de importar cerca de 84% das suas necessidades energéticas. Missões de introduzir turbinas eólicas tradicionais têm falhado, como resultado de condições meteorológicas extremas.
“Durante décadas, o Japão trouxe em turbinas eólicas de estilo europeu, não concebidos para zonas de tufão, e foi instaladas sem uma análise cuidadosa – essas turbinas foram quebradas quase inteiramente”, Diz Shimizu.
“Tufões são sempre um desastre”. No entanto, Shimizu acredita que ele pode transformar as forças destrutivas em solução para as crises de energia do Japão. Tufões são capazes de produzir ventos imensos que geralmente quebram turbinas eólicas tradicionais.
Apenas uma tempestade pode produzir energia para cerca de metade da capacidade de geração de energia elétrica em todo o mundo, conforme relatado pelo Atlantic Oceanographic & Meteorological Laboratory. Se o poder de uma tempestade pode ser armazenada, o Japão teria energia suficiente para 50 anos com apenas um tufão.
O engenheiro tem trabalhado na criação da turbina que aproveita tufões pela empresa Challenergy. O primeiro passo foi desenhar um eixo vertical omnidirecional (tem as mesmas propriedades em todas as direções) que suporta os padrões de vento imprevisíveis do Japão. O segundo foi incorporar o que os cientistas chamam de efeito Magnus, que eleva o controle sobre as turbinas.
Ao apertar uma haste central, os engenheiros conseguem ajustar a velocidade das lâminas, para garantir que elas não saiam do controle em meio a uma tempestade. Com esse modelo, os cientistas fizeram testes e alcançaram 30% de eficiências energética. Nas turbinas eólicas tradicionais a eficiência é de 40%, mas elas não funcionam em meio a um furacão.
Fonte - Revista Amazônia  01/10/2016

Vídeo



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua visita,ajude-nos na divulgação desse Blog
Cidadania não é só um estado de "direito",é também um estado de "espírito"