domingo, 3 de julho de 2016

SBPC é aberta com participação de estudantes e professores indígenas

Educação

Em um dos mais importantes fóruns para a difusão dos avanços da Ciência, os indígenas apresentaram experiências que aliam tecnologias sociais e os saberes tradicionais nas escolas estaduais, em uma troca de conhecimentos com a comunidade científica da SBPC.

Da Redação
Gabriel Carvalho
Estudantes e professores indígenas da rede estadual participaram, nesta sexta-feira (1º), da abertura oficial da 68ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira (SBPC), que acontece até este sábado (2), no campus da Universidade Estadual da Bahia (Uneb), em Teixeira de Freitas, e de 3 a 9, em Porto Seguro. Em um dos mais importantes fóruns para a difusão dos avanços da Ciência, os indígenas apresentaram experiências que aliam tecnologias sociais e os saberes tradicionais nas escolas estaduais, em uma troca de conhecimentos com a comunidade científica da SBPC.
O secretário da Educação da Bahia, Walter Pinheiro, que participou da abertura, destaca a importância do evento científico e da articulação que a atividade promove entre a educação básica e o ensino superior. “Este é um fórum representativo, amplo, inovador e completamente revolucionário e espero que daqui a gente tire as diretrizes para adotar uma outra prática, a da universidade indo para a Secretaria, indo para a sala de aula e a gente fazendo da educação básica o nosso principal palco de atuação”, afirma.
Valderez Francisco dos Santos, que ministra a disciplina de Ciências no Colégio Indígena Tawá, ressalta que participar da SBPC é uma grande oportunidade para difundir a cultura que é trabalhada em sala de aula considerando todas as especificidades da Educação Indígena. “Na escola, nos envolvemos com muito afinco para resgatar a nossa cultura, para que ela esteja presente de uma forma mais intensa, pois um povo sem cultura não é um povo e para permanecermos vivos precisamos dela e, por isso, desenvolvemos vários projetos com os estudantes”, destaca a educadora.
O professor indígena João Bernardo Junior, do Colégio Estadual Indígena Curunbalzinho, também comenta a troca de experiências. “Ceio que é muito importante a participação dos indígenas neste evento e estamos aqui para mostrar nossas ideias e projetos para que se valorize ainda mais a nossa carreira de professores indígenas”, conta o educador.

Projetos
Ao todo, estudantes de 61 escolas estaduais, sendo 17 indígenas, irão apresentar, em Teixeira de Freitas e Porto Seguro, suas produções artísticas, culturais e científicas, selecionados no âmbito dos projetos promovidos pela Secretaria da Educação do Estado da Bahia, a exemplo do Artes Visuais Estudantis (AVE), Educação Patrimonial e Artística (EPA), Tempos de Arte Literária (TAL), Festival da Canção Estudantil (Face) e Produção de Vídeos Estudantis (Prove).
A estudante Isabele Gomes de Jesus, que cursa o 3° ano no Centro Educacional Machado de Assis, participa pela primeira vez de um evento científico nacional. “Nosso projeto consiste na criação de um desengordurante natural feito com produtos que temos em casa pensando na questão ecológica e na economia”, explica.
Alice Dias Cordeiro acabou de concluir o ensino médio no Colégio Estadual Henrique Brito e também aproveita para socializar um dos seus projetos criados na unidade escolar. “Fizemos um mapeamento em Teixeira de Freitas e localizamos os bairros onde estão localizados os índices de violência e sugerimos, para minimizar essa questão, promover rodas de conversas, jogos esportivos e eventos culturais voltadas para os jovens”, diz ex-aluna da rede estadual.

Programação
O primeiro dia da SBPC Educação incluiu cursos formativos voltados para professores indígenas e atividades como palestras e mesas redondas. Um dos destaques foi uma aula show sobre a história da música baiana apresentada pelo cantor e compositor Paulinho Boca de Cantor, com a presença de estudantes e educadores.
Em Porto Seguro, a programação integra a ExpoT&C, SBPC Jovem, SBPC Cultural, SBPC Artes, SBPC Indígena e Dia da Família na Ciência. No evento, serão expostos 11 trabalhos científicos do projeto Ciência na Escola, desenvolvido pela Secretaria da Educação do Estado com o objetivo de estimular o estudo da Ciência. Também serão promovidas oficinas de Ciência da Natureza, pelo Centro Juvenil de Ciência e Cultura. Além disso, peças de artesanato confeccionadas pelos professores indígenas e uma oca estarão em exposição.
Com informações da Secom Ba.  03/07/2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua visita,ajude-nos na divulgação desse Blog
Cidadania não é só um estado de "direito",é também um estado de "espírito"