quinta-feira, 3 de março de 2016

China vai investir na Agenda Econômica de Nicolás Maduro

Internacional

A China manifestou interesse em financiar diversos projetos de infraestrutura na Venezuela dentro da Agenda Econômica Bolivariana, anunciada pelo Presidente Nicolás Maduro. Para viabilizar esses aportes, uma missão de alto nível do Governo venezuelano está em Pequim, reunida com representantes do Governo chinês e de instituições financeiras.

Sputnik
imagem - Sputnik
A missão vai debater um plano de financiamento e cooperação dentro de um pacto bilateral de 10 anos e que pode ser apoiado por instituições como o Banco de Desenvolvimento Econômico da China. O objetivo do Governo venezuelano é diminuir, em longo prazo, a dependência do petróleo dentro da pauta de exportações do país, estimulando pesquisa e investimento em áreas como indústria petroquímica, produção farmacêutica, agronegócio, mineração, exploração florestal, construção civil, telecomunicações, informática, bancos e turismo, entre outras.
Enquanto não são definidos esses aportes, a China já anunciou que vai investir no desenvolvimento do Campo da Faixa Petrolífera do Orinoco e no chamado Arco de Mineração, como parte da associação estratégica com a Venezuela, segundo informa a TeleSur, TV estatal venezuelana. Os investimentos seriam complementados com o financiamento para compra de implementos e maquinaria a ser exportada pela China. Em paralelo às negociações, um fórum, nesta terça-feira, 1, reuniu mais de 50 empresas interessadas em investir no país sul-americano.
Para o professor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Luiz Carlos Prado, as atuais negociações refletem a cooperação que Venezuela e China vêm mantendo há anos.
"A China é uma parceira importante de importação de petróleo da Venezuela, além dos Estados Unidos, principal destino de exportação do petróleo venezuelano”, lembra o Professor Prado. “Este é mais um momento de encontro dos países. Não há nada que indique nenhuma diferença, nenhuma mudança de patamar de investimento da China na Venezuela, apenas a continuidade de um processo que já é um pouco antigo.”
Segundo o especialista, o principal objetivo da China é ter assegurado um compromisso confiável de fornecimento de petróleo. Em contrapartida, a Venezuela está pressionada em suas contas externas pela redução do preço do preço do petróleo no mercado internacional. Sob o ponto de vista da oportunidade, a Venezuela tenta encontrar novas fontes de financiamento.

Prado observa que a atuação internacional da China tem crescido nos últimos tempos:
"A China vem tentando se posicionar de maneira mais incisiva na economia mundial. Não só na América do Sul. Fez também investimentos importantes na África Subsaariana. Faz parte do aumento da importância da economia chinesa. A parte de expansão mais ativa da China, contudo, de certa maneira já passou. O preço das commodities agora está mais baixo, o que significa que a capacidade de retorno de alguns desses investimentos se reduz, e a própria economia chinesa, embora ainda crescendo bastante, mostra uma velocidade menor do que tinha no passado. Alguns desses projetos, que exigiam investimento maior, dificilmente serão levados adiante nesta conjuntura.”
Fonte - Sputnik  02/03/2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua visita,ajude-nos na divulgação desse Blog
Cidadania não é só um estado de "direito",é também um estado de "espírito"