sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Ministro promete apoio do governo federal para concluir VLT de Cuiabá

Transportes sobre trilhos

As obras estão paradas desde 2014 após consumir mais de R$ 1 bilhão em recursos públicos. Um estudo independente já apontou que a implantação do sistema deverá custar pelo menos outros R$ 602 milhões para ficar pronta.

G1 - RF
foto - ilustração
Em visita à capital mato-grossense na manhã desta quinta-feira (4), o ministro das Cidades, Gilberto Kassab (PSD), prometeu ao governador Pedro Taques (PSDB) apoio do governo federal para encontrar soluções técnica e financeira para a conclusão das obras do metrô de superfície Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na região metropolitana de Cuiabá. As obras estão paradas desde 2014 após consumir mais de R$ 1 bilhão em recursos públicos. Um estudo independente já apontou que a implantação do sistema deverá custar pelo menos outros R$ 602 milhões para ficar pronta.
“Não é possível que Cuiabá e Várzea Grande tenham uma cicatriz no seu meio. Obra parada é prejuízo para o cidadão”, defendeu o governador Pedro Taques diante do ministro durante entrevista coletiva concedida à imprensa logo após reunião envolvendo as equipes do governo do estado e do Ministério das Cidades, no Palácio Paiaguás. Durante a reunião, o governo estadual apresentou pedido de apoio do governo federal para as obras.
Por sua vez, o ministro não chegou a se comprometer especificamente com o aporte de qualquer valor em recursos federais, mas assegurou que o governo federal e sua equipe técnica do Ministério das Cidades vão elaborar – em conjunto com o governo do estado de Mato Grosso – um plano de subsídio financeiro tanto para a conclusão das obras quanto para a operação do novo modal de transporte público.
“No mundo inteiro, o transporte público – em especial sobre trilhos e também o BRT [Bus Rapid Transit, sistema de corredores exclusivos para ônibus] – requer subsídios”, argumentou Kassab, defendendo também a implantação em Mato Grosso de um modelo de parceria entre o estado e a iniciativa privada – que poderia ser nos moldes das Parcerias Público-Privadas (PPP) – com o intuito de finalizar a implantação do novo sistema de transporte e, em seguida, operá-lo na região metropolitana.
“Devemos dar prioridade grande para a busca de parceiros na iniciativa privada porque eles trazem recursos e oportunidade de participação na operação, barateando o empreendimento, em especial no curto prazo”, destacou.
Quanto aos obstáculos técnicos para a conclusão do VLT, o ministro anunciou que sua equipe deverá auxiliar a elaborar uma solução com base em outras saídas encontradas em obras de engenharia com elevado grau de complexidade no Brasil. Ele se mostrou otimista em relação ao futuro do empreendimento, afirmando que notou a preocupação do governo estadual, mas também a existência de “vontade política” para a conclusão dos trabalhos.
Fonte - Revista Ferroviária   04/02/2016

Um comentário:

  1. Um tiro no pé - Basta rebuscarmos alguma reportagens antigas sobre o VLT de Cuiabá,quando o gov. na época (antes da copa) resolveu substituir o projeto do BRT pelo VLT,e veremos que o atual gov. sempre foi um ferrenho opositor do VLT e trabalhou insistentemente contra o mesmo.Agora colhe o fruto do que plantou,o pipino irrigado por ele acabou caindo nas suas próprias mãos para ser devidamente descascado.

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua visita,ajude-nos na divulgação desse Blog
Cidadania não é só um estado de "direito",é também um estado de "espírito"