sábado, 19 de dezembro de 2015

Bilhete Único Metropolitano deve ser implantando até março na RM de Fortaleza

Mobilidade

Lançamento do programa ocorrerá em janeiro, a partir de quando terá início o cadastramento de usuários.O sistema permite aos usuários do transporte público intermunicipal fazer integração com os ônibus de Fortaleza pagando apenas uma passagem - denominada Tarifa Metropolitana Integrada - no tempo de até três horas. 

Diário do Nordeste
foto - Fernanda Siebra 
O Bilhete Único Metropolitano deverá ser implantado até março, segundo anunciou o governador Camilo Santana neste sábado (19), antes do início da reunião de Monitoramento de Ações e Projetos Prioritários (Mapp).
O sistema permite aos usuários do transporte público intermunicipal fazer integração com os ônibus de Fortaleza pagando apenas uma passagem - denominada Tarifa Metropolitana Integrada - no tempo de até três horas.
O programa será lançado oficialmente ainda na primeira semana de janeiro, entre os dias 12 e 14, a partir de quando será realizado o cadastramento da população da Região Metropolitana de Fortaleza interessada em aderir ao Bilhete.

Crise impediu implantação em 2015
Camilo destacou que o sistema foi um de seus compromissos de campanha e culpou a crise econômica pela não implantação ainda em 2015. "Vai ser uma economia no bolso do trabalhador, porque vai haver economia na tarifa e no tempo, porque ele não vai mais precisar ir no terminal fazer conexão.
O Bilhete Único Metropolitano deve gerar economia para cerca de 2,8 milhões de passageiros. Os beneficiários terão direito a realizar duas integrações por dia, no máximo, com o intervalo mínimo entre elas não podendo ser inferior a uma hora. O valor da Tarifa Integrada será menor que a soma das duas passagens, metropolitana e da Capital.
No total, o serviço intermunicipal possui 75 linhas regulares, das quais oito não entram na Capital.
Fonte - Diário do Nordeste  19/12/2015

Escolas públicas se destacam por bons indicadores, em meio a situações adversas

Educação

O estudo mapeia elementos que são comum às escolas e que podem ser replicados em larga escala para melhorar as etapas de ensino. Primeiro, é preciso assegurar condições para que os alunos frequentem e não abandonem a escola. Além disso, o tempo pedagógico é garantido, ou seja, o tempo que o estudante está na escola é ocupado com aulas ou outras atividades que vão ajudar no desenvolvimento.

Mariana Tokarnia
Repórter da Agência Brasil
Escola Municipal Miguel Antonio de Lemos,
Pedra Branca (CE)
Gabriela Portilho/Divulgação Fundação Lemann
No Brasil, 35 escolas públicas se destacam por conseguir, mesmo em condições adversas, garantir um bom aprendizado aos alunos no ensino fundamental. São escolas que atendem alunos de baixo nível socioeconômico em diferentes regiões do Brasil e conseguem que eles avancem juntos e tenham bons desempenhos nas avaliações nacionais. Os dados são da pesquisa Excelência com Equidade – Os desafios dos anos finais do ensino fundamental.
O estudo mapeia elementos que são comum às escolas e que podem ser replicados em larga escala para melhorar as etapas de ensino. Primeiro, é preciso assegurar condições para que os alunos frequentem e não abandonem a escola. Além disso, o tempo pedagógico é garantido, ou seja, o tempo que o estudante está na escola é ocupado com aulas ou outras atividades que vão ajudar no desenvolvimento. “Educação é um direito independente do contexto social. Todo aluno tem que ter o direito ao aprendizado garantido”, diz o coordenador da Fundação Lemann e coordenador geral da pesquisa, Ernesto Faria.
Nessas escolas, o trabalho dos professores é pautado por avaliações, feitas sistematicamente para medir o aprendizado e orientar as aulas. Além disso, a Secretaria de Educação oferece suporte pedagógico e estrutural e os gestores atuam para fortalecer o vínculo dos profissionais com as escolas. Os professores também levam em conta o contexto de vida dos alunos na prática educacional. Por fim, são feitas mudanças na prática em sala de aula, para melhorar a aprendizagem dos alunos.
“É importante porque não é por um contexto mais vulnerável que se pode perder o aluno. Não se pode cair na armadilha de olhar apenas para o aluno mais engajado, todo aluno importa”, diz Faria. As escolas atendem alunos de baixo nível socio economico, têm um alto percentual de alunos com aprendizado adequado em português e matemática, mostraram evolução no desempenho dos alunos na Prova Brasil, de 2009 a 2013, e pertencem a redes de ensino que melhoraram como um todo nos últimos anos.
A pesquisa avalia escolas em diferentes contextos – urbanas e rurais – inseridas em grandes capitais e em pequenos municípios, com muitos ou poucos alunos. “O estudo desmonta mitos relacionados à educação que são bastante difundidos. O primeiro, é que escola pública é ruim. O segundo, é que criança pobre não aprende. O estudo mostra que as escolas públicas conseguem fazer um trabalho de altíssimo nível”, diz a consultora do Itaú BBA, Ana Inoue.

Excelência com equidade 
A pesquisa, feita em parceria pela Fundação Lemann, Instituto Credit Suisse Hedging-Griffo e Itaú BBA, dá continuidade ao estudo lançado no ano passado, referente aos anos iniciais do ensino fundamental, período que vai do 1º ao 5º ano. Agora foi analisado o período escolar do 6º ao 9º ano do ensino fundamental. Se na primeira pesquisa foram encontradas 215 escolas públicas que garantiam educação de qualidade a estudantes de baixa renda, esse número, usados os mesmos critérios, cairia para apenas três nos anos finais do ensino fundamental.
O grupo decidiu então flexibilizar os critérios considerando, entre outros, não apenas os resultados finais, mais o quanto essas escolas evoluíram nos últimos anos, o que elevou o número de escolas a 35, com experiências que podem ser compartilhadas.
De acordo com a pesquisa, a baixa quantidade de escolas evidencia os desafios específicos dos anos finais do ensino fundamental. Entre eles, a heterogeneidade das turmas. A evasão escolar e as defasagens acumuladas no percurso escolar têm mais impacto nos anos finais do ensino fundamental, do que nos iniciais, quando os alunos são mais jovens e estão no início da vida escolar.
O estudo, divulgado esta semana está disponível na internet em -  http://www.fundacaolemann.org.br/wp-content/uploads/2015/12/Excelencia_com_Equidade_Anos_Finais-1.pdf

Conheça as experiências de seis dessas escolas:

Escola Municipal Miguel Antonio de Lemos, Pedra Branca (CE)
A escola Miguel Antonio de Lemos fica na zona rural do município de Pedra Branca, a cerca de 18 quilômetros (km) do centro da cidade. A estrutura da escola é simples, falta, por exemplo, água encanada. No entanto, é o único local da comunidade que congrega educação, esporte, arte e lazer, assumindo a função de centro cultural e espaço de eventos familiares, como casamentos e batizados, nos fins de semana. Essa proximidade com a vizinhança favorece a atribuição de valor à escola.
“Vivemos em busca de sucesso e não em função dos problemas. Eles existem em todas as instituições. Nossa comunidade concentra não alfabetizados. A escola procura abraçar isso. Temos dois trabalhos: fazer com que nossos alunos aprendam e fazer com que as famílias tenham consciência de que os filhos precisam aprender”, diz o diretor da escola Pedra Branca, Amaral Barbosa. Um terço da população de Pedra Branca com idade igual ou superior a 15 anos não sabe ler nem escrever.
Segundo Barbosa, o envolvimento da família é fundamental. Para aqueles alunos cujos responsáveis não se comprometem com o acompanhamento, a escola tem uma estratégia: o adote um aluno. “Os alunos com dificuldades e ausência de família são distribuídos entre os fucionários e professores, que assumem papel de pai. Acompanham, parabenizam e buscam fazer com que essa ausência da família seja suprida por uma pessoa da escola”, conta Barbosa.
Segundo dados da Prova Brasil, o percentual de estudantes do 9º ano com aprendizado adequado em matemática passou de 84% para 100%. Em língua portuguesa, passou de 77% em 2011, para 83% em 2013. A escola manteve Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 6,2 nos dois levantamentos. Ao todo, são 98 alunos no centro de ensino.

Escola Municipal Maria Leite de Araújo, Brejo Santo (CE)
A escola Maria Leite de Araújo fica a aproximadamente 25 quilômetros do centro do município Brejo Santo. A maior parte dos estudantes usa o transporte escolar para frequentar as aulas. Alguns professores moram próximo às famílias dos alunos e conhecem bem seu contexto de vida. Além disso, o acesso das famílias à escola é informal e rotineiro. Muitas mães de estudantes usam os serviços do posto de saúde vizinho à escola e aproveitam ocasiões de consultas médicas para conversar com os professores e se inteirar sobre o desenvolvimento e comportamento dos filhos.
“O que eu percebo que interfere no resultado dessas escolas é a gestão. Se não tiver uma gestão fortalecida, corre o risco de não ter a eficiência desejada. Tem o envolvimento de toda a equipe, professores, pais e o entendimento dos alunos sobre a necessidade de fazer o melhor”, diz o coordenador pedagógico da Secretaria Municipal de Educação de Brejo Santo, Jucélio Santos. "Sabemos o nosso dever na escola e do que precisamos fazer para melhorar. A vontade de fazer é o primeiro passo”, acrescenta.
Ele conta que antes de haver o esforço conjunto, cada professor atuava na sala de aula da maneira que achava que era a melhor. “Agora tem dado sucesso essa cultura do coletivo. Eu sozinho não posso me responsabilizar por todo o trabalho”, diz. Segundo ele, a secretaria reúne-se mensalmente com os diretores das escolas para discutir os trabalhos que estão sendo realizados e compartilhar as experiências exitosas e também os erros, para que não se repitam, entre todas as escolas. Bimestralmente, a reunião é feita com os professores. Há também uma equipe de professores que atuam na formação dos demais docentes e todo o processo é avaliado constantemente.
A escola tem o melhor Ideb entre as visitadas, 7,4. Em 2009, apenas 8% dos alunos tinham aprendizado adequado no 9º ano em língua portuguesa e em matemática. Em 2013, o cenário mudou: 100% tinham aprendizado adequado em matemática e 70% em língua portuguesa. A escola tem 79 alunos do 6º ao 9º ano.

Escola Municipal Gerardo Rodrigues, Sobral (CE)
Escola Municipal Gerardo Rodrigues, Sobral (CE)
 Gabriela Portilho/Fundação Lemann
A escola Gerardo Rodrigues fica na periferia da cidade de Sobral, em uma área sem muitas construções nem circulação de pessoas, onde é comum a ocorrência de furtos. A direção escolar adota medidas para coibir situações de conflito e criminalidade, o que faz dela um dos poucos pontos seguros do bairro. A escola pertence à rede de ensino de Sobral, município com uma trajetória de superação do fracasso escolar nos últimos 15 anos e que hoje apresenta um dos melhores indicadores de qualidade da educação do país.
Em Sobral há um grande envolvimento pelo ensino que vai, desde a Secretaria de Educação até os estudantes. Os professores recebem formação mensal para atuar em sala de aula. “Para nós, enquanto professores, esse apoio é extremamente importante”, diz a professora de português da escola, Fernanda Lopes.
Ela diz ainda que o tempo pedagógico é aproveitado ao máximo. “Trabalhamos com habilidades que podem ser desenvolvidas ao longo do ano. Eu atendo pela manhã e outro professor atende no contraturno. As dificuldades que eu percebi, eu repasso para ele”. A rede de ensino é acompanhada por consultoria e passa por um diagnóstico frequente do desempenho. “Sabemos qual aluno tem dificuldade e qual é a dificuldade”, explica.
Na escola, 80% dos alunos do 9º ano têm o aprendizado adequado em língua portuguesa e 64%, em matemática, segundo os dados de 2013. A escola não oferecia a série nos anos anteriores do levantamento, então não é possível analisar a evolução da porcentagem. O Ideb registrado em 2013 foi 6,9. A escola atende 1.191 alunos.

Escola Municipal Hebe de Almeida Leite Cardoso, Novo Horizonte (SP)
Escola Municipal Hebe de Almeida Leite Cardoso,
Novo Horizonte Gabriela Portilho/Fundação Lemann
A escola Hebe de Almeida Leite Cardoso atende aos bairros de nível socioeconômico mais baixo do município de Novo Horizonte, em São Paulo. A infraestrutura é destoante da realidade das demais escolas públicas: todas as 20 salas de aula são equipadas com ar-condicionado, há salas multimídia, anfiteatro e jardim no pátio. O cenário atual da escola é bastante diferente do que era visto até alguns anos atrás, quando professores e gestores tinham resistência em trabalhar lá, pela fama de ser uma “escola difícil”. As melhorias na estrutura física, junto a outros fatores, são apontadas como importantes para a autoestima da comunidade escolar e foram lideradas pelo educador Paulo Cesar Magri, secretário de Educação do município desde 2001.
Em todo o município, são feitos simulados semanais e avaliações bimestrais. “Sexta-feira na primeira aula os alunos fazem a avaliação e na segunda de manhã eu já tenho os resultados. Tenho uma média da sala e do aluno e qual foi a questão que errou. Consigo saber se ele não entendeu uma charge ou um gráfico. Tenho como medir como está sendo o aprendizado”, diz o professor de história Ademir Almagro.
Para ele, o retorno imediato das avaliações, ao contrário de exames nacionais que levam um ano para ter os resultados divulgados, ajuda no aprendizado do aluno e faz com que dificuldades sejam identificadas rapidamente. Os professores também se reunem semanalmente para trocar experiências e fazer discussões em cada uma das áreas de atuação. Ademir Almagro destaca ainda a participação das escolas na concepção da educação para o município. “Geralmente as mundaças são feitas de cima para baixo. Dessa vez não, é a primeira vez que eu falo”, diz.
Com 662 alunos, a escola registrou Ideb de 5,3 em 2011 e 6,3 em 2013. O percentual de alunos do 9º ano com aprendizado adequado em matemática passou de 50% em 2011 para 52% em 2013. Em português, o percentual passou de 44% na primeira avaliação para 58%, dois anos depois. A escola não tem avaliações em 2009, porque ainda não oferecia essa etapa de ensino.

Escola Municipal Armando Ziller, Belo Horizonte (MG)
Escola Municipal Armando Ziller, Belo Horizonte
Gabriela Portilho/Fundação Lemann
A escola fica na periferia de Belo Horizonte e é conhecida na vizinhança por exigir o rígido cumprimento de horários e por não liberar os alunos por falta de professores. A escola faz um acompanhamento também das faltas dos estudantes e aciona os responsáveis daqueles que têm cinco faltas consecutivas ou dez alternadas.
O maior desafio da escola, segundo a vice-diretora, Ivani de Paula, é a localização. “A escola está em uma divisa, entre Belo Horizonte e Ribeirão das Neves. Atendemos alunos de todo o entorno. Temos que lidar com a violência, contê-la dentro e fora da escola”. Uma das estratégias para combater a violência é envolver as famílias e a comunidade na formação dos estudantes. A escola promove chá das mães, bingo dos pais, além de sessões de cinema para a comunidade. “Quando consigo trazê-los em um momento de lazer para dentro da escola, consigo também em um momento de dificuldade. Quando chamo só para apontar os erros dos filhos, os pais não querem ir. Mas quando sentem que se tem parceria nos momentos agradáveis, facilita”, diz.
Para combater a violência, a direção da escola está presente na entrada e na saída dos alunos, na porta da escola. “Sabemos que ficam pessoas da comunidade para passar drogas na porta das escolas, mas quando sentem a presença da direção, ficam intimidadas”, diz Ivani, e acrescenta que a escola conta também com a presença de guardas municipais.
Com 465 alunos, a escola obteve Ideb de 5,3 em 2013. O índice apresentou evolução ante o índice de 3,8 registrado em 2009 e 4,7 em 2011. Na escola, o percentual de estudantes do 9º ano com aprendizado adequado em língua portuguesa saltou de 27% em 2009, para 47%, em 2013. Em matemática, esse percentual passou de 16% para 36%, no mesmo período.

Escola Municipal Rodrigues Alves, Rio de Janeiro (RJ)
Escola Municipal Rodrigues Alves, Rio de Janeiro
Gabriela Portilho/Fundação Lemann
A escola Rodrigues Alves fica na Barra da Tijuca, região nobre da cidade do Rio de Janeiro, mas atende adolescentes que vivem em comunidades pobres do entorno. A localização facilita a oferta de serviços e infraestrutura e minimiza problemas como a violência. A escola pertence ao programa Ginásio Experimental Carioca (GEC), ou apenas Ginásio Carioca, iniciado pela prefeitura do Rio de Janeiro em 2011, para atender alunos do 7º ao 9º ano, em horário integral. A carga horária estendida, a dedicação exclusiva dos professores e a pequena quantidade de alunos contribuem para a qualidade do ensino e tornam a escola disputada pelas famílias de baixo nível socioeconômico da região.
Segundo a coordenadora pedagógica Maristela Motta, os alunos se tornam parte importante do próprio processo de aprendizagem. “O aluno que tinha dúvida se podia aprender, agora sabe que pode e o professor sabe que pode incentivá-lo”, diz. Os alunos são avaliados e o retorno, de acordo com Maristela, é imediato. “Recebemos os resultados das provas e imediatamente sentamos e alinhamos ações. Se determinada turma não atingiu os resultados desejados, buscamos saber o que aconteceu”. Os professores todos tem carga horária de 40 horas e dedicação exclusiva à escola.
A escola também trabalha com um modelo de tutoria: o aluno escolhe um funcionário que vai fazer o acompanhamento da vida escolar, incentivando os estudos e parabenizando os bons resultados e investigando o que aconteceu, se os resultados não forem bons.
Rodrigues Alves atende 227 alunos do 6º ao 9º ano. O Ideb passou de 4,6 em 2009, para 6,7 em 2013. Em 2009 apenas 25% dos alunos do 9° ano tinham aprendizado adequado em língua portuguesa e 7% em matemática. O cenário mudou em 2013, quando o percentual, em língua portuguesa, passou para 64% e em matemática foi para 58%.
Fonte - Agência  Brasil  19/12/15

Aeroportos operam com 87% de pontualidade no início da Operação Fim de Ano

Transporte aéreo

Das 13.043 partidas programadas para 10 a 15 de dezembro, 87% saíram com menos de 30 minutos de atraso, dentro do padrão internacional de pontualidade de voo.O índice médio de atraso de 13% nas decolagens programadas está dentro da meta operacional definida pela SAC, companhias aéreas e autoridades responsáveis pela gestão aeroportuária no País, que é manter esse número abaixo dos 15%.

Portal Brasil

A maior parte dos voos nos aeroportos brasileiros está cumprindo o horário previsto. É o que indica balanço da Operação Fim de Ano, acionada em 15 aeroportos do País e divulgada pela Secretaria de Aviação Civil (SAC) da Presidência da República.
Das 13.043 partidas programadas para 10 a 15 de dezembro, 87% saíram com menos de 30 minutos de atraso, dentro do padrão internacional de pontualidade de voo.
O índice médio de atraso de 13% nas decolagens programadas está dentro da meta operacional definida pela SAC, companhias aéreas e autoridades responsáveis pela gestão aeroportuária no País, que é manter esse número abaixo dos 15%.

Histórico
No primeiro dia da operação (10), 15,79% das partidas programadas nos 15 aeroportos apresentaram atraso acima de 30 minutos. O aeroporto do Galeão registrou 28,57%, devido a obras na pista, que estão em fase de conclusão.
De acordo com o relatório de acompanhamento do dia 11, apenas 9,22% das partidas saíram com atraso acima de 30 minutos. O aeroporto mais pontual foi o Santos Dumont (1,74%). Já no dia 12, o índice médio de atrasos ficou em 10,45%.
No dia 13, esse índice subiu para 14,02% nos 15 aeroportos. Os maiores níveis foram verificados em Guarulhos (23,56%, impactado por desvios meteorológicos e medidas especiais de organização do trafego aéreo).
Já na segunda-feira (14), os atrasos ficaram sensivelmente acima da meta: 16,72%. Os atrasos foram maiores nos aeroportos Santos Dumont (28,90%), e Guarulhos (25,12%), devido a impactos meteorológicos.
Na terça-feira (15), o boletim de balanço da Operação apontou queda na média de atrasos em relação ao dia anterior: 12,99% das partidas programadas, dentro da meta estipulada pela Secretaria, companhias aéreas e gestores aeroportuários.

A operação
A Operação Fim de Ano é um procedimento padrão acordado e alinhado entre setor público e iniciativa privada que fazem o setor aéreo funcionar em esquema de reforço no País.
A expectativa é que até o dia 10 de janeiro mais de 20 milhões de passageiros movimentem os 60 aeroportos administrados pela Infraero, seis concedidos e terminais regionais. Somente nos 15 aeroportos da operação, serão 16 milhões de passageiros. Estão previstos cerca de 157,6 mil pousos e decolagens durante o período da Operação.
Os terminais que integram a operação são: Guarulhos, Congonhas e Viracopos (SP), Galeão e Santos Dumont (RJ), Brasília (DF), Confins (MG), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Salvador (BA), Curitiba (PR), Manaus (AM), Fortaleza (CE), São Gonçalo do Amarante (RN) e Cuiabá (MT).
Fonte - Revista Amazônia  18/12/2015

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Estação Pirajá do Metrô de Salvador: Secretário faz última visita antes da inauguração

Transportes sobre trilhos

O secretário esteve acompanhado do presidente da Companhia de Transportes do Estado da Bahia (CTB), Eduardo Copello, e Juvêncio Terra, diretor de obras do grupo CCR Metrô Bahia.A área da estação Pirajá é de 6.185 m² com duas plataformas laterais. O terminal possui ainda escadas rolantes, elevadores, bicicletário e banheiros. Durante a visita, o secretário viu os últimos ajustes como higienização da área e sinalização. 

Da Redação
foto - Daniele Rodrigues
Nesta sexta-feira (18), o secretário Carlos Martins fez a última visita à estação Pirajá, antes da inauguração, que será nesta terça-feira (22). Martins, que já havia ido ao local na segunda-feira (14), conferiu também os avanços da obra no Terminal de Ônibus. O secretário esteve acompanhado do presidente da Companhia de Transportes do Estado da Bahia (CTB), Eduardo Copello, e Juvêncio Terra, diretor de obras do grupo CCR Metrô Bahia.
“É com muita satisfação que vemos a estação Pirajá pronta para ser entregue à população. É uma obra grandiosa e complexa, que demonstra a força desse modal e a importância que terá para a população de Salvador. Com essa inauguração, cumprimos o compromisso de finalizar o projeto original da linha 1 do metrô, mas não para por aí: continuaremos trabalhando na linha 2 para levar o metrô até o Aeroporto e futuramente até Cajazeiras”, destacou Martins.
A área da estação Pirajá é de 6.185 m² com duas plataformas laterais. O terminal possui ainda escadas rolantes, elevadores, bicicletário e banheiros. Durante a visita, o secretário viu os últimos ajustes como higienização da área e sinalização. Além de disso, Martins acompanhou os retoques finais na área da passarela que ligará o local de embarque e desembarque do metrô até a estação de ônibus.
Inauguração: A estação Pirajá será inaugurada na próxima terça-feira, com a presença da presidente Dilma Rousseff e do governador Rui Costa. Pirajá será o oitavo terminal da linha 1, que já conta com as estações Lapa, Campo da Pólvora, Brotas, Bonocô, Acesso Norte, Retiro e Bom Juá. Também está em fase de projeto a construção do Tramo 3 do metrô, que vai incluir duas estação à Linha 1, levando o sistema até o bairro de Cajazeiras. Além da estação metroviária, o completo de Pirajá vai abrigar a oficina de manutenção e lavagem dos trens, o Centro de Controle Operacional (CCO) das linhas 1 e 2 e o prédio administrativo do complexo metroviário.
Operação comercial: Após a inauguração de Pirajá, o próximo passo será a operação comercial do modal, a partir de 2 de janeiro de 2016, que será integrado aos ônibus metropolitanos e urbanos. A operação comercial se dará inicialmente em todas as estações já em operação, exceto Pirajá, que funcionará, em um primeiro momento, em operação assistida e horário diferenciado em relação às demais. Já a integração ocorrerá nas estações Retiro, Lapa e Acesso Norte.
Linha 2 - As obras da Linha 2 seguem em ritmo acelerado, com diversas frentes de trabalho. Atualmente a linha 2 já tem 7km de obras em curso com cinco estações em andamento (Acesso Norte, Detran, Rodoviária, Imbuí e CAB). No total, a Linha 2 terá 12 estações e 23 quilômetros de extensão.
Com informações da Sedur   18/12/2015

Dilma chega de VLT para inauguração do Museu do Amanhã no Rio

Cultura

A presidenta Dilma Roussef participa da inauguração do Museu do Amanhã no Rio de Janeiro. Ela chegou à Praça Mauá, onde está localizado o espaço cultural depois de percorrer um pequeno trecho em um carro do veículo leve sobre trilhos (VLT).

Cristina Indio do Brasil 
Repórter da Agência Brasil
Roberto Stuckert Filho/PR
A presidenta Dilma Roussef participa da inauguração hoje (17) do Museu do Amanhã, que integra o Programa Porto Maravilha de revitalização da Região Portuária do Rio. Ela chegou à Praça Mauá, onde está localizado o espaço cultural depois de percorrer um pequeno trecho em um carro do veículo leve sobre trilhos (VLT).
Dilma chegou acompanhada do prefeito do Rio, Eduardo Paes, do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, dos ministros da Cultura, Juca Ferreira, da Ciência e Tecnologia, Celso Pancera, além dos deputados Jandira Feghali (PC do B), Luiz Sérgio (PT) e Leonardo Picciani, que foi reconduzido hoje (17) à liderança do PMDB na Câmara.
Ao descer do VLT, Dilma ouviu uma manifestação de um pequeno grupo de pessoas que protestaram contra e a favor a ela. Uns gritavam "Fora Dilma" outros "Não Vai ter Golpe". Os manifestantes estavam a uma distância de 200 metros da presidenta, que seguiu caminhando até entrar no prédio do museu.
Fonte - Agência Brasil  18/12/2015

Não haverá paralização de obras de habitação e mobilidade urbana, afirma Kassab

Infraestrutura  

A declaração foi dada pelo ministro durante assinatura de contrato com o governo do Distrito Federal para repasse de R$ 103 milhões para a elaboração de estudos técnicos de expansão do metrô de Brasília. Além de estudos de viabilidade da construção de duas linhas de Veículos Leves sobre Trilhos (VLT) na capital federal, com repasse do PAC Mobilidade.

Portal Brasil, Infraestrutura
foto - ilustração
O ministro das Cidades, Gilberto Kassab, afirmou nesta quarta-feira (16) que a pasta manterá os repasses de recursos para obras de infraestrutura de mobilidade urbana e de habitação em 2016, mesmo diante do quadro adverso da economia para o próximo ano. “A evolução da economia, das receitas, vai ditar os investimentos. Mas não vamos paralisar as obras no campo da habitação, em especial no Minha Casa Minha Vida. Nem na mobilidade urbana, com a elaboração de estudos e projetos para a expansão de metrĔ, disse.
A declaração foi dada pelo ministro durante assinatura de contrato com o governo do Distrito Federal para repasse de R$ 103 milhões para a elaboração de estudos técnicos de expansão do metrô de Brasília. Além de estudos de viabilidade da construção de duas linhas de Veículos Leves sobre Trilhos (VLT) na capital federal, com repasse do PAC Mobilidade.
Foi acertado também o repasse de R$ 47 milhões nos próximos dias para melhorias na interligação rodoviária do Aeroporto de Brasília ao plano piloto. “Não iremos, portanto, paralisar nenhuma parceria em andamento”, reforçou Kassab.
O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, disse que os recursos serão importantes para a futura ampliação do metrô na Asa Norte de Brasília. A cidade conta com metrô apenas na Asa Sul, interligando a região central da capital federal com outras cidades-satélites do DF. “Certamente são obras que marcarão a história da mobilidade aqui em Brasília”, disse.
Rollemberg destacou também que entregará na próxima semana novas unidades do Minha Casa Minha Vida, totalizando 5.125 residências em 2015. “Não temos dúvida de que a forma correta e inteligente de sair da crise é com investimentos públicos e privados. E neste momento estamos cumprindo parte dessa missão a garantir investimentos públicos tão importantes para melhorar a qualidade de vida da nossa gente, para reduzir a desigualdade social do Distrito Federal e promover o desenvolvimento”.
Fonte - ANPTrilhos  18/12/2015

Novo ministro da Fazenda diz que compromisso com ajustes continua

Política

“Estamos em fase de ajustes para um novo ciclo de crescimento", disse Nelson Barbosa.“O compromisso com a estabilidade fiscal se mantém o mesmo.Ele mostrou otimismo com a retomada do crescimento da economia e frisou a importância dos ajustes para que isso ocorra. 

Marcelo Brandão
Paulo Victor Chagas 
Repórteres da Agência Brasil
Wilson Dias/Agência Brasil
O novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, afirmou hoje (18), em coletiva realizada no início da noite no Palácio do Planalto, que os esforços para o ajuste fiscal devem continuar para estabilizar a economia e promover sua recuperação.
“O compromisso com a estabilidade fiscal se mantém o mesmo. O volume de cortes e despesas discricionárias deve atingir R$ 78,5 bilhões. Em 2016, esperamos gastar o mesmo que gastamos seis anos atrás. Esse fato já mostra o nosso compromisso [com o ajuste]”, disse Barbosa.
Ele mostrou otimismo com a retomada do crescimento da economia e frisou a importância dos ajustes para que isso ocorra. “Estamos em uma fase de transição na economia brasileira, em fase de ajustes para um novo ciclo de crescimento. Temos adotado também várias medidas de gestão para otimizar o gasto público. [O trabalho] continua sendo promover o reequilíbrio fiscal. Somente com a estabilidade fiscal é que teremos um desenvolvimento sustentável”, afirmou o ministro.
Barbosa assumiu hoje a pasta, deixada por Joaquim Levy. No seu primeiro pronunciamento após o anúncio oficial do Planalto, Barbosa elogiou o trabalho de Levy enquanto esteve à frente da pasta. “Gostaria de agradecer o trabalho do ministro Levy no ministério da Fazenda em todos esses meses. Foi um trabalho bastante positivo, que já vem dando resultados, com reequilíbrio fiscal”.
A troca no comando da equipe econômica foi anunciada há pouco pelo Palácio do Planalto, por meio de nota à imprensa, e ocorre após uma semana conturbada no Congresso Nacional, onde estiveram em votação a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), o Plano Pluriananual (PPA) e o Orçamento de 2016. De acordo com o comunicado, Dilma agradeceu Levy e elogiou o trabalho do ministro.
Fonte - Agência  Brasil  18/12/2015

Porto do Rio recebe R$ 210 milhões para obras de dragagem

Infraestrutura/Portos

Com a assinatura da OS, começa a segunda fase da dragagem, ou seja, as obras físicas no canal principal de acesso ao Porto do Rio. O investimento nessa nova fase será de R$ 204,876 milhões. O contrato tem duração de 20 meses.

Portogente

O Porto do Rio de Janeiro começará a passar por obras de dragagem no início do próximo ano. A presidenta Dilma Rousseff e o ministro da Secretaria de Portos, Helder Barbalho, assinaram nesta quinta-feira (17/12) ordem de serviço (OS) para mobilização do equipamento, que permitirá o início das obras físicas. A assinatura aconteceu no Comando Aéreo Regional (Comar III), Centro do Rio.
Essa será a segunda fase do processo de dragagem do canal de acesso ao Porto do Rio, o segundo mais importante do País. A primeira fase foi iniciada em 17/12/2014, com assinatura do contrato de dragagem entre a SEP e o Consórcio Van Oord/Boskalis, que venceu a licitação para a execução desse projeto. Ao longo desse ano, foram gastos R$ 5,124 milhões no desenvolvimento dos Projetos Básico e Executivo, bem como nas medidas necessárias para o licenciamento ambiental da obra.
Com a assinatura da OS, começa a segunda fase da dragagem, ou seja, as obras físicas no canal principal de acesso ao Porto do Rio. O investimento nessa nova fase será de R$ 204,876 milhões. O contrato tem duração de 20 meses.
Ao final da segunda fase, o Porto do Rio poderá receber embarcações de carga geral com capacidade até 78% superior à atual, melhorando as condições para o comércio exterior. A consequência será a redução de custos de transporte e o aumento da segurança à navegação, reduzindo o chamado “custo Brasil”.
As obras serão para ampliação do canal de acesso, bacia de evolução e acesso aos berços de acostagem, conforme foto na acima matéria.
Ao fim da segunda fase, o Porto do Rio poderá receber navios de até 345 metros de comprimento, 48m de boca e 13,5m de calado. O porto estará apto a receber navios com capacidade de transportar até 8.000 contêineres (de 20 pés com cerca de 6 metros de comprimento), ou 8.000 TEUs. Atualmente, aportam embarcações com capacidade para transportar até 4.500 contêineres de carga geral, ou 4.500 TEUs. O porto também poderá receber navios graneleiros de até 75.000 toneladas de porte bruto.

Geração de 5 mil postos de trabalho
O investimento público abre caminho para outras obras portuárias da ordem de R$ 1,5 bilhão. O Grupo Libra e Multiterminais já anunciaram investimentos de R$ 1,02 bilhão, incluindo a ampliação do cais de dois terminais, ambos para 800 metros, com dois berços de 400 metros cada um, já prevendo a atracação de navios de maior capacidade em um futuro próximo.
Há ainda previsão de licitação de arrendamento até o fim do ano de 2016 de quatro áreas no Porto do Rio de Janeiro, pedidos de prorrogação antecipada de contratos e de autorização para construção de Terminais de Uso Privado (TUP) em análise na SEP, entre os quais os feitos por Triunfo Logística e Exxonmobil Química.
Além disso, haverá investimentos no fornecimento e na instalação de novos cabos submarinos e novos alimentadores de energia elétrica, incluindo instalação do sistema de geração de energia em emergência, e em uma nova adutora de água potável no Centro de Instrução Almirante Wandenkolk (CIAW), da Marinha do Brasil.
Tudo isso resultará na geração de até 5.000 postos de trabalho e em impacto direto sobre cadeias produtivas dos setores farmacêutico, automotivo, de óleo e gás, químico e siderúrgico.

Investimentos futuros
Os investimentos nos portos do estado do Rio de Janeiro até 2042 respondem por uma fatia de 14% do total previsto para serem realizados em todo o Brasil nos próximos anos. De acordo com o ministro da Secretaria de Portos, Helder Barbalho, as obras programadas para o estado somam R$ 6,9 bilhões, considerando arrendamentos (R$ 1,3 bilhão), prorrogações contratuais (R$ 2,8 bilhões) e terminais privados (R$ 2,7 bilhões), sem contar com as obras de dragagem, como a autorizada nesta quinta-feira.
Mesmo sem novas obras, o Porto do Rio foi responsável, em 2014, pela movimentação de 7,5 milhões de toneladas de cargas, além de uma circulação anual média de passageiros que ultrapassa os 500 mil. O estado do Rio de Janeiro é o segundo maior importador do país, tendo registrado R$ 21,7 bilhões em 2014.
Fonte - Portogente  18/12/2015

Passagem de trem de carga paralisa linha 11 da CPTM em SP

Transportes sobre trilhos

O problema, segundo a companhia, teve início por volta das 13h, quando o trem que saía da estação Corinthians-Itaquera teve de parar para esperar pela passagem de um trem de carga, que é mais lento.

Elaine Patricia Cruz 
Repórter da Agência Brasil
ilustração - Imagem/Pregopontocom
Um problema na linha 11-Coral da Companhia Paulista de Trens Metropolitanas (CPTM) paralisou hoje (18) o serviço entre as estações Corinthians-Itaquera e Tatuapé, na zona leste de São Paulo, por cerca de uma hora e meia. O problema, segundo a companhia, teve início por volta das 13h, quando o trem que saía da estação Corinthians-Itaquera teve de parar para esperar pela passagem de um trem de carga, que é mais lento.
Irritados, passageiros da CPTM puxaram o botão de emergência para abrir as portas dos vagões e passaram a andar pelos trilhos. Com isso, a circulação de trens pelo local teve de ser paralisada entre as estações Corinthians-Itaquera e Tatuapé até que todos os usuários deixassem os trilhos.
A circulação de trens foi normalizada por volta das 14h30.
Fonte  - Agência Brasil  18/12/2015

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

PL que pune quem não respeitar ciclovias é aprovado

Mobilidade

Projeto de Lei (PL) 2180/15, do deputado Fabio Reis (PMDB-SE), que altera o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) para punir motoristas e ciclistas que não respeitarem as regras para o uso correto de ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas.

Mariana Czerwonka
Portal do Trânsito *

A Comissão de Viação e Transportes aprovou o Projeto de Lei (PL) 2180/15, do deputado Fabio Reis (PMDB-SE), que altera o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) para punir motoristas e ciclistas que não respeitarem as regras para o uso correto de ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas.
No caso dos motoristas, o texto modifica o código no artigo 182, para acrescentar pena de multa também para quem parar o veículo em ciclovias e ciclofaixas. Atualmente, apenas quem circula pelas ciclovias com veículos é punido.

Penalidade para ciclistas
Em relação aos ciclistas, o texto aprovado considera infração gravíssima, com pena de multa e retenção da bicicleta, deixar de transitar nas ciclovias ou ciclofaixas quando a via dispuser deste tipo de pista. Nesse caso, se o ciclista não possuir Carteira Nacional de Habilitação (CNH), o valor das multas será vinculado ao número de Cadastro de Pessoa Física (CPF), podendo ser o valor inscrito em Dívida Ativa em decorrência de inadimplência.
Relator na comissão, o deputado Mauro Mariani (PMDB-SC) apresentou parecer pela aprovação do projeto principal e do apensado (PL 2728/15), mas sugeriu um novo texto por entender que as mudanças devem ser inseridas em artigos já existem e não criando novos dispositivos.
“Em atendimento à Lei Complementar (95/98) que trata da redação das normas legais, elaboramos substitutivo, incluindo, no Código de Trânsito Brasileiro, os assuntos trazidos pelos projetos de lei em exame”, disse Mariani.

Tramitação
O projeto ainda será analisado conclusivamente pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.
*Com informações da Agência Câmara
Fonte - Portal do Trânsito  17/12/2015

Obra inacabada do VLT de Cuiabá terá novo protesto em Várzea Grande

Transportes  sobre trilhos

No último domingo (13), o grupo de universitários protestou no canteiro abandonado da Avenida do CPA, na Capital. Eles ocuparem um trecho com piscinas, churrasqueiras, roupas de banho, cadeiras e guarda-sóis. O próximo "Churras na Vala" está previsto para ser realizado no canteiro do VLT próximo ao Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande.

Midia News
foto - divulgação
Estudantes da UFMT e da Unic marcaram para o próximo domingo (20) a segunda etapa do evento denominado "Churras na Vala", um protesto marcado pelo bom humor contra o atraso nas obras de implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), em Cuiabá e Várzea Grande.
No último domingo (13), o grupo de universitários protestou no canteiro abandonado da Avenida do CPA, na Capital. Eles ocuparem um trecho com piscinas, churrasqueiras, roupas de banho, cadeiras e guarda-sóis. O próximo "Churras na Vala" está previsto para ser realizado no canteiro do VLT próximo ao Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande. O protesto ganhou repercussão no país. Na segunda-feira (14), o site UOL destacou a iniciativa dos estudantes cuiabanos.
O site lembrou que a obra inacabada do VLT é a segunda de mobilidade urbana mais cara das que foram planejadas para estarem prontas a tempo da Copa do Mundo de 2014 no Brasil. "Já consumiu R$ 1 bilhão dos cofres públicos, mas não chegou nem na metade, e seus canteiros, que cortam boa parte da cidade, estão abandonados", diz a reportagem do jornalista Vinícius Segalla.
Fonte - Mobilize  17/12/2015

Novos trens vão melhorar serviço no Corcovado

Transportes sobre trilhos

Veículos serão fabricados na Suíça sob medida para atender à linha entre Cosme Velho e Cristo Redentor

JC
Fabio Motta/AE/JC
O tradicional passeio no trenzinho do Corcovado terá novidades, como capacidade e velocidade maiores, quando entrar em operação a quarta geração de composições que servem aos turistas há mais de um século. Mas o esperado ar-condicionado não está incluído na mudança. A empresa Trem do Corcovado, que explora o serviço, assinou, na semana passada, contrato com a empresa suíça Stadler Rail Group para a fabricação de seis novas composições, que passarão a operar a linha a partir de 2018.
Assim como o modelo usado atualmente, em operação desde 1979, os novos trens entram em funcionamento também com seis vagões. Enquanto os trens atuais têm capacidade para transportar até 300 passageiros por hora, cobrindo a distância entre o Cosme Velho e o Corcovado em 20 minutos, os futuros poderão absorver até 612 passageiros por hora, completando o percurso em apenas 14 minutos.
Fonte - Jornal do Comércio  17/12/2015

STF derruba chapas avulsas, dá autonomia a Senado e determina votação aberta

Política

O STF definiu hoje que o Senado tem autonomia para decidir sobre o processo, que a votação para eleição da comissão especial do impeachment na Câmara deveria ter sido aberta,e se posicionou contra as chapas avulsas para formação da comissão

Da Agência Brasil*
imagem/Ag.Brasil
O Supremo Tribunal Federal (STF), na sessão de julgamento sobre a validade das normas que regulamentam o processo de impeachment deflagrado pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), contra a presidenta Dilma Rousseff, definiu hoje (17) que o Senado tem autonomia para decidir sobre o processo, que a votação para eleição da comissão especial do impeachment na Câmara deveria ter sido aberta, se posicionou contra as chapas avulsas para formação da comissão e que a presidenta Dilma Rousseff não tem o direito de apresentar defesa prévia antes da decisão individual do presidente da Câmara.
O acolhimento do processo de impeachment na votação do Senado será por maioria simples. Com a decisão do Supremo, o processo de impeachment voltará a tramitar imediatamente na Câmara.

Veja abaixo a tabela com o quórum de votação:  



Defesa Prévia (11 votos a 0)
Por unanimidade, a Corte decidiu que a presidenta Dilma Rousseff não tem direito à defesa prévia antes da decisão do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). No entanto, o Supremo garantiu que Dilma deverá ter o direito de apresentar defesa após o fim de cada etapa do processo, sob pena de nulidade do ato que não contou com a manifestação da presidenta.

Chapa Alternativa (7 votos a 4)
Os ministros Luís Roberto Barroso, Teori Zavascki, Rosa Weber, Carmen Lúcia, Marco Aurélio, Ricardo Lewandowski e Luiz Fux decidiram invalidar a eleição da chapa alternativa, feita por voto secreto, no dia 8 de dezembro. Para os ministros, mesmo se tratando eleição sobre assunto interno da Câmara, o procedimento deve ser aberto, como ocorre nas votações de projetos de lei, por exemplo.

Voto secreto (6 votos a 5)
Seguindo voto do ministro Luís Roberto Barroso, a maioria entendeu que a comissão deve ser formada por representantes indicados pelos líderes dos partidos, escolhidos por meio de chapa única. "Se a representação é do partido, os nomes do partido não podem ser escolhidos heteronimamente de fora para dentro. Quer dizer, os adversários e concorrentes é que vão escolher o representante do partido. Não há nenhuma lógica nisso", argumentou Barroso.

Autonomia do Senado (8 votos a 3)
O STF decidiu que o Senado não é obrigado a dar prosseguimento ao processo de impeachmentde Dilma. Dessa forma, se o plenário da Câmara aprovar, por dois terços dos parlamentares (342 votos), a admissão da denúncia do juristas Hélio Bicudo e Miguel Reali Júnior e da advogada Janaína Paschoal por crime de responsablidade, o Senado poderá arquivar o processo se assim entender. Neste caso, Dilma só poderia ser afastada do cargo, por 180 dias, como prevê a lei, após decisão dos senadores. Nesse ponto, votaram Barroso, Zavascki, Rosa Weber, Luiz Fux, Carmen Lúcia, Marco Aurélio, Celso de Mello e Lewandowski.

Votação no Senado (7 votos a 3)
Também ficou decidido que é necessária a votação por maioria simples do Senado para decidir pela continuidade do impeachment na Casa e determinar o afastamento preventivo da presidenta. A votação pela eventual saída definitiva da presidenta do cargo precisa de dois terços dos parlamentares. O ministro Ricardo Lewandowski não votou nesse quesito.
*Colaborou André Richter
Fonte - Agência Brasil  17/12/2015

Obras da Linha 2 do Metrô de Salvador

Transportes sobre trilhos

Obras da linha 2 do metrô irão requalificar sistema viário da região entre a Rodoviária e Pernambués.Durante cinco meses, serão feitas obras para o reordenamento do trânsito da região.O terminal de transbordo Iguatemi será desativado e,com isso,haverá a redistribuição de linhas urbanas e metropolitanas para novos pontos de ônibus na região e para o Terminal Rodoviária, também administrado pela CCR Metrô Bahia.

Da Redação
foto montagem - ilustração
A partir de sábado, 26/12 a CCR Metrô Bahia iniciará uma série de intervenções no sistema viário do trecho compreendido entre a estação de transbordo Iguatemi até o início da Avenida Paralela, em Pernambués. As mudanças são necessárias para viabilizar a construção das futuras estações da Linha 2 do metrô Rodoviária e Pernambués.
Durante cinco meses, serão feitas obras para o reordenamento do trânsito da região. O terminal de transbordo Iguatemi será desativado e, com isso, haverá a redistribuição de linhas urbanas e metropolitanas para novos pontos de ônibus na região e para o Terminal Rodoviária, também administrado pela CCR Metrô Bahia.
No local onde atualmente funciona o terminal Iguatemi, serão construídas salas técnicas e operacionais da futura estação Rodoviária do metrô, que ficará localizada sobre as atuais pistas exclusivas dos ônibus. E a futura estação Pernambués será construída entre o supermercado Makro e a antiga concessionária Americar, no meio do canteiro central da Av. Paralela.
Para minimizar os impactos no trânsito e garantir a fluidez dos veículos, a CCR Metrô Bahia, com o apoio da Transalvador e da Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob), realizou estudos técnicos de engenharia viária, testes de tráfego, e contará com intensa sinalização na área em obra. Além disso, monitores de tráfego estarão em locais determinados para orientar os motoristas durante as obras.
A requalificação do sistema viário dessa região resultará em mais fluidez do trânsito com a criação de uma via expressa, com três faixas de tráfego, ligando a Av. Paralela à Av. ACM. Também serão feitos alargamentos das pistas atuais para evitar os entrelaçamentos dos veículos da marginal da alça de saída da Av. Luis Eduardo Magalhães para a via principal da Av. Paralela.


Veja em - http://www.ccrmetrobahia.com.br/content/pdf/MB-Panfleto_Pernambues.pdf -  e confira a Redistribuição das linhas de ônibus.
Em caso de dúvidas - os passageiros deverão entrar em contato com a CCR Metrô Bahia pela Central de Atendimento 0800 071 8020 ou pelo e-mail - faleconosco.metrobahia@grupoccr.com.br .
Com informações da CCR Metrô Bahia 17/12/2015

Queda de árvore paralisa operação de trens na zona sul de SP

Transportes sobre trilhos

De acordo com a assessoria de imprensa da companhia, não há previsão para o retorno do serviço. A árvore atingiu os fios suspensos que alimentam os trens e bloqueia os dois sentidos da via.

Fernanda Cruz
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração/terra.com
A queda de uma árvore sobre os trilhos da Linha 9-Esmeralda da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) interrompe a circulação de trens na zona sul da capital paulista. Estão fechadas, desde as 4h45, as estações entre Grajaú e Interlagos.
De acordo com a assessoria de imprensa da companhia, não há previsão para o retorno do serviço. A árvore atingiu os fios suspensos que alimentam os trens e bloqueia os dois sentidos da via.
O Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência (Paese) foi acionado às 5h e opera com 30 ônibus municipais do Consórcio Unisul entre as estações Grajaú e Jurubatuba.
Fonte - Agência Brasil  17/12/2015

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Agerba fará operação especial para facilitar viagens no feriado de Natal

Transportes  

As ações servem para quem optar pela viagem em ônibus intermunicipais e interestaduais – a expectativa é que 160 mil pessoas deixem Salvador pelo Terminal Rodoviário - ou pelas embarcações do Sistema Ferry Boat, por onde devem passar 540 mil passageiros e mais de 83 mil veículos. 

Da Redação
foto - Elói Corrêa/GOVBA
Quem planeja sair de Salvador durante o feriado de Natal terá mais horários de transporte à disposição. Em decorrência da possibilidade do fim de ano prolongado, alguns serviços começam a operar de forma diferenciada a partir desta sexta-feira (18), seguindo assim até janeiro de 2016. As ações servem para quem optar pela viagem em ônibus intermunicipais e interestaduais – a expectativa é que 160 mil pessoas deixem Salvador pelo Terminal Rodoviário - ou pelas embarcações do Sistema Ferry Boat, por onde devem passar 540 mil passageiros e mais de 83 mil veículos.
Muitos soteropolitanos aproveitam a ocasião para sair da capital, realizando viagens de curta ou longa distância. Para atender à crescente demanda desta época são realizadas operações especiais no terminal rodoviário de Salvador, que, desta vez, disponibiliza 900 horários extras, além dos 540 que já funcionam diariamente. Caso haja necessidade, o número pode ser ampliada, de acordo com o coordenador de fiscalização da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos da Bahia (Agerba), Abdul-Ramid.
Segundo ele, é essencial que os baianos e turistas evitem o transporte clandestino, pois oferecem riscos aos usuários. Esses veículos, muitas vezes, são irregulares e não passaram pela devida vistoria. Entre os destinos mais procurados na rodoviária estão Porto Seguro (extremo sul), Itacaré, Ilhéus, Itabuna (sul), Vitória da Conquista (sudoeste), Barreiras (oeste), Juazeiro (norte) e Chapada Diamantina, além de municípios da Região Metropolitana de Salvador (RMS) e do Recôncavo.

Ferry Boat e Terminal Náutico
foto - Adenilson Nunes/ Secom 
A Internacional Travessias Salvador terá esquema especial de funcionamento para o período das festas de fim de ano, entre o próximo a 4 de janeiro. Além de contar com saídas nos horários convencionais (de hora em hora), baianos e turistas terão à disposição horários alternativos. Viagens extras irão ocorrer sempre que a demanda aumentar. Além disso, as embarcações irão rodar 24 horas nas madrugadas - de 23 para 24/12, de 29 para 30/12 e de 30 para 31/12 (a partir do terminal São Joaquim) e de 27 para 28/12, de 2 para 3/01/16 e de 3 para 4/1 (a partir do terminal
Bom Despacho), datas que têm previsão de maior fluxo.
Para atender à alta demanda, o serviço Hora Marcada teve um incremento de 1.200 vagas. Somando as vagas convencionais e as extras, ao todo foram oferecidas 13.570 para este período. Atualmente disponível para veículos, a compra da passagem é feita exclusivamente pelo site da empresa, por meio do qual o pagamento pode ser feito nos cartões de débito e crédito.Para o feriadão foram disponibilizadas 95 vagas por dia de Hora Marcada. Na madrugada de 2 para 3 de janeiro, sentido Bom Despacho/São Joaquim, o sistema oferece um número maior (250 vagas), uma alternativa para quem deseja antecipar o retorno da Ilha de Itaparica, evitando o dia seguinte, quando se espera que a demanda seja grande.
Oito embarcações estarão disponíveis para as travessias - Agenor Gordilho, Dorival Caymmi, Zumbi dos Palmares, Ivete Sangalo, Maria Bethânia, Pinheiro, Rio Paraguaçu e Anna Nery, sendo sete em tráfego e a oitava em stand by, para auxiliar a operação nos momentos de manutenção obrigatória ou de acordo com a necessidade. O volume de passageiros e veículos estimado é 20% maior que o registrado no ano passado.
O sistema Ferry Boat disponibiliza uma Central de Atendimento ao Cliente (CAC), localizada no Terminal São Joaquim, aberta de segunda a sexta, das 8 às 18h, e aos sábados, das 7 às 13h. O serviço também pode ser acionado pelo telefone 71 3032-0475 e cac@internacionaltravessias.com.br. O Terminal Náutico da Bahia, localizado no bairro do Comércio, que faz a ligação Salvador/Mar Grande, contará com 13 lanchas ,que vão operar durante todo o feriado, saindo de 30 em 30 minutos.
Para promover a satisfação dos passageiros, a Agerba irá manter equipes de fiscalização trabalhando em regime de plantão. Em caso de reclamações, os usuários podem procurar os postos da Agência localizados nos terminais rodoviários e a Ouvidoria, pelo número 0800-071-0080.
Com informações da Secom Ba.  16/12/2015

Justiça condena ex-senador Eduardo Azeredo a 20 anos de prisão

Política

Eduardo Azeredo é condenado por desvio de dinheiro público durante a campanha eleitoral a governo de Minas Gerais de 1998. A sentença foi dada em primeira instância, hoje (16), pela juíza da 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte, Melissa Pinheiro Costa Lage. 

Da Agência Brasil
Arquivo - Agência Brasil
A Justiça condenou o ex-senador Eduardo Azeredo, do PSDB de Minas Gerais, a 20 anos e 10 meses de prisão pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. A sentença foi dada em primeira instância, hoje (16), pela juíza da 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte, Melissa Pinheiro Costa Lage.
Azeredo foi condenado por crimes cometidos durante a campanha eleitoral pela sua reeleição ao governo de Minas Gerais, em 1998. Eduardo Azeredo respondeu pelos crimes de peculato, ou seja, desvio de bens praticados contra a administração pública por servidor público, e de lavagem de dinheiro. O ex-senador também foi condenado ao pagamento de 1.904 dias-multa, cujo valor foi fixado em um salário mínimo vigente em 1998.
Pela sentença, a prisão será inicialmente em regime fechado. Ele ainda poderá recorrer da decisão. O processo contra Azeredo estava sob análise do Supremo Tribunal Federal (STF) até março do ano passado, quando a Corte decidiu que a Ação Penal 536, conhecida como o processo do mensalão mineiro, seria julgada pela Justiça de Minas Gerais.
Eduardo Azeredo renunciou ao mandato parlamentar em fevereiro do ano passado, após o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentar as alegações finais no processo, última fase antes do julgamento, pedindo a condenação do ex-deputado a 22 anos de prisão.
Nas alegações finais, o procurador-geral disse que Azeredo atuou como “um maestro” no esquema, desviando recursos públicos em benefício próprio para financiar a campanha política. Janot ressaltou que a prática dos crimes só foi possível por meio de um esquema criminoso montado pelo publicitário Marcos Valério, condenado na Ação Penal 470, o processo do mensalão.
No documento enviado ao STF, Janot detalha como funcionava o esquema de desvios. Segundo ele, o então governador Eduardo Azeredo autorizava três empresas estatais – as companhias de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e Mineradora de Minas Gerais (Camig) e o Banco do Estado de Minas Gerais (Bemge) – a liberar o pagamento de patrocínios de R$ 3,5 milhões, em valores da época, para três eventos esportivos de motocross. A partir daí, o dinheiro passava pela agência de publicidade de Valério, por contas de empréstimos fraudulentos feitos no Banco Rural, e chegava à campanha do candidato.
Fonte - Agência Brasil  16/12/2015

Janot pede ao STF afastamento de Cunha do mandato

Política 

Para justificar o pedido, o procurador citou 11 fatos que comprovam que Cunha usa o mandato de deputado e o cargo de presidente da Casa para intimidar colegas, réus que assinaram acordos de delação premiada, advogados. Segundo Janot, as apreensões feitas ontem (15) pela Polícia Federal na residência oficial da Câmara e na casa de Cunha no Rio de Janeiro reforçam as acusações.

Andre Richter 
Repórter da Agência Brasil
imagem - Ag.Brasil
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu hoje (16) ao Supremo TRibunal Federal (STF) o afastamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do mandato. Para Janot, Cunha está ultilizando seu cargo para intimidar parlamentares e cometer crimes. Ontem (15), Cunha foi alvo de buscas e apreensões em uma das fases da Operação Lava Jato. Ele é alvo de três inquéritos oriundos da operação no STF.
Para justificar o pedido, o procurador citou 11 fatos que comprovam que Cunha usa o mandato de deputado e o cargo de presidente da Casa para intimidar colegas, réus que assinaram acordos de delação premiada, advogados. Segundo Janot, as apreensões feitas ontem (15) pela Polícia Federal na residência oficial da Câmara e na casa de Cunha no Rio de Janeiro reforçam as acusações.
"O Ministério Público requer, com fundamento afastamento cautelar, de Eduardo Cunha do cargo de deputado federal e, por arrastamento, da função de presidente da Câmara dos Deputados, a fim de assegurar a higidez da investigação criminal, em curso contra o deputado, para garantir o regular andamento da instrução processual e da aplicação dalei penal no que se refere à denúncia proposta contra o parlamentar, para garantia da ordem pública e evitar a continuidade das práticas ilícitas, bem assim de todas as outras investigações que estão sendo adotadas no âmbito do Parlamento brasileiro", pede Janot ao Supremo.
Na petição, o procurador também diz que a decisão sobre o afastamento de Cunha do mandato deve ser urgente para evitar que ele faça manobras e condutas para atingir seus "objetivos ilícitos".
"É urgente que o Eduardo Cunha seja privado de seus poderes como deputado federal e como presidente da Câmara, pois, do contrário, criará ainda maior instabilidade política para o país e, ainda, não hesitará em perseguir e utilizar todos os instrumentos que possua para retaliar e se vingar de seus adversários, como faz habitualmente", diz o procurador.
Fonte - Agência Brasil  16/12/2015

Rui propõe tarifa única de R$ 3 para andar de metrô e ônibus em Salvador

Transportes sobre trilhos

O preço do bilhete ainda não está fechado, mas o petista disse que pretende cobrar o mesmo valor da tarifa de ônibus, atualmente R$ 3,00. A ideia é que pagando apenas esse valor, o passageiro ande de ônibus e metrô.

A Tarde
foto - ilustração/Pregopontocom
O sistema de metrô vai começar a cobrar passagem a partir de 2 de janeiro de 2016, de acordo com entrevista do governador Rui Costa nesta quarta-feira, 16. O preço do bilhete ainda não está fechado, mas o petista disse que pretende cobrar o mesmo valor da tarifa de ônibus, atualmente R$ 3,00. A ideia é que pagando apenas esse valor, o passageiro ande de ônibus e metrô.
"Eu pretendo conversar com o prefeito de Salvador (ACM Neto). Mas nossa proposta é que pague o mesmo valor da passagem de ônibus urbano", explicou o governador. Ele disse que o acordo sobre a integração dos transportes está próximo de ser fechado e a intenção é que já esteja em vigor em janeiro do próximo ano, quando também começa a cobrança de passagem do metrô.
Os bilhetes começam a ser vendidos a partir desta segunda, 28. No dia seguinte, será inaugurada a nova estação do metrô em Pirajá com a presença da presidente Dilma Rousseff. Essa será a oitava estação do metrô em funcionamento. As demais são Bonocô, Bom Juá, Lapa, Campo da Pólvora, Brotas, Acesso Norte e Retiro.
Fonte - A Tarde  16/12/2015

Pico de movimentação nos aeroportos deve ser no dia 4 de janeiro

Transporte aéreo

Nessa data, 648 mil pessoas devem passar pelos principais aeroportos.A projeção é da SAC (Secretaria de Aviação Civil).

Ag.CNT
foto -  Elza Fiúza/Agência Brasil
Os 15 principais aeroportos brasileiros, que concentram 80% do fluxo de passageiros, devem movimentar cerca de 648 mil passageiros somente no dia 4 de janeiro, pico de demanda da Operação Fim de Ano. Guarulhos é o terminal que mais contribui com a conta do dia: o terminal paulista deve registrar cerca de 125,7 mil viajantes embarcando ou desembarcando em São Paulo. A projeção é da SAC (Secretaria de Aviação Civil).
Em seguida, aparecem os dias 18 de dezembro, com estimativa de movimentação de 639,16 mil passageiros; 21 de dezembro, com cerca de 638 mil viajantes; e 8 de janeiro, com 637,84 mil pessoas circulando pelos terminais. Para efeito de comparação, o auge da demanda diária na Copa do Mundo foi 14 de julho de 2014, com 560 mil passageiros transportados. De acordo com os cálculos da Secretaria de Aviação, até o dia 10 de janeiro mais de 16 milhões de pessoas devem passar pelos 15 terminais que participam do reforço operacional para o fim de ano.
Os aeroportos mais movimentados no período da Operação, serão, nesta ordem: Guarulhos (3,6 milhões de passageiros), Brasília (2,1 milhões), Congonhas (1,9 milhão), Galeão (1,8 milhão) e Confins (1,4 milhão), considerando chegadas e saídas (embarques e desembarques).
O maior número de aeronaves em procedimentos de pouso e decolagem será registrado em Guarulhos no dia 18: serão 905 aviões com destino ou origem no terminal
Fonte - Agência CNT   16/12/2015

Barbosa recebe russos interessados em projetos ferroviários

Ferrovias

"Historicamente, o país já recebeu investimentos de empresas europeias e americanas. Mais recentemente, recebemos investimentos asiáticos, a começar com japoneses e depois chineses. Esperamos contar também agora com os investimentos russos."O diretor-geral da RZHD Internacional Ltda., Sergey A. Pavlov, que representa uma das maiores companhias ferroviárias do mundo, afirmou que "nossa empresa tem capacidade reconhecida de construir e operar as ferrovias com o porte e o tamanho que o Brasil hoje pretende ter.

Exame - RF
foto - ilustração
Em meio à ofensiva do governo para atrair investimento estrangeiro para os investimentos em infraestrutura, o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, recebeu investidores russos interessados em projetos ferroviários do Programa de Investimento em Logística (PIL).
Em nota, Barbosa afirmou que "o Brasil tem um histórico de receber bem os investimentos estrangeiros".
"Historicamente, o país já recebeu investimentos de empresas europeias e americanas. Mais recentemente, recebemos investimentos asiáticos, a começar com japoneses e depois chineses. Esperamos contar também agora com os investimentos russos."
O diretor-geral da RZHD Internacional Ltda., Sergey A. Pavlov, que representa uma das maiores companhias ferroviárias do mundo, afirmou que "nossa empresa tem capacidade reconhecida de construir e operar as ferrovias com o porte e o tamanho que o Brasil hoje pretende ter. Estou certo de que vamos participar do programa de concessões do governo e realizar investimentos aqui".
O Planejamento reforçou ainda que a segunda etapa do PIL dá continuidade ao processo de infraestrutura de transporte no País e visa a retomada do crescimento da economia.
No modal ferroviário, foco de interesse dos russos, o programa busca aumentar a capacidade de transporte e diminuir os gargalos logísticos.
O programa garantirá a aplicação de R$ 86,4 bilhões na construção, modernização e manutenção de 7,5 mil quilômetros de linhas férreas.
"O modelo de concessão mantém as premissas de ferrovias em bitola larga, com alta capacidade de transporte de cargas, traçado geométrico otimizado e velocidade elevada", afirmou a pasta em nota.
O Planejamento reitera ainda que são premissas do modelo assegurar o direito de passagem com vistas à integração das malhas das concessões existentes e novas, aprimorar a concorrência no modelo de operador verticalizado; adotar o modelo de licitação por outorga ou compartilhamento de investimento; e usar o procedimento de manifestação de interesse para desenvolver os estudos de viabilidade.
As ferrovias - Ferrovia Norte-Sul (trechos Açailândia/MA - Barcarena/PA e Palmas/TO - Anápolis/GO), com estudos entregues; Ferrovia Norte-Sul (trecho Anápolis/GO - Estrela D'Oeste/SP e Estrela D'Oeste/SP - Três Lagoas/MS), com estudos entregues; Ferrovia Rio de Janeiro - Espírito Santo; Ferrovia Lucas do Rio Verde/MT - Itaituba/PA (Distrito de Miritituba), com estudos entregues; Ferrovia Bioceânica (GO/MT/RO/AC) - fazem parte da segunda etapa do PIL.
Fonte - Revista Ferroviária  15/12/2015

Estrutura da ponte estaiada da Linha 4 do Metrô é concluída

Transportes sobre trilhos

Nesta terça-feira (15), o governador Luiz Fernando Pezão e o secretário de Transportes, Carlos Roberto Osorio vistoriaram a Estação São Conrado e passearam por um pequeno trem para a verificação da ponte.“Já estivemos nessa obra muitas vezes e é muito gratificante ver a evolução dela. 

O Reporter
Shana Reis/Divulgação
A ponte estaiada da Linha 4 do Metrô já está com sua estrutura concluída. Agora, as obras entram na fase de acabamento, com a instalação de cabos elétricos e iluminação, posicionamento de trilhos e concretagem das vias. Nesta terça-feira (15), o governador Luiz Fernando Pezão e o secretário de Transportes, Carlos Roberto Osorio vistoriaram a Estação São Conrado e passearam por um pequeno trem para a verificação da ponte.
“Já estivemos nessa obra muitas vezes e é muito gratificante ver a evolução dela. Esse é o tipo de intervenção que queremos ver acontecendo no país. Temos trabalhadores se esforçando para tirar do papel uma obra sonhada há mais de 50 anos. Não vamos medir esforços para gerar mais empreendimentos e levar o metrô para o Recreio e expandir a Linha 2”, disse o governador.
A nova linha vai ligará a Zona Sul à Barra da Tijuca. Segundo o governo do Rio, a estimativa é de que, com a entrada em operação da Linha 4, pelo menos dois mil carros deixem de circular por hora no horário de pico
“A Linha 4 do Metrô é muito mais que a ligação metroviária da Zona Sul à Barra, ela completa um eixo de circulação da cidade, que passa a ser integrado dos dois lados. O morador da Pavuna chegará à Barra da Tijuca de metrô e o morador da Rocinha poderá ir ao Maracanã também de metrô”, disse Osorio.
Atualmente, 83% das obras da Linha 4 já estão concluídas. Faltam apenas 700 metros para a conclusão da escavação dos túneis no eixo Barra da Tijuca – Ipanema. O novo trecho etrá as estações Nossa Senhora da Paz, Jardim de Alah, Antero de Quental, Gávea, São Conrado e Jardim Oceânico, sendo que a previsão de inauguração é para julho de 2016.
Fonte - O Reporter  15/12/2015

Outra política econômica

Economia

Assinado inicialmente por 25 entidades representantes de trabalhadores e de empresários, o manifesto "Compromisso pelo Desenvolvimento" já conta hoje com mais de 70 entidades apoiadoras das medidas propostas para geração de emprego, renda e crescimento econômico.

Portogente
foto ilustração
Ministros, representantes de centrais sindicais e entidades empresarias se reuniram, na manhã desta terça-feira (15/12), em Brasília. Na pauta: reafirmar as diretrizes e apoiar as propostas que integram o manifesto “Compromisso pelo Desenvolvimento”, lançado oficialmente em ato no início deste mês, em São Paulo. Assinado inicialmente por 25 entidades representantes de trabalhadores e de empresários, o manifesto "Compromisso pelo Desenvolvimento" já conta hoje com mais de 70 entidades apoiadoras das medidas propostas para geração de emprego, renda e crescimento econômico.
“Temos que apresentar propostas para voltar a crescer, é isso que a população espera e precisa agora. Unir a sociedade em torno dessa retomada é fundamental nesse momento. Por isso, essas propostas conjuntas são tão relevantes para preservar empregos e renda e retomar nossa capacidade de crescer”, declarou, na abertura da reunião, o ministro do Trabalho e Previdência Social, Miguel Rossetto.
Armando Monteiro, ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior também participou do encontro e refirmou a importância da união entre trabalhadores e empresariado em prol do desenvolvimento nacional. Em suas palavras, o ministro destacou a importância do comércio exterior e dos investimentos em infraestrutura, além de estimular a parceria com o setor privado e a urgente revisão do ambiente regulatório e outras ações que estão em curso para ampliar o acesso aos mercados. Ao afirmar o seu comprometimento e apoio ao manifesto, Monteiro destacou “apoiamos essas propostas por serem realistas e sob as quais podemos construir instrumentos de convergência para reanimar a economia brasileira.”
As linhas centrais do documento reforçam a necessidade de investimentos em infraestrutura e o resgate ao setor de construção civil, energia, petróleo e gás. A união de forças sociais para superar os desafios é o grande diferencial desse movimento, como essencial para enfrentar a crise e tirar o País da recessão.
Fonte - Portogente  16/12/2015

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

A reconstrução da indústria ferroviária brasileira

Transportes sobre trilhos

Em 2003, o lançamento do Plano de Revitalização das Ferrovias sinalizou o interesse do setor público em priorizar a expansão da malha e a recuperação da indústria ferroviária. Foi mais ou menos na mesma época que começaram as exportações em massa de minério de ferro, que garantiram a demanda de transporte.

GGN 
foto - ilustração
Depois de atingir seu auge na década de 70, a indústria ferroviária brasileira amargou duas décadas de desmanche. Nos anos 80, se retraiu fortemente. E nos anos 90 já praticamente não existia. Foi a partir dos anos 2000 que começou a ensaiar uma retomada.
Em 2003, o lançamento do Plano de Revitalização das Ferrovias sinalizou o interesse do setor público em priorizar a expansão da malha e a recuperação da indústria ferroviária. Foi mais ou menos na mesma época que começaram as exportações em massa de minério de ferro, que garantiram a demanda de transporte.
A partir daí, a indústria voltou a investir na criação de novas fábricas e ampliação e modernização das antigas. Entre isso e treinamento de mão de obra, foi investido R$ 1,5 bilhão de 2003 a 2013. Assim, a produção de vagões de carga e locomotivas voltou a crescer. E novas tecnologias puderam ser desenvolvidas em território nacional.
Mas trens precisam de trilhos para rodar. O Brasil tem, atualmente, 30 mil km de ferrovias. 23 mil operacionais, mas apenas cerca de 10 mil com transporte realmente denso. Com todo o planejamento do Programa de Investimento em Logística (PIL), a expectativa é chegar a 34 mil km até 2025. Ainda é menos do que os 38 mil km que o país tinha na década de 70.
O assunto foi abordado no 64º Fórum de Debates Brasilianas.org pelo presidente da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (ABIFER), Vicente Abate.
Ele falou sobre os desafios que as concessionárias e o poder público têm pela frente, apresentou as novas tecnologias desenvolvidas pela indústria nacional e comentou os planos de expansão tanto da malha de carga quanto de passageiros.

Como se organiza o segmento ferroviário no Brasil
“Nossa missão é fomentar o crescimento da indústria instalada no país. Ou seja, geração de emprego e renda para o brasileiro, incentivando a expansão do transporte ferroviário de carga e de passageiros. Nós somos 65 empresas, pequenas, médias e grandes, brasileiras e internacionais, que fazem a manufatura de produtos ferroviários e também a prestação de serviços de engenharia, de remanufatura, de modernização de equipamentos”.

O ressurgimento e o novo patamar do setor ferroviário nacional
“A concessão foi feita entre 96 e 98. No princípio, as concessionárias mais reformaram, tanto o material rodante quanto a via permanente. E começaram a comprar em massa a partir de 2003. Só para vocês terem uma ideia as concessionárias atuais investiram mais de R$ 44 bilhões de 96, 98 até agora, o que ensejou o crescimento da indústria ferroviária. Eu diria mais, o ressurgimento. Então, ampliamos e modernizamos instalações já existentes, fizemos novas fábricas, aplicamos novas tecnologias e treinamos nossa mão de obra. Com isso as nossas capacidades aumentaram. Hoje, nós podemos fazer anualmente 12 mil vagões de carga (na época eram três mil), mil carros de passageiros (na época eram 300) e 250 locomotivas (na época não se fabricava locomotivas potentes). E para o período atual, esse triênio 2014-2016, nós estaremos investindo ainda de R$ 400 a R$ 600 milhões”.

Inovações tecnológicas da indústria ferroviária brasileira
“Eu vou mostrar algumas inovações tecnológicas da nossa indústria, feita nos últimos tempos. Esse é um vagão gôndola de 150 toneladas, isso é peso bruto máximo, a tara dele é de 22, são 128 toneladas de carga útil. Em 1997, na época estatal, era 95 toneladas. Ou seja, nós temos um ganho no decorrer do tempo de 33 toneladas por vagão. Esse é um vagão para transporte de açúcar, da Rumo, é um vagão que os antigos carregavam 80 toneladas, esse carrega 100. Descarrega em apenas 1 minuto enquanto os antigos demoravam 45 minutos. E a nossa mais recente fabricação, projetada totalmente pela indústria nacional, é um vagão tri-articulado para transporte de granéis onde se inclui o próprio açúcar, grãos de soja, grãos de milho, farelo de soja. Esse vagão é na bitola métrica. Só para vocês saberem, a bitola é a distância entre eixos. Na bitola métrica, ela tem naturalmente menor capacidade do que a bitola larga. Aquele vagão da Rumo, na bitola larga carrega 100 toneladas. Esse na bitola métrica, pela concepção de tri-articulado, carrega 136 toneladas. Ou seja, nós estamos fazendo um avanço sensacional. E vamos fazer isso para a bitola larga, que vai carregar muito mais do que as 100, ou as próprias 136”.

Investimentos públicos e privados na expansão da malha ferroviária de carga
“Mostrada a indústria para vocês, eu vou falar um pouquinho da expansão da malha ferroviária de carga. Investimentos privados que estão em execução: a ligação da nova província mineral de Carajás até a Estrada de Ferro. É um plano de expansão da Vale, que vai se configurar entre 2016 e 2018. São investimentos de US$ 16 bilhões que a Vale está fazendo. Até dois, três, quatro anos atrás, ela estava produzindo 300 milhões, 305 milhões de toneladas por ano de minério. O ano passado já fez 312. A previsão para este ano é de 340 milhões. E em 2018 nós vamos ter, com essa nova província mineral, a Vale produzindo e fornecendo, basicamente para o mercado externo, 450 milhões de toneladas por ano. Do governo, são obras do PAC: Palmas-Anápolis 855 km já concluídos, Anápolis-Estrela 680 km previstos para 2016. E a FIOL, que está mais atrasada, dos 500 km até Caetité tem 40% mais ou menos já prontos. De Caetité até Barreiras é mínimo, não chega a 5%, de forma que a previsão é 2018”.

As promessas de investimentos da segunda fase do PIL
“E aí vem o PIL, o chamado PIL 2, que foi lançado agora, dia 9 de junho. E, efetivamente, no PIL 1 nós não tivemos absolutamente nada. Era um programa majestoso, de 11 mil km de ferrovias, entre novas e a serem modernizadas, R$ 100 bilhões de investimento e absolutamente não saiu nada. Só tinha um trecho, de Lucas do Rio Verde até Campinorte, já aprovado pelo TCU, que acabou não saindo também. O programa [PIL 2] é de R$ 198 bilhões, R$ 86 bilhões das ferrovias. O mais imediato, no nosso ver, são esses R$ 16 bilhões de novos investimentos das concessionárias atuais. Agora, a condição sine qua non é que as concessionárias atuais negociem com o governo a antecipação da renovação dos contratos de concessão. Eles vencem entre 2026 e 2028, tem dez anos, 12 anos para fazer investimentos. Ninguém vai fazer investimentos com tão curto período de maturação ou de amortização”.

A expansão da malha ferroviária de passageiros
“Para terminar, a malha de passageiros. O governo de São Paulo está aportando R$ 7 bilhões no metrô, na CPTM e na EMTU. São nove linhas, sendo cinco novas e quatro expansões, mais quase 100 km de ferrovias, 77 novas estações. No Rio de Janeiro, para as Olimpíadas, modernização das linhas atuais do metrô do Rio. Linhas 1 e 2, a nova Linha 4, que está também sendo construída de Ipanema até a Barra. Renovação de quatro linhas da SuperVia e o Porto Maravilha, que são seis linhas de VLT. O governo de São Paulo tem quatro projetos, que são chamados de trens intercidades. São quatro eixos desde o centro de São Paulo, em Água Branca, indo para Americana, para o Vale do Paraíba, Baixada Santista e Sorocaba. O primeiro trecho até Americana já era para ter saído o edital. Nós esperamos que no começo do ano, agora, de 2016, ele possa sair. A malha atual urbana é de apenas 1000 km. Com a expansão atual de São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador vão fazer, em 2020, 1200 km. Há mais ou menos dois anos nós tínhamos a previsão de dobrar essa malha até 2020. Só que os projetos ficaram para trás, então, a gente está prevendo um acréscimo de 20%”.
Fonte - ANPTrilhos   15/12/2015