sábado, 10 de outubro de 2015

Água da Transposição do São Francisco pode atender áreas rurais por meio de carros-pipa

Recursos hídricos

Dois reservatórios já estão cheios, em testes do projeto. A proposta é construir estações de tratamento para utilizar a água.Primeiro reservatório já armazena água há quase um ano, em testes operacionais do Eixo Leste do projeto.

André Clemente
Diario de Pernambuco
foto -  Ministério da Integração/Divulgação
O governo do estado está negociando com o ministério da Integração a forma de investir R$ 30 milhões para a implantação de três estações de tratamento e mais a perfuração de 14 poços profundos. A ideia é tirar água dos reservatórios da Transposição do Rio São Francisco e encher carros-pipa que abastecem áreas emergenciais rurais, onde não há rede. A Transposição está em testes, mas já armazena água em dois pontos no percurso dos canais. A previsão é ter seis reservatórios cheios até junho de 2016. Não está definido quanto, nem como será a fatia do estado e do governo federal para tirar a proposta do papel.
De acordo com o secretário estadual de Recursos Hídricos e Energéticos, Almir Cirilo, o estado atingiu uma estiagem que entra severa no sexto ano, com o agravante de barragens secas. “Nós estamos preocupados em como atender a população rural, que ainda depende de carros-pipa, mas que não há mais de onde tirar a água para enchê-los. Estamos discutindo com o Ministério da Integração para aproveitar esses reservatórios, porque vão estar em volumes expressivos e que a quantidade que vamos retirar não vai ser expressiva, ao ponto de prejudicar os testes das estações de bombeamento, por exemplo”, explica. “A água tem destino para essa população difusa, que vive, também, de barreiros e poços", pontua.
Aprovando o orçamento, a viabilidade é rápida para implantação dos sistemas, segundo o secretário. “As estações de tratamento são estruturas praticamente prontas. Já vêm pré-fabricadas e são montadas na estrutura. E isso inclui a perfuração de poços com profundidade entre 300 metros e 750 metros. São de grande proporção, para atuarem em complemento com outras ações de abastecimento, como dessalinizadores, além de outras adutoras e perfuração de poços de diversas proporções”, acrescenta.
De acordo com o ministério da Integração Nacional, por meio de assessoria de imprensa, aconteceu uma reunião técnica entre representantes do Ministério da Integração Nacional e da Secretaria de Recursos Hídricos do governo do estado de Pernambuco nesta semana, quando foi discutida a situação hídrica do Estado. Por meio de nota, explicou que "o ministério aguarda a entrega da documentação e do pleito do Estado para proceder análise do tema em questão."
Atualmente, a obra da Transposição está em testes no Eixo Leste há um ano e desde agosto deste ano no Eixo Norte. Nada chega ainda as 12 milhões de pessoas do semiárido nordestino que esperam pela água do Velho Chico. O projeto é orçado atualmente em R$ 8,2 bilhões e prevista para 2017. São 470 quilômetros de canais divididos em dois Eixos (Norte e Leste) para abastecer os estados de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará.
Fonte - Diário de Pernambuco  10/10/2015

KPMG fará consultoria sobre o VLT de Cuiabá

Transportes sobre trilhos

A definição para contrato dos estudos especializados foi dada pela Justiça Federal, no dia 25 de agosto. Na mesma data, também foi determinada a suspensão do contrato 037/2012, enquanto os trabalhos de consultoria forem realizados. Para que o Estado realizasse a contratação da consultoria, 12 empresas foram convidadas a participar do trâmite licitatório. 

Diário de Cuiabá
foto - ilustração
A empresa KPMG Consultoria é a vencedora do processo de dispensa de licitação determinado pela Justiça Federal que fará a consultoria especializada da obra do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). O resultado do trâmite foi divulgado pelo secretário de Estado das Cidades (Secid), Eduardo Chiletto, na tarde desta sexta-feira (09.10). O processo segue agora para elaboração de contrato. A previsão é de que na próxima semana, a KPMG Consultoria assine os documentos da contratação.
As demais empresas que também participavam do certame (Accenture do Brasil e Cinclus Engineering Consultancy) foram inabilitadas devido à não apresentação adequada de documentos. O resultado do processo licitatório também foi encaminhado às empresas, nesta sexta, para o devido conhecimento.
A definição para contrato dos estudos especializados foi dada pela Justiça Federal, no dia 25 de agosto. Na mesma data, também foi determinada a suspensão do contrato 037/2012, enquanto os trabalhos de consultoria forem realizados. Para que o Estado realizasse a contratação da consultoria, 12 empresas foram convidadas a participar do trâmite licitatório. Deste total, três apresentaram propostas, que foram analisadas por comissão técnica formada por servidores da Secid, Controladoria Geral do Estado e Gabinete de Assuntos Estratégicos.
Para o titular da Secid, Eduardo Chiletto, a contratação da empresa irá contribuir para o que o Estado dê o andamento adequado à obra do VLT.
Conforme termo de referência, a empresa será responsável por apresentar relatórios detalhados ao Estado sobre a viabilidade financeira do modal, o cronograma de término de obras, a estimativa de demandas de operação durante os próximos 20 anos, proposta de integração do modal à matriz de transporte de Cuiabá e Várzea Grande, como também o cronograma de desembolso do Estado para implantação do VLT.
O VLT deveria ter sido entregue em junho de 2014, antes mesmo do início dos jogos da Copa do Mundo em Cuiabá. Entretanto, os sucessivos atrasos levaram o governo a fazer um aditivo prevendo o término para 31 de dezembro do mesmo ano. Porém, as obras foram paralisadas antes mesmo deste prazo. A atual gestão estadual discute a questão na Justiça, visto que o consórcio construtor cobra, pelo menos, R$ 800 milhões para a finalização da obra.
O consórcio VLT Cuiabá venceu a licitação realizada em junho de 2012, na modalidade do Regime Diferenciado de Contratação (RDC), que não permite aditivos, por R$ 1,447 bilhão. Deste total, R$ 1,066 bilhão já foram pagos. (Com Assessoria/Secid-MT)
Fonte - Diário de Cuiabá  10/10/2015

Projeto aumenta renda de mulheres negras de comunidades do Rio

Inclusão social

De acordo com a coordenadora do projeto, Érica Portilho, trabalhando o empoderamento feminino por meio do empreendedorismo e da valorização da identidade, mulheres negras em situação de vulnerabilidade social, ex-presas, mães solteiras e portadoras de necessidades especiais conseguiram passar de uma renda mensal per capita de R$ 450 para R$ 1.500.A oficina de turbantes é uma das atividades oferecidas pelo projeto Nêga Rosa.


Akemi Nitahara
Repórter da Agência Brasil
Tomaz Silva/Agência Brasil
Elas costuram, cozinham, dão oficinas e participam de eventos onde vendem seus produtos, ensinam a amarrar turbantes e falam sobre identidade cultural. Essas são algumas das atividades do projeto Nêga Rosa, desenvolvido em sete territórios do Rio de Janeiro e que atende diretamente a 240 mulheres nas comunidades da Mangueira, Barreira do Vasco, Chatuba de Mesquita, Arará, Jacarezinho, Manguinhos e Tuiuti.
De acordo com a coordenadora do projeto, Érica Portilho, trabalhando o empoderamento feminino por meio do empreendedorismo e da valorização da identidade, mulheres negras em situação de vulnerabilidade social, ex-presas, mães solteiras e portadoras de necessidades especiais conseguiram passar de uma renda mensal per capita de R$ 450 para R$ 1.500.
Para participar do projeto, as interessadas têm de preencher uma ficha. “A partir disso nós fazemos uma seleção. As outras ficam em um banco de espera. Mas, como nós temos várias atividades abertas, elas também acabam participando e, se houver alguma desistência, elas vão sendo encaixadas e a gente vai conseguindo parcerias em outros territórios”, destaca a coordenadora.

Tomaz Silva/Agência Brasil
Érica Portilho conta que as participantes do projeto atuam como multiplicadoras do que aprendem.

Érica explica que a ideia é disseminar o máximo possível o conhecimento passado pelo projeto, que já recebeu prêmio da Fundação Banco do Brasil, do Favela Criativa. “Se a gente conseguiu desenvolver uma tecnologia social que foi reconhecida por uma fundação tão importante, a gente acha que ela deve ser disseminada. A gente vai ao território, faz uma prática de uma semana, 20 horas, e aí aquelas mulheres estão prontas para ensinar e multiplicar para outras mulheres.”
Andrea Soares costura, promove oficina de turbante e também participa da coordenação do Nêga Rosa. Para ela, um dos pontos mais importantes do projeto é o resgate da autoestima da mulher negra da comunidade. “Fazer o resgate da sua cidadania, porque hoje a gente tem dentro da escola o programa do estudo da cultura de uma outra etnia, mas isso não é contemplado, então com isso as crianças da comunidade ficam sem identificação. Então a ideia é trazer essa identificação para as mais velhas para que elas também possam replicar com os seus filhos.”

Tomaz Silva/Agência Brasil
Vanice Carrera viu no projeto uma oportunidade de fazer compotas para vender

Uma das participantes do projeto, Vanice Carrera, que costura e cozinha, conta que o Nêga Rosa deu força e motivação para ajudar a superar o câncer que enfrenta há mais de dois anos. “Eu tive um problema de saúde e fiquei muito parada. E isso para mim caiu como uma luva, eu não consigo ficar parada, tem um caldo pra fazer, tem uma compota, um doce para entregar, umas costuras. Para mim tá sendo muito bom, passar para as outras pessoas o que eu aprendi. Estou levando, faço quimioterapia. Isso aqui é o que está me mantendo, é muito bom não parar, [é bom] saber que, mesmo com problema, você continua com forças, está sendo útil, produzindo.”
Érica ressalta que os espaços de trabalho montados pelo projeto, com cozinha e máquinas de costura, também podem ser utilizados pelas mulheres para produzir e fornecer para clientes independentemente do Nêga Rosa. Na Mangueira, por exemplo, onde o trabalho começou há um ano, são feitas faixas de cabelo e chapéus para a loja de souvenir da escola de samba da comunidade.
Segundo a coordenadora, o projeto também está em busca de parcerias na área de comércio eletrônico e em novembro começa a trabalhar com meninas de 12 a 18 anos que cumprem medida socioeducativa no Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase). No dia 31 de outubro, o projeto Nêga Rosa vai ser anfitrião de uma feira na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) durante a Conferência de Juventude, na qual estarão presentes 30 empreendedores do estado do Rio de Janeiro.
Outro trabalho está sendo feito para o Comitê Olímpico Rio 2016. O Nêga Rosa venceu um edital de estamparia e vai fornecer 5 mil almofadas para o alojamento dos atletas. “Foram quatro projetos vencedores. A nossa estampa é uma samambaia do mangue, uma planta da flora brasileira. Atrás da almofada, vem contando a história do projeto, em português e inglês e vai ser uma almofada para os atletas levarem para o mundo inteiro”, destaca Érica.
Fonte - Agência Brasil  10/010/2015

ITL forma mais uma turma de gestores do transporte, em Belo Horizonte (MG)

Transportes

A pós-graduação, voltada para gerentes e executivos de empresas de transporte, é ministrada pela FDC (Fundação Dom Cabral). A formatura ocorreu nessa sexta-feira (9), em Belo Horizonte (MG).Até o ano que vem, serão 400 profissionais capacitados no curso de pós-graduação

Natália Pianegonda - Ag.CNT
foto - Sergio Alberto
Mais uma turma concluiu o curso de Especialização em Gestão de Negócios para o Transporte, oferecido pelo ITL (Instituto de Transporte e Logística), em parceria com o SEST SENAT. A pós-graduação, voltada para gerentes e executivos de empresas de transporte, é ministrada pela FDC (Fundação Dom Cabral). A formatura ocorreu nessa sexta-feira (9), em Belo Horizonte (MG).
“O curso tem o diferencial de apresentar as mais modernas técnicas de gestão, com aplicabilidade imediata, logo após o retorno do executivo à empresa ao final de cada semana de encontros e aulas”, disse o presidente da CNT (Confederação Nacional do Transporte), Clésio Andrade. Ele participou da cerimônia que marcou o encerramento de mais uma etapa da qualificação. Segundo Clésio Andrade, em 2016 novas turmas serão abertas, a primeira em Curitiba (PR).
A especialização tem carga horária de 360 horas/aula, sendo 20% ministradas a distância e o restante em oito encontros presenciais, com duração de uma semana cada. As próximas turmas a concluírem a pós-graduação são as do Rio de Janeiro (RJ), em 19 de fevereiro, e de Recife (PE), em 26 de agosto de 2016. Até o ano que vem, a iniciativa deve viabilizar a formação de cerca de 400 gestores do transporte.
Fonte - Agência CNT de Notícias  10/10/2015

Travessia de Mar Grande tem intenso movimento e saídas chegam a ser a cada 10 minutos

Travessia marítima

Travessia de Mar Grande tem intenso movimento e saídas chegam a ser a cada 10 minutos.O sistema iniciou as operações às 5h e uma hora depois o fluxo de passageiros começou a crescer.Dez embarcações estão em tráfego e para agilizar ao máximo o embarque e a viagem dos usuários

Tribuna da Bahia
foto - ilustração
A travessia marítima Salvador-Mar Grande registra nesta manhã de sábado (10) intenso fluxo de embarque, com milhares de pessoas deixando a capital para passar o final de semana prolongado na Ilha de Itaparica. O sistema iniciou as operações às 5h e uma hora depois o fluxo de passageiros começou a crescer.
Dez embarcações estão em tráfego e para agilizar ao máximo o embarque e a viagem dos usuários, os horários de saída chegam a ser de 10 em 10 minutos. Neste momento, existe fila para embarque e a previsão da Astramab (Associação dos Transportadores Marítimos da Bahia) é de que o movimento de passageiros seja intenso durante todo o dia.
O último horário saindo de Salvador será às 20h, mas enquanto houver passageiros nos terminais o sistema estará operando. A Astramab informa que todos os catamarãs da linha Salvador-Morro de São Paulo deve zarpar do Terminal Náutico com lotação completa.
O primeiro saiu às 8h30 e o segundo horário do dia será às 9h. Depois, existem saídas às 10h30, 13h e 14h30. Com o feriado, a procura pelo Morro cresceu bastante, com muitos turistas que chegam a Salvador aproveitando para conhecerem a ILha de Tinharé. A viagem direta de catamarã dura 2h e 20m e a passagem custa R$ 82,35 e são vendidas nos guichês das empresas, no terminal. Também estão sendo muito requisitadas neste sábado as escunas de turismo que fazem o passeio pelas ilhas da Baía de Todos os Santos, que saem a partir das 9h do Terminal Náutico e só retornam às 17h30.
Fonte - Tribuna da Bahia  10/10/2015

SuperVia investe R$ 150 milhões na compra de 300 mil dormentes de concreto para o sistema ferroviário fluminense

Transportes sobre trilhos

Esse trabalho de substituição oferece maior segurança operacional ao sistema ferroviário, uma vez que confere mais estabilidade ao trem, gerando a redução do tempo de viagem e conforto aos passageiros. Além disso, a instalação de dormentes de concreto contribui com o meio ambiente, já que a matéria prima de produção é o cimento.

Portal Segs
foto - ilustração
Dando continuidade ao processo de melhorias de infraestrutura do sistema ferroviário fluminense, a SuperVia comprou 300 mil dormentes de concreto, que serão utilizados para a substituição da metade dos 600 mil dormentes existentes no sistema ferroviário, que são de madeira. Também foram comprados 600 mil conjuntos de fixações para a instalação dos dormentes, além de duas retroescavadeiras rodoferroviárias. As máquinas irão automatizar e agilizar o processo de instalação, possibilitando a troca de 60 mil dormentes por ano (a previsão é que o trabalho de substituição destes 300 mil seja concluído em cinco anos). O investimento é de mais de R$ 150 milhões e a primeira leva de 8 mil dormentes já está na oficina da concessionária, localizada em Deodoro, para ser iniciado o trabalho de troca.
Esse trabalho de substituição oferece maior segurança operacional ao sistema ferroviário, uma vez que confere mais estabilidade ao trem, gerando a redução do tempo de viagem e conforto aos passageiros. Além disso, a instalação de dormentes de concreto contribui com o meio ambiente, já que a matéria prima de produção é o cimento. Feitos em monobloco, eles duram cerca de quatro vezes mais que os de madeira. Estudos também comprovam que, num ciclo de 100 anos, as emissões de CO2 associadas aos dormentes de concreto são de duas a seis vezes menores que as dos de madeira.
Quando concluída a primeira etapa da substituição, um novo lote de 300 mil dormentes será encomendado para a renovação completa dos dormentes que compõem os 270 quilômetros da ferrovia fluminense. Dentro de cerca de dez anos esse trabalho será concluído. A substituição é feita de forma gradativa e as madeiras retiradas da via são repassadas a uma empresa especializada, que dá a destinação final adequada ao material.
Fonte - ABIFER   09/10/2015

MP suíço: mulher de Cunha usou contas no exterior para pagar despesas pessoais

Política

De acordo com os investigadores da Operação Lava Jato, os valores, que não foram divulgados, podem ser fruto do recebimento de propina em um contrato da Petrobras na compra de um campo de Petróleo em Benin, na África, avaliado em mais de US$ 34 milhões.

André Richter
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
O Ministério Público da Suíça enviou nesta semana ao Brasil documentos que mostram a origem do dinheiro encontrado nas contas atribuídas ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. De acordo com os investigadores da Operação Lava Jato, os valores, que não foram divulgados, podem ser fruto do recebimento de propina em um contrato da Petrobras na compra de um campo de Petróleo em Benin, na África, avaliado em mais de US$ 34 milhões.
Os dados constam no relatório no qual o órgão de investigação suíço confirmou à Procuradoria-Geral da República (PGR) que as contas encontradas em um banco daquele país estão em nome de Cunha. O documento relata que parte do dinheiro foi usado para pagar contas pessoais da mulher do presidente, Claudia Cruz, uma das beneficiárias das contas.
O relatório mostra que cartões de credito, aulas de tênis e uma escola de ensino médio na Inglaterra foram pagos com recursos oriundos das contas. Com base nos dados financeiros, a PGR avalia se vai denunciar Eduardo Cunha ao STF pela segunda vez na Operação Lava Jato. No mês passado, Cunha foi denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por ser acusado por um dos delatores das investigações de receber US$ 5 milhões em propinas em um contrato da Petrobras para compra de navios-sonda.
Após a divulgação do relatório, Cunha reafirmou que não vai comentar o conteúdo antes de obter acesso à investigação. Mais cedo, o presidente divulgou nota na qual declara que não tem contas no exterior.
“O presidente [da Câmara, Eduardo Cunha] desconhece o teor dos fatos veiculados e não tecerá comentários sem ter acesso ao conteúdo real do que vem sendo divulgado. Assim que tiver ciência, por meio de seus advogados, o presidente se manifestará”, diz a nota.
Fonte - Agência Brasil 09/10/2015

CBTU Belo Horizonte promove tarde de clássicos com o projeto Música nas Escolas

Arte&Cultura

O espetáculo terá regência do maestro Rogério Alves Vieira e vai contar com a participação de alunos do projeto Música nas Escolas que apresentam um repertório composto por clássicos eruditos e sucessos da música popular brasileira.

CBTU

A CBTU Belo Horizonte e a Orquestra Jovem Vallourec apresentam, nesta sexta-feira (9/10), a partir das 16h, tarde de clássicos no metrô com uma homenagem aos usuários e empregados da Companhia.
O espetáculo terá regência do maestro Rogério Alves Vieira e vai contar com a participação de alunos do projeto Música nas Escolas que apresentam um repertório composto por clássicos eruditos e sucessos da música popular brasileira.

Formação Musical
Com mais de dez anos de existência, o projeto Música nas Escolas é inspirado no maestro Heitor Villa Lobos, um dos primeiros a introduzir a música nas escolas. O programa incentiva e investe na formação musical de crianças e adolescentes, de oito a 20 anos, estudantes de escolas públicas, moradores da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Ao ingressarem no projeto, eles participam de aulas diárias e gratuitas de instrumento musical à sua escolha, como: violinos, violas.
Fonte - CBTU  09/10/2015

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Cidadania e inclusão social pautam ações da Sedur na Bahia

Cidadania

Com a proximidade do Dia Nacional do Deficiente Físico (11 de outubro), torna-se ainda mais urgente discutir acessibilidade, como afirma o secretário Carlos Martins, enfatizando que os dois programas-vitrine da Sedur exemplificam, na prática, o que o órgão defende em seu trato diário - incluir para somar e tornar todos os baianos cidadãos de fato e de direito. 

Da Redação
foto - Daniele Rodrigues
Acessibilidade significa agregar, somar, incluir. É sinônimo de respeito e inclusão social. Garante, à pessoa com deficiência, viver de forma independente e participar plenamente das atividades diárias e comuns a toda população. O que é praxe para a maioria, representa uma conquista incomensurável para os portadores de deficiência. Se sentir incluído, fazer parte, ser mais um no todo. Isso só é possível e viável em decorrência das práticas de acessibilidade. E isso está na essência de todas as ações da Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado (Sedur).
Com a proximidade do Dia Nacional do Deficiente Físico (11 de outubro), torna-se ainda mais urgente discutir acessibilidade, como afirma o secretário Carlos Martins, enfatizando que os dois programas-vitrine da Sedur exemplificam, na prática, o que o órgão defende em seu trato diário - incluir para somar e tornar todos os baianos cidadãos de fato e de direito. Nas estações de metrô e nos imóveis que integram o Programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV), acessibilidade é palavra de ordem.
Todas as seis estações de metrô em funcionamento - Lapa, Campo da Pólvora, Brotas, Acesso Norte, Retiro e Bom Juá – estão devidamente adaptadas às normas de acessibilidade, com as intervenções essenciais à mobilidade e autonomia das pessoas com deficiência asseguradas e que ainda garantem mais segurança e conforto desde o acesso às estações, com elevadores e inclinação de rampas, à instalação de piso tátil e de sinalização tátil nos corrimões, comunicação tátil em braile, bilheterias e catracas preferências, além da reserva de acentos.
As estações do Retiro e Bom Juá ainda contam com sanitários adaptados - em construção no Acesso Norte, Lapa, Campo da Pólvora e Brotas, com previsão de conclusão até o fim do ano. “As instalações internas das estações são magníficas”, elogia o cadeirante Cledson Oliveira Cruz, presidente da Associação Municipal de Pessoas com Deficiência, salientando que “o metrô é uma alternativa nova e moderna. Atende às nossas necessidades por ser dinâmico”.
Os agentes de atendimento de segurança que trabalham no metrô também foram treinados e orientados para garantir tratamento diferenciado às pessoas com deficiência. Cadeirantes e deficientes visuais, por exemplo, são conduzidos pessoalmente até o vagão de embarque. “Garantir o respeito à dignidade da pessoa com deficiência e com mobilidade reduzida, através dos deslocamentos com autonomia, conforto e segurança, é fundamental”, destaca o gestor de atendimento da CCR, concessionária responsável pela construção e operação do Sistema Metroviário de Salvador, Hamilton Trindade. Para o deficiente visual Evanei Jesus da Silva, a estrutura das estações, somada ao atendimento personalizado da equipe do metrô, otimizou sua mobilidade. “O metrô é todo eficiente. A pista tátil aqui dentro está muito boa e tudo isso facilitou demais a vida”.

Minha Casa, Minha Vida
Acessibilidade é imprescindível também dentro de casas. Afinal, autonomia e independência são essenciais para os afazeres domésticos e tarefas diárias simples, como tomar banho ou lavar a louça. No Programa Minha Casa, Minha Vida, as construções seguem as regras da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) 9050/2004, que regula a acessibilidade, como informa Martins.
A diretriz determina que todas as unidades habitacionais da faixa 1 do Programa (para pessoas com renda de até R$ 1.600) sejam adaptáveis, ou seja, tenham dimensões que permitam futuras modificações para atender e se adequar às necessidades e deficiências dos beneficiários. Na Bahia, desde 2012, quando foi lançada a segunda fase do MCMV, todas as unidades habitacionais entregues – ou em fase de conclusão – seguem esse desenho padrão de acessibilidade e adaptabilidade.
Além disso, pelo menos 3% dos empreendimentos entregues já devem estar devidamente adaptados. Nas dependências da área de serviço e da cozinha, por exemplo, a largura mínima deve ser de 1,8 metros, de forma a permitir o deslocamento da cadeira de rodas. Já no acesso principal aos imóveis, os desníveis não podem ultrapassar os 15 milímetros. As barras de apoio também são itens indispensáveis para o conforto e segurança dos portadores de deficiência.
No estado, a seleção é feita já na chamada pública para inscrição no Programa. O Governo, inclusive, destina 7% das vagas para portadores de deficiência (e 10% para idosos). O percentual de 3% dos imóveis adaptados é destinado, preferencialmente, aos cadeirantes.
Com informações da Secom Ba.  09/10/2015

China vai criar pontos de carregamento para 5 milhões de carros elétricos

Internacional

Entre janeiro e agosto, as vendas de carros elétricos e híbridos na China aumentaram 270% em relação ao mesmo período do ano anterior, chegando a 108.654 unidades, segundo números da Associação de Fabricantes de Automóveis da China.

Da Agência Lusa
foto - ilustração
O governo chinês anunciou hoje (9) que vai criar pontos de carregamento para 5 milhões de automóveis elétricos até 2020.
Uma nova determinação divulgada pelo Conselho de Estado estabelece que, para acelerar a construção das estações de carregamento, vai promover a entrada de capital privado, incluindo a emissão de títulos ou a participação em fundos de pensões.
Entre janeiro e agosto, as vendas de carros elétricos e híbridos na China aumentaram 270% em relação ao mesmo período do ano anterior, chegando a 108.654 unidades, segundo números da Associação de Fabricantes de Automóveis da China.
Ao mesmo tempo, as vendas totais de automóveis nos primeiros oito meses do ano caíram 0,24%, totalizando 15,01 milhões de unidades.
Fonte - Agência Brasil  09/10/2015

Cuiabá e a Mobilidade sem plano

Mobilidade

O MPE ingressou com uma ação civil pública, com pedido de liminar, para que Cuiabá apresente, em 90 dias, um Plano de Mobilidade Urbana.A ação foi proposta pela 29º Promotoria de Defesa e da Ordem Urbanística da cidade e prevê que a primeira medida a ser adotada será a edição imediata do ato, com a definição da forma de participação popular e de todas as etapas de elaboração do plano.

Yuri Ramires - DC
foto - ilustração
A Prefeitura de Cuiabá, por meio da Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob), deve ganhar um prazo de até 90 dias para apresentar o Plano de Mobilidade Urbana. O Ministério Público Estadual (MPE) ingressou com uma ação civil pública, com pedido de liminar, contra o Município, diante da falta de informações, uma vez que o plano se tornou obrigatório por lei desde abril deste ano.
A ação foi proposta pela 29º Promotoria de Defesa e da Ordem Urbanística da cidade e prevê que a primeira medida a ser adotada será a edição imediata do ato, com a definição da forma de participação popular e de todas as etapas de elaboração do plano.
O promotor de Justiça Carlos Eduardo Silva explicou que o documento deverá conter um enfoque especial ao transporte não motorizado e ao motorizado coletivo, conforme previsto no Plano diretor Estratégico da Capital e pela Lei de Mobilidade Urbana.
Segundo o promotor, antes de ingressar com a ação, o MPE já havia encaminhado uma notificação recomendatória instigando o Poder Público municipal a elaborar o Plano de Acessibilidade e Mobilidade Urbana e ações de intervenção nas ciclovias e ciclofaixas, mas poucas providências foram adotadas.
“Em relação à elaboração do Plano de Mobilidade Urbana, o município constituiu uma comissão para avaliar o assunto apenas para dar uma “satisfação” ao Ministério Público, sendo depois verificado que tal colegiado nunca chegou a se reunir para tratar do assunto”, explicou Silva.
Uma audiência pública sobre o tema foi realizada com intuito de sensibilizar o Poder Público sobre a imprescindibilidade da elaboração do documento, mas ações concretas não foram implementadas, lembrou o promotor.
“Além da grave situação que envolve o número de acidentes de trânsito na Capital e os congestionamentos frequentes, é cedido que não há qualquer ordenamento do tráfego de veículos pesados no Centro Histórico de Cuiabá. Esta e outras questões, como a do péssimo serviço de transporte público municipal colocado à disposição da população, justificam a necessidade imperiosa da elaboração do documento”.
Ainda na ação, o MPE requer ao Poder Judiciário que determine a suspensão de repasses e transferência de recursos orçamentários federais do Orçamento Geral da União destinados à mobilidade urbana de Cuiabá, até que a prefeitura elabore o referido plano.
“A Lei de Mobilidade Urbana tornou obrigatória a elaboração, até abril de 2015, de Planos de Mobilidade Urbana para todos os municípios com mais de vinte mil habitantes, sob apena de ficarem impedidos de receber recursos orçamentários federais, destinados à mobilidade”, finalizou.
O DIÁRIO procurou a Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) e foi informado de que a pasta só irá se manifestar após a notificação.
Fonte - Diário de Cuiabá  09/10/2015

Mais 200 mil baianos devem deixar Salvador no feriado prolongado

Transportes

A estimativa da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba) é de que mais de 200 mil baianos deixem a cidade durante o feriado prolongado. Somente através da rodoviária serão 60 mil. Para atender a demanda, as empresas de ônibus disponibilizaram 300 horários extras, além dos 540 fixos.

Rayllanna Lima  - TB
foto - ilustração
O feriado de Nossa Senhora Aparecida – a padroeira do Brasil –, que se intensifica com a comemoração do Dia das Crianças, está chegando para dar mais um feriadão à população. Como de praxe, o esquema de viagens começou a ser montado pelas administradoras da rodoviária, ferry-boat e lanchas. Na noite de ontem (8), alguns baianos já se preparavam para deixar a capital baiana, procurando refúgio e tranquilidade no interior do Estado.
A estimativa da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba) é de que mais de 200 mil baianos deixem a cidade durante o feriado prolongado. Somente através da rodoviária serão 60 mil. Para atender a demanda, as empresas de ônibus disponibilizaram 300 horários extras, além dos 540 fixos. As cidades mais procuradas continuam sendo Porto Seguro, Itacaré, Ilhéus, Itabuna, Juazeiro, Vitória da Conquista, Barreiras e Chapada Diamantina.
Em operação especial entre os dias 9 e 13 de outubro, A Internacional Travessias salvador, administradora do sistema ferry-boat, deixa à disposição da população oito embarcações, com saídas bate-volta. A quantidade de ferries em operação vai depender do fluxo registrado.
Aproximadamente 18 mil veículos e 121 mil usuários devem fazer a travessia com destino as Ilhas e ao Arquipélago de Cairu. O que deve representar um aumento de 30%, se comparado ao mesmo período do ano passado, quando 13.198 veículos e 93.574 passageiros fizeram uso do serviço, entre os terminais São Joaquim e Bom Despacho.
Com 13 lanchas disponíveis, o terminal Náutico da Bahia, no Comércio, também estará em operação especial. Durante todo o feriado, serão feitas travessias de 30 em 30 minutos.
Blitz
Com o objetivo de inibir a atuação dos transportes irregulares, a Agerba realizará operações de fiscalização nas rodovias baianas em parceria com as Policias Rodoviárias Estadual e Federal.
Com equipes em locais estratégicos de Salvador e Região Metropolitana, os agentes pretendem inibir os infratores e proteger a população, uma vez que a utilização deste tipo de transporte coloca em risco a segurança dos passageiros.
Na rodoviária, a Agerba colocará equipes de plantão, em regime de 24 horas, que atuarão na fiscalização dos ônibus e no atendimento aos usuários. As reclamações poderão ser feitas nos terminais rodoviários, onde há postos de atendimento da Agerba, ou através da Ouvidoria pelo telefone 0800-071-0080, que atende das 7 às 19 horas, de segunda a sábado.
Fonte - Tribuna da Bahia  09/10/2015

Jilmar Tatto fala sobre Tarifa Zero e Subsídio ao Transporte Público

Transporte  Público

Segundo Tatto, a tarifa é injusta. “Hoje quem paga pelo transporte público? O usuário pela tarifa, a sociedade por subsídios e as empresas pelo vale-transporte dos funcionários. Mas ainda é uma distribuição injusta. O usuário é extremamente penalizado…O usuário do carro ocupa oito vezes mais que seu próprio espaço. Ele tem de pagar de uma certa maneira proporcionalmente por este uso na via.”, disse o Secretário.

Renato Lobo - VT
ViaTrolebus
Em entrevista a um programa de TV por internet da Fundação Perseu Abramo, o Secretário Municipal dos Transportes, Jilmar Tatto falou sobre passe-livre, empresa pública de transportes e sobre impostos para subsídio dos ônibus.
Segundo Tatto, a tarifa é injusta. “Hoje quem paga pelo transporte público? O usuário pela tarifa, a sociedade por subsídios e as empresas pelo vale-transporte dos funcionários. Mas ainda é uma distribuição injusta. O usuário é extremamente penalizado…O usuário do carro ocupa oito vezes mais que seu próprio espaço. Ele tem de pagar de uma certa maneira proporcionalmente por este uso na via.”, disse o Secretário.
Segundo ele, uma das formas de tornar este custo mais justo seria tornar parte da Cide – Contribuição de Intervenção de Domínio Econômico, o chamado imposto do combustível, direcionada não para obras de mobilidade, mas para custeio das tarifas.

Tarifa Zero
O Secretário disse ainda que no furuto a tarifa-zero pode ser uma realidade, no entanto, a atual gestão não tem planos para isto. Para tornar a medida viavél, na avaliação de Tatto, seria criada uma empresa pública de transportes.
“Temos de tomar cuidado porque empresa pública tem um custo maior, como por exemplo com o salário do funcionário público, que é maior. Logo, a iniciativa privada, ao ver isso, vai querem equiparar o recebimento por este custo maior no sistema como um todo para sua lucratividade” – disse Tatto.

Mídia X Prefeitura
Tatto disse ainda que diariamente ações da prefeitura são alvo de uma mídia, considerada por ele, conservadora.
“O que está acontecendo na cidade de São Paulo é que há grupos econômicos, principalmente de mídia, extremamente conservadores e que tem um ataque especulativo, um ataque diário, cotidiano, contra estas políticas [de mobilidade]. É exatamente isso que acontece. Mesmo fazendo políticas que ajudam a população, há grupos de mídia criticando” – disse o secretário.
Faixas de ônibus, ciclovias e redução da velocidade foram os temas de maior destaque nos debates das emissoras de TVs, rádio e jornal impresso.
No caso das faixas de ônibus e de bicicleta, muitos jornais questionaram o volume em que os veículos ou bicicletas trefagavam pelas estruturas. Já sobre a redução de velocidade, muitos editorias fizeram uma referência nas entrelinhas sobre a “Industria da multa”.
Fonte - ViaTrolebus  09/10/2015

Presidente da Volkswagen nos EUA admite que manipulação era para ocultar emissões

Internacional

Ele respondeu a uma série de críticas no Congresso dos EUA devido ao escândalo de manipulação dos motores. Horn falou durante duas horas a integrantes do Comitê da Câmara dos Representantes para a Energia e o Comércio (EPA).

Da Agência Lusa
Ag.Brasil
O presidente do grupo Volkswagen nos Estados Unidos (EUA), Michael Horn, admitiu hoje (9) que o objetivo do programa de informática ilegal instalado nos sistemas de controle de gestão dos motores diesel entre 2008 e 2015, era ocultar à Agência de Proteção Ambiental do país que os automóveis não cumpriam as normas norte-americanas de emissão de óxido de nitrogênio.
Ele respondeu a uma série de críticas no Congresso dos EUA devido ao escândalo de manipulação dos motores. Horn falou durante duas horas a integrantes do Comitê da Câmara dos Representantes para a Energia e o Comércio (EPA).
Deixando muitas perguntas-chave sem resposta, o presidente da empresa lembrou o seu desconhecimento prévio tanto da manipulação dos motores a diesel quanto dos detalhes do programa que oculta as emissões reais dos veículos.
À pergunta do presidente do comitê, um republicano eleito pelo estado da Pensilvânia, Tim Murphy, se a Volkswagen tinha instalado o programa “com o objetivo expresso” de ocultar as emissões poluentes, Horn respondeu: “sim, foi instalado com esse objetivo”.
O executivo alemão, de 51 anos, acrescentou que não teve conhecimento do fato até 1º de setembro deste ano, dois dias antes de o grupo ter admitido à EPA que os veículos estavam manipulados e 17 dias antes de o escândalo se tornar público.
Até agora, Horn garantiu que só sabia que os veículos não cumpriam as normas de emissão graças a um estudo feito no início de 2014 por investigadores independentes, mas que a empresa na Alemanha tinha informado que o problema podia ser resolvido com a instalação de um novo programa de informática.
Fonte - Agência Brasil  09/10/2015

CCR Metrô Bahia oferece sessões gratuitas de cinema

Arte&Cultura

A sala itinerante será montada no Passeio Público,nos dias 10, 11 e 12 de outubro,na área externa do Palácio da Aclamação, na Avenida Sete de Setembro, s/nº, e conta com estrutura similar à de uma sala convencional. São 225 lugares, cadeiras com almofadas, ar condicionado, tela de 26m2, sistema de som e projeção digital 2D e 3D.

ANPTrilhos
foto - ilustração/Pregopontocom
A CCR Metrô Bahia traz para Salvador, a partir de sábado (10),o projeto “Cine em Cena Brasil”. Nos dias 10, 11 e 12 de outubro, serão realizadas sessões gratuitas de filmes nacionais e internacionais para o público de todas as idades, que poderão desfrutar de uma programação especial com títulos em 3D.
A sala itinerante será montada no Passeio Público, na área externa do Palácio da Aclamação, na Avenida Sete de Setembro, s/nº, e conta com estrutura similar à de uma sala convencional. São 225 lugares, cadeiras com almofadas, ar condicionado, tela de 26m2, sistema de som e projeção digital 2D e 3D.
Entre os filmes em cartaz estão: “SOS Mulheres ao Mar”, de Cris D’Amato, “Se Puder…Dirija!”, de Paulo Fontenelle, e as animações em 3D “Rio 2” e “Os Pinguins de Madagascar”, com classificação livre.
É a primeira vez que o “Cine em Cena Brasil” será realizado em Salvador. A iniciativa tem patrocínio da CCR Metrô Bahia, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura – Lei Rouanet, e apoio do Instituto CCR e Prefeitura Municipal de Salvador.
A dupla de produtores José Carlos da Silva e Edson Souza lidera o “Cine em Cena Brasil”, que renova a proposta de cinema itinerante criada pelos cineastas Laís Bodanzky e Luiz Bolognesi (Bicho de Sete Cabeças, Chega de Saudade, As Melhores Coisas do Mundo e Uma História de Amor e Fúria).
Por meio do projeto Cine Tela Brasil, a trupe percorreu o país de ponta a ponta e levou filmes brasileiros a mais de um milhão de espectadores. Desde 2014, os produtores assumiram a operação do tradicional Cine Tela Brasil, dando nova identidade ao projeto e inovando com a inclusão da tecnologia 3D.
Com informações da ANPTrilhos 08/10/2015

Comissão na Câmara debate expansão do metrô de BH

Transportes sobre trilhos

Realizada em Brasília, a audiência contou com a participação da gerente de Projetos da Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades, Paula Coelho da Nóbrega; do assessor da Presidência da CBTU, Flávio Mota Monteiro; do superintendente da CBTU Belo Horizonte, José Rodrigues Pinheiro Dória, do gerente de Obras Fernando de Pinho Tavares e do consultor técnico da Prefeitura de Belo Horizonte, Márcio Duarte.

CBTU
CBTU
A Comissão de Viação e Transportes da Câmara Federal realizou nesta terça-feira (6/10) audiência pública para discutir os projetos e recursos para expansão do metrô de Belo Horizonte. O requerimento foi proposto pelo deputado federal Laudívio Carvalho (PMDB-MG) para buscar esclarecimentos sobre a condição do sistema, bem como informações oficiais sobre projetos e recursos disponíveis para a expansão da malha em Minas.
Laudívio Carvalho ponderou que o Governo Federal chegou a solicitar ao Governo de Minas Gerais e às prefeituras de Belo Horizonte, Contagem e Betim, projetos que ajudariam a subsidiar a tomada de decisão e a previsão de investimentos no Plano de Aceleração ao Crescimento 2 (PAC-2) relativos ao metrô, mais ainda faltam informações sobre o tema. “O atual Governo do Estado iniciou as discussões com o objetivo de definir um modelo de projeto para o metrô, entretanto, até a presente data não existe nenhuma informação oficial a respeito do projeto, nem quanto a recursos disponíveis para a expansão”.
Realizada em Brasília, a audiência contou com a participação da gerente de Projetos da Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades, Paula Coelho da Nóbrega; do assessor da Presidência da CBTU, Flávio Mota Monteiro; do superintendente da CBTU Belo Horizonte, José Rodrigues Pinheiro Dória, do gerente de Obras Fernando de Pinho Tavares e do consultor técnico da Prefeitura de Belo Horizonte, Márcio Duarte.
Agradecendo o autor do requerimento, o superintendente José Dória elogiou a proposta de diálogo e afirmou que mesmo com todas as dificuldades, as coisas estão acontecendo. “Depois dessa audiência, fica ainda mais claro que precisamos tirar as coisas do papel, fazê-las acontecer. E com este apoio e participação da bancada mineira, tenho certeza que estamos entrando em uma nova era,” ponderou.
No encerramento dos trabalhos, José Dória parabenizou o Sindimetro e os trabalhadores da CBTU Belo Horizonte pelo trabalho realizado e se colocou à disposição dos deputados para quaisquer informações, além de convidá-los a conhecer o atual sistema e os novos trens. “A equipe da STU-BH é sensacional e não fica devendo a ninguém. É pelo esforço desses técnicos que o metrô segue atendendo à população. A dedicação e o empenho deles movimentam o nosso metrô”.
A presidente do Sindimetro-MG, Alda Lúcia Fernandes, representou os trabalhadores mineiros durante a reunião e exibiu um vídeo que detalha o dia a dia do sistema, bem como depoimentos de populares que consideram o metrô um sistema vital para a cidade. “Estamos aqui porque eu sonho com um metrô mais humano, mais participativo que atenda toda a grandeza do povo mineiro”, afirmou Alda Fernandes em sua fala. Cerca de 90 pessoas participaram da comitiva organizada pela instituição. O plenário lotado recebeu ainda os deputados: Carlos Melles, Marcelo Álvaro Antônio, Edinho Bez, Baleia Rossi, Raquel Muniz, Tenente Lúcio e Weliton Prado.
Fonte - CBTU  08/10/2015

MetrôRio: mais dois trens da Linha 4 entram em operação

Transportes sobre trilhos

As composições possuem seis carros, capacidade para 1.800 pessoas, ar-condicionado, passagem interna entre carros, painéis de LED com sistema informatizado de comunicação e câmeras de monitoramento interno. Cinco novas composições ainda seguem em fase de testes e deverão circular até o fim do ano

ANPTrilhos
foto - ilustração
Neste final de semana, sábado (10/10) e domingo (11/10), entram em operação o nono e o décimo dos 15 trens da Linha 4. Montados na China, as composições possuem seis carros, capacidade para 1.800 pessoas, ar-condicionado, passagem interna entre carros, painéis de LED com sistema informatizado de comunicação e câmeras de monitoramento interno. Cinco novas composições ainda seguem em fase de testes e deverão circular até o fim do ano. O projeto é o mesmo das 19 composições que operam no MetrôRio desde 2012.
Agora, durante o horário de maior movimento no sistema, quando o MetrôRio opera com a frota completa de trens, os passageiros das Linhas 1 e 2 contam com os trens mais modernos, montados na China, na grade operacional.
Em paralelo, o MetrôRio segue com o projeto de revitalização dos primeiros trens do metrô. Três composições, que já passaram por revisão nos sistemas elétrico, de ar-condicionado, de portas e de propulsões, além de manutenções preventivas e corretivas e processos de pintura, já estão operando no sistema. A quarta composição revitalizada entrará em operação também este final de semana. O projeto, orçado em R$ 6 milhões, tem o objetivo de melhorar a performance dos trens antigos e aumentar o conforto dos passageiros.
Com informações da ANPTrilhos  08/10/2015

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Técnicos da Sedur apresentam projetos de mobilidade a lideranças comunitárias

Mobilidade

É um momento para explicar, detalhadamente, as especificidades de cada projeto, esclarecer eventuais dúvidas e se aproximar, ainda mais, das lideranças de cada bairro, para ouvir e entender as suas demandas”, afirmou a assessora da Superintendência de Mobilidade, Caroline Barbosa. Os encontros são realizados semanalmente e ratificam a visão da secretaria, que encara mobilidade como um dos alicerces da inclusão social.

Da Redação
foto - ilustração
Em continuidade às ações que visam aproximar a sociedade do poder público, técnicos da Superintendência de Mobilidade da Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedur) se reuniram com líderes comunitários para apresentar os principais projetos do Plano de Mobilidade para Salvador e região metropolitana. O encontro com lideranças do bairro Mata Escura aconteceu na manhã desta quinta-feira (8), na sede da secretaria.
“É um momento para explicar, detalhadamente, as especificidades de cada projeto, esclarecer eventuais dúvidas e se aproximar, ainda mais, das lideranças de cada bairro, para ouvir e entender as suas demandas”, afirmou a assessora da Superintendência de Mobilidade, Caroline Barbosa. Os encontros são realizados semanalmente e ratificam a visão da secretaria, que encara mobilidade como um dos alicerces da inclusão social.
Na reunião, foram apresentadas a conclusão da Linha 1 do metrô, prevista para o próximo mês, e as obras da Linha 2, já em estágio avançado no canteiro central da Avenida Paralela. O projeto ainda prevê tratamento paisagístico ao longo da via e a construção de equipamentos de lazer, academias ao ar livre, parques e praças, além de ciclovias.
As Linhas Azul e Vermelha, que fazem a ligação da orla atlântica com o Subúrbio Ferroviário, totalizando mais de 32 quilômetros e com investimento de mais de R$ 1,2 bilhão, também serão circundadas por ciclovias em toda sua extensão. As obras integram o Programa Cidade Bicicleta, que prevê a construção de 217 quilômetros de ciclovia na capital.
Os técnicos apresentaram ainda o projeto completo do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), que terá 18,5 quilômetros, da Calçada a Paripe. “Essas obras vão facilitar demais nosso deslocamento na cidade e vamos ter uma qualidade de vida melhor”, comemorou a representante da Associação de Moradores do Condomínio Recanto Verde, Angela Bacelar.
Com informações da Secom Ba.  08/10/2015

Fernando de Noronha terá primeiro carro elétrico movido a energia solar

Sustentabilidade 

A iniciativa integra o projeto piloto em Redes Elétricas Inteligentes (REI), idealizado pela Companhia Energética de Pernambuco (Celpe), empresa do Grupo Neoenergia, para avaliar o desempenho operacional do automóvel em uma área de preservação ambiental e reduzir a utilização de combustíveis fósseis.

Diário de Pernambuco
foto -  Celpe/Divulgação 
O arquipélago de Fernando de Noronha terá o primeiro carro elétrico movido, exclusivamente, por energia solar fotovoltaica. A iniciativa integra o projeto piloto em Redes Elétricas Inteligentes (REI), idealizado pela Companhia Energética de Pernambuco (Celpe), empresa do Grupo Neoenergia, para avaliar o desempenho operacional do automóvel em uma área de preservação ambiental e reduzir a utilização de combustíveis fósseis.
O veículo, modelo utilitário da Renault (Kangoo Z.E), tem autonomia de 130 quilômetros e será incorporado à frota da empresa e utilizado de forma experimental em serviços de pequeno porte. A escolha do modelo, com dois lugares, considerou as potencialidades do automóvel, o perfil geográfico da região onde irá circular, condições climáticas e as características das atividades que apoiará.
O estudo, que faz parte de um Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico (P&D) da Celpe, regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), contou com o apoio e suporte técnico do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD). Para abastecê-lo de forma sustentável, a Celpe também vai instalar um eletroposto solar na área interna da Usina Tubarão, totalmente isolado do sistema de distribuição de energia elétrica.
A estrutura será erguida como um estacionamento. Ela será constituída por painéis fotovoltaicos que formarão um telhado. Um banco de baterias armazenará toda a energia gerada, possibilitando recarregar o veículo elétrico em qualquer horário, mesmo na ausência da radiação solar como o período da noite ou em dias de chuva. Os painéis fotovoltaicos terão potência instalada de 4,5 kWp e capacidade para gerar 20,1 kWh/dia, o suficiente para permitir que o veículo circule durante todo o dia, atendendo aos clientes da Celpe, na ilha.
O investimento está orçado em R$ 800 mil, correspondente à aquisição do veículo e a instalação do posto de abastecimento solar. Para avaliar os benefícios da ação e identificar melhorias, serão analisadas, periodicamente, todas as informações coletadas pelos condutores do veículo, como quilometragem rodada, quantidade e tempo de recarga, consumo, entre outras. Com os dados, a Celpe poderá avaliar a quantidade de gás que deixou de ser lançado na atmosfera e planejar novos projetos voltados para a preservação do paraíso ecológico.
Fonte - Diário de Pernambuco  08/10/2015

Indígenas denunciam na Câmara violências que sofrem em Mato Grosso do Sul

Direitos Humanos

A denúncia e o apelo foram feitos por Valdelice Veron, liderança indígena Guarani Kaiowá, hoje (7), na Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, na audiência pública que discutiu os conflitos entre indígenas e proprietários de terras em Mato Grosso do Sul.Os indígenas dizem ser vítimas de constantes ataques por parte de fazendeiros, da polícia e de políticos locais. 

Marieta Cazarré
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
“Nossas terras não são as reservas indígenas. Nós fomos expulsos da nossa terra. Estas reservas foram criadas pelo extinto Serviço de Proteção ao Índio, que não era serviço de proteção ao índio. Para nós, estas são áreas de confinamento mesmo, onde somos subjugados, onde não temos autonomia. Hoje convivemos com violência, intimidações, perseguições, assassinatos, comandados pelos latifundiários de Mato Grosso do Sul. Venho trazer esse choro, esse grito de socorro, nós não aguentamos mais”.
A denúncia e o apelo foram feitos por Valdelice Veron, liderança indígena Guarani Kaiowá, hoje (7), na Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, na audiência pública que discutiu os conflitos entre indígenas e proprietários de terras em Mato Grosso do Sul.
Os indígenas dizem ser vítimas de constantes ataques por parte de fazendeiros, da polícia e de políticos locais. Eles afirmam que os agressores utilizam armas de fogo, balas de borracha e promovem espancamentos. A demarcação de terras é uma das principais questões que levam ao conflito no campo.
Para João Pedro Gonçalves da Costa, presidente da Funai (Fundação Nacional do Índio), é preciso que haja entendimento entre as partes para resolver o conflito. João afirmou que decidiu reativar seis grupos de trabalho que estavam parados para dar continuidade aos estudos e levantamentos pendentes em Mato Grosso do Sul.
Deborah Duprat, coordenadora da 6ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal, ressaltou que, apesar de terem sido convidados ao debate, representantes do setor produtivo e do governo de Mato Grosso do Sul não compareceram. “Essa recusa ao debate é uma recusa à disputa democrática e ao valor que foi reconhecido a esses segmentos importantes da sociedade brasileira”, afirmou Deborah.
“O Ministério Público Federal assinou um termo de ajustamento de conduta mediante o qual se estabelecia um prazo para a conclusão das demarcações no estado de Mato Grosso do Sul. Nós já passamos por três presidentes (da Funai) sem que isso chegasse a se concretizar. É fundamental mostrarmos que não há uma inércia, por parte do estado brasileiro, no reconhecimento desses direitos. A falta de ação do governo, ainda que tendente a evitar o conflito, só fez acirrá-lo”, disse Deborah.
Natanael Vilharva Cáceres, liderança indígena Guarani Kaiowá, também participou do debate. “Não estamos morrendo apenas por balas, assassinados. As crianças, todos os dias, estão sendo mortas psicologicamente quando são pressionadas, atacadas, impedidos de usufruir os direitos que tanto a gente preza, que é o direito de viver em paz. Hoje, somos vítimas de pessoas ligadas ao agronegócio. Quantos mais vão morrer para que demarquem as nossas terras?”, perguntou.
O deputado Eduardo Bolsonaro (PSC / SP) questionou a ausência de representantes dos fazendeiros e disse que “o Brasil, para crescer e seguir adiante, precisa ser enaltecido pelo trabalho e não dividido e querendo pegar a riqueza que é dos outros”. O presidente da sessão, deputado Paulo Pimenta (PT/RS) esclareceu que representantes dos dois lados do conflito foram convidados a participar do debate. Poucos minutos depois, durante a fala do presidente da Funai, Eduardo Bolsonaro deixou a sessão dizendo em voz alta “vocês não vão me intimidar”.
Gilberto Vieira dos Santos, representante do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), afirmou que nos últimos 12 anos, mais de 390 lideranças foram assassinadas em Mato Grosso do Sul. “São mais de 700 suicídios entre os indígenas de Mato Grosso do Sul. A mortalidade infantil naquele estado entre os povos indígenas é mais de cem vezes acima da média nacional. Não é só o direito territorial que está sendo negado. É o direito a vida”, disse Vieira dos Santos, segundo o qual é necessário que se investigue as milícias agrárias no estado: “A solução passa, efetivamente, pela investigação profunda por parte de órgãos externos.”
Fonte - Agência Brasil  08/10/2015

Escritórios de advocacia no DF e no RJ são alvo de nova fase da Operação Zelotes

Zelotes

A Polícia Federal cumpre cinco mandados em escritórios de advocacia no Distrito Federal e dois no Rio de Janeiro.A nova fase da operação, de acordo com a PF, foi desencadeada após a análise do material apreendido na primeira fase da Zelotes, em 26 de março.

Ivan Richard 
Repórter da Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil
A Polícia Federal cumpre desde o início da manhã de hoje (8) sete mandados de busca e apreensão como parte da terceira fase da Operação Zelotes, que desarticulou, em março, um esquema compra de sentenças no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). Cinco mandados estão sendo cumpridos em escritórios de advocacia no Distrito Federal e dois no Rio de Janeiro.
A nova fase da operação, de acordo com a PF, foi desencadeada após a análise do material apreendido na primeira fase da Zelotes, em 26 de março. “Nos documentos apreendidos à época foram identificados novos indícios que apontam para a participação de outro conselheiro, além de escritórios de advocacia ligados a ele”, informa a nota da Polícia Federal.
Os envolvidos no esquema responderão pelos crimes de advocacia administrativa fazendária, tráfico de influência, corrupção passiva, corrupção ativa, associação criminosa, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Carf
O Carf, órgão ligado ao Ministério da Fazenda, é a última instância administrativa de recursos relativos a processos abertos pela Receita Federal.
Desde março, a Polícia Federal, por meio da Operação Zelotes, apura esquema criminoso em que conselheiros e ex-conselheiros do Carf passavam informações privilegiadas para escritórios de consultoria. Esses escritórios, muitos dos quais tinham os próprios conselheiros como acionistas, procuravam empresas multadas pela Receita Federal e, mediante pagamento de propina, prometiam manipular o andamento de processos para anular ou reduzir as multas aplicadas. A investigação já comprovou prejuízos de R$ 6 bilhões aos cofres públicos, mas a suspeita é de que a fraude possa ultrapassar R$ 19 bilhões.
Fonte - Agência Brasil  08/10/2015

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Outubro nos trilhos: metrô avança e Linha 1 será concluída ainda este mês

Transportes sobre trilhos

Nesta quarta-feira (07), o secretário de Desenvolvimento Urbano, Carlos Martins, e o presidente da Companhia de Transportes da Bahia (CTB), Eduardo Copello, fizeram uma vista de inspeção nas obras, ao lado de Luis Valença, presidente do grupo CCR, e de outros diretores da empresa responsável pela obra. A vistoria começou pela estação Bonocô, em fase final de obras 

Da redação
Sedur
Até o fim de outubro, a Linha do 1 do metrô de Salvador estará concluída. São 12 km e oito estações, ligando a Lapa a Pirajá. A estação Bonocô será a próxima a ser inaugurada. Já Pirajá está quase finalizada e será concluída até o dia 30, mas só estreia oficialmente nos trilhos em novembro, quando será inaugurada em cerimônia com a presença da presidenta Dilma Rousseff.
Nesta quarta-feira (07), o secretário de Desenvolvimento Urbano, Carlos Martins, e o presidente da Companhia de Transportes da Bahia (CTB), Eduardo Copello, fizeram uma vista de inspeção nas obras, ao lado de Luis Valença, presidente do grupo CCR, e de outros diretores da empresa responsável pela obra. A vistoria começou pela estação Bonocô, em fase final de obras, e que vai beneficiar moradores de diversos bairros do entorno, como Brotas, Cosme de Farias e Campinas de Brotas. Em seguida, a comitiva seguiu para a estação Acesso Norte, onde conheceram o terminal de integração, que também está praticamente finalizado e terá importante papel na conexão de modais.
Por fim, o grupo chegou à estação Pirajá, que marca a conclusão do projeto inicial da Linha 1. No terminal de ônibus e no complexo de manutenção e administração, também sediados no local, já é possível ver que a obra está em reta final e recebe os últimos ajustes para ser entregue à população.
O secretário Carlos Martins destacou o avanço das intervenções e ressaltou o cumprimento dos prazos. “Mais uma vez, constatamos que as obras civis e de sistemas estão praticamente concluídas, o que faz com que as estações Pirajá e Bonocô estejam prontas para uso, restando apenas alguns ajustes. A estação de integração de Acesso Norte também está concluída, o que quer dizer que as obras estão dentro do cronograma e, em breve, estaremos entregando esses equipamentos à população”.

Melhorias no dia a dia
“O metro é, reconhecidamente, o meio de transporte urbano mais seguro e que traz previsibilidade aos usuários, porque flui independentemente de trânsito e outras interferências que acontecem no dia a dia, nas vias”, destacou o presidente da CTB, Eduardo Copello. “O intervalo entre os trens também é pré-definido. Então, o usuário sabe, exatamente, em quanto tempo virá o próximo, assim como em quantos minutos o trem se desloca da estação de entrada para a estação de saída”, completou.
O trânsito é um dos principais e mais graves problemas dos grandes centros urbanos. E a capital baiana não foge à regra: Salvador é a terceira cidade do país onde os moradores perdem mais tempo se deslocando entre sua casa e o trabalho. À frente apenas de Rio de Janeiro e São Paulo, no dia-a-dia soteropolitano, 18,7% das pessoas perdem mais de uma hora no trânsito para chegar ao trabalho.
Com o metrô, isso vai mudar. Por enquanto, mais direcionado à população do entorno por onde a Linha 1 traça sua rota e, a partir da integração com os ônibus urbanos e metropolitanos, já no próximo mês, abarcando uma parcela ainda mais significativa da população.
“Com certeza, o metrô vai ajudar muito na mobilidade. Hoje, eu levo em torno de 1h, 1h20 pra chegar até o centro. Com o metrô, acho que dá pra diminuir isso aí em 40 minutos, porque o trajeto vai ser todo em linha reta; não vai mais precisar dar essa volta pra chegar na Lapa”, destacou Fábio Ferreira, morador de Pirajá.

10 milhões de usuários
Sob a ingerência da Prefeitura, o metrô de Salvador passou 13 anos sem sair do papel. O Governo do Estado assumiu a empreitada em 2013 e, em um ano, colocou o modal nos trilhos. Com pouco mais de 1 ano e 4 meses de funcionamento, o sistema já alcançou a marca de 10 milhões de usuários. “O metrô já está sendo incorporado na rotina dos soteropolitanos. A cada dia, mais gente tem aderido ao transporte”, pontuou Eduardo Copello. “É que, quando a população percebe que o equipamento público está sendo bem gerido, ela própria começa a cuidar como seu e desenvolve um senso de pertencimento”.
O modal vem mudando a logística dos deslocamentos e também a cara da cidade. As obras da Linha 2 seguem avançando, do Detran à Paralela. E as intervenções na Av. Luis Viana Filho incluem a construção de dez novas passarelas, além da reforma e adequação das existentes, e também a preservação das lagoas localizadas ao longo da via.
“É a obra de metrô construída no ritmo mais rápido de que se tem conhecimento. E, se considerarmos também as obras Linha 2, vamos ultrapassar todo e qualquer parâmetro de velocidade. Já passamos a fase mais crítica, de Acesso Norte a Dentran e, quem passa, vê o ritmo intenso da obra, que certamente é algo que vai dar orgulho para os baianos”, destacou o presidente do grupo CCR, Luis Valença.
“Aos poucos, as pessoas vão se acostumando com o visual do metrô na cidade. O projeto busca se inserir dentro do urbanismo da capital e ser mais um equipamento público que traga benefícios para população”, ratificou o presidente da CTB.
Com informações da Sedur Ba.  07/10/2015

III Seminário Internacional de Mobilidade ocorrerá de 13 a 16 de outubro, em Brasília (DF)

Mobilidade

O evento terá como tema central “visão integrada de mobilidade, uso e ocupação do solo”. As palestras e debates ocorrerão no Auditório Nereu Ramos, da Câmara dos Deputados, e as inscrições são gratuitas.

Ag.CNT
foto - Arquivo CNT
Será realizado, entre os dias 13 e 16 de outubro, o III Seminário Internacional de Mobilidade. O evento terá como tema central “visão integrada de mobilidade, uso e ocupação do solo”. As palestras e debates ocorrerão no Auditório Nereu Ramos, da Câmara dos Deputados, e as inscrições são gratuitas.
O evento irá debater os desafios da mobilidade urbana e tem por objetivo incentivar - junto aos gestores municipais e à sociedade civil - a reflexão e a disseminação das teorias e práticas de políticas nacionais e internacionais para mobilidade, além de modelos para uso e ocupação do solo nas cidades.
Nas mesas de debate estarão pesquisadores do Brasil, Venezuela, Chile, França, Espanha, Holanda, Estados Unidos e Portugal; gestores públicos das três esferas do governo brasileiro e de governos outros países; empresários; industriais; representantes da comunidade técnica e científica e da sociedade civil organizada.
Serão tratados temas como: políticas para a mobilidade; uso e ocupação do solo; urbanização e mobilidade segura; mobilidade na perspectiva do comportamento humano; dimensão político institucional: organização e operacionalização da mobilidade urbana; desafios da mobilidade nas metrópoles e infraestrutura de mobilidade: financiamento e ações.
O Seminário é promovido pela UnB (Universidade de Brasília) em parceria com a Câmara.
Para saber mais sobre a programação e se inscrever -  http://www.seminarioppgt.com.br/
Fonte - Agência CNT de Notícias  07/10/2015

Transporte coletivo interestadual deverá ter passagens gratuitas a jovens de baixa renda

Transportes

A medida está prevista no "Decreto 8.537/2015", publicado pela Presidência da República no dia 1º de outubro.As regras preveem que, para fazer uso do benefício, o jovem deverá solicitar um único bilhete de viagem, nos pontos de venda da transportadora, no mínimo três horas antes do horário da partida. 

Natália Pianegonda
Agência CNT de Notícias
foto - Fernando Frazão/ABr
A partir do dia 1º de dezembro, empresas que realizam o transporte coletivo interestadual de passageiros nos modais rodoviário, ferroviário e aquaviário (inclusive travessias) deverão garantir, ao menos, duas passagens gratuitas e mais duas com 50% de desconto para jovens de baixa renda. A medida está prevista no "Decreto 8.537/2015", publicado pela Presidência da República no dia 1º de outubro.
As regras preveem que, para fazer uso do benefício, o jovem deverá solicitar um único bilhete de viagem, nos pontos de venda da transportadora, no mínimo três horas antes do horário da partida. Ele também poderá pedir a emissão do bilhete de retorno. No momento da solicitação, o interessado deverá apresentar a Identidade Jovem (documento que comprova a condição de baixa renda), acompanhada de documento de identificação com foto.
Após esse prazo, caso os assentos reservados não tenham sido ocupados, as empresas poderão colocar os bilhetes à venda.
Para embarcar, o jovem deverá comparecer ao terminal até 30 minutos antes da hora marcada para o início da viagem, ou poderá perder o benefício. O bilhete de viagem será nominal e intransferível. Nele, estará expressa a concessão da gratuidade ou do desconto. No benefício não estarão incluídas tarifas de utilização dos terminais, de pedágio e despesas com alimentação.
Quando o benefício for negado, as empresas de transporte deverão emitir, ao jovem, documento que indica data, hora, local e motivo da recusa.
As empresas também deverão informar, periodicamente, a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e a Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) sobre a movimentação de passageiros com acesso a essa gratuidade.
Fonte - Agência CNT de Notícias   07/10/2015

Publicada lei que eleva para 20% Contribuição sobre o Lucro Líquido de bancos

Economia

A alíquota de 20% é retroativa a 1º de setembro e deve ser cobrada até 31 de dezembro de 2018. A partir de 1º de janeiro de 2019, a alíquota volta a 15%, no caso dos bancos, das empresas de seguros privados e de capitalização, distribuidoras de valores mobiliários, corretoras de câmbio, sociedades de crédito, de financiamento e investimentos, administradoras de arrendamento mercantil e de cartão de crédito e associações de poupança e empréstimos.

Kelly Oliveira 
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
A presidenta Dilma Rousseff sancionou com vetos a lei que eleva, de 15% para 20%, a alíquota da Contribuição sobre o Lucro Líquido (CSLL) de instituições financeiras. A Lei nº 13.169 está publicada hoje (7) no Diário Oficial da União.
A alíquota de 20% é retroativa a 1º de setembro e deve ser cobrada até 31 de dezembro de 2018. A partir de 1º de janeiro de 2019, a alíquota volta a 15%, no caso dos bancos, das empresas de seguros privados e de capitalização, distribuidoras de valores mobiliários, corretoras de câmbio, sociedades de crédito, de financiamento e investimentos, administradoras de arrendamento mercantil e de cartão de crédito e associações de poupança e empréstimos.
Para as cooperativas de crédito, a alíquota é 17%, válida para o período compreendido entre 1º de outubro de 2015 e 31 de dezembro de 2018. A partir de 2019, essa alíquota também cai para 15%.
O projeto, enviado como medida provisória (MP 675/15) pelo Executivo, é parte do pacote de ajuste fiscal defendido pelo governo. Pelas contas do Planalto, o aumento vai gerar cerca de R$ 750 milhões em arrecadação este ano. Em 2016, o volume deve chegar a R$ 3,8 bilhões e, em 2017, a R$ 4 bilhões.
A presidenta vetou artigos incluídos durante a tramitação no Congresso Nacional, que concedia isenção de tributos. Segundo as explicações para os vetos, os dispositivos resultariam em renúncia de receita para o governo, “não condizente com o contexto econômico atual”.
Fonte - Agência Brasil  07/10/2015

A luta pela democratização do espaço público e da Mobilidade Urbana em uma megalópole brasileira

Mobilidade

Lutando contra a resistência ao uso excessivo do automóvel,um prefeito se esforça para melhorar a mobilidade em uma megalópole brasileira.O prefeito de São Paulo construiu ciclovias e corredores para ônibus,alargou calçadas,implantou a redução de limites de velocidade,e os carros são barrados ocasionalmente em algumas avenidas. 

Da Redação
Credit - Lalo de Almeida para o New York Times
Em matéria publicada no dia 04/10/2015 o jornal The New York Times destaca o esforço empreendido pelo prefeito de São Paulo Fernando Haddad na luta pela democratização dos espaços públicos,da Mobilidade Urbana e contra a supremacia dos automóveis.
O Jornal abre a matéria falando sobre o que aconteceu durante décadas na cidade paulistana,de como as autoridades transformaram a megacidade de São Paulo em um  caso de expansão distópica, arrasando praças arborizadas,demolindo jóias arquitetônicas,com poucos investimentos em transporte público,construindo Avs.largas com várias faixas para veículos,e uma extensa via elevada por entre prédios na cidade.
A classe média em grande parte se enclausurou atrás dos muros de condomínios fechados,e uma parte da elite paulistana optou pelo uso do helicóptero em vez de pôr o pé nas ruas de São Paulo.
Mas agora um movimento de transformação liderado pelo prefeito de esquerda da cidade está prestes a alcançar algo que se pensava impossível de se conseguir,desafiando a supremacia do automóvel.
O prefeito,Fernando Haddad,um estudioso de 52 anos de idade,com doutorado em filosofia, realizou o equivalente a um tratamento de choque urbano, em um esforço para aliviar o o caos no trânsito de São Paulo.Seus esforços desencadearam um debate feroz sobre a mobilidade, o uso dos espaços públicos e os limites do poder político em uma área metropolitana com 20 milhões de pessoas.
Inspirando-se de políticas de Nova York,Paris e outras cidades,o Prefeito Haddad iniciou a construção de centenas de km de ciclovias e corredores para ônibus,com a expansão das calçadas,reduzindo os limites de velocidade,limitando estacionamentos público e,ocasionalmente, interditando inteiramente grandes avenidas para carros.
Com informações do The New York Times  07/10/2015

Médicos sem Fronteiras pedem inquérito internacional sobre ataque no Afeganistão

Internacional

“Esse não foi somente um ataque ao nosso hospital, foi um ataque à Convenção de Genebra. Isso não pode ser tolerado”, disse Joanne Liu em entrevista.Ela afirmou que não confia em um "inquérito militar interno” e exigiu a criação de uma comissão internacional humanitária para investigar o caso, um dispositivo previsto pela Convenção de Genebra que estabelece as regras do direito humanitário nas guerras.

Da Agência Lusa
foto - ilustração
A presidenta da organização Médicos sem Fronteiras (MSF), Joanne Liu, exigiu hoje (7) a criação de uma comissão de inquérito internacional para investigar o bombardeio norte-americano ao hospital de Kunduz, no Norte do Afeganistão, afirmando que o ataque foi contra a Convenção de Genebra.
“Esse não foi somente um ataque ao nosso hospital, foi um ataque à Convenção de Genebra. Isso não pode ser tolerado”, disse Joanne Liu em entrevista.
Ela afirmou que não confia em um "inquérito militar interno” e exigiu a criação de uma comissão internacional humanitária para investigar o caso, um dispositivo previsto pela Convenção de Genebra que estabelece as regras do direito humanitário nas guerras.
O bombardeio do hospital de Kunduz, administrado pelos Médicos sem Fronteiras, na madrugada de sábado (3), deixou 22 mortos, incluindo três crianças.
Nessa terça-feira (6), o general John Campbell, chefe da missão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Afeganistão, afirmou que o hospital foi bombardeado “por erro”, em um ataque decidido pelo comando norte-americano. Ele falou na Comissão das Forças Armadas do Senado dos Estados Unidos. "Nunca atingiríamos deliberadamente instalações médicas”, acrescentou.
Na segunda-feira (4), em entrevista em Washington, John Campbell informou que o bombardeio foi pedido pelas autoridades afegãs, o que foi criticado pela organização médica, que acusou os Estados Unidos “de tentar passar a responsabilidade para o governo afegão”. O general explicou que as forças norte-americanas apoiavam as tropas afegãs envolvidas em confrontos com os talibãs em Kunduz.
O incidente com o hospital de Kunduz ocorreu dias depois de a cidade ter sido tomada pelos talibãs, considerada a mais importante vitória dos insurgentes desde que foram afastados do poder em 2001.
O Exército afegão recuperou a cidade dias mais tarde, mas os confrontos prosseguiram entre as duas partes, que controlam diferentes bairros.
Fonte - Agência Brasil  07/10/2015

Arquibancada ecológica é novidade do Centro Olímpico de Natação da Bahia

Esportes

A novidade do projeto do Centro Olímpico de Natação da Bahia, localizado na Avenida Bonocô, em Salvador é a arquibancada ecológica, onde as cadeiras serão colocadas sobre um pavimento superior coberto por grama, sem a utilização de concreto.

Secom

Uma arquibancada ecológica, onde as cadeiras são colocadas sobre um pavimento superior coberto por grama, sem a utilização de concreto, é a novidade do projeto do Centro Olímpico de Natação da Bahia, localizado na Avenida Bonocô, em Salvador. Em fase de conclusão, a obra recebeu, nesta terça-feira (6), a sétima visita da comitiva da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre).
“A nossa pretensão é concluir a obra ainda este ano, no mês de dezembro. O Governo do Estado não tem medido esforços para garantir a entrega desse centro olímpico, tão aguardado pelos atletas da natação e a sociedade baiana”, afirma o secretário do Trabalho e Esporte, Álvaro Gomes.
Além do secretário, participaram da visita o coordenador de Esportes da Setre, Dorival Santana, e o diretor de Edificações de Prédios Públicos da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado (Conder), José de Anxieta Moita. Construído com recursos do Governo do Estado, o Centro Olímpico de Natação da Bahia tem um investimento de R$ 13 milhões nas duas etapas iniciais.
A obra está dividida em três etapas. A piscina olímpica tem 50x25m, três metros de profundidade e possui 10 raias, com 2,5m de largura cada, além da piscina de aquecimento. Na terceira e última etapa, serão construídos arquibancada para 800 pessoas, módulo de apoio técnico e módulo de administração.
Fonte - Secom Ba  06/10/2015