sábado, 26 de setembro de 2015

Ibama investigará se houve fraude em controle de poluentes pela Volks no Brasil

Meio ambiente

“Trata-se de um caso gravíssimo”, diz o Ibama, em nota, informando que a Volkswagen deve ser notificada ainda hoje (25). Além da multa, a empresa, caso a fraude seja confirmada, será obrigada a corrigir o problema em todos os veículos que tenham sido submetidos à alteração no software.

Camila MacielRepórter da Agência Brasil*
foto - ilustração
O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) iniciou investigação para verificar se a fraude cometida pela Volkswagen no sistema de controle de poluentes em carros americanos também se aplica aos modelos fabricados no Brasil. A Agência de Proteção do Meio Ambiente (EPA, na sigla em inglês), dos Estados Unidos, acusou a montadora alemã de falsificar o desempenho dos motores em termos de emissões de gases poluentes por meio de um software incorporado no veículo.
A Volkswagen anunciou, na terça-feira (22), que mais de 11 milhões de carros a diesel em todo o mundo foram equipados com o tipo de motor que poderia distorcer os dados de emissões. A fraude foi verificada nos veículos movidos a diesel de quatro cilindros, vendidos no período de 2009 a 2015.
“Trata-se de um caso gravíssimo”, diz o Ibama, em nota, informando que a Volkswagen deve ser notificada ainda hoje (25). Além da multa, a empresa, caso a fraude seja confirmada, será obrigada a corrigir o problema em todos os veículos que tenham sido submetidos à alteração no software.
A nota do Ibama diz, a partir de dados da EPA, que os testes identificaram que os carros, em uso normal, emitem 40 vezes mais poluição do que o máximo permitido pela norma americana. Se a violação no Brasil for confirmada, a montadora poderá ser multada em até R$ 50 milhões.
As investigações da EPA levaram o presidente executivo do grupo, Martin Winterkorn, a pedir demissão no dia 23. "Estou chocado com os acontecimentos dos últimos dias. Acima de tudo, estou chocado que a má conduta em tal escala tenha sido possível no grupo Volkswagen", afirmou, em comunicado.
Procurada pela reportagem, a montadora disse que ainda não foi notificada da decisão do Ibama e que, por enquanto, não irá se pronunciar.
*Com informações da Agência Lusa
Fonte - Agência Brasil  26/09/2015

Tempo gasto no trânsito ultrapassa duas horas para 23% dos paulistanos

Mobilidade

De acordo com a pesquisa de Mobilidade Urbana, da Rede Nossa São Paulo e a Fecomercio-SP,para 23% dos moradores, duas horas é o tempo mínimo gasto no deslocamento principal do dia, para ir ao trabalho ou à escola.A parcela de 35% perde entre uma e duas horas para chegar ao destino. O tempo médio gasto na cidade é de uma hora e 44 minutos, a mesma média do ano passado.

Mariana Czerwonka
Portal do Trânsito*

O tempo perdido no trânsito da cidade de São Paulo continua em níveis elevados, de acordo com a pesquisa de Mobilidade Urbana, da Rede Nossa São Paulo e a Fecomercio-SP. Para 23% dos moradores, duas horas é o tempo mínimo gasto no deslocamento principal do dia, para ir ao trabalho ou à escola. A parcela de 35% perde entre uma e duas horas para chegar ao destino. O tempo médio gasto na cidade é de uma hora e 44 minutos, a mesma média do ano passado.
A pesquisa entrevistou 700 pessoas a partir dos 16 anos, de agosto para setembro do ano passado. O levantamento calculou também o tempo total gasto diariamente pelos paulistanos no trânsito, uma média de duas horas e 38 minutos por dia, um crescimento de oito minutos em relação ao ano passado. Entre as pessoas que usam carro todos os dias, o tempo médio gasto foi de duas horas e 48 minutos e os usuários de ônibus disseram que perdem duas horas e 56 minutos.
Dos entrevistados, 25% usam o transporte público diariamente, 19% frequentemente, 34% de vez em quando, 15% raramente e 6% nunca. O carro é o meio de locomoção de 60% da população e 32% dos donos de carros usam esse meio todos os dias, 36% de vez em quano e 25% raramente.

Alternativas de transporte
O percentual de pessoas que aceitariam deixar de usar o carro caso existisse uma boa alternativa de transporte aumentou de 71%, no ano passado, para 80% este ano. Ao serem questionados sobre o que os faria passar a usar ônibus, metrô ou trem, 36% gostariam de mais linhas para cobrir percursos não atendidos atualmente.
Além disso, 90% dos entrevistados disseram concordar com com a construção de corredores e faixas exclusivos de ônibus. Meios de transporte alternativos como a bicicleta são usadas por 7% da população. Entre os que não usam, 44% disseram que passariam a usar caso houvesse mais segurança, 18% se houvesse mais sinalização nas ruas e 13% se existissem mais ciclovias. A pesquisa aponta também uma mudança de opinião do paulistano, pois 34% disseram que não usariam bicicleta de jeito nenhum em 2007, percentual que caiu para 13% este ano.
*Com informações da Agência Brasil
Fonte - Portal do Trânsito  26/09/2015

Especialista acha que discurso de Dilma na ONU aumentará debate sobre refugiados

Internacional

De acordo com Carolina, doutora em direito internacional e especialista em políticas migratórias, todos os países precisam intervir na questão de forma “positiva”, não somente limitando ou impedindo o trânsito de pessoas pelo mundo. Ela acredita que a comunidade internacional tem a “obrigação” de proteger os migrantes contra os riscos que correm quanto à prática de crimes e violações dos direitos humanos, caso contrário eles continuarão sendo barrados em territórios utilizados como rota em direção ao país de destino.

Paulo Victor Chagas
Repórter da Agência Brasil
Ag.Brasil
Para a professora do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB) Carolina Claro, o fato de o Brasil levantar o tema dos refugiados no discurso que a presidenta Dilma Roussef fará na segunda-feira (28), na abertura da Assembléia-Geral da ONU, em Nova York, poderá fazer com que o problema passe a ser debatido nas discussões dos chefes de Estado. Os países poderão mostrar as políticas que já vêm desenvolvendo internamente e buscar cooperação entre si para resolver a “situação que se tornou uma crise”.
De acordo com Carolina, doutora em direito internacional e especialista em políticas migratórias, todos os países precisam intervir na questão de forma “positiva”, não somente limitando ou impedindo o trânsito de pessoas pelo mundo. Ela acredita que a comunidade internacional tem a “obrigação” de proteger os migrantes contra os riscos que correm quanto à prática de crimes e violações dos direitos humanos, caso contrário eles continuarão sendo barrados em territórios utilizados como rota em direção ao país de destino.
Na opinião de Carolina Claro, a entidade precisa ter uma política mais efetiva na concessão de direitos humanos aos migrantes, já que as políticas atuais “não têm sido suficientes” para atender à demanda da sociedade internacional. Ela afirma que, embora o órgão adote inúmeras resoluções sobre o tema, “a prática ainda não tem sido satisfatória. Essa prática demanda esforços não só da própria ONU, mas dos países que a compõem. Dentro das suas políticas domésticas, eles acabam encontrando empecilhos pra receber imigrantes ou para ter um posicionamento de solidariedade para imigrantes”.
Nesta semana, o Comitê Nacional para os Refugiados prorrogou por mais dois anos a concessão de visto especial a imigrantes sírios e pessoas afetadas pelo conflito na região, fazendo com que a exigência de documentos e requisitos seja menor. Desde 2012, o Brasil também permite a concessão de visto humanitário a imigrantes haitianos.
De acordo com a professora, porém, as políticas do país ainda precisam melhorar. “O Brasil ainda está caminhando para um acolhimento mais satisfatório, principalmente ao imigrante mais vulnerável que chega às fronteiras na região amazônica. Mas precisa de uma coordenação maior, tanto que hoje as entidades que mais atuam na prática de acolhimento são as pastorais e organizações não governamentais que trabalham com imigrantes”, declara.
Fonte - Agência Brasil  26/09/2015

Túnel da Linha 4 do metrô do Rio se encontra entre Barra e Leblon

Transportes sobre trilhos

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão esteve presente no encontro dos túneis e se mostra otimista com relação a entrega da obra. “Está tudo dentro do cronograma. O tatuzão está andando muito bem.

Autor - Caio Lobo - VT
ViaTrolebus
Nesta quarta, 23, o túnel que liga a Barra ao Leblon, da linha 4, foi concluído, com o encontro dos 2 lados. Agora só falta 1,2 km para que todo o traçado esteja concluído. Esta parte faltante está sendo escavado pelo tatuzão. A previsão é que a ligação entre as duas frentes (partindo da Barra e de Ipanema) seja concluída na segunda quinzena de dezembro. No momento, o tatuzão está entre as estações Jardim de Alah e Antero de Quental.
O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão esteve presente no encontro dos túneis e se mostra otimista com relação a entrega da obra. “Está tudo dentro do cronograma. O tatuzão está andando muito bem. A gente espera cumprir com antecedência o que nós tínhamos nos comprometido. Tenho certeza de que vamos entregar essas obras dentro do prazo”.
Pelo cronograma, a linha 4 deve ter sua operação inciada em junho de 2016 para o público, fora do horário de pico. Já em julho, deve começar funcionar em horário integral, 1 mês antes das Olimpíadas.
Fonte - ViaTrolebus  25/09/2015

Obras das Linhas 1 e 2 do Metrô avançam em Salvador

Transportes sobre trilhos

Na tarde de quinta-feira (24), o diretor presidente da CCR Metrô Bahia, Luis Valença, visitou o canteiro de obras da Estação Detran e informou sobre o andamento das intervenções e os prazos previstos para conclusão dos trechos. A obra da Estação Bonocô, por exemplo, está sendo executada sem interferir no funcionamento do metrô, que continua com operação assistida da Lapa ao Bom Juá.

Secom
Foto: Pedro Moraes /GOVBA
Aproximadamente seis mil trabalhadores, entre diretos, indiretos e terceirizados, estão dando continuidade às obras da Linha 1 e a construção da Linha 2 do Metrô de Salvador. Atualmente, parte dos operários ergue os pilares e travessas que vão formar a mesoestrutura da Estação Detran, uma das 13 estações da Linha 2, que fazem parte do Sistema Metroviário Salvador-Lauro de Freitas, que, no total, terá 41 quilômetros de extensão.
Na tarde de quinta-feira (24), o diretor presidente da CCR Metrô Bahia, Luis Valença, visitou o canteiro de obras da Estação Detran e informou sobre o andamento das intervenções e os prazos previstos para conclusão dos trechos. A obra da Estação Bonocô, por exemplo, está sendo executada sem interferir no funcionamento do metrô, que continua com operação assistida da Lapa ao Bom Juá. Uma grade de proteção foi instalada para proporcionar segurança aos operários.
Foto: Pedro Moraes /GOVBA
Há seis meses desempenhando a função de soldador, Júlio Cézar Santos Santana, morador do bairro Engenho Velho de Brotas, se sente duplamente realizado. Primeiro, por não estar mais desempregado. Segundo, por ajudar a realizar um sonho antigo da população - ver o metrô funcionando.
“Eu estava desempregado. [Há] um certo tempo parado. Aí, surgiu essa oportunidade. Graças a Deus, estou trabalhando aqui, levando sustento para minha família. Esta obra está sendo muito importante. A pessoa vai chegar no aeroporto. De lá, rápido, já está na Rótula [do Abacaxi], Lapa, vai ser um tapa, né? Eu vou usufruir do metrô. Meus filhos, minha família também. Eu sei que vai ser uma realidade”, afirma Santana. Para o servente Fabrício Marques, morador do bairro da Ribeira, trabalhar na obra do Sistema Metroviário Salvador-Lauro de Freitas “é uma honra, um mérito, participar junto com todos dessa grande obra que trará uma grande mobilidade para nossa cidade”.

Valorização imobiliária
Foto: Pedro Moraes /GOVBA
Quando estiverem prontas, as estações, a exemplo das que já estão funcionamento, devem valorizar os empreendimentos localizados no entorno. Esta é a expectativa dos comerciantes locais, como Valter Abaide, gerente de uma loja de veículos localizada a poucos metros da Estação Bonocô.
“Sem dúvida, a estação do metrô vai trazer engrandecimento, principalmente, para a população que precisa se deslocar. A tendência é valorizar, tanto bens materiais, comerciais, como o bem humano. A pessoa vai se sentir valorizada com este empreendimento que está sendo desenvolvido. A Bahia está de parabéns neste avanço na mobilidade urbana”, diz Abaide.

Fase de testes
Sedur

Valença acredita que as estações Bonocô e Pirajá, ambas na Linha 1, serão entregues ainda este ano. “A Linha 1 está praticamente concluída. Estamos nos testes finais das estações Bonocô e Pirajá e também do Terminal de Integração de Ônibus na Estação Acesso Norte, onde iniciamos a Linha 2, que tiveram as obras começadas em fevereiro. Uma obra que anda em ritmo muito acelerado”. Para o primeiro semestre de 2016, ele prevê que os soteropolitanos ou quem estiver de visita na capital baiana poderão sair do centro de Salvador rumo à região do Iguatemi, uma das mais movimentadas da capital, utilizando o metrô.
O diretor explicou ainda que a localização das estações seguiu critérios baseados na pesquisa origem-destino dos passageiros e a integração com outros modais. Ele afirmou também que o tempo de viagem de metrô, partindo do centro ao aeroporto ou vice-versa, vai durar aproximadamente meia hora. “Será uma linha muito rápida e com alta regularidade. Teremos um trem com intervalos pré-definidos, no horário de pico, de quatro minutos”.
Fonte - Secom Ba.  25/09/2015

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

País tem mais de 20 projetos metroferroviários para minimizar problema de mobilidade urbana

Transportes sobre trilhos

Em nove das maiores regiões metropolitanas do Brasil, o tempo médio gasto no trânsito é de 82 minutos, segundo estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O crescimento desordenado das cidades e o excesso de veículos têm sido os principais entraves para o desenvolvimento socioeconômico. 

Conteúdo Empresarial - RF
foto - ilustração/Sedur Ba.
Ampliação e modernização de frotas e linhas existentes são algumas das soluções que estão sendo colocadas em prática para sanar os gargalos de infraestrutura, segundo ANPTrilhos. Alstom investe em soluções de olho no potencial latino-americano.
Em nove das maiores regiões metropolitanas do Brasil, o tempo médio gasto no trânsito é de 82 minutos, segundo estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O crescimento desordenado das cidades e o excesso de veículos têm sido os principais entraves para o desenvolvimento socioeconômico. A chave para solucionar os problemas de infraestrutura do País está na mão da mobilidade urbana, conceito que o Governo Federal, em parceria com instituições e empresários, vem tentando colocar em prática para superar os gargalos logísticos.
Considerada uma das protagonistas dos meios de transportes por ser uma alternativa eficiente em termos de locomoção, as ferrovias têm recebido diversos investimentos. Segundo a Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos), entidade apoiadora da NT Expo - 18ª Negócios nos Trilhos, principal evento do setor metroferroviário da América do Sul, existem mais de 20 projetos voltados ao setor, que estão divididos entre implantação de novos sistemas, ampliação e modernização das linhas existentes e ampliação da frota.
No Rio de Janeiro, por exemplo, o Governo do Estado empenhou esforços para renovar quatro linhas do sistema de trens urbanos; ampliar e modernizar as linhas de metrô e construir as linhas 3 e 4 de metrô para atender à demanda das Olimpíadas de 2016. Além disso, serão integradas seis linhas de VLT ao projeto do Porto Maravilha, que além de contribuir para a melhoria da infraestrutura de transporte, irá ajudar na revitalização de toda a área central da cidade.
Já em São Paulo serão entregues duas novas estações da Linha 4-Amarela e as obras de modernização das linhas da CPTM devem ser concluídas. Na Baixada Santista, o VLT já está sendo testado em São Vicente. Também estão em construção os monotrilhos das linhas 15-Prata e 17-Ouro e a expansão da Linha 5-Lilás, segundo a associação. No nordeste do País, a CCR Metrô Bahia (Salvador),deve entregar ainda este ano o primeiro trecho da Linha 2, que vai da estação Acesso Norte à Estação Rodoviária, com 2,2 km. O segundo trecho desta linha deve ser entregue em 2016, com quatro novas estações, somando mais 6,5 km de vias.
A superintendente da ANPTrilhos também informou que a CBTU está fazendo obras de melhorias em seus sistemas de João Pessoa (PB), Maceió (AL), Natal (RN) e Recife (PE), com conclusões previstas até o ano que vem. O Governo do Ceará está com obras em andamento em Fortaleza, com ampliação de linhas e a construção do VLT. Além disso, ainda estão em andamento as construções dos VLTs de Cuiabá (MT) e Goiânia (GO). Espera-se ainda a licitação para a expansão do metrô de Brasília e conclusão de três estações; o trem Brasília-Luziânia; e os trens regionais de São Paulo.
“Apesar do ajuste fiscal do Governo Federal, que reflete na restrição dos orçamentos dos Estados, acreditamos que os investimentos em mobilidade urbana serão conservados para afirmar que os projetos já iniciados sejam finalizados, garantindo a ampliação da mobilidade urbana dos principais centros, a melhoria da qualidade ambiental das cidades e da qualidade de vida dos brasileiros”, conta Roberta Marchesi.
Alstom - Uma das principais fabricantes do mercado metroferroviário mundial, a Alstom, tem apostado muito na indústria nacional. Recentemente, a empresa inaugurou uma fábrica dedicada à produção de Veículo Leve sobre Trilhos para atender ao mercado brasileiro e latino-americano. “Acreditamos que este modal pode trazer novos nortes à mobilidade brasileira e da região. Sabemos que não existe uma solução perfeita para a concretização dos planos de mobilidade, mas certamente acreditamos em opções que promovam melhor qualidade de vida aos nossos passageiros”, destaca o vice presidente sênior da Alstom Transporte na América Latina, Michel Boccaccio.
Boccaccio ressalta que este é um dos principais pontos nos quais o Brasil precisa atuar, construindo uma rede diversificada e complementar de mobilidade preocupada com as necessidades da população. “A utilização de um sistema que promova integração entre todos os sistemas, por exemplo, é considerada uma boa recomendação para solucionar os problemas atuais. O tempo gasto em trânsito hoje, principalmente em São Paulo, é altíssimo, e os modais não conseguem conectar 100% dos destinos finais das pessoas. Por isso, trouxemos o VLT para o Brasil – pois acreditamos que ele deve engrenar com força como uma opção inteligente de locomoção”.
A Alstom está entre as 230 marcas expositoras que participam da NT Expo este ano. A empresa, que oferece produtos inovadores, de alta tecnologia e qualidade, aposta em soluções completas com linhas de produtos abrangentes e fortes investimentos no mercado de mobilidade. Um dos focos é o desenvolvimento de soluções tecnológicas para trens e metrôs a fim de proporcionar rapidez e fluidez às linhas de transporte. Estas e outras novidades serão apresentadas no evento, que acontece de 3 a 5 de novembro, em São Paulo.
O credenciamento pode ser feito gratuitamente pelo site http://www.ntexpo.com.br/pt/visitar/credenciamento
Fonte - Revista Ferroviária  25/09/2015

Semana Nacional do Trânsito embarca no VLT em Natal

Semana Nacional do Trânsito

O grupo percorreu o trajeto de ida e volta entre a estação Natal, na Ribeira, e a estação final da linha, em Parnamirim. Ao longo do percurso, a equipe promoveu a conscientização dos passageiros através do diálogo e distribuição de panfletos relacionados aos cuidados necessários com o sistema ferroviário

CBTU

Após uma semana com ações sobre educação no trânsito, realizada na praça Augusto Severo, no bairro da Ribeira, nesta sexta-feira, 25, arte-educadores da Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito Urbano - STTU se juntaram à equipe da CBTU para promover uma ação educativa no VLT.
O grupo percorreu o trajeto de ida e volta entre a estação Natal, na Ribeira, e a estação final da linha, em Parnamirim. Ao longo do percurso, a equipe promoveu a conscientização dos passageiros através do diálogo e distribuição de panfletos relacionados aos cuidados necessários com o sistema ferroviário, dicas de segurança durante as viagens de trem, material voltado ao público infantil e também sobre a história da ferrovia no Estado.
Dona Everina Teixeira do Nascimento, 54 anos, elogiou a iniciativa que visa prevenir acidentes. “Eu acho ótimo fazer isso, ensinar as pessoas como se comportar com o trem. Eu ando toda sexta no VLT, por ser barato, rápido, confortável e as vezes trago meus netos. Este material será muito proveitoso para eles”, disse.
Fonte - CBTU  25/09/2015

Especialista explica três soluções para o trânsito nas grandes cidades

Mobilidade

Especialista explica três soluções para o trânsito nas grandes cidades.No Dia Nacional do Trânsito, Eduardo Biavati destaca que o século XXI inaugura uma revisão mundial do investimento no transporte público

Elisângela Freitas - Agência CNT
foto - Divulgação
Como organizar a vida dos cidadãos em meio ao grande crescimento e desenvolvimento das áreas urbanas, sobretudo, no que diz respeito à dinâmica dos deslocamentos? Não há dúvidas de que esta é uma das principais questões que os gestores modernos precisam lidar. Por isso, neste Dia Nacional do Trânsito, o sociólogo Eduardo Biavati, especialista em trânsito, comenta sobre as três principais soluções para esta área, em relação às grandes cidades: 1) investir no transporte público; 2) caminhar e pedalar mais e 3) garantir mais segurança no trânsito.
Para o sociólogo, o século XXI inaugura uma revisão mundial do planejamento urbano e do investimento no transporte público. “O desenvolvimento sustentável das cidades, que no Brasil já concentram quase 90% da população, dependerá de uma revolução capaz de promover mobilidade com economia e conforto para a maioria dos deslocamentos”, explica.
O segundo aspecto, caminhadas e ciclismo, é pontuado por Biavati, não simplesmente como uma alternativa para o problema do trânsito, mas também como algo que deve ser o foco de investimento por parte da administração pública. “A vida saudável nas cidades depende urgentemente da desmotorização da mobilidade e da promoção de meios ativos de mobilidade. Mas não se faz isso sem mais calçadas e a construção de uma rede cicloviária ampla, reduzindo o gigantesco espaço viário destinado veículos motorizados”, enfatiza.
A terceira solução em trânsito, que as cidades precisam para garantir a qualidade de vida aos seus cidadãos, é a segurança. Neste sentido, o consultor reforça que se trata de um ponto “indissociável da revisão e redução dos limites de velocidade nas vias públicas.” Ou seja, é preciso correr menos para diminuir os riscos a que estão expostas a vida dos usuários mais vulneráveis, que são os pedestres e os ciclistas.

Dados
De acordo com a ONU (Organização das Nações Unidas), a densidade populacional nos centros urbanos não vai parar de crescer: a projeção é de que algumas regiões metropolitanas devem ter crescimento populacional de 145% até 2025. Um dos setores mais impactados com esse crescimento é o de transportes e, com ele, a economia nas cidades.
Para superar o déficit e fazer frente ao crescimento na demanda por mobilidade, a CNT (Confederação Nacional do Transporte) estima que sejam necessários R$ 240 bilhões em investimentos para executar 343 projetos que visam a solução dos principais desafios desta área. A previsão está no Plano de Transporte e Logística 2014, que pode ser acessado aqui.                               ( http://www.cnt.org.br/Paginas/Plano-CNT-de-Log%C3%ADstica.aspx)

Semana Nacional do Trânsito
Diversas atividades estão sendo realizadas pelas unidades do SEST SENAT, do dia 18 a 27 de setembro, em comemoração à Semana Nacional do Trânsito. O tema deste ano é “Dê carona ao respeito, independente de sua forma de locomoção”. Eventos como palestras e blitzes educativas serão dirigidas aos profissionais dos transportes e à comunidade em geral.
Fonte - Agência CNT de Notícias 25/09/2015

COMENTÁRIO Pregopontocom

Não há dúvidas que soluções para a mobilidade,em relação às grandes cidades como investir no transporte público, caminhar e pedalar mais,além de se garantir mais segurança no trânsito são fatores primordiais para a melhoria na qualidade de vida e da circulação urbana de maneira geral em todas elas.Porem,sem planejamento urbano e se uma reformulação geral no conceito do transporte público com implementação de novas políticas e de modernização,se projetos e investimentos não forem dedicados ao setor de transportes de massa prioritariamente "sobre trilhos",conjuntamente com a melhoria dos sistemas de transportes alimentadores e complementares,com o uso de ônibus elétricos,de modos horizontais,pendulares e hidroviários e a racionalização operacional dos sistemas de transporte público,com a implementação da "integração física e tarifária" ampla e irrestrita entre todos os modais conjuntamente com a utilização do "bilhete único" por tempo de permanência no sistema (por hora),com cargas semanais,quinzenais,mensais e fracionados,estaremos ouvindo sempre esse mesmo discurso,sempre remando sem sair do lugar,ou tocando um piano de um nota só.

Semana Nacional de Trânsito leva conscientização para a CBTU Belo Horizonte

Semana Nacional de Trânsito

A conscientização veio em formato de música, interpretada pelos atores do Mobiliza SUS, da Secretaria Municipal de Saúde. A letra da canção trazia as dicas de como adotar um comportamento mais responsável nas ruas e estradas.

CBTU

As ações da Semana Nacional do Trânsito movimentaram os trens da CBTU Belo Horizonte, na última quarta (23/9). A conscientização veio em formato de música, interpretada pelos atores do Mobiliza SUS, da Secretaria Municipal de Saúde. A letra da canção trazia as dicas de como adotar um comportamento mais responsável nas ruas e estradas.
O público do metrô assistiu à paródia do musical “Grease”, cantado por John Travolta e Olivia Newton John, em 1977. Direto dos tempos da brilhantina, os figurinos foram inspirados em roupas dos anos 60 e 70, misturando saias rodadas, camisas de manga curta e laços de fita.


Os passageiros entraram no ritmo da canção e bateram palmas ao final de cada esquete. A secretária Daniela Oliveira e seu filho Ricardo Junior se divertiram com a apresentação. “A ação no metrô foi animada e reforçou a necessidade de estar alerta aos perigos do trânsito”, explicou Daniela. Já Ricardo aproveitou para decorar o refrão. “Gostei muito do teatro e deu até para aprender um pedacinho da música”, comemora. A cantineira Zena Barbosa ficou surpresa ao encontrar a Semana Nacional do Trânsito no metrô. “Não imaginava assistir a uma apresentação dentro do trem. A letra da música brincou com as situações do dia a dia o que contribui para a conscientização de todos”.
O evento: A Semana Nacional do Trânsito realiza, anualmente, diversas ações voltadas a promover a educação e a conscientização de condutores, pedestres, cliclistas e passageiros. Em 2015, a mobilização levou atividades para diferentes locais da capital, explorando o tema “Década Mundial de Ações para a Segurança do Trânsito – 2011/2020: Seja você a mudança do trânsito”. Realizado nacionalmente pelo Ministério das Cidades, através do Denatran, o evento conta com a participação dos órgãos do Sistema Nacional de Trânsito, em parceria com mais de 30 instituições municipais, estaduais, federais e empresas privadas.
Fonte - CBTU  25/09/2015

Corte Internacional de Haia reconhece reivindicação boliviana de acesso ao mar

Internacional

O tribunal rejeitou recurso impetrado pelo Chile, que argumentou a falta de competência da Corte para julgar o caso e reclamou que fossem mantidos os termos do Tratado de Paz e Limites de 1904. O acordo pôs fim ao conflito inciado em 1879, quando forças chilenas ocuparam o território de 120 mil km² até o mar.

Da Agência Brasil*
foto - ilustração
A Corte Internacional de Justiça (CIJ) de Haia reconheceu, nessa quinta-feira (24), que a Bolívia pode reivindicar ao Chile o acesso soberano ao Oceano Pacífico. O tribunal rejeitou recurso impetrado pelo Chile, que argumentou a falta de competência da Corte para julgar o caso e reclamou que fossem mantidos os termos do Tratado de Paz e Limites de 1904. O acordo pôs fim ao conflito inciado em 1879, quando forças chilenas ocuparam o território de 120 mil km² até o mar.
O presidente boliviano, Evo Morales, lembrou sua amizade com a presidenta do Chile, Michelle Bachelet, e disse que sente que ela tem grande interesse em resolver o assunto. "Nós vamos agir sempre com muita humildade, com muita serenidade, mas também com muita dignidade", disse Morales em entrevista, pouco antes de embarcar para Nova York, onde vai participar da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas.
Ao receber a noticia da decisão da CIJ, Bachelet declarou que a Bolívia não ganhou nada e que a Corte de Haia apenas pôs o assunto na mesa.
"A única coisa decidida até agora é que a Corte está apta para reconhecer a reivindicação boliviana. E eu asseguro que o meu governo - e não tenham dúvida disso - adotará todas as medidas necessárias para salvaguardar a integridade do nosso território". disse Bachelet.
Com o voto favorável de 14 dos 16 magistrados, a Corte de Haia se declarou competente para tratar da solicitação da Bolívia, que pede ao Chile o acesso soberano ao Oceano Pacífico. A partir de agora, abre-se a oportunidade para o julgamento do processo iniciado em 2013 pela Bolívia.
Em Haia, o jurista espanhol Antonio Remiro Brotons, membro da equipe de advogados internacionais da Bolívia, afirmou que "a solução definitiva acabará sendo encontrada pelas partes que negociam com vontade politica, boa fé e sentido construtivo".
*Com informações da ABI
Fonte - Agência Brasil  25/09/2015

VLT de Cuiabá - Empresas devem apresentar propostas

Transportes sobre trilhos

Termina hoje o prazo para as empresas de auditoria apresentarem propostas de consultoria físico-financeira para a obra do VLT de Cuiabá.A empresa vencedora será responsável por apresentar o relatório de viabilidade financeira do modal, ponto fundamental para a retomada da obra.

Yuri Ramires - Diário de Cuiabá

Acaba hoje o prazo para as empresas de auditoria apresentarem propostas visando à contratação de consultoria para a obra do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Conforme a assessoria de imprensa da Secretaria de Estado das Cidades (Secid), 12 empresas participam do trâmite, mas não informou quantas propostas já teriam sido recebidas. Os documentos serão analisados já na próxima semana.
Segundo uma fonte do governo, porém, até ontem nenhuma proposta havia sido protocolada, fato que não foi confirmado. Questionada, a Secid informou que vai divulgar os dados apenas na próxima semana, quando o prazo estiver vencido.
Para o Governo do Estado, o resultado do estudo a ser contratado por até R$ 4,3 milhões é o que vai decidir o rumo da implantação do modal, que está com as obras paradas desde janeiro deste ano e deve continuar assim até o começo de 2016, uma vez que a Justiça determinou a suspensão do contrato da obra pelo período em que o estudo estiver sendo elaborado.
O secretário das Cidades, Eduardo Chiletto, explicou que a contratação dará mais segurança ao Estado, para que a obra do modal possa ser encaminhada de forma viável.
“É importante lembrar que este trabalho é algo que deveria ter sido realizado antes do início da obra. O que a gestão Pedro Taques está fazendo é investir em planejamento, para que o modal seja executado de forma responsável e viável para os municípios de Cuiabá e Várzea Grande”, afirmou o secretário.
A empresa vencedora será responsável por apresentar o relatório sobre viabilidade financeira do VLT, análise técnica sobre o cronograma de térmico das obras, estimativa de demanda de operação nos próximos 20 anos, proposta de integração do modal à matriz de transporte da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá, além do cronograma de desembolso do Estado para implantação do VLT.
Além de planilhas orçamentárias, as empresas devem protocolar documentos técnicos que detalhem o modo como o trabalho será desenvolvido, bem como a documentação necessária para a contratação. O estudo deve ser realizado no prazo de 120 dias.
Após o anúncio da empresa vencedora, a assinatura do contrato deve ser realizada na primeira quinzena de outubro.
Enquanto os fatos não são resolvidos, a população aguarda pelas intervenções urbanas que serão realizadas no canteiro do VLT em Cuiabá e Várzea Grande, para melhorar o aspecto das cidades. Por enquanto, não há informações de quando é que vão começar.
Fonte - Diário de Cuiabá  25/09/2015 

Brasil perde 1,8% de suas florestas em dois anos, diz IBGE

Desmatamentos

Nesses dois anos, houve a reposição de 204 km² de florestas, mas o desmatamento foi quase 300 vezes maior: 59,4 mil km². A perda da vegetação florestal deveu-se principalmente à expansão agrícola, que respondeu por 68% da redução das florestas no país. A expansão da pastagem plantada respondeu por outros 28% e a silvicultura por apenas 4%.

Vitor Abdala
Repórter da Agência Brasil
Ag.Brasil
O Brasil perdeu 1,8% de suas florestas entre 2010 e 2012, segundo dados divulgados hoje (25) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2010, o país tinha 3,26 milhões de quilômetros quadrados (km²) de vegetação florestal, enquanto em 2012, essa área caiu para 3,2 milhões de km², uma perda de quase 60 mil km² em apenas dois anos.
Nesses dois anos, houve a reposição de 204 km² de florestas, mas o desmatamento foi quase 300 vezes maior: 59,4 mil km². A perda da vegetação florestal deveu-se principalmente à expansão agrícola, que respondeu por 68% da redução das florestas no país. A expansão da pastagem plantada respondeu por outros 28% e a silvicultura por apenas 4%.
Segundo a pesquisa Mudanças na Cobertura e Uso da Terra do IBGE, no entanto, a principal perda de vegetação natural ocorreu nas pastagens naturais, que são áreas de vegetação campestre natural sujeitas a atividade pastoril de baixa intensidade e que perderam 7,8% de sua superfície nesse período.
A expansão agrícola também foi responsável por 65% do recuo das pastagens naturais. Outros 35% de perda foram provocados pela expansão da pastagem plantada.
As áreas de vegetação campestre alagada, como charcos e pântanos, reduziram-se em 5,9%, enquanto as de vegetação campestre, como savanas, perderam 2,7% de sua superfície.
Ao mesmo tempo, as áreas artificiais, que incluem áreas urbanas, cresceram 2,5%, as áreas agrícolas aumentaram em 8,6% e as pastagens plantadas avançaram 11,1%. A silvicultura teve crescimento de 4,6% nesses dois anos.
Fonte - Agência  Brasil  25/09/2015

Seminário de Museologia integra a programação da 9ª Primavera dos Museus

Arte/Cultura

Ciclo de palestras e debates sobre o tema " Museus e Memórias Indígenas" acontecem nos dias 24 e 25 deste mês.O seminário foi iniciado pela representante do Comitê Gestor de Museus do Estado de Sergipe, Ludmila Oliveira, que falou sobre a proposta da Primavera, como espaço de fomentar os museus brasileiros, propondo sempre uma temática relevante.

ASN
ASN
A Secretaria de Estado da Cultura (Secult) realiza nesta quinta, 24, e sexta- feira, 25, o Seminário de Museologia com professores e especialistas da área, a partir do tema “Museus e Memórias Indígenas”. O evento, que teve abertura em Laranjeiras, no Campus da Universidade Federal de Sergipe, faz parte da programação da 9ª Primavera dos Museus.
O seminário foi iniciado pela representante do Comitê Gestor de Museus do Estado de Sergipe, Ludmila Oliveira, que falou sobre a proposta da Primavera, como espaço de fomentar os museus brasileiros, propondo sempre uma temática relevante. “O tema deste ano enfatiza um patrimônio imaterial, voltado para a cultura indígena através dos seus fazeres e saberes. Esse tema tem a intenção de trazer para a população uma preocupação com a cultura de uma forma atual”, explicou.
Para o Cacique Apolônio, da tribo Xokó, que participou do Seminário, a relação que existe entre os museus e os povos indígenas, é essencial para a preservação da cultura dos povos. “É importante abrir este discussão para que a sociedade conheça a cultura da população indígena” disse.

Primavera dos Museus
ASN
Coordenada pelo Instituto Brasileiro dos Museus (Ibram), a Primavera dos Museus é realizada anualmente com o intuito de promover atividades e sensibilizar as instituições e a comunidade a debater sobre temas da atualidade. Dentro da programação desta 9ª edição, serão realizadas exposições, seminários, ações educativas e rodas de conversa envolvendo o público em geral.
O tema deste ano propõe uma reflexão sobre a diversidade sociocultural dos mais de 200 povos indígenas que ainda vivem em Brasil, constituindo um dos maiores patrimônios e ícones da construção da identidade nacional. A intenção é que os museus históricos e etnográficos renovem seus olhares e mensagens sobre esses povos, contribuindo para a defesa dos direitos indígenas.
Em Sergipe, serão realizadas atividades no Museu Afro-Brasileiro de Sergipe, Museu de Arte Sacra de Laranjeiras e de São Cristóvão, Museu Histórico de Sergipe, Comitê Gestor do Sistema de Museus de Sergipe, Casa Curta-se, Centro Cultural de Aracaju, Centro de Memória da Ciência e da Tecnologia em Sergipe, Museu da Gente Sergipana, Museu Galdino Bicho, Palácio Museu Olímpio Campos, Projeto Tamar - Oceanário de Aracaju, Museu Raymundo Fernandes da Fonseca, Memorial de Indiaroba, Museu Artístico e Histórico de Itabaiana, Casa do Patrimônio do Iphan e Museu da Polícia Militar de Sergipe.

PROGRAMAÇÃO
25/09/2015 - Local: Biblioteca Pública Epifânio Doria
09h00 – Mesa Redonda: Memória Indígena e Diversidade
Conferencista: Janaina Cardoso de Mello (UFS)
(Mec – SISU/Cotas Indígenas)
Sura Souza Carmo (UFS)
(Museus de Cultura Indígena no Brasil)
14h00 – Mesa Redonda: Ações Educativas e Culturais com Contos, lendas e Livros com a temática indígena
Conferencistas: Priscila Maria de Jesus (UFS)
Cristina de Almeida Valença de Cunha Barroso (UFS)
Fonte - ASN (Ag. Sergipe de Notícias)  24/09/2015

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Em São Paulo, poluição do ar mata três vezes mais pessoas que os acidentes com automóveis

Poluição

Uma pesquisa mostra que um dos poluentes atmosféricos mais agressivos para a saúde, o material particulado, é emitido principalmente pela enorme frota de carros.





Imagem - TV Brasil

Salvador em dois Tempos

Salvador/Centro Histórico

As obras de pavimentação e requalificação de 81 vias nos bairros do Centro, Dois de Julho, Nazaré e Politeama, em Salvador, começam na próxima semana. - O Passeio Público de Salvador, no Campo Grande, será reaberto para a população às 10h deste domingo (27), com a presença do governador Rui Costa, após a conclusão da primeira etapa dos Serviços de Conservação Preventiva.

Com informações da Secom
foto - ilustração
Governo inicia novo lote para requalificação de ruas do Centro Antigo de Salvador
Centro - As obras de pavimentação e requalificação de 81 vias nos bairros do Centro, Dois de Julho, Nazaré e Politeama, em Salvador, começam na próxima semana. A ordem de serviço para o início das obras do lote 02 será assinada pelo governador Rui Costa, nesta segunda-feira (28), às 9h, no Cine Glauber Rocha, na Praça Castro Alves.
Parte integrante do Plano de Reabilitação do Centro Antigo de Salvador, o projeto investirá R$ 123 milhões na melhoria da infraestrutura urbana em mais de 200 ruas da região e está sendo executado pela Diretoria do Centro Antigo de Salvador (Dircas), da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder). Essa será a segunda etapa de um total de cinco lotes. A obra foi iniciada pelo lote 3, formado pelos bairros da Saúde, Barris e Tororó, em julho deste ano.

Reabertura do Passeio Público, neste domingo, marca revitalização do espaço
O Passeio Público - O Passeio Público de Salvador, no Campo Grande, será reaberto para a população às 10h deste domingo (27), com a presença do governador Rui Costa, após a conclusão da primeira etapa dos Serviços de Conservação Preventiva. As intervenções foram realizadas pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Cultura (Secult) e do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac).
Além de celebrar as intervenções físicas no espaço, o ato de reabertura é um marco para o Passeio Público, que passará a ter programação cultural e, consequentemente, será uma importante opção de lazer e convivência entre as famílias no Centro Antigo de Salvador.
Na programação deste domingo (27) estão a Orquestra Neojiba, o projeto de capoeira Mandinga – Ginga Mundo, o Cortejo Coreográfico da Escola de Dança da Funceb, e a Orquestra Òfun. O caminhão da biblioteca-móvel da Fundação Pedro Calmon (FPC) também estará presente no evento.
Campanha educativa - Na solenidade de entrega, será lançada também a campanha educativa #MusEuCuido, continuação do #MusEuCurto, realizada em maio deste ano durante a semana internacional de museus.
Fonte - Secom Ba.  24/09/2015

Brasil é único país a reduzir emissão de gases em 40%

Meio Ambiente

O Brasil reduziu em 40% as suas emissões gás carbônico, principal causador do aquecimento global, adotou uma política de punição ao desmatamento e de recuperação florestal com o Novo Código Florestal, em 2012.

Revista Amazônia

As propostas do Brasil para a 21ª Conferência das Partes (COP-21), a reunião global sobre mudanças climáticas marcada para novembro em Paris, serão apresentadas pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, na Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável. Ela desembarca em Nova York, nesta quarta-feira (23), com a propostas na bagagem, recordando que o Brasil reduziu em 40% as suas emissões gás carbônico, principal causador do aquecimento global, adotou uma política de punição ao desmatamento e de recuperação florestal com o Novo Código Florestal, em 2012.
“Temos entregado ao mundo resultados que nenhum outro país entregou. Nenhum país do mundo fez uma redução de 40% de redução de gases”, afirma Izabella. “Os brasileiros devem se orgulhar pelo que estão fazendo desde o primeiro momento”.
Segundo a ministra “foi essa sociedade que assumiu a convenção do clima como algo de fato a ser encarado no processo de desenvolvimento”.
“Diferentemente de muito país desenvolvido e de muitas sociedades desenvolvidas que nada fizeram. Ou melhor, fizeram aquém do que deveriam e ainda financiam processo para dizer que nós temos de fazer mais do que eles”, afirma.
Entre as propostas que serão defendidas pelo País está a manutenção da contenção de emissõs de poluentes dos membros da COP-21 para evitar aumento da temperatura global. “O Brasil não irá a Paris buscando rever a meta de aumento de 2º graus de temperatura, que é o limite que o Painel Científico do Clima recomenda como tolerável para que a gente possa avançar no desenvolvimento do planeta”, afirma.
A ministra assegura que o Brasil “afirma e reafirma seu compromisso político assumido globalmente” com o aumento mínimo de temperatura e de redução na emissão de gases causadores do efeito estufa. “Se as contribuições (de outros países) forem aquém disso, caberá ao debate global buscar soluções mais drásticas”, sugere.
Izabella diz que “teve país que apresentou meta de redução de gás que não é monitorado pela convecção”, conduta que para ela fazer necessário que “o secretariado da convenção dê foco a isso, arrume esses números e, obviamente, será base da negociação de Paris”.

Hidrelétricas
A nova legislação ambiental é o que, de acordo com a ministra, vai permitir recuperar pastagens, ampliar a agricultura de baixo carbono e ampliar o equilíbrio da matriz energética entre renovável e fóssil (termelétricas). As novas metas passam pela necessidade de a sociedade discutir essa “trajetória de desenvolvimento”.
Ela aponta a geração de energia limpa como a etapa fundamental da discussão pública. “A agenda do clima (após a COP-21) vai nos provocar um novo patamar de desenvolvimento”, avalia. “É preciso que o Brasil volte a discutir hidrelétrica em outro patamar. E quem está falando isso é a ministra do Meio Ambiente”, sugere.
Izabella considera necessário “ter a serenidade do debate sobre geração de eletricidade nesse País ou então vamos abandonar dois terço do nosso potencial” de gerar energia utilizando o potencial da Amazônia. “ Não estou dizendo que tem de desrespeitar áreas indígenas e de conservação. Pelo contrário, tem de se respeitar tudo. Mas tem de se construir soluções num mundo onde a gente vai procurar zero emissão de carbono”, defende.

Estudo
O Ministério do Meio Ambiente recebeu ontem o estudo “Implicações Econômicas e Sociais: Cenários de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (IES-Brasil)”, elaborado pela Coordenação dos Programas de Pós-Graduação de Engenharia (Coppe) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O trabalho aponta que o País pode acrescentar até R$ 609 bilhões ao Produto Interno Bruto (PIB) com novos mecanismos de desenvolvimento sustentável.
O coordenador do estudo, professor Luiz Pinguelli Rosa, disse que o modelo de desenvolvimento de crescimento econômico com distribuição de renda nos últimos anos precisa agora ser potencializado com uma economia menos carbonizada. “Esse estudo mostra que o Brasil pode reduzir suas emissões ingressando numa economia verde, de baixo carbono, e assim mesmo aumentando o PIB e o emprego”, afirma.
A ministra Izabella que o estudo será considerado no texto final das Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC, na sigla em inglês) que serão apresentadas na COP-21. “É um estudo extremamente interessante, porque ele desenvolve cenários, rotas ou caminhos para redução de emissões no Brasil a partir daquilo que o País já está fazendo”, disse.
Fontes: Portal Brasil com informações do Ministério do Meio Ambiente e COPPE-UFRJ
Fonte - Revista Amazônia  24/09/2015  


Holanda terá micro ônibus sem motorista

Transportes/Internacional

Sistema de transporte sem motorista,o veículo vai circular nas ruas holandesas, junto aos demais veículos, a partir de novembro

El País / Autor -Yuriê César (tradução)
créditos - reprodução / El País Vídeo / Easymile
O primeiro micro ônibus do mundo a circular em áreas urbanas se chama WEpod e vai andar nas ruas holandesas a partir de novembro.
Ele vai ligar as cidades de Wageningen e Ede, no leste dos Países Baixos.
O WEpod foi desenvolvido pela empresa francesa EasyMile e conta com o apoio do programa de mobilidade europeu Citymobil2.
Cada veículo tem capacidade para 6 passageiros. As passagens deverão ser compradas através de um aplicativo para smartphones.
Ele atinge a velocidade máxima de 25 km/h. Na primeira fase da operação, ele não vai circular de noite e nem com mau tempo.
As autoridades holandesas confiam no êxito do novo transporte público e esperam ampliar a rede para outras cidades antes do próximo verão europeu.
Fonte - Mobilize  24/09/2015

Em dez anos o número de acidentes em rodovias cresceu 50% no Brasil

Transito

O País registrou um aumento de 50,3% no número acidentes em rodovias federais. As mortes cresceram 34,5% e a quantidade de feridos, 50%. A boa notícia, se é que pode ser chamada assim, é que desde 2010,o número vem caindo (8,5%), na contramão do crescimento da frota,

Mariana Czerwonka
Portal do Trânsito

Dados do relatório Acidentes de trânsito nas rodovias federais brasileiras, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), com base nos números da Polícia Rodoviária Federal (PRF) foram apresentados ontem e mostram um pouco mais do cenário do trânsito no Brasil.Nos últimos dez anos, o País registrou um aumento de 50,3% no número acidentes em rodovias federais. As mortes cresceram 34,5% e a quantidade de feridos, 50%. A boa notícia, se é que pode ser chamada assim, é que desde 2010, o número vem caindo (8,5%), na contramão do crescimento da frota, coincidindo com o início das operações da PRF concentradas nos trechos mais críticos.
Aproximadamente oito mil pessoas perderam a vida e cerca de 100 mil ficaram feridos, em 169 mil acidentes registrados pela PRF em 2014, com fortes impactos sobre o orçamento público e a renda das famílias atingidas. A análise mostra que, nesse período, ocorreram, em média, 463 acidentes por dia, envolvendo 301 mil veículos e 23 mortos - uma média de 1,78 veículos por ocorrência. Segundo o relatório 32% dos acidentes tiveram como causa a desatenção do motorista.
Minas Gerais apresentou o maior número de acidentes e mortos. Foram 21,8 mil, enquanto o estado do Amazonas registrou o menor, com 168.

Tipo de acidentes
Apesar dos automóveis estarem envolvidos na maior parte dos acidentes nas rodovias, aqueles envolvendo motocicletas são proporcionalmente mais letais. Eles respondem por cerca de 18% do total, mas em termos de mortes, respondem por 30% do total e 40% de todas as lesões graves.
As colisões frontais e atropelamentos são tipos de acidentes que apresentam baixa ocorrência (6,5% do total de acidentes), mas respondem por quase metade das mortes nas rodovias federais. Além disso, a desatenção dos motoristas, ingestão de bebidas alcoólicas e desrespeito às regras de trânsito são as causas mais frequentes dos acidentes com fatalidade, indicando a necessidade de realização de campanhas educativas permanentes.
A falta de experiência também é uma das causas de acidentes em rodovias. Márcia Pontes que é educadora de trânsito escreve em seu "Blog Aprendendo a Dirigir" que um dos principais erros dos motoristas recém-habilitados é pegar a rodovia, sem ainda dominar o carro direito na cidade. ”Se o condutor ainda não domina os pedais do carro, não deve enfrentar a estrada. Rodovia tem aquela representação de velocidade, de que não precisa trocar muito de marcha, mas é ilusão. Até o momento em que se pega um engarrafamento, um desvio, um acidente que deixa o trânsito lento e tem que enfrentar ladeiras, paradas em inclinação de pontes e viadutos; ter que andar em marchas baixas sem deixar o carro morrer com um caminhão gigante atrás do carro tomando toda a imagem dos seus retrovisores. Será que o condutor inexperiente saberá o que fazer nessa hora?”, pergunta Pontes.

Custos
Além dos traumas causados às vítimas e familiares, os acidentes de trânsito representam altos custos monetários para a sociedade. Com base na metodologia desenvolvida anteriormente pelo Ipea em conjunto com a Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) e o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), foram atualizados os cálculos de custos dos acidentes de trânsito nas rodovias federais para a base de acidentes dos anos de 2007, 2010 e 2014.
Os cerca de 170 mil acidentes de trânsito ocorridos nas rodovias federais brasileiras em 2014 geraram um custo para sociedade de R$ 12,3 bilhões. Destes, 64,7% estavam associados às vitimas dos acidentes, como cuidados com a saúde e perda de produção devido às lesões ou morte, e 34,7% aos veículos, como danos materiais e perda de cargas, além dos procedimentos de remoção dos veículos acidentados.
Estima-se que o custo dos acidentes nas rodovias estaduais e municipais, em 2014, teria sido algo entre R$ 24,8 e R$ 30,5 bilhões. Em termos globais, pode-se estimar em cerca de R$ 40 bilhões de reais por ano o custo que a sociedade tem com os acidentes de transito em todas as rodovias brasileiras.

Para dirigir com segurança em rodovias
Para dirigir com segurança em rodovias, é necessário seguir algumas dicas. A primeira delas é revisar o veículo antes da viagem. “Luzes, freios, óleo do motor e suspensão são itens que devem ser revisados periodicamente, principalmente antes das viagens”, diz Celso Alves Mariano, especialista em trânsito e diretor do Portal.
Planejar itinerários, paradas para abastecimento e descanso, também devem fazer parte da rotina. “Prefira sempre viajar de dia, é mais seguro. Aos primeiros sinais de cansaço, o ideal é parar em lugar seguro para relaxar”, alerta o especialista.
A sinalização e legislação também devem ser respeitadas. “Não descuidar da sinalização, não parar na pista, não transitar no acostamento e respeitar os limites de velocidade são dicas importantes que devem ser seguidas por todos”, conclui Mariano.
Fonte - Portal do Trânsito  24/09/2015 

Governo quer liberar uso de até 30% de biodiesel

Sustentabilidade

O projeto em trâmite no MME permitiria que o interessado possa fazer uso de até 30% de biodiesel no diesel sem a necessidade dessa autorização prévia da ANP, apenas comprando o produto diretamente de uma distribuidora, explica o diretor do departamento de combustíveis renováveis do MME, Ricardo Dornelles.

Valor Econômico - RF
foto - ilustração
O Ministério de Minas e Energia (MME) pretende desburocratizar o uso de biodiesel no diesel em percentuais acima da mistura oficial, de 7%. A medida, que ainda tramita no governo, visa atender aos usos no transporte rodoviário e ferroviário e em máquinas agrícolas.
Atualmente, qualquer uso acima do limite de 7% demanda do interessado a entrega de um projeto à Agência Nacional de Petróleo (ANP), a quem cabe a avaliação do pedido e o monitoramento do uso, caso ele seja aprovado.
O projeto em trâmite no MME permitiria que o interessado possa fazer uso de até 30% de biodiesel no diesel sem a necessidade dessa autorização prévia da ANP, apenas comprando o produto diretamente de uma distribuidora, explica o diretor do departamento de combustíveis renováveis do MME, Ricardo Dornelles.
A proposta do Ministério estabelece o uso de diesel com 20% de biodiesel (B-20) para o transporte rodoviário e de 30% (B-30) para frotas agrícolas e ferroviárias.
O presidente da associação que representa as indústrias de biodiesel do país (Aprobio), Erasmo Carlos Battistella, diz que, se autorizada, a medida será um avanço, mas ainda está aquém do solicitado pelo segmento.
Battistella pontua que o pleito é de desburocratização de uso de biodiesel no diesel até o limite de 100% (B-100) e que a venda possa ser feita diretamente pelas usinas produtoras. “A flexibilização total para frotas cativas elevaria em 1 bilhão de litros, ou 25%, a demanda atual por biodiesel no país”, estimou o presidente da Aprobio.
Battistella diz ainda que é preciso que o governo aprecie outros dois pedidos feitos pelo segmento: o aumento da mistura de 7% para 10% do biodiesel no diesel (B-10) e de uso de B-20 obrigatório no transporte público das cidades com mais de 600 mil habitantes.
Fonte - Revista Ferroviária  24/09/2015

Brasileiro é convidado para liderar rede global de sustentabilidade da ONU pela América Latina

Sustentabilidade

Superintendente-geral da Fundação Amazonas Sustentável está em Nova York para participar da Assembleia Geral da ONU.A participação da FAS se dá pela Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável (SDSN, na sigla em inglês) da ONU.

Revista Amazônia

Como entidade voltada para a promoção do desenvolvimento sustentável a Fundação Amazonas Sustentável (FAS) está com sua delegação em Nova York, acompanhando a Assembleia Geral da ONU. Liderada por Virgílio Viana, seu superintendente-geral, a participação da FAS se dá pela Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável (SDSN, na sigla em inglês) da ONU, que reúne cientistas, organizações da sociedade civil e representantes da academia para o processo de construção e apoio na implementação dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), que serão lançados nesta semana. Além disso, pretende promover iniciativas locais que podem servir como soluções para o desenvolvimento sustentável no mundo.
A FAS é a secretaria-executiva da SDSN-Amazônia, braço da rede global no Brasil. Virgílio Viana, que preside a rede na Amazônia, acaba de ser convidado para se tornar co-presidente da SDSN Global na América Latina. Desta forma, terá papel fundamental na busca por soluções para o desenvolvimento sustentável nesta região em contato direto com a direção da rede. Além disso, poderá representar a SDSN em reuniões de alto nível na América Latina.
A delegação da FAS ainda participará de diversos eventos, como a reunião do Conselho da SDSN e acompanhará a Assembleia Geral sobre o anúncio dos ODS.
Os interessados em obter informação sobre o tema devem falar com Luiz Soares (luiz@lead.com.br) ou pelo telefone (11) 3168-1412

A Assembleia Geral da ONU
Nesta semana, líderes mundiais estão em Nova York para a Assembleia Geral da ONU. Entre os dias 25 e 27 será realizada a Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável 2015 onde será adotada a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS) – um conjunto de 17 metas para promover a ação da comunidade internacional e dos governos nacionais com o objetivo de alcançar a prosperidade e o bem-estar de todos até 2030.
Fonte - Revista Amazônia  23/09/2015

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Metrô de Salvador chega pela primeira vez à Estação Pirajá

Transportes sobre trilhos

Em teste, o metrô chega pela primeira vez à Estação Pirajá na noite desta terça-feira (22),última parada do projeto original da Linha 1 que terá 11 quilômetros de extensão.Com a extensão do tramo 3 ainda em fase de estudos,a mesma ligara a Estação Pirajá até Cajazeiras,passando por Águas Claras.

Secom
foto - ilustração/Facebook-Rui Costa
Na noite desta terça-feira (22), o metrô de Salvador chegou pela primeira vez em Pirajá, última parada do projeto original da Linha 1 do modal da capital baiana. Com a entrega da estação, a Linha 1 chegará a 11 quilômetros de extensão. O modal ainda será estendido com o tramo 3, que se encontra em fase de estudos, ligando a Estação Pirajá até Cajazeiras, passando por Águas Claras.
O governador Rui Costa comemorou os testes e destacou o bom andamento da obra, que, após dois anos sob tutela do Estado, entrou em operação e agora tem a Linha 1 praticamente finalizada. “Estamos muito próximos de liberar (a Estação Pirajá) para os passageiros. Em apenas dois anos, entregamos praticamente a mesma distância que levou 13 anos em construção, e não operava. O número de estações também dobrou, eram quatro, agora são oito. Ao mesmo tempo, iniciamos a Linha 2, que está em obras na região do Detran e Paralela. Salvador merece e vai ter mais mobilidade”, disse Rui, através das suas redes sociais.
O secretário de Desenvolvimento Urbano, Carlos Martins, também comemorou o sucesso da operação do metrô, que já transportou mais de nove milhões de passageiros em um ano e pouco mais de três meses de operação. “O metrô já está inserido na realidade da vida dos soteropolitanos e com a finalização da estação Pirajá e integração com os ônibus metropolitanos, a tendência é beneficiar mais pessoas”, pontuou Martins.
A estação Pirajá, assim como a estação Bonocô e o terminal de ônibus para integração no Acesso Norte, devem ser entregues à população ainda em outubro. O funcionamento de Pirajá irá marcar o início da operação comercial do modal, que será integrado aos ônibus metropolitanos e urbanos. Os valores de tarifas, no entanto, ainda estão em fase de negociação entre Governo do Estado, Prefeitura de Salvador e empresas do setor de transporte coletivo urbano. Atualmente, a Linha 1 do Metrô conta com seis estações ligadas por nove quilômetros de trilhos – Lapa, Campo da Pólvora, Brotas, Acesso Norte, Retiro e Bom Juá.

Linha 2
Além das obras que vão finalizar a Linha 1, as obras da Linha 2 seguem em ritmo acelerado, com diversas frentes de trabalho, desde as regiões do Acesso Norte e o bairro de Pernambués, passando pelo Iguatemi, Rodoviária e já na Avenida Paralela, onde o metrô seguirá pelo canteiro central até o aeroporto. A Linha 2 terá 13 estações e 23 quilômetros de extensão.
Fonte - Secom Ba. 23/09/2015

Novo empréstimo do BNDES é vital para concluir obras do Metrô do Rio, diz Pezão

Transportes sobre trilhos

Luiz Fernando Pezão garantiu que a linha entra em operação a partir de 1º de junho de 2016."Os recursos já estavam aprovados pelo BNDES, mas não tínhamos espaço fiscal para permitir a assinatura quando fizemos a outra operação. 

Flávia Villela 
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
A aprovação de um novo empréstimo do Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para as obras da Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro, que ligará a zona sul à Barra da Tijuca, na zona oeste, é vital para a conclusão do projeto até as Olimpíadas de 2016, afirmou hoje (23) o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão.
A Assembleia Legislativa do estado vota hoje pela aprovação ou não do empréstimo. A obra custará cerca de R$8,8 bilhões.
"Os recursos já estavam aprovados pelo BNDES, mas não tínhamos espaço fiscal para permitir a assinatura quando fizemos a outra operação. Este ano, estamos adequando o que não conseguimos adequar no ano passado", disse Pezão, após visitar nesta manhã o ponto em que os túneis já escavados da Barra e da zona sul se encontrarão a partir de dezembro.
Falta 1,2 km de rocha a ser escavada. A seção do túnel sob o Alto Leblon tem 220 metros de extensão e está a 35 metros de profundidade.
Os empréstimos anteriores somam R$3,5 bilhões e o governo pedirá mais R$440 milhões.
De acordo com o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ), contrário ao novo empréstimo, os dois anteriores não tiveram prestação de contas e 15% do valor foram destinados à quitação de outros empréstimos, segundo relatório do Tribunal de Contas do Estado.
Embora a dívida estadual seja de de aproximadamente R$ 97 bilhões, Pezão garantiu que o estado tem como pagar as dívidas e que não é devedor.
O governador garantiu que, a partir de 1º de junho, a linha já estará operando. As expectativas do governo é que cerca de 300 mil pessoas usem diariamente a Linha 4, que tem 16 quilômetros de extensão, e que sejam retirados das ruas aproximadamente 2 mil carros por hora/pico.
A partir do ano que vem, o governo estuda ampliar o metrô pelas linhas 2 e 3, ligando o Estácio à Praça XV, onde atracam as barcas que ligam Niterói ao Rio e Niterói a Itaboraí.
"Quero fazer as duas com Parceria Público Privadas (PPPs). Estou procurando sócios, avaliando com a presidenta Dilma a melhor maneira e estudando com o ministro Kassab, das Cidades, como criar um fundo garantidor para essa linha em Niterói", concluiu o governador.
Fonte - Agencia Brasil  23/09/2015

Governo apresenta medidas para aumentar segurança de ciclistas e estimular uso da bicicleta

Ciclismo

Ações incluem novas sinalizações de trânsito, cartilha e manual para padronizar construção de ciclovias.A pasta elaborou e disponibilizou a Cartilha do Ciclista, publicação que reúne informações sobre legislação, sinalização, diferentes vias que compõem a rede cicloviária e regras de circulação e segurança. 

Natália Pianegonda - Agência CNT
foto -  Divulgação/Ministério das Cidades
O Ministério das Cidades apresentou, nesta terça-feira (22), Dia Mundial sem Carro, uma série de medidas que têm como objetivo incentivar o uso da bicicleta nos deslocamentos diários e aumentar a segurança de ciclistas.(*)
A pasta elaborou e disponibilizou a Cartilha do Ciclista, publicação que reúne informações sobre legislação, sinalização, diferentes vias que compõem a rede cicloviária e regras de circulação e segurança. O material não é destinado apenas aos ciclistas, mas também a pedestres e motoristas, a fim de promover a convivência pacífica no trânsito.
Conforme dados mais recentes do DataSUS, 1.348 ciclistas morreram em acidentes no ano de 2013. E a opção por esse meio de transporte está crescendo em todo o Brasil. A estimativa é que a frota de bicicletas no Brasil chegue a 70 milhões, com uma produção anual média de cinco milhões de unidades, segundo a Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Motonetas, Bicicletas e Similares).

Nova sinalização
O Ministério das Cidades também apresentou novas sinalizações. Uma é a placa de regulamentação (redonda com as bordas vermelhas), para indicar circulação compartilhada de ciclistas e pedestres. Até então, havia apenas uma amarela, que advertia sobre a possibilidade da presença de pessoas a pé e de bicicleta no local.
A outra novidade é o SIR (Símbolo Indicativo de Rota de Bicicleta), que indica a existência de uma ciclorrota, ou seja, rota sinalizada para ciclistas.

Novas políticas

O ministro das Cidades, Gilberto Kassab, acredita que está em desenvolvimento, no país, uma nova cultura, de valorização dos meios de transporte não motorizados, e isso demanda novas políticas públicas. “Até pouco tempo não existia a cultura de políticas públicas voltadas ao ciclista, na sua convivência com automóveis e com pedestres. Gradualmente, isso tem acontecido em todo o país. Agora vamos investir bastante nesse tema, do ponto de vista pedagógico e do ponto de vista da sinalização”, disse Kassab.
Para a coordenadora geral da ONG Rodas da Paz, Renata Florentino, orientações que promovam mudanças comportamentais no trânsito são importantes. Mas ela defende a importância de traçados viários que aumentem a segurança. “É importante que o Ministério das Cidades dê orientações fortes para a questão do redesenho urbano, vias com menor velocidade e moderação de tráfego em cruzamentos." Para ela, “a prioridade para humanizar mais as ruas e tornar o trânsito mais seguro está em medidas voltadas para motoristas e para o desenho urbano”.
O ministro anunciou a formação de um Grupo de Trabalho, pelo Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), que irá elaborar, até o fim deste ano, o “Manual Cicloviário”. O objetivo é padronizar os projetos de vias destinadas à bicicleta em todo o país. O material terá normas de construção e sinalização de ciclovias, ciclorrotas, ciclofaixas, etc.

Pedalando
O Sest Senat também está engajado na promoção do uso da bicicleta como meio de locomoção, além de lazer e prática esportiva. Por isso realizará, no dia 4 de outubro, a primeira edição do Pedalando – Passeio Ciclístico do Sest Senat 2015. O evento ocorrerá em 27 cidades brasileiras, com percursos de 10 quilômetros.
Para participar, é necessário se inscrever pelo site  - http://pedalando.sestsenat.org.br  - até o dia 27 de setembro e doar 1 kg de alimento não perecível.
(*)  Link para fazer download da cartilha
http://www.cnt.org.br/Imagens%20CNT/PDFs%20CNT/cartilhadociclista.pdf)
Fonte - Agência CNT de Notícias  22/09/2015

Transporte público de Curitiba recebe 928 reclamações por mês

Transportes

Entre janeiro e julho de 2015, os usuários do transporte coletivo de Curitiba registraram 6.499 reclamações sobre o serviço, uma média de 928 por mês, ou 31 por dia. As principais reclamações tem relação com o tratamento dispensado pelos funcionários das empresas e os atrasos e supressões de horários de ônibus. Na comparação com o mesmo período do ano passado, porém, houve uma queda de 34% no número de ocorrências.

Rodolfo Luis Kowalski - Bem Paraná

De acordo com levantamento feito pela Urbs, entre janeiro e julho de 2014 foram transportados 289,9 milhões de passageiros, totalizando 2,8 milhões de viagens e 9.987 reclamações, o que representa uma reclamação a cada 29,3 mil passageiros transportados ou uma reclamação a cada 281 viagens. Em 2015, o número de passageiros registrou leve queda, com 276,4 milhões de pessoas transportadas, enquanto as viagens totalizaram 2,7 milhões. Isso significa uma reclamação a cada 45,5 mil passageiros ou uma reclamação a cada 415 viagens.
Ao todo, 34% das reclamações tem relação direta com a postura de motoristas e cobradores de ônibus. A reclamação mais comum dos usuários, responsável por quase 18% das ocorrências (1.150 reclamações), é a recusa de embarque de passageiros sem motivo aparente. No ano passado, quando a ocorrência também liderou o ranking de reclamações, haviam sido feitos 1.980 registros.
Outra reclamação recorrente diz respeito à “falta de urbanidade” de quem trabalha no transporte coletivo. Desde o ano passado, porém, esse tipo de ocorrência registrou queda de 44%, totalizando 478 reclamações em 2015 contra 849 em 2014. Motoristas de ônibus dirigindo inadequadamente, com risco de acidente, também é algo aparentemente comum. Foram 588 ocorrências neste ano e 801 no ano passado.

Os números
34% das reclamações tem relação direta com a postura de motoristas e cobradores de ônibus.
276,4 milhoes de pessoas foram transportadas entre janeiro e julho de 2015, enquanto as viagens totalizaram 2,7 milhões.
57% foi a queda de reclamações sobre atraso dos ônibus em 2015 em relação ao mesmo período do ano passado.
156 o caminho mais fácil para fazer uma reclamção sobre o transporte coletivo de Curitiba. Na sede da Urbs, também há local para reclamar.
Fonte - Blog meu Transporte  22/09/2015

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Rio de Janeiro atinge marca de 400 quilômetros de ciclovias

Mobilidade

O trecho inaugurado hoje tem 10,4 quilômetros de extensão e a cidade soma, agora, 400 km de ciclovias.Segundo a Secretaria Municipal do Meio Ambiente, em sete anos, o Rio ganhou 250 km de vias para bicicletas: em 2008 a malha cicloviária era de apenas 150 km. A meta do governo é atingir, até 2016, 450 km de extensão.

Da Agência Brasil
O trecho inaugurado hoje liga os bairros de Laranjeiras,
 Cosme Velho, Flamengo e Botafogo
 (Tânia Rêgo/Agência Brasil)
O Dia Mundial sem Carro, celebrado hoje (22) em cidades do mundo todo, também é motivo de comemoração no Rio de Janeiro: a cidade alcançou a marca de 400 quilômetros (km) de ciclovias, com a inauguração de uma rota de 10,4 km, que liga os bairros de Laranjeiras, Cosme Velho, Flamengo e Botafogo, na zona sul do Rio.
Segundo a Secretaria Municipal do Meio Ambiente, em sete anos, o Rio ganhou 250 km de vias para bicicletas: em 2008 a malha cicloviária era de apenas 150 km. A meta do governo é atingir, até 2016, 450 km de extensão.
“O Rio está se colocando entre as grandes cidades do mundo que tentam valorizar o ciclista", disse o arquiteto Igor Miranda, 25 anos, que utiliza a bicicleta em vários dias da semana para se locomover. Ele elogiou a expansão da malha cicloviária, mas fez um alerta, especificamente, sobre a rota inaugurada hoje. "Essa aqui de Laranjeiras tem partes boas sim, mas tem algumas [partes] em que o ciclista se sente inseguro por ter que competir com carros, motos e ônibus. Os motoristas geralmente não respeitam o nosso espaço na via, xingam a gente, passam tirando fino. É complicado”, lamentou.

(Tânia Rêgo/Agencia Brasil)
Usuários elogiaram a malha viária do Rio de Janeiro, mas manifestaram preocupação com a segurança do ciclista no novo trecho de ciclovia inaugurado hoje, que divide espaço com carros, ônibus e pedestres

O ciclista Vanderlei José Torroni, que mora em São Paulo e trabalha com a instalação de bicicletários, veio para a data ao Rio de Janeiro e acredita que a cidade merece o título de capital latino-americana em ciclovias. “Sem dúvida ela merece esse título, porque para todo lugar que eu olho eu vejo ciclovias, ciclorrotas, bicicletários, etc". O ciclista, no entanto, reforçou a preocupação com a segurança, expressa por outros ciclistas que usaram a nova rota. "Falando especificamente da [ciclovia] que está sendo inaugurada hoje, não dá pra dizer que é totalmente segura. Observei que rola uma disputa com os motoristas e, nas áreas em que passa pela calçada, com os pedestres também. Mas isso já é uma questão de educação”.
O subsecretário municipal de Meio Ambiente, Altamirando Moraes, falou sobre a importância de se buscar alternativas de transporte ao carro, que é uma opção muito poluente. "São gases que vão para a atmosfera, fechando-a, fazendo com que tenhamos um planeta cada vez mais quente e com muitas mudanças climáticas. Enfim, são várias consequências que podem até vir a impossibilitar a vida no futuro. Então, é importante que a população busque outros meios, para que o carro seja usado de maneira consciente, racional, fazendo com que esses efeitos diminuam. Temos que fazer a nossa parte”, finalizou.

Fonte - Agência Brasil  22/09/2015