sábado, 5 de setembro de 2015

Evento fotográfico no Cristo alerta para importância de proteger as florestas

Meio Ambiente

A iniciativa da organização não-governamental (ONG) WWF-Brasil visa enviar uma mensagem para a sociedade brasileira sobre a importância da Floresta Amazônica para o Brasil e para o mundo. “E destacar, nesse aspecto, a importância das áreas protegidas para a manutenção do clima, da água”, explica o analista de Políticas Públicas da WWF-Brasil, Michel Santos.

Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil
Cristo Redentor vai refletir imagens de florestas
 em defesa do meio ambiente -Tânia Rêgo
Ponto turístico mais famoso do Brasil, o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, vai refletir hoje (5) à noite, a partir das 19h, imagens de florestas feitas por fotógrafos nacionais, como parte das comemorações do Dia da Amazônia, neste sábado.
A iniciativa da organização não-governamental (ONG) WWF-Brasil visa enviar uma mensagem para a sociedade brasileira sobre a importância da Floresta Amazônica para o Brasil e para o mundo. “E destacar, nesse aspecto, a importância das áreas protegidas para a manutenção do clima, da água”, explica o analista de Políticas Públicas da WWF-Brasil, Michel Santos.
Segundo Michel, a atual escassez hídrica que o país enfrenta em algumas das principais cidades brasileiras está relacionada ao desmatamento na Amazônia e à falta de preocupação com as áreas protegidas, de forma geral. Somando unidades de conservação (parques, reservas, estações ecológicas) e terras indígenas, as áreas protegidas no Brasil correspondem a cerca de 2,6 milhões de quilômetros quadrados, dos quais em torno de 50% se encontram na Amazônia.
O Cristo Redentor, por exemplo, está situado em área protegida, que é o Parque Nacional da Tijuca. “Nossa intenção é mandar uma mensagem para as autoridades brasileiras, destacando a importância da manutenção das áreas protegidas, para a ocorrência de um clima mais ameno e de um regime de chuvas equilibrado”, diz o analista da WWF-Brasil.
A projeção de imagens de florestas no Cristo Redentor ocorrerá de forma sincronizada na cidade alemã de Colônia, onde vivem muitos brasileiros. Em um telão colocado em frente à Catedral de Colônia, serão projetadas 150 fotos exclusivas do fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado, coletadas por ele na Amazônia e que integram seu mais recente livro, intitulado Gênesis, fruto do projeto do mesmo nome.
Outros fotógrafos que terão trabalhos exibidos no evento são Adriano Gambarini, Edward Parker, Zig Koch e Leonardo Milano As projeções serão feitas ao som de músicas de Villa-Lobos, autor da suíte sinfônica A Floresta do Amazonas, que será apresentada durante a celebração, informou a assessoria de imprensa da ONG.
Com os dois eventos, a entidade pretende antecipar o debate que ocorrerá a partir de 30 de novembro próximo na Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP21), em Paris, salientando a importância da Floresta Amazônica e das áreas protegidas para a manutenção do clima.
“Quando você combate o desmatamento, evita a emissão de gases de efeito estufa (GEE) na atmosfera”, afirma Michel Santos, segundo o qual com a criação dessas áreas protegidas e sua preservação o Brasil tem uma reserva, ou estoque, que contribui para a captura desses gases na atmosfera.
Santos explica que, nos diversos biomas brasileiros, há necessidade de atenção especial com as leis e os aspectos que promovem a destruição das florestas e desses biomas: “Uma maneira de impedir esse avanço é por meio da criação de áreas protegidas, da valorização dessas áreas”. De acordo com a ONG, dezenas de projetos de lei e iniciativas no Congresso Nacional colocam essas áreas em risco ou impedem o desenvolvimento de mecanismos que ampliem a proteção às Unidades de Conservação e Terras Indígenas.
À medida que se aproximar a data de realização da COP21, a intenção da WWF-Brasil é fazer outras ações e atividades que chamem a atenção da sociedade, “não só no Brasil, mas envolvendo a rede WWF em outros países, da importância de um bom acordo em Paris”.
Ao término do evento no Cristo Redentor, as fotos estarão disponíveis na página na internet -https://www.flickr.com/photos/wwf-cristo
Fonte - Agência Brasil  05/09/2015

MPT busca arquivos digitais de empresas de ônibus em Salvador

Transportes/Salvador

O Ministério Público do Trabalho (MPT) recolheu arquivos digitais que estavam na sede do Sindicato das Empresas de Transporte Público de Salvador (Setps) para averiguar se houve fraude na jornada trabalhista dos rodoviários. A investigação foi motivada pelo aumento de afastamentos de profissionais por adoecimento.

Rayllanna Lima - TB
foto - ilustração
As 20 empresas de ônibus que atuavam individualmente no transporte público da capital baiana vão passar por auditoria. Em operação realizada nessa sexta (04/9), O Ministério Público do Trabalho (MPT) recolheu arquivos digitais que estavam na sede do Sindicato das Empresas de Transporte Público de Salvador (Setps) para averiguar se houve fraude na jornada trabalhista dos rodoviários. A investigação foi motivada pelo aumento de afastamentos de profissionais por adoecimento.
O mandato de busca e apreensão foi cumprido pelo MPT em sigilo, visto que as empresas, mesmo sob autos de infração, se recusaram a permitir o acesso aos dados trabalhistas dos rodoviários.
“Inicialmente o grupo de fiscalização notificou as empresas para permitir acesso aos dados do sistema, e esse acesso não foi disponibilizado. Em função disso, foram lavrados autos de infração pela fiscalização, que também não foram suficientes para fazer com que esses dados fossem fornecidos. Daí a necessidade de ajuizar uma ação civil pública”, explicou o procurador do MPT, Rômulo Almeida.
Na sede do Setps, o Grupo Especial de Fiscalização do Trabalho em Transportes (Getrac) coletou do sistema de gerenciamento da frota de transportes urbanos de passageiros de Salvador informações de 42 milhões de viagens realizadas nos últimos cinco anos (de agosto 2010 a fevereiro de 2015). Os arquivos serão comparados com a documentação da jornada trabalhista dos rodoviários que foi entregue pelas empresas.
“Os dados coletados vão permitir o trabalho de auditoria para fazer a verificação do cumprimento das normas trabalhistas. O registro das empresas pode não ser fidedigno, e que tenham sido deixadas de serem pagas eventuais verbas trabalhistas, a exemplo de horas extras dos trabalhadores”, destacou o auditor fiscal do trabalho da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE), Jansen Lima e Silva.
De acordo com ele, a investigação se deu em decorrência de um aumento de afastamentos de profissionais da categoria. “O critério utilizado para definição foi o afastamento [de rodoviários] por doenças de trabalho. Cidades em que a quantidade de adoecimentos é significante, foi um fator determinante para que [as empresas] entrasse na rotina de fiscalização do MPT. E Salvador se destacou nesse critério”, explicou.
Além de um oficial de Just participaram da ação três procuradores do MPT e dois auditores do TEM, com apoio da Polícia Federal. No entanto, não houve resistência por parte do Setps.
Fonte - Tribuna da Bahia  05/09/2015 

Movimento no Ferry Boat deixa trânsito lento no Comérico

Travessia marítima

Movimento intenso no terminal marítimo de São Joaquim deixa trânsito congestionado na região da Calçada no bairro do Comercio

A Tarde
Da Redação

foto - ilustração
O trânsito no bairro da Comércio está congestionado neste sábado, 5, devido ao grande movimento de saída da cidade por meio de ferryboat, no Terminal Marítimo de São Joaquim. De acordo com a Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador), a lentidão causa complicações no fluxo até o Largo dos Mares.
Ainda segundo o órgão, na região da rodoviária, o trânsito é intenso, porém sem retenção.
Até as 12h deste sábado foram registrados pela Transalvador três acidentes na capital, sem feridos.
Fonte - A Tarde  05/09/2015

Corveta da Marinha do Brasil resgata imigrantes no Mar Mediterrâneo

Internacional

Duzentos e vinte imigrantes foram resgatados na tarde dessa sexta-feira (4) no Mar Mediterrâneo pela corveta Barroso da Marinha do Brasil.O navio brasileiro navegava com destino a Beirute, no Líbano, quando recebeu um alerta do Centro de Busca e Salvamento Marítimo italiano sobre a existência de uma embarcação com risco de afundar, tendo a bordo imigrantes que iam para a Europa.

Da Agência Brasil
Divulgação/Ministério da Defesa
Duzentos e vinte imigrantes foram resgatados na tarde dessa sexta-feira (4), no Mar Mediterrâneo, pela corveta Barroso da Marinha do Brasil, segundo informou o Ministério da Defesa em nota publicada em seu site. O navio brasileiro navegava com destino a Beirute, no Líbano, quando recebeu um alerta do Centro de Busca e Salvamento Marítimo italiano sobre a existência de uma embarcação com risco de afundar, tendo a bordo imigrantes que iam para a Europa.
Segundo o ministério, O pedido de auxílio ocorreu às 13h30 (horário de Brasília). O centro de busca italiano solicitou ao navio brasileiro que se aproximasse da posição da embarcação, que estava a cerca de 150 milhas da terra mais próxima, Peloponeso, na Grécia. A corveta Barroso chegou ao local após navegar durante uma hora. O ministro da Defesa, Jaques Wagner, foi informado dos detalhes da operação, pelo comandante da Marinha, almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira, e falou sobre a operação de resgate.
"O navio estava indo para o Líbano e acabou cumprindo outra missão humanitária, que é o resgate de refugiados, hoje uma preocupação que aflige o mundo inteiro. Foram salvas 220 vidas e evitamos outras mortes como a daquela criança síria que chocou o mundo", disse o ministro. Entre as pessoas regatadas estavam 94 mulheres, 37 crianças e quatro bebês de colo (muitos deles debilitados).
De acordo com a nota do Ministério da Defesa, dois navios-patrulha italianos participaram da ação, mas, tendo em vista a impossibilidade de receberem os imigrantes a bordo, a Guarda Costeira italiana solicitou o apoio dos brasileiros para fazer o resgate e levá-los para o porto italiano de Catânia.
A corveta Barroso saiu do Rio de Janeiro no dia 8 de agosto para substituir a fragata União na Força-Tarefa Marítima das Nações Unidas (FTM-Unifil), no Líbano. Ela vai atuar, ainda este mês, como nau-capitânia da missão e fazer tarefas de interdição marítima e capacitação da Marinha libanesa. O Brasil comanda a FTM-Unifil desde 2011.
Fonte - Agência Brasil  05/09/2015

CBTU Belo Horizonte dá início à última fase de testes com a nova frota

Transportes sobre trilhos

Durante o período de testes, o trem circulará nas estações apenas para verificação dos requisitos e não será permitido o embarque de pessoas. A CBTU Belo Horizonte trabalha para que toda a frota esteja à disposição da população no menor prazo possível e, ainda, neste segundo semestre de 2015.

CBTU
foto - ilustração
A CBTU Belo Horizonte deu início nesta quarta-feira (3/9) à última bateria de teste válida para os novos trens que passarão a integrar a frota da CBTU Belo Horizonte, nos próximos meses. O teste em questão avaliará as condições de desempenho, comportamento dinâmico e conforto no interior das composições e segue até o próximo dia 13 de setembro.
Durante o período de testes, o trem circulará nas estações apenas para verificação dos requisitos e não será permitido o embarque de pessoas. A CBTU Belo Horizonte trabalha para que toda a frota esteja à disposição da população no menor prazo possível e, ainda, neste segundo semestre de 2015.
Os novos trens entrarão em operação, gradativamente, junto com a frota atual, elevando de 25 para 35 trens o total de composições nos próximos anos. Até o momento, foram entregues à CBTU Belo Horizonte nove trens e todas as composições vêm passando por testes obrigatórios antes da entrada em circulação.
Cada composição de quatro carros tem capacidade para transportar em média 1300 passageiros por viagem. Com a incorporação dos novos trens, a Companhia espera ampliar em cerca de 50% a oferta de transporte na capital e Região Metropolitana.
Fonte - ABIFER  04/09/2015

Donos de carros devem sim financiar o transporte público, diz especialista

Mobilidade

Em carta aberta ao ministro das Cidades Gilberto Kassab, o consultor em transportes Marcelo Blumenfeld defende o repasse dos tributos sobre automóvel aos municípios.Recursos devem ser repassados a ônibus, trens, ciclofaixas....

 Marcelo Blumenfeld* - Mobilize
Fernando Frazão/ Agência Brasil
"Carta aberta ao ministro das Cidades Gilberto Kassab.
Prezado Ministro Gilberto Kassab,
Em virtude de sua recente afirmação sobre a contribuição de motoristas para o financiamento do transporte público, decidi escrever-lhe esta carta para apresentar alguns fatos.
Antes de tudo, gostaria de ressaltar que concordo plenamente que o brasileiro já está saturado com impostos. Porém, tal afirmação torna-se tendenciosa e política ao buscar apoio por meio de ameaças teóricas.
Para que se financie a melhora do transporte público, não é necessário impor um imposto adicional aos carros, e sim melhorar a legislação do repasse dos tributos sobre automóveis para os municípios. Não vou citar Londres e outras cidades de países desenvolvidos, pois muitos rangem e batem no peito que São Paulo não é Amsterdã. Não é mesmo, mas o repasse do IPVA diretamente à melhoria dos transportes públicos é uma conta lógica ao invés de uma medida populista a la “Robin Hood” para tirar dos ricos e dar aos pobres.
Atualmente, não há legislação sobre a utilização da arrecadação com o IPVA, nem mesmo para melhoria das vias. O IPVA é coletado pelo Estado. Deste montante, parte fica com o Estado para obras de maior porte, e parte é repassada proporcionalmente aos municípios. Estes valores não tem destino fixo na legislação brasileira, podendo ser aplicados em qualquer área. Pois bem, é um valor muito alto que poderia beneficiar consideravelmente a mobilidade nas cidades. Apenas em São Paulo, o Estado arrecadou quase 2 bilhões de reais no último ano. Imagine a extensão das melhorias que tal valor traria às cidades.
Tal repasse não é uma punição aos motoristas por usarem seus carros. O uso dos impostos sobre carros e motoristas é um ajuste sobre as externalidades causadas por eles. Pense bem. Os automóveis privados, apesar de transportarem cerca de 20% dos passageiros, ocupam 60% das vias públicas, enquanto os ônibus que transportam 70% dos passageiros, ocupam 25% do espaço viário nas grandes cidades brasileiras. Além disto, há também as estruturas para acomodar tal frota.
Um recente estudo da Poli-USP constatou que 25% (isto mesmo, um quarto) da área construída de São Paulo serve apenas para acomodar os automóveis. Imagine quanto das cidades poderia ser usado para habitação, cultura, lazer e comércio com este espaço. Por fim, e não menos importante, os carros são responsáveis por aproximadamente 70% das emissões globais dos transportes, que já chegam a 25% do total mundial (Agência Internacional de Energia).
Portanto, senhor ministro, os impostos sobre o uso do automóvel devem sim ser usados para financiar o transporte público. Não como punição, e sim a mérito de justiça. Caso contrário, as ruas deveriam ter 70% do espaço dedicado aos ônibus e apenas 30% aos carros. Além disto, os subsídios concedidos aos motoristas em forma de recapeamento, sinalização, manutenção e gerenciamento de tráfego não são usufruídos por não-motoristas, enquanto os transportes públicos são de absoluto direito de quem possui um carro.
O senhor, como ministro das Cidades, tem como objetivo a melhoria da qualidade de vida, da redução da desigualdade, da competitividade econômica e da sustentabilidade nas cidades brasileiras. E hoje, ao contrário de algumas décadas atrás, já está comprovado que uma cidade não atingirá seus objetivos apostando no carro como meio principal de transportes. Até mesmo Los Angeles, cuja frota de automóveis supera sua população, está reformando seu urbanismo.
Se, em sua função, o objetivo é equilibrar nossas cidades, há uma necessidade urgente de que esses recursos sejam repassados aos ônibus, à construção de metrôs e novas linhas de trens, ciclofaixas e melhores calçadas. Pois motoristas relutarão em trocar o carro pelo transporte público enquanto este não for de qualidade e conveniência competitiva. E, para que sejam competitivos, há de se usar os recursos captados das externalidades.
Além disto, tal medida é muito mais benéfica no longo prazo. Gostaria de apresentar ao senhor o conceito do efeito Mohring, do economista americano que demonstrou que um subsídio inicial para diminuir o intervalo dos ônibus em uma linha traz retornos financeiros a longo prazo através da maior demanda.
Outro estudo, que compara os custos públicos em acidentes, saúde, espaço etc., mostra que enquanto carros CUSTAM para a sociedade, esta GANHA economicamente quando este mesmo motorista usa a bicicleta. Mas para isto, é necessário que se invista na infraestrutura de qualidade que convença o motorista à troca. Logo, há de se usar o dinheiro do motorista que custa para a sociedade.
Portanto, senhor ministro, enquanto concordo com a impossibilidade de novos impostos sobre o uso do carro, escrevo-lhe esta carta aberta para mostrar que tal medida não é a única saída. Espero ter-lhe mostrado que a solução está no repasse dos impostos já cobrados, como é feito em diversos outros países. Tal repasse não significa uma penalidade, e sim o ajuste socio-econômico para que todos os habitantes tenham acesso à qualidade de vida e oportunidades.
Se quer o bem das cidades, não se torne refém do carro. A legislação correta pode fazer muito mais do que o senhor parece imaginar."
*Marcelo Blumenfeld é mestre em planejamento de transportes pela Universidade de Leeds, e doutorando em engenharia de sistemas no Birmingham Centre for Railway Research da Universidade de Birmingham. É fundador da AHEAD Innovation Strategies, e integra o grupo de pesquisa e desenvolvimento da consultoria de transportes inglesa JMP Consultants. Foi palestrante convidado no TEDx University of Leeds em 2012.
Fonte - Mobilize  04/09/2015

CBTU recebe terceira turma de assistentes de Segurança Metroferroviária

Transportes sobre trilhos

Todos os novos funcionários passarão por treinamento específico, com carga horária de 448 horas/aula e previsão de término em dezembro de 2015.Segundo a analista de gestão da Coordenadoria Operacional de Desenvolvimento em RH

CBTU

A CBTU Belo Horizonte realiza nesta e na próxima sexta-feira, 4 e 9 de setembro, no auditório do CCO, o Treinamento de Integração da terceira turma de assistentes de Segurança Metroferroviária admitidos em Concurso Público realizado em 2012. Ao todo, são 53 funcionários divididos em duas turmas. Todos os novos funcionários passarão por treinamento específico, com carga horária de 448 horas/aula e previsão de término em dezembro de 2015.
Segundo a analista de gestão da Coordenadoria Operacional de Desenvolvimento em RH, Vera Medeiros, a atividade visa transmitir aos funcionários recém-admitidos noções básicas sobre as estruturas organizacionais da CBTU e em particular da Superintendência de Belo Horizonte, tais como: organograma, plano de emprego e salário, apresentação das áreas de RH, Operação e Manutenção e temas relativos a comportamento, comunicação, segurança do trabalho e treinamento específico para as atividades de Segurança Pública. Também serão apresentadas as estruturas organizacionais do Grêmio Recreativo (GREDEM) e do Sindicato dos Metroviários (SINDIMETRO – MG).
Esta é a última turma de Segurança Metroferróviária remanescente do concurso de 2012. Com a atual convocação, completa-se o quantitativo de 170 vagas abertas para o certame.
Fonte - CBTU  04/09/2015

Instituto de Engenharia promove visita técnica à operação - teste do VLT entre Santos e São Vicente

Transportes sobre trilhos

O Instituto de Engenharia promove visita técnica à operação - teste do VLT entre Santos e São Vicente em 22 de setembro, a partir das 8h, iniciando-se na sede (Av. Dr. Dante Pazzanese, 120, na Vila Mariana, em São Paulo).

Instituto de Engenharia - ABIFER
foto - ilustração
Detalhes do empreendimento: O VLT – Veículo Leve sobre Trilhos é um veículo elétrico, não poluente, de piso baixo, de média capacidade, para 80 mil passageiros/dia, constituído de trilhos em via permanente e rede aérea em 750 Vcc.
Valor total do investimento: R$ 1,1 bilhão (projetos, obras civis, veículos e sistemas do trecho Barreiros em São Vicente – Porto em Santos + projetos completos do trecho Conselheiro Nébias – Valongo em Santos)

Trecho Barreiros – Porto: Extensão: 11,5km - 15 estações (oito em São Vicente e sete em Santos)
As obras contam, no momento, com 350 pessoas. Estando 70% concluído, incluindo a via permanente, as subestações elétricas nas estações: Mascarenhas de Moraes, Emmerich e José Monteiro, o novo Viaduto Emmerich com viário inferior completo, em São Vicente, túnel José Menino, na divisa dos Municípios, e 9 estações.
A situação atual das obras: pavimentação na Avenida Francisco Glicério, entre as avenidas Ana Costa e Washington Luiz, em Santos, e a passagem de nível na rua Silva Jardim.
Os veículos estão em regime de operação assistida e entrarão em operação comercial definitiva no início de 2016. De um total de 22 veículos contratados, sete encontram-se na Baixada Santista, quatro nas vias permanentes e três no pátio de manobras em construção.

Características dos veículos: 2,65m de largura por 44m de comprimento e 3,20m de altura; capacidade para 400 usuários; velocidade média de 25 km/h (a máxima é de 80 km/h); ar condicionado e piso 100% baixo, facilitando a movimentação de usuários com dificuldade de locomoção.
Sistemas / Sinalização incluem o suprimento de energia, sinalização, telecomunicações e controle de arrecadação e de passageiros.

Roteiro da visita técnica programada: 8:00 h – Apresentação técnica do VLT, realizada pelo Eng. Carlos Romão Martins - Gestor da obra do VLT, na sede do Instituto de Engenharia;
9h15 – Traslado para a cidade de Santos em vans ou ônibus;
10h30 - Chegada à Estação Pinheiro Machado, em Santos (Rua Dr. Gaspar Ricardo, próximo a Av. Pinheiro Machado), em extensão de 8 km e 9 estações;
Embarque no VLT com destino a São Vicente e retorno à Estação Pinheiro Machado;
Mais informações - http://www.abifer.org.br/Noticia_Detalhe.aspx?codi=18533&tp=1
Fonte - ABIFER  04/09/2015

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Capacidade instalada de eólicas deve chegar a 5% da matriz energética este ano

Sustentabilidade

No mês passado, o setor atingiu chegou a 7.068,7 GW. O total corresponde a 5% da matriz energética do Brasil. Segundo a Associação Brasileira de Energia Eólica), existem atualmente 281 parques eólicos em 11 estados.

Revista Amazõnia

A energia eólica deve fechar o ano com capacidade instalada de 9 gigawatts (GW). No mês passado, o setor atingiu chegou a 7.068,7 GW. O total corresponde a 5% da matriz energética do Brasil. Segundo a Associação Brasileira de Energia Eólica), existem atualmente 281 parques eólicos em 11 estados. Desde 2009, quando essa fonte passou a integrar a matriz elétrica brasileira, foram contratadas nos leilões de energia cerca de 13 GW de potência instalada.
A associação estimou ainda que, até o fim do ano, os investimentos somarão R$ 8 bilhões e serão criados mais 19 mil postos de trabalho.
Pelos cálculos do setor, diante das perspectivas de longo prazo, o potencial de produção no Brasil é de atingir 400 GW, sendo a maior parte nas regiões Nordeste e Sul, mas há expectativas positivas também para os estados de São Paulo, de Minas Gerais e do Espírito Santo.
Os dados foram apresentados na abertura do Brazil Windpower, encontro que reúne, até quinta-feira (3), no centro do Rio, integrantes da cadeia produtiva, investidores e especialistas do setor.
Para o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, a energia eólica já contribui para a segurança energética brasileira. Ele disse que a portaria assinada nesta terça-feira (1º), que será publicada amanhã (2) no Diário Oficial da União, definindo a revisão anual da garantia física dos parques eólicos, vai permitir a redução do preço dessa fonte de energia.
“A revisão de garantia física, que habilita esse gerador de energia elétrica a participar dos leilões, o que, muito provavelmente, aumentará ainda mais a possibilidade de disputa nos leilões, trará talvez uma redução ainda maior no preço de energia eólica”, afirmou.
O governador do Rio Grande do Norte, Robson Faria, que também participou do encontro, lembrou que o estado é o maior produtor de energia eólica do país e conta com “o melhor vento do mundo” em constância e velocidade, o que favorece os resultados. De acordo com Faria, atualmente, o estado tem 2,5 GW de potência e capacidade de dobrar esse patamar até 2018. “Hoje temos 81 parques eólicos, 22 em construção e 77 já autorizados e em vias de ser construídos.”
Fonte - Revista Amazônia  04/09/2015 

Portal do Ministério das Cidades oferece capacitação gratuita em gestão urbana

Desenvolvimento Urbano

A plataforma de educação a distância batizada de Capacidades foi desenvolvida com o objetivo de qualificar técnicos, gestores e agentes sociais dos municípios, estados e do Distrito Federal, além de instituições responsáveis pela elaboração, implementação e avaliação da política urbana.

Sedur
foto - ilustração/Salvador
O Ministério das Cidades lançou um portal onde apresenta, de forma gratuita, ferramentas de capacitação, estudos e experiências sobre o desenvolvimento e gestão das cidades. A plataforma de educação a distância batizada de Capacidades foi desenvolvida com o objetivo de qualificar técnicos, gestores e agentes sociais dos municípios, estados e do Distrito Federal, além de instituições responsáveis pela elaboração, implementação e avaliação da política urbana.
Ao realizar cadastro no portal, o usuário consegue fazer download de publicações e vídeos, realizar pesquisas e consultar o Dicionário do Desenvolvimento Urbano, cadastrar experiências, receber o boletim periódico com informações atualizadas e consultar a agenda de atividades. Também é possível realizar inscrição em seminários, oficinas, cursos online, fóruns de debate, chats com especialistas etc.
O aplicativo Capacidades, disponível gratuitamente na loja virtual Google Play e, em breve, na Apple Store, também é um aliado do portal na transmissão do conhecimento.

Mais informações no e-mail  - ead.capacidade@cidades.gov.br.
Clique aqui e acesse o portal Capacidades - http://www.capacidades.gov.br/
Fonte - Sedur Ba. 04/09/2015

Festival de Documentários de Cachoeira é opção para feriado

Cultura

A mostra competitiva, que este ano recebeu mais de 300 trabalhos, começou na quarta-feira (2). Vinte e um trabalhos foram escolhidos para participar da premiação. “O grande número de inscritos mostra como o festival vem crescendo e consolidando seu espaço no calendário nacional”, diz Leonardo Costa, um dos sócios da Ritos Produções, que promove o evento em parceria com o curso de Cinema da UFRB.

Secom
foto - Gabriel Teixeira/Secom
Reunindo trabalhos de cineastas nacionais e estrangeiros, o VI Festival de Documentários de Cachoeira (CachoeiraDoc) é uma ótima opção para este fim de semana. O evento, que tem o apoio do Fundo de Cultura do Governo do Estado, conta com uma mostra competitiva e outras quatro temáticas, além de debates e apresentações musicais. As atividades seguem até segunda-feira (7) e acontecem no Cine Theatro Cachoeirano e no Centro de Artes, Humanidades e Letras da Universidade Federal do Recôncavo (UFRB), uma dos realizadores do evento.
A mostra competitiva, que este ano recebeu mais de 300 trabalhos, começou na quarta-feira (2). Vinte e um trabalhos foram escolhidos para participar da premiação. “O grande número de inscritos mostra como o festival vem crescendo e consolidando seu espaço no calendário nacional”, diz Leonardo Costa, um dos sócios da Ritos Produções, que promove o evento em parceria com o curso de Cinema da UFRB.
Na programação da mostra competitiva estão 13 curtas-metragens e oito médias e longas. Entre os selecionados concorrem os baianos ‘A loucura entre nós’ (Bahia, 2015, 78 min.), de Fernanda Vareille, ‘Ana’ (Bahia, 2015, 20 min.), de Camila Camila, ‘Eu, travesti?’ (Bahia, 2014, 4 min.), de Leandro Rodrigues, e ‘O mar, a mata e a humanidade’ (Bahia, 2015, 6 min.), do Coletivo Cinema e Sal.

Mostras temáticas
Um das mostras temáticas é 'Soy Cine', cujo foco é a produção recente de cineastas que atuam em Cuba. Outra é 'Perspectivas do Espaço e Imersões Sensoriais', fruto do laboratório experimental da Universidade de Harvard (EUA). As demais são a 'Mostra do Cinema na Real', em parceria com as escolas públicas de Cachoeira, e 'Clássicos do Real', que homenageia o cineasta baiano Guido Araújo.
Desde sua primeira edição, o CachoeiraDoc conta com recursos do Fundo de Cultura, mecanismo da Secretaria de Cultura do Estado (Secult) e da Secretaria da Fazenda (Sefaz). “Nos primeiros anos, participamos de editais avulsos, mas para as três últimos edições conseguimos o edital para eventos culturais calendarizados. Este ano, o recurso proveniente do fundo foi de R$ 180 mil, usados tanto para a realização do festival propriamente dita, como para passagens e estadia dos participantes convidados”, enfatiza Leonardo Costa. Mais informações sobre a programação no site do festival.
Fonte - Secom Ba.  04/09/2015

Incêndio ameaça o Parque Nacional de Chapada dos Guimarães

Meio Ambiente

Bombeiros trabalham no combate a incêndio próximo ao Parque de Chapada dos Guimarães. Patrimônio em risco,ao todo, quase 240 homens trabalham para controlar as chamas que atingem as imediações do parque, que foi fechado para visitações

Yuri Ramires - Diário de Cuiabá

O Parque Nacional de Chapada dos Guimarães, um dos principais atrativos turísticos de Mato Grosso, estará fechado a partir de hoje – por tempo indeterminado – devido a um incêndio florestal que atinge as imediações da unidade de conservação.
Ao todo, quase 240 homens trabalham para controlar as chamas.
Conforme as informações do Instituto Chico Mendes (ICMBio), que administra o patrimônio, até a tarde de ontem o fogo não havia atingido o interior do parque.
“A decisão de suspender a visitação, no entanto, foi tomada para garantir a segurança das pessoas e permitir que servidores e brigadistas possam atuar no combate ao incêndio”, disse a assessoria de comunicação do ICMBio.
Conforme a chefia do parque, parte das instalações do local está sendo usada como apoio para o trabalho dos bombeiros militares.
“O estacionamento, por exemplo, vem servindo para pouso e decolagem de helicópteros da PM que auxiliam no combate às chamas”, contou a direção do instituto.
Ainda não se sabe a origem do fogo, mas o instituto acredita que seja criminosa e que tenha começado na quarta-feira, próximo a uma estrada vicinal.
Conforme o Corpo de Bombeiros, a situação no local é delicada, uma vez que há dois focos no parque. Em um, 40 brigadistas do ICMBio fazem o trabalho.
No outro, bem maior, segundo o coronel Ruberval de Barros, 50 militares do exército e 150 bombeiros se concentram no combate, que está chegando próximo à comunidade Coxipó do Ouro.
“São dois grandes trabalhos, contamos com o auxílio de duas aeronaves e três viaturas de combate rápido. Só teremos dados atualizados no decorrer do dia de hoje”, disse Barros, por telefone.

PERÍODO PROIBITIVO – a Secretaria de Estado e Meio Ambiente (Sema) deve divulgar hoje o resultado de uma reunião visando a prorrogar o período proibitivo de queimadas, que começou em 15 de julho e vai, a princípio, até o dia 15 de setembro.
A decisão de prorrogar ou não está nas mãos da secretária Ana Luiza Peterlini.
Fonte - Diário de Cuiabá  04/09/2015

Instaladas primeiras catracas eletrônicas do MetroFor

Transportes sobre trilhos

Segundo o Metrofor, até o fim do ano, o sistema de bilhetagem eletrônica estará em funcionamento – um avanço tecnológico necessário para a futura integração das passagens entre metrô e ônibus. Com ele, os bilhetes de papel serão gradativamente substituídos por cartões eletrônicos recarregáveis.

Metrofor
Metrofor
As primeiras catracas eletrônicas da Linha Sul do Metrô de Fortaleza já estão em fase de implantação na Estação Chico da Silva, no bairro Moura Brasil (acesso em frente ao Cemitério São João Batista). Foram contratadas 200 no total e as estações subterrâneas serão as primeiras a receber os equipamentos.
Segundo o Metrofor, até o fim do ano, o sistema de bilhetagem eletrônica estará em funcionamento – um avanço tecnológico necessário para a futura integração das passagens entre metrô e ônibus. Com ele, os bilhetes de papel serão gradativamente substituídos por cartões eletrônicos recarregáveis.
O trecho leste do projeto será entregue até o fim do ano. “A questão das desapropriações nessa área está praticamente resolvida. Faltam quatro casas e a questão já está equacionada, faltando apenas a remoção. E agora temos uma previsão confiável de entregar até o final do ano. Esse é um benefício que a população vai sentir”, destacou Lúcio Gomes, secretario das Cidades.
Em visita às obras, o secretário das Cidades, Lúcio Gomes, garantiu que uma alça elevada dará acesso para quem trafega na José Bastos e deseja entrar na Padre Cícero. No sentido contrário, o acesso será garantido por uma alça de nível. Após esta etapa da visita, os gestores da Metrofor visitaram as obras da estação Juscelino Kubistchek e seguiram de metrô até o Pátio de Manutenção Vila das Flores – lugar onde os VLTs da Linha Oeste e trens elétricos da Linha Sul passam por manutenções corretivas e preventivas.
Além de Lúcio, Hotz e diretores da Metrofor, estavam na equipe o secretário executivo da Secretaria das Cidades, Ronaldo Borges, e o secretário adjunto da pasta, Quintino Vieira.
Fonte - Revista Ferroviária  04/09/2015

Movimento é intenso no Ferry Boat na manhã desta sexta

Travessia marítima

Internacional Travessias diz que tempo de espera é pequeno.De acordo com a assessoria da Internacional Travessias, que opera o ferry, a maior procura ainda é de usuários que diariamente utilizam o sistema como transporte para ir ao trabalho nas diversas localidades da ilha. 

A Tarde
Da Redação
Raul Spinassé /Ag. A TARDE
Salvador - O movimento no sistema ferryboat é intenso no Terminal de São Joaquim, em Salvador, na manhã desta sexta-feira, 4, dia que antecede o feriadão de 7 de Setembro, quando se comemora a Independência do Brasil.
De acordo com a assessoria da Internacional Travessias, que opera o ferry, a maior procura ainda é de usuários que diariamente utilizam o sistema como transporte para ir ao trabalho nas ilhas. Mas a demanda por conta do feriado deve aumentar no decorrer do dia.
O órgão informou que há filas tanto de pedestres como de veículos. Com relação aos carros, a situação afeta o trânsito nas imediações da Feira de São Joaquim. Segundo a Internacional Travessias, mesmo com fila, o tempo de espera não é longo e os usuários aguardam apenas a saída do primeiro ferry.
Seis embarcações fazem a travessia nesta manhã. Mas existe outro ferry que está na reserva, podendo ser utilizado caso haja demanda. A previsão é que 102.308 passageiros e 13.676 veículos utilizem o sistema entre esta sexta e terça, 8.

Comércio
No Terminal Turístico Náutico da Bahia, no Comércio, o movimento de passageiros é tranquilo. As embarcações realizaram a travessia em 30 e 30 minutos.
Fonte - A Tarde  04/09/2015

Passageiros do Metrô de Brasília quebram trens após falha em estação

Notícias

A demora da operação causou revolta nos usuários que estavam nos trens seguintes. Os passageiros embarcados quebraram vidros, saíram dos vagões e invadiram os trilhos eletrificados.

Maiana Diniz 
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
O Metrô de Brasília ficou parado por cerca de uma hora nesta quinta-feira (3) após uma confusão no trecho entre as estações Guará e Arniqueira, em Águas Claras. Por volta das 17h30, um trem apresentou falha no sistema pneumático, responsável pelo fechamento e abertura de portas. Os passageiros tiveram de descer do veículo e o trem precisou ser rebocado.
A demora da operação causou revolta nos usuários que estavam nos trens seguintes. Os passageiros embarcados quebraram vidros, saíram dos vagões e invadiram os trilhos eletrificados.
Para evitar acidentes, os técnicos do Metrô desligaram todo o sistema. As 24 estações foram fechadas e só voltaram a operar às 20h03. Segundo a assessoria de imprensa do Metro de Brasília, cinoco trens foram danificados. Ninguém ficou ferido e não houve confronto com os seguranças.
Fonte - Agência Brasil  04/09/2015

Panamá assina contrato para construção da linha 2 do metrô

Transportes sobre trilhos/Internacional

No dia 20 de maio, o consórcio formado pela Odebrecht e a espanhola Fomento, Contratas y Construcciones (FCC) ganhou a licitação para construir a linha 2 do metrô ao apresentar uma oferta financeira de US$ 1,857 bilhão.

Agência EFE - RF
foto - ilustração
A Controladoria do Panamá publicou nesta quinta-feira em seu site a assinatura do contrato para a construção da linha 2 do metrô da capital do país, cuja licitação foi vencida pelo consórcio liderado pela Odebrecht.
O aval da Controladoria era o último passo para o início das obras, que terão duração de 44 meses e incluem 16 estações e 22 quilômetros de linha que vão desde Tocumen, na região leste da Cidade do Panamá, até o bairro de San Miguelito, na zona norte, onde terá conexão com a linha 1.
No dia 20 de maio, o consórcio formado pela Odebrecht e a espanhola Fomento, Contratas y Construcciones (FCC) ganhou a licitação para construir a linha 2 do metrô ao apresentar uma oferta financeira de US$ 1,857 bilhão.
O governo do Panamá aprovou no final de julho essa oferta e informou que a suposta participação da empresa nos escândalos de corrupção na Petrobras não representa um risco financeiro ao projeto e nem afeta o andamento das obras.
A linha 1 do metrô da Cidade do Panamá, de 16 quilômetros de extensão, também foi construída pela Odebrecht e a FCC a um custo aproximado de US$ 2,1 bilhões e entrou em funcionamento em abril de 2014.
Fonte - Revista Ferroviária  04/09/2015

Governos de Sergipe e da Bahia discutem ações conjuntas para o turismo

Turismo

A ideia é criar APL’s para integrar a atividade nos municípios localizados na divisa dos dois estados,propiciando a criação de cooperativas de trabalho envolvendo todos os atores do turismo na região da divisa

ASN
foto - ilustração/Mangue Seco Ba
O Governo de Sergipe, através da Secretaria de Estado do Turismo e do Esporte (Setesp) e o Governo da Bahia, através da Bahiatursa, realizaram nesta quinta-feira,03, em Salvador/BA, o primeiro encontro para discutir e planejar ações capazes de garantir amplo desenvolvimento da atividade turística nos municípios localizados na divisa dos dois estados, propiciando o desenvolvimento do turismo na região centro-sul sergipano e norte baiano.
A ideia é criar APLS’s (Arranjo Produtivo Local) propiciando a criação de cooperativas de trabalho envolvendo todos os atores do turismo na região da divisa. As sedes dessas cooperativas serão em Mangue Seco (BA) e outra na Praia do Saco (SE). Desse modo, os dois governos, de maneira integrada, pretendem consolidar efetivamente o turismo integrado como fonte geradora de emprego e renda, através de uma maior permanência do turista nessas regiões.
Na reunião foi definido que o trabalho de integração traga também a adoção de políticas públicas comuns aos dois estados, de modo a canalizar os interesses comuns das comunidades localizadas nas regiões centro-sul de Sergipe e norte da Bahia, desenvolvendo-se a idéia de “cluster” turístico. Além disso, se discutiu ações comuns para a capacitação na área do turismo, principalmente para pessoal de operação de embarcações, dentre outras.
Nesse primeiro encontro estiveram presentes técnicos da Bahiatursa, da Setesp (SE), CDL de Estância, Universidade Federal da Bahia e Fecomércio/SE. Um próximo encontro será agendado com a ampliação do número de entidades e de representantes das comunidades envolvidas com o turismo nas regiões dos dois estados.
foto - ilustração/Prais do Saco Se
O secretário de Estado do Turismo e do Esporte (Setesp), Adílson Júnior, destaca que esses encontros para a discussão de políticas públicas comuns a dois estados, como Sergipe e Bahia, é sinal do amadurecimento não só dos gestores estaduais e municipais do Brasil, mas de todos os entes que compõem a cadeia produtiva do turismo. “São ações que realizadas vão melhorar ainda mais o desempenho da atividade turística na divisa de Sergipe e Bahia com pessoal capacitado para atender ao turista que fica maravilhado ao conhecer localidades como Praia do Saco e Pontal, em Sergipe e Mangue Seco, na Bahia”, disse o secretário.
Fonte - ASN/Ag. Sergipe de Notícias  03/09/2015

Manutenção preventiva de árvores ajuda a tornar as cidades mais verdes

Meio ambiente

É de extrema importância termos uma cidade mais verde, no entanto assim como qualquer espécie viva, é preciso cuidar para que estejam sempre fortes e saudáveis.

Graziela Lourensoni - RA

A questão da manutenção de árvores em áreas urbanas merece um cuidado especial, pois, se por um lado é importante ter cada vez mais áreas verdes compondo a paisagem urbana, por outro é fundamental a manutenção preventiva destas áreas, essa é a única forma de minimizarmos os casos de acidentes causados pela queda de árvores. É de extrema importância termos uma cidade mais verde, no entanto assim como qualquer espécie viva, é preciso cuidar para que estejam sempre fortes e saudáveis.
Outro ponto importante é o expressivo número de queda de árvores durante o período de chuvas. Em São Paulo, por exemplo, somente entre os meses de novembro de 2014 e fevereiro deste ano foi registrada a queda de cerca de 1700 árvores.
Diante dos números elevados de quedas, a questão que fica é: como combater o problema? A resposta é simples, por mais que estejamos passando por um longo processo de estiagem, é preciso investir na manutenção preventiva constante. O trabalho deve começar desde já, antes dos meses chuvosos, pois assim é possível realizar o tratamento adequado e minimizar drasticamente o número de árvores condenadas. Em grande parte das vezes, isso ocorre porque as árvores não recebem os cuidados necessários, são plantadas de forma incorreta ou em locais indevidos.
No entanto, quando falamos em manutenção preventiva, precisamos destacar que o corte ou a poda de uma árvore em local público ou particular depende de uma autorização da prefeitura municipal ou de um órgão estadual competente. Além disso, esse é um trabalho que só pode ser feito por profissionais capacitados, como engenheiros florestais, agrônomos, biólogos ou técnicos. Apenas um especialista poderá definir o momento ideal para as podas de limpeza, podas de galhos mortos, realizar a adubação correta e tratamento fitossanitário nas árvores para evitar a infestação de insetos.
Vale lembrar também que para cada etapa do processo de manutenção existem ferramentas específicas, como podadores de galhos, motosserras e sopradores, que são capazes de realizar o trabalho de forma correta e segura. Nesse sentido, o avanço tecnológico proporcionou melhorias expressivas ao segmento, com equipamentos mais potentes, versáteis, leves, ergonômicos e fáceis de manusear. Sem contar que, eles também são capazes de reduzir o consumo de combustível e emitir menos poluentes, minimizando impactos no meio ambiente.
Conhecer as espécies indicadas para serem plantadas em uma calçada ou no quintal de casa, por exemplo, e outro ponto que merece atenção. É preciso levar em consideração a profundidade da raiz para não prejudicar o calçamento, a altura que ela poderá atingir, evitando que interfira na fiação, e a firmeza dos galhos. Isso tudo deve ser estudado com atenção, para que a ideia de ter uma fonte de sombra e ar puro na porta de casa não se transforme em um problema e sim em mais qualidade de vida.
Fonte - Revista  Amazônia  03/09/2015

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

VLT pode ser mais eficaz que BRT em atrair usuários

Transportes sobre trilhos

“Fazendo um comparativo direto entre a solução Bus Rapid Transit e o VLT elétrico, um primeiro ponto a esclarecer é que, apesar de o custo de implantação de um VLT ser inicialmente maior, em longo prazo, os gastos da operação acabam sendo menores. A vida útil de um ônibus a diesel é, em média, de sete a dez anos e a do VLT, superior a 30 anos

Renato  Lobo
Viatrolebus

Frequentemente leitores desta página observam a falta de projetos de veículo leve sobre trilhos (VLT), principalmente quando é relatado construções que contemplam serviços de corredores de ônibus do tipo Bus Rapid Transit (BRT).
Comparar projetos de BRT com VLT pode ser desigual do ponto de vista do custo de implantação, assim como o carregamento do sistema, onde os corredores de ônibus apresentam vantagens.
Porém há quem defenda que em longo prazo o valor empregado no transporte sobre trilhos pode ser revertido. É o caso de Cristiano Saito, Diretor de Desenvolvimento de Negócios da Alstom. Em um artigo, Cristiano afirma que sistemas de VLTs podem ser em longo prazo mais vantajosos.
“Fazendo um comparativo direto entre a solução Bus Rapid Transit e o VLT elétrico, um primeiro ponto a esclarecer é que, apesar de o custo de implantação de um VLT ser inicialmente maior, em longo prazo, os gastos da operação acabam sendo menores. A vida útil de um ônibus a diesel é, em média, de sete a dez anos e a do VLT, superior a 30 anos. A solução de BRT envolve mais despesas com mão de obra, combustível e outras variáveis como recuperações da via, que acarretam mais custos ao longo do tempo” – afirma o diretor da empresa Francesa que produz composições.
O diretor diz ainda ser viável o reaproveitamento de antigas estruturas para novas Linhas de VLT, e questiona a implantação de VLTs movido à diesel.
“A utilização de estruturas de carga existentes (linhas em bitola métrica) permite, com a instalação de novos veículos, a implantação rápida de uma linha de transporte. Entretanto, por se basear em um traçado existente, nem sempre ligam os eixos prioritários de demanda. Esses veículos movidos a diesel ou biodiesel não apresentam também os mesmos benefícios, como melhor acessibilidade e menor poluição sonora, oferecidos pelo VLT elétrico” afirma Cristiano Saito.
Ele cita um estudo feito na Europa onde a migração do usuário do automóvel pode ser mais eficaz em um VLT do que em um sistema de ônibus. “Estudos de caso qualitativos realizados na Europa comprovam que a aceitação do VLT para a substituição do veículo próprio é maior do que a utilização do ônibus” – pontua.
O diretor da multinacional francesa não pontua os aspectos da pesquisa, mas não é difícil entender esta tendência levando em consideração o conforto dos veículos elétricos obtidos pela aceleração constante, frenagem suaves e baixo ruído.
Por outro lado, a que se considerar a urgência em que algumas cidades necessitam de sistemas eficazes de transporte cruzado com o baixo poder de investimento, acabando por optar por corredores de ônibus.
Fonte - Viatrolebus  03/09/2015

Apesar de cortes, obras de mobilidade estão mantidas

Mobilidade

A afirmação foi feita pelo Ministro das Cidades, Gilberto Kassab, durante o Seminário Nacional da NTU.“No ministério não haverá cortes (de projetos). Haverá alterações de prazos de entregas. Em alguns casos, não haverá nem alteração no prazo. Nós estamos falando de obras de longo prazo.

Evie Gonçalves
Agência CNT

foto - Divulgação/Ministério das Cidades
O ministro das Cidades, Gilberto Kassab, assegurou que, embora o LOA (Lei Orçamentária Anual) entregue pelo Poder Executivo ao Congresso Nacional preveja redução de investimentos para a pasta, os projetos de mobilidade urbana do país serão mantidos. A previsão é que o orçamento do ministério para 2016 fique em torno de R$ 17,5 bilhões. A afirmação foi feita durante o Seminário Nacional da NTU (Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos), nessa quarta-feira (2).
“No ministério não haverá cortes (de projetos). Haverá alterações de prazos de entregas. Em alguns casos, não haverá nem alteração no prazo. Nós estamos falando de obras de longo prazo. A economia hoje passa por dificuldades, mas podemos ter uma melhora daqui a um ou dois anos. O que está sendo reduzido em termos de investimentos este ano, pode ser compensado depois. Portanto, as grandes obras não sofrem alterações”, afirmou após palestra no evento.
Diversas propostas para alavancar a mobilidade urbana e os projetos de infraestrutura do país foram apresentadas durante o evento. Entre elas, se destacou a do secretário municipal de Transportes de São Paulo, de que os proprietários de automóveis passem a subsidiar o financiamento do transporte público por meio de uma nova taxação da gasolina. Gilmar Tatto explicou que a proposta está no âmbito da FNP (Frente Nacional dos Prefeitos), baseada em um estudo da FGV (Fundação Getúlio Vargas), realizado ano passado.
“Seria uma espécie de subsídio cruzado. O usuário do carro paga uma parte para o transporte coletivo, e este ajuda a cidade, em termos de mobilidade urbana, para quem usa o automóvel. A proposta pode colaborar no financiamento do transporte, não na infraestrutura. É mais para diminuir o valor da passagem ou até mesmo para financiar o sistema e, pelo menos, não aumentar o valor dela”, explicou Tatto.
De acordo com o estudo, caso os usuários de automóveis sejam onerado em R$0,10 no valor do litro da gasolina consumida, parte da tarifa pública dos ônibus seria financiada e, com isso, as passagens poderiam ser mantidas no mesmo patamar, mesmo com aumentos nos valores dos contratos.
O ministro das Cidades se posicionou contra a proposta. “Eu acredito que a população está no limite das suas contribuições. Eu sou contra e acredito que é possível criar outras formas de financiamento do transporte público, mas não tributando o cidadão. Ele já está no limite das suas possibilidades”, finalizou Gilberto Kassab.
Fonte - Agência CNT de Notícias  03/09/2015

Em quatro horas, PRF registra mais de 2 mil ultrapassagens perigosas

Trânsito

PRF faz operação para combater ultrapassagens irregulares. Esse tipo de infração é a principal causa de colisões frontais, segundo o órgão.Durante quatro horas, os patrulheiros flagraram 2.202 ultrapassagens em locais proibidos.

Da Agência Brasil
Arquivo/Marcello Casal Jr/Agência Brasil
As colisões frontais são os acidentes como maior potencial de morte nas estradas e são causadas, principalmente, pela ultrapassagem irregular, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF). Para combater esse tipo de infração, a PRF fez nessa quarta-feira (2) uma operação especial em 152 pontos de rodoviais federais de todo o país.
Durante quatro horas, os patrulheiros flagraram 2.202 ultrapassagens em locais proibidos. No ano passado, em média, 713 motoristas foram autuados diariamente por esse tipo de infração, conforme dados da PRF.
A ação foi a segunda etapa de uma série de operações temáticas, em que as unidades regionais da PRF promovem operações integradas aumentando a fiscalização de trânsito em seus trechos. Os policiais utilizam dados estatísticos para localizar os trechos com maior incidência de irregularidades cometidas pelos motoristas.
O motorista flagrado ultrapassando em locais de faixa contínua é punido com multa de R$ 957,70, além de 7 pontos na Carteira de Habilitação, mesmo valor pago para quem ultrapassar pela contramão. Se houver reincidência, em até um ano, o valor da multa dobra, passa a ser de R$ 1.915,40 mais a suspensão da carteira.
A primeira operação temática da PRF, na semana passada, foi para combater o excesso de velocidade. No próximo dia 10, o órgão reforçará a fiscalização para exigir o uso do capacete e coibir manobras irregulares com motocicletas.
Fonte - Agência  Brasil  03/09/2015

Após redução de velocidade, marginais tem queda de congestionamento

Trânsito

A publicação mostra um balanço inédito da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), onde houve redução no número de acidentes nas seis primeiras semanas de implantação da redução de velocidade nas vias.

Renato Lobo
Viatrolebus
foto - The Photographer
O índice de acidentes na Marginais Pinheiros e Tietê diminuiu, após a redução de velocidades máximas, medida polêmica da prefeitura de São Paulo. A Coluna de Monica Bergamo, da Folha de São Paulo, mostra dados que reforçam o objetivo da administração do prefeito Fernando Haddad, em reduzir acidentes. Os números contestam ainda o temor de motoristas em enfrentarem maiores congestionamentos.
A publicação mostra um balanço inédito da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), onde houve redução no número de acidentes nas seis primeiras semanas de implantação da redução de velocidade nas vias.
Comparando ao mesmo período do ano passado, o número de acidentes com vítimas (mortos e feridos) caiu 27%. Foram 159 em 2014, contra 116 em 2015. Já o número total de acidentes nas duas vias passou de 373 no mesmo período do ano passado para 317 agora.

Lentidão menor
A redução de lentidão foi de 12%, entre as 17h e as 19h, comparado com 2014. “A ciência existe justamente para isso: contrariar o senso comum e fazer ver que o mundo é de outro jeito. Se fosse pelo senso comum, o sol estaria girando ao redor da terra até hoje”, disse Haddad sobre os números.

Índice de multa
Outro argumento contrário a medida é a possível industria de multa. Mas um levantamento feito pela CET mostra que 385 mil veículos, do total de quase 7,9 milhões na cidade, foram responsáveis sozinhos por 50,6% das infrações de trânsito autuadas em 2014. 71% da frota não recebeu nenhuma multa durante o ano de 2014.
Fonte - Viatrolebus   03/09/2015

França registra 10% de desemprego no segundo trimestre

Internacional

Em relação a igual período do ano passado, a taxa de desemprego na segunda maior economia europeia, depois da economia alemã, aumentou três décimos, segundo a agência EFE.

Da Agência Lusa
foto - ilustração/Pregopontocom
A taxa de desemprego na França manteve-se estável no segundo trimestre em cerca de 10%, indicam dados estatísticos divulgados hoje, no momento em que o país continua a lidar com uma economia estagnada.
Em relação a igual período do ano passado, a taxa de desemprego na segunda maior economia europeia, depois da economia alemã, aumentou três décimos, segundo a agência EFE.
De acordo com os critérios da Organização Internacional de Trabalho (OIT), no segundo semestre havia 2.852.000 desempregados na França.
Entre abril e junho, a taxa de desemprego diminuiu seis décimos entre os jovens de 15 a 24 anos, chegando a 23,4%. Na faixa etária de 25 a 49 anos, houve decréscimo de dois décimos na taxa de desemprego, que atingiu 9,3%. Houve porém aumento de seis décimos para a população com idade superior a 50 anos. Para essa faixa etária, o desemprego agora equivale a 7%.
Fonte - Agência Brasil  03/09/2015

Sistema de compartilhamento de carros elétricos começa a funcionar em Recife

Sustentabilidade

São disponibilizados três veículos de aluguel, que não poluem e produzem pouco ruído.Os automóveis podem ser retirados e devolvidos entre 7h e 19h em cinco estações

João Vitor Pascoal
Diário de Pernambuco
foto - DP/D.A Press 
Eles não poluem o meio ambiente, ocupam menos espaço no trânsito e estarão à disposição dos recifenses a partir de hoje. O sistema de compartilhamento de automóveis elétricos Carro Leve, pioneiro no país, se inspira em exemplos que deram certo em grandes metrópoles ao redor do mundo, como Paris, Nova York e Xangai.
Ao todo serão três carros importados da China, fruto de iniciativa do Porto Digital em parceria com o governo do estado e o Ministério da Ciência e Tecnologia. Os automóveis funcionarão de forma similar ao Bike PE e podem ser retirados e devolvidos entre 7h e 19h em cinco estações localizadas nos bairros do Recife, São José, Santo Amaro e Derby.
Como são elétricos, não utilizam combustíveis fósseis para a circulação e não emitem dióxido de carbono (CO2), um dos gases responsáveis pelo efeito estufa, que seria despejado no ar recifense. Na questão da fiscalização, no entanto, os veículos são iguais aos demais que circulam na capital pernambucana. Todos são emplacados e as possíveis infrações serão creditadas aos responsáveis, por meio dos dados oferecidos no cadastro.
De acordo com o presidente do Porto Digital, Francisco Saboya, a quantidade de veículos pode ser expandida contando com o apoio de empresas interessadas em se associar ao projeto. “Esperamos que, com a consolidação da ideia, a inciativa privada e o poder público vejam o valor mercadológico da iniciativa e resolvam expandi-la, como aconteceu com as bicicletas compartilhadas, que também começaram como projeto piloto”, aponta.
Para poder ter acesso aos carros, o usuário deve baixar o aplicativo do Porto Leve e efetuar o cadastro. Com o procedimento online realizado, é preciso efetuar o cadastramento presencial uma única vez na garagem da empresa Serttel, parceira do Porto Digital no projeto. “Os carros são veículos que envolvem mais riscos, então é necessário esse primeiro encontro cara a cara. No local também será realizada uma espécie de test-drive para o usuário”, explica Cidinha Gouveia, gerente de Projetos do Porto Digital.
Por meio do aplicativo o usuário pode informar a estação em que está e oferecer a coarona para outro usuário. Ao fazer isso, o custo dos 30 minutos de locomoção é reduzido de R$ 20 para R$ 10. Caso a pessoa interessada não apareça na estação dentro de 15 minutos, quem liberou o carro pode seguir sozinho. Caso a pessoa chegue ao local, o custo da viagem é dividido e fica em R$ 5 pela meia hora. “É uma forma de incentivar a dividir o carro para, quem sabe, modificar essa cultura de andar sozinho”, explica Cidinha.
Lançado em dezembro de 2014, o sistema de partilha realizou testes com 20 usuários. Foram mais de mil quilômetros percorridos em cerca de 930 viagens, numa média de cinco deslocamentos diários. Nos testes, o tempo médio de duração de cada viagem foi de 15 minutos. A previsão inicial de disponibilidade ao público estava prevista para março. Diante da dificuldade para encontrar empresas de seguro que contemplam a iniciativa, o início acabou sendo adiado.
A próxima fase do projeto é a instalação de totens nas estações para a recarga dos automóveis. Por enquanto, elas serão feitas na sede da Serttel. “Ainda não há previsão, dependemos, entre outras coisas, de um entendimento com a prefeitura para o fornecimento de energia nas estações”, afirma Cidinha Gouveia.
O lançamento oficial do início da operação do serviço será hoje às 11h, na sede da aceleradora de empresas do Porto Digital, Jump Brasil.
Fonte - Diário de Pernambuco  03/09/2015

CBTU Belo Horizonte conclui treinamento de condutores para os novos trens

Transportes sobre trilhos

Como não há cursos especializados para a formação de condutores, a saída encontrada pela CBTU Belo Horizonte foi formar sua própria mão de obra. Cada funcionário concluiu carga horária de 36 horas/aula, distribuídas entre teoria e prática, realizada na via comercial.

CBTU  BH
CBTU
Mais de 120 assistentes condutores da CBTU Belo Horizonte já estão qualificados para operar os novos trens que vão reforçar a frota da Companhia nos próximos meses. A Gerência de Operações, em parceria com a Coordenação de Desenvolvimento e Recursos Humanos, concluiu na última semana o programa de capacitação que durou cinco meses e envolveu mais de 20 turmas e 15 multiplicadores.
Como não há cursos especializados para a formação de condutores, a saída encontrada pela CBTU Belo Horizonte foi formar sua própria mão de obra. Cada funcionário concluiu carga horária de 36 horas/aula, distribuídas entre teoria e prática, realizada na via comercial.
A CBTU Belo Horizonte investiu cerca de R$ 54 mil em custo indireto para capacitar todos os profissionais envolvidos e, segundo a Coordenação de Desenvolvimento e Recursos Humanos, foram promovidas mais de 720 horas/aula, considerando todas as turmas. Para se ter uma ideia de alta qualificação dessa mão de obra, nos últimos anos, a CBTU gastou, em média, 800 horas de treinamento para formar cada assistente condutor, tendo em vista a operação de duas frotas com características diferenciadas.
De acordo com o gerente de Movimento Frank Coelho a sensação é de “quase” um dever cumprido. Agora é esperar para colocar em prática. “Fizemos quase milagre, pois treinar essa quantidade de condutores com um quadro reduzido foi um grande dificultador. Trata-se de um equipamento moderno em relação à frota atual e de um conjunto de novas perspectivas para os condutores, principalmente, para aqueles que gostam de modernidade e desafios. A resposta dos funcionários ao curso foi boa e um dos pedidos que mais escutei ao visitar as turmas foi o de realizar um maior número de aulas práticas, ou seja, operar o TUE na via comercial.
Outro aspecto que merece destaque foi a colaboração da CBTU Recife. “Cabe aqui um elogio à excelente integração das superintendências de BH e Recife. O apoio daquela unidade foi fundamental para conhecer a nova frota, que é muito similar à nossa”, enfatiza Frank Coelho.
Para a assistente de condução, Rejane Romualdo, além da oportunidade de se qualificar, a melhor parte do treinamento foi compartilhar a emoção de operar a nova composição. “Os novos trens trazem uma tecnologia totalmente diferente da que estamos acostumados. Participar do curso foi essencial para conhecer os novos componentes de segurança e para nos familiarizarmos com o desempenho deles, que é bem superior à frota antiga. Além disso tem a emoção de operar um equipamento novo e que todos nós queremos apresentar à população. Essa modernização traz benefícios para todos: seja usuário ou empregado da empresa”.

Papel transformador
Depois de qualificado pelo Consórcio CAF, o assistente de condução Antônio Alves Neto tornou-se multiplicador do treinamento interno e destacou que o conhecimento adquirido faz toda a diferença em sua trajetória. “Depois de 14 anos como assistente condutor, atuar como multiplicador foi muito gratificante. Além de ser uma oportunidade de crescimento pessoal, acredito que a aquisição e transferência de conhecimento somadas à autocrítica exercem um papel transformador na consciência das pessoas. Além de aprender, cada um de nós precisa assumir o conhecimento de forma ativa, com responsabilidade na execução, vontade de seguir construindo e determinação em usar toda a informação disponível para gerar ainda mais crescimento para as pessoas”.
Fonte - CBTU  02/09/2015

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Temos que construir um novo padrão de comportamento no trânsito”, defende psicólogo

Trânsito

Em entrevista, Fábio de Cristo falou sobre o livro “Pesquisas sobre Comportamento no Trânsito”.Ele falou sobre alguns dos resultados apresentados nos estudos que compõem a publicação. Fábio de Cristo é professor do Uniceub (Centro Universitário de Brasília), pesquisador colaborador da UnB (Universidade de Brasília) e administrador do Portal de Psicologia do Trânsito.

Natália Pianegonda
Agência CNT
foto -  Divulgação
Para colaborar na compreensão dos fatores que influenciam o comportamento de condutores e pedestres no trânsito, e de que forma isso acontece, foi lançado o livro “Pesquisas sobre Comportamento no Trânsito”. Publicada pela editora Casa do Psicólogo, a obra reúne estudos científicos de diversos campos do conhecimento (como engenharia, arquitetura, sociologia e medicina) sobre o tema.
O doutor em psicologia do trânsito, Fábio de Cristo, um dos autores e organizadores do trabalho, concedeu entrevista à Agência CNT de Notícias. Ele falou sobre alguns dos resultados apresentados nos estudos que compõem a publicação. Fábio de Cristo é professor do Uniceub (Centro Universitário de Brasília), pesquisador colaborador da UnB (Universidade de Brasília) e administrador do Portal de Psicologia do Trânsito.

Leia os principais trechos da entrevista.

Qual a abordagem do tema comportamento no trânsito desenvolvida no livro?
O foco está nas implicações práticas dos resultados alcançados pelas pesquisas, para que sejam úteis ao profissional, ao gestor e a quem vai tomar decisões. O público-alvo são estudantes de graduação e pós-graduação, profissionais de psicologia e de outras áreas, o que exigiu da gente um esforço no sentido de possibilitar aos leitores que os conhecimentos fossem transmitidos de maneira acessível e estimulante.

Sob o ponto de vista da psicologia, quais os fatores que influenciam no comportamento de cada indivíduo?
São vários os fatores que influenciam motoristas e pedestres, assim como os demais participantes do trânsito. Nosso desafio é identificar, entre os vários elementos, os que têm preponderância em determinadas situações. É possível destacar algumas características, como as que são da personalidade do indivíduo. Existe a agressividade, algumas pessoas são mais agressivas que outras. As condições físicas, que podem influenciar na sua percepção sobre os outros motoristas, como quando estamos sob efeito de algum medicamento ou droga. O veículo que dirigimos também pode influenciar, dando aquela sensação de poder e segurança, o que, não raro, faz a pessoa adotar comportamentos de maior risco. E a própria situação do trânsito, que pode mudar a dinâmica do indivíduo. Quando interagem, esses elementos influenciam as percepções, os julgamentos e as decisões da pessoa, tenha ela consciência ou não.

Como a configuração do espaço urbano age, no aspecto psicológico, nas condutas que adotamos no trânsito?
Um dos capítulos trata da relação entre o espaço público e o comportamento. Como as características desse ambiente influenciam e, psicologicamente, de que forma isso ocorre. De acordo com a psicologia, o ambiente físico influencia o comportamento e o comportamento influencia o ambiente físico. Assim, é importante que, ao planejar a cidade e as vias, os gestores e as equipes de engenharia estudem, também, os impactos que isso pode ter no indivíduo. O espaço pode propiciar, por exemplo, a percepção de que aquele ambiente é mais estressante ou mais agradável. Estudos demonstram que o fato de você contemplar, na via, ambientes verdes, como árvores e flores, é capaz de influenciar de uma forma mais relaxante para quem está conduzindo e para as pessoas que usufruem da cidade.

O trânsito é um ambiente individualista. Quais as consequências disso?
O trânsito expressa, em parte, o padrão de relações sociais que temos no cotidiano das cidades. Logo, expressará as características que observamos na nossa sociedade, que é cada vez mais centrada na competição predatória e no individualismo ao extremo. Com a finalidade de deslocar-se para atender aos próprios compromissos, não raro as pessoas põem as outras em situação de perigo. Acham que têm mais direito do que o outro, o que pode gerar uma série de consequências, como raiva, agressividade, estresse, e até desencadear um acidente.

Quais as formas possíveis para mudar essa relação?
Temos que construir um novo padrão de comportamento no trânsito. Se ele expressa as características de comportamento de uma coletividade, o contrário também é verdade. Assim, ele também pode influencia-la. Ações feitas em prol de um trânsito mais harmonioso podem ajudar as pessoas a compreenderem a necessidade de mudarem suas condutas. Nesse sentido, não só as autoridades têm um papel importante, mas as pessoas que usufruem da cidade também. Desde que colocamos o pé para fora de casa, estamos influenciando aquele ambiente. Então, discutir o tema nas famílias, nas escolas, nas organizações profissionais e religiosas é algo imperativo para que possamos transformar, juntos, esse cenário de violência no transito.

É a ideia de que gentileza gera gentileza...
O coletivo é, em grande parte, influenciado por reciprocidade. Quando você recebe, em geral, algo gentil, como alguém lhe cede o espaço para passar, é prazeroso. E, muitas vezes, isso faz com que, quando percebemos outra pessoa na mesma situação em que estávamos, a tendência é também darmos aquela oportunidade para ela. A reciprocidade, você sentir que foi ajudado e ajudar, é um elemento que existe na vida social e que pode ser potencializado no trânsito.

Se sabemos dos riscos de certas condutas no trânsito, o que explica continuarmos cometendo infrações?
Um dos capítulos aborda esse tema e sugere que isso acontece com a finalidade de obtermos um benefício circunstancial. A pessoa pode fazer algo errado, apenas em algumas circunstâncias, quando percebe que o benefício é maior que o risco. Para que ela não se sinta culpada por fazer o que sabe que é errado, ela utiliza mecanismos de justificativa para si, a fim de reduzir aquele desconforto psicológico. Um deles é diminuir a importância do erro. Você sabe que está estacionando em uma vaga para pessoas com deficiência ou idosas. Mas diminui a importância quando diz aquela frase: são apenas cinco minutinhos e não vai acontecer nada. Isso diminui o desconforto psicológico subjetivo, mas não neutraliza o problema, objetivamente. Outro mecanismo é culpar o outro pelo seu comportamento errado. Alguns motoristas não param na faixa argumentando que o pedestre é lento ao atravessar a faixa. Ou seja, eu faço errado, mas é porque o outro age assim. Esse fenômeno é chamado de desengajamento moral.

Há capítulos dedicados a pedestres, motociclistas e ciclistas. De que maneira isso é abordado?
O livro busca estudar esses diferentes participantes para entender, em geral, as razões para seu comportamento. Tentando identificar elementos da situação ou do ambiente que fazem com que se comportem de maneira insegura ou arriscada.

O livro finaliza com um capítulo chamado “Avaliação psicológica: problemas e desafios”. O senhor pode resumir quais são os principais?
Os desafios são vários, mas podemos destacar algumas dificuldades enfrentadas no exercício da atividade. Por exemplo, as pressões que o psicólogo do trânsito sofre no seu trabalho para que o tempo de avaliação seja cada vez mais reduzido. Os usuários querem que os exames saiam cada vez mais rápido, assim como os CFCs (Centros de Formação de Condutores) também, porque, após essa etapa, é o CFC que assume o processo. Os Detrans (Departamentos Estaduais de Trânsito) e as clínicas onde os psicólogos trabalham também exercem pressão. Isso pode ter implicações na qualidade do processo. Se você tem menos tempo para ter contato com as pessoas, menos informações você tem sobre elas e maior a possibilidade de cometer falhas. Outro ponto é a tentativa dos candidatos de burlar os exames, buscando testes psicológicos, que são sigilosos e privativos do profissional, na internet, tentando subornar psicólogos para que ensinem a fazer exames. Pelo lado do psicólogo, existe a necessidade de se manter em constante atualização e aperfeiçoamento, para que, ao analisar os testes e instrumentos, possa ter um olhar mais completo a respeito do indivíduo.
Fonte - Agência CNT de Notícias  02/09/2015

Migrantes na entrada do Eurotúnel provocam caos ferroviário

Internacional

Várias pessoas invadiram as linhas e obrigaram um trem a frear na entrada do túnel no lado francês, disse à AFP um porta-voz regional da companhia ferroviária francesa (SNCF).No total, seis trens foram afetados pelo bloqueio do túnel: o que está na estação Calais-Frethun, dois que retornaram diretamente para Paris e Londres, e três que, depois de aguardar a liberação das linhas, seguiram para a capital britânica.

Agência France Presse - RF
foto - ilustração
A entrada de migrantes nas vias do túnel sob o Canal da Mancha bloqueou vários trens da Eurostar na madrugada desta quarta-feira (2) e os passageiros de um dos trens foram obrigados a passar toda a noite em uma estação.
Às 7h locais, centenas de pessoas permaneciam bloqueadas na estação de Calais-Frethun, a última antes da entrada do túnel, em consequência da presença de intrusos nas vias, afirmou uma fonte da Eurostar.
A situação é complicada, disse a mesma fonte, antes de informar que os passageiros receberam alimentos e água.
Os serviços de emergência também estão no local para as pessoas que precisam de ajuda, sobretudo as mais idosas, completou.
O Eurostar saiu às 19h42 da estação Norte de Paris e parou às 21h30 na entrada do Eurotúnel, antes de ser rebocado para a estação de Calais-Frethun.
Uma passageira do trem, Géraldine Guyon, disse que ao contrário do que informou a Eurostar as pessoas não haviam recebido alimentos até 7h30 e não receberam informações durante toda a noite.
A Eurostar não revelou o número exato de pessoas no trem bloqueado, mas afirmou que não poderia superar 750, a capacidade máxima da composição.
Ficamos quase quatro horas ao lado do túnel. Vimos policiais passando correndo pelo trem, disse Clothilde, uma francesa de 23 anos que mora em Londres.
Não vimos migrantes, mas sabíamos que havia no teto e esperamos um helicóptero para assegurar, completou.
Os passageiros não estavam autorizados a sair da estação, exceto para pegar um táxi na entrada, disse.
A situação era muito tensa na estação, que fica em pleno campo, a poucos quilômetros da cidade de Calais e perto da entrada do túnel sob o Canal da Mancha.
Outra passageira afirmou que viu pessoas correndo, provavelmente migrantes, e policiais nas imediações da estação.
Outros cinco Eurostar foram bloqueados na entrada do túnel devido à presença de intrusos nas linhas no lado francês, segundo o serviço de comunicação da Eurostar. Os incidentes começaram às 22h30 locais (17h30 de Brasília).
Várias pessoas invadiram as linhas e obrigaram um trem a frear na entrada do túnel no lado francês, disse à AFP um porta-voz regional da companhia ferroviária francesa (SNCF).
Assim que o trem parou, a polícia agiu para retirar os intrusos e isto bloqueou os Eurostar que estavam a caminho de Londres, com o corte de energia por razões de segurança. A zona foi liberada pelas forças da ordem à 1h30 (20h30 de Brasília).
No total, seis trens foram afetados pelo bloqueio do túnel: o que está na estação Calais-Frethun, dois que retornaram diretamente para Paris e Londres, e três que, depois de aguardar a liberação das linhas, seguiram para a capital britânica.
Cerca de 3.000 migrantes, provenientes principalmente da África estão presentes em Calais e arredores com a intenção de chegar à Inglaterra, que consideram um Eldorado.
Fonte - Revista Ferroviária  02/09/2015

Velocidades polêmicas

Transito

Praticamente tudo em nossas vidas vêm se acelerando nos últimos tempos. Nunca foi tão fácil - e rápido - acessar informações. A evolução das tecnologias de comunicação - telefone, TV, internet - atingiu níveis da ficção científica de 30 anos atrás. Só o trânsito ficou mais lento. Vem daí boa parte de nossa ansiedade e não conformismo em perder cada vez mais tempo em nossos deslocamentos.

Celso Mariano
Portal do Trânsito
foto - ilustração
Todos temos o impulso de correr. Correr é muito bom. É prazeroso e nos dá a impressão de que estamos sendo mais eficientes, que estamos aproveitando melhor tudo o que a vida tem para nos oferecer, que vamos chegar antes ao final do dia, no final de semana ou nas nossas merecidas férias. Tudo isso é ilusão.
Praticamente tudo em nossas vidas vêm se acelerando nos últimos tempos. Nunca foi tão fácil - e rápido - acessar informações. A evolução das tecnologias de comunicação - telefone, TV, internet - atingiu níveis da ficção científica de 30 anos atrás. Só o trânsito ficou mais lento. Vem daí boa parte de nossa ansiedade e não conformismo em perder cada vez mais tempo em nossos deslocamentos.
Quanto menor a velocidade de deslocamento, mais você vai demorar para chegar ao seu destino, é claro. Então pensar em reduzir os limites de velocidade torna-se um pesadelo. Mas vivemos em cidades, dividindo espaços com várias outras pessoas que também têm pressa. Uma coisa é você e seu amado veículo sozinhos pelas ruas. Nessa condição, o limite de velocidade poderia ser bem mais alto do que é. Mas com outros veículos circulando - e quanto mais veículos houver - menor será a velocidade possível de ser desenvolvida sem que comecem a acontecer acidentes ou congestionamentos. Por isso não há como melhorar o trânsito sem pensar no coletivo. Vivemos em sociedade, amontoados em cidades. Algumas facilidades das pequenas cidades simplesmente vão se tornando impossíveis.
Para entender e baixar o stress, perceba que as velocidades médias, na prática, já são muito baixas. Portanto, é melhor se conformar. O maior desafio passa a ser não deixar congestionar. Ficar travado é muito pior do que ter de ir devagar.
Em vias em que muitos veículos circulam ao mesmo tempo, não adianta colocar limites altos de velocidade. Ao contrário do que possa parecer, velocidades moderadas geram um fluxo melhor, nestes casos. Duvida? Não se preocupe. Você não é o único. Mas, sinto informá-lo, você está errado.
Bem, isso não é uma verdade absoluta e aplicável em qualquer caso. Mas com certeza se aplica à maioria das situações mais comuns de nossos cidades de porte médio e grande, onde há veículos demais circulando ao mesmo tempo para uma velocidade máxima permitida de 60 Km/h, que é o nosso padrão para vias urbanas.
Quando o volume de veículos é pequeno, beleza. Tudo tende a dar certo e os condutores conseguem andar próximos deste limite. Ou mais, cometendo infrações, inclusive. Quanto mais veículos circulando, menos chances de tudo dar certo para quem quer ir rápido.
Aceitar isso não é tão fácil. E é mais por uma questão cultural, do que por ignorarmos os motivos que justificam tais medidas. Mas o desconhecimento destes mecanismos do trânsito, atrapalham muito. Porém não é preciso ser um expert para entender o que se passa. Sabe aquela brincadeira de infância chamada Escravos de Jó? Aquela que exige concentração, agilidade, habilidade e, especialmente, sincronismo? Nem sei se ainda se brinca disso hoje em dia. Espero que sim, pois trata-se de um belo exercício de atividade em equipe.
A distração ou erro de um, prejudica a todos. Todos ganham quando os desempenhos individuais melhoram. É preciso muita atenção e sintonia entre todos os participantes para que tudo aconteça certinho. Mas no início é preciso cantar a letra e executar os movimentos devagarinho. Quem já brincou disso sabe que só é possível acelerar na medida em que todos os participantes conheçam as regras, estejam empenhados em respeitá-las e entrem em sintonia com os demais participantes. Tentar acelerar por ansiedade, além das limitações que se impõem naturalmente, é provocar falhas no processo. E só é possível aumentar o ritmo se todos acelerarem juntos. O "gargalo" aparece imediatamente quando alguém demora demais, se atrapalha ou erra. Muito parecido com o que acontece no trânsito.
Outros aspectos a se considerar, além da densidade com que ocupamos nossas ruas e avenidas, são as características das movimentações dos nossos veículos. É muito mais rápido desacelerar - frear quando o veículo da frente reduz - do que acelerar até retomar a velocidade anterior. E ainda, os condutores demoram a reagir aos movimentos dos outros. Assim, quanto mais veículos trafegando numa via, maior deve ser a distância entre eles, pois os tempos de reação, frenagem e aceleração, para manter a fluidez sem acidentes, geram uma espécie de "onda de atraso”, que resulta na gradativa perda de velocidade até o ponto de parar o fluxo. Esse fenômeno é chamado shockwave jams - algo como onda de congestionamento - ou ainda phantom jams - congestionamento fantasma. Neste vídeo dá para ter uma boa ideia do que estou falando: A relação entre densidade e velocidade é muito estreita e difícil de equilibrar. Fica fácil de entender o impacto da densidade no fluxo se você lembrar do que acontece quando uma pista fica bloqueada por conta de obras ou de algum acidente: os veículos que circulavam nela são desviados para as outras pistas e o efeito… bem, esse conhecemos. Conformemo-nos: quanto mais veículos em circulação, menor a velocidade possível.
Quanto menor a variação das velocidades desenvolvidos por cada veículo na via, menor as chances de travamento. Aí está outro video que pode ajudar a compreender esse conceito:A sabedoria popular diz que "se você vai longe, então vá devagar”, ou ainda que "devagar se vai ao longe”. Para o trânsito fluir bem precisamos de uma sincronia tal qual a brincadeira do Escravos de Jó. Mas o trânsito não é brincadeira. Quando as coisas não dão certo significa bem mais do que poder rir do colega que errou ou da equipe adversária. No trânsito todos fazemos parte do mesmo time, queiramos ou não. O erro de um põe em risco a segurança dos outros.
As polêmicas reduções de velocidade nas vias marginais em São Paulo e, recentemente, o anúncio da Prefeitura de Curitiba de adotar as mesmas medidas, geraram muitos debates e - que bom - oportunidades para que as pessoas discutam o tema. Falei sobre isso na semana passada na Rádio Bandnews FM.
Os órgão que administram o trânsito estão tendo que optar entre a desvantagem de ter que lidar com a resistência dos condutores, e as vantagens de reduzir congestionamentos, acidentes e ainda poluir menos. Se coubesse a você a responsabilidade pelo trânsito, o que você faria?
Fonte - Portal do Trânsito  02/09/2015