sábado, 11 de julho de 2015

Violência e vandalismo no Metrô de Recife

Transportes sobre trilhos

Em novo episódio de violência,torcidas organizadas depredam um trem recém-adquirido do metrô de Recife.O conflito foi na Estação do Barro e o trem não tem previsão para voltar a circular novamente.O veículo pertence a uma frota recém-adquirida pela CBTU 

Pedro Galindo 
Especial para o Diário de Pernambuco
Veículo foi recém-adquirido pela CBTU
e agora está sem previsão para voltar a circular/DP
Recife - Mais um episódio de violência das facções organizadas trouxe prejuízo à população recifense neste sábado. Desta vez, um conflito entre torcedores danificou as janelas de um dos trens do metrô, na Estação do Barro. O veículo pertence a uma frota recém-adquirida pela CBTU, e agora está sem previsão para voltar a circular. O episódio deixa no ar até mesmo a possibilidade de uma nova suspensão do serviço em dias de partidas envolvendo os clubes pernambucanos.
A confusão aconteceu pouco antes do jogo entre Náutico e Santa Cruz, que começava às 16h30 deste sábado, na Arena Pernambuco. De acordo com a assessor de imprensa do metrô, Salvino Gomes, é de se ressaltar o fato de eventos desse tipo acontecerem com frequência, o que termina penalizando a sociedade.
Encontro das torcidas de Náutico e Santa Cruz
 aconteceu na estação de metrô do Barro/DP
"Qual foi a novidade? Novidade seria se eu dissesse que não houve nenhuma briga.
Torcedores se pegaram no trem e destruíram totalmente. Esse trem não tem previsão para voltar a circular".
Salvino destacou ainda a impunidade que marca os episódios de violência no metrô. "A CBTU pede uma ajuda para que alguém seja punido, ninguém é preso", queixou-se. Além disso, ele não descartou que o serviço volte a ficar paralisado em dias de jogos. "Essa possibilidade não é descartada. É uma possibilidade remota, sim, mas não é impossível devido ao número excessivo de destruição dos trens de metrô em dias de partidas de futebol", destacou.
Fonte - Diário de Pernambuco 11/07/2015

Atividades culturais celebram 30 anos da Biblioteca Anísio Teixeira neste domingo

Cultura

A programação na Biblioteca, referência no atendimento à criança e adolescente surdos, começou na terça-feira (7) com a apresentação musical dos funcionários da Biblioteca, de literatura de cordel sobre Anísio Teixeira e palestra do mestre pelo Programa de Pós-graduação em Estudos Interdisciplinares sobre a Universidade no Instituto de Humanidades Artes e Ciências (IHAC) da Universidade Federal da Bahia.

Secom
Foto: Nerivaldo Góes/Secom
Em comemoração aos 30 anos de fundação da Biblioteca Anísio Teixeira, que funciona no Pelourinho, no Centro Histórico de Salvador, da a Fundação Pedro Calmon, vinculada à Secretaria de Cultura do Estado (Secult), prossegue, neste domingo (12), com atividades culturais na sede da unidade. O público será brindado com música, encontro, arte e muitas homenagens, incluindo a especial ao educador caetiteense Anísio Teixeira, que completaria 115 anos no mesmo dia.
A programação na Biblioteca, referência no atendimento à criança e adolescente surdos, começou na terça-feira (7) com a apresentação musical dos funcionários da Biblioteca, de literatura de cordel sobre Anísio Teixeira e palestra do mestre pelo Programa de Pós-graduação em Estudos Interdisciplinares sobre a Universidade no Instituto de Humanidades Artes e Ciências (IHAC) da Universidade Federal da BahiaA, Bruno Vivas, que falou sobre a vida do educador baiano, sua importância para difusão da educação no Brasil, inclusiva e para todos.
Na plateia, a neta de Anísio, Joana Neves Teixeira destacou as atividades que difundem o legado do avô em Caetité, cidade onde ele nasceu. “A Casa Anísio Teixeira é uma entidade cultural que trabalha com artes, por meio de cinema, teatro e leitura, com a Biblioteca Móvel, que percorre todo o município, em especial nas comunidades rurais. Era sua grande meta na vida ver uma Educação para todos, inclusiva, e isso ocorre nesta Biblioteca, que leva seu nome”.
Fundada em 1956, a Biblioteca adquiriu o nome do educador baiano somente em 1985, quando a FPC passou a comemorar seu aniversário, unindo ao de Anísio, no dia 12 de julho. Em 2009, a unidade ganhou um atributo especial, com o Setor de Atendimento à Criança e Adolescente Surdo - o Sacas, dando o caráter de referência neste tipo de atendimento.
“A partir deste ano, nós inserimos acervo em Libras, como livros e DVDS, além de ações culturais formativas, como Curso de Libras para familiares, funcionários, contação de histórias, palestras, oficinas, tudo em Libras, além da capacitação dos nossos funcionários para atender este público’, explica a diretora da Biblioteca, Laura Galvão.

Acessibilidade
Atualmente, a Biblioteca Anísio Teixeira é a única estadual especializada neste público, cenário que vai mudar em breve, segundo a diretora do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas (SEBP), Maria Cristina Santos. “O projeto de Acessibilidade nas Bibliotecas é uma parceria com o Sistema Nacional do MinC e contemplará 10 bibliotecas no Brasil, que serão referência em acessibilidade e a Biblioteca Pública do Estado da Bahia, no bairro dos Barris, em Salvador, a primeira do Brasil e da América Latina, será uma delas”.
Ele afirma que o projeto possibilitará a capacitação dos mediadores do livro e da leitura, tecnologia assistida com equipamentos facilitadores da leitura, reforma estrutural e acervo acessível. Na segunda etapa do projeto, este mês, será feita capacitação dos funcionários das bibliotecas públicas estaduais em Libras, além de algumas municipais e comunitárias.
O serviço especializado é aprovado por deficientes auditivos como o frequentador e professor de Libras, Anselmo de Jesus, que já é parceiro da Biblioteca na realização de cursos e oficinas. “É fundamental que as crianças tenham acesso ao conhecimento de livros e de materiais didáticos e culturais em sua língua. Hoje já está muito melhor do que antes, quando elas não tinham qualquer material disponível”.
O também instrutor de Libras e surdo, Maurício Barreto concorda, e que ser preciso “fortalecer a cultura do surdo. Precisamos aprender sobre nós, nossa história, e a Biblioteca tem cumprido o papel de divulgar essa cultura. Ter intérpretes de Libras aqui já é muito importante, mas precisamos ampliar o acervo especializado, inclusive com títulos de outros países”.

Acervo
A Biblioteca Anísio Teixeira recebe uma média de 150 leitores e pesquisadores a cada mês, possui cerca de 100 títulos voltados, exclusivamente, para a temática surda, com espaço de acolhimento infantil e funcionários capacitados para atender crianças, jovens e adultos com esta deficiência. Em 2010, um encontro especial surgiu desta interação entre os frequentadores da unidade.
Em um curso de Libras, a fisioterapeuta, Taís Gondim não só se encantou com o mundo dos sinais, como com o instrutor, Caio Cesar Gondim, com quem se casou depois. A partir daí, passou a se dedicar acadêmica e profissionalmente à área. “Busquei mais cursos e formações e, por fim, enveredei pela especialização na Língua de Sinais", Segundo ela, está havendo um avanço, "mas ainda estamos muito aquém do necessário. É lei que haja acesso do surdo à informação e a grande dificuldade que eles encontram é a comunicação e isso vem mudando aos poucos. Este movimento é imprescindível para que haja, de fato, acessibilidade deste público”. Em 2011, Gondim abriu empresa especializada na oferta de formação em Libras, a ‘Com Mãos’.
Fonte - Secom Ba.  11/7/2015

Centro de Convenções da Bahia terá investimento inicial de R$ 5 milhões para reforma

Salvador

Em seguida, uma nova licitação de cerca de R$ 9 milhões será feita para a climatização do segundo e terceiro andar do edifício, além de obras de segurança.

Da Redação - TB
foto -  Divulgação
O Governo do Estado anunciou que uma licitação emergencial no valor de R$ 5 milhões será lançada, em breve, para início das primeiras obras no Centro de Convenções da Bahia, localizado na Avenida Simon Bolívar, S/N, no Jardim Armação, em Salvador (BA).
Em seguida, uma nova licitação de cerca de R$ 9 milhões será feita para a climatização do segundo e terceiro andar do edifício, além de obras de segurança.
O local vai iniciar as obras de reforma emergenciais até o final deste mês e, para dar condições ao andamento dos trabalhos, o equipamento foi fechado para realização de eventos. A estrutura será reaberta assim que as obras forem concluídas. A previsão é que as obras durem, pelo menos, seis meses.
Ainda de acordo com o Governo da Bahia, estão sendo realizados estudos para construção de um novo Centro de Convenções, no bairro do Comércio, em Salvador.
Fonte - Tribuna da Bahia 11/07/2015

Congresso tratará dos problemas e prevenção de acidentes de trânsito

Trânsito

Palestrantes de renome internacional irão tratar dos problemas e da prevenção em relação a acidentes de trânsito e estradas do Brasil.Os organizadores do evento pretendem também envolver a comunidade, com ações sociais, 

Mariana Czerwonka
Portal do Trânsito
Marta Rossi, da Rossi e Zarzanello, que está organizando
o Congresso, o diretor do Denatran, Alberto Angerami,
presidente do evento Juarez Molinari e o chefe de gabinete do
 Denatran, Ronaldo Camargo
O 11º Congresso Brasileiro Sobre Acidentes e Medicina de Tráfego ocorrerá de 9 a 13 de setembro de 2015, no Wish Serrano Resort, em Gramado (RS).
Palestrantes de renome internacional irão tratar dos problemas e da prevenção em relação a acidentes de trânsito e estradas do Brasil.
Os organizadores do evento pretendem também envolver a comunidade, com ações sociais, buscando sempre uma maior conscientização. “A participação dos alunos das escolas de Gramado é muito importante”, afirma o presidente do evento Juarez Molinari.
Desde a sua fundação, em1980, aAssociação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) congrega os especialistas em Medicina de Tráfego desenvolvendo ações, estudos e pesquisas visando à prevenção de acidentes decorrentes da mobilidade humana, procurando evitá-los ou mitigar a dor por eles provocada. Por isso, a importância da realização de reuniões de caráter científico, tais como congressos, simpósios e cursos de atualização.
Uma cidade onde o pedestre coloca o pé na faixa de segurança e os motoristas imediatamente param os veículos. Sem nenhum semáforo no município, os cruzamentos de maior movimento são ordenados apenas por rotatórias floridas. Assim é Gramado, no Rio Grande do Sul. E esse é apenas um dos motivos pela escolha deste acolhedor município da Serra Gaúcha para receber o 11º Congresso Brasileiro Sobre Acidentes e Medicina de Tráfego.
Além da disciplina do trânsito, Gramado é reconhecida por sua infraestrutura hoteleira e gastronômica, além de espaços bem equipados para a realização de eventos de todos os portes. E o que dizer do comércio, bastante variado e repleto de produtos que são a cara da cidade, como o chocolate, o couro, o tricô e o artesanato, sem esquecer dos produtos coloniais - preparados com carinho pelos agricultores do município.
A realização do 11º Congresso Brasileiro Sobre Acidentes e Medicina de Tráfego é da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego e organização da Rossi e Zorzanello Feiras e Empreendimentos. A agência oficial é a Brocker Turismo. Informações pelo telefone (54) 3282.5400 ou, ainda, pelo e-mail brocker@brockerturismo.com.br.
Fonte - Portal do Trânsito  11/07/2015

Metrô de Salvador funciona neste sábado (11) em horário especial

Transportes sobre trilhos

O Metrô de Salvador funcionara em horário especial neste sábado(11) para atender aos torcedores que se deslocarão para assistir o jogo que acontecerá na Arena Fonte Nova logo mais a noite pela serie B do campeonato brasileiro.

Da Redação
foto - ilustrção/Pregopontocom
O Metrô de Salvador estará  operando neste sábado (11) das 19:00h até as 23:45h em virtude do jogo da série B do campeonato brasileiro na Arena Fonte Nova, para atender os torcedores que irão assistir o jogo entre Bahia e Oeste.
Segundo a CCR Metrô Bahia, a concessionária que administra o sistema, somente as estações Acesso Norte e Campo da Pólvora estarão funcionando no horário extra,as outras estações,Bom Juá, Retiro,Brotas e Lapa,apenas funcionarão normalmente,das 8:00h às 13:00h.
Pregopontocom 11/07/2015

sexta-feira, 10 de julho de 2015

BRICS saem vencedores da guerra das sanções

Internacional

“O G7, grupo das nações supostamente mais industrializadas, se reúne há muitos anos e jamais conseguiu criar instituição alguma, enquanto o BRICS já tem dois organismos institucionais: o NBD e o Arranjo Contingente de Reservas.” A constatação é do Professor Marcos Troyjo, que falou com exclusividade para a Sputnik Brasil.

SPUTNIK
BRICS saem vencedores da guerra das sanções
© SPUTNIK/ Vladimir Pesnya
Marcos Troyjo, professor da Universidade Columbia, dos EUA, e cofundador do BricLab, da mesma Universidade, responde a perguntas sobre a construção institucional do BRICS e analisa o Novo Banco de Desenvolvimento e o Arranjo Contingente de Reservas do BRICS em comparação ao Banco Mundial e ao FMI.

Sputnik: O que podemos esperar dos resultados da 7.ª Cúpula do BRICS, realizada nesta semana em Ufá, na Rússia?
Marcos Troyjo: Nós tivemos uma fase do acrônimo original BRIC – Brasil, Rússia, Índia e China – que foi muito marcada pela performance econômica desses quatro países, a partir de um estudo feito por Jim O'Neill, economista-chefe da área de administração de ativos do Banco Goldman Sachs. Ali nós observamos uma projeção do que se acreditava ser o crescimento econômico dessas nações que legitimaria a tese de que, por volta do ano de 2040, uma parte importante da economia global iria ser determinada pelos rumos de Brasil, Rússia, Índia e China. Essa primeira fase do conceito BRICS é o que eu chamo de BRICS 1.0. Desde os últimos oito anos começaram gestões para que esses quatro países – mais tarde juntamente com um representante do continente africano, a África do Sul – não apenas fossem uma classe de ativos a ser examinada pelos analistas e investidores internacionais, mas também um processo de construção institucional de modo a permitir uma ordem econômica mais multipolar. E é nesse marco, que eu chamo de BRICS 2.0, ou seja, esse processo de construção de novas instituições, que se realizou agora a Cúpula de Ufá. Os BRICS caminharam bastante, criaram um Banco de Desenvolvimento que nasce com um capital de 100 bilhões de dólares, instituíram um mecanismo de ajuda mútua caso algum desses países venha a sofrer uma crise de liquidez – o Arranjo Contingente de Reservas, que permite o redirecionamento de 100 bilhões para acudir um desses países caso eles tenham problema de caixa de curto prazo. Ou seja, é um avanço importante sobretudo se considerarmos que o G7, o grupo das nações supostamente mais industrializadas, se reúne há muitos anos e jamais conseguiu criar instituição alguma. Nessas áreas, sobretudo de financiamento e desenvolvimento, maior previsibilidade e estabilidade para a economia global, eu acho que os BRICS estão fazendo a sua parte.

S: O senhor vê essas duas instituições, o Novo Banco de Desenvolvimento e o Arranjo Contingente de Reservas, como atualizações ou concorrentes, respectivamente, do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional?
MT: Não, não vejo. O FMI tem uma estrutura de capital muito maior do que o Arranjo Contingente de Reservas. O FMI tem uma tradição de socorro a países que não estão necessariamente vinculados a uma região demográfica, é um órgão mais abrangente. No caso do Banco Mundial, é inegável que o corpo técnico, a qualidade dos estudos feitos pelo banco é extraordinária, ali tem gente de muito boa qualidade, mas feliz ou infelizmente o Banco transmutou um pouco a sua vocação inicial de provedor de recursos para o desenvolvimento para ser apenas quase que um mecanismo de alívio da pobreza e também de geração de estudos para o desenvolvimento. Ele quase que funciona por vezes como se fosse uma universidade, um centro de estudos acadêmicos, sobre quais serão as melhores práticas para o financiamento do desenvolvimento. Capital em si, muito pouco. Aliás, os Bancos de Desenvolvimento da China e do Brasil, o BNDES, têm uma estrutura de capital muito mais robusta do que a do Banco Mundial. Aí, sim, é que eu acho que o Novo Banco de Desenvolvimento não é um competidor, mas vem criar outra alavanca que é importante para financiar desenvolvimento, mesmo porque ele se dá no contexto de uma família de outras instituições de financiamento do desenvolvimento, como é o Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura, o próprio Fundo da Rota da Seda, que estão aí a oferecer uma alternativa robusta aos mecanismos tradicionais de financiamento de desenvolvimento.

S: Um banco deste porte teria espaço para financiar, ceder recursos a países altamente endividados como a Grécia?
MT: Eu acho que vai depender muito do que estiver presente no plano de ação do Banco. Em primeiro lugar, embora a situação da Grécia seja muito delicada, ela ainda tem uma renda per capita média-alta. Na semana passada, quando houve a moratória grega, o comentário geral na imprensa internacional era de que pela primeira vez um país desenvolvido deixava de pagar obrigações – dava um calote – no FMI. Se o objetivo do Novo Banco que se organiza é para o desenvolvimento, ele não é um banco de socorro de liquidez. É pouco provável que uma situação como a da Grécia viesse a constituir um objeto de financiamento do Banco. Em terceiros países, em nações para além dos BRICS, muitos projetos de desenvolvimento podem aparecer e constituir oportunidades importantes até para projetos transnacionais.
É muito importante que nesses primeiros doze meses de operação da nova instituição alguns sucessos sejam realizados. É importante ter êxito logo no começo da operação para criar uma espécie de onda positiva em relação àquilo que o Banco pode oferecer. Seriam as duas prioridades. Ter alguns projetos que talvez não necessariamente devam ser tão grandes em escopo mas contem com uma boa chance de implementação, de sucesso. Isso será tanto mais útil para o mundo em desenvolvimento se ele vier a ser realizado por atores dos países BRICS mas não necessariamente no território deles. Temos um campo vasto na Ásia, na África e na América Latina, que também contemplaria os investimentos do Banco de Desenvolvimento do BRICS.
Fonte - SPUTNIK 10/07/2015

Técnicos em gestão realizam reunião na CBTU Belo Horizonte

Transportes sobre trilhos

Cerca de 30 colaboradores marcaram presença no evento que contou ainda com a gerente de Recursos Humanos da CBTU-BH, Rosana Ferreira, do dirigente do Sindimetro-PE, Eraldo Nogueira; e dirigentes do Sindimetro-MG. O encontro foi uma iniciativa da Comissão de BH, juntamente com o Sindimetro-MG, que realizaram o convite aos membros de Recife.

CBTU
CBTU
Os técnicos em gestão da Companhia participaram, na manhã desta quinta-feira (9/7), de reunião com as Comissões TGE de Belo Horizonte e Recife. Os membros do grupo pernambucano, Eduardo Soares e Lúcia Ferreira, apresentaram a proposta desenvolvida como sugestão ao relatório do Tribunal de Contas da União. O documento questiona o enquadramento dos empregados no Plano de Emprego e Salário (PES) da Companhia. Nesta sexta-feira (10/7), a reunião acontece no auditório do Pátio São Gabriel, às 10h.
Cerca de 30 colaboradores marcaram presença no evento que contou ainda com a gerente de Recursos Humanos da CBTU-BH, Rosana Ferreira, do dirigente do Sindimetro-PE, Eraldo Nogueira; e dirigentes do Sindimetro-MG. O encontro foi uma iniciativa da Comissão de BH, juntamente com o Sindimetro-MG, que realizaram o convite aos membros de Recife.
Eduardo Soares explicou que a proposta promove uma adequação do PES, atendendo às exigências do Tribunal. “O trabalho não é uma revisão do plano, mas sim uma adequação com sugestões que buscam atender ao TCU, sem prejudicar os empregados”.
Durante a reunião, os membros da comissão detalharam o estudo realizado que propõe soluções para as recomendações do TCU. O trabalho sugere a criação do novo cargo “Assistente de Gestão”, no qual seriam enquadrados os 435 Técnicos em Gestão da CBTU envolvidos no processo, sendo que 107 são da Superintendência de Belo Horizonte.
A integrante da comissão pernambucana, Lucia Ferreira, estimulou a participação dos empregados. “O encontro busca apresentar o que foi desenvolvido até o momento e, a partir do conhecimento de todos, acrescentar sugestões e enriquecer o trabalho”. A importância do evento também foi destacada pela gerente Rosana Ferreira. “Toda iniciativa que possa contribuir com a elaboração de uma resposta ao TCU é bem-vinda”.
Em caso de dúvidas e sugestões, os interessados podem enviar e-mail para:age.stu.recife@gmail.com.
Fonte - CBTU  10/07/2015

Produção da indústria cresce em maio, mostra IBGE

Economia

O resultado interrompeu três meses consecutivos de redução no setor.Os destaques para os aumentos partiram do Ceará (3,6%), do Amazonas (2,6%), de Pernambuco (1,4%) e de Minas Gerais (1,3%)

Por Redação CB
Com ABr- de São Paulo

A produção industrial cresceu em nove dos 14 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em maio. O resultado interrompeu três meses consecutivos de redução no setor. Dados divulgados nesta sexta-feira indicam que as maiores altas foram registradas no Ceará, com 3,6%, Amazonas, 2,6%; em Pernambuco 1,4%; e Minas Gerais, 1,3%. Tiveram resultados positivos em maio: Santa Catarina (0,7%), Espírito Santo (0,6%), São Paulo (0,5%), Paraná (0,3%) e Rio de Janeiro (0,2%).
Houve redução na produção na Região Nordeste, com queda de 2,2%. Na Bahia, a queda foi de 1%. Foi registrada redução também no Rio Grande do Sul (1,6%), Pará (1,5%) e Goiás (0,6%).
No acumulado de janeiro a maio, a produção industrial caiu em 13 dos 15 locais pesquisados pelo IBGE. Em oito, a queda foi superior à média nacional (- 6,9%): Amazonas (17,3%), Rio Grande do Sul (11,5%), Bahia (10,9%), Ceará (9,4%), Paraná (8,8%), São Paulo (8,6%), Minas Gerais (7,4%) e Santa Catarina (7,4%).
Nesses locais, segundo o IBGE, o menor dinamismo foi influenciado por fatores relacionados à diminuição na fabricação de bens de capital (voltados para equipamentos de transportes – trator para reboques e semirreboques, caminhões e veículos para transporte de mercadorias). Registraram também redução os bens intermediários (autopeças, derivados do petróleo, produtos têxteis, siderúrgicos, de metal, petroquímicos básicos, resinas termoplásticas e defensivos agrícolas); bens de consumo duráveis (automóveis, eletrodomésticos da “linha branca” e da “linha marrom”, motocicletas e móveis); e bens de consumo semi e não-duráveis (medicamentos, produtos têxteis, vestuário, bebidas, alimentos e gasolina).
Os estados do Espírito Santo (18,0%) e Pará (6,8%) registraram taxas positivas no acumulado no ano, influenciados pelo desempenho do setor extrativo.
A taxa anualizada, indicador acumulado nos últimos 12 meses, teve recuo de 5,3% em maio de 2015, mantendo trajetória de redução iniciada em março de 2014 (2,1%). Em termos regionais, 11 dos 15 locais pesquisados mostraram taxas negativas, em maio de 2015, e 12 apontaram menor dinamismo em comparação ao índice de abril.
Fonte - Correio do Brasil  10/07/2015

Dilma estuda condicionar reajuste de aposentados à taxação de grandes fortunas

Política

Dilma vai propor alternativa a aumento de aposentados. - Presidenta condicionará veto ao reajuste à aprovação de projeto de taxação de grandes fortunas.Dilma citou exemplo de medida alternativa ao fator previdenciário. “Vetamos e botamos proposta na mesa”, afirmou.

O Dia
Marco Aurélio Reis e Max Leone
foto - André Luiz Mello / Agência O Dia
Brasília - A presidenta Dilma apresentará alternativa para conceder aumento real a aposentados do INSS que ganham acima do salário mínimo. A proposta será condicionada ao veto da emenda à MP 672 aprovada pelo Senado que estende o mecanismo de reajuste do piso a todos os segurados da Previdência, independentemente do valor do benefício. Uma das propostas avaliadas, segundo fontes, e que provoca polêmica na equipe econômica, usará recursos da taxação de grandes fortunas. Em tramitação no Congresso, o PLC 130/2012 prevê alíquotas de 0,5% a 1% que incidiriam sobre fortunas acima de US$ 1 milhão (R$ 3,4 milhões).
Cerca de 200 mil contribuintes seriam taxados. A arrecadação vai de R$6 bi a R$10 bilhões com o projeto. Países como Holanda, França, Suíça, Noruega, Islândia, Luxemburgo, Hungria e Espanha têm legislação que taxam grandes fortunas. Na América do Sul, Uruguai, Argentina e Colômbia também têm.
Desta forma, o governo procura atenuar a pressão pelo veto. Mas joga sobre o Congresso a responsabilidade de aprovar a taxação de grandes riquezas para garantir receitas que serão destinadas à correção dos benefícios previdenciários.
Em viagem à Rússia, Dilma foi questionada se vetaria a extensão do mesmo aumento a todos os aposentados. A presidenta afirmou que apresentará proposta em troca da emenda, assim como fez, lembrou, com a questão do fator previdenciário e do Código Florestal.
Na ocasião, o Senado aprovou a inclusão da Fórmula 85/95 no cálculo das aposentadorias, em detrimento do fator, mas em contrapartida o governo saiu com alternativa da progressividade para concessão de aposentadorias por tempo de contribuição.
“Tenho de olhar toda a lei, Do que se trata. Muitas vezes, inclusive, nós fizemos o seguinte, vou lembrar do Código Florestal: muitas vezes vetamos. Mas vetamos e botamos proposta na mesa. Vou dar outro exemplo: fator previdenciário. Vetamos e botamos proposta na mesa”, afirmou.
Segundo fontes, a proposta de taxação chegou a ser analisada pelo então ministro da Fazenda, Guido Mantega, mas não foi levada adiante. O atual titular da pasta, Joaquim Levy, seria contrário. Mas o governo vê na proposta de aumento real para aposentados uma forma de aquecer a economia.

Custo pode chegar a R$ 211 bilhões
O governo voltou a insistir que como foi aprovada, a MP 672 inviabiliza as contas da Previdência. O ministério informou que o impacto do aumento igual para os mais de 30 milhões de segurados do INSS vai provocar despesa de R$322,6 milhões em 2016, quando o reajuste pela regra do mínimo já valerá para todos.
“Alterada a regra, os impactos seriam crescentes, impactando fortemente a relação entre receitas e despesas no âmbito do RGPS (regime geral)”, afirmou a pasta em nota.
De 2016 a 2018, o peso seria de R$ 3,361 bi. Do ano que vem até 2019, segundo a Previdência, o custo iria a R$11,064 bi. E até 2025, a R$57,3 bi. Até 2045, chegaria a R$ 211,4 bi.
“Cada 1% de aumento acima do INPC equivale a R$ 2 bilhões, ao ano, em valores de 2015”, argumenta a pasta em nota.

Pressão nas redes sociais contra veto
Diante da sinalização do veto da presidenta Dilma, os aposentados vão intensificar a campanha para que a proposta aprovada pelo Senado não seja derrubada pelo Planalto. Os representantes da categoria vão usar tecnologia para pressionar a presidenta a garantir o aumento real para todos os segurado do INSS. A Confederação Brasileira de Aposentados (Cobap), por exemplo, lançou movimento virtual nas redes sociais.
A ideia é expandir a campanha no Facebook: Não veta Dilma! Reajuste para os aposentados já! #naovetadilma #reajustedasaposentadoriasja (https://www.facebook.com/events/489921081183765/.
“Vamos também fazer vigília na porta do Palácio do Planalto para pressionar a presidenta a não vetar”, assegura, Warley Martins, presidente da Cobap.
Após aprovação no Congresso, Dilma tem 15 dias úteis, contados a partir da chegada da redação final ao Planalto, para decidir se veta ou sanciona texto com a valorização do mínimo e estende aumento igual a todos os aposentados.
Fonte - O Dia  10/07/2015

Entidades solicitam intervenção da Unesco para preservação do Centro Histórico de Salvador

Cultura 

Arquitetos e urbanistas denunciam situação do Centro Histórico de Salvador e solicitam através de suas entidades,intervenção da Unesco em relação a situação em que se encontra o mesmo.

Alex de Paula - A Tarde
Joá Souza - Ag. A TARDE
Entidades que congregam arquitetos e urbanistas encaminharam um documento ao Centro do Patrimônio Mundial da Unesco, em Paris, denunciando a situação do Centro Histórico de Salvador.
No documento, o Instituto de Arquitetos do Brasil na Bahia (IAB-BA), o Sindicato dos Arquitetos e Urbanistas do Estado da Bahia (Sinarq-BA) e o Conselho de Arquitetura e Urbanismo da Bahia (CAU/BA) solicitam que a região que é Patrimônio Cultural da Humanidade entre na lista de Patrimônio Mundial em Perigo.
A Unesco Brasil confirmou o encaminhamento do documento, mas acredita que o patrimônio não está em situação que justifique a inclusão na lista solicitada.
"A região é descuidada. Existem casarões de estruturas com 20 anos. As autoridades impõe as destruições das casas, ao invés de pensar em requalificar", disse o vice-presidente da IAB, Neilton Dórea.
O Instituto do Patrimônio histórico e Artístico Nacional (Iphan) informou que tem investido R$ 143 milhões em ações de requalificação do Centro Histórico.
Fonte - A Tarde  09/07/2015

Líderes do Brics oficializam criação do Novo Banco de Desenvolvimento

Internacional

A expectativa é que a instituição financeira comece a operar a partir do próximo ano, financiando projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável para os países do bloco e, posteriormente, para outros países em desenvolvimento que apresentarem interesse.

Giselle Garcia
Correspondente Ag. Brasil/EBC
A presidenta Dilma Rousseff e o presidente russo,Vladimir Putin, durante
VII Cúpula do Brics, em Ufa, na Rússia  
(Roberto Stuckert Filho/PR)
Líderes do Brasil, da Rússia, Índia, China e África do Sul (Brics) assinaram hoje (9) em Ufa, na Rússia, o memorando de criação do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), ou Banco do Brics, que terá sede em Xangai, na China, com capital inicial de US$ 50 bilhões. A expectativa é que a instituição financeira comece a operar a partir do próximo ano, financiando projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável para os países do bloco e, posteriormente, para outros países em desenvolvimento que apresentarem interesse.
O presidente russo, Vladimir Putin, fez um discurso em nome dos líderes presentes. Ele afirmou que durante a sétima cúpula, que começou ontem (8), a situação da economia global foi discutida em detalhes. “Estamos preocupados com a instabilidade dos mercados, com a alta volatilidade do preço do petróleo e das commodities, com o acúmulo da dívida soberana de uma série de grandes países. Todos esses desequilíbrios estruturais causam impacto direto na dinâmica de crescimento de nossas economias. Nessas condições, os países do Brics pretendem usar ativamente seus próprios recursos para o desenvolvimento interno,” disse.
Putin também falou sobre o Tratado do Arranjo Contingente de Reservas (CRA, na sigla em inglês), no valor de US$ 100 bilhões. “Uma das nossas mais importantes conquistas é o lançamento do Arranjo Contingente de Reservas, que nos dará a oportunidade de reagir a movimentos dos mercados financeiros de maneira ágil e adequada.” Do total de recursos do CRA, US$ 41 bilhões virão da China. O Brasil, a Rússia e a Índia contribuirão com US$ 18 bilhões cada e a África do Sul aportará US$ 5 bilhões.
A presidenta Dilma Rousseff citou a nova agenda do Desenvolvimento Sustentável (ODS) pós-2015, da Organização das Nações Unidas, e destacou que as iniciativas lançadas pelo Brics contribuirão de modo construtivo para o novo momento das relações internacionais, mais focado no desenvolvimento sustentável.
Mais cedo, durante encontro com o Conselho Empresarial do Brics, ela enfatizou a importância do bloco – formado pelo Brasil, a Rússia, a Índia, a China e a África do Sul – no cenário mundial. “Os países do Brics foram responsáveis por 40% do crescimento mundial e pela intensificação dos fluxos econômicos entre os países.”
Dilma observou que, até 2020, os países em desenvolvimento precisarão de um volume de investimento em infraestrutura superior a US$ 1 trilhão por ano. “Atingir essa cifra não será tarefa simples. O investimento externo mundial caiu quase 50% nos últimos cinco anos. É nesse cenário que o novo banco de desenvolvimento terá um papel importante na intermediação de recursos para projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável em nossos países e, posteriormente, em outros países em desenvolvimento”.
A presidenta acrescentou que desde a última cúpula do Brics, em Fortaleza, no ano passado, todos os acordos para a criação do banco do Brics e do Arranjo Contingente de Reservas foram ratificados. Ela informou que relatório do Conselho Empresarial do Brics trouxe mais de 40 projetos de interesse dos países-membros em áreas como indústria, energia, transporte, logística e tecnologia da informação. “É um acervo importante de iniciativas que serão analisadas com toda a seriedade por nossos governos e que contarão com o apoio do Novo Banco de Desenvolvimento.”
O NBD será presidido pelo banqueiro indiano K. V. Kamath, tendo como vice o economista brasileiro Paulo Nogueira Batista Junior. Com o banco, os países-membros do Brics esperam reduzir o domínio do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial sobre o sistema financeiro global e criar espaço para outras moedas, além do dólar americano, no comércio internacional.
Durante a cúpula, Dilma também participou de encontros bilaterais com os demais chefes de governo dos países-membros do bloco, além de reuniões com líderes de outros países convidados.
Fonte - Agência Brasil  09/07/2015

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Paralisação afeta milhões de passageiros do metrô de Londres

Transportes sobre trilhos

Os representantes do metrô de Londres, o mais antigo do mundo, disseram que as composições ficarão paradas o dia todo por causa da paralisação. A greve acontece em resultado de uma discórdia em relação aos planos de novos serviços noturnos.

Reuters - Correio do Brasil

Uma paralisação de 24 horas de funcionários e condutores do metrô travou a capital britânica nesta quinta-feira e fez milhões de londrinos passarem apuros para chegar ao trabalho.
Os representantes do metrô de Londres, o mais antigo do mundo, disseram que as composições ficarão paradas o dia todo por causa da paralisação. A greve acontece em resultado de uma discórdia em relação aos planos de novos serviços noturnos.
Os usuários que normalmente usam os trens subterrâneos tiveram que caminhar, usar bicicletas, disputar táxis ou se espremer em ônibus lotados. Muitos simplesmente ficaram em casa.
O ‘tube’, como o metrô é conhecido localmente, transporta quatro milhões de passageiros por dia, e mais de 535 trens operam nos horários de pico. Os representantes de transporte da cidade afirmaram ter aumentado os serviços de balsas e acionado 200 ônibus adicionais para lidar com o aumento da demanda.
Mas enormes filas nos pontos de ônibus serpenteavam pelas ruas nas proximidades das principais estações de metrô da capital.
Membros de quatro sindicatos de metroviários que representam funcionários que vão de condutores a gerentes se juntaram à paralisação, insatisfeitos com os salários e os termos oferecidos pelo metrô londrino para implementar o serviço 24 horas nos finais de semana em algumas linhas, que deve estrear em setembro.
O prefeito de Londres, Boris Johnson, afirmou que a ação é política, acusando os sindicatos de não terem interesse em fazer um acordo.
Fonte - Correio do Brasil  09/07/2015

Gestão participativa no setor pesqueiro terá investimento de R$ 12 milhões

Sustentabilidade

Os recursos serão aplicados na ativação dos comitês permanentes de Gestão – espaços temáticos de gestão participativa do setor. Segundo o secretário de Planejamento e Ordenamento da Pesca do ministério, Fábio Hazin, o documento de criação está sob análise do Ministério de Meio Ambiente.

Maiana Diniz 
Repórter da Agência Brasil 
Divulgação/Agência Brasil
Para garantir mais debates com o setor produtivo e a comunidade científica, o Ministério da Pesca e Aquicultura anunciou esta semana investimento de R$ 12 milhões para ativação dos comitês permanentes de Gestão – espaços temáticos de gestão participativa do setor pesqueiro, com metade dos membros da sociedade e a outra do governo.
Segundo o secretário de Planejamento e Ordenamento da Pesca do ministério, Fábio Hazin, o documento de criação está sob análise do Ministério de Meio Ambiente. “A expectativa é que na semana que vem o processo esteja concluído e já possamos publicar a constituição desses comitês e iniciar os trabalhos de forma contínua e regular", disse. Hazin também anunciou o lançamento, em outubro, de editais para pesquisas científicas.
Na avaliação da Oceana, organização internacional de defesa da biodiversidade dos oceanos, o valor não é suficiente para resolver os problemas do setor, mas é um primeiro passo. O anúncio foi feito durante o 1º Simpósio Internacional sobre Manejo de Pesca Marinha no Brasil, que terminou nessa quarta-feira (8) em Brasília e reuniu 185 especialistas, pescadores, representantes do governo, além de organizações não governamentais.
O simpósio serviu para que outras queixas fossem apresentadas, por exemplo, o excesso de legislação no setor e a dificuldade de comunicação sobre mudanças nessas normas. O pescador artesanal Antônio Vieira, de Laguna, Santa Catarina, já navegou por todo o país trabalhando em rios, lagoas e no mar e garante que é comum ser pego de surpresa em relação à alteração das normas. “Podemos nos programar para uma regra e ela de repente muda”, lamenta. Segundo ele, é comum os pescadores ficarem sabendo de novas regras pelo Diário Oficial da União ou pela fiscalização.
O pesquisador Paulo Pezzuto, da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), também critica o excesso de fontes de divulgação das normas do setor. "Devia constar tudo em um mesmo documento, com prazo de vigência, para dar solidez ao processo de gestão", recomenda.
Entre as regras questionadas pelos representantes da atividade pesqueira artesanal está o Decreto 8.425, de março de 2015, que descreve a profissão e estabelece critérios para o registro de pescadores. Os trabalhadores alegam que não foram ouvidos. Para melhorar o diálogo com o setor, o Ministério da Pesca e Aquicultura investe na ativação de mecanismos que garantam a gestão participativa, como os comitês permanentes de Gestão.
Outra norma criticada é a Portaria 445, do Ministério do Meio Ambiente. O documento divulgou lista proibindo a pesca de 98 espécies marinhas sob ameaça de extinção. De acordo com a categoria, o anúncio da portaria, no final de 2014, foi uma surpresa para o setor produtivo.
Segundo o diretor da Secretaria de Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente, Ugo Vercillo, a lista levou anos para ser feita e usou toda a informação científica disponível. No entanto, Vercillo reconhece que a elaboração e o anúncio não envolveram a sociedade. O efeito da Portaria 445 encontra-se suspenso pela Justiça Federal.
Fonte - Agência Brasil  09/07/2015

Dilma se reúne com Putin e diz que Brics vive “momento especial”

Internacional

Durante encontro com Vladimir Putin, a presidenta Dilma Rousseff disse que Brasil e Rússia devem desenvolver o comércio bilateral.Sobre a relação entre Brasil e Rússia, Dilma destacou a área de ciência e tecnologia e acrescentou que os dois países devem desenvolver o comércio bilateral, que tem reconhecido potencial de crescimento. 

Giselle Garcia
Correspondente da Ag. Brasil/EBC 
Roberto Stuckert Filho/PR
A presidenta Dilma Rousseff, em encontro bilateral com o presidente russo, Vladimir Putin, em Ufa, na Rússia, informou que a sétima cúpula do Brics, que começou hoje (8), “será um momento especial para o bloco, que se consolidará com a criação do Novo Banco de Desenvolvimento e do Arranjo Contingente de Reservas”.
Sobre a relação entre Brasil e Rússia, Dilma destacou a área de ciência e tecnologia e acrescentou que os dois países devem desenvolver o comércio bilateral, que tem reconhecido potencial de crescimento. “Devemos continuar trabalhando para atingir a meta dos US$ 10 bilhões no fluxo do nosso comércio”.
A presidenta destacou que a área de infraestrutura brasileira representa uma grande oportunidade de investimento. “Temos também grande interesse em ampliar investimentos recíprocos. O Brasil tem agora uma oportunidade ímpar, com seu plano de investimento em logística, de atrair empresas russas, que são grandes especialistas em portos e em ferrovias.”
Durante o encontro, Putin enfatizou o crescimento de 15% no comércio entre os países do Brics em 2014 e disse estar confiante na manutenção da tendência.
Mais cedo, o presidente russo manteve encontros bilaterais com os presidente da China, Xi Jinping, e da África do Sul, Jacob Zuma, e com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi.
Para o líder russo, a cúpula é uma oportunidade de mostrar ao Ocidente que Moscou não está isolada, mesmo com a suspensão do país do G8 – as nações mais industrializados do mundo –, por causa da anexação da Crimeia, em março do ano passado.
A cúpula, que ocorre em uma das mais belas regiões russas, nas encostas dos Montes Urais, prossegue durante todo o dia de amanhã (9).
Na agenda prioritária dos líderes está o acordo sobre o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) do Brics ou Banco do Brics, que entrou em vigor na semana passada. Eles discutirão detalhes do funcionamento da nova instituição, que terá sede em Xangai, na China, e será presidida pelo banqueiro indiano K. V. Kamath, tendo como vice o economista brasileiro Paulo Nogueira Batista Junior.
O banco, que começa a operar no ano que vem, terá capital inicial de US$ 50 bilhões, divididos em partes iguais entre os integrantes. Com ele, os países-membros do Brics esperam reduzir o domínio do FMI e do Banco Mundial sobre o sistema financeiro global e criar espaço para outras moedas, além do dólar americano, no comércio internacional.
A instituição financiará projetos de infraestrutura nos países do Brics, mas as operações podem ser estendidas a países em desenvolvimento que desejem fazer empréstimos.
O NDB foi criado em julho do ano passado, na última reunião do Brics, em Fortaleza. Na ocasião, também foi lançado o Arranjo Contingente de Reservas (CRA na sigla em inglês), no valor de US$ 100 bilhões, dos quais US$ 41 bilhões virão da China. O Brasil, a Rússia e a Índia contribuirão com US$ 18 bilhões cada, enquanto a África do Sul aportará US$ 5 bilhões.
A cúpula também servirá para discutir ações de cooperação econômica e comercial entre os países do bloco, englobando setores como energia e infraestrutura. O Brics representa um quinto da economia mundial e 40% da população do planeta.
Fonte - Agência Brasil  08/07/2015

Secretario Municipal de Transportes de São Paulo faz visita ao Aeromóvel da Trensurb

Transportes sobre trilhos

Secretário municipal de Transportes de São Paulo,Jilmar Tatto visitou a linha metrô-aeroporto da Trensurb e foi apresentado ao projeto do aeromóvel da Prefeitura de Canoas.

Trensurb

A Trensurb recebeu o secretário municipal de Transportes de São Paulo, Jilmar Tatto, além de representantes de Canoas e da Assembleia Legislativa, na segunda-feira (6). Tatto conheceu o sistema aeromóvel implantado pela empresa e o projeto da linha canoense do modal.
Após andar no veículo que faz a conexão entre a Estação Aeroporto do metrô e o Terminal 1 do Aeroporto Salgado Filho, Tatto conheceu alguns detalhes a respeito da linha, que, em pouco mais de um ano de operação comercial (iniciada em maio de 2014), já transportou mais de 1,2 milhão de passageiros. Em junho, a média de usuários do sistema foi de 3.325 por dia útil, com um custo de propulsão por passageiro de aproximadamente R$ 0,10.
O coordenador do Comitê de Assessoramento para o Processo de Implantação do Aeromóvel em Canoas, secretário municipal da Fazenda de Canoas, Marcos Bosio, apresentou dados sobre o projeto ao secretário paulistano. A primeira etapa da linha canoense terá 5,9 quilômetros e nove estações, ligando a Estação Mathias Velho da Trensurb à Avenida 17 de Abril, no Bairro Guajuviras.
O secretário de Transportes de São Paulo, Jilmar Tatto, considerou o aeromóvel uma solução viável para o transporte coletivo urbano da capital paulista e com potencial para implantação em um projeto semelhante.
Representaram a Trensurb na ocasião: o diretor-presidente Humberto Kasper; o diretor de Administração e Finanças, Marco Arildo Cunha; o superintendente de Desenvolvimento e Expansão, Nazur Garcia; gestores e empregados.
Fonte - Trensurb  08/07/2015

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Chega a Argentina o 1º trem DMU (CNR) para Belgrano Sur

Transportes sobre trilhos

Chega a Argentina o 1º dos 27 trens DMU fabricados na China pela CNR que irá operar na rede de trens suburbanos Belgrano Sur.De acordo com o Ministro do Interior e Transportes F.Randazzo, as novas composições estarão operando "em 45 dias".

Railway Gazette
foto - Railway Gazette
O Ministro do Interior e Transporte da Argentina,Florencio Randazzo,visitou no dia 7 de julho o Porto de Buenos Aires para inspecionar o primeiro dos 27 DMU com três carros,encomendados à CNR da China para a rede de trens suburbanos Belgrano Sur.De acordo com Randazzo,as novas composições estarão operando "em 45 dias".
Paralelamente a aquisição da nova frota, Randazzo disse que o governo esta realizando um programa abrangente de reformas da
via férrea com bitola de 1 mm que atende os subúrbios do sudoeste de Buenos Aires incluindo todas as suas 28 estações.
"Estamos fazendo progressos no cumprimento de todos os compromissos que assumimos", disse Randazzo.
Fonte - Railway Gazette  08/07/2015

Tradução e adaptação de texto - Pregopontocom

Original text http://www.railwaygazette.com/news/passenger/single-view/view/first-belgrano-sur-dmus-arrive.html

foto - Railway Gazette
foto - Railway Gazette



Presidenta Dilma chega à Rússia para encontro anual do Brics

Internacional

A presidenta Dilma Rousseff chegou agora há pouco à cidade de Ufa, capital do Bascortostão,para participar do sétimo encontro anual do Brics,juntamente com chefes de governo da Rússia, Índia, China e África do Sul 

Giselle Garcia
Correspondente da Agência Brasil/EBC
foto - ilustração
A presidenta Dilma Rousseff chegou agora há pouco à cidade de Ufa, capital do Bascortostão, na Rússia, onde se juntará aos chefes de governo da Rússia, Índia, China e África do Sul para o sétimo encontro anual do Brics. A cúpula de dois dias, que acontecerá em uma das mais belas regiões russas, nas encostas dos Montes Urais, terá início com um jantar típico oferecido aos líderes políticos.
O presidente chinês, Xi Jinping, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, e o presidente Sul-Africano, Jacob Zuma, chegaram durante a manhã a Ufa e tiveram encontros bilaterais com o presidente russo, Vladimir Putin. Para o líder russo, a cúpula é uma oportunidade de mostrar ao ocidente que Moscou não está isolada, mesmo com a suspensão do país do grupo G8 – as nações mais industrializados do mundo –, por causa da anexação da Crimeia, em março do ano passado.
Na agenda prioritária dos líderes está o acordo sobre o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) do Brics ou Banco do Brics, que entrou em vigor na última semana. Eles vão discutir detalhes sobre o funcionamento da nova instituição, que terá sede em Xangai, na China, e será presidida pelo banqueiro indiano K. V. Kamath, tendo como vice o economista brasileiro Paulo Nogueira Batista Junior.
O banco, que começa a operar no ano que vem, terá capital inicial de US$ 50 bilhões, divididos em partes iguais entre os membros. Com ele, os países-membros do Brics esperam reduzir o domínio do FMI e do Banco Mundial sobre o sistema financeiro global e criar espaço para outras moedas, além do dólar americano, no comércio internacional. A instituição financiará projetos de infraestrutura nos países do Brics, mas as operações podem ser estendidas a países em desenvolvimento que desejem fazer empréstimos.
A criação do NDB ocorreu em julho do ano passado, na última reunião do Brics, em Fortaleza, no Ceará. Na ocasião, também foi lançado o Arranjo Contingente de Reservas (CRA na sigla em inglês) no valor de US$ 100 bilhões, dos quais US$ 41 bilhões virão da China. O Brasil, a Rússia e a Índia contribuirão com US$ 18 bilhões cada e a África do Sul aportará US$ 5 bilhões.
A cúpula também servirá para discutir ações de cooperação econômica e comercial entre os países do bloco, englobando setores como energia e infraestrutura. O Brics representa um quinto da economia mundial e 40% da população do planeta.
Fonte - Agência Brasil  08/07/2015

BNDES financiará com R$ 70,5 mi fabricação de 19 locomotivas

Transportes sobre trilhos

A operação ocorre no âmbito do Programa BNDES de Sustentação do Investimento (BNDES PSI), e os recursos serão repassados pelo agente financeiro Banco Alfa Investimento S.A.

BNDES
foto - ilustração
A Diretoria do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de R$ 70,5 milhões à GE Transportes Ferroviários S.A. para a fabricação de 19 locomotivas.
A operação ocorre no âmbito do Programa BNDES de Sustentação do Investimento (BNDES PSI), e os recursos serão repassados pelo agente financeiro Banco Alfa Investimento S.A.
O projeto estimula a indústria nacional de máquinas e equipamentos do setor de logística ferroviária, que apresentou um salto de investimentos nos últimos anos. De 2007 a 2014, o BNDES aprovou 24 projetos de investimento em ferrovias, no valor total de R$ 17,3 bilhões. Deste montante, cerca de R$ 3,4 bilhões foram para a produção e/ou aquisição de 485 locomotivas para utilização no País.
As locomotivas — modelo GE AC 44i — serão adquiridas pela VLI Multimodal S.A (12 locomotivas) e pela Rumo Logística Operacional Multimodal S.A. (7 locomotivas). O apoio do BNDES corresponde a 50% do investimento total no projeto.
Fonte - Revista Ferroviária  08/07/2015

Papa pede à América Latina que evite leis que estimulem a repressão

Internacional

O papa alertou que “as normas e leis, assim como os projetos da comunidade civil, devem procurar a inclusão, abrir espaços para o diálogo, o encontro, e assim abandonar a dolorosa memória de qualquer tipo de repressão, controle desmedido e restrição de liberdade”.

Da Agência Lusa
Papa Francisco celebra missa em Guayaquil,
Equador - Agência Lusa/EPA/Leonardo Munoz
O papa Francisco fez, nessa terça-feira (8), um apelo ao Equador e aos povos latino-americanos, para que evitem “a dolorosa memória de qualquer tipo de repressão, controle desmedido e restrição de liberdades” nas suas normas e leis.
O pontífice falou na Igreja de São Francisco de Quito, durante viagem à América Latina, que o levará também à Bolívia e ao Paraguai.
Francisco destacou como o Equador e outras nações da América Latina devem enfrentar novos desafios, que requerem a participação de todos os setores sociais.
“A migração, a concentração urbana, o consumismo, a crise da família, falta de trabalho, as bolsas de pobreza que geram incerteza”, bem como “tensões que constituem ameaça à convivência social”, foram alguns dos exemplos que apontou.
O papa alertou que “as normas e leis, assim como os projetos da comunidade civil, devem procurar a inclusão, abrir espaços para o diálogo, o encontro, e assim abandonar a dolorosa memória de qualquer tipo de repressão, controle desmedido e restrição de liberdade”.
Para Francisco, a esperança de um futuro melhor para esses países começa pela criação de emprego e de crescimento econômico, “mas que não fique nas estatísticas macroeconômicas e que [promova] um desenvolvimento sustentável que gere um consenso social, firme e coeso.”
Na audiência, o papa deu o exemplo de alguns países europeus, onde o desemprego juvenil se encontra entre 40% e 50%.
O pontífice citou o fenômeno dos “nem nem”, jovens que nem estudam, nem trabalham e, diante da falta de trabalho, cedem a vícios, à tristeza, à depressão, ao suicídio ou envolvem-se em projetos de “loucura social”.
Fonte - Agência Brasil  08/07/2015

Cobrança de estacionamento nos Shoppings causa retração aponta Fecomércio

Economia

Fecomércio aponta prejuízos com cobrança de estacionamento. - Lojistas esperam que a entidade interceda na questão, diante da retração nas vendas, agravada pelas chuvas que atingem a cidade nos últimos dois meses.A redução de 15% nas vendas, sobre a retração de 30% já verificada por conta da crise econômica, foi constatada menos de 15 dias após o início da cobrança pelo estacionamento.

Joyce de Sousa - A Tarde
Carlos Andrade, da Fecomércio, propõe consenso contra a crise 
Mila Cordeiro - Ag. A TARDE
A Federação do Comércio do Estado da Bahia (Fecomércio-BA) planeja para a próxima semana uma reunião com as empresas administradoras de shopping centers de Salvador, na tentativa de rever a cobrança por estacionamento.
Lojistas esperam que a entidade interceda na questão, diante da retração nas vendas, agravada pelas chuvas que atingem a cidade nos últimos dois meses.
A redução de 15% nas vendas, sobre a retração de 30% já verificada por conta da crise econômica, foi constatada menos de 15 dias após o início da cobrança pelo estacionamento.
"Temos recebido muitas queixas dos lojistas de shopping por conta da queda do movimento, devido à cobrança do estacionamento, atingindo, inclusive, supermercados e farmácias que, até então, vinham mantendo as vendas estáveis", afirmou o presidente da Fecomércio, Carlos Andrade.
Ao participar, ontem, de reunião da Confederação Nacional do Comércio (CNC), Andrade percebeu que, diante da crise geral enfrentada pelo setor no país, o caso de Salvador e, especialmente dos lojas de shopping, foi considerado "ainda mais preocupante", por conta da chuva e do estacionamento.
Segundo Andrade, os lojistas questionam o início da cobrança pelas vagas em um momento tão desfavorável.
"Entendemos que as administradoras têm também enfrentado dificuldades e querem reduzir custos, como, aliás, tem feito todo o setor produtivo, mas a medida pode inviabilizar a permanência do lojista no centro comercial. Entendemos que é hora de buscar um consenso, contando com o apoio das empresas e, também, do poder público, se for o caso, para que possamos rediscutir essa questão", disse o líder empresarial.

Reação
A auditora Karla Borges, do Instituto Latino-americano de Estudos Jurídicos (Ilaej), diz que, considerando que a decisão judicial assegura o direito de cobrança nos estacionamentos, "só resta ao cliente a pressão e o boicote, visando criar meios mais brandos para amenizar esse pagamento obrigatório".
Ela sugere que, diante da queda no movimento, o comércio crie estratégias de atração, a exemplo de programas de fidelidade.
Para Karla, mesmo que os governos estadual e municipal quisessem dispor sobre o assunto, não poderiam fazê-lo: "Não há lei que limite esse poder de atuação das empresas que não venha a ser considerada inconstitucional, por se tratar de local privado".
E conclui: "Ao consumidor só resta reduzir as idas aos estabelecimentos, priorizando os que oferecem o serviço gratuitamente".
Fonte - A Tarde  08/07/2015

terça-feira, 7 de julho de 2015

Bondinhos de Santa Teresa começam a circular em fase de testes

Transportes sobre trilhos

Símbolo de Santa Teresa, os bondinhos, já podem ser vistos de volta ao bairro.A Secretaria estadual de Transportes inicia os testes operacionais com os novos bondes que começarão a circular ainda este mês no bairro Santa Teresa.

Isabela Vieira
Repórter da Agência Brasil 
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Começaram hoje (7) os testes operacionais com quatro dos 14 bondes que voltarão às sinuosas ladeiras da região, no Centro do Rio de Janeiro. Na fase de testes, a previsão é que os veículos circulem por 10 dias, em um trecho de 900 metros, passando pelos Arcos da Lapa, entre a estação Carioca e a Rua Joaquim Murtinho.
Calculada em R$ 130 milhões, a obra para circulação dos bondes começou em novembro de 2013, com a previsão de ficar pronta antes da Copa do Mundo de 2014. O trânsito dos bondes no bairro foi interrompido em 2011, por causa de um acidente com seis mortos.
Por enquanto, os testes serão feitos sem passageiros, apenas para verificar as condições dos freios. O chassi do bonde, com alterações em relação ao original, já foi aprovado. O bonde tem agora uma barra de travessão, para evitar que passageiros escorreguem para fora e estribo retrátil. Ou seja, não será mais possível viajar em pé e de graça, como se fazia antes. Para compensar, um conforto extra: cortinas de plástico retrátil, que funcionarão como janelas, em caso de chuva.
A previsão é que os bondinhos voltem a circular entre a Carioca e o Largo do Curvelo, o primeiro trecho a entrar em funcionamento, até 15 de julho. Depois, a previsão é chegar até o Largo dos Guimarães, na região central de Santa Teresa. Em setembro, há previsão de inaugurar ramificações para o Silvestre e para o Largo das Neves, que voltarão a ser os pontos finais das linhas.
Segundo o secretário estadual de Transportes, Carlos Osório, ainda não é possível antecipar a data de entrega dos bondes. “Prefiro não dar um prazo até terminarem os testes mecânicos”, afirmou. Ele lembrou que o cronograma de instalação acabou sendo descumprido algumas vezes e trechos tiveram se ser refeitos. “Agora que [a obra] ganhou ritmo”, completou.
Além da entrega do primeiro trecho, a previsão é que sejam concluídas as obras entre a Rua Joaquim Murtinho e o Largo do Curvelo, que precisou ser refeito pelo Consórcio Elmo Azvi, responsável pela obra. A empresa já foi multada em R$ 1,3 milhão e corre o risco de ter o contrato cancelado, caso não conclua o trecho no Largos do Guimarães até julho.
Fonte - Agência Brasil  07/07/2015

Arquiteto desenvolve projeto para integrar estações de metrô e ônibus com rios

Mobilidade

O arquiteto Danilo Sérvio, autor da ideia,integração intermodal,conta que o objetivo é integrar a navegabilidade com as estações de metrô e terminais de ônibus, desafogando assim, o trânsito de veículos terrestres em Teresina.

Cidade Verde - RF
foto - ilustração/Cidade Verde
Um projeto piloto de integração do transporte terrestre com o transporte pluvial pode tornar Teresina como referência em todo o país. O arquiteto Danilo Sérvio, autor da ideia, conta que o objetivo é integrar a navegabilidade com as estações de metrô e terminais de ônibus, desafogando assim, o trânsito de veículos terrestres em Teresina.

“A proposta é fazer a integração com o transporte fluvial e desafogar nosso tráfego. A ideia é inovadora e busca fazer com que a cidade se volte para os nossos rios que estão abandonados. Além deste benefício teríamos ganho na parte de mobilidade urbana, uma vez que, nosso trânsito é caótico. O projeto também teria cunho turístico”, disse Danilo Sérvio.
Fonte - Revista Ferroviária  07/07/2015

Valor da cesta básica cai em 15 das 18 capitais pesquisadas pelo Dieese

Economia

A pesquisa mostra que as maiores quedas foram verificadas em Salvador (-8,05%), Rio de Janeiro (-6,71%) e Fortaleza (-5,49%). Os menores valores médios para os itens básicos de consumo foram observados em Aracaju (R$ 275,42), Natal (R$ 302,76) e João Pessoa (R$ 309,48). 

Camila Maciel
Repórter da Agência Brasil 
foto - ilustração
O preço da cesta básica caiu em 15 das 18 cidades pesquisadas em junho pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). A pesquisa mostra que as maiores quedas foram verificadas em Salvador (-8,05%), Rio de Janeiro (-6,71%) e Fortaleza (-5,49%). Nos últimos 12 meses, as 18 cidades acumulam alta, com destaque para Salvador, Campo Grande e Belém. Essas capitais registraram variações acima de 10%.
Em junho, São Paulo continuou liderando com a cesta de maior custo (R$ 392,77), seguida de Florianópolis (R$ 386,10), Porto Alegre (R$ 384,13) e Rio de Janeiro (R$ 368,71). Os menores valores médios para os itens básicos de consumo foram observados em Aracaju (R$ 275,42), Natal (R$ 302,76) e João Pessoa (R$ 309,48). Carne bovina, leite, pão francês, batata e manteiga apresentaram predominância de alta.
A carne, por exemplo, aumentou em 16 cidades, com taxas entre 0,05% (Brasília) e 4,69% (Florianópolis). Ocorreu recuo apenas em Fortaleza (-1%) e Vitória (-0,67%). Em 12 meses, o preço da carne subiu em todas as cidades, com variação entre 10,55% (Vitória) e 24,30% (Campo Grande).
De acordo com o Dieese, “a oferta de carne continua restrita, por conta do aumento da exportação e dos altos custos de reposição de bezerros, o que mantém os altos patamares de preço”.
Em sentido contrário, o preço do tomate caiu em 15 cidades no período. Belo Horizonte (-44,10%), Rio de Janeiro (-41,90%) e Vitória (-35,66%) registraram os maiores recuos. Nos últimos 12 meses, seis cidades apresentaram redução e em 12 ocorreu alta nos preços.
“Como a colheita da safra de inverno começou a abastecer o mercado, houve redução no preço do fruto”, apontou o Dieese. O feijão também se destacou entre os produtos com queda no preço. O tipo carioquinha só não diminuiu em Manaus (0,56%).
Segundo a Constituição, o salário mínimo deve suprir despesas com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e Previdência. Para o Dieese, em junho o mínimo ideal deveria ser R$ 3.299,66. O valor equivale a 4,19 vezes o mínimo atual, de R$ 788. Esse cálculo é feito considerando o valor da cesta mais cara (São Paulo) para uma família de quatro pessoas.
Em maio, o salário mínimo necessário correspondeu a R$ 3.377,62, o que equivalia a 4,29 vezes o piso vigente. Em junho do ano passado, o valor necessário para atender às despesas de uma família era R$ 2.979,25 ou 4,11 vezes o salário mínimo da época (R$ 724).
Fonte - Agência Brasil  07/07/2015

Mais de 900 famílias recebem casa própria em Feira de Santana (Ba)

Habitação

Com a entrega nesta terça-feira (7) dos residenciais Reserva do Parque e Vida Nova Aviário IV, pelo Programa Minha Casa Minha Vida,mais 936 famílias de Feira de Santana foram beneficiadas e passam a morar em casa própria.

Sedur
foto - Manu Dias/Secom
Mais 936 famílias de Feira de Santana passam a morar em casa própria, com a entrega nesta terça-feira (7) dos residenciais Reserva do Parque e Vida Nova Aviário IV, pelo Programa Minha Casa, Minha Vida. Durante a solenidade, o secretário de Desenvolvimento Urbano, Carlos Martins, representou o governador Rui Costa, que não conseguiu chegar à cidade, por causa da chuva.
Carlos Martins destacou a importância do Minha Casa, Minha Vida para a população baiana, especialmente para a parcela mais carente. “É uma melhoria fundamental na qualidade de vida das pessoas. Hoje estão sendo beneficiadas 3,7 mil pessoas com mais de 900 unidades habitacionais. É um projeto de altíssima qualidade, com infraestrutura, com lazer. É um projeto que nos engrandece muito. Não existe nada mais gratificante do que ter seu teto. A habitação é o futuro do nosso país. Tivemos dois presidentes que fizeram pelas pessoas que mais precisam. Mesmo com a crise, Dilma mantém esse programa em funcionamento. Cuidem desses imóveis porque eles são de vocês. Essa é uma data muito importante para vocês”.

foto - Manu Dias/Secom
Cada unidade possui dois quartos, área de circulação, sala, banheiro, cozinha e área de serviço, com piso cerâmico em todos os ambientes. Atendendo às exigências de qualidade do programa, os residenciais são equipados com infraestrutura completa, pavimentação, redes de água, esgotamento sanitário, drenagem, energia elétrica e disponibilidade de acesso ao transporte público.
Selma dos Santos, 40 anos, é viúva e deficiente física. Ela morava com duas filhas em uma casa, que é da sua mãe, e recebeu um apartamento completamente mobiliado. “”Estou muito feliz com essa casa. Saí da casa de outra pessoa para agora ter minha própria casa. Quando eu saí de casa hoje, tinha bacias e baldes para todo lado, porque o telhado está pingando com a chuva. A casa também não tem fundo, nem janelas, só a porta da frente. A nova, agora, tem janela em todos os quartos, tem ventilação, minha filha não vai mais para o hospital com problema de respiração. Vai ser tudo muito lindo. Vai ser não, já está sendo”, comemorou Selma.

foto - Manu Dias/Secom
O superintendente regional interino da Caixa Econômica Federal, Gilberto Bastos, informou que Feira de Santana já foi contemplada com 36 mil unidades do Minha Casa, Minha Vida – quase 20 mil só para a população mais carente. “Com o Minha Casa, Minha Vida 3, Feira será ainda mais beneficiada. A Bahia se mantém na frente porque as parcerias são encontradas facilmente no estado. O Governo do Estado, por exemplo, junto ao governo federal, solicita mais imóveis, cede terras na região metropolitana, o que é uma dificuldade muito grande, por isso a Bahia se destaca”.
Fonte - Sedur  07/07/2015

Eventos marcam 140 anos da Estrada de Ferro Sorocabana

Ferrovias

Em 10 de julho de 1875 era inaugurado o primeiro trecho da Estrada de Ferro Sorocabana, interligando a cidade por meio dos trilhos, a partir de Ypanema, a São Paulo. A implantação desta ferrovia no Oeste paulista foi de grande importância para o desenvolvimento do interior do País, pois pelos trilhos da Sorocabana, cidades foram fundadas e povoadas; passageiros e produtos eram transportados em seus ramais que foram se expandindo ao longo das décadas.

Diário de Sorocaba - RF
foto - ilustração
Eventos organizados pela Secretaria da Cultura da Prefeitura vão marcar nesta terça (7) e quarta-feira (8) a passagem do 140º aniversário de inauguração da antiga Estrada de Ferro Sorocabana, ocorrida a 10 de julho de 1875. Às 17 horas de hoje, será exibido no Museu Ferroviário, no casarão existente no Jardim Maylasky, defronte à antiga estação de trem, o documentário "A Sorocabana: Ferrovia-Cultura" e amanhã, quarta-feira, às 15 horas, acontece a abertura da exposição "Imagens da Ferrovia".
Em 10 de julho de 1875 era inaugurado o primeiro trecho da Estrada de Ferro Sorocabana, interligando a cidade por meio dos trilhos, a partir de Ypanema, a São Paulo. A implantação desta ferrovia no Oeste paulista foi de grande importância para o desenvolvimento do interior do País, pois pelos trilhos da Sorocabana, cidades foram fundadas e povoadas; passageiros e produtos eram transportados em seus ramais que foram se expandindo ao longo das décadas. A Estrada de Ferro também foi responsável pela vinda de novos habitantes para Sorocaba, que se mudaram para cá em busca de oportunidades profissionais. Além disto, a Sorocabana contribuiu para o desenvolvimento do comércio e da indústria no Estado de São Paulo.
No documentário "A Sorocabana: Ferrovia-Cultura", produzido por Márcio Schimming Dias Lopes e Tauana Fontão, e viabilizado com recursos da Lei de Incentivo a Cultura (Linc) do Município, o público poderá conhecer casos, experiências e o dia a dia de trabalhadores, familiares e pesquisadores da Estrada de Ferro Sorocabana, uma das mais importantes iniciativas ao desenvolvimento do transporte ferroviário no Brasil. Entre os entrevistados, estão o pesquisador Adolfo Frioli e ferroviários aposentados.
A MOSTRA - Já na exposição "Imagens da Ferrovia", os visitantes poderão conferir fotografias, pinturas e desenhos de diversas personalidades conhecidas e anônimas que mostram momentos em que a Sorocabana se fez presente, tanto na memória afetiva da cidade, quanto na história nacional.
Fonte - Revista Ferroviária  07/07/2015

Para especialistas, licitação pode corrigir problemas do sistema de ônibus de SP

Transportes

As bases da nova concorrência são o resultado de uma auditoria contratada pela prefeitura no ano passado.As mudanças na forma de remuneração das empresas são especialmente interessantes na opinião do professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), Mauro Zilbovicius. As concessionárias serão pagas pela qualidade do serviço e os custos de operação. Atualmente, as companhias recebem pela quantidade de passageiros transportados.

Camila Maciel e Daniel Mello
Repórteres da Agência Brasil
foto - ilustração
A nova licitação para linhas de ônibus paulistanas abre espaço para corrigir problemas do sistema atual, na avaliação de especialistas ouvidos pela Agência Brasil. Os termos da nova concorrência preveem aumento do número de viagens, novo desenho dos itinerários e limite da margem de lucro. As bases da nova concorrência são o resultado de uma auditoria contratada pela prefeitura no ano passado.
As mudanças na forma de remuneração das empresas são especialmente interessantes na opinião do professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), Mauro Zilbovicius. As concessionárias serão pagas pela qualidade do serviço e os custos de operação. Atualmente, as companhias recebem pela quantidade de passageiros transportados.
“As empresas serão remuneradas por 100% do custo na medida em que atendam o número de passageiros transportados previstos, cumprimento de viagens e cumprimento de disponibilização de frota", disse. Ele lembra que se essas condições coisas não estiverem sendo cumpridas, as empresas vão receber menos que o custo. "Ou seja, vão ter um prejuízo. Se é esta a ideia, ela está muito correta”, enfatizou o professor que foi secretário interino de Serviços e Obras da prefeitura, em 1991.
Zilbovicius ponderou, no entanto, que o decreto do prefeito Fernando Haddad publicado na sexta-feira (3) traz apenas as bases da licitação e que é preciso ainda ver como o edital será elaborado. “Ainda faltam várias coisas que não estão no decreto e nem no material que eu vi, que se referem principalmente às condições dos veículos e do serviço prestado", acrescentou.

Custos e qualidade
No sistema de hoje, o professor avalia que a população paga por um serviço de qualidade inferior ao que poderia ser ofertado. “São Paulo ainda tem pelo menos 30% da frota composta de caminhões encarroçados – aquele que na verdade é chassi de caminhão com motor dianteiro, é muito alto e não é feito para ser ônibus”, exemplifica. “Em certas linhas [de ônibus] e no Metrô, a gente tem até 12 a 14 passageiros por metro quadrado. É uma coisa vergonhosa, mas esse nível precisa ser medido sistematicamente no horário de pico”, ressalta.
A mudança no sistema de remuneração pode, segundo Zilbovicius, reduzir os gastos para manutenção do sistema. Como se trata de um serviço subsidiado, parte é custeado com as tarifas e o restante diretamente pelo orçamento da prefeitura. Pelos dados obtidos pela consultoria da Ernst Young, a margem de lucro das empresas é cerca de 18%. A administração municipal quer limitar os ganhos a 9,9%.
“Quando tenho um ônibus transportando 20, 30 ou 40 passageiros, o custo é o mesmo. Esse é um erro que foi cometido e custou muito caro para a prefeitura de São Paulo ao longo de todos esses anos”, explicou o professor. Porém, ele destacou que o impacto das mudanças nas tarifas cobradas na cidade será uma decisão. “Uma coisa é quanto vai custar e outra coisa é qual é a receita. A receita é uma política da prefeitura que independe de quanto vai custar”, ressaltou sobre a opção como serão divididos os custos em relação ao valor pago pelos usuários e os subsídios.

Linhas mais eficientes
Na avaliação da professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, Andreina Nigriello, como o sistema de ônibus da capital paulista foi sendo desenhado aos poucos ao longo dos anos, existem falhas de planejamento. “Agora temos um desenho completo do sistema, superracional e que, portanto, vai permitir uma escolha de vias muito correta”, enfatizou sobre a solução de problemas de eficiência, como a sobreposição de linhas. “Vamos ter racionalização muito grande do funcionamento das linhas, do ajuste do tamanho do ônibus ao tamanho da demanda”, acrescentou.
Esses avanços permitirão, na opinião da especialista, que os coletivos andem menos lotados e cheguem mais rápido. “Não sei em termos de custo, mas com certeza vai melhorar oferta de lugares por passageiros, [e permitir] ganhos de tempo. [O usuário] vai ter pelo menos uma melhor qualidade do serviço”, analisou.
Fonte - Agência Brasil  07/07/2015