sábado, 20 de junho de 2015

VLT de Cuiabá,Governo do MT não vai colocar verba extra

Transportes sobre trilhos

O Estado deverá buscar recursos federais para concluir as obras ou então firmar concessão com o próprio Consórcio VLT que iria administrar o modal.A conclusão do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) estava orçado inicialmente em R$ 1,477 bilhão 

Marcos Lemos - DC

Com o encerramento do prazo de 75 dias estipulado em Audiência de Conciliação na Justiça Federal - entre o Estado de Mato Grosso, os Ministérios Públicos Estadual e Federal, com o Consórcio VLT Cuiabá -, a resposta do governo deverá ser apresentada nesta segunda-feira.
O próprio governador Pedro Taques (PDT), após retornar de sua viagem a Espanha, onde foi discutir e assinar convênios para a preservação ambiental, se reuniu com os principais secretários para definir a posição oficial do Estado de Mato Grosso, que é pela retomada da obra, mas sem colocar nenhum dinheiro extra por parte dos cofres públicos.
O governo do Estado atua em duas frentes distintas: a primeira é receber um aporte financeiro, leia-se repasse de recursos federais para concluir as obras como manifestado pelo ministro das Cidades, Gilberto Kassab, em recente audiência com o chefe do Executivo Mato-grossense, ou então o Consórcio VLT e suas empreiteiras assumirem a conclusão das obras e a concessão dos serviços por período a ser definido que compusesse os custos da conclusão das obras e da operacionalização do sistema.
Uma terceira frente de atuação seria a realização de uma Parceria Público Privada (PPP), essa mais difícil de acontecer, pois ela implicaria no fato do governo ter que colocar recursos públicos, o que o próprio governador Pedro Taques resiste por um simples motivo, se falta recursos para a saúde, educação e segurança não há como privilegiar uma área essencial como transporte de massa em detrimento dessas outras também essenciais.
O secretário de Cidades, Eduardo Chiletto, informou através da assessoria de imprensa que as respostas aos questionamentos serão encaminhadas à Justiça federal na próxima segunda-feira pela Procuradoria-Geral do Estado e que aguardará nova audiência da Justiça Federal para possíveis esclarecimentos.
O secretário informou ainda a determinação já em execução, do governador Pedro Taques pela retomada da conclusão de obras não terminadas nos prazos, em condições de qualidade duvidosa e que consumirão quase R$ 80 milhões, além da questão das desapropriações que são essenciais para o Veículo Leve sobre Trilhos – VLT.
Para a Secretaria de Cidades, dentro de cronogramas financeiros o Estado pretende concluir todas as obras da Matriz de Responsabilidade da Copa do Mundo até o ano de 2016.
Já quanto ao VLT, por ser a maior obra e, portanto, a mais cara, com um valor da ordem de R$ 1,477 bilhão e que se encontra judicializada, toda decisão terá que passar por um entendimento que vai além do Estado por se tratar de uma obra que recebeu recursos federais contraídos através de empréstimos pelo Tesouro do Estado e que terão que ser pagos pelos impostos dos cidadãos.
A expectativa da Secretaria de Cidades é que antes do 2º semestre já exista uma decisão definitiva em relação ao VLT que terá 23 km em dois ramais entre Cuiabá e Várzea Grande.
Fonte - Diário de Cuiabá  20/06/2015

Deputados descartam propostas da socidade civil para a reforma política

Política

Instituições como a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) queriam mudanças, principalmente do sistema eleitoral e do financiamento de campanha, mas não conseguiram emplacar suas propostas.

Carolina Gonçalves
Repórter da Agência Brasil 
Plenário da Câmara dos Deputados durante
sessão de votação da reforma política
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Os pontos centrais defendidos por mais de 100 entidades e movimentos da sociedade civil para a reforma política não entraram no texto aprovado pela Câmara, nesta semana. Instituições como a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) queriam mudanças, principalmente do sistema eleitoral e do financiamento de campanha, mas não conseguiram emplacar suas propostas.
Na votação, os deputados mantiveram o sistema proporcional em que deputados e vereadores são eleitos de acordo com a votação do partido ou da coligação. Já os integrantes do movimento conhecido como Coalizão pela Reforma Política queriam eleições em dois turnos, para que os eleitores pudessem votar primeiro nos partidos e definir o número de cadeiras destinadas a cada legenda, e só depois escolherem os candidatos.
“Temos mais de 800 mil assinaturas coletadas em apoio a esta proposta. Já votamos em dois turnos pelas atuais regras. Se trata apenas de seguir as mesmas datas previstas hoje para que as pessoas tenham clareza de que forças estão colocando no Parlamento”, explicou o juiz eleitoral do Maranhão Marlon Reis, cofundador do MCCE.
O modelo sequer foi analisado pelos parlamentares, que discutiram alternativas como o distritão – em que seriam eleitos os deputados e vereadores mais votados no estado, em sistema majoritário –, a lista fechada – com indicação dos candidatos pelo partido – e o distrital misto, para que 50% dos deputados e vereadores fossem eleitos por lista e outra metade entre os mais votados em cada distrito.
A Coalizão pela Reforma Política também não conseguiu convencer os parlamentares a alterar o modelo de financiamento de campanha. “Defendemos um modelo misto, com financiamento público e em que o cidadão participe com doações limitadas a até R$ 700, por pessoa, para evitar que alguém se transforme em padrinho de campanha e não houvesse doações de empresas”, explicou o juiz maranhense. A seu ver “não houve reforma alguma”.
No texto aprovado em primeiro turno pela Câmara, as doações de empresas só podem ser feitas aos partidos e não mais aos candidatos. As pessoas físicas podem doar à legenda e ao candidato. Também foi mantida a distribuição de recursos do fundo partidário. Para o analista político Antônio Augusto Queiroz , diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), a restrição às doações de pessoas jurídicas não produz mudanças. “Os partidos têm autonomia administrativa e orçamentária que o Estado não controla. Ele pode canalizar para o candidato que desejar os recursos, pode priorizar alguns candidatos, do modo como foi feito, sem estabelecer regra de que o que for arrecadado vai ser distribuído linearmente entre todos os candidatos”, avaliou.
Queiroz disse que os deputados não avançaram nos três pilares básicos da reforma política. “Não aprovaram mudanças no financiamento de campanha, que ajuda a moralizar e diminuir a corrupção na política; no sistema eleitoral de lista fechada, que viria na perspectiva de fortalecer ideias e partidos e com o fim de coligação que reduz o número de partidos”. Para ele, a manutenção das coligações com liberdade plena para os partidos, como ficou no texto final é “um deboche” com o eleitor que vota em um candidato e acaba ajudando a eleger outros que não tem qualquer identidade ideológica.
“Coligação só faz sentido se tiver identidade programática. O correto seria instituir a federação de partidos para que os que se coligarem para a eleição fiquem juntos durante todo o mandato”, explicou. Os deputados, no entanto, rejeitaram essa proposta.
O analista político também critica o fim da reeleição. Ele considera que os mandatos são muito curtos para uma administração apenas. “Você pode aperfeiçoar o sistema determinando que quem for concorrer a reeleição se licencie nos seis meses que antecede a votação e retira a influência”. Ele acrescentou que a cláusula de barreira, instituída pela Câmara, “tem como único objetivo impedir que partidos pequenos se manifestem.”
O texto estabelece que só terão acesso aos recursos do fundo partidário e ao tempo de rádio e televisão os partidos que tiverem pelo menos um candidato à Câmara dos Deputados e um parlamentar eleito para a Câmara ou para o Senado.
A matéria ainda precisa passar por um segundo turno de votações na Câmara. Se aprovada, segue para avaliação do Senado. “Os senadores seguramente farão mudanças”, aposta Queiroz. O que for acatado pode ser promulgado imediatamente e os pontos que sofrerem alterações voltam à Câmara para nova votação.
Fonte - Agência Brasil  20/06/2015

Movimento de saída da cidade é intenso na BR-324 e no ferry

Salvador

O fluxo de veículos é intenso no sistema Ferry Boat,em São Joaquim,já nas rodovias, a BR-324 é a única que apresenta pontos de lentidão. Na BA-099 (Litoral Norte) o trânsito flui normalmente.A travessia marítima pelo Sistema Salvador-Mar Grande opera sem filas e com oito embarcações.

A Tarde
Da Redação
Raul Spinassé - Ag. A TARDE
O movimento de saída de Salvador, para o feriadão do São João, está intenso na manhã deste sábado, 20. De acordo com a Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador), o fluxo de veículos é intenso no sistema ferryboat, em São Joaquim. E após, um começo de manhã complicado, o tráfego na região da rodoviária é considerado normal neste momento.
Segundo a Transalvador, por conta do movimento no terminal de ônibus, o trânsito ficou congestionado e causou reflexos no viaduto dos rodoviários, atingindo até o outro lado da avenida ACM, sentido Paralela. A Ligação Iguatemi-Paralela (LIP), sentido rodoviária, também registrou lentidão.
Já nas rodovias, a BR-324 é a única que apresenta pontos de lentidão. Na BA-099 (Litoral Norte) o trânsito flui normalmente.
No ferry, o tempo de espera para os motoristas varia de 1h30 a 2h, informou a assessoria da Internacional Travessias Salvador, responsável pela administração do sistema. Pedestres esperam cerca de 1h para embarcar.
De acordo com a concessionária, sete embarcações fazem a travessia no momento e saem a cada 30 minutos.

Lanchas
A travessia marítima pelo Sistema Salvador-Mar Grande opera sem filas e com oito embarcações, segundo a Associação dos Transportadores Marítimos da Bahia (Astramab).
Os horários de saída estão acontecendo de 30 em 30 minutos, mas, se o fluxo aumentar, o sistema está preparado para atender a cada 15 minutos, já que conta com outras seis embarcações em reserva que podem ser acionadas.
A Astramab tem a expectativa de que o fluxo de passageiros cresça mais até o meio dia. Neste sábado, a última viagem saindo de Salvador será às 19h30 e de Mar Grande, às 18h30.
Fonte - A Tarde  20/06/2015

Governo da Venezuela qualifica de "manobra midiática" ação de senadores

Internacional

Na nota, o governo de Nicolás Maduro reitera parceria com o Brasil, o governo da Venezuela reitera os seus laços de amizade e cooperação com base no respeito mútuo, na não ingerência nos assuntos internos dos Estados e na autodeterminação dos povos com o Brasil. As autoridades do país destacam o “compromisso inabalável” em manter esses compromissos “acima de qualquer manobra divisionista” adotado contra a Venezuela.

Iolando Lourenço 
Repórter da Agência Brasil
Arquivo Agência Brasil Soares
O Executivo venezuelano rechaçou, em nota oficial, o que chamou de “manobra midiática” as tentativas de grupos de direita nacional e internacional que tentaram construir à base de mentiras os episódios envolvendo a visita de uma comissão de senadores brasileiros. Segundo a nota, “os senadores chegaram ao país com o único propósito de desestabilizar a democracia venezuelana, gerar confusão e conflito entre os países irmãos [Brasil e Venezuela]”.
Segundo o governo de Nicolás Maduro, entre as mentiras estão a de que o governo teria negado permissão de sobrevoo para a delegação brasileira, antes mesmo dela apresentar formalmente qualquer explicação. A nota também desmente que o governo teria obstruído a estrada principal que liga o aeroporto a cidade de Caracas. A versão do Executivo venezuelano é de que um acidente com uma carreta com produtos inflamáveis teria impedido o trânsito livre de veículos. Também foi rebatida a alegação de que a segurança e a integridade dos senadores estavam sob riscos.
De acordo com o governo, em nenhum momento a segurança e a integridade dos senadores do Brasil foi posta em risco. Na nota, o governo afirma dispor de vídeos e fotografias que mostram a interação dos senadores com os ativistas políticos que se encontravam em campanha eleitoral para as eleições deste ano, no país. A alegação é de que havia um efetivo de segurança com batedores, patrulhas que acompanharam durante todo o tempo o grupo de brasileiros.
Na nota, o governo da Venezuela reitera os seus laços de amizade e cooperação com base no respeito mútuo, na não ingerência nos assuntos internos dos Estados e na autodeterminação dos povos com o Brasil. As autoridades do país destacam o “compromisso inabalável” em manter esses compromissos “acima de qualquer manobra divisionista” adotado contra a Venezuela.
Na quinta-feira (18), uma missão oficial do Senado, composta de oitos senadores da oposição foi a Venezuela para verificar as condições em que se encontram os presos que são opositores ao regime do governo de Nicolás Maduro. Os senadores alegam que foram impedidos de visitar as pessoas e que estavam cumprindo o dever constitucional de fiscalizar a aplicação da legislação brasileira. A alegação é que, quando o Brasil assinou o tratado do Mercosul, a cláusula de exigência da democracia pelos membros passou a compor a legislação brasileira e deve ter sua obediência cobrada pelo Estado brasileiro em relação aos demais membros do bloco.
Integravam a missão oficial os senadores Aécio Neves (MG), Aloysio Nunes Ferreira (SP) e Cássio Cunha Lima (PB), Ronaldo Caiado (DEM-GO), Ricardo Ferraço (PMDB-ES), José Agripino Maia (DEM-RN), Sérgio Petecão (PSD-TO) e José Medeiros (PPS-MT).
Fonte - Agência Brasil  20/06/2015

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Shanghai terá "People Mover", Bombardier/CSR

Transportes sobre trilhos

A linha elevada se conectara com a estação da linha 8 do Metrô em Shendu Gonglu no distrito residencial de Pujiangzhen  e terá seis estações. A inauguração está prevista para Dezembro de 2017.

Railway Gazette
Railway Gazette
A Shanghai Shentong Metro Co fechou um contrato no valor 808mi.yuan com um consorcio (joint venture) da Bombardier Transportation e CSR Nanjing Puzhen para fornecer um "People Mover" automatizado,com 6.6Km para Xangai.
A linha elevada se conectara com a estação da linha 8 do Metrô em Shendu Gonglu no distrito residencial de Pujiangzhen  e terá seis estações. A inauguração está prevista para Dezembro de 2017.
O consorcio irá fornecer 11 trens automatizados (sem condutor) Innovia APM 300 de 4 carros,com tecnologia da Bombardier,com sistema de controle de trens baseado em comunicações CBTC- Cityflo 650,e um centro de controle de operações.
O valor de participação da Bombardier no contrato é de 89mi.yuan.O consórcio é controlado pela CSR Nanjing Puzhen, e os trens serão fabricados na China.
Fonte - Railway Gazette  19/06/2015

Tradução e adaptação de texto - Pregopontocom
Original Text http://www.railwaygazette.com/news/urban/single-view/view/shanghai-peoplemover-contract.html

Informações complementares sobre o Veículo

Os Veìculos INNOVIA APM 300  possuem:

Opções de porta-bagagens, telas de informação e entretenimento e circuito fechado de televisão (CCTV)
Pegadores e balaústres de aderência para passageiros em pé
Espaços designados para passageiros com mobilidade restrita
Tecnologia de comunicação avançada
Piso baixo para acesso fácil aos trens,com bagagem,cadeiras de rodas ou carrinhos de criança
Pneus de borracha com ruído interior e exterior minimizado
Equipamento de acoplamento para trens com até 6 carros
Gerenciamento inteligente de energia para o aumento da eficiência energética
Fonte - www.bombardier.com

USO DE AGROTÓXICOS no Brasil cresce mais de duas vezes e meia em dez anos

Saúde

Segundo o IBGE, os produtos mais usados em 2012 são os considerados perigosos ou muito perigosos, com 64,1% e 27,7% do total de produtos comercializados naquele ano.

RA

O uso de agrotóxicos na agricultura brasileira mais do que dobrou entre os anos de 2002 e 2012, divulgou hoje (19) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a pesquisa Indicadores de Desenvolvimento Sustentável (IDS), o uso de agrotóxicos saltou de 2,7 quilos por hectare (kg/ha), em 2002, para 6,9 quilos por hectare em 2012 – variação de cerca de 155%.
Segundo o IBGE, os produtos mais usados em 2012 são os considerados perigosos ou muito perigosos, com 64,1% e 27,7% do total de produtos comercializados naquele ano.
Os herbicidas foram os agrotóxicos mais comercializados no período, com 62,6% do total de vendas, seguidos dos inseticidas, com 12,6%, e dos fungicidas, com 7,8%.
O uso de agrotóxicos por área foi maior na Região Sudeste, com 8,8 quilos por hectare, e o estado de São Paulo foi o que fez o uso mais intenso em 2012, com 10,5 kg/ha. O segundo estado com maior uso de agrotóxicos é Goiás, com 7,9 kg/ha, e o terceiro, Minas Gerais, com 6,8 kg/ha.
O menor uso de agrotóxicos foi verificado no Amazona e no Ceará, onde o valor é menor que 0,5 kg/ha.
Fonte - Revista Amazônia  19/06/2015

Salvador atrasa Plano de Mobilidade e está impedida de receber recursos

Mobilidade

A Política Nacional de Mobilidade Urbana – Lei 12.587/2012 – determina que cidades com mais de 20 mil habitantes são obrigadas a elaborar o PlanMob, instrumento de política de desenvolvimento urbano que tem objetivo de promover a integração entre os diferentes modos de transporte e a melhoria da acessibilidade e mobilidade das pessoas na capital baiana.O prazo venceu em meados de abril deste ano e, sem o Plano, a gestão soteropolitana está impedida de dar início às obras.

Por David Mendes - TB
foto - ilustração
Salvador - Com dois meses de atraso, a prefeitura de Salvador ainda não concluiu o Plano de Mobilidade (PlanMob), o que impede o recebimento de recursos federais na ordem de R$ 541,8 milhões destinados à implantação do corredor exclusivo para o BRT (Bus Rapid Transit) que vai fazer, inicialmente, o trajeto Estação da Lapa x Ligação Iguatemi-Paralela (LIP).
A Política Nacional de Mobilidade Urbana – Lei 12.587/2012 – determina que cidades com mais de 20 mil habitantes são obrigadas a elaborar o PlanMob, instrumento de política de desenvolvimento urbano que tem objetivo de promover a integração entre os diferentes modos de transporte e a melhoria da acessibilidade e mobilidade das pessoas na capital baiana.
O prazo venceu em meados de abril deste ano e, sem o Plano, a gestão soteropolitana está impedida de dar início às obras.
Por meio de nota, o Ministério das Cidades afirmou que depende da administração municipal, já que a lei define que os municípios que não tenham elaborado o PlanMob não poderão receber recursos até estarem regularizados. “Neste momento, aguardamos a informação da prefeitura de Salvador quanto ao cumprimento da legislação para efetuarmos o empenho inicial que possibilitará a contratação do referido projeto”, afirmou a pasta.
Para o secretário municipal de Mobilidade Urbana, Fábio Mota, em entrevista à Tribuna, a análise por parte do Ministério está equivocada. “Quando o pedido foi feito ao Ministério das Cidades não tinha exigência de ter o Plano de Mobilidade Urbana. Essa exigência é nova. O nosso pedido é anterior a todo esse tipo de exigência, mas, mesmo assim, entendo que essa exigência também está sanada porque o nosso Plano de Mobilidade está sendo realizado, está em processo de licitação e fica pronto em dezembro”, afirmou.
Ainda de acordo com Mota, a prefeitura já apresentou justificativa ao Ministério das Cidades, que deve nos próximos dias analisar o pedido e liberar os recursos. “Essa exigência vale para quem assinou convênios a partir de abril deste ano. Quando nós assinamos com o governo federal no ano passado, entregamos todas as documentações e tudo que foi nos exigido e, naquele momento, não tinha essa exigência. Se eles quisessem ter feito o empenho desde o ano passado até abril deste ano, já estaria tudo pronto para ser feito.
Desabilitada a receber recursos da União, a prefeitura garante que a pendência agora está apenas na liberação dos recursos por parte do governo federal para poder dar início ao processo licitatório para contratação da empresa que ficará responsável pelas obras. Para Fábio Mota, a gestão soteropolitana esbarra em um processo burocrático interno patrocinado pelos técnicos do Ministério das Cidades. “Como tem recursos federais, não podemos licitar o projeto sem a autorização da Caixa. E a Caixa só autoriza com empenho dos recursos federais”.
Em entrevista recente publicada pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo da Bahia (CAU), o diretor geral de Mobilidade e Acessibilidade da Semob, Francisco Ulisses, afirmou que a elaboração do PlanMob é necessária tanto pela lei, quanto pela necessidade de mobilidade da população soteropolitana.
“É fundamental por duas razões: a primeira, é que Salvador tem uma das situações mais desafiantes de mobilidade do país com tendência de agravamento. O tempo de deslocamento casa-trabalho de 40 minutos, em média, é o terceiro mais alto do país (somente inferior aos tempos de Rio e São Paulo). A frota de veículos individuais cresceu 7,4% ao ano entre 2007 e 2013 e, no cenário inercial, deve continuar crescendo em função da relativamente baixa penetração de veículos por habitante em Salvador quando comparada a outras capitais brasileiras”, destacou.
Fonte - Tribuna da Bahia  19/06/2015

Trem do Metrô da Linha 4 do Rio de Janeiro faz primeira viagem

Transportes sobre trilhos

De acordo com o governador Luiz Fernando Pezão com a entrada das 15 novas composições chineses, 30 composições antigas devem ser reformadas. A modernização está sendo negocianda com a concessionária que administra as Linhas 1 e 2.

Renato Lobo
foto -ilustração
Foi inaugurado o primeiro trem que vai prestar serviços na Linha 4 do Metrô do Rio, entre a Barra da Tijuca e Ipanema. Nesta quarta-feira (10) foi anunciada também que a chegada do Tunnel Boring Machine, mais conhecido com Tatuzão, ao Jardim de Alah será antecipada em um mês.
De acordo com o governador Luiz Fernando Pezão com a entrada das 15 novas composições chineses, 30 composições antigas devem ser reformadas. A modernização está sendo negocianda com a concessionária que administra as Linhas 1 e 2.
“Nossa previsão é que todos os 15 novos trens cheguem até setembro e sejam testados nas Linhas 1 e 2 até abril do ano que vem. Em julho de 2016, com a inauguração da Linha 4, começa a operação comercial” afirmou o secretário de Transportes, Carlos Roberto Osorio
A Linha 4 terá 16 km de extensão, deve transportar mais de 300 mil passageiros por dia, e sua operação deve retirar cerca de 2 mil veículos das ruas por hora/pico.
Fonte - Via Trólebus  19/06/2015

Desmatamento da Amazônia Legal em 16 anos,foi quase o tamanho de SP

Meio Ambiente

A pesquisa também mostra que o desmatamento entre 2005 e 2013 foi 89.158 quilômetros quadrados, extensão que pode ser comparada a uma área do tamanho do Espírito Santo com o Rio de Janeiro. O número é menor que o de 1997 a 2004, quando foi somada uma área de 159.078 quilômetros quadrados. Nesse caso, o total desmatado da Amazônia Legal superou o estado do Amapá.

RA

O desmatamento da Amazônia Legal, no período de 1997 a 2013, chegou a 248 mil quilômetros quadrados, quase o tamanho do estado de São Paulo, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados são da pesquisa Indicadores de Desenvolvimento Sustentável (IDS), divulgada hoje (19).
A pesquisa também mostra que o desmatamento entre 2005 e 2013 foi 89.158 quilômetros quadrados, extensão que pode ser comparada a uma área do tamanho do Espírito Santo com o Rio de Janeiro. O número é menor que o de 1997 a 2004, quando foi somada uma área de 159.078 quilômetros quadrados. Nesse caso, o total desmatado da Amazônia Legal superou o estado do Amapá.
De qualquer forma, o resultado da pesquisa mostra uma queda de 79,1% no desmatamento da região quando comparado o período entre 2004 e 2013. Segundo o IDS, pelo menos 15% da Amazônia Legal já foi desmatada.
Sobre os demais biomas brasileiros, segundo a pesquisa, a Mata Atlântica já teve 85,5% da área desmatada. Nos Pampas, 54,2% da área original foi desflorestada, enquanto quase metade da mata nativa do Cerrado – 49,1% – não existe mais. A Caatinga teve, no período, uma área desmatada de 46,6%. Já a região do Pantanal foi o bioma menos atingido pelo desmatamento (15,4%).
Em 2004, 27,8 mil quilômetros quadrados foram desflorestados na região, o equivalente ao estado de Alagoas. Já em 2013, a área desmatada caiu para 5,8 mil quilômetros quadrados, comparável ao território do Distrito Federal. O menor percentual da série histórica, no entanto, foi registrado em 2012, com 4,6 mil quilômetros quadrados.
Fonte - Revista Amazônia  19/06/2015

Secretário Carlos Martins inaugura bicicletário da Estação Bom Juá do Metrô de Salvador

Metrô de Salvador

Além da estação Bom Juá, outras duas estações do metrô de Salvador – Retiro e Acesso Norte – têm bicicletários, as duas com capacidade para 108 bicicletas cada.Ao utilizar o serviço pela primeira vez, o usuário do metrô receberá as normas de funcionamento do equipamento.

Sedur
Sedur
Nesta sexta-feira, o secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, Carlos Martins, inaugura o bicicletário da estação Bom Juá, que integra o Sistema Metroviário de Salvador e Lauro de Freitas. O ato será às 17h, na estação Bom Juá. O equipamento está disponível para uso exclusivo dos usuários do metrô e tem capacidade para 78 bicicletas.
Além da estação Bom Juá, outras duas estações do metrô de Salvador – Retiro e Acesso Norte – têm bicicletários, as duas com capacidade para 108 bicicletas cada.
Ao utilizar o serviço pela primeira vez, o usuário do metrô receberá as normas de funcionamento do equipamento. É preciso apresentar documento com foto e comprovante de residência. O cadastro vai gerar dois cartões de identificação, um para o usuário e outro que fica preso na bicicleta. No retorno, o usuário do serviço deve apresentar o cartão e o documento para liberação da saída da bicicleta.
Nos projetos da Linha 2 do metrô está prevista a implantação de bicicletário nas nove estações, desde a parada em Pernambués até a do Aeroporto. Além disso, o projeto prevê a implantação de uma ciclovia no canteiro central em toda extensão da Avenida Paralela. A obra da segunda linha terá um investimento total de R$ 3,6 bilhões, através de Contrato de Concessão (PPP), com a CCR Metrô Bahia, responsável pela implantação e operação do sistema.
A integração entre bicicleta e metrô tem uma considerável importância para o nível de mobilidade, facilitando o deslocamento dos moradores de regiões adjacentes às estações, que com os bicicletários terão uma opção segura e sem custos de guardar o seu equipamento.
Fonte - Sedur Ba. 19/06/2015

Cidades Criativas é tema de oficina gratuita promovida pelo Escritório Bahia Criativa

Cidade

A ação irá trabalhar sob a perspectiva de que as soluções para os problemas estruturais da sociedade, da economia, da cultura e das cidades exigem novos olhares. A partir da análise de casos práticos, o participante será motivado a mergulhar em cidades de escalas, histórias e contextos dos mais diversos, todas buscando se reinventar.

Secom
foto - ilustração
Ba. - O Escritório Bahia Criativa, fruto de um convênio firmado entre o Ministério da Cultura e o Governo da Bahia, gerido pela Secretaria de Cultura do Estado (Secult), vai promover no dia 7 de julho a oficina Cidades Criativas, com a designer especialista em Gestão de Cidades e Empreendimentos Criativos pela Faculdade de Ciências Econômicas – Universidade Nacional de Córdoba, Alice Barreto. A oficina, que ocorrerá das 8h30 às 17h30, será gratuita e oferece 30 vagas para empreendedores da economia da Cultura, gestores culturais, artistas, produtores, comunicadores e estudantes. As inscrições deverão ser feitas através do e-mail bahia.criativa@cultura.ba.gov.br.
A ação irá trabalhar sob a perspectiva de que as soluções para os problemas estruturais da sociedade, da economia, da cultura e das cidades exigem novos olhares. A partir da análise de casos práticos, o participante será motivado a mergulhar em cidades de escalas, histórias e contextos dos mais diversos, todas buscando se reinventar.

Bahia Criativa
O Bahia Criativa é um escritório público de atendimento e suporte a profissionais e empreendedores que atuam nos setores criativos. Fruto de um convênio firmado entre o Ministério da Cultura e o Governo da Bahia, o equipamento é gerido pela Secretaria de Cultura do Estado e tem como objetivo proporcionar qualificação ligada à gestão e sustentabilidade econômica de atividades criativas. Localizado no Forte do Barbalho, em Salvador, oferece atendimento e suporte a profissionais e empreendedores que atuam nos setores criativos, por meio de consultorias, assessoria técnica e capacitação profissional – sempre com foco na qualificação da gestão de projetos e negócios criativos. Acompanhe a fanpage: https://www.facebook.com/pages/Bahia-Criativa
Fonte - Secom Ba. 19/06/2015

Trem entre China e Europa irá operar uma vez por semana a partir do próximo ano

Transportes sobre trilhos

O trem que opera entre a cidade chinesa de Yiwu e Madrid, transporta as mercadorias de Yiwu para os países situados ao longo da linha e, durante o percurso de regresso, transporta para a China os produtos de azeite e vinho da Espanha.

CRI
foto - ilustração/br.wsj
O trem chinês que atravessa os continentes da Ásia e da Europa e que começou a sua operação em maio deste ano, irá realizar o seu percurso uma vez por semana, a partir do próximo ano.
O trem que opera entre a cidade chinesa de Yiwu e Madrid, transporta as mercadorias de Yiwu para os países situados ao longo da linha e, durante o percurso de regresso, transporta para a China os produtos de azeite e vinho da Espanha.
Além de ter acesso às fontes estáveis de mercadorias, a linha ferroviária possui também vantagens na passagem aduaneira, baixo custo de logística, rapidez e segurança.
O trem tem como sua estação de partida a cidade Yiwu, passando pela Região Autônoma da Nacionalidade Uigur de Xinjiang, Cazaquistão, Rússia, Bielorrúsia, Polônia, Alemanha, França até chegar a Madrid, com uma distância total de 13.052 quilômetros e cerca de 20 dias de percurso.
Fonte - Revista Ferroviária  19/06/2015

Novos funcionários são capacitados na CBTU Natal

Transportes sobre trilhos

O curso foi ministrado pelo conferencista Albertino Pierre da Costa, mestre em Sociedade Democrática, Estado e Direito, pós-graduado em planejamento e gestão pública.

CBTU

Na última semana, uma turma composta por 20 funcionários recém-admitidos na CBTU Natal participou do curso “Elaboração de termo de referência e projeto básico - Gestão e Fiscalização de contratos administrativos”.
O curso foi ministrado pelo conferencista Albertino Pierre da Costa, mestre em Sociedade Democrática, Estado e Direito, pós-graduado em planejamento e gestão pública. O treinamento teve carga horária de 24 horas, capacitando os novos funcionários da Companhia na prática de atividades de fiscalização e gerenciamento de instrumentos contratuais.
Para Kléberton Brás, gerente de recursos humanos, o curso é importante para que os novos funcionários possam desenvolver os processos de aquisições e compras de materiais e serviços, bem como para elaborar um bom termo de referência.
O ciclo de capacitação faz parte do programa de Treinamento e Desenvolvimento realizado pela CBTU Natal e terá continuidade com novos cursos.
Fonte - CBTU  18/06/2015

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Novas concessões de infraestrutura já têm interessados, afirma Barbosa

Infraestrutura

Ao auditório lotado de empresários, muitos estrangeiros, além de representantes do mercado financeiro e especialistas em infraestrutura, o ministro reforçou mais uma vez que a remuneração dos projetos será compatível com custos e riscos de construção, como adotado no leilão da ponte Rio-Niterói.

Valor Econômico
foto - ilustração
Todos os projetos apresentados no âmbito da nova rodada de concessões de infraestrutura do governo têm pelo menos duas empresas que já manifestaram interesse, afirm0ou o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, durante evento em São Paulo.
Ressaltando que a principal preocupação do governo "não é arrecadatória", o ministro disse que a maior parte do valor de outorga deve ser embolsada no ano que vem. Ao auditório lotado de empresários, muitos estrangeiros, além de representantes do mercado financeiro e especialistas em infraestrutura, reforçou mais uma vez que a remuneração dos projetos será compatível com custos e riscos de construção, como adotado no leilão da ponte Rio-Niterói.
O realinhamento de preços é uma das partes do equilíbrio macroeconômico e vale não só para combustíveis, mas igualmente para tarifas de concessão, disse o ministro. Para Barbosa, como as concessões serão feitas gradualmente e os estudos estão em andamento, não seria o momento de falar de "estimativas de valor".
O ministro disse que há valor de outorga em aeroportos e em terminais portuários, alguns dos quais já podem ser licitados em 2015. Para este ano estão programadas também quatro licitações de rodovias pelo modelo de menor tarifa. "Em ferrovias, vamos receber os estudos em agosto e, muito provavelmente, a licitação será no ano que vem".
Barbosa sublinhou o que considerou avanço na segunda rodada: a permissão de licitação por outorga, no caso das concessões em portos, e a possibilidade de a participação da Infraero ser inferior a 49% dos projetos nas concessões de aeroportos. "Mais isso é uma coisa a ser decidida lá na frente, dependendo de cada aeroporto." Reconheceu que o modelo anterior para ferrovias se revelou de "difícil execução, seja do ponto de vista regulatório, seja principalmente do ponto de vista fiscal" e, por isso, está sendo aperfeiçoado.
Barbosa admitiu que a taxa Selic está alta para combater os efeitos secundários dos choques de preços relativos, mas disse que ela não interfere no interesse pelos projetos que têm duração de 20 ou 30 anos.
Fonte - Revista Ferroviária  18/06/2015

Travessia de Salvador para a ilha de Itaparica ganha novo ferry em 2016

Travessia marítima

O novo ferry deverá custar em torno de R$ 25 milhões.A informação é do secretário de Infraestrutura, Marcus Cavalcanti que adiantou à Tribuna que “em função do sucesso que tivemos com as duas últimas embarcações adquiridas, esta será similar e a previsão é que esteja operacional a partir do verão 2016/17”.

Por Nelson Rocha - TB
foto - ilustração
Nos próximos 90 a 120 dias o governo do Estado deverá concluir os estudos, em sua forma jurídica, junto à Procuradoria do Estado para a aquisição de uma nova embarcação que integrará o sistema Ferry Boat na travessia Salvador-Bom Despacho.
A informação é do secretário de Infraestrutura, Marcus Cavalcanti que adiantou à Tribuna que “em função do sucesso que tivemos com as duas últimas embarcações adquiridas, esta será similar e a previsão é que esteja operacional a partir do verão 2016/17”.
O novo ferry deverá custar em torno de R$ 25 milhões, conforme a cotação do Euro no momento do fechamento da compra. As duas últimas embarcações, o Dorival e Zumbi, adquiridas na Grécia, custaram cerca de R$ 54 milhões.
De acordo com Marcus Cavalcanti, duas novas rampas serão construídas, uma em Salvador e outra no terminal de Bom Despacho, com objetivo de facilitar o estacionamento do novo equipamento.
De acordo com o secretário Marcus Cavalcanti, a compra de um novo ferry pelo governo do estado faz parte “do plano de renovação da frota".
Quanto à cobrança, por parte da Internacional Marítima, concessionária que explora o sistema, com valor 30% mais caro para a travessia com hora marcada, Marcus Cavalcanti afirma ser uma condição “para quem deseja mais conforto. Uma prévia adicional de preço prevista no Edital de Licitação”.
Fonte - Tribuna da Bahia  18/06/2015

Metrô, Rodoviária e Ferry Boat funcionam em regime especial no período de São João

Mobilidade

Para atender à demanda do feriadão, que coincide com o início das férias escolares, o Sistema Ferry-Boat funciona em operação especial de 19 a 29 de junho. Durante os 11 dias, sete embarcações devem realizar a travessia entre os terminais de São Joaquim e Bom Despacho, em sistema bate-volta, com a oitava embarcação à disposição para ser usada se for necessário.

Secom
Secom
O Governo do Estado busca garantir as condições ideais aos baianos e turistas durante o período do São João. Para atender à demanda do feriadão, que coincide com o início das férias escolares, o Sistema Ferry-Boat funciona em operação especial de 19 a 29 de junho. Durante os 11 dias, sete embarcações devem realizar a travessia entre os terminais de São Joaquim e Bom Despacho, em sistema bate-volta, com a oitava embarcação à disposição para ser usada se for necessário.
São esperados no período festivo o movimento de 37 mil veículos e mais de 155 mil passageiros. Mais de 11 mil vagas de hora marcada estão liberadas para venda. Além disso, 2.730 horários adicionais serão abertos nos dias 20 e 23 de junho, partindo de São Joaquim, e nos dias 25 e 29, em Bom Despacho, sempre à 1h, 2h, 3h e 4h.

Rodoviária
Para quem pretende viajar pelo estado, o Terminal Rodoviário de Salvador disponibiliza 1.800 horários extras. Entre os dias 19 e 25, a expectativa é que aproximadamente 200 mil passageiros embarquem na Rodoviária rumo ao interior. E para o forrozeiro não perder o horário da partida, é bom chegar com uma hora de antecedência ao indicado no bilhete de embarque.
Neste ano, as cidades mais procuradas para os festejos juninos são Senhor do Bonfim, Irecê, Amargosa, os municípios do Recôncavo Baiano, além dos localizados ao longo da BA-099, na Estrada do Coco (Linha Verde). Fiscais da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba) estarão de plantão, em todo o estado, realizando operação de combate ao transporte irregular.

Metrô
Nos dias 22, 23, 25 e 26, o Metrô de Salvador vai funcionar normalmente, das 8h às 18h. No dia 24, feriado de São João, o equipamento estará fechado. No dia 27, o metrô funciona das 8h às 13h, apenas nas estações Lapa, Campo da Pólvora e Brotas. As estações Acesso Norte e Bom Juá ficam fechadas devido às obras de ligação entre as linhas 1 e 2.
Fonte - Secom Ba.   18/06/2015

Governo anuncia modernização do Metrô de Teresina

Transportes sobre trilhos

“Além da recuperação, será feita a duplicação da linha férrea; construção de três novas estações de embarque e desembarque, uma no Mafuá, no São João e outra próxima à Rua Goiás. Está prevista ainda a reforma das estações já existentes e a aquisição de novos veículos, que serão Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs), em substituição ao trem utilizado atualmente”, explica o secretário.

Governo do Piauí
foto - ilustração
O secretário dos Transportes, Guilhermano Pires, recebeu, na manhã desta quarta-feira (17), uma equipe do Ministério das Cidades e da Caixa Econômica Federal para discutir a obra de modernização do metrô de Teresina. Segundo o secretário, em até 60 dias, será lançado o edital para contratação de empresa para execução da obra. O projeto prevê investimentos na ordem de R$ 454 milhões, oriundos do Governo Federal, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), e de operações de crédito realizadas pelo Governo do Estado.
Guilhermano Pires destaca que o projeto de modernização do metrô da capital inclui a revitalização da linha já existente, com recuperação dos trilhos e dormentes; modernização do sistema elétrico, sinalização e comunicação e o fechamento de toda a faixa metroviária, impedindo, com isso, o acesso de pessoas e animais, evitando acidentes.
“Além da recuperação, será feita a duplicação da linha férrea; construção de três novas estações de embarque e desembarque, uma no Mafuá, no São João e outra próxima à Rua Goiás. Está prevista ainda a reforma das estações já existentes e a aquisição de novos veículos, que serão Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs), em substituição ao trem utilizado atualmente”, explica o secretário.
Guilhermano destaca ainda a existência de um projeto em tramitação, junto à Companhia Metropolitana de Trens, para a ampliação da linha férrea, interligando Teresina, Altos e Campo Maior.
O secretário acredita que a obra será um marco no desenvolvimento do Piauí. “Essa nova estrutura trará uma melhora significativa no sistema de transporte público da capital, com o aumento na capacidade de transporte de passageiros e mais rapidez no deslocamento”, afirma.
Segundo Antônio Sobral, diretor técnico do metrô de Teresina, a reforma visa implantar um sistema metropolitano eficiente, que tenha maior capacidade de tráfego, com a aquisição de oito novos veículos. “Com os novos trens, o trecho pode transportar até 50 mil passageiros por dia e reduzir significativamente o tempo de percurso. A modernização também prevê novos projetos para o financiamento de futuras ampliações do metrô, com a implantação de linhas para as regiões Sul, Norte, Leste e Timon”, revela Sobral.
Fonte - Revista Ferroviária 18/06/2015

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Metrô de Salvador comemora um ano de operação e autorização para obras na Av. Paralela

Transportes sobre trilhos

Desde que os trens do metrô começaram a circular na capital baiana, na véspera da Copa do Mundo de 2014, mais de 6 milhões de passageiros usaram o novo meio de transporte para chegar às estações Lapa, Campo da Pólvora, Brotas, Acesso Norte, Retiro e Bom Juá, de forma mais rápida, confortável e segura. Com 9,5 km de extensão, o metrô permite ao passageiro chegar da Estação Lapa à Estação Bom Juá em apenas 15 minutos.

Da Redação
foto - ilustração/Pregopontocom
Milhares de pessoas, entre elas trabalhadores, estudantes, turistas e torcedores de futebol, que já utilizaram o metrô de Salvador nos últimos 12 meses, têm inúmeros motivos para comemorar o primeiro ano de operação do Sistema Metroviário de Salvador e Lauro de Freitas, completado nesta quarta-feira, 11 de junho de 2015.
A data do aniversário também é coroada pela assinatura, pelo Governo do Estado, do termo que autoriza o início das obras da Linha 2 no trecho da Avenida Paralela, além da liberação do alvará de construção no canteiro central da via – de Pernambués até o Aeroporto Internacional de Salvador. A concessionária CCR Metro Bahia é responsável pela implantação e operação do sistema.
Desde que os trens do metrô começaram a circular na capital baiana, na véspera da Copa do Mundo de 2014, mais de 6 milhões de passageiros usaram o novo meio de transporte para chegar às estações Lapa, Campo da Pólvora, Brotas, Acesso Norte, Retiro e Bom Juá, de forma mais rápida, confortável e segura. Com 9,5 km de extensão, o metrô permite ao passageiro chegar da Estação Lapa à Estação Bom Juá em apenas 15 minutos.
“Um número tão grande de passageiros nesse período é o maior indicador da aprovação do metrô pela população. As pessoas exigem, de forma legítima, um sistema de transporte ágil, confortável e barato, e nós estamos atendendo a esse a anseio. osso metrô será um dos mais modernos do Brasil”, diz o governador Rui Costa.
Sobre o dia 11 de junho, o diretor-presidente da CCR Metrô Bahia, Luis Valença, afirma que “a data é muito significativa para a Bahia e para os baianos como eu! O sistema de transporte público de alta capacidade que a CCR Metrô Bahia está oferecendo a Salvador já é realidade e está inserido no cotidiano das pessoas. Com atendimento diferenciado e de qualidade, elogiado por muitos usuários, o metrô vai, a cada nova etapa concluída, conquistando mais passageiros e oferecendo mais mobilidade e qualidade de vida para a população”.
Ainda em operação assistida, sem cobrança de tarifa, e funcionando em horário reduzido, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, aos sábados das 8h às 13h, e em horários especiais para atender ao público dos eventos realizados na Arena Fonte Nova, o metrô fez nesses 12 meses,
34.442 mil viagens, percorreu 268.719 km – o que equivale a 6,7 voltas no Planeta Terra - recebeu mais de 15 mil estudantes e representantes de instituições que, em visitas guiadas, conheceram o sistema de transporte. Além disso, o metrô em funcionamento emprega, direta e indiretamente, cerca de 1,4 mil pessoas, sem contar os cerca de 5 mil trabalhadores que atuam nas obras.
Neste primeiro ano de operação, a demanda de passageiros é crescente e tende a ser maior ainda quando tiver em funcionamento pleno, com as duas linhas concluídas. No primeiro mês de operação, em junho de 2014, a média diária de passageiros era de 6 mil. Um ano depois, em junho de 2015, a média diária é de 42 mil passageiros. Um acréscimo de 700%.
“É um número bastante expressivo, visto que ainda estamos operando com apenas seis estações e com horário reduzido. Nossa expectativa é atender muito mais usuários quando tivermos a integração com os ônibus, os novos trens e as linhas 1 e 2 concluídas”, ressalta o Gestor de Atendimento da CCR Metrô Bahia, Hamilton Trindade.

O METRÔ DA PARALELA
foto - ilustração/Sedur
As obras da primeira etapa da Linha 2 do metrô, da Estação Acesso Norte, passando pelo Detran até a Rodoviária, estão em execução. A previsão para concluir a obra desse trecho é fevereiro de 2016.
Com a assinatura da autorização e a liberação do alvará, a segunda etapa da linha 2 do metrô já na Avenida Paralela, pode começar. A partir de agora, a CCR Metrô Bahia vai mobilizar operários para a instalação de novos canteiros de obras a partir da região de Pernambués e no canteiro central da Avenida Paralela. Na sequência, será iniciado o trabalho de topografia, limpeza dos terrenos e terraplanagem.
Nesse início, também haverá a implantação de uma Central de Concreto, em Pituaçu, com capacidade para produzir 60m³/h de concreto. A partir daí, as próximas etapas serão progressivas e a conclusão da obra da Linha 2 até o Aeroporto está prevista para o início de 2017.Cerca de 5 mil operários estarão empenhados nas obras da Linha 2.
“Estamos comprometidos no atendimento das necessidades da população, além de já oferecer um transporte de qualidade, também buscamos minimizar os transtornos durante a implantação da Linha 2,respeitando a lei,o cidadão e o meio ambiente.Os moradores de Salvador e Região Metropolitana poderão, certamente, orgulhar-se de ter um meio de transporte de alta capacidade, moderno e eficiente”, afirma Valença.No total, a Linha 2 terá 23 km de trilhos, com 13 estações de metrô na superfície e cinco estações de integração com os ônibus. O trajeto de metrô, da Estação Acesso Norte, na Rótula do Abacaxi, até o Aeroporto, poderá ser percorrido em aproximadamente 25 minutos.
Depois da conclusão da Estação Aeroporto, a próxima fase prevê extensão até Lauro de Freitas, completando a Linha 2 que poderá ser percorrida totalmente em cerca de 30 minutos, em qualquer horário do dia.
Todas as estações da Linha 2 terão arquitetura moderna, com amplos espaços, que privilegiam a iluminação natural e o paisagismo harmonizado ao cenário da Avenida Paralela. Além disso, o parque linear na avenida será revitalizado com novos jardins e mais de 5 mil árvores nativas e exóticas. O metrô da Paralela será integrado ainda à ciclovia e à pista de cooper.
Para viabilizar a obra da Linha 2 serão construídos três novos retornos na Avenida Paralela, dois em viaduto e outro em desnível, e adequar o sistema viário nas proximidades da Estação Pernambués, conferindo maior fluidez ao trânsito. A Paralela passará por uma revitalização paisagística, ganhando também novas passarelas.
Com informações da Assessoria de Imprensa  CCR Metrô Bahia 17/06/2015

Governo anuncia liberação de R$ 100 milhões da Caixa para obras do metrô

Transportes sobre trilhos

Nesta quarta-feira (17), o secretário estadual da Casa Civil, Bruno Dauster, se reuniu com o vice-presidente da Caixa, José Medaglia, em Brasília, e recebeu a notícia de que serão liberados R$ 100 milhões.

Secom
foto - ilustração/Sedur
O Governo da Bahia, por meio da Casa Civil, está acompanhando de perto as tratativas da liberação de verbas da Caixa Econômica Federal para as obras do Metrô de Salvador. Nesta quarta-feira (17), o secretário estadual da Casa Civil, Bruno Dauster, se reuniu com o vice-presidente da Caixa, José Medaglia, em Brasília, e recebeu a notícia de que serão liberados R$ 100 milhões. O governo baiano atuou para dar a celeridade no processo de fluxo de pagamentos dos serviços executados pela concessionária CCR Metrô Bahia.
Bruno Dauster aproveitou a oportunidade para apresentar o andamento das obras ao vice-presidente da Caixa. Com o avanço das obras, novas liberações de recursos devem ser feitas. "Demos a ordem de serviço na última quinta-feira (11) e, na sexta (12), as máquinas já estavam trabalhando", afirmou Dauster, que ressaltou o bom ritmo de execução.
O secretário destacou também a integração do modal com os ônibus metropolitanos, o que deve ocorrer assim que a Estação Pirajá for inaugurada. O metrô faz parte do pacote de intervenções estruturantes para a melhoria da mobilidade urbana na capital do estado.
Fonte - Secom Ba.  17/06/2015

Supremo manda retomar obras paralisadas do VLT em Santos

Transportes sobre trilhos

Com essa decisão, proferida no dia 12, a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) retomará as obras no canteiro central da via ainda hoje, segundo a Prefeitura.Os trabalhos na Francisco Glicério estavam interrompidos desde 13 de março, quando foi publicada no Diário da Justiça a decisão do TJ-SP, favorável ao Ministério Público Estadual (MPE).

A Tribuna
foto - ilustração
O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Francisco Falcão, suspendeu a liminar (decisão provisória) do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) que havia determinado a paralisação das obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) no trecho da Avenida Francisco Glicério entre as avenidas Pinheiro Machado (Canal 1) e Conselheiro Nébias, em Santos.
Com essa decisão, proferida no dia 12, a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) retomará as obras no canteiro central da via ainda hoje, segundo a Prefeitura.
O promotor de Justiça do Meio Ambiente Daury de Paula Júnior, de Santos, afirmou que recorrerá da decisão.
Os trabalhos na Francisco Glicério estavam interrompidos desde 13 de março, quando foi publicada no Diário da Justiça a decisão do TJ-SP, favorável ao Ministério Público Estadual (MPE).
Daury Júnior e as promotoras do Grupo de Atuação Especial do Meio Ambiente (Gaema) – Núcleo Baixada Santista apontaram que a mudança no trajeto do VLT não constava no projeto original, que previa trens seguindo o traçado da antiga linha férrea.
Os representantes do MPE também citaram que a alteração não traria benefícios à comunidade, e geraria mais gastos.

Argumentos
Conforme o presidente do STJ, a escolha do canteiro central foi precedida de estudos efetivados por órgãos públicos da proteção ambiental (Cetesb, estadual). Por isso, têm presunção de legitimidade.
“Por outro lado, a alteração do traçado original, ainda que efetivamente realizada, não macula, por si só, o ato administrativo. (...) Por isso, a medida liminar causa grave lesão à ordem pública. Nesse contexto, a interferência judicial na implantação do sistema de transporte é prematura”, destacou.
Para Falcão, a paralisação de relevantes obras públicas para a coletividade representa lesão à ordem e à economia pública, conforme reconhecido pelo STJ em outros casos.
O magistrado levou em conta os argumentos da EMTU sobre os custos decorrentes da paralisação. Segundo a estatal, a manutenção do canteiro de obras representa um custo mensal de R$ 660.412,05, e a prorrogação do prazo da execução dos contratos de obras e de sistemas equivale a uma despesa mensal de R$ 1.555.899,23. “A interrupção das obras, evidentemente, põe em risco a economia pública”.
Para o prefeito Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), a retomada do VLT “é uma decisão importante. A obra vai beneficiar a população”.
Fonte - Revista Ferroviária  17/06/2015

Governo quer ampliar aviação regional para 270 aeroportos

Infraestrutura

Padilha falou, no Bom Dia, Ministro, sobre a concessão de aeroportos, a reestruturação da Infraero e o programa de aviação regional.Estamos conseguindo democratizar a viagem aérea, o custo da viagem aérea e, com isso, fazer com que todos os brasileiros tenham acesso”, explicou o ministro. Segundo Padilha, a expectativa é que no segundo semestre deste ano sejam iniciadas as primeiras licitações para o programa.

Yara Aquino
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
O ministro da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha, disse hoje (17) que o Programa de Aviação Regional democratizará o acesso ao transporte aéreo e reduzirá o custo das viagens no interior do país. O programa prevê investimentos de R$ 7,3 bilhões para adequar e ampliar para 270 o número de aeroportos regionais disponíveis para voos regulares. Atualmente, cerca de 80 aeroportos operam aviação regular, de acordo com a secretaria. O governo concederá subsídio às empresas aéreas para estimular a aviação regional.
“O programa diz que vamos subvencionar, garantir para as empresas aéreas 50% dos assentos. O governo subsidia, paga 50%, com isso a gente garante o voo e garante o passageiro. As pessoas sabendo que tem o voo, começam a habituar-se a viajar de avião e começam a fazer disso sua rotina. Estamos conseguindo democratizar a viagem aérea, o custo da viagem aérea e, com isso, fazer com que todos os brasileiros tenham acesso”, explicou o ministro. Segundo Padilha, a expectativa é que no segundo semestre deste ano sejam iniciadas as primeiras licitações para o programa.
José cruz-Agência Brasil
O ministro participou nesta quarta-feira do programa Bom Dia, Ministro, produzido pela EBC Serviços em parceria com a Secretaria de Comunicação da Presidência da República. Padilha destacou a concessão dos aeroportos de Fortaleza, Porto Alegre, Florianópolis e Salvador anunciada no dia 9 na nova etapa do Programa de Investimento em Logística e falou sobre a reestruturação da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). A reestruturação vai resultar na criação de duas subsidiárias, a Infraero Participações e a Infraero Serviços.
“Com as concessões a Infraero perdeu receita e temos que reestruturar a empresa. Vamos criar a Infraero Serviços com uma empresa alemã para sermos um player de operação aeroportuária no Brasil e fora daqui. Vamos concorrer fora nas concessões também. Aqui no país vamos ter 270 aeroportos regionais e precisamos ter um ente do estado que tenha experiência para garantir a manutenção das operações no Brasil”, afirmou Padilha.
Fonte - Agência Brasil  17/06/2015

Siemens planeja dobrar de tamanho no Brasil até 2020

Economia

Em evento realizado em São Paulo para comemorar os 110 anos da presença do conglomerado no país, o executivo disse que 2015 será um ano de transição. Espremido entre dois grandes eventos ¬ Copa do Mundo em 2014 e Jogos Olímpicos em 2016 ¬, o ano será ideal, opinou, para se montar as bases de um crescimento econômico futuro mais sustentável.

Valor Econômico
Foto - ilustração/Siemens
Apesar da desaceleração atual da economia, o grupo alemão de engenharia Siemens aposta principalmente no crescimento da demanda por gestão de energia para dobrar de tamanho no Brasil em cinco anos. Joe Kaeser, presidente global da companhia, disse ontem que a meta é atingir R$ 10 bilhões em faturamento até 2020, contra os atuais R$ 5 bilhões.
Em evento realizado em São Paulo para comemorar os 110 anos da presença do conglomerado no país, o executivo disse que 2015 será um ano de transição. Espremido entre dois grandes eventos ¬ Copa do Mundo em 2014 e Jogos Olímpicos em 2016 ¬, o ano será ideal, opinou, para se montar as bases de um crescimento econômico futuro mais sustentável.
"Esse é o momento de retomar o fôlego na economia e montar fundamentos sólidos para o futuro. É necessário que os processos sejam funcionais e fortes daqui para frente", declarou. "O Brasil é uma gigantesca economia, com muitas oportunidades ainda, principalmente em infraestrutura e energia, acrescentou.
Apesar da sinalização de Kaeser de que as possibilidades são mais relevantes em energia, o executivo afirmou que mobilidade urbana é uma área que também trará demanda importante ao grupo. "Você ter um transporte eficiente ajuda a agilizar os processos e até mesmo o mais simples, como a saída do produto da indústria para os clientes", afirmou o executivo do grupo alemão. Além disso, a empresa já tem forte presença no Brasil em equipamentos para a área de saúde, e quer se manter com boa participação do mercado.
Em entrevista ao Valor, Paulo Stark, presidente da Siemens no Brasil, disse que o segmento de geração distribuída será bem importante para o conglomerado alemão nesse período até 2020. "Teremos de 10 a 20 anos tentando balancear geração distribuída e concentrada", afirmou.
De acordo com o executivo brasileiro, além de dobrar de tamanho no país, o grupo pretende continuar investindo para conseguir capturar oportunidades em todas suas divisões por aqui. Hoje, a receita de aproximadamente R$ 5 bilhões da Siemens Brasil atende por quase 3% do faturamento total da companhia alemã ao redor do mundo.
"Vamos continuar investindo nesse crescimento, mas nunca deixamos de investir no Brasil porque nossa perspectiva sempre foi de longo prazo", declarou Stark. "Queremos que a Siemens Brasil volte a ser o que era. Vamos ajudar a equipe de Paulo Stark a chegar ao lugar certo, desenvolver a empresa aqui", afirmou Kaeser, durante o evento.
Em relação ao caso de cartel denunciado pelo Ministério Público em licitações ao metrô de São Paulo, Kaeser disse que o caso "está no passado". "Estamos cooperando totalmente com as autoridades e agora somos uma empresa completamente dentro da lei, limpa", acrescentou. O executivo disse ainda que espera poder voltar a fechar contratos com o governo quando a investigação estiver concluída.
Kaeser informou que a metodologia utilizada pela Siemens para melhorar os sistemas de controle interno no Brasil, após o ocorrido, ajuda a Petrobras em seu processo de fortalecer o "compliance" após a operação Lava¬Jato. A oferta de "ajuda" da alemã para a estatal foi feita por meio da consultoria independente que montou os mecanismos de "compliance" na Siemens Brasil, afirmou.
Fonte - Revista Ferroviária  17/06/2015

Brasil pode avançar no combate à seca e à pobreza, diz especialista

Sustentabilidade

Pesquisa mostra que 16% do território nacional estão suscetíveis à desertificação.O Estudo sobre o Estado da Arte da Desertificação, Degradação das Terras e Seca no Semiárido Brasileiro foi desenvolvido para subsidiar o desenvolvimento de políticas públicas voltadas à mitigação dos efeitos das mudanças climáticas.

Maiana Diniz
Repórter da Agência Brasil
Defesa Civil da Bahia/Divulgação
Pesquisa divulgada hoje (17) – Dia Mundial de Combate à Seca e à Desertificação – pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, mostra que 16% do território nacional estão suscetíveis à desertificação. O Estudo sobre o Estado da Arte da Desertificação, Degradação das Terras e Seca no Semiárido Brasileiro foi desenvolvido para subsidiar o desenvolvimento de políticas públicas voltadas à mitigação dos efeitos das mudanças climáticas.
A data foi criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) para promover a conscientização sobre o problema, que atinge 42% das terras do planeta e 35% da população mundial. As consequências desse processo climático, agravado pela interferência humana, vão desde a diminuição da fertilidade dos solos à redução da disponibilidade hídrica. A desertificação pode transformar grandes áreas, antes produtivas, em desertos e colocar em risco a vida nessas regiões.
O pesquisador Antônio Magalhães, do comitê de gestão, explica que medidas precisam ser tomadas para evitar que a situação brasileira se agrave. Segundo ele, ainda é registrado aumento na pressão das atividades humanas na região do Semiárido – como a produção de lenha para energia, carvão, desmatamentos para vários fins, entre outras. “A preocupação com a sustentabilidade precisa ser internalizada nessas regiões. O enfrentamento da seca inclui a questão cultural, uma mudança de comportamento de todos que têm o poder de interferir no meio ambiente. Esse comportamento é influenciado pelo interesse econômico de curto prazo. Cortar as árvores para vender a madeira dá lucro no curto prazo, por exemplo, embora no longo prazo dê prejuízo porque pode inviabilizar toda uma área.”
Magalhães explica que por mais de 100 anos, o Brasil ganhou experiência no enfrentamento à seca e desenvolveu tecnologias capazes de mitigar os impactos nas regiões vulneráveis, concentradas nos estados da Região Nordeste, além do norte de Minas Gerais e do estado do Espírito Santo. Para ele, chegou a hora de o governo brasileiro colocar esse conhecimento em prática.
“Há boas iniciativas, como as da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Semiárido, há muitas coisas boas sendo feitas que não se transformam em implementação. O problema exige políticas públicas de curto, médio e longo prazo, que envolvam tanto esse lado de mudança cultural, por meio da educação, quanto medidas punitivas, como a inviabilidade de crédito bancário para quem não adota as melhores práticas.”
Magalhães destaca que sempre que enfrenta a seca, o Brasil também está investindo no combate à pobreza, pois o Semiárido concentra 85% da pobreza do país. “Essas duas coisas são muito interrelacionadas”, diz o especialista. Ele conta que as populações pobres são as que mais sofrem as consequências da seca porque têm menos saída para o problema. “Uma família rica pode se mudar, pode trazer alimentos de fora, pode enfrentar a situação. Os pobres não têm alternativa.”
“A história do combate à seca está muito centrada no combate à miséria na Região Nordeste. Ao longo de um século, as frentes de trabalho do governo na região conseguiram criar infraestrutura de abastecimento de água e oportunidades de trabalho que aumentaram gradativamente a renda no semiárido. E, atualmente, apesar de não ser específico para a seca, o Bolsa Família, ao distribuir renda, também cumpre esse papel de garantir o mínimo para as famílias da região”, acrescenta.
Ex-presidente do Comitê Científico da Convenção das Nações Unidas para Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos de Secas, do qual o Brasil é signatário, Antônio Magalhães explica que, formalmente, o país tem feito o dever de casa, apresentando relatórios e cumprindo as obrigações previstas nos encontros mundiais, mas pode fazer mais.
“Essa é uma convenção que não tem muito prestígio no Brasil, não tem uma formalização adequada nas instituições governamentais. E os instrumentos da Convenção, como o Plano de Ação de Combate à Desertificação, foram feitos, mas são documentos para prateleiras, não são documentos operacionalizados. O Brasil pode melhorar muito a sua contribuição para os objetivos da Convenção.”
Fonte - Agência Brasil  17/06/2015

terça-feira, 16 de junho de 2015

Desembolso para transportes deve crescer 14% este ano

Infraestrutura

Os financiamentos do banco para rodovias, portos, ferrovias e aeroportos, entre outros modais, podem ser ainda maiores dependendo da evolução dos leilões previstos na nova fase do Programa de Investimento em Logística (PIL), lançado pelo governo na semana passada.

Valor Econômico
foto - ilustração
Os desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para projetos de infraestrutura de transporte e logística devem ficar, no mínimo, entre R$ 11 bilhões e R$ 13 bilhões neste ano, com alta de até 14% sobre os R$ 11,4 bilhões liberados no ano passado para o setor. Os financiamentos do banco para rodovias, portos, ferrovias e aeroportos, entre outros modais, podem ser ainda maiores dependendo da evolução dos leilões previstos na nova fase do Programa de Investimento em Logística (PIL), lançado pelo governo na semana passada.
Edson Dalto, gerente do departamento de transportes e logística do BNDES, disse que o PIL vai aumentar a demanda das empresas por financiamentos. A previsão de desembolsos de até R$ 13 bilhões para o segmento este ano é anterior à divulgação do programa. A tendência é que o maior impacto do PIL sobre os desembolsos do banco para logística e transporte ocorra só a partir de 2016. Em 2015, há pouco tempo para que o governo consiga promover um maior número de leilões, o que vai se refletir na demanda por empréstimos do BNDES. Dalto disse que iria fazer novas projeções de desembolso para o setor neste ano já incluindo o PIL.
Ele disse que os leilões previstos na nova fase do programa poderão levar a um maior equilíbrio na carteira de desembolsos de transportes e logística do banco a partir de 2016. No ano passado e em 2015, as rodovias continuam a ser o carro¬chefe em termos de desembolsos. Em 2014, os portos ficaram em segundo lugar, seguidos de ferrovias e aeroportos .
Cláudio Leal, superintendente de planejamento do BNDES, disse que o PIL oferece melhores condições do que a política operacional do banco. Na nova fase do programa é possível assegurar empréstimos com parcela maior do custo em Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) desde que a empresa emita debêntures associadas ao projeto que será financiado pelo banco.
"Qual a vantagem do PIL? Se a empresa emitir debênture, ganha participação adicional [no custo do empréstimo] em TJLP. Dependendo do tamanho da emissão de debêntures, a empresa deixa de ter um custo compulsório em moeda de mercado [Selic ou IPCA], o que é mais caro", disse Leal. Há duas semanas, a diretoria do BNDES aprovou novas condições que tinham o objetivo de harmonizar a política operacional do banco com as novas condições do PIL.
As condições da política operacional do BNDES para investimentos em logística determinam participação de até 70% do banco no financiamento para rodovias, por exemplo. A parcela a ser financiada em TJLP é metade dessa participação, 35%. No PIL, com a emissão mínima de 10% de debêntures, esse percentual em TJLP sobe para 45%. "Na política operacional, não há possibilidade de a empresa obter um percentual adicional de apoio em TJLP", disse Leal.
Fonte - Revista Ferroviária  16/06/2015

Estudantes podem se inscrever para uma bolsa do ProUni até quinta-feira

Educação

Das 116.004 bolsas disponíveis, 68.971 são integrais e 47.033, parciais. São Paulo é o estado com maior número de bolsas ofertadas, com 30.519, seguido de Minas Gerais (14.335) e do Rio Grande do Sul (8.088).Para se inscrever, o candidato deve ter feito a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014 e obtido no mínimo 450 pontos na média das notas. 

Yara Aquino
Repórter da Agência Brasil

Os estudantes que querem concorrer a uma bolsa do Programa Universidade para Todos (ProUni) podem se inscrever, pela internet, de hoje (16) até quinta-feira (18). Nesta edição, o ProUni oferta 116 mil bolsas em 856 instituições privadas de ensino superior. O resultado da primeira chamada será divulgado no dia 22.
Das 116.004 bolsas disponíveis, 68.971 são integrais e 47.033, parciais. São Paulo é o estado com maior número de bolsas ofertadas, com 30.519, seguido de Minas Gerais (14.335) e do Rio Grande do Sul (8.088).
Para se inscrever, o candidato deve ter feito a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014 e obtido no mínimo 450 pontos na média das notas. Além disso, não pode ter tirado nota zero na redação. O candidato tem que informar o número de inscrição e a senha usados no Enem.
Para se inscrever é necessária a média de 450 pontos
na prova do Enem, além de não ter tirado zero na redação
Imagem de Arquivo/Agência Brasil
O ProUni concede bolsas de estudo integrais e parciais (50%) em instituições privadas de ensino superior, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, a estudantes brasileiros, sem diploma de nível superior.
As bolsas integrais do programa são para os estudantes com renda bruta familiar, por pessoa, de até um salário mínimo e meio. As bolsas parciais são destinadas aos candidatos com renda bruta familiar de até três salários mínimos, por pessoa.
Fonte - Agência Brasil  16/06/2016

Sistema ferryboat ganha cartões recarregáveis

Travessia marítima

Novidade que deve agilizar acesso à travessia entre Salvador e Itaparica, foi anunciada pela Internacional Travessias Salvador, empresa responsável pela administração do transporte na Baía de Todos-os-Santos.

A Tarde
Da Redação
Joá Souza / Ag. A TARDE
Desde a segunda-feira, 15, usuários do sistema ferryboat já podem utilizar cartões recarregáveis (Ferry Card) para ter acesso à travessia entre Salvador e a Ilha de Itaparica.
A novidade foi anunciada pela Internacional Travessias Salvador, empresa responsável pela administração do transporte na Baía de Todos-os-Santos.
Para dispor dos serviços é necessário fazer um cadastro prévio no site da concessionária: portalsits.internacionaltravessias.com.br.
Na primeira carga, o usuário deve pagar R$ 40, dos quais R$ 35 são convertidos em créditos para utilização no sistema e os R$ 5 restantes, cobrados a título de aquisição do cartão.
Após essa primeira operação, é possível fazer novas recargas, tanto na internet quanto nos terminais de Bom Despacho e São Joaquim.
O valor máximo de recarga para usuário pessoa física é de R$ 1 mil, enquanto para pessoa jurídica o limite é de R$ 100 mil. Não existem valores mínimos para compra. Após feita a recarga, o crédito é liberado em tempo real e pode ser utilizado imediatamente.

Pagamento
Nas operações realizadas no portal da empresa, a forma de pagamento é o cartão de crédito ou débito.
Nas bilheterias dos terminais, além de com os cartões é possível também pagar em dinheiro.
Fonte - Atarde  16/06/2015

Com cinco novas linhas, turismo ferroviário deve atrair 3 milhões de pessoas em 2015

Turismo Ferroviário

Ainda este ano, mais cinco trechos serão inaugurados. O de Guararema, no interior de São Paulo, deve começar a operar até agosto. O trem vai percorrer a antiga Estrada de Ferro Central do Brasil, através da locomotiva 353, o maior trem a vapor em operação no país.

O Globo
fito - ilustração
Subir a serra da Mantiqueira sobre trilhos, pela ferrovia The Rio and Minas Railway, inaugurada em 1884, e chegar à estação Coronel Fulgêncio. No meio do caminho, uma parada na estação de Manacá, que serviu como posto das tropas federais durante a Revolução de 1932. Tudo isso em meio a paisagens rurais e a bordo de uma locomotiva de 1925. Não é preciso voltar no tempo para fazer o roteiro. O “Trem da Serra da Mantiqueira”, na cidade de Passa Quatro, em Minas Gerais, é uma das 33 linhas ferroviárias turísticas em operação no país.
Ainda este ano, mais cinco trechos serão inaugurados. O de Guararema, no interior de São Paulo, deve começar a operar até agosto. O trem vai percorrer a antiga Estrada de Ferro Central do Brasil, através da locomotiva 353, o maior trem a vapor em operação no país. O trajeto de 6,8 quilômetros começa na Estação de Guararema, construída em 1891, e termina na Estação de Luis Carlos, inaugurada em 1914.
Também em São Paulo, o Trem Caipira inicia suas atividades no segundo semestre. Operado por um VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), o trajeto percorrerá um área de dez quilômetros, saindo do centro de São José do Rio Preto e chegando ao distrito de Engenheiro Schmitt, passando por fábricas de doces caseiros.
No Rio Grande do Sul, dois novos trechos começarão a funcionar em 2015. O Trem do Vale do Taquari e o Trem dos Pampas passarão por cidades no interior do estado. No Paraná, a inauguração do trajeto percorrido pelo Trem União da Vitória, que liga a cidade de mesmo nome a Matos Costa, também está marcada para o segundo semestre.
A procura pelo turismo ferroviário tem crescido, segundo a Associação Brasileira de Operadoras de Trens Turísticos (ABOTTC). Os últimos dados disponíveis apontam que, em 2010, cerca de 2 milhões de pessoas viajaram sobre os trilhos pelo país. Para 2015, a estimativa é de que o número de turistas chegue a três milhões.
A associação, em parceria com o Sebrae, lançou o projeto “Trem é Turismo”, com o objetivo de aprimorar a linha ferroviária, que, em outros tempos, já foi o principal meio de transporte do Brasil.
— Esperamos crescimento para dez milhões de turistas por ano e um aumento para 60 trens em dez anos — diz Luiz Carlos Barboza, coordenador do projeto.

Serviço
Trem da Mantiqueira em Passa Quatro, MG. O percurso é de 1h15m e o passeio custa R$ 45. Saídas aos sábados e domingos, às 11h e às 14h30m. abpfsuldeminas.com/trem-da-serra-da-mantqueira
Fonte - Revista Ferroviária  16/06/2015

Conheça o trabalho de escavação do metrô em SP - Subterrâneos

Transportes sobre trilhos

Na primeira reportagem da série Subterrâneos, você vai conhecer o trabalho de escavação do metrô. Com mais de 70 metros de comprimentos, quase duas mil toneladas, o Tatuzão, escava até 20 metros por dia, devagar, para não incomodar quem está lá em cima.

Jornal da Record



Imagens - JR