sábado, 9 de maio de 2015

Ocupe Estelita deixa rua onde mora prefeito do Recife após ordem judicial

Recife

O documento foi entregue por um oficial de Justiça, por volta das 10h, acompanhado por representantes da Procuradoria-Geral de Pernambuco e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), quando ficou acertada a desocupação ao meio-dia.Os manifestantes protestam contra o projeto da prefeitura, que prevê, entre outros pontos, a construção de 12 prédios, área comercial, hotéis, restaurantes, bares e estacionamentos na área do Cais José Estelita. O local ainda preserva vestígios de edificações históricas abandonadas, como antigos armazéns de açúcar e galpões

Danilo Macedo
Repórter da Agência Brasil* 
foto - ilustração/ocupaestelita
Acampados desde a noite de quinta-feira (7) na Rua Neto Campelo, onde mora o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, os integrantes do Movimento Ocupe Estelita deixaram hoje (9) o local, após receberem uma ordem do Tribunal de Justiça. O documento foi entregue por um oficial de Justiça, por volta das 10h, acompanhado por representantes da Procuradoria-Geral de Pernambuco e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), quando ficou acertada a desocupação ao meio-dia.
Os manifestantes protestam contra o projeto da prefeitura, que prevê, entre outros pontos, a construção de 12 prédios, área comercial, hotéis, restaurantes, bares e estacionamentos na área do Cais José Estelita. O local ainda preserva vestígios de edificações históricas abandonadas, como antigos armazéns de açúcar e galpões. O prefeito Geraldo Júlio sancionou a lei aprovada pela Câmara Municipal, na última segunda-feira (4), definindo as novas normas de ocupação dos cais José Estelita e Santa Rita e área do Cabanga.
Em nota divulgada nas redes sociais, o Movimento Ocupe Estelita afirmou que a desocupação não representa a desmobilização do protesto. “A saída da casa do prefeito não é uma desmobilização. Este é um momento de alerta máximo. O Estelita está ameaçado”, diz a nota, acrescentando que a ocupação foi uma demonstração da força de mobilização do povo recifense contra a lei aprovada pela Câmara Municipal e sancionada pelo prefeito.
“O Recife exige a revogação da lei referente ao Plano Urbanístico para a área do Cais José Estelita”, declarou o grupo, que também pediu a instauração de uma mesa de diálogo entre eles e a prefeitura, com mediação do Ministério Público de Pernambuco, para a revisão do Projeto Novo Recife. O Movimento Ocupe Estelita ainda conclamou a população a denunciar qualquer movimentação no cais José Estelita e enviar fotos e comentários nas redes sociais.
Durante a semana, manifestantes atenderam à convocação dos organizadores e se reuniram para protestar contra o projeto. Os críticos da iniciativa apontam prejuízo à memória nacional e o aspecto segregador do projeto, uma vez que o terreno de 105 mil metros quadrados (m²), localizado em área histórica e considerado importante cartão-postal da capital pernambucana, passará a ser propriedade da iniciativa privada. Parte dos moradores da cidade, no entanto, é favorável a que o Poder Público dê nova destinação ao local, que, segundo eles, está abandonado e é frequentado por criminosos e usuários de drogas.
O Consórcio Novo Recife, responsável pelas obras no local, rebate as críticas, alegando que cerca de 90 mil m² da área serão destinados à construção de um parque público. O consórcio também informa que as futuras atividades comerciais vão gerar 2,5 mil empregos na área que hoje “encontra-se bastante degradada e subutilizada”. Em nota, a prefeitura sustenta que a aprovação da matéria “encerra um processo de amplo debate com os diferentes segmentos da sociedade”.
*Colaborou Alex Rodrigues
Fonte - Agência Brasil  09/05/2015

Em defesa da Baroneza

Ferrovias

É preciso valorizar a história do Brasil. Saber a importância social e econômica que essas ferrovias desempenharam por décadas para consolidar cidades e para a independência do país. Patriotismo e respeito ao nosso passado, são instrumentos eficazes para que governantes não tomem decisões intempestivas.

Vicente Vuolo
foto - ilustração/flickr.com
O Brasil não tem o direito de destruir a sua história. A ferrovia faz parte do nosso passado. É, também, o transporte do presente e do futuro no mundo. Menos no Brasil.
Desenvolver nossa malha ferroviária é um imperativo. A ferrovia não pode continuar sendo relegada a um segundo plano. Como o país permitiu que ao longo dos anos, retirassem milhares de quilômetros desses trilhos?
É preciso valorizar a história do Brasil. Saber a importância social e econômica que essas ferrovias desempenharam por décadas para consolidar cidades e para a independência do país. Patriotismo e respeito ao nosso passado, são instrumentos eficazes para que governantes não tomem decisões intempestivas.
Preservar, reativar, modernizar malhas ferroviárias deve fazer parte do planejamento da logística de nosso país. Várias ferrovias, a exemplo da Estrada de Ferro Petrópolis num trecho de 14,5 km entre Mauá e Fragoso devem ser revitalizadas com urgência. No caso desse símbolo histórico, foi nesse terreno montanhoso, desafiador, íngreme cercado de paisagens ímpares, povoado por animais e plantas de rara beleza que a primeira locomotiva a vapor no Brasil, a “Baroneza” circulou imponente, com seus cobres polidos, duas chaminés, um farol e dois estribos.
A paisagem estonteante e a locomotiva charmosa inspiraram o Imperador Dom Pedro II, no ato de inauguração, a batizar de “Baroneza” a locomotiva, em homenagem à esposa do Barão de Mauá. O passeio romântico foi tão emocionante que Dom Pedro II parou no alto da Serra sobre o viaduto de Três Arcos para lanchar com os comissários e apreciar a cidade maravilhosa.
Vamos imaginar que estamos em maio de 1854. E viajar no tempo, saindo da estação carioca em direção a Petrópolis e relembrar um daqueles filmes românticos da época, em que elegantes cavalheiros ao lado de belas damas, compartilham o vagão-restaurante. De saborear e absorver, no fluxo incessante de imagens que passam pela janela da Baía da Guanabara, aquelas que valem a pena gravar na memória. Imagens como a Serra do Mar até chegar ao outro paraíso serrano.
De imaginar um comboio de vagões decorado no estilo neoclássico, com aconchegantes cabines-dormitório, bar completo, restaurante, um vagão-living para sessões de vídeo. Com seria magistral se recuperássemos esse tempo? Andar a 37 km por hora, que é o dobro da velocidade média dos veículos que hoje trafegam nas metrópoles brasileiras. É incrível!
De acordo com a Associação Fluminense de Preservação Ferroviária, “a extinta Estrada de Ferro Príncipe do Grão do Pará (1883-1964), que ligava Petrópolis ao Rio de Janeiro, registrou somente um único acidente nos 81 anos de operação, com três vítimas fatais no trecho de 6 km no plano inclinado de 18% da Serra Estrela, com tração por locomotivas cremalheiras a vapor, trecho esse que teimosamente insistimos em reativar, apesar do desinteresse das autoridades”.
Mas não é só saudosismo. Assim como a citada ferrovia, várias outras, poderiam se transformar em fontes importantes de renda e mobilizadoras de turismo e de lazer. Há um grande número de estações ferroviárias que são, em verdade, palácios e imóveis de primoroso gosto arquitetônico. Contudo, várias estão em ruínas.
Não é inteligente destruir ou deixar destruir fontes de renda de uma indústria das quais mais crescem no mundo, o turismo. A elite cultural brasileira viaja para a Europa e Ásia e fica maravilhada com estradas de ferro que percorrem montanhas e vales lindíssimos. Mas, essas mesmas elites viram as costas para igual tesouro que temos no Brasil. Não tem sentido isso!
Mesmo vivendo uma crise conjuntural, não podemos deixar de arregaçar as mangas e mobilizar nossa inteligência para realizarmos um plano de desenvolvimento de nossa malha ferroviária para os próximos 50 anos. Um plano ferroviário que contemple, ao mesmo tempo, o transporte de carga para longas distâncias, de pessoas nas regiões metropolitanas e em microrregiões, o turismo histórico e lazer, isso sem falar nas linhas de alta velocidade e os bondes urbanos. Ou seja, deve contemplar o desenvolvimento de nossa indústria ferroviária e de componentes.
Com isso, vamos descobrir que uma agenda de investimentos nas ferrovias, além de reduzir o “custo Brasil”, irá criar empregos e gerar potencial industrial que alavancará vários outros setores econômicos.

Vicente Vuolo 
Economista - Cientista Político
Analista Legislativo do Senado Federal
Enviado por e-mail  08/05/2015

Paris pretende se tornar a nova capital mundial da bicicleta

Mobilidade

Após amplo planejamento, Paris vai duplicar as vias cicláveis, construir estacionamentos e financiar a compra de bicicletas.Antes da divulgação desse plano, o município realizou uma consulta com os cidadãos para saber quais são as expectativas sobre o uso da bicicleta como meio de transporte.

ArchDaily Brasil 
Autor -  Constanza Martínez
créditos - Divulgação
Duplicar a quantidade de ciclovias na cidade, estabelecer uma rede expressa, criar um fundo econômico de auxílio para a compra de uma bicicleta e construir 10 mil novas vagas de estacionamento para bicicletas são algumas das medidas do Plano de Bicicletas 2015-2010 apresentado recentemente pela Prefeitura de Paris e que pretende transformar a cidade na "capital mundial do ciclismo".
Embora hoje em dia esse "título" seja atribuído àquelas cidades em que mais da metade dos habitantes se desloca de bicicleta, como Amsterdã e Copenhague, um dos objetivos do plano parisiense é que a quantidade de pessoas que usam diariamente a bicicleta passe de 5% para 15% da população até 2020.

O plano
Antes da divulgação desse plano, o município realizou uma consulta com os cidadãos para saber quais são as expectativas sobre o uso da bicicleta como meio de transporte.
Dessa enquete, realizada em outubro do ano passado, participaram 7 mil pessoas, que apontaram para a necessidade de maior segurança nos percursos sobre duas rodas, segundo informa o secretário de Transporte e Espaço Público de Paris, Christophe Najdovski.
Após a conclusão dessa etapa, o plano começou a tomar forma, recebendo a injeção de 150 milhões de euros.

Infraestrutura
Entre as iniciativas propostas está a duplicação da quantidade de ciclovias na cidade, passando de 700 km a 1.400 km em apenas cinco anos. Essa medida, que propõe os novos trechos segregados dos automóveis, será complementada com a expansão do programa “París 30 km/h”, que pretende estabelecer regiões onde os automóveis só podem trafegar a, no máximo, 30km/h.
Soma-se a isso a mudança dos semáforos para ciclistas, que, em Zonas 30, permitirá que estes virem à direita mesmo com o sinal vermelho, desde que respeitem a preferência dos pedestres.
Também serão implementadas mais bici-boxes nos cruzamentos, isto é, áreas definidas para que os ciclistas tenham maior visibilidade enquanto estiverem esperando o semáforo abrir.
Uma das iniciativas mais abrangentes do plano é a construção da denominada Rede Expressa que prevê a construção de 80 quilômetros de ciclovias que conectarão a cidade nos sentidos norte-sul, leste-oeste e adjacente ao rio Sena.
Em relação aos estacionamentos, a meta é que em 2020 existam 10 mil novas vagas para bicicletas. Embora o estudo de demanda não tenha estabelecido os locais exatos desses novos estacionamentos, a ideia da prefeitura é construí-los nas proximidades das estações de trem, metrô e nas ruas.

Cultura ciclista
Uma nova estratégia que a prefeitura colocará à prova com o objetivo de fomentar a cultura ciclista na cidade é a criação de novos locais voltados para o uso da bicicleta, como centros de aprendizagem e oficinas para reparos mecânicos.
Por ouro lado, será destinado um fundo de 10 milhões de euros para ajudar financeiramente aqueles que queiram comprar uma bicicleta, comum ou elétrica, e não contem com recursos próprios.
Fonte - Mobilize  08/05/2015

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Ministro sinaliza continuidade do VLT de Cuiabá

Transportes sobre trilhos

Em audiência no Ministério das Cidades, o governador Pedro Taques foi informado do interesse do governo federal em concluir a obra.A posição foi do ministro das Cidades, Gilberto Kassab, que pediu ao chefe do Executivo mato-grossense tempo para que a situação do ajuste fiscal seja consolidada e os levantamentos realizados cheguem ao fim....

Marcos Lemos - Diário de Cuiabá
O governador Pedro Taques (PDT) e o ministro
Gilberto Kassab (PSD) discutindo investimentos no Estado 
O governo federal assegurou ao governador Pedro Taques (PDT) o interesse na retomada das obras de Mobilidade Urbana, incluindo o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), que foi a obra mais cara da Matriz de Responsabilidade da Copa do Mundo de 2014, orçada inicialmente em R$ 1,477 bilhão.
A posição foi do ministro das Cidades, Gilberto Kassab, que pediu ao chefe do Executivo mato-grossense tempo para que a situação do ajuste fiscal seja consolidada e os levantamentos realizados cheguem ao fim, pois apesar do atual mandato ser de continuidade da presidente Dilma Rousseff, houve mudanças e transformações que exigem levantamentos, apontamentos e definições de novas estratégias.
“Assim como nós, que assumimos em janeiro deste ano, o ministro Gilberto Kassab sinalizou que neste novo mandato da presidente Dilma muitas coisas serão diferenciadas, admitindo a preocupação com a situação das obras de Mobilidade Urbana, principalmente no que diz respeito à conclusão e à qualidade delas. Ele sinalizou pelo interesse em concluir também o VLT, que é uma obra dos governos Federal e Estadual”, explicou o governador Pedro Taques.
Taques reafirmou sua posição desde que chegou ao governo do Estado pela conclusão das obras de mobilidade entre elas do VLT, mas é contra colocar mais recursos públicos num sistema de transporte de qualidade superior, em detrimento de outros investimentos mais importantes em saúde, segurança e áreas sociais, onde se localizam as principais aspirações populares e as maiores deficiências do Poder Público de uma forma generalizada.
O governador de Mato Grosso fez ponderações ao ministro Gilberto Kassab, da existência de uma decisão judicial federal da magistrada Vanessa Gasques Perenha em audiência de conciliação entre o governo do Estado, Ministério Público Federal e Ministério Público Estadual contra o consórcio VLT Cuiabá, formado pelas empreiteiras, CR Almeida, Santa Bárbara, CAF, Magna e Astep, concedendo 75 dias para que ambas as partes construíssem um entendimento que resultasse na retomada da obra e na sua conclusão.
Taques sinalizou que pretende terminar os levantamentos e argumentos do governo do Estado antes do prazo para que os mesmos sejam também repassados para conhecimento do ministro das Cidades e da Justiça Federal e sinalizou:
“Se for para ajudar a construir uma solução em prol do cidadão e de Mato Grosso, sem prejuízo de outros serviços mais essenciais, pois transporte de qualidade para a população também é essencial, toda ação neste sentido conta com meu irrestrito e incondicional apoio”, disse o governador Pedro Taques reafirmando seu posicionamento de que tudo isto dentro da lei, da ordem e sem infringir nada.
Fonte - Diário de Cuiabá  08/05/2015

Secretaria de Direitos Humanos encaminha denúncias contra polícia do Paraná

Direitos humanos

“Nós deslocamos a nossa ouvidora nacional para o estado do Paraná. [Ela] deve trazer um relatório mais completo. Mas todas as denúncias que lá chegaram – da mesma forma que nós encaminhamos qualquer denúncia de violação de direitos humanos – nós encaminhamos ao Ministério Público do Paraná, à Corregedoria da Polícia e à Defensoria Pública”, destacou o ministro.

Daniel Mello
Repórter da Agência Brasil
Ag.Brasil
O ministro da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência, Pepe Vargas, disse hoje (8) que encaminhou denúncias contra a Polícia Militar do Paraná pela ação contra os professores no último dia 29. Segundo ele, a Ouvidoria do órgão recebeu pelo menos 18 queixas que vão desde reclamações de restrição ao direito à manifestação até denúncias de violência física.
“Nós deslocamos a nossa ouvidora nacional para o estado do Paraná. [Ela] deve trazer um relatório mais completo. Mas todas as denúncias que lá chegaram – da mesma forma que nós encaminhamos qualquer denúncia de violação de direitos humanos – nós encaminhamos ao Ministério Público do Paraná, à Corregedoria da Polícia e à Defensoria Pública”, destacou o ministro.
No dia da ação policial, os professores se reuniram no Centro Cívico, em frente à Assembleia Legislativa do Paraná, para se manifestar contra o projeto de lei que alterou o fundo previdenciário dos servidores públicos estaduais. A ação para impedir o protesto contou com uso de balas de borracha e cães e deixou cerca de 200 feridos. Os professores mantêm a greve, que começou no dia 25 de abril.
Para o ministro, as imagens e os relatos que mostram a polícia dispersando os professores não deixam dúvidas de que operação passou dos limites. “A nossa posição é que o direito à manifestação e livre expressão são fundamentais do Estado de Direito. É óbvio que houve uso excessivo da força. Não se utilizaram os mecanismos tradicionais de mediação de conflitos. Portanto, entendemos que é muito grave o que aconteceu lá”, enfatizou.
Pepe Vargas também falou sobre as discussões do projeto que reduz de 18 para 16 anos a maioridade penal. Na avaliação dele, a proposta de emenda à Constituição que trata do assunto e tramita na Câmara dos Deputados não deve ser aprovada. “Nós acreditamos que o bom-senso e o interesse da sociedade vão prevalecer. Essa proposta não vai diminuir a violência, vai aumentar”, disse.
Para o ministro, a redução da maioridade penal pode aproximar os adolescentes de organizações criminosas. “Você vai colocar jovens de baixo poder ofensivo contra a sociedade diretamente em presídios, onde o crime organizado está articulado. Depois você vai tirar esses jovens de lá já articulados pelo crime organizado.”
A Agência Brasil procurou a Polícia Militar para saber qual a posição da corporação sobre o encaminhamento das denúncias pela Secretaria de Direitos Humanos e aguarda resposta.
Fonte - Agência Brasil  08/05/2015

Com 650 km de ciclovias, Montreal terá evento que incentiva uso da bicicleta

Mobilidade

Montreal está classificada no 11º lugar no ranking Copenhagenize de 2013, que aponta os 20 centros urbanos mais amigáveis aos ciclistas dentre 150 escolhidos pela organização. A cidade tem 650 km de ciclovias que, ligadas à rede de transporte público – como ônibus, metrô e trens – permitem ao usuário se deslocar rapidamente de um ponto a outro, sem ter que recorrer a um carro.

Iara Falcão 
Correspondente da Agência Brasil/EBC 
Montreal - A assistente social Anne Sophie Ameye, 41 anos
 percorre 12 quilômetros de bicicleta diariamente
Iara Falcão/Agência Brasil
Montréal - O dia de promoção da bicicleta como transporte para o trabalho deve ser comemorado no Canadá no próximo 25 de maio. Em Montreal, a jornada fará parte da programação do Festival Go Bike Montreal, com atividades de 24 a 31 deste mês. Para quem deseja ir para o trabalho de bicicleta, o evento trará um dia inteiro de explicações e orientações sobre como se comportar no trânsito quando se está sobre duas rodas.
Adepta da bicicleta como meio de transporte, a assistente social Anne Sophie Ameye, 41 anos, percorre 12 quilômetros (km) diariamente em trajetos que incluem a ida ao trabalho, levar os filhos para a escola e voltar para casa. “Eu adoro isso! Acho ótimo, simpático e dinâmico. Montreal é bem organizada e as ciclovias são agradáveis. Dão aquela sensação de comunidade”, conta.
Ela diz que é seguro e, inclusive, já está incentivando os filhos de 5 e 7 anos a usarem o transporte. Eles vão e voltam da escola de bicicleta. “Eles usam capacete e nós colocamos uma bandeira nas bicicletas para que eles sejam vistos. Eles vão na frente e eu, atrás, orientando. Até agora, tudo está indo bem.”
Montreal está classificada no 11º lugar no ranking Copenhagenize de 2013, que aponta os 20 centros urbanos mais amigáveis aos ciclistas dentre 150 escolhidos pela organização. A cidade tem 650 km de ciclovias que, ligadas à rede de transporte público – como ônibus, metrô e trens – permitem ao usuário se deslocar rapidamente de um ponto a outro, sem ter que recorrer a um carro. Os ciclistas ainda têm à disposição um mapa que é distribuído gratuitamente em lojas de artigos esportivos, bibliotecas e centros comunitários que orienta sobre as melhores rotas. O mapa também pode ser baixado pela internet.
Montréal conta ainda com um sistema integrado de aluguel de bicicletas chamado Bixi, instalado em 2009. O sistema conta com mais de 5 mil bicicletas espalhadas por toda a cidade. O usuário pode alugar uma bixi – geralmente perto de estações de metrô, bibliotecas e parques – e só paga pelo tempo que usar a bicicleta. A devolução pode ser feita em qualquer estação do sistema.
Montreal - Instalado em 2009, o sistema conhecido
 como Bixi tem 5 mil bicicletas espalhadas por toda a cidade
Iara Falcão/Agência Brasil
Segundo dados da prefeitura de Montreal, em 2010, 52% dos adultos entre 18 e 74 anos (731 mil pessoas) andavam de bicicleta. Trinta e seis por cento deles utilizavam o veículo pelo menos uma vez por semana. Entre os jovens de 6 a 17 anos, as estatísticas também mostram o gosto pela magrela - 82% se dizem adeptos do pedalar sobre duas rodas.
A temporada das bicicletas em Montreal vai de abril a novembro. Com a chegada da primavera e o degelo, os montrealenses tiram suas bicicletas dos depósitos onde ficam guardadas durante o inverno. Andar de “vélo” (lê-se velô), como é chamada a bicicleta na cidade, já faz parte da cultura local.
Fonte - Agência Brasil  08/05/2015

Trens do Subúrbio suspendem operações por quase três horas

Transportes sobre trilhos

Veículos ficaram sem funcionar entre meio-dia e 14h40, as operações foram suspensas no início da tarde desta quinta-feira (7) após as fortes chuvas que atingiram a região por volta do meio-dia.

Da Redação -A Tarde
Joá Souza - Ag. A TARDE
Os trens que circulam na Subúrbio Ferroviário de Salvador, ficaram com as operações suspensas no início da tarde desta quinta-feira, 7, após as fortes chuvas que atingiram a região por volta do meio-dia.
De acordo com a Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedur), o motivo da suspensão ocorreu devido a uma enxurrada que cobriu os trilhos com lixo, areia e detritos. Com isso, o Sistema de Trens do Subúrbio Ferroviário, ficou com as operações suspensas entre meio-dia e 14h40.
O trecho mais afetado fica entre as estações Santa Luzia e Calçada, informou o órgão. Equipes de manutenção e limpeza finalizaram o serviço na via e os trens voltaram a circular normalmente.
Fonte - A Tarde  07/05/2015

BRTs de Recife,obras emperradas e sem data para conclusão

Mobilidade

Nem choro, nem vela com paralisação de obras do corredor Leste/Oeste do Recife - E elas emperraram não apenas na falta de recursos, mas também na mudança do que era esperado dos projetos. O pavimento por onde deveria circular o BRT, por exemplo, deveria ter sido todo refeito e com dimensões diferenciadas do asfalto comum, em razão do peso do veículo articulado. 

Mobilidade
Por Tânia Passos
Estação de BRT do corredor Leste/Oeste com obras paradas na Benfica
 Foto - Gustavo Glória Especial DP/D.A.Press
O que parecia uma chance de finalmente termos corredores de transporte de massa com qualidade na Região Metropolitana do Recife, vem se transformando em pesadelo. Nem no prazo, nem com qualidade como chegou a afirmar o então governador Eduardo Campos, em sua última entrevista de fim de ano, antes de entregar o governo para se candidatar à presidência. Ele não poderia imaginar o que o destino lhe tinha reservado. Mas do ponto de vista das obras, os constantes atrasos já davam sinais de que as obras de mobilidade iriam emperrar no meio do caminho.
E elas emperraram não apenas na falta de recursos, mas também na mudança do que era esperado dos projetos. O pavimento por onde deveria circular o BRT, por exemplo, deveria ter sido todo refeito e com dimensões diferenciadas do asfalto comum, em razão do peso do veículo articulado. Mas olhando para o resultado do que já foi feito, esse detalhe não passa de uma uma lenda. Assim como a requalificação da PE-15.
Também vem se tornando lenda a construção das estações de BRT de Camaragibe, da Avenida Conde da Boa Vista (mesmo que as improvisadas sejam concluídas como definitivas), da ampliação do Terminal de Camaragibe e as obras dos dois terminais da 2ª e 3ª perimetrais. Tudo parece um grande faz de conta. Talvez hoje, seja mais fácil dizer que as empresas do consórcio perderam a condição de tocar a obra em razão das irregularidades na Petrobras. Mas o prazo que essas obras deveriam ter sido entregues era muito anterior ao caso Petrolão.
Ainda quando o então secretário das Cidades, Danilo Cabral, respondia pela pasta, garantiu inúmeras vezes a entrega dos corredores até dezembro de 2013. Somente no fim de 2013, ele admitiu que o prazo se estenderia para março de 2014 em razão do Túnel da Abolição. O túnel foi entregue somente no mês passado, mais de um ano depois, e como já dissemos, encolhido meio metro.E o Leste/Oeste ainda se arrasta.
Sempre estivemos longe de alcançar a eficiência na qualidade das obras e agora estamos sem perspectiva de prazo. Nem uma coisa, nem outra. O ex-governador Eduardo Campos também não imaginou que a principal obra de mobilidade do seu governo – os dois corredores de BRT - tivesse um caminho tão diferente do que ele sonhou que teria. Ou do que nós sonhamos.
Abaixo a matéria com o secretário executivo de Mobilidade da Secretaria das Cidades, Marcelo Bruto ao comunicar a suspensão das obras do Leste/Oeste. Leia abaixo a matéria publicada na edição do

Diario de Pernambuco:
O secretário-executivo de Mobilidade da Secretaria das Cidades de Pernambuco, Marcelo Bruto, confirmou que o estado não renovará o contrato com o Consórcio Mendes Júnior – Servix Engenharia S/A, responsável pelas obras do Corredor Leste/Oeste. No fim da noite, o secretário das Cidades, André de Paula, disse que foram feitos todos os esforços para a conclusão pelo consórcio, mas ficou evidente que isso não é possível. Com isso, as obras deverão sofrer novo atraso, já que um processo licitatório será aberto para escolher a nova empresa.
Para justificar a decisão, o secretário citou a desistência pela Mendes Júnior do contrato de manutenção e recuperação da BR-101 e destacou a dificuldade da entrega do Túnel da Abolição, que integra o Corredor Leste-Oeste. No caso da BR-101, disse, a conclusão do contrato foi oferecida à segunda colocada, a Ferreira Guedes, que declinou do convite nas condições propostas pela Mendes Júnior. André de Paula salienta que foram estudadas alternativas, mas concluiu de forma taxativa, que “esgotaram-se as possibilidades”.

Terminal da 3ª Perimetral em obras
Foto - Gustavo Glória Especial DP/D.A.Press
Uma das promessas para a Copa do Mundo, o Corredor Leste/Oeste está com obras paradas há mais de cinco meses. Os BRTs (do inglês (“Bus Rapid Transport”) que já estão em operação transportam 38,5 mil passageiros/dia. Paralelamente, 30 linhas convencionais que perderam os corredores exclusivos disputam espaço com carros, caminhões, motocicletas, carroças e bicicletas, conduzindo 150 mil passageiros diariamente. Das 26 estações previstas para o corredor, quatro ainda não construídas são justamente as do extremo Oeste, em Camaragibe. Outras seis ainda não concluídas se localizam na Avenida Conde da Boa Vista.
Segundo dados da Secretaria das Cidades (Secid), dos R$ 168,7 milhões orçados para o Leste/Oeste foram investidos R$ 136 milhões que equivalem aos aproximadamente 80% das obras concluídas
Fonte - Diario de Pernambuco

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Mangues da Ilha dos Frades recebem mais de 500 mil filhotes de caranguejos

Meio ambiente

A ação da Bahia Pesca, empresa vinculada à Secretaria da Agricultura (Seagri),faz parte do Programa Integrado de Manejo e Gerenciamento do Caranguejo-uçá (Puçá).Os caranguejos em fase de desenvolvimento foram cultivados na Fazenda Experimental Oruabo, em Santo Amaro, onde também são realizadas as principais atividades de pesquisa da empresa.

Secom
foto - ilustração/Pregopontocom
Os mangues da Ilha dos Frades, no centro da Baía de Todos-os-Santos, foram repovoados com mais de 500 mil caranguejos em fase de desenvolvimento, denominados megalopas, medindo cerca de 0,5 cm. A ação da Bahia Pesca, empresa vinculada à Secretaria da Agricultura (Seagri), que faz parte do Programa Integrado de Manejo e Gerenciamento do Caranguejo-uçá (Puçá), aconteceu na quarta-feira (6).As megalopas foram cultivadas no laboratório da Bahia Pesca, na Fazenda Experimental Oruabo,em Santo Amaro, onde também são realizadas as principais atividades de pesquisa da empresa. As140 fêmeas utilizadas para a reprodução foram capturadas no manguezal e devolvidas ao meio ambiente junto com as megalopas.“Em nosso laboratório as fêmeas foram alimentadas com peixes e camarão até a eclosão dos ovos.É neste momento que ‘nasce’, em forma de larva, a iguaria tão apreciada por baianos e turistas. As larvas são colocadas em tanques, onde se alimentam de microalgas e microcrustáceos, e vão se desenvolvendo até atingirem o estádio de megalopas”, explica a técnica da Bahia Pesca, Eliane Hollunder. Segundo ele, os animais são mantidos em tanques com temperatura e salinidade da água monitoradas até serem soltos no meio ambiente
Fonte - Secom Ba.  07/05/2015

Jovens negros são mais vulneráveis à violência no Brasil, mostra relatório

Direitos Humanos

O estudo, divulgado hoje (7), mostra que os estados onde o jovem negro corre mais risco de exposição à violência estão na Região Nordeste. Alagoas tem o maior coeficiente do Índice de Vulnerabilidade Juvenil (IVJ) – Violência e Desigualdade Racial, medido numa escala de 0 a 1.

Michèlle Canes
Repórter da Agência Brasil *
Arquivo/José Cruz/Agência Brasil
Dados do relatório Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência e Desigualdade Racial 2014mostram que a população negra entre 12 anos e 29 anos é a principal vítima da violência. O estudo, divulgado hoje (7), mostra que os estados onde o jovem negro corre mais risco de exposição à violência estão na Região Nordeste. Alagoas tem o maior coeficiente do Índice de Vulnerabilidade Juvenil (IVJ) – Violência e Desigualdade Racial, medido numa escala de 0 a 1.
Em seguida, Paraíba, Pernambuco e Ceará são classificados como tendo muito alta vulnerabilidade, de acordo com o levantamento feito pela Secretaria Nacional de Juventude (SNJ), pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o Ministério da Justiça e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no Brasil. Entre as unidades da Federação com coeficientes abaixo de 0,3 estão São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Minas Gerais e o Distrito Federal.
O indicador inédito incorpora na dimensão da violência a desigualdade racial e mostra que a cor da pele e o risco de exposição à violência estão relacionados. O índice será usado pelo Plano Juventude Viva, que tem o objetivo de reduzir a vulnerabilidade de jovens negros, para orientar políticas públicas.
O secretário nacional de Juventude, Gabriel Medina, disse que a violência em Alagoas já havia sido diagnosticada, o que levou o governo federal a iniciar, pelo estado, a implantação do Juventude Viva. Para ele, a vulnerabilidade da população negra está ligada a uma questão histórica e, apesar dos avanços alcançados, a desigualdade ainda é estrutural. “Essas melhoras não foram suficientes ainda para que a gente criasse uma igualdade entre brancos e negros. Ainda são os negros que ganham menos no mercado de trabalho, que têm menos acesso às políticas públicas e estão sujeitos a maiores dificuldades sociais encaradas no país.”
O relatório traz ainda comparativos específicos sobre as taxas de homicídio de negros e brancos. “Os jovens negros no Brasil são duas vezes e meia mais vítimas de homicídio do que o jovem branco”, alerta a diretora executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Samira Bueno. Em algumas localidades, a proporção chega a 13 vezes, como é o caso da Paraíba. “[Isso] revela um quadro agudo e extremamente grave”, acrescenta. Em segundo lugar em relação aos homicídios de jovens negros está Pernambuco, onde o risco é de 11,57 vezes maior, seguido de Alagoas com um coeficiente de 8,75. O Paraná é o único estado onde a vulnerabilidade relacionada ao homicídio é maior para os brancos, 71,2.
Para mudar esse cenário, o secretário nacional de Juventude defende medidas de combate ao preconceito racial. “Temos estados em que a situação é mais grave, portanto [há] a demanda de apresentação de uma política, não só de uma política que chegue ao território, mas uma política que consiga também ter um enfoque de combate ao racismo.”
Outro índice apresentado no relatório é o IVJ – Violência, que existe desde 2008 e também é medido numa escala de 0 a 1. Para esta edição, foram analisados 288 municípios com mais de 100 mil habitantes. Os índices mais altos estão, mais uma vez, no Nordeste onde, entre os 59 locais analisados, mais de 20 têm coeficientes altos. Para Samira, um conjunto de fatores leva a este resultado. “São as condições socioeconômicas dessa população. São normalmente territórios com Índice de Desenvolvimento Humano mais baixo, com problemas de evasão escolar, renda per capta extremamente baixa. São territórios que, em geral, concentram uma série de indicadores socioeconômicos piores que o da média brasileira.”
A região com mais localidades analisadas foi a Sudeste, onde os coeficientes foram os mais baixos. No total, 139 municípios foram avaliados, dos quais 19 foram classificados de "muito alta vulnerabilidade à violência entre jovens".
Com relação à efetivação das ações do Juventude Viva, o secretário nacional de Juventude admite que existem dificuldades no monitoramento, pois o pacto é feito com os estados e depois com municípios. Segundo ele, uma nova fase do programa está sendo elaborada e a ideia é que, ao contrário do que ocorre hoje, o governo federal tenha mais participação nas diretrizes de segurança pública, atribuídas atualmente, aos estados.
“Essa fase prevê uma PEC [Proposta de Emenda à Constituição] da Segurança Pública que atribui à Federação mais responsabilidades em organizar um sistema nacional que englobe toda uma estrutura nacional que corresponsabiliza o governo federal com os estados e municípios pelo enfrentamento da violência e pela discussão de segurança pública”, destacou.
Para Gabriel Medina, a elaboração de indicadores como o IVJ são essenciais para aprimorar o trabalho da secretaria. “Precisamos ter índices e indicadores para que a gente possa enfrentar. Se a gente não trabalha com eles, muitas vezes, nós não conseguimos aferir resultados nos programas e iniciativas do governo.”
*Colaborou Danyele Soares, repórter do Radiojornalismo
Fonte - Agência Brasil  07/05/2015

Rodoviários aprovam estado de greve em Salvador

Salvador

Trabalhadores ainda não decidiram quando pretendem parar.A categoria volta a se reunir nesta tarde, às 15 horas, quando "devem referendar essa decisão da manhã", conforme prevê o diretor do Sindicato dos Rodoviários, Ubirajara Sales.

Paula Pitta - A Tarde
Raul Spinassé - Ag. A TARDE
Os rodoviários decretaram estado de greve nesta quinta-feira, 7, mas ainda não definiram quando vão paralisar as atividades. A categoria volta a se reunir nesta tarde, às 15 horas, quando "devem referendar essa decisão da manhã", conforme prevê o diretor do Sindicato dos Rodoviários, Ubirajara Sales.
Ele explica que o estado de greve é diferente da deflagração da greve. "O estado de greve autoriza que o sindicato proceda os trâmites legais, como colocar o edital de paralisação e cumprir os termos que a lei manda". A legislação estabelece que os trabalhadores só podem parar 72 horas após decretar o estado de greve.
Esse prazo terminaria na segunda, 11, mas Sales indica que a categoria não deve parar antes da próxima quarta-feira, 13, já que está agendada para esta data um encontro de conciliação entre patrões e empregados com a intermediação do Ministério Público do Trabalho (MPT).
Além disso, o sindicalista explica que o "estado de greve é um alerta, não quer dizer que a greve vai acontecer".

Reivindicações
Motoristas e cobradores pedem reajuste salarial com base na inflação, além de ganho real de 2,5%. Eles também querem ticket de R$ 16 com contrapartida de 5% deste valor pago pelo trabalhador, e redução da contrapartida no plano de saúde de R$27 para R$13,50.
Fonte - A Tarde  07/05/2015

Pesquisa do IBGE indica aumento de trabalhador registrado no setor privado

Economia

O estudo revela que 32,3% dos trabalhadores domésticos tinham carteira de trabalho assinada no primeiro trimestre do ano, enquanto no mesmo trimestre do ano passado o percentual era de 31,5%. Indica ainda que, no período, os militares e servidores estatutários correspondiam a 69,4% dos empregados do setor público.

Nielmar de Oliveira
Repórter da Agência Brasil 
foto - ilustração
A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua), divulgada hoje (7) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), registra que, no primeiro trimestre deste ano, 78,2% dos empregados do setor privado tinham carteira de trabalho assinada. Os dados representam um aumento de 0,5 ponto percentual em relação a igual trimestre do ano passado. Em relação ao trimestre anterior, não houve variação estatística significativa.
O estudo revela que 32,3% dos trabalhadores domésticos tinham carteira de trabalho assinada no primeiro trimestre do ano, enquanto no mesmo trimestre do ano passado o percentual era de 31,5%. Indica ainda que, no período, os militares e servidores estatutários correspondiam a 69,4% dos empregados do setor público.
Na avaliação do IBGE, o percentual de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado mostrou cenários distintos, com as regiões Norte e Nordeste apresentando patamares inferiores aos das demais regiões: 64,7% e 63,8%, respectivamente.
De acordo com a pesquisa, na comparação do primeiro trimestre deste ano com o mesmo trimestre de 2014, ocorreu aumento de 77,1% para 79% no número de empregados com carteira assinada na região Centro-Oeste.
Sobre o rendimento médio real pago ao trabalhador, o estudo mostra que ele ficou estável em relação ao primeiro trimestre do ano passado. Segundo a Pnad Contínua, 39% dos brasileiros em idade de trabalho foram classificados como fora da força de trabalho, ou seja, aquelas que não estavam ocupadas nem desocupadas na semana de referência da pesquisa.
As mulheres são maioria da população fora da força de trabalho, representando 65,9% no primeiro trimestre do ano. No período, cerca de 34,9% da população fora da força de trabalho era composta por idosos (pessoas com 60 anos ou mais). Os pesquisados com menos de 25 anos somavam 28,6% e os adultos, com idade de 25 a 59 anos, representavam 36,6%.
No primeiro trimestre de 2015, mais da metade da população (52,6%) não tinha concluído o ensino fundamental e pouco menos de um quarto havia concluído pelo menos o ensino médio (26,1%).
Fonte - Agência Brasil  07/05/2015

Trem entre Russia e China tem primeiro contrato assinado para o projeto

Transportes sobre trilhos/Internacional

Projeto de trem entre Russia e China tem primeiro contrato assinado.O consórcio que vai analisar levantamento topográficos para obras obras é liderado pela empresa Mosgiprotrans, e incluiu a Nizhegorodmetroproekt, além de uma das maiores empresas de engenharia da China, a CREEC. 

Renato lobo
Com as informações de Global Railnews
Imagem - shutterstock.com
O projeto de trem de alta velocidade entre a Russia e China deu um passo importante neste semana. Foi assinado o primeiro contrato para a construção da ferrovia de alta velocidade entre Moscou e Kazan.
O consórcio que vai analisar levantamento topográficos para obras obras é liderado pela empresa Mosgiprotrans, e incluiu a Nizhegorodmetroproekt, além de uma das maiores empresas de engenharia da China, a CREEC. O contrato tem um valor de 20.790 milhões de rublos, equivalente a 320 milhões de euros.
A rota terá 770 quilômetros, com trens trafegando em até 400 km/h, ligando na primeira fase do projeto, Moscou, Nizhny, Novgorod, Cheboksary e Kazan. No futuro, o governo quer que a linha ultrapasse as fronteiras russas, cortando Astana, Cazaquistão, e Pequim, na China.
O tempo de viagem entre Moscovo e Kazan será reduzido para três horas e meia, com previsão de utilização de cerca de 10,5 milhões de passageiros no primeiro ano de operação.
Fonte - Via Trólebus  06/05/2015

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Estação de Pirajá do metrô de Salvador tem mais de 70% de obras concluídas

Transporte sobre trilhos

“As obras nessa região têm uma complexidade muito grande, sobretudo nesse período de chuvas, mas estão andando num ritmo acelerado”, afirmou o secretário. As intervenções na área serão concluídas em junho, com a inauguração da estação prevista para julho.

Secom
Foto - Alberto Coutinho/GOVBA
O secretário de Desenvolvimento Urbano, Carlos Martins, visitou as obras do metrô no bairro de Pirajá, em Salvador, na manhã dessa quarta-feira (6). O local, que vai funcionar como o centro operacional das Linhas 1 e 2, está com mais de 70% das obras concluídas na estação. Já na área do complexo de manutenção dos trens, o índice é de 58%. “As obras nessa região têm uma complexidade muito grande, sobretudo nesse período de chuvas, mas estão andando num ritmo acelerado”, afirmou o secretário. As intervenções na área serão concluídas em junho, com a inauguração da estação prevista para julho.
Na região, que vai funcionar como ‘cérebro operacional’ do metrô, vão ficar instaladas a oficina para reparo nos trens e também uma área para realização de manutenções mais simples, como limpeza, além do Centro de Controle Operacional (CCO) e toda a parte administrativa do metrô. A área total de intervenções em Pirajá é de mais de 150 mil metros quadrados.
Foto - Alberto Coutinho/GOVBA
Desde que o sistema metroviário de Salvador foi transferido para o Governo da Bahia, em abril de 2013, a obra do metrô ganhou um ritmo acelerado e, pouco mais de um ano depois , em junho de 2014, os trens começaram a rodar em operação assistida. Desde o período até agora, o metrô já transportou cinco milhões de passageiros. O trecho em operação da Linha 1 compreende as estações Lapa, Campo da Pólvora, Brotas, Acesso Norte, Retiro e Bom Juá.
Com investimento de R$ 3,6 bilhões para a conclusão da Linha 1 e implantação da Linha 2, o metrô chegará ao Aeroporto Internacional de Salvador em 2017. Está previsto ainda o investimento em um novo trecho de Pirajá a Águas Claras, com extensão de 5,5 quilômetros. Desta forma, em 2017, a linha completa do metrô terá 41 quilômetros.
Fonte - Secom Ba.  06/05/2015

VLTs de Natal e João Pessoa operam com nova tecnologia da Voith Turbo

Transportes sobre trilhos

O contrato foi firmado com a Bom Sinal, e envolveu o fornecimento das seguintes soluções: engates semipermanentes, engates semiautomáticos, amortecedores com antiencavalamento e redutores, além do RailPack, sistema de tração a diesel integrado que inclui motor a diesel, transmissão hidromecânica DIWA 884.5 com unidade reversora integrada, sistema de refrigeração, sensor de Nox, quadros e suportes para fixação do conjunto no VLT.

RF
foto - ilustração
A Voith, empresa especializada em soluções para transmissão de potência, foi a responsável pelo fornecimento de componentes como engates, redutores e sistemas de tração para os VLTs (veículos leves sobre trilhos) que já operam em Natal (RN) e João Pessoa (PB).
O contrato foi firmado com a Bom Sinal, e envolveu o fornecimento das seguintes soluções: engates semipermanentes, engates semiautomáticos, amortecedores com antiencavalamento e redutores, além do RailPack, sistema de tração a diesel integrado que inclui motor a diesel, transmissão hidromecânica DIWA 884.5 com unidade reversora integrada, sistema de refrigeração, sensor de Nox, quadros e suportes para fixação do conjunto no VLT.
Através do RailPack, os VLTs podem trafegar em vias não energizadas, eliminando os altos custos para implantação de subestações de energia elétrica e de linhas de distribuição tipo catenária nas vias férreas já existentes. Com isso, há uma redução significativa no custo total de implantação de infraestrutura do sistema ferroviário como um todo.
Em Natal, o sistema de VLT começou a operar em dezembro de 2014. Já em João Pessoa, as operações tiveram início em fevereiro deste ano. Nos dois sistemas, o VLT possui três carros e dois Railpacks da Voith, tendo capacidade total para transportar 562 passageiros.
Fonte - Revista Ferroviária  06/05/2015

CBTU investe em iluminação de LED nos trens

Transportes sobre trilhos

Ao todo 19 carros receberão as luzes novas e a previsão é que em meados de junho todos já estejam instalados. O investimento é da ordem de R$ 17,5 mil.

CBTU

João Pessoa - Visando oferecer maior conforto para os seus passageiros, a CBTU João Pessoa continua modernizando a frota de veículos ferroviários. Nesta semana, a Companhia começou a operar com dois carros de passageiros iluminados com lâmpadas de LED. Ao todo 19 carros receberão as luzes novas e a previsão é que em meados de junho todos já estejam instalados. O investimento é da ordem de R$ 17,5 mil.
Segundo o superintendente, Wladme Macêdo, mesmo com a chegada do VLT a CBTU não tem descuidado da sua frota antiga. “Nós continuamos investindo em modernização e melhorias dos nossos trens, como forma de beneficiar nossos usuários”, afirma. De acordo com o Coordenador de Manutenção da CBTU, Sérgio Marcenilo, a nova iluminação vai dar mais visibilidade aos usuários e as luzes fluorescentes usadas anteriormente serão reaproveitadas nas estações.
Essa mudança para a iluminação com lâmpadas de LED é fundamental para a economia, além disso, tem como base a sustentabilidade e o princípio ecológico. Ela traz vários benefícios como a longa vida útil, redução dos custos de manutenção, não emite radiação Infravermelha e Ultra Violeta e é resistente a vibração e impactos.
Fonte - CBTU  06/05/2015

Mais 2 trens da linha 4 do metrô desembarcam no Rio

Transportes sobre trilhos

Cada composição tem seis carros, com capacidade para transportar 1,8 mil pessoas. Os vagões são equipados com ar-condicionado, painéis de LED com sistema informatizado de comunicação e câmeras de monitoramento interno, além de passagem interna entre os carros. O projeto é o mesmo dos modelos que já operam no MetrôRio desde 2012.

Governo do Rio de Janeiro
foto - ilustração
Mais dois trens da Linha 4 do Metrô (Barra da Tijuca-Ipanema) desembarcaram nesta segunda-feira (4/5) no Porto do Rio, e serão transportados até quinta-feira (7/5) para o Centro de Manutenção do MetrôRio. Antes de começarem a circular no novo trecho, os veículos serão testados por 90 dias nas linhas 1 e 2. Ao todo, cinco composições da Linha 4 já estão no Rio de Janeiro. Até o fim do ano, outros 10 trens desembarcarão na cidade.
Cada composição tem seis carros, com capacidade para transportar 1,8 mil pessoas. Os vagões são equipados com ar-condicionado, painéis de LED com sistema informatizado de comunicação e câmeras de monitoramento interno, além de passagem interna entre os carros. O projeto é o mesmo dos modelos que já operam no MetrôRio desde 2012.
A Linha 4 do Metrô será inaugurada em junho de 2016, beneficiando mais de 300 mil usuários por dia. Com isso, a frota de trens no metrô do Rio de Janeiro será ampliada em 30%, saltando de 49 trens para 64.

Componentes importados
Fabricado na China, os trens recebem peças de vários países diferentes. A carroceria e o truque, onde se localizam as rodas e o motor, vêm da empresa chinesa Changchun Railway Vehicles. O sistema de ar-condicionado é da australiana Sigma. A Mitsubishi Eletric, do Japão, ficou responsável pelo motor de tração. O sistema de portas foi desenvolvido pela austríaca IFE e toda a parte de frenagem do novo trem ficou a cargo da alemã Knorr-Bremse.
A Linha 4 é o maior legado em transporte que a população ganhará com os Jogos Olímpicos. Com a linha, o passageiro poderá utilizar o sistema metroviário da cidade pagando uma única tarifa, deslocando-se, por exemplo, da Barra à Pavuna. Será possível ir da Barra a Ipanema em 13 minutos e, da Barra ao Centro, em 34 minutos.
Após passar por testes, a Linha 4 entra em operação em 2016, quando estarão funcionando as estações Nossa Senhora da Paz, Jardim de Alah, Antero de Quental, São Conrado e Jardim Oceânico. A estação da Gávea teve o projeto alterado para ampliar a possibilidade de expansões e será inaugurada em dezembro de 2016.
Fonte - Revista Ferroviária  06/05/2015

Secretário de Educação do Paraná pede demissão após protesto de professores

Educação

Os professores reuniram-se no último dia 29, no Centro Cívico, em frente à Assembleia Legislativa do Paraná, contra projeto de lei que alterou o fundo previdenciário dos servidores públicos estaduais. Desde o dia 25 de abril, os professores estaduais estão em greve

Luciano Nascimento
Enviado Especial - Ag,Br.
fotospúblicas
O secretário de Educação do Paraná, Fernando Xavier, pediu hoje (6) demissão do cargo por motivos pessoais, informou em nota a secretaria. O pedido foi formalizado uma semana após a ação da Polícia Militar (PM) durante protesto dos professores da rede estadual de ensino, em Curitiba, resultando em mais de 200 feridos.
Os professores reuniram-se no último dia 29, no Centro Cívico, em frente à Assembleia Legislativa do Paraná, contra projeto de lei que alterou o fundo previdenciário dos servidores públicos estaduais. Desde o dia 25 de abril, os professores estaduais estão em greve. A principal reivindicação da categoria é a revogação do projeto, aprovado na quarta-feira (29) e sancionado no dia seguinte (30) pelo governador Beto Richa (PSDB).
Ontem (5), os professores fizeram assembleia e, por unanimidade, decidiram pela manutenção da greve. Eles também reivindicam reajuste de 13,1% retroativo à data-base, realização de concurso público e melhores condições de trabalho. Antes da assembleia, eles realizaram um ato de repúdio à repressão policial, reunindo, segundo os organizadores, 15 mil pessoas. A PM estimou em 10 mil o número de manifestantes.
De acordo com a assessoria de comunicação do governo, a professora Ana Seres Trento Comim substituirá Xavier no cargo. Formada em matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), ela ocupava o cargo de superintendente da Secretaria de Educação.
Fonte - Agência Brasil  06/05/2015

CBTU Natal adquire caminhão rodoferroviário

Transportes sobre trilhos

O mesmo pode trafegar tanto em rodovias como sobre os trilhos, o que facilitará o transporte de material e equipamentos na manutenção da via permanente, principalmente em locais onde não é possível o acesso com veículos comuns.

CBTU
Adicionar legenda
Na última semana, a CBTU Natal recebeu um novo veículo que irá integrar a frota da Companhia. Trata-se de um caminhão rodoferroviário. O mesmo pode trafegar tanto em rodovias como sobre os trilhos, o que facilitará o transporte de material e equipamentos na manutenção da via permanente, principalmente em locais onde não é possível o acesso com veículos comuns.
A agilidade na manutenção da via permanente é a principal vantagem deste tipo de veículo, uma vez que esta atividade era realizada necessariamente nos intervalos das viagens, com a utilização de locomotivas e uma prancha especial para o transporte de material.
A aquisição deste equipamento faz parte do plano de reestruturação da ferrovia, fomentado pelo Governo Federal, por meio do Ministério das Cidades.
Fonte - CBTU  05/05/2015

terça-feira, 5 de maio de 2015

Usina solar do Estádio de Pituaçu faz governo economizar R$ 400 mil

Energia solar

A economia foi registrada entre abril de 2012, quando foi iniciado o projeto Pituaçu Solar, e o fim de 2014.O sistema garante a autossuficiência elétrica do estádio e ainda gera excedente, que abastece parte do prédio onde funcionam as secretarias do Trabalho, Emprego Renda e Esporte (Setre) e da Administração do Estado (Saeb), no Centro Administrativo da Bahia (CAB). 

TB
Aberto para visitação,o Pituaçu Solar já recebeu
 mais de três mil pessoas. f
oto - Manu Dias
Desde a instalação do sistema fotovoltaico para geração de eletricidade no Estádio Governador Roberto Santos, no bairro de Pituaçu, em Salvador, o Governo do Estado reduziu em mais R$ 400 mil o gasto com energia.
O sistema garante a autossuficiência elétrica do estádio e ainda gera excedente, que abastece parte do prédio onde funcionam as secretarias do Trabalho, Emprego Renda e Esporte (Setre) e da Administração do Estado (Saeb), no Centro Administrativo da Bahia (CAB).
A economia foi registrada entre abril de 2012, quando foi iniciado o projeto Pituaçu Solar, e o fim de 2014. O equipamento esportivo foi o primeiro da América Latina a utilizar o sistema de iluminação solar e já gerou um total de 1,7 giga-watt-hora (GWh) - o suficiente para abastecer 17 mil residências durante um mês.
Com os 633 megawatts-hora (MWh) anuais, gerados a partir de painéis instalados na cobertura e nos estacionamentos do estádio, o projeto resultou na redução de R$ 13 mil para R$ 850 na conta média mensal.
De acordo com o secretário do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, Álvaro Gomes, a experiência bem sucedida em Pituaçu deve ser ampliada em breve para outros espaços, como o Centro Pan-Americano de Judô, em Lauro de Freitas. "Entre os locais onde podemos desenvolver projetos semelhantes está o Centro de Judô, onde já estão sendo realizados estudos de viabilidade de uma usina fotovoltaica".
O investimento total foi de R$ 5,5 milhões, com recursos da Companhia de Eletricidade da Bahia (Coelba), Governo do Estado e participação do Fundo Nacional de Eficiência Energética, gerido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).
Aberto para visitação, o Pituaçu Solar já recebeu mais de três mil pessoas, entre estudantes e público em geral.
Outra iniciativa voltada para a economia de recursos é o Programa de Racionalização do Consumo de Água e Energia do Governo. Promovida pela Saeb, em parceria com a Universidade Federal da Bahia (Ufba), a ação proporcionou uma economia de R$ 20,4 milhões, desde o lançamento, em 2008.
O resultado foi possível graças aos ecotimes, grupos de funcionários responsáveis pela mobilização de outros servidores em 38 órgãos estaduais e pelo monitoramento periódico do consumo nos prédios públicos.
Fonte - Tribuna da Bahia  05/05/2015

Metrô de Salvador atinge a marca de cinco milhões de passageiros transportados

Transportes sobre trilhos

Essa marca foi alcançada depois da entrega de mais uma estação da Linha 1, a do Bom Juá, inaugurada no dia 23 de abril pelo governador Rui Costa.
Com a extensão até o Bom Juá, o metrô alcançou 9 km, operando nas estações Lapa, Campo da Pólvora, Brotas, Acesso Norte e Retiro. 

Secom
foto - Pregopontocom
O Metrô de Salvador atinge, nesta terça-feira (5), a marca de cinco milhões de passageiros transportados desde o início da operação assistida, em junho de 2014. O secretário de Desenvolvimento Urbano, Carlos Martins, cumprimenta o passageiro cinco milhões às 8h30 desta terça-feira (5), na Estação Bom Juá. Essa marca foi alcançada depois da entrega de mais uma estação da Linha 1, a do Bom Juá, inaugurada no dia 23 de abril pelo governador Rui Costa.
Com a extensão até o Bom Juá, o metrô alcançou 9 km, operando nas estações Lapa, Campo da Pólvora, Brotas, Acesso Norte e Retiro. As próximas estações a serem entregues são Bonocô e Pirajá, que completa os 11 km de metrô previstos para a Linha 1.

Linha 2
As obras da Linhas 2 seguem em ritmo intenso, com diversas frentes de trabalho entre as regiões do Acesso Norte e Pernambués, passando pelo Iguatemi e Rodoviária. A linha, que seguirá pelo canteiro central da Avenida Paralela até o Aeroporto, terá 13 estações e 23 km de extensão.
Fonte - Secom Ba.  04/05/2015

O governo do Tucano Richa, a violência, e o “Monstro” opinião pública - Bob Fernandes

Política

O governador do Paraná, Beto Richa, do PSDB, aprende isso da pior maneira. Seu governo e a Assembleia Legislativa estão cercados por greve de professores e múltiplas acusações.Desde má gestão e quebra do Estado à corrupção;...essa pilotada por cidadão já citado, estranhamente, como "suposto primo" do governador.Até a barbárie da sua PM e mais de 200 feridos, Beto Richa contava com a habitual cumplicidade e silêncios em relação a erros da oposição.Richa foi atropelado pela repercussão no uso da força. Em rede social seu secretário de Segurança, o delegado e deputado Francischini já se comparou ao "Batman".No fim de semana, a plateia no Teatro Guaíra e as duas torcidas da final Coritiba x Operário responderam ao "Batman" e a seu parceiro Richa com o mesmo coro:
-Fora Beto Richa...







Obras de estações da linha 4-amarela do Metrô são retomadas

Transportes sobre trilhos

A expectativa é de que uma nova licitação seja realizada até junho, mas as obras devem ser iniciadas apenas no ano que vem.A previsão é de que os terminais sejam liberados ao público somente em 2016.

Bem Paraná
foto - ilustração
As obras das estações Higienópolis-Mackenzie e Oscar Freire da linha 4-amarela do metrô foram retomadas na semana passada. A previsão é de que os terminais sejam liberados ao público somente em 2016. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do Metrô. Em março, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) criticou o atraso da conclusão da linha 4-amarela - que teve a entrega adiada para 2018 - e é de responsabilidade da empresa Isolux Córsan-Corviam.
Por conta do atraso, o governo estadual e o Banco Mundial, financiador da segunda fase da linha 4-amarela, decidiram rescindir o contrato. O governo de São Paulo agora prepara nova licitação para a construção das estações São Paulo-Morumbi e Vila Sônia, que devem ser entregues com atraso em relação ao cronograma atual.

Atraso nas obras
Segundo o Estado, a empresa Isolux Córsan-Corviam reduziu o número de funcionários, de equipamentos e de insumos para conclusão das obras desde o ano passado. O lote 1 da segunda fase da linha 4-amarela previa a conclusão das estações Higienópolis-Mackenzie, Oscar Freire, São Paulo-Morumbi, além da construção do pátio e do terminal de ônibus da Vila Sônia. O valor total era de R$ 173 milhões.
O Banco Mundial decidiu transferir a estação São Paulo-Morumbi para o lote 2, que inclui a estação Vila Sônia, um túnel e 1,5 km de trilhos em direção a Taboão da Serra (SP). Com a mudança, o valor total do lote deve passar de R$ 386 milhões para R$ 500 milhões. A expectativa é de que uma nova licitação seja realizada até junho, mas as obras devem ser iniciadas apenas no ano que vem. As obras da segunda fase da linha 4-amarela foram iniciadas em abril de 2012, com contratos de R$ 559 milhões no total. Até o momento, foi entregue apenas a estação Fradique Coutinho, em novembro.
Fonte - Revista Ferroviária  05/05/2015

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Petrobras ganha prêmio internacional OTC do setor de petróleo

Tecnologia

A cerimônia de premiação ocorreu durante jantar em Houston, Estados Unidos, na Offshore Technology Conference (OTC), maior evento do mundo dedicado à área de exploração e produção de petróleo no mar.Em seu discurso de agradecimento, Solange Guedes destacou a importância do reconhecimento para o nosso corpo técnico e da parceria com sócios, e o papel destacado dos fornecedores e da comunidade acadêmica.

Fatos e Dados

A diretora da nossa área de Exploração e Produção, Solange Guedes, recebeu na noite de ontem (3/5), o prêmio OTC Distinguished Achievement Award for Companies, Organizations and Institutions, reconhecimento mais importante que uma empresa de petróleo pode receber na qualidade de operadora offshore. A cerimônia de premiação ocorreu durante jantar em Houston, Estados Unidos, na Offshore Technology Conference (OTC), maior evento do mundo dedicado à área de exploração e produção de petróleo no mar.
Em seu discurso de agradecimento, Solange Guedes destacou a importância do reconhecimento para o nosso corpo técnico e da parceria com sócios, e o papel destacado dos fornecedores e da comunidade acadêmica. “A exploração e produção do pré-sal tem sido uma missão desafiadora, que estamos desempenhando em estreita colaboração com nossos parceiros, com os fornecedores e com a comunidade técnica e científica. Este prêmio é resultado do trabalho conjunto, baseado em uma ampla rede de cooperação”, disse.
Ela ressaltou que, apenas oito anos após o anúncio da descoberta do pré-sal, a nova província petrolífera já responde por mais de 20% da nossa produção de petróleo no Brasil.
Após enumerar algumas tecnologias que nos levaram a conquistar o prêmio, a executiva destacou que todo o dióxido de carbono produzido no pré-sal está sendo reinjetado. “Com isso, evitamos a emissão de 1 milhão de toneladas de CO2”, contabilizou, lembrando que a iniciativa aumenta o volume de petróleo extraído dos campos.
A diretora lembrou os desafios trazidos pelo pré-sal, localizado a 300 quilômetros da costa, sem infraestrutura instalada na época da descoberta, com profundidade total de até 7 mil metros e espessa camada de sal. “Este cenário representava uma grande oportunidade para desenvolver tecnologias viabilizadoras junto com a indústria. Percebemos que seriam necessárias soluções inovadoras para extrair petróleo destes campos de maneira segura, rentável e ambientalmente sustentável”, disse.
Por fim, Solange Guedes nomeou e agradeceu a todos os parceiros nos projetos do pré-sal e disse esperar que essas conquistas tornem-se um importante legado tecnológico para a indústria offshore.

Conheça as tecnologias premiadas do pré-sal em - www.petrobras.com.br/tecnologiasdopresal.
Fonte - Fatos e Dados  04/05/2015

Prefeitura do Rio quer incentivar uso da bicicleta no trajeto para o trabalho

Mobilidade

Meio de transporte rápido e solução para escapar dos congestionamentos, as bicicletas podem ser alternativa para problemas de mobilidade na cidade do Rio de Janeiro 

Isabela Vieira 
Repórter da Agência Brasil 
Wilson Dias/Agência Brasil
A bicicleta pode ser o meio mais rápido de chegar ao trabalho e uma solução para escapar dos congestionamentos. Para incentivar mais pessoas a aderir à prática, uma série de ações de estímulo ao uso da biciicleta como meio de transporte marcará o Dia Mundial de Bicicleta ao Trabalho, na sexta-feira (8), no Rio de Janeiro.
A ideia é buscar alternativas para os problemas de mobilidade, que, além de melhorar o trânsito, promovem mais qualidade de vida.
As atividades fazem parte de uma agenda mundial, que se repetirá em várias cidades brasileiras. No Rio, em parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, as organizações não governamentais Bike Anjo e Escola de Pedal promovem, a partir de hoje (4), palestras com dicas destinadas àqueles que querem ganhar confiança para enfrentar as movimentadas avenidas da cidade.
“O primeiro passo para ir de bicicleta ao trabalho é escolher uma rota. O ciclista tem de pegar vias menos movimentadas. Ou seja, escolher um roteiro para conquistar segurança”, orientou Ana Luiza Carboni, da Bike Anjo. Segundo ela, é preciso saber um pouco de direção defensiva.
“O ciclista deve ser assertivo, se impor na pista [e não ficar acuado no canto], gesticular e se comunicar com os demais motoristas”, acrescentou.
Para Ana Luiza, a desculpa de não ter vestiário ou bicicletário na empresa não deve impedir ninguém de andar de bicicleta. Como solução para evitar o suor excessivo no trajeto, no caso do Rio, ela sugere pedaladas mais lentas ou o conforto de um estacionamento pago.
Entusiasta das bicicletas, o secretário de Meio Ambiente, Altamirando Fernandes Moraes, que recentemente inaugurou, na sede administrativa da prefeitura, uma estrutura para que os ciclistas tomem banho e troquem de roupa, informou que tem ampliado ciclovias e estações onde é possível alugar uma bicicleta. O desafio é a integração com trens e o metrô, que ainda não permitem passageiros com bicicletas no horário comercial.
“A parceria com a Supervia [empresa que administra os trens] é muito boa. Temos vagas para bicicletas e local para encher pneus. A parceria foi muito boa. Aos sábados e domingos, está liberado o transporte de bicicletas nos trens. No metrô, a liberação inclui sábados, domingos e [o período] após 21h, o que é um avanço”, destacou Altamirando.
Quem usa a bicicleta de casa para o trabalho garante que a prática revigora. Antônio Nunes, consultor de informática, disse que não perde mais tempo procurando vagas e não tem mais o mesmo estresse no trânsito. “Os ônibus, táxis e motos ainda não se acostumaram às bicicletas, mas eles não têm outra opção a não ser nos aceitar”, explicou. “Quanto mais pessoas usando bicicletas por toda a cidade, mais os ciclistas serão notados e respeitados”, completou Nunes.
Para o secretário Altamirando Fernandes, a convivência respeitosa é a única solução para o trânsito. “Não teremos ciclovias em todas as ruas. Temos de baixar a velocidade [dos carros], como fizemos em Copacabana [para 30 quilômetros por hora nas ruas principais]. A bicicleta anda na pista e o carro espera o melhor momento para ultrapassar.”
Fonte - Agência Brasil  04/05/2015

Receita obtém informações detalhadas sobre brasileiros citados no SwissLeaks

Internacional

Os dados foram obtidos depois da visita de auditores à sede da Direction Générale des Finances Publiques (DGFiP) – administração tributária francesa, em Paris, no dia 31 de março, com a finalidade de colher informações sobre contribuintes brasileiros titulares de contas-correntes no HSBC na Suíça.

Daniel Lima
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
A Receita Federal obteve informações mais precisas sobre contribuintes brasileiros citados no caso SwissLeaks. De acordo com o Fisco, os dados foram obtidos depois da visita de auditores à sede da Direction Générale des Finances Publiques (DGFiP) – administração tributária francesa, em Paris, no dia 31 de março, com a finalidade de colher informações sobre contribuintes brasileiros titulares de contas-correntes no HSBC na Suíça. Desde fevereiro, a Receita acompanhava o caso e agora confirmou ter obtido informações mais detalhadas.
Com base em acordo para evitar a dupla tributação existente entre os dois países, 8.732 arquivos eletrônicos foram entregues à Receita Federal, cada um contendo um perfil de cliente brasileiro do banco suíço. Desde então, informou o órgão, os técnicos brasileiros estão trabalhando na correta identificação das pessoas físicas correntistas.
A Receita informou também que foram feitas 34.666 consultas aos cadastros referentes às diferentes combinações de nomes e datas de nascimento possíveis, resultando em 652.731 prováveis nomes dos titulares das contas. Depurados esses dados, foram efetivamente identificados como contribuintes brasileiros 7.243 correntistas pessoas físicas.
Após a identificação, os próximos passos são a identificação dos contribuintes com interesse fiscal, no período de 2011 a 2014, para posterior programação e fiscalização; continuidade das pesquisas das pessoas físicas/jurídicas não identificadas nesta depuração inicial, que correspondem a 1.129 nomes; continuidade das pesquisas para identificação dos correntistas pessoa jurídica e respectivas pessoas físicas relacionadas; identificação de contribuintes mortos e seus eventuais herdeiros; análise de vínculos entre os contribuintes identificados de forma a encontrar grupos de contribuintes relacionados para o tratamento em conjunto.
Na sequência, a Receita Federal trocará ainda informações com o Banco Central e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), de modo a buscar elementos para identificar indícios de possíveis práticas de crimes contra o sistema financeiro e lavagem de dinheiro e aprofundar as investigações para, nos casos mais graves, acionar a Polícia Federal e o Ministério Público Federal.
Fonte - Agência Brasil  04/05/2015

Coreia do Sul inaugura monotrilho

Transportes sobre trilhos/Internacional

Após seis anos foi inaugurada a nova linha com 24 quilômetros de extensão, 30 estações e uma frota de 28 trens

Via Trólebus
Via Trólebus
A cidade de Daegu ganhou um sistema de monotrilho. As construções iniciaram em julho de 2009, e após seis anos foi inaugurada a nova linha com 24 quilômetros de extensão, 30 estações e uma frota de 28 trens.
A fabricação das composições ficou por conta da empresa japonesa Hitachi e pela empresa coreana Woojin. O monotrilho faz parte do sistema metroviário da cidade, denominado “Linha 3″. É esperado que sejam transportados cerca de 160 mil passageiros por dia, com um intervalo entre trens de 5 minutos nos horários de maiores movimentos.
Fonte - Revista Ferroviária  04/05/2015

Portugal tem o segundo pior desempenho da Europa na ferrovia

Internacional

Estudo da Boston Consulting Group coloca Portugal no penúltimo lugar em 25 países europeus.A má classificação de Portugal no ranking europeu está explicada pela falta de investimentos no setor ferroviário

Público PT
foto - engenhariaportugal
Um estudo da Boston Consulting Group, que criou um indicador para medir o desempenho dos sistemas ferroviários nacionais, coloca Portugal no penúltimo lugar em 25 países europeus.
A consultora construiu aquele indicador, denominado Railway Performance Índex (RPI), que mede o desempenho das ferrovias nacionais com base em três aspectos: a frequência de utilização da rede ferroviária, a qualidade do serviço que é prestado e a segurança.
O ranking obtido pela consultora coloca numa “primeira divisão” a Suíça, Suécia, Dinamarca, França e Alemanha como os países que têm melhores sistemas ferroviários.
Seguem-se mais dois grupos. Primeiro, aquele que a empresa identifica como tendo uma qualidade de serviço e de segurança razoáveis: Áustria, Reino Unido, República Checa, Holanda, Luxemburgo, Espanha, Itália, Bélgica e Noruega.
Há, depois, uma “terceira divisão” onde se encontram, por esta ordem, a Eslovênia, Irlanda, Lituânia, Hungria, Letônia, Eslováquia, Romênia, Polônia, Portugal e Bulgária.
Num estudo idêntico realizado em 2012 a consultora colocava também Portugal em penúltimo lugar, juntamente com a Polônia e a Bulgária.
O documento revela que os países europeus cujos sistemas ferroviários apresentam melhor desempenho são aqueles em que mais fundos públicos são atribuídos aos gestores de infraestrutura, o que é claramente o caso da Suíça, dos países nórdicos, da França e da Alemanha.
“O nosso estudo indica que o modelo de aplicação de subsídios apresenta correlação direta com o desempenho do sistema ferroviário”, refere Sylvain Duraton, consultor principal da Boston Consulting Group e coautor deste trabalho de análise.
Para os sistemas ferroviários europeus, os subsídios públicos apresentam-se assim como essenciais para que a sociedade deles tire o máximo partido. Uma conclusão prática que contraria o paradigma dominante na União Europeia de que a liberalização do transporte ferroviário e o afastamento do Estado conduziria à sua optimização.
Agnès Audier, da mesma consultora, adverte, porém, que a correlação entre dinheiro público e uma boa prestação dos caminhos-de-ferro “não significa que mais alocação de subsídios constitua uma fórmula mágica para melhorar o desempenho do setor ferroviário”. A responsável apenas constata que “os governos nacionais e as companhias ferroviárias muito podem beneficiar ao conhecerem aquilo que verdadeiramente influencia a prestação ferroviária no sentido positivo”.
A aplicação de dinheiro dos contribuintes no setor tanto pode ter como destino a infraestrutura (não só o investimento físico, mas a sua própria manutenção) como a exploração ferroviária através de subsídios aos operadores. Mas os consultores chegaram à conclusão de que a relação custo-eficiência obtida a partir dos dinheiros públicos é maior quando o dinheiro é entregue à empresa de infraestruturas. “É mais eficaz para a melhoria do desempenho ferroviário atribuir financiamento público aos gestores de infraestrutura do que dispersá-lo pelos vários operadores”, refere o documento a que o PÚBLICO teve acesso.
Isto quer dizer que, no exemplo de Portugal, cada euro aplicado na Refer, que gere a infraestrutura por onde circulam os trens,traria maior retorno ao sistema ferroviário do que se fosse aplicado na CP ou noutros operadores.
Seja como for, a má classificação de Portugal no ranking europeu está explicada pelo desinvestimento no setor ferroviário. A aposta das últimas décadas na rede viária, a par do encerramento de centenas de quilômetros de linhas férreas, fizeram de Portugal um caso único na Europa ao possuir mais quilômetros de auto-estradas do que ferrovias.
O rácio de 1,17 quilômetros de auto-estradas por cada quilômetro de linha férrea é claramente superior aos dos países que estão no top do bom desempenho ferroviário e que claramente têm, em termos relativos, menos autoestradas que Portugal: Suíça (rácio de 0,27), Suécia (0,18), Dinamarca (0,38), França (0,39) e Alemanha (0,31).
A construção do RPI tem em conta o número de passageiros e de toneladas transportadas por caminho-de-ferro (intensidade do uso da rede), a pontualidade dos diversos serviços, percentagem de linhas de alta velocidade e preços médios dos bilhetes (qualidade do serviço) e o número de acidentes e mortos nas linhas férreas (segurança).
Fonte - Revista Ferroviária  04/05/2015