sábado, 10 de janeiro de 2015

Verão deve terminar com chuvas abaixo da média no Centro-Sul do país

Clima

Nos próximos dez dias, as chuvas também ficarão escassas no estado de São Paulo. Para fevereiro e março, as previsões também não são animadoras, indicando que o país terá o quarto ano seguido com verão menos chuvoso que a média.

Wellton Máximo 
Repórter da Agência Brasil
arquivo/Marcelo Camargo/Agência Brasil
A expectativa de que as chuvas de verão amenizariam a queda dos reservatórios no Centro-Sul do país não se concretizou. Um sistema de alta pressão vindo do Oceano Atlântico, que atua em boa parte do país desde o fim de dezembro, reduziu a média de chuvas no Sudeste, no Centro-Oeste e no Nordeste em janeiro, único mês em que os índices poderiam ficar acima do normal. Para fevereiro e março, as previsões também não são animadoras, indicando que o país terá o quarto ano seguido com verão menos chuvoso que a média.
Chamado de Alta Subtropical do Atlântico Sul (Asas), o sistema responsável pela falta de chuvas no Nordeste, no Centro-Oeste e em parte do Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo e norte do estado do Rio de Janeiro) se intensificará neste fim de semana. Nos próximos dez dias, as chuvas também ficarão escassas no estado de São Paulo e no sul do estado do Rio, piorando a situação dos reservatórios de usinas hidrelétricas e dos sistemas de abastecimento de água da Grande São Paulo.
Normalmente com ocorrência no meio da porção sul do Oceano Atlântico, a Alta Subtropical do Atlântico Sul teve o centro deslocado para a costa brasileira desde a semana do Natal. Nesta semana, o centro da área de alta pressão aproximou-se ainda mais do litoral fluminense, elevando a temperatura para a casa dos 40 graus no Rio. A Asas funciona como um tampão que bloqueia frentes frias e impede a formação de nuvens pelo calor. Uma corrente de vento que sopra do alto da atmosfera impede que a evaporação gere nuvens pesadas do tipo cumulus nimbus, que são associadas às chuvas.
Segundo a meteorologista Bianca Lobo, da Climatempo, a expectativa é que o sistema só comece a voltar para o oceano na última semana de janeiro. A partir de então, a umidade da Amazônia voltará a chegar ao Sudeste e trazer novamente chuvas para a região. No entanto, as frentes frias continuarão fracas e as pancadas ocorrerão apenas de forma localizada, provocadas pelo tempo abafado.
“A Alta Subtropical do Atlântico Sul vai impactar o regime de chuvas no verão porque fará janeiro fechar com precipitação abaixo da média. Prevemos chuvas pouco abaixo do normal em fevereiro e muito abaixo do normal em março”, ressalta a meteorologista.
A Asas é o mesmo sistema de alta pressão que provocou o bloqueio atmosférico do início de 2014, levando à queda dos reservatórios em todo o Centro-Sul e gerando a crise hídrica em São Paulo. “O fenômeno está menos intenso neste ano, até porque as condições dos oceanos estão diferentes, mas assistimos a um processo semelhante ao do verão do ano passado”, diz Bianca.
Com a perspectiva de mais um verão com chuvas abaixo do normal, a situação dos reservatórios não é otimista. “A preocupação com o abastecimento de água e a geração de energia só aumenta. Desde 2012, o Brasil tem tido verões pouco chuvosos, o que afeta os reservatórios do Centro-Oeste e do Sudeste”, explica Bianca. Ao tomar posse na última sexta-feira (9), o novo presidente da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Jerson Kelman, admitiu a possibilidade de a crise hídrica agravar-se nos próximos meses no estado.
O deslocamento da área de alta pressão traz outra consequência: a água que falta no Centro-Oeste e no Sudeste sobra na Região Sul. Desde o fim de dezembro, quando a Asas se aproximou do país, o Rio Grande do Sul enfrenta uma série de temporais, que provocaram a cheia do Rio Uruguai. “Na verdade, o sistema de alta pressão deslocou o canal de umidade para o Paraguai, o norte da Argentina e o Sul do Brasil”, explica o diretor-geral da Metsul Meteorologia, Eugenio Hackbart.
Fonte - Agência Brasil  10/01/2015

Vem aí o Estatuto da Metrópole que prevê gestão conjunta

Cidades

Com a mudança, obras que afetem rios, vias de transporte e equipamentos que atinjam mais de uma cidade devem ter uma gestão compartilhada, trazendo consequências também para o mercado imobiliário nas cidades envolvidas.

Gilson Jorge - A Tarde
Mila Cordeiro | Ag. A TARDE
Suspensa desde 1998, quando a Conder passou a atuar em todo o estado, a gestão compartilhada de obras de infraestrutura na Região Metropolitana de Salvador deve voltar em breve. A presidente Dilma Rousseff deve sancionar nas próximas semanas o Estatuto da Metrópole, que prevê decisões conjuntas entre estados e municípios em todas as regiões metropolitanas do país.
Com a mudança, obras que afetem rios, vias de transporte e equipamentos que atinjam mais de uma cidade devem ter uma gestão compartilhada, trazendo consequências também para o mercado imobiliário nas cidades envolvidas.
A sanção do estatuto está sendo cobrada por arquitetos e urbanistas. "É urgente que a presidente sancione. Essa é uma medida que já deveria ter sido tomada", afirma o arquiteto e urbanista Paulo Ormindo de Azevedo, professor da Universidade Federal da Bahia.
"A expectativa é que a presidente sancione o projeto neste próximo dia 12", avalia o atual conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Zezéu Ribeiro, arquiteto por formação e um dos articuladores da aprovação no Congresso em 2013, quando ainda exercia o mandato de deputado federal.
O objetivo do estatuto é preencher a lacuna deixada pela Assembleia Nacional Constituinte de 1988, que não assegurou o planejamento institucional de obras públicas em áreas metropolitanas, permitindo que um município resolva um problema urbano sem considerar o impacto que a solução encontrada cause na cidade vizinha.
"O estatuto é um grande avanço, no sentido de aprimorar um conceito de gestão correto, mas que surgiu de forma intervencionista durante a ditadura", assinala a senadora Lídice da Mata, relatora do projeto na Comissão de Infraestrutura do Senado. Ela se refere ao fato de que as primeiras nove regiões metropolitanas do país foram criadas durante o regime militar. Na Bahia, esse papel foi cumprido pela Companhia de Desenvolvimento Urbano (Conder) até a década de 1990, quando o órgão ganhou abrangência estadual e deixou um vácuo no planejamento metropolitano.
Uma das novidades apresentadas pelo projeto é a criação do Fundo Nacional de Desenvolvimento Urbano (FNDU), que prevê o uso de verbas do Orçamento da União, recursos de cooperação internacional e até doações de pessoas físicas na implementação de obras
Segundo Zezéu, o estatuto ajuda corrigir uma distorção no setor público. Com quase metade da população brasileira vivendo em 25 regiões metropolitanas, a maioria das obras de mobilidade, habitação e saneamento é planejada e decidida apenas por um governo. "São coisas que só existem no Brasil, a caatinga, a jabuticaba e o municipalismo", brinca o ex-deputado.
No caso da Região Metropolitana do Salvador, o Estatuto tem o desafio de conciliar os interesses de cidades com perfis socioeconômicos absolutamente distintos, como a capital e Camaçari, a cidade mais industrializada do Nordeste que, apesar do impressionante crescimento demográfico das últimas décadas não tem conseguido atrair para o centro da cidade moradores com alto poder aquisitivo.
Funcionários graduados das grandes indústrias do Polo continuam preferindo se instalar com suas famílias na Orla de Camaçari, em Lauro de Freitas e em Salvador. A extensão da linha do metrô até Camaçari, no futuro, pode ter um impacto considerável, por exemplo no mercado imobiliário.
"Ainda não tenho dados para avaliar qual seria o impacto , mas a mobilidade entre os municípios deve atender os interesses de todo mundo", afirma o secretário Municipal de Urbanismo de Salvador, Silvio Pinheiro, que se diz favorável à gestão compartilhada, embora rejeite a possibilidade de que ela aconteça através da Entidade Metropolitana da Região Metropolitana de Salvador (EMRMS), criada em junho de 2014, antes da aprovação do estatuto. A prefeitura contesta na justiça a forma como a entidade foi criada, por iniciativa do Governo do Estado, por supostamente ferir a autonomia dos municípios. A EMRMS, que está sob gestão interina desde mudança de governo, não se manifestou até o fechamento desta edição.
Fonte - A Tarde  10/01/2015

Em Maceió SMTT multa mais de 150 ônibus por tráfego fora da Faixa Azul

Ônibus

Os números se referem ao período de março a dezembro de 2014.
A Faixa Azul entrou em vigor em fevereiro, mas em caráter experimental, nas avenidas Durval de Góes Monteiro e Fernandes Lima. 


Carolina Sanches - G1 AL

Maceio - Durante nove meses de implantação da Faixa Azul em Maceió, a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) aplicou 156 multas a ônibus coletivo que trafegaram fora da via exclusiva para transportes públicos. Já em relação aos condutores de veículos particulares que utilizaram a via indevidamente, o número de multas foi de 4.400. Os números se referem ao período de março a dezembro de 2014.
A Faixa Azul entrou em vigor em fevereiro, mas em caráter experimental, nas avenidas Durval de Góes Monteiro e Fernandes Lima. Só em março é que as multas começaram a ser aplicadas. Segundo a SMTT, 40% da frota do ônibus usam a faixa exclusiva. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), a multa pelo uso indevido da via, que é de natureza leve, é de R$ 53.
O diretor de Operações da SMTT, Carlos Calheiros, informou que as empresas de ônibus são notificadas sobre as infrações. “A multa vai para a empresa, que fica responsável pelo pagamento. A identificação do motorista do coletivo que cometeu a infração também fica sob a responsabilidade da empresa”, afirmou.
Calheiros disse que dentre as infrações mais comuns observadas pelos agentes está a ultrapassagem fora da faixa. “O motorista de ônibus já sabe que não pode fazer ultrapassagem em pontos onde não existem duas vias dentro da Faixa Azul. Nos locais onde há pontos de ônibus isso acontece, e eles podem fazer a ultrapassagem sem cometer infração”, explicou.
O diretor disse que as multas são aplicadas durante fiscalizações de rotina dos agentes. Segundo ele, a proposta é de que seja implantado um sistema chamado fotossensor que funciona de forma eletrônica, com equipamentos instalados nas avenidas.
Fonte - Blog Meu Transporte  09/01/2015

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

PETROBRAS anuncia descoberta de petróleo na Bacia de Sergipe

Economia

A descoberta se deu a partir de um dos poços pioneiros que a estatal vem perfurando na região. Sergipe/Alagos)Segundo a empresa, o óleo é de boa qualidade (petróleo leve), entre 37 e 40 graus API – medida que determina a qualidade.

Nielmar de Oliveira 
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
A Petrobras anunciou, na noite dessa quinta-feira (8), a descoberta de óleo leve e gás natural na área de Farfan, em águas ultraprofundas do bloco marítimo Sergipe/Alagoas 11, localizado na Bacia de Sergipe.
A descoberta se deu a partir de um dos poços pioneiros que a estatal vem perfurando na região. Segundo a empresa, o óleo é de boa qualidade (petróleo leve), entre 37 e 40 graus API – medida que determina a qualidade.
Os resultados ratificam a descoberta de óleo leve e gás na área de Farfan, conforme comunicado feito ao mercado no dia 9 de agosto de 2013. Essa perfuração também constatou a presença de nova acumulação de óleo leve em reservatório mais profundo, com espessura de 28 metros.
Localizado a 107 quilômetros (km) da cidade de Aracaju, a 5,7 km do poço descobridor e em profundidade de água de 2.492 metros, o poço alcançou a profundidade final de 5.900 metros e, no momento, encontra-se em avaliação.
A empresa informou ainda que essa acumulação integra o projeto exploratório da Bacia Sergipe-Alagoas em águas profundas, conforme previsto no Plano de Negócios e Gestão da Petrobras para o período 2014-2018.
A Petrobras informou que dará continuidade ao Plano de Avaliação da Descoberta, conforme aprovado pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. A estatal brasileira é a operadora do consórcio (60%) em parceria com a IBV-BRASIL (40%).
Fonte - Agência Brasil  09/01/2014

Tarifa de ônibus no Recife sobe para R$ 2,45‏

Tarifa/Ônibus

O valor definido na manhã desta sexta-feira (9) em reunião do Conselho Superior do Transporte Metropolitano, no Centro de Convenções, em Olinda, foi de R$ 2,428 e deverá ser arredondado pela Agência Reguladora de Pernambuco (Arpe). O valor do anel G também foi reajustado e passa de R$ 1,40 para R$ 1,60.

Meu Transporte

A partir desta segunda-feira (12) a tarifa de ônibus referente ao anel A na Região Metropolitana do Recife (RMR) custará R$ 2,45. O valor definido na manhã desta sexta-feira (9) em reunião do Conselho Superior do Transporte Metropolitano, no Centro de Convenções, em Olinda, foi de R$ 2,428 e deverá ser arredondado pela Agência Reguladora de Pernambuco (Arpe). O valor do anel G também foi reajustado e passa de R$ 1,40 para R$ 1,60.
O reajuste de 12,93%, equivale à variação do Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA/IBGE), acumulado de janeiro de 2013 a dezembro do ano passado.
Os valores das tarifas B e D não sofreram alteração e devem continuar custando R$ 3,35 e R$ 2,65, respectivamente.
O Passe Livre para estudantes da rede pública estudal também foi pauta na reunião e foi determinada a criação de um grupo de trabalho que vai definir critérios para concessão do Passe Livre, que deve começar a funcionar no início do segundo semestre letivo. Estima-se que 310 mil estudantes sejam beneficiados.
Em protesto contra o aumento, cerca de 50 manifestantes de diferentes movimentos sociais saíram em passeata do Grande Recife Consórcio, no bairro de São José, até a Secretaria das Cidades, no bairro da Boa Vista. O grupo, articulado pela Frente de Luta pelo Transporte Público conta com a participação da sociedade civil organizada, representada pela Central Sindical e Popular (Conlutas), Associação Nacional dos Estudantes Livres (Anel), Movimento Sem Terra (MST), rodoviários e metroviários.
Um dos integrantes da Frente Popular pelo Transporte Público, Tulio de Luna, critica a falta de diálogo do governo com o movimento. "Nosso movimento é contra qualquer tipo de aumento. Lutamos pela tarifa zero. Pela abertura das contas do valor da tarifa. O passe livre deve ser para todos porque sabemos que se o passe livre for apenas para os estudantes, é o trabalhador quem vai pagar essa conta."
O protesto interrompeu o trânsito no Cais de Santa Rita, no sentido centro da cidade e complicou o tráfego. A Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) esteve no local orientando os motoristas. Ao passar pelas avenidas Guararapes e Dantas Barreto, o movimento foi aplaudido e recebeu apoio de quem esperava o ônibus nas paradas.
Fonte - Blog Meu Transporte  09/01/2015

O Titanic II fará primeira viagem em 2016

Viagens/Turismo

O responsável pelo projeto é o , que está prometendo entregar aos passageiros um navio praticamente idêntico ao seu antecessor, mas com todos os itens de segurança dos transatlânticos modernos, a fim de evitar o que aconteceu com primeira versão, que naufragou em 1912

Por Anchieta Dantas Jr.- DN
Exterior do Titanic II Foto: Blue Star Line/Divulgação
Você é fã de cinema e adora cruzeiros marítimos? Pois então, não pode perder uma viagem que está prevista para ocorrer no ano que vem e que deve dar o que falar! Estou falando do Titanic, ou melhor, do Titanic II, uma réplica da célebre embarcação, e que deverá repetir o mesmo roteiro da original, saindo de Southampton, na Inglaterra, com destino ao porto de Nova York, nos Estados Unidos.
O responsável pelo projeto é o bilionário australiano Clive Plamer, que está prometendo entregar aos passageiros um navio praticamente idêntico ao seu antecessor, mas com todos os itens de segurança dos transatlânticos modernos, a fim de evitar o que aconteceu com primeira versão, que naufragou em 1912 deixando mais de 1.500 mortos.
O Titanic II será administrado pela empresa de cruzeiros marítimos Blue Star Line. Quase tudo na embarcação será como no original. Os passageiros serão divididos em Primeira, Segunda e Terceira classes. O glamour será mantido nas réplicas de cabines – as da primeira classe terão decoração será baseada no Império de Luis XVI e no Renascimento italiano -, no refeitório da tripulação e na famosa escadaria, uma das principais marcas do Titanic. Até a sala para fumantes e a academia serão reproduzidas.

Cabine de primeira classe do Titanic 2.
 Foto: Blue Star Line/Divulgação






A imponente escadaria Foto:
Blue Star Lines/Divulgação






O salão para fumantes Foto: Blue Star Lines/Divulgação






A piscina será nos moldes da original
Foto: Blue Star Lines/Divulgação












Haverá também uma piscina nos mesmos moldes da primeira versão, o que então ainda era uma grande novidade, assim como um banho turco, uma espécie de sauna.
E quem quiser se sentir totalmente integrado ao clima nostálgico poderá vestir roupas de época que poderão ser alugadas pelos passageiros.
Tecnologia: o que deve sofrer alteração
Alguns detalhes, no entanto, sofrerão mudanças, tanto pelos avanços da tecnologia, quanto pela segurança. Apesar de ter o mesmo comprimento do original, 300 metros, o novo navio será um pouco mais largo, para melhorar sua estabilidade. A sala de comando será modernizada e as peças de época servirão só de ilustração.

Sala de comando do Titanic 2. Foto: Blue Star Line/Divulgação
O ponto que mais fez diferença no naufrágio foi mudado, até porque depois do acidente de 1912 as próprias regras náuticas foram alteradas.
Enquanto no original os botes salva-vidas não comportavam todos os passageiros, no Titanic II estarão disponíveis 18 botes modernos com capacidade de levar mais do que os 2.435 passageiros e os 900 tripulantes que caberão a bordo.

Repercussão
A badalação em torno do projeto já começou. O Titanic II será o cenário de um documentário e de um longa-metragem. O responsável pelo projeto confirmou que, devido ao interesse na embarcação, registrará a marca Palmer Pictures para filmar a viagem inaugural. De acordo com ele, a ideia é fazer uma grande produção cinematográfica, assim como um documentário da primeira travessia com passageiros.

Valores
Quanto tudo isso vai custar? Bem, Palmer faz segredo sobre o quanto gastará no design e na construção da embarcação, que estão sob responsabilidade da finlandesa Deltamarin e da chinesa CSC Jinling Shipyard, respectivamente.
Fonte - Diário do Nordeste  09/01/2015

Travessia Salvador-Mar Grande tem saídas a cada meia hora

Travessia Marítima

Com tempo nublado e chuvas esparsas em Salvador e em toda a Ilha de Itaparica, o sistema está operando desde às 5h e o percurso da travessia está sendo feito em tempo médio de 40 minutos, com boas condições de navegação na Baía de Todos os Santos

TB 
foto - ilustração
A travessia marítima do Sistema Salvador-Mar Grande está operando nesta quinta-feira com oito embarcações em tráfego e seis na reserva, fazendo horários de 30 em 30 minutos. O movimento de passageiros é bom no sentido da Ilha de Itaparica para a capital, com as lanchas saindo com lotação completa do Terminal Hidroviário de Vera Cruz.
No sentido inverso, o fluxo é regular. Com tempo nublado e chuvas esparsas em Salvador e em toda a Ilha de Itaparica, o sistema está operando desde às 5h e o percurso da travessia está sendo feito em tempo médio de 40 minutos, com boas condições de navegação na Baía de Todos os Santos. O último horário saindo de Salvador, hoje, será às 20h e de Mar Grande, às 18h30h. A linha Salvador-Morro de São Paulo registra movimento moderado de procura e venda de passagens no Terminal Náutico da Bahia, no Comércio.
Os catamarãs e as lanchas rápidas operam sem restrições e devem sair com boa ocupação para a Ilha de Tinharé. Os horários são 8h30, 9h, 10h30, 13h e 14h30. Já as saídas de Morro de São Paulo – 9h, 9h30, 11h30, 12h30 e 15h . A viagem para o Morro dura em média 2h20m. As escunas do tradicional “Passeio às Ilhas” da Baía de Todos os Santos têm procura moderada pelos turistas devido principalmente ao templo nublado. O passeio inclui paradas em Ilha dos Frades e Itaparica e o retorno a Salvador acontece às 17h30m.
Fonte - Tribuna da Bahia  09/01/2015

Inflação oficial fechou 2014 em 6,41%, abaixo da meta oficial

Economia

Em 2013, a inflação oficial havia ficado em 5,91%. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apenas no mês de dezembro, os produtos e serviços tiveram uma alta de preços média de 0,78%.

Vitor Abdala 
Repórter da Agência Brasil 
foto - ilustração
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial, fechou o ano de 2014 com uma taxa de 6,41%. O índice está abaixo do teto da meta de inflação do governo federal, que é 6,5%.
Em 2013, a inflação oficial havia ficado em 5,91%. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apenas no mês de dezembro, os produtos e serviços tiveram uma alta de preços média de 0,78%.
O IPCA mede a variação do custo de vida das famílias com chefes assalariados e com rendimento mensal compreendido entre um e 40 salários mínimos mensais.
As pesquisas são feitas nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, de Porto Alegre, de Belo Horizonte, do Recife, de São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e do município de Goiânia.
Fonte - Agência Brasil  09/01/2015

Obras do Terminal de Passageiros do Porto de Salvador estão em fase de finalização

Infraestrutura

O empreendimento é resultado do investimento de R$ 40 milhões, com recursos do governo federal. O andar térreo do já está funcionando desde junho de 2014, recebendo turistas de diversas partes do Brasil e de outros países. Também participaram da visita o diretor-presidente da Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba),

Secom
secom
O secretário estadual da Casa Civil, Bruno Dauster, visitou o novo Terminal de Passageiros do Porto de Salvador, nesta quinta-feira (8), com o objetivo de vistoriar e avaliar os últimos detalhes da fase final das obras. A previsão é que, em breve, o equipamento esteja apto a entrar em pleno funcionamento. O próximo passo é a realização de licitação para concessão da administração do terminal.
O empreendimento é resultado do investimento de R$ 40 milhões, com recursos do governo federal. O andar térreo do já está funcionando desde junho de 2014, recebendo turistas de diversas partes do Brasil e de outros países. Também participaram da visita o diretor-presidente da Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba), José Muniz Rebouças, e o coordenador executivo de Infraestrutura e Logística da Casa Civil, Eracy Lafuente.
Para Dauster, este é um equipamento de alta qualidade e tem potencial para atrair não apenas turistas, mas para o próprio público soteropolitano. “O novo terminal é mais um impulso para o desenvolvimento do turismo em Salvador, contribuindo com a revitalização do Comércio, região histórica, e valorizando a bela paisagem da Baía de Todos-os-Santos. Além de instrumento de trânsito de pessoas que chegam e deixam a capital, o terminal pode servir como novo ponto turístico para a cidade, com restaurantes e áreas de lazer disponíveis também para a população local”. O projeto executivo do novo Terminal de Passageiros do Porto de Salvador foi elaborado pelo Governo do Estado e a execução das obras é coordenada pela Codeba.
Fonte - Secom Ba. 08/01/2015

Ministro dos Transportes recebe visita de embaixador chinês Li Jinzhang

Transportes sobre trilhos

“A China está empenhada em colocar em prática este acordo. O assunto está sendo discutido há bastante tempo e já temos bases sólidas para iniciarmos o processo”, afirmou o embaixador.

Ministérios dos transportes
foto montagem - ilustração
O embaixador Li Jinzhang falou sobre a assinatura do entendimento sobre Cooperação Ferroviária, realizado em julho de 2014 pelo ex-ministro dos Transportes e a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma. O termo abre espaço para a participação de empresas chinesas na licitação do trecho 4 da Ferrovia Transcontinental, que ligará Lucas do Rio Verde (MT) a Campinorte (GO). “A China está empenhada em colocar em prática este acordo. O assunto está sendo discutido há bastante tempo e já temos bases sólidas para iniciarmos o processo”, afirmou o embaixador.
Além disso, o documento prevê a elaboração de projetos ferroviários e capacitação de trabalhadores. O ministro Antonio Carlos Rodrigues se demonstrou muito interessado em dar andamento aos temas previstos na Cooperação Ferroviária e afirmou: “Vamos colocar este assunto em nossas pautas de prioridades e tirar este projeto do papel o quanto antes. Trabalharemos para que isso ocorra em breve”.
Fonte - Revista Ferroviária  08/01/2015

BNDES anuncia - Financiamento mais vantajoso para ônibus elétricos e híbridos

Ônibus

Ônibus elétrico. BNDES anunciou nesta semana condições mais atraentes para a compra de veículos de transporte coletivo sobre pneus elétricos ou híbridos. Taxas de juros são menores e prazo para pagamento é superior em relação aos veículos a óleo diesel

Adamo Bazani – CBN
foto - ilustração/Pregopontocom
O BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social publicou nesta semana novas regras que deixam o financiamento de ônibus elétricos e elétricos híbridos com condições mais vantajosas em comparação aos veículos movidos a óleo diesel.
O objetivo principal é estimular a compra dos ônibus menos poluentes cuja operação pode trazer benefícios aos próprios cofres públicos. Isso porque, ao reduzirem os níveis de poluição, os veículos elétricos e elétricos híbridos auxiliam também na diminuição dos custos com saúde pública relacionados à má qualidade do ar.
De acordo com a circular 01/2015 do BNDES, as taxas de juros para os ônibus elétricos e elétricos híbridos são menores e o prazo para o pagamento foi ampliado.
Enquanto que para o financiamento de ônibus a diesel comuns as taxas variam entre 9,5% e 10% ao ano, pelo Finame PSI, os juros para aquisição de um ônibus menos poluente varia entre 6,5% e 7%.
O prazo para pagamento é de 72 meses para os ônibus comuns e de agora de 120 meses para os elétricos ou elétricos híbridos.
Isso se deve ao maior tempo de vida útil dos ônibus menos poluentes. Até então, não valeria a pena plenamente para o frotista financiar o ônibus e logo aposentá-lo, sendo que ainda há pouco mercado de revenda deste tipo de veículo.
A carência para o início dos pagamentos também é maior para os ônibus elétricos e elétricos-híbridos que é de 48 meses. Para os ônibus comuns, este prazo é de seis meses.
Os fabricantes do setor comemoram e veem na medida a possibilidade de ampliação da frota deste tipo de ônibus no País:
“Sem sombra de dúvida, é um grande incentivo à introdução da tecnologia de ônibus elétrico. Os investimentos em ônibus elétricos vão contribuir para enfrentar os problemas vividos principalmente por grandes cidades como São Paulo. A capital paulista tem quatro mil mortes por ano por causa da poluição atmosférica. Investimento em ônibus elétrico também é investimento em saúde”, disse em nota a gerente comercial da Eletra, Iêda Maria Alves Oliveira.
A Eletra, com sede em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, atua há mais de 30 anos no mercado fabricando trólebus, ônibus elétrico-híbrido e que testa na região um ônibus articulado totalmente elétrico que depende apenas de bateria para se mover, não usando a fiação aérea como os trólebus tradicionais. O veículo é fruto de uma parceria com japonesa Mitsubishi.
As regras de financiamento só valem para os veículos fabricados no Brasil.
A Volvo, em Curitiba, desde 2012, faz um modelo de ônibus elétrico-híbrido. A chinesa BYD que testa ônibus elétricos movidos somente com baterias deve inaugurar a linha de produção neste ano em Campinas, no interior paulista.
Os detalhes das regras, podem ser consultados neste link do BNDES:
http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Areas_de_Atuacao/Industria/psi_bk.html
Adamo Bazani/Rádio CBN, especializado em transportes
Fonte - Blog Ponto de Ônibus  08/01/2015

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

PETROBRAS já é a maior produtora de petróleo do mundo entre as empresas de capital aberto

Economia

Somos a maior produtora de petróleo entre as empresas de capital aberto.Nos nove primeiros meses de 2014, a Petrobras e a ConocoPhillips foram as únicas empresas de capital aberto que registraram aumento de produção de petróleo. No nosso caso, esse aumento foi de 3,3% e, da Conoco, de 0,4%.

Fatos e Dados
Fatos e Dados
Superamos, no 3º trimestre de 2014, a produção de petróleo da ExxonMobil e somos, atualmente, a maior produtora de líquidos entre nossos pares de capital aberto. Se considerada a produção de óleo e gás, ocupamos, hoje, o quarto lugar no ranking. Fomos, também, a empresa que mais aumentou sua produção de óleo, tanto em termos percentuais quanto absolutos, até setembro de 2014. Nos nove primeiros meses de 2014, a Petrobras e a ConocoPhillips foram as únicas empresas de capital aberto que registraram aumento de produção de petróleo. No nosso caso, esse aumento foi de 3,3% e, da Conoco, de 0,4%.
Nos 11 primeiros meses de 2014, nossa produção média cresceu 4,5% sobre o mesmo período do ano anterior. Entre janeiro e novembro deste ano, o crescimento do volume mensal produzido chegou a mais de 10%. Além disso, anunciamos em dezembro recordes históricos diários de produção:

– Produção própria de petróleo: 2 milhões 286 mil barris por dia (bpd) em 21/12/14.

– Produção operada no Brasil, que inclui a parcela operada pela companhia para seus parceiros: 2 milhões 470 mil bpd em 21/12/14.

– Produção operada no pré-sal: 700 mil bpd em 16/12/14.

Adicionamos, em 2014, mais de 500 mil bpd de capacidade de processamento de óleo, com a entrada em operação de quatro novas unidades estacionárias de produção. Esse volume será gradativamente incorporado à produção, garantindo que em 2015 continuemos aumentando a produção de óleo e gás.
Fonte - Fatos e Dados  08/01/2015

Estações de trem da CPTM em SP sofrem depredação após interrupção de serviço

Trens/São Paulo

Os locais foram alvo de depredação na noite de ontem (7) por passageiros que se revoltaram com a interrupção do serviço.

Fernanda Cruz
Repórter da Agência Brasil
diariodac ptm
As estações USP Leste e Comendador Ermelino, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), funcionam normalmente nesta manhã (8). Os locais foram alvo de depredação na noite de ontem (7) por passageiros que se revoltaram com a interrupção do serviço.
Segundo a assessoria de imprensa da CPTM, o forte temporal que atingiu a capital paulista derrubou, às 18h, o guarda-corpo de uma passarela de pedestres inativa sobre a Linha 12-Safira, próximo à Estação Itaim Paulista, na zona leste.
Com isso, a operação foi totalmente suspensa e retomada apenas às 4h de hoje (8). Foram disponibilizados, 50 ônibus do Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência (Paese).
Revoltados, alguns usuários depredaram as duas estações, USP Leste e Comendador Ermelino, da Linha 12-Safira. Vidros, catracas e outras estruturas ficaram totalmente destruídos. A CPTM ainda não estimou o prejuízo financeiro.
Fonte - Agência Brasil  08/01/2015

PT suspende direitos políticos do vereador Carballal em Salvador

Política

Para o presidente estadual, Everaldo Anunciação, a saída é inevitável. “O PT estadual ainda não tomou providência, pois estamos respeitamos a hierarquia, mas assim que surgir ações que nos competem, atuaremos. Não há mais condições de mantermos essa relação. Na verdade, ela nem existe mais”, informou.

Por Victor Pinto - TB
tribuna da bahia
A novela da expulsão do vereador Henrique Carballal do PT tem novo capítulo: em reunião na tarde de ontem, a Executiva municipal do partido decidiu suspender por 60 dias os direitos políticos do edil. Ele responde a um processo que requer a sua saída da agremiação como forma de punição de suas posturas políticas que contrariam os interesses e a cartilha petista, tanto em sua atuação na Câmara de Vereadores quanto nas relações próximas com o prefeito ACM Neto (DEM). Com a suspensão, o político não poderá representar ou falar em nome da sigla. O fato foi confirmado pelo diretório municipal.
Para o presidente estadual, Everaldo Anunciação, a saída é inevitável. “O PT estadual ainda não tomou providência, pois estamos respeitamos a hierarquia, mas assim que surgir ações que nos competem, atuaremos. Não há mais condições de mantermos essa relação. Na verdade, ela nem existe mais”, informou. Anunciação ainda explicou que Carballal tem 10 dias para apresentar a sua defesa. Após essa tramitação, caberá à direção optar ou não pela expulsão do vereador.
O petista, no entanto, disse que o imbróglio fica somente no campo político. “Nós temos uma relação pessoal muito boa. Isso não muda nada no campo fora da política. Mas se há um desconforto e falta de sintonia das ações dele com as nossas, não há por que conservá-lo. Política se faz com paixão e fidelidade, e esses dois aspectos na relação com o vereador não mais existem”, revelou.
Apesar de não explicitar, a expulsão seria o melhor caminho para Carballal, mais até que a possível “saída amistosa”.
Uma vez expulso, ele tem em mãos uma carta de alforria para poder ingressas em qualquer outra legenda e continuar sua atuação política e com mandato. Caso isso não ocorresse, havia sérios riscos do futuro ex-petista perder o mandato, apesar do seu advogado, Ademir Esmirim, o mesmo do prefeito ACM Neto, negar.
Se não perdesse, uma dor de cabeça jurídica se desenrolaria, o que poderia desgastar tempo e imagem do edil. O primeiro suplente da coligação, Alcindo Anunciação (PT), ou até o Ministério Público poderiam tentar enquadrá-lo por infidelidade partidária.
Em entrevista esta semana, Carballal confessou que existem propostas de vários partidos para que ele ingresse nos quadros, contudo não poderia tomar nenhuma postura, pois ainda é filiado ao PT. “Se o PT não me quer, tem vários outros partidos que querem. Eu não consigo parar de receber ligação de líderes de partidos. Eu não acho que Gilmar é dono do PT, e ele não é. Tenho grandes amigos no partido, como o ex-governador Jaques Wagner, então não há problemas de minha parte”, afirmou.
“Quero que o PT se posicione. Não tenho dúvidas da minha posição política: defender a população. E a minha história vai continuar onde eu estiver. Se a sigla não me quiser, vou aguardar a decisão do partido”, completou.
Atualmente, o petista mantém uma relação estreita com o PTN. A questão ficou evidente nas negociatas da eleição da Mesa Diretora da Casa, cujo edil venceu para o cargo de ouvidor com o apoio dos petenistas. O vereador Kiki Bispo chegou a ventilar publicamente que o partido estaria com as portas abertas para recebê-lo. A ação daria peso ao PTN, que aumentaria o número de membros na Câmara de Salvador.
Nos bastidores também são especuladas proximidades do vereador a agremiações ligadas ao governo do estado. É sabida que a relação do edil com Rui não é uma das melhores, mas existe um interesse em tentar conservá-lo como opositor e assim ajudar a embolar o meio de campo com o prefeito ACM Neto.
Expulsão
Os passos dados por Carballal na Câmara resultaram no processo de expulsão. A suspensão dos direitos políticos é o primeiro indício de que sua expulsão será inevitável. O estopim para que o fato ocorresse foi a postura do vereador frente à eleição da Mesa Diretora da Câmara.
Eleito ouvidor em uma candidatura independente no lugar de Aladilce Souza (PCdoB), o edil provocou a ira do líder da oposição, vereador Gilmar Santiago, um dos defensores ferrenhos da saída imediata do petista.
Contudo, a briga é antiga, vem desde novembro do ano passado, quando os petistas, contrariando o então presidente municipal, Edson Valadares, votaram junto com a base do prefeito favoráveis à alienação dos terrenos públicos, fato que beneficiou a Prefeitura Municipal
Santiago chegou a bradar no plenário da Casa, após a eleição, que houve traição por parte de Carballal e que o edil a todo momento jogava a favor dos interesses do prefeito.
Questionado se gostaria de comentar o futuro, o petista preferiu se abster. “Eu tomei a linha de frente sobre o assunto, e como o Executivo vai analisar o processo, cabe agora só a eles emitirem opinião sobre essa situação. Agora é a hora do partido se posicionar e falar”, disse.
Na semana passada, ao ser questionado sobre as declarações de Santiago, Carballal não perdeu a oportunidade de rebater o líder oposicionista da bancada. “O vereador Gilmar Santiago está com sofrência grande, se sentindo traído. Mas a traição não foi minha, mas da articulação da chapa dele. A bancada do prefeito foi quem derrotou a oposição e não eu”, encerrou, ao comentar a eleição que aconteceu no início do mês.
Fonte - Tribuna da Bahia  08/01/2015

Estação Ferroviária de Paranaguá abandonada, perde potencial turístico

Memória Ferroviária

Morador relata que estação virou esconderijo para usuários de drogas. Prefeitura diz haver projeto de restauração, mas sem prazo. Há anos não existe qualquer iniciativa do poder público para conservação do espaço. 

Bibiana Dionísio -  G1 PR

Apesar de ser patrimônio histórico tombado, a Estação Ferroviária de Paranaguá, no litoral do Paraná, construída em 1883, está abandonada com paredes pichadas, além do teto e vidros quebrados. Há anos não existe qualquer iniciativa do poder público para conservação do espaço. Além do desrespeito à história do estado, a atual condição da estação preocupa os moradores já que se tornou ponto para uso de drogas.
O encarregado de turno Cristiano Arajara da Rosa, de 39 anos, é morador de Paranaguá e considera que o abandono do espaço é prejudicial para a cidade. “É de frente para a avenida principal, perto do terminal de ônibus. Tem criança que estuda ali, inclusive, o meu filho. Eu troquei o horário do curso dele porque acho perigoso ele sair mais tarde. Ali, agora, aí fica usuário de crack. Eles ficam o dia inteiro ali. De dia fazem correria e à noite ficam usando crack”.
Na avaliação de Cristiano, a imagem da cidade fica prejudicada porque a estação é um cartão postal.
“Se não está utilizando para o trem, para passeios, poderia utilizar para outra coisa. É um patrimônio histórico de suma importância até para o Brasil. É um descaso com a sociedade”, criticou. Essa situação precária, de acordo com Cristiano, se estende por aproximadamente 10 anos.
Conforme a Secretaria Estadual de Cultura, a estação foi tombada em 1990. A construção está associada à decisão imperial de que o espaço seria o ponto final do traçado entre o litoral e o planalto. A estrada férrea que liga Paranaguá a Curitiba foi concluída em 1885 e é a mais antiga do estado - considerada um dos marcos da engenharia ferroviária nacional em virtude dos obstáculos do terreno de serra.
Desde o início dos anos 2000, a estação ferroviária não é mais utilizada, uma vez que não existe mais transporte de passageiros. O passeio de trem pela Serra do Mar termina em Morretes. “Foi ruim para os comerciantes de Paranaguá e até para a Ilha do Mel. Quando o trem chegava até aqui tinham uma média de 120 a 150 mil visitantes por ano”, Rafael Gutierrez, presidente da Fundação Municipal de Turismo (Fumtur)
Segundo a Prefeitura de Paranaguá, existe um projeto – já com verba autorizada de R$ 1,8 milhão pelo Ministério do Turismo – para a revitalização do espaço. Rafael Gutierrez explica que a administração municipal não teve acesso ao recurso por ter pendências junto ao Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR). Existe ainda, conforme citou o presidente, pendências que impedem o município de firmar convênios com o governo estadual.
“O prefeito está tentando uma certidão negativa provisória, resolvendo isso com o Tribunal de Contas”, disse Gutierrez. A esperança é de que este documento seja liberado ainda neste mês de janeiro para que os gestores tenham acesso ao recurso e deem início a licitação da obra. A ideia é transformar a estação em um espaço gastronômico e cultural.
Não há data para que a licitação seja lançada e, portanto, prazo para que a restauração da estação fique pronta. “Nós estamos priorizando isso e ansiosos para que tudo se resolva. Queremos que a estação volte a brilhar como o patrimônio histórico que representa”, disse Gutierrez.Foto: Reprodução/ RPC
Fonte - STEFZS  08/01/2015

Chega ao Brasil o navio Cidade de Itaguaí para atuar na área do pré-sal

Pré-Sal

A nova plataforma vai operar no Campo de Lula, área de Iracema Norte, na região do pré-sal da Bacia de Santos. No estaleiro será realizada a conclusão das operações de içamento e integração dos 12 módulos da sua planta de processamento.

Nielmar de Oliveira
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração/Vermelho 
Já está nas instalações do estaleiro Brasfels, em Angra dos Reis, no litoral sul fluminense, o navio-plataforma Cidade de Itaguaí, embarcação flutuante de produção, armazenamento e transferência com capacidade para armazenar até 1,6 milhão de barris de óleo. O navio – usado pela indústria petrolífera para a produção, armazenamento de petróleo ou gás natural e escoamento da produção por navios aliviadores – atuará em locais de produção distantes da costa.A nova plataforma vai operar no Campo de Lula, área de Iracema Norte, na região do pré-sal da Bacia de Santos. No estaleiro será realizada a conclusão das operações de içamento e integração dos 12 módulos da sua planta de processamento. A embarcação foi adaptada, na China, para atuar no pré-sal brasileiro.
O navio, que deverá entrar em operação no segundo semestre de 2015, terá capacidade para processar até 150 mil barris de óleo e comprimir 8 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia.
O consórcio que detém a concessão do Campo de Lula – Área de Iracema Norte, no bloco BM-S-11 – é operado pela Petrobras (65%), em parceria com a BG E&P Brasil (25%) e a Petrogal Brasil (10%).
Fonte - Agência Brasil  08/01/2015

EPL retoma estudos para a construção do TAV

Transportes sobre trilhos

A EPL, presidida pelo engenheiro Josias Cavalcante, já tem quase prontos os termos de um edital para contratar estudos que vão trazer novas estimativas de demanda de passageiros e reavaliar o traçado do TAV. Para isso, haverá a necessidade de um intenso trabalho de campo, como a realização de sondagens geológicas.

Valor Econômico
foto - ilustração
A Empresa de Planejamento e Logística (EPL) retomou discretamente os estudos para a construção do trem de alta velocidade. O projeto de ligação ferroviária entre Rio, São Paulo e Campinas havia praticamente desaparecido desde que a presidente Dilma Rousseff decidiu suspender, em cima da hora, o leilão marcado para agosto de 2013. Era terceira tentativa fracassada de licitação.
Como os estudos ficaram desatualizados, o Tribunal de Contas da União (TCU) determinou uma revisão geral dos números considerados no projeto, caso o governo tenha a intenção de tirá-lo novamente da gaveta. A EPL, presidida pelo engenheiro Josias Cavalcante, já tem quase prontos os termos de um edital para contratar estudos que vão trazer novas estimativas de demanda de passageiros e reavaliar o traçado do TAV. Para isso, haverá a necessidade de um intenso trabalho de campo, como a realização de sondagens geológicas.
Antes de lançar uma concorrência pública, no entanto, a estatal aguarda uma decisão política do governo sobre a continuidade do projeto. O que se quer é evitar toda a novela em torno dos preparativos de uma megaconcessão e nova desistência no fim do processo.
Da última vez, Dilma optou por adiar indefinidamente o leilão, apesar de pelo menos um consórcio internacional ter garantido a apresentação de uma proposta: os franceses da Alstom e da SNCF. Os consórcios da Espanha e da Alemanha confirmaram interesse, mas pediram mais prazo para a elaboração de suas ofertas. Em meio às denúncias de um cartel nas obras de metrôs, o governo decidiu não fazer a licitação com apenas um concorrente.
Agora, porém, o trem de alta velocidade tem apoio bem mais limitado na Esplanada dos Ministérios. O maior entusiasta do projeto era o economista Bernardo Figueiredo, que deixou a EPL. Quem também defendia o projeto era o ex-ministro dos Transportes, Paulo Passos, que saiu do governo. Outros setores têm visão mais crítica do empreendimento.
Na época do adiamento, cogitou-se a possibilidade de aproveitar para fazer avanços no projeto executivo do trem-bala e no licenciamento ambiental, mas quase nada andou desde então. De volta à estaca zero, o projeto terá novas estimativas sobre a demanda de passageiros em relação às preparadas pela consultoria britânica Halcrow em 2009. O projeto atual prevê oito estações: aeroporto de Viracopos, Campinas, São Paulo, aeroporto de Guarulhos, São José dos Campos, Volta Redonda-Resende, aeroporto do Galeão e Rio de Janeiro.
Fonte - Revista Ferroviária  08/01/2015

México reinicia licitação para projeto de trem-bala do país

Internacional

O trem-bala entre a Cidade do México e o Estado de Querétaro terá uma distância de 210 quilômetros e a velocidade máxima desta linha será de 300 km/h.

China Radio International 

O Ministério dos Transportes e Telecomunicações do México divulgou dia 4/01 que vai reiniciar no dia 14 deste mês a licitação para o projeto de trem-bala entre a Cidade do México e o Estado de Querétaro.
Segundo a pasta, para uma empresa vencer a licitação tem que ter a capacidade de garantir a operação e segurança da obra, e deverá ser responsável ainda pela manutenção de cinco anos durante a operação experimental.
O ministério vai divulgar os detalhes sobre a concorrência no próprio dia 14 deste mês e o prazo para a licitação será de 180 dias.
O trem-bala entre a Cidade do México e o Estado de Querétaro terá uma distância de 210 quilômetros e a velocidade máxima desta linha será de 300 km/h. Este será o maior projeto de infraestrutura na história do México. O valor da obra chegará a US$440 bilhões.
No ano passado, um consórcio liderado pela China Railway Construction venceu a licitação, mas o país cancelou o resultado e decidiu a reiniciar o processo de concorrência para a obra, o que provocou grande dúvida no país.
Tradução: Guo Hao
Revisão: Luiz Tasso Neto
Fonte - STEFZS  07/01/2015

Aparelho utiliza energia eólica para carregar gadgets (Celulares,Tablets e Notebooks)

Ciência & Tecnologia

É frustrante quando, no meio do dia, você percebe que o seu celular ou tablet já está dando os últimos suspiros.Pensando nesse problema, os eletricistas islandeses Einar Agustsson e Agust Agutsson desenvolveram o Trinity, um aparelho portátil que utiliza a energia gerada pelos ventos para carregar qualquer aparelho com entrada USB (até mesmo notebooks).

EcoDesenvolvimento

É frustrante quando, no meio do dia, você percebe que o seu celular ou tablet já está dando os últimos suspiros. E você só usou a internet para conversar, deu uma olhada no Facebook, curtiu umas fotos no Instagram enquanto ouvia música! Só isso, né?! Essas coisas tão simples da modernidade, infelizmente, requerem muito da carga do bichinho e não fazê-las para economizar a bateria caso uma emergência aconteça é, no mínimo, penoso.
Pensando nesse problema, os eletricistas islandeses Einar Agustsson e Agust Agutsson desenvolveram o Trinity, um aparelho portátil que utiliza a energia gerada pelos ventos para carregar qualquer aparelho com entrada USB (até mesmo notebooks).
O Trinity consiste em um cilindro de 12 polegadas, que possui um gerador de 15 watts e uma bateria que armazena 15,000 miliampere-hora (mAh), o suficiente para carregar um celular de quatro a seis vezes, sendo ideal para atividades ao ar livre, como acampamentos ou situações de emergência.

Como funciona?
O dispositivo possui três lâminas de alumínio de 11 polegadas que devem ser abertas formando um “tripé” para sua base. O cilindro na parte superior captura a energia gerada dos ventos a partir de sua rotação. Quando a carga da bateria está completa, basta utilizar a entrada USB localizada embaixo do cilindro e carregar qualquer aparelho elétrico compatível!
Mas e se não tem vento? O Trinity coloca você para trabalhar: ele também possui uma alavanca para ser usada nesses caso, basta por seu muque para se exercitar. A turbina do aparelho foi fabricada com plástico e alumínio, medindo quase 30 centímetros de comprimento e pesando 1,8 quilogramas.
O projeto foi financiado coletivamente no site Kickstarter e deve ser vendido em escala a partir de 2015. A versão básica deve custar algo em torno de 300 dólares. Para saber mais visite o site oficial ( ) do produto e assista ao vídeo de apresentação:
Fonte - Revista Amazônia  07/01/2015


quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

MPL promete novos protestos contra o reajuste nas passagens de ônibus

Tarifas/ônibus

Os movimentos Passe Livre e Tarifa Zero reiniciam protestos nesta quarta-feira. Em Salvador, o protesto está marcado para esta tarde, do Largo do Campo Grande em direção à Estação da Lapa. Na capital baiana, a passagem passou de R$ 2,80 para R$ 3, no dia 2 de janeiro. 

Ana Cristina Campos
Repórter da Agência Brasil 
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Grupos contrários ao aumento do preço do transporte público, como o Movimento Passe Livre (MPL) e o Tarifa Zero, prometem voltar às ruas a partir de hoje (7) para protestar contra o reajuste nas tarifas de ônibus.
Em Salvador, o protesto está marcado para esta tarde, do Largo do Campo Grande em direção à Estação da Lapa. Na capital baiana, a passagem passou de R$ 2,80 para R$ 3, no dia 2 de janeiro. No Facebook, 1,3 mil pessoas confirmaram participação no protesto. Na descrição do ato, os organizadores dizem “Ano novo, tarifa nova, vida ainda mais difícil. Mas, que fique claro, não vamos ficar de braços cruzados! Não é de hoje que estamos dizendo: se a tarifa aumentar, Salvador vai parar!!!”.
Em Joinville, Santa Catarina, o protesto está marcado para hoje, a partir das 18h, na Praça da Bandeira. No ABC Paulista, haverá ato também nesta quarta-feira, às 16h, na estação de trem de Mauá.
Em São Paulo, onde os protestos contra o aumento das passagens tiveram início em 2013, a manifestação convocada pelo Facebook para sexta-feira (9) já tem 38 mil pessoas confirmadas. A concentração para o ato, convocado pelo MPL, começará às 17h, em frente ao Theatro Municipal.
Na capital paulista, desde ontem (6), o preço do transporte coletivo passou de R$ 3 para R$ 3,50. Na tarde de segunda-feira (5), o movimento promoveu uma aula pública, sob o Viaduto do Chá, próximo à prefeitura de São Paulo, para discutir o aumento das tarifas.
No Rio de Janeiro, o MPL promete protestar contra o reajuste das passagens na sexta-feira, às 17h, na Cinelândia. Desde 2 de janeiro, as passagens de ônibus municipais subiram de R$ 3 para R$ 3,40. A negativa da Justiça em conceder liminar para impedir o aumento das passagens, na ação civil proposta pelo Ministério Público do Estado, é considerada pelo MPL uma demonstração de que a tarifa tende a aumentar cada vez mais no atual modelo de gestão, "em que os custos ficam com os usuários e as concessionárias têm total liberdade para administrar os serviços".
Em Belo Horizonte, o protesto está marcado para sexta-feira, às 17h, na Praça Sete de Setembro. No dia 29 de dezembro, as tarifas de ônibus municipais passaram de R$ 2,85 para R$ 3,10. O ato é convocado pelo Tarifa Zero e tem 6,5 mil pessoas confirmadas no Facebook. Segundo os organizadores, o aumento “exclui a população mais pobre do acesso à cidade, além de aumentar o número de veículos nas ruas, já que as pessoas deixam de usar os ônibus e passam a andar de moto ou de carro”.
No Recife, o ato contra o aumento das passagens também está agendado para sexta-feira, às 7h30, em frente à sede do Grande Recife Consórcio de Transporte. Está previsto para o mesmo dia o início das discussões sobre a nova tarifa.
Em Guarulhos, na Grande São Paulo, onde as passagens subiram de R$ 3 para R$ 3,50, o MPL marcou ato para a próxima segunda-feira (12), às 17 horas, em frente à Igreja Matriz. Outras cidades paulistas que já têm manifestações agendadas são Santo André, no sábado (10), e São Bernardo do Campo, na quarta-feira (14).
Em Florianópolis, a agenda de mobilização contra o aumento começa hoje e vai até terça-feira (13), quando será realizado um ato, às 17h, no Terminal de Integração do Centro.
Em Niterói, Rio de Janeiro, o ato está previsto para quinta-feira (15), às 18h, no campus Gragoatá da Universidade Federal Fluminense.
No município paulista de Osasco, os protestos estão marcados para dia 23, na Estação Osasco da CPTM, onde a passagem subiu ontem para R$ 3,50. "Osasco é 10 vezes menor que São Paulo. Cobrar a mesma tarifa de São Paulo por uma quilometragem menor, é desproporcional", ressaltam os organizadores no Facebook.
Fonte - Agência Brasil  07/01/2015

Perícia apura se falha de sinalização provocou acidente entre trens no Rio

Rio de Janeiro

Mais de 100 testemunhas, incluindo um maquinista prestaram depoimentos. Controlador de tráfego e segundo maquinista foram intimados pela polícia.

G1

Peritos tentam descobrir se houve falha na sinalização, no sistema de freios ou no controle da via durante o acidente entre dois trens em Mesquita, na noite desta segunda-feira (5), em que 229 pessoas ficaram feridas. Há dois anos a Supervia anunciou que estava instalando um novo sistema de sinalização para controlar a distância entre os trens, o que poderia evitar este tipo de acidente. A previsão do término das instalações era para o final de 2013 para todos os ramais. Mas, segundo a concessionária, a complexidade para a instalação causou um atraso e apenas o ramal de Deodoro contava com a ferramenta.
A Polícia Civil e a Agência Reguladora de Transportes Públicos investigam as causas do acidente. Mais de 100 pessoas já foram ouvidas no inquérito.
Nesta terça-feira (6), passageiros dos dois trens envolvidos no acidente foram à delegacia da cidade prestar depoimento sobre o acidente. O maquinista do trem que provocou o acidente deveria ter sido ouvido, mas alegou problemas emocionais e não compareceu à delegacia. Os responsáveis pelo acidente responderão por lesão corporal culposa por acidente ferroviário.
Depois da batida, outro susto: um terceiro trem cruza o local do acidente e chega a encostar nos vagões. Alguns passageiros receberam os primeiros socorros ainda na calçada. No fim da tarde desta terça-feira (6), cinco ainda estavam internados no Hospital da Posse, em Nova Iguaçu.
Muitas pessoas reclamaram da falta de assistência de funcionários da SuperVia, responsável pela operação dos trens. O presidente da concessionária esteve no local do acidente ainda na noite de segunda-feira (5) e disse que as duas composições estavam com a manutenção em dia.
O secretário de transportes do Rio, Carlos Roberto Osório, afirmou que houve uma falha grave. "Um acidente que não pode acontecer em hipótese nenhuma. O trem estava parado em uma estação, fazendo desembarque e embarque de passageiros foi atingido por outro na traseira vindo na mesma direção. Vamos fazer uma investigação rigorosa e descorir se houve uma falha individual, coletiva, ou uma soma de fatores", disse.
A Agência Reguladora dos Transportes (Agetransp) informou que técnicos estiveram hoje na oficina do SuperVia para uma nova perícia. "Abrimos todas as hipóteses que podem ser testadas para que a gente possa identificar fundamentalmente a falha e em seguida as causas que possam ter levado a esse acidente", disse um dos representantes.
O delegado responsável pelo caso, Matheus Almeida, disse que os depoimentos de quarta-feira (6) - do outro maquinista e do controlador de tráfego - são os mais importantes. Ainda de acordo com o delegado, 110 pessoas já foram ouvidas. Outro objetivo das investigações é saber se um problema na estação de Austin pode ter alguma relação com o acidente em Mesquita.
O núcleo de defesa do consumidor da Defensoria Pública do estado vai orientar as vítimas a receber possíveis indenizações. Os passageiros roubados devem registrar a ocorrência na polícia e os feridos, guardar os documentos do atendimento médico. Até esta terça-feira (6), cinco pessoas continuavam internadas.

Depoimento adiado
O depoimento do maquinista levou cerca de duas horas na delegacia de Mesquita. Ele conduzia o trem que estava parado no momento da batida e deixou o local sem falar com a imprensa. Segundo o delegado, o outro maquinista, que provocou a colisão e não teve o nome divulgado, disse que está "abalado emocionalmente" e não foi à delegacia.
Ainda de acordo com o delegado, o fato de o maquinista ter pulado do trem em movimento antes do choque entre os trens não indica algum tipo de falha na conduta.

Vítima de acidente reclama de roubo
A babá Maiara Barbosa de Moura, de 25 anos, foi atendida no Hospital da Posse e contou que depois do acidente ainda teve o celular roubado. "Quando cai, dois rapazes me ajudaram a subir para a plataforma e a pegar minha bolsa e meus sapatos. Mas aí apareceu um outro rapaz e roubou o celular da minha mão", contou a babá que sofreu escoriações na barriga e um corte na mão.
Ela foi até a unidade por conta própria, pois as ambulâncias se ocupavam dos feridos mais graves. Ela disse que estava perto da porta do trem que estava parado na estação. Com a batida ela caiu ano espaço entre o trem e a plataformas acabou resgatada por dois passageiros. "Não tinha ninguém da Supervia para ajudar. Os menos machucados ajudavam os mais feridos", disse a babá.
Fonte - São Paulo Trem Jeito  07/01/2015

Produção de petróleo chegou a 2,35 milhões de barris em novembro

Economia

Os dados foram divulgados na noite de ontem (6) pela Agência Nacional do Petróleo, Gás natural e Biocombustíveis (ANP) e indicam que a produção de petróleo cresceu 13,3% em relação a novembro de 2013....

Nielmar de Oliveira 
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
A produção total de petróleo e gás natural no Brasil no mês de novembro do ano passado alcançou 2,9 milhões de barris por dia. Deste total, a produção de petróleo atingiu 2,35 milhões de barris e a de gás natural, 91,7 milhões de metros cúbicos.
Os dados foram divulgados na noite de ontem (6) pela Agência Nacional do Petróleo, Gás natural e Biocombustíveis (ANP) e indicam que a produção de petróleo cresceu 13,3% em relação a novembro de 2013, mas teve queda de 1,5% na comparação com com o mês imediatamente anterior.
Já a produção de gás natural cresceu 16% quando comparada a novembro de 2013, também fechando em queda quando comparada a outubro: 1,1%. Segundo a ANP, a queda de outubro para novembro decorreu, em grande parte, de paradas programadas para manutenção realizadas em algumas plataformas em novembro.
Os dados indicam, ainda, que a produção de petróleo proveniente dos 42 poços da região do pré-sal chegou em novembro a 602,3 mil barris diários de petróleo e a 20,9 milhões de metros cúbicos (m³) de gás natural. Em sua totalidade, a produção de óleo equivalente (petróleo e gás) chegou a 733,6 mil barris de óleo por dia, redução de 0,8% em relação ao mês anterior.
Segundo a ANP, o aproveitamento do gás natural no mês chegou a 95,2%, com a queima do produto atingindo em outubro 4,4 milhões de m3 por dia, aumento de aproximadamente 13,7% em relação ao mês anterior e de 16,2% em relação a novembro de 2013.
As informações levam ainda a constatação de que 91,5% da produção de petróleo e gás natural foram provenientes de campos operados pela Petrobras, o equivalente a 93% da produção de petróleo do país.
Fonte - Agência Brasil  07/01/2015

Lava Jato banhou Eduardo Cunha?

Política

Segundo a matéria da Folha, Eduardo Cunha seria um dos citados na Operação Lava-Jato da Polícia Federal. "De acordo com investigadores que atuam no caso, ele é suspeito de ter recebido dinheiro do esquema por meio do policial Jayme Alves de Oliveira Filho, o 'Careca', que atuaria como um dos funcionários do doleiro Alberto Youssef. 

Por Altamiro Borges
tribunadainternet
A Folha publicou nesta quarta-feira (7) uma matéria que deve acirrar ainda mais a inflamável disputa pela presidência da Câmara Federal. Segundo o jornalão, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pedirá ao Supremo Tribunal Federal (STF) abertura de investigação contra o deputado Eduardo Cunha por suspeita de envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras. Em seu twitter, o líder do PMDB – que na semana passada bombardeou a proposta de regulação da mídia apresentada pelo novo ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini – desmentiu a acusação e atacou o jornal. "Fazer manchete baseado numa citação de que ouvi dizer, sem prova, é um verdadeiro absurdo".
Segundo a matéria, Eduardo Cunha é um dos citados na Operação Lava-Jato da Polícia Federal. "De acordo com investigadores que atuam no caso, ele é suspeito de ter recebido dinheiro do esquema por meio do policial Jayme Alves de Oliveira Filho, o 'Careca', que atuaria como um dos funcionários do doleiro Alberto Youssef. O doleiro triangulava as operações investigadas envolvendo funcionários da Petrobras, empreiteiras contratadas pela estatal e políticos". O procurador Rodrigo Janot deve pedir a abertura de inquéritos contra os envolvidos no esquema que têm foro privilegiado na primeira semana de fevereiro, quando forem reabertos os trabalhos do Supremo Tribunal Federal.
"A partir do pedido de abertura de inquérito, caberá ao relator da Lava-Jato no STF, ministro Teori Zavascki, aceitar ou não o início de investigações sobre Cunha e os demais suspeitos que se encaixam nesta situação. É praxe na corte, no entanto, acatar este tipo de demanda. A aceitação do inquérito não significa culpa. Somente após as investigações e o processo no STF, os acusados serão inocentados ou condenados por eventuais crimes. De acordo com a Polícia Federal, o 'Careca' seria responsável por entregar dinheiro em espécie a pessoas indicadas pelo doleiro Youssef. Ele também teria se aproveitado da condição de policial federal para facilitar o embarque e desembarque de outros funcionários do doleiro em aeroportos", descreve a Folha.
A reportagem da Folha pode indicar uma certa inflexão de setores da mídia. No passado, o deputado carioca sempre foi tratado como representante do "baixo clero" e um "lobista profissional". Inúmeras matérias denunciaram suas práticas sinistras. Com a sua candidatura à presidência da Câmara, porém, ele passou a ser blindado pela mídia. O noticiário negativo desapareceu. Ele passou a ser visto como o único capaz de atrapalhar a gestão da presidenta reeleita no parlamento. Alguns "calunistas" até apostaram que ele teria coragem de abrir um processo de impeachment contra Dilma. Agora, não se sabe ainda por quais motivos, a Folha bagunça esta estratégia golpista.
Fonte - Blog do Miro  07/01/2015

Conta Verde estimula usuário a compensar emissões pelo consumo de energia

Energia

O coordenador da Área de Meio Ambiente da Coelce, Sérgio Araújo, ressaltou nessa terça-feira (6), em entrevista à Agência Brasil, a importância de os consumidores saberem que, ao consumir energia elétrica, estão também emitindo CO2, “neste momento em que as usinas térmicas estão operando a plena carga no Brasil

Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil 
Arquivo/Agência Brasil
Projeto inédito no país, criado pela Companhia Energética do Ceará (Coelce), do Grupo Enel, incentiva os clientes a buscarem uma forma de compensar as emissões de gás carbônico (CO2) pelo consumo de energia elétrica. O Conta Verde, como está sendo chamado, faz parte do programa Ecoelce, que estimula a troca de material reciclável por descontos nas contas de energia.
O coordenador da Área de Meio Ambiente da Coelce, Sérgio Araújo, ressaltou nessa terça-feira (6), em entrevista à Agência Brasil, a importância de os consumidores saberem que, ao consumir energia elétrica, estão também emitindo CO2, “neste momento em que as usinas térmicas estão operando a plena carga no Brasil”. A ideia, acrescentou, é que haja “conscientização da importância do consumo de energia elétrica de forma adequada, sem desperdício, e, ao mesmo tempo, a consciência ambiental de fazer a reciclagem”. Araújo lembrou que, atualmente, tira-se muito mais da Terra do que sua capacidade de renovação.
A Coelce fez um estudo para saber o índice de redução do consumo de energia elétrica durante a reciclagem. No caso do alumínio, por exemplo, foi verificado que para produzir 1 quilo (kg) do produto são emitidos 10 kg de CO2 e, na reciclagem desse alumínio, são gastos em torno de 300 gramas. “Existe uma diferença enorme ao se reciclar e ao se produzir. É essa diferença entre a produção tradicional e o que é reciclado que a gente considera para compensar as emissões de CO2 do cliente”, destacou.
A troca pode ser feita por bônus nas contas de luz com material reciclável, como latas de alumínio, ferro, plástico, vidro e metal. Se o cliente consome energia com eficiência, sem desperdício, e leva para os postos disponibilizados pela distribuidora tudo o que pode reciclar, ele vai chegar a compensar as emissões. “O Conta Verde é um projeto de educação ambiental”, disse o coordenador.
Pessoas jurídicas do comércio e da indústria já têm acesso à iniciativa desde maio do ano passado, e o cliente residencial de baixa tensão passou a participar do projeto no mês passado. “Os cerca de 3,5 milhões de clientes da Coelce já têm a informação de quanto emitem de CO2 na conta de energia, e sabem que podem compensar por meio da reciclagem.”
João Félix Alves, morador do Conjunto Nova Metrópole, em Caucaia, na região metropolitana de Fortaleza, troca resíduos recicláveis por descontos na conta de luz no Ecoelce, e há dez meses paga a conta de energia com lixo. “Agora, com a novidade da Conta Verde, além de ajudar o meu bolso, vou ajudar ainda mais a natureza”, manifestou. “Ele compensa mais do que consome”, observou o coordenador da Área de Meio Ambiente da distribuidora. O consumo consciente mostra na conta de energia o quanto o cliente compensou suas emissões até 100%. “A gente espera que ele se aproxime mais dos 100%”, salientou.
Sérgio Araújo informou que o projeto Conta Verde foi desenvolvido por meio do programa de eficiência energética da Coelce, mas está disponível para ser copiado por qualquer outra empresa do setor que queira replicá-lo.
O programa Ecoelce foi premiado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como um dos projetos mais importantes para o alcance dos Objetivos do Milênio. O programa já beneficiou 430 mil clientes, arrecadou cerca de 18 mil toneladas de resíduos e concedeu R$ 2,3 milhões em bônus nas contas de energia. Atualmente, o Ecoelce conta com 102 postos de recolhimento no Ceará, incluindo a capital, Fortaleza.
Fonte - Agência Brasil  07/01/2015

Indústria ferroviária supera expectativas

Transportes sobre trilhos

Segundo Vicente Abate, presidente da ABIFER e diretor do SIMEFRE, os volumes de vagões de carga superaram as previsões mais otimistas.O mercado de carros de passageiros também foi positivo, explica o vice-presidente do SIMEFRE Luiz Fernando Ferrari. Foram entregues 320 carros até outubro, com previsão de fechar o ano em 394, superando em 23% a previsão de 320 carros para 2014

Abifer
AZM Comunicações e Eventos
foto - ilustração
O ano de 2014 foi um ano atípico em função da realização da Copa do Mundo e das eleições no País, eventos que, de certa forma, impactaram as atividades da indústria. Ainda assim, a indústria ferroviária teve um desempenho além das expectativas.
Carga - Segundo Vicente Abate, presidente da ABIFER e diretor do SIMEFRE, os volumes de vagões de carga superaram as previsões mais otimistas. Até outubro foram entregues 4.067 vagões e prevê-se um fechamento do ano em 4.500 vagões contra uma previsão de 3.500, representando um aumento de 28%. Comparado com 2013, o volume quase que dobrou, tendo em vista a base de comparação muito baixa, de 2.280 vagões.
Nas locomotivas, o desempenho foi acima do esperado, porém com um volume ainda muito baixo. Até outubro foram entregues 52 locomotivas, prevendo-se um total de 80 no ano, 33% acima da previsão de 60 locomotivas. Em relação a 2013 (83 locomotivas), o volume foi mantido.
Passageiros - O mercado de carros de passageiros também foi positivo, explica o vice-presidente do SIMEFRE Luiz Fernando Ferrari. Foram entregues 320 carros até outubro, com previsão de fechar o ano em 394, superando em 23% a previsão de 320 carros para 2014. Comparado a 2013, o aumento será de 80% em relação ao volume de 219 carros.
Via Permanente - O setor de materiais para Via Permanente teve um ano forte de fornecimento em função de compras governamentais para ferrovias de carga, bem como pelos investimentos da VALE na E. F. Carajás (renovação e duplicação da via) e da renovação de vias na E.F.V.M., VLI e MRS, cujos volumes serão mantidos para 2015.
Serviços - A indústria continua executando serviços de reparação e modernização de vagões, locomotivas e carros de passageiros, destacando-se um volume de 102 carros modernizados entregues à CMSP (Companhia do Metropolitano de São Paulo) dentro do programa de modernização da frota antiga das Linhas 1 e 3, que continuará no mesmo ritmo em 2015.
Exportações - As exportações de vagões e locomotivas em 2014 se mantiveram em volumes muito baixos, de 10 vagões (1 vagão em 2013) e 3 locomotivas (13 locomotivas em 2013). Já as exportações de carros de passageiros cresceram para 60 carros, contra os 20 em 2013. Os fabricantes de rodas, grampos de fixação e peças fundidas de truque e engate exportaram altos volumes em 2014.

Investimentos e Faturamento
Segundo os diretores do SIMEFRE a indústria ferroviária brasileira continua investindo fortemente em toda a sua cadeia produtiva, tanto na aplicação de tecnologia de ponta e no treinamento de sua mão de obra, quanto na expansão e modernização de suas fábricas e na construção de novas. Os investimentos previstos para 2014/2016 situam-se entre R$ 400 e R$ 600 milhões. A inovação tecnológica contida em todos os seus produtos tem colaborado para aumentar a produtividade e a competitividade de seus clientes.
"Esperamos fechar 2014 com um faturamento total de aproximadamente R$ 5,6 bilhões, com aumento de 24% em relação a 2013, que fechou em R$ 4,5 bilhões. Os volumes adicionais de veículos entregues foram responsáveis pelo crescimento acima do previsto", diz Abate.

Incentivos
O governo manteve os incentivos já concedidos anteriormente, como Desoneração da Folha de Pagamentos, PSI do BNDES e REINTEGRA. Entretanto, não se espera a manutenção dos financiamentos em condições tão competitivas para 2015. No setor de carga, espera-se que o Governo Federal implemente o Programa de Renovação da Frota de Vagões e Locomotivas, que dará sustentabilidade aos fabricantes destes veículos ao longo dos próximos dez anos.
Quanto à competitividade da indústria nacional, explica Ferrari, é importante que o setor tenha isonomia tributária em relação à indústria estrangeira, de qualquer país. "A indústria ferroviária instalada no Brasil é competitiva. Há, entretanto, outras variáveis que têm que ser levadas em consideração, como a valorização excessiva do Real e a instabilidade na flutuação do câmbio".
Ele explica que o País precisa aumentar sua produtividade, que depende em parte da própria indústria, e ela já está trabalhando neste sentido. Passa também por outras questões, como melhorias na infraestrutura de transporte e na burocracia excessiva.

2015
As previsões de elevados investimentos por parte das concessionárias ferroviárias de carga, assim como os esforços dos governos para melhoria da mobilidade urbana, continuam no foco para os próximos anos, ainda que se preveja um ano de mudanças em 2015, principalmente na área econômica.
A indústria ferroviária acredita nos resultados positivos destas mudanças e continua otimista, garante Vicente Abate. "Dessa forma, estimamos para 2015 uma produção e entrega de cerca de 4.000 vagões (75 para exportação), 90 locomotivas (10 para exportação) e 420 carros de passageiros (90 para exportação), levando a um faturamento ligeiramente superior ao de 2014".
Fonte - Revista Ferroviária  06/01/2015

Japão irá testar turbina submarina para geração de energia elétrica

Ciência & Tecnologia

“As turbinas irão testar a geração de energia elétrica em um ambiente real de oceano, em um projeto que deve durar até 2017”, disse a Toshiba.

RA
foto - ilustração
A iniciativa foi anunciada pela Toshiba, que desenvolveu o sistema a pedido da Organização de Novas Energias e Desenvolvimento Tecnológico Industrial do Japão, agência governamental que recebeu a tarefa de encontrar novas formas de geração de energia após o acidente nuclear na usina de Fukushima, em 2011.
“As turbinas irão testar a geração de energia elétrica em um ambiente real de oceano, em um projeto que deve durar até 2017”, disse a Toshiba.
“A pesquisa deve provar a viabilidade da geração oceânica de energia elétrica e criar os parâmetros para uma indústria, além de contribuir na melhora da segurança energética do Japão”, afirma a empresa.
As turbinas serão instaladas na corrente de Kuroshio, que fica a alguns quilômetros da costa japonesa e é uma das correntes oceânicas mais fortes do globo.
Segundo a Toshiba, duas turbinas geradoras serão instaladas na região, ancoradas na plataforma continental (o “chão” do mar). Elas irão flutuar de acordo com o movimento das correntes, se comportando como uma espécie de "pipa submarina".
As hélices não podem rodar acima de uma determinada velocidade, para não prejudicar a vida marinha. Ainda não se sabe, porém, o impacto que elas poderão ter no ecossistema local.
Fonte - Revista da Amazônia  07/01/2015