terça-feira, 10 de novembro de 2015

Para moradores do RJ, metrô vai economizar tempo e até permitir mais convivência com os filhos

Transportes sobre trilhos

O investimento total,de R$ 10,3 bilhões,envolvem 16 km de túneis, seis estações,zonas de manobra e estacionamento de composições,a implantação de sistemas operacionais e a aquisição de trens.Assim como acontece com as Linhas 1 e 2,o passageiro poderá utilizar todo o sistema metroviário da cidade com uma única tarifa.

Blog do Planalto
foto - ilustração
Com 80% dos investimentos oriundos do governo federal, por meio do BNDES e do Banco do Brasil, a Linha 4 do metrô do Rio de Janeiro (RJ), vai transportar, a partir do primeiro semestre de 2016, mais de 300 mil pessoas por dia e vai retirar das ruas mais de 2 mil carros por hora/pico no eixo Barra da Tijuca – Zona Sul. Assim como acontece com as Linhas 1 e 2, o passageiro poderá utilizar todo o sistema metroviário da cidade com uma única tarifa.
O investimento total, de R$ 10,3 bilhões, envolvem 16 km de túneis, seis estações, zonas de manobra e estacionamento de composições, a implantação de sistemas operacionais e a aquisição de trens.
O Blog do Planalto conversou com cariocas que ganharão muito tempo, que hoje gastam no trânsito, ao trocar o modo de deslocamento atual pelos trens da Linha 4, que vai ligar a Barra da Tijuca a Ipanema, passando por seis estações: Nossa Senhora da Paz, em Ipanema; Jardim de Alah e Antero de Quental, no Leblon; Gávea; São Conrado e Jardim Oceânico, na Barra.

Veja os depoimentos abaixo:
Ângela Neves, digitadora de laudos médicos
“É para trabalho, para não ficar saindo de um transporte para ir para o outro, vai direto. Ate mesmo para quem vai para a faculdade, ajudaria bastante. A gente ganha em tempo, né, a verdade é essa. No mínimo uma meia hora nós vamos ganhar aí, porque é o tempo de descer do metrô aqui, no integração, pegar uma integração para ir parar lá, é um tempo que você já continuaria no metrô diretamente.”
Wagner Alviano, morador da Barra da Tijuca
“Trabalho segundas, terças, quartas e quintas em Ipanema. Então o meu percursos é frequentemente atrapalhado pelo trânsito da cidade. Hoje eu tenho que sair de casa com 1h, 1h30 de antecedência para cumprir minhas obrigações em Ipanema, Leblon; e na volta o trânsito me leva 1h, 1h20 no percurso Ipanema-Barra. Tenho dois filhos, esse é talvez o maior propósito para mim de diminuir o trânsito, porque eu poderei vê-los mais.
Wilzilene Rodrigues, diarista
[Hoje] eu tenho que descer aqui na estação General Osório [em Ipanema] e ainda pegar a integração para a Gávea, porque eu costumo ir ao médico na Gávea. Eu tenho que pegar a integração do metrô, mesmo, né. Mas aí é bom que eu não vou precisar fazer isso: descer, subir plataforma nenhuma, porque eu já vou ir direto. Trânsito, hora, tempo, com certeza muito melhor.”
Leonardo Ribeiro, morador da Rocinha e garçom em Ipanema
“O metrô vai me ajudar bastante a vir mais rápido aqui para Ipanema, para o trabalho. Hoje eu venho de ônibus, às vezes pego engarrafamento, vai me ajudar bastante. Quando não está engarrafado é rápido, mas quando está engarrafado pega duas horas… O metrô vai ser bem rápido, questão de minutos”.
Wallace Diogo Mesquita, trabalha nas obras da nova linha na carpintaria e na construção de calçadas
“Vai ser benefício não só para as Olimpíadas, mas para o Rio de Janeiro todo e para a minha comunidade também, que eu moro na Rocinha e eu lá vai ter um estação também. Minha família, a família dos meus companheiros que estão trabalhando também. Para a gente é muito gratificante poder apresentar a obra para os meus filhos e falar: ‘o papai trabalhou aqui’; futuramente os meus netos também: ‘o vovô trabalhou aqui’.”
Inaldo Rafael dos Santos, trabalhador da obra do metrô há 5 anos
“Além de ser uma obra que vai atender a todos nós, para o nosso bem, e para filhos e netos que estão vindo aí, é uma obra que vai ficar para o resto da vida. E a gente vê o quanto essa é útil. Esse pessoal aqui que mora no Leblon e todos esses bairros que vão perto da estação, vai poder deixar o carro em casa e ir lá para o centro com o carro guardado na garagem. Então é uma obra que vai ser bom para todo mundo, para morador, enfim, para todos.
Luciene da Conceição Cruz, motorista de caminhão-betoneira nas obras da linha 4
“Moro na Baixada [Fluminense], então para eu chegar aqui à zona sul vai ficar muito mais rápido quando concluir essa linha nova do metrô. Durante as Olimpíadas, ver todo mundo utilizando esse meio de transporte que eu ajudei a construir, com certeza vai dar orgulho imenso, né. Trazer minha família para dar uma volta, um passeio e falar: ‘fiz parte desse projeto aqui também’. Estou bem feliz, bem satisfeita.”
Fonte - ABIFER 10/11/2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua visita,ajude-nos na divulgação desse Blog
Cidadania não é só um estado de "direito",é também um estado de "espírito"