domingo, 25 de outubro de 2015

A busca de um ideal de cidade para os ciclistas

Ciclismo

Motoristas da capital pernambucana não têm uma cultura de compartilhamento dos espaços com os demais modais, entre eles a bicicleta.O primeiro fórum regional sobre bicicletas do país acontecerá no Recife entre os dias 29 de outubro e 1º de novembro. 

Anamaria Nascimento - DP
Cezar Martins, Tomás Tobias e Erika Pêssoa
 ciclistas de todos os dias.
foto - Hesíodo Góes/DP/D.A.Press. 
A cidade ideal para bicicletas é aquela onde empresas privadas incentivam os funcionários a usarem bikes, gestores públicos estimulam a construção de redes cicloviárias e motoristas respeitam ciclistas e pedestres no trânsito. A afirmação está no livro A bicicleta no Brasil, lançado este ano por organizações de cicloativismo com o objetivo de criar cidades onde as pessoas pedalem mais e melhor. Os dados apresentados na obra serão divulgados aos pernambucanos na abertura do 1º Fórum Nordestino da Bicicleta, que acontece entre quinta-feira e domingo no Centro de Artesanato de Pernambuco, ao lado do Marco Zero.
Das 117 páginas do livro, 12 são dedicadas ao Recife, uma das 10 capitais brasileiras esmiuçadas na obra. De acordo com o texto, os motoristas da capital pernambucana “não têm uma cultura de compartilhamento dos espaços com os demais modais”. As maneiras para começar a mudar essa realidade também são apontadas na obra. As transformações, segundo os autores, devem ser implementadas em quatro eixos: educação, cultura, classe política e estrutura.
Um dos organizadores do livro, o paulista Daniel Guth, ressaltou que os dados sobre bicicleta nas capitais brasileiras foram compilados pela primeira vez na obra. “Nosso objetivo foi trazer um diagnóstico, mas também um prognóstico dessas cidades, ou seja, como elas estão hoje e como elas poderão estar no futuro”, explica.


Sobre o Recife, a obra mostra que a tradição do uso da bike na cidade é favorecida pela geografia plana. “Há bairros onde há um grande fluxo de ciclistas, geralmente em bairros mais afastados do centro e de classe mais baixa. Essas pessoas transitam todos os dias de bicicleta”, pontua o texto. “Pela classe média e média alta, há uma retomada do uso, principalmente como lazer, desde a implantação da Ciclofaixa de Turismo e Lazer. Essa crescente do número, mesmo que aos domingos, aumentou o número de lojas de comércio e serviço, oficinas e o valor das peças”, continua.
Para garantir um futuro mais amigável aos ciclistas do Recife, o livro pontua que é preciso melhorar o conhecimento sobre o Código de Trânsito Brasileiro pelos atores do trânsito e realizar mais campanhas educativas de conteúdo aprofundado. “É necessário ainda maior preparo no planejamento do trânsito municipal por parte da gestão pública; ouvir mais a população (seus problemas e propostas) além de ampliar e melhorar a rede cicloviária”, ressalta um dos colaboradores da obra, o cicloativista recifense Daniel Valença. O livro pode ser baixado gratuitamente pelo link www.uniaodeciclistas.org.br/biblioteca/adquira-livro.

Fórum abre discussões sobre bicicleta
O primeiro fórum regional sobre bicicletas do país acontecerá no Recife entre os dias 29 de outubro e 1º de novembro. Palestras, oficinas, rodas de discussão, apresentação de trabalhos acadêmicos e cases de empreendedorismo relacionados à bicicleta acontecerão durante o 1º Fórum Nordestino da Bicicleta (Fnebici). Um passeio ciclístico pelos principais pontos turísticos do Recife será realizado no último dia do evento. A concentração para o Pedal Cultural está marcada para as 9h no Marco Zero. Não é preciso estar inscrito no fórum para participar da bicicletada.
As inscrições no evento já foram encerradas. Duzentas vagas foram disponibilizadas gratuitamente para interessados de todo o Nordeste. De acordo com os organizadores, cerca de 40% dos participantes vêm de outros estados. “Apesar de as atividades como oficinas e palestras estarem lotadas, os interessados ainda podem participar das ações paralelas do fórum, como o passeio pelo Bairro do Recife”, explica o coordenador da Associação Metropolitana de Ciclistas do Grande Recife (Ameciclo) e um dos organizadores do fórum, Daniel Valença.
Os organizadores esperam viabilizar uma cobertura ao vivo por stream (pela internet) disponível no site www.fnebici.com.br. “O objetivo dessa primeira edição é fortalecer a bicicleta no Nordeste. Como é o primeiro fórum, queremos formar uma pauta e fomentar a união entre os ciclistas da região. Essas questões serão aprofundadas nas próximas edições”, afirma. A ideia das associações de ciclistas é que o evento seja anual e itinerante.
A escolha do estado que vai sediar a próxima edição do fórum será feita no dia 1º, na Praça da República, bairro de Santo Antônio, área central do Recife. Aracaju, Fortaleza, Natal, Salvador ou Maceió são as cidades candidatas para receber o próximo Fnebici. “Cidades como São Paulo e Aracaju já realizam fóruns locais. Há ainda as edições nacional e mundial. Sentimos a necessidade de estimular discussões sobre a bicicleta e formar o primeiro fórum regional do país”, destaca Valença.
Entre os destaques da programação estão a oficina sobre mapeamento colaborativo, que vai mostrar como os ciclistas podem usar ferramentas para criar rotas cicláveis das cidades; a roda de diálogo “O papel da bicicleta na emancipação feminina” e o lançamento do livro infantil A bicicleta amarela, do autor Igor Colares.
Fonte - Diário de Pernambuco  25/10/2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua visita,ajude-nos na divulgação desse Blog
Cidadania não é só um estado de "direito",é também um estado de "espírito"