sábado, 7 de junho de 2014

Renasce o fascismo na Europa

Política

O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy propôs a suspensão do Tratado de Schengen, que defende a livre circulação de pessoas entre trinta países europeus. Já a livre circulação do capital não encontra barreiras no mundo… E nas eleições de 25 de maio a extrema-direita europeia aumentou o número de seus representantes no Parlamento Europeu.

Por Frei Betto - CB

Jean-Marie le Pen, líder da direita francesa, sugeriu deter o surto demográfico na África e estancar o fluxo migratório de africanos rumo à Europa enviando, àquele sofrido continente, “o senhor Ebola”, uma referência diabólica ao vírus mais perigoso que a humanidade conhece. Le Pen fez um convite ao extermínio.
O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy propôs a suspensão do Tratado de Schengen, que defende a livre circulação de pessoas entre trinta países europeus. Já a livre circulação do capital não encontra barreiras no mundo… E nas eleições de 25 de maio a extrema-direita europeia aumentou o número de seus representantes no Parlamento Europeu.
A queda do Muro de Berlim soterrou as utopias libertárias. A esquerda europeia foi cooptada pelo neoliberalismo e, hoje, frente a crise que abate o Velho Mundo, não há nenhuma força política significativa capaz de apresentar uma saída ao capitalismo.
Aqui no Brasil nenhum partido considerado progressista aponta, hoje, um futuro alternativo a esse sistema que só aprofunda, neste pequeno planeta onde nos é dado desfrutar do milagre da vida, a desigualdade social e a exclusão.
Caminha-se de novo para o fascismo? Luis Britto García, escritor venezuelano, frisa que uma das características marcantes do fascismo é a estreita cumplicidade entre o grande capital e o Estado. Este só deve intervir na economia, como apregoava Margareth Thatcher, quando se trata de favorecer os mais ricos. Aliás, como fazem Obama e o FMI desde 2008, ao se desencadear a crise financeira que condena ao desemprego, atualmente, 26 milhões de europeus, a maioria jovens.
O fascismo nega a luta de classes, mas atua como braço armado da elite. Prova disso foi o golpe militar de 1964 no Brasil. Sua tática consiste em aterrorizar a classe média e induzi-la a trocar a liberdade pela segurança, ansiosa por um “messias” (um exército, um Hitler, um ditador) capaz de salvá-la da ameaça.
A classe média adora curtir a ilusão de que é candidata a integrar a elite embora, por enquanto, viaje na classe executiva. Porém, acredita que, em breve, passará à primeira classe… E repudia a possibilidade de viajar na classe econômica.
Por isso, ela se sente sumamente incomodada ao ver os aeroportos repletos de pessoas das classes C e D, como ocorre hoje no Brasil, e não suporta esbarrar com o pessoal da periferia nos nobres corredores dos shopping-centers. Enfim, odeia se olhar no espelho…
O fascismo é racista. Hitler odiava judeus, comunistas e homossexuais, e defendia a superioridade da “raça ariana”. Mussolini massacrou líbios e abissínios (etíopes), e planejou sacrificar meio milhão de eslavos “bárbaros e inferiores” em favor de cinquenta mil italianos “superiores”…
O fascismo se apresenta como progressista. Mussolini, que chegou a trabalhar com Gramsci, se dizia socialista, e o partido de Hitler se chamava Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, mais conhecido como Partido Nazista (de Nationalsozialist).
Os fascistas se apropriam de símbolos libertários, como a cruz gamada que, no Oriente, representa a vida e a boa fortuna. No Brasil, militares e adeptos da quartelada de 1964 a denominavam “Revolução”.
O fascismo é religioso. Mussolini teve suas tropas abençoadas pelo papa quando enviadas à Segunda Guerra. Pio XII nunca denunciou os crimes de Hitler. Franco, na Espanha, e Pinochet, no Chile, mereceram bênçãos especiais da Igreja Católica.
O fascismo é misógino. O líder fascista jamais aparece ao lado de sua mulher. Como dizia Hitler, às mulheres fica reservado a tríade Kirche, Kuche e Kinder (igreja, cozinha e criança).
O fascismo é anti-intelectual. Odeia a cultura. “Quando ouço falar de cultura, saco a pistola”, dizia Goering, braço direito de Hitler. Quase todas as vanguardas culturais do século XX foram progressistas: expressionismo, dadaísmo, surrealismo, construtivismo, cubismo, existencialismo. Os fascistas as consideravam “arte degenerada”.
O fascismo não cria, recicla. Só se fixa no passado, um passado imaginário, idílico, como as “viúvas” da ditadura do Brasil, que se queixam das manifestações e greves, e exalam nostalgia pelo tempo dos militares, quando “havia ordem e progresso”. Sim, havia a paz dos cemitérios… assegurada pela férrea censura, que impedia a opinião pública de saber o que de fato ocorria no país.
O fascismo é necrófilo. Assassinou Vladimir Herzog e frei Tito de Alencar Lima; encarcerou Gramsci e madre Maurina Borges; repudiou Picasso e os teatros Arena e Oficina; fuzilou García Lorca, Victor Jara, Marighella e Lamarca; e fez desaparecer Walter Benjamin e Tenório Júnior.
Ao votar este ano, reflita se por acaso você estará plantando uma semente do fascismo ou colaborando para extirpá-la…
Fonte - Correio do Brasil  07/06/2014

Americano condenado por crime sexual é barrado ao tentar entrar no Brasil

Brasil

Galeão: Governo barra entrada de americano condenado por crime sexual - Segundo o Ministério da Justiça, a abordagem e a detenção do estrangeiro foram feitas com base na portaria do governo federal que prevê que estrangeiros condenados por crimes relacionados à exploração sexual de crianças e adolescentes ou à pornografia infanto-juvenil sejam impedidos de entrar no Brasil.

Nielmar de Oliveira
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
Um norte-americano, cujo nome não foi divulgado “por questões de segurança”, foi detido hoje (7) no Aeroporto Internacional Tom Jobim/Galeão, quando tentava entrar no país. Ele é condenado pelo governo dos Estados Unidos por ter molestado um menor de 16 anos de idade.
Segundo o Ministério da Justiça, a abordagem e a detenção do estrangeiro foram feitas com base na portaria do governo federal que prevê que estrangeiros condenados por crimes relacionados à exploração sexual de crianças e adolescentes ou à pornografia infanto-juvenil sejam impedidos de entrar no Brasil.
A portaria 876/2014 interministerial foi assinada no último dia 23 de maio pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e pela ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Ideli Salvatti.
“Os agentes com atuação no controle fronteiriço e em atividades de fiscalização migratória nos portos, aeroportos internacionais e pontos de fiscalização terrestre de migração aplicarão a medida de impedimento de ingresso no território nacional a todo estrangeiro cujo nome conste de difusão oficial em Sistemas de Cooperação Internacional, nos casos em que o estrangeiro tenha condenação por crime relacionado à pornografia ou à exploração sexual infanto-juvenil”, diz o texto da portaria.
Este foi o primeiro caso de proibição de entrada no Brasil envolvendo acusado de pedofilia desde que a portaria entrou em vigor.
Fonte - Agência Brasil  07/06/2014

Indústria ferroviária produz locomotivas que consomem 25% menos combustível

Tecnologia

“Essa é mais uma prova da capacidade de inovação de toda a cadeia produtiva envolvida com a indústria ferroviária brasileira”, afirmou Abate. -  As locomotivas que saem hoje da linha produção consomem até 25% menos combustíveis, assim como os novos vagões de passageiros conseguem reduzir em até 30% o consumo de energia.

Mecânica de Comunicação Ltda.
foto - ilustração
Apesar das deficiências ainda existentes no setor, a indústria ferroviária brasileira tem vencido importantes desafios. As locomotivas que saem hoje da linha produção consomem até 25% menos combustíveis, assim como os novos vagões de passageiros conseguem reduzir em até 30% o consumo de energia. Tais referências fizeram parte da palestra A Indústria ferroviária no Brasil e seus desafios tecnológicos, proferida pelo presidente da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária, Vicente Abate no seminário promovido pela entidade na M&T Peças e Serviços Congresso, realizado em São Paulo, conjuntamente com a M&T Peças e Serviços.
Além desses avanços, Abate também lembrou que além de ter maior capacidade de carga, os novos vagões também propiciam maior produtividade em razão do avanço tecnológico. No caso de vagões destinados ao transporte de açúcar, por exemplo, podem ser descarregados em um minuto, enquanto os antigos demoraram 45 minutos. Para essa operação, atualmente é necessário apenas um operário, contra seis exigidos nos passado. “Essa é mais uma prova da capacidade de inovação de toda a cadeia produtiva envolvida com a indústria ferroviária brasileira”, afirmou Abate.
O presidente também deu detalhes do Plano de Renovação de Frota, que está sendo estudado pela iniciativa privada e o governo. Abate ainda lembrou dos investimentos específicos para o setor ferroviário contemplados no PIL – Programa de Investimentos em Logística, cujo montante chega a R$ 99 bilhões, estabelece a velocidade de 80km/h como padrão e consegue a interoperabilidade de toda a rede ferroviária nacional.
Após a palestra de Abate, o consultor Sérgio Coutinho chamou a atenção para a necessidade de se acelerar esses investimentos para beneficiar a sociedade com a redução do custo nos transportes. Nesse sentido, ele lembrou que o custo logístico no Brasil é estimado em 11% do PIB, enquanto em países como Estados Unidos fica entre 5% e 8%. “É vital investir na modernização do setor ferroviário, pois ele, comprovadamente, é o que melhor resposta dá para aprimorar a mobilidade urbana, além de ser o que melhor faz uso do solo e o menos prejudicial ao ambiente”, finalizou o consultor.
Fonte - ABIFER  06/06/2014

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Metroviários de SP decidem permanecer em greve

São Paulo

O maior entrave da negociação é o índice de reajuste. O sindicato dos metroviários pedia, inicialmente, 35,47% de aumento. O valor foi então reduzido para 16,5% e então, na última audiência, para 12,2%. O Metrô ofereceu 5,2%; 7,98% e, finalmente, 8,7%.

Bruno Bocchini 
Repórter da Agência Brasil 
foto - EBC
Em assembleia da categoria, os metroviários de São Paulo decidiram na noite de hoje (6) dar continuidade à greve, iniciada na quinta-feira (5). A paralisação deverá perdurar, pelo menos, até o próximo domingo, quando está marcado o julgamento do dissídio da greve, às 10h, no Tribunal Regional do Trabalho (TRT). Até lá, não há mais audiências de conciliação agendadas. Segundo o TRT, independente do resultado do julgamento, os metroviários deverão voltar ao trabalho logo após a sessão.
A Companhia do Metropolitano (Metrô) manteve hoje, em audiência no TRT, sua última proposta de reajuste salarial aos metroviários, de 8,7%, apresentada ontem. Os mediadores do tribunal chegaram a propor que a empresa apresentasse um aumento de, ao menos, 9%. O Metrô, no entanto, não aceitou.
Os mediadores propuseram então que fosse dado um aumento de 8,8%, e que a participação nos lucros e resultados fosse dividida igualmente entre os empregados, uma das reivindicações dos grevistas. A empresa negou novamente.
Os metroviários afirmaram, no início da sessão, que poderiam diminuir o pedido de reajuste, de 12,2%, apresentado ontem, desde que houvesse avanço na proposta da empresa. Foi a quinta reunião de conciliação entre as partes que terminou sem acordo.
O maior entrave da negociação é o índice de reajuste. O sindicato dos metroviários pedia, inicialmente, 35,47% de aumento. O valor foi então reduzido para 16,5% e então, na última audiência, para 12,2%. O Metrô ofereceu 5,2%; 7,98% e, finalmente, 8,7%.
Como alternativa à greve, os metroviários propuseram, novamente, a abertura das catracas à população e o desconto do dia de trabalho dos funcionários. A empresa, no entanto, negou, alegando que o Metrô não pode abrir mão da receita, por se tratar de recursos públicos. Para tanto, segundo o Metrô, seria necessário um processo legislativo.
Por decisão da Justiça, 100% os metroviários estão obrigados a, mesmo em greve, trabalhar nos horários de pico e 70% nos demais períodos. A decisão é questionada pelos trabalhadores.
O Metrô informou que o número de pessoas transportadas ontem foi o equivalente a 25% do que é registrado em um dia normal.
Fonte - Agência Brasil  06/06/2014

Governo do Ceará rompe contrato com consórcio da obra do VLT

Fortaleza

Rompimento foi motivada após inúmeras notificações de atraso da obra. Com a dissolução do contrato, uma multa será aplicada ao consórcio.

 G1

O governador Cid Gomes rompeu o contrato com o Consórcio CPE-VLT Fortaleza, responsável pela execução da obra, integrante do pacote de projetos de mobilidade para a Copa do Mundo. A decisão publicada em 27 de maio ocorreu após notificações de atraso feitas pela Secretaria de Infraestrutura às empresas em questão.
Em maio, a Seinfra admitiu que a obra não ficaria pronta até a Copa do Mundo. O prazo estipulado era junho de 2014.
Com a dissolução do contrato, uma multa será aplicada ao consórcio. O Governo do Estado assumirá a obra para preservar o que já foi realizado. A proteção dos canteiros será feita com gradis e postos de vigilância serão colocados ao longo da obra para a locomoção dos pedestres pelos trechos em construção.
A Secretaria de Infraestrutura do Estado do Ceará (Seinfra) informou ainda que adotará o Regime Diferenciado de Concorrência (RDC) para a conclusão da obra. O RDC foi escolhido por ser a modalidade licitatória mais rápida e por estar prevista no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), ao qual o VLT está inserido. Todo o processo de distrato e notificação do consórcio estão previstos na Lei das Licitações (nº 8.666).
O ramal do VLT terá 12,7 km de extensão em via dupla – 11,3 km em superfície e 1,4 km em elevado – e cruzará 22 bairros, fazendo conexão entre a estação Parangaba e o porto do Mucuripe.
Em nota, a Seinfra informou em maio que a obra tida como um dos principais legados do Mundial em Fortaleza tornou-se uma “uma tarefa difícil, que demandou vários setores do governo estadual”. Ainda segundo o órgão, as paralisações dos operários também comprometeram o cronograma. Em dezembro de 2013, um levantamento do G1 mostrou que 75% das obras de mobilidade para a Copa estavam atrasadas ou tinham sido descartadas.
O Governo do Estado não informou o novo prazo de conclusão das obras. “Neste momento, o Governo estuda as decisões a serem tomadas, no sentido de preservar o que já foi feito e garantir a entrega total da obra no menor tempo possível', disse o comunicado.

Desapropriações
Um dos maiores problemas enfrentados pelo Governo do Estado foram as desapropriações em comunidades que resistiram à saída. A Defensoria Pública afirma que cinco mil famílias serão afetadas com as obras do VLT em Fortaleza. O órgão e o Ministério Público Federal entraram com ações para questionar as desapropriações, despejos e o projeto da obra. A Seinfra afirma que cerca de 2.200 desapropriações são necessárias, número que anteriormente já foi de 3 mil.
Fonte - STEFZS   06/06/2014

Exército recebe lançadores de foguetes produzidos no país

Defesa

Foguetes lançados pelo Astros MK6 têm alcance de 300 km - As viaturas Astros versão MK6 ficarão em Formosa (GO)

Ivan Richard
Repórter da Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Desenvolvidas com tecnologia nacional, as primeiras nove viaturas lançadoras de foguetes Astros MK6 foram entregues hoje (6) ao Exército. Capazes de lançar mísseis e foguetes táticos e teleguiados, com precisão e alcance de 300 quilômetros, os veículos poderão ser usados na proteção das fronteiras do país. Foram encomendadas 50 viaturas.
De acordo com o ministro da Defesa, Celso Amorim, a entrega das viaturas faz parte do processo de modernização do aparato militar. “Apesar de todas as dificuldades que o país vive, dentro de um contexto mundial complexo, estamos dando passos firmes”, disse Amorim.
“Estamos orgulhosos de ter uma indústria de defesa capaz de produzir os meios para a nossa própria proteção. Isso nos faz sentir mais protegidos dentro de um mundo que ainda é muito marcado por incertezas, em que a nossa estratégia tem que levar em conta, necessariamente, o elemento de dissuasão”, acrescentou o ministro.
Segundo o general do Exército, José Júlio Dias Barreto, gerente do Projeto Estratégico Astros 2020, os equipamentos entregues hoje formam a primeira bateria de mísseis e foguetes do Exército brasileiro. “Ela é composta por uma viatura de posto de comando e controle, uma meteorológica, seis lançadoras, com capacidade de disparar toda a família de foguetes [fabricados no país] - mais o míssil tático de cruzeiro, que ainda está em desenvolvimento -, além de uma viatura remuniciadora.”
Barreto ressaltou a importância de o país ter a capacidade de desenvolver e produzir o próprio arsenal de defesa. “Se comprássemos mísseis e foguetes de fora, íamos ficar na dependência bélica estrangeira. No dia que precisássemos nos defender contra uma agressão externa, a história mostra que isso corta o apoio a quem compra. Então, a decisão da Estratégia Nacional de Defesa é que tenhamos a produção nacional para obtermos a capacidade de dissuasão extra-regional”, argumentou.
Marcelo Camargo/Agência Brasil
O presidente da Avibras Indústria Aeroespacial, Sami Youssef Hassuani, empresa responsável por desenvolver o armamento em conjunto com o Exército, disse que os equipamentos podem ser exportados, fortalecendo a indústria bélica nacional.
“Na parte de artilharia, o Brasil lidera [o mercado], o que não acontece com os caças [aviões], por isso o Brasil importa a tecnologia industrial. Mas, na área em que a Avibras atua, o Brasil é líder. Desenvolvemos e temos a capacidade de exportar. Hoje, a gente exporta 50% da produção”, disse.
As viaturas integrarão o 6º Grupo de Lançadores Múltiplus de Foguetes, em Formosa (GO).
Fonte - Agência Brasil  06/06/2014

Dilma diz que pretende manter "ambiente favorável"

Economia

"Vai ser necessário implantar novas medidas para potencializar o investimento", anunciou. Ela defendeu a promoção do mercado privado de crédito de longo prazo e o desenvolvimento de instrumentos de garantia a projetos de grande vulto. Citou, por exemplo, o modelo pelo qual o próprio investimento seja considerado uma garantia, em estudo no Ministério da Fazenda.

Valor Econômico
foto - ilustração
Em sua fala ao pleno do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), que durou 55 minutos,
a presidente Dilma Rousseff fez um extenso arrazoado para afirmar que não se investia em planejamento e grandes obras de infraestrutura nos governos anteriores ao seu e ao do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Falando em "olhar para o futuro", Dilma apontou diretrizes que considera relevantes para o país. "Pretendemos continuar criando ambiente favorável para os investimentos, para aumentar a competitividade do país, o país precisa disso", afirmou.
"Vai ser necessário implantar novas medidas para potencializar o investimento", anunciou. Ela defendeu a promoção do mercado privado de crédito de longo prazo e o desenvolvimento de instrumentos de garantia a projetos de grande vulto. Citou, por exemplo, o modelo pelo qual o próprio investimento seja considerado uma garantia, em estudo no Ministério da Fazenda.
Na área de logística, Dilma afirmou que será preciso regularizar o marco regulatório da cabotagem e ampliar investimentos nos modais ferroviário e hidroviário. Ainda nesta seara, afirmou que é preciso continuar investindo em rodovias. Ela citou que seu governo redefiniu o modelo de concessão de rodovias, que agora exige investimento em duplicação, em melhoria integral, redefinição de percurso e modernização. Disse que em seu governo foram concedidos 5.348 km de rodovias.
Na área de energia, a presidente defendeu que é preciso ampliar os investimentos em geração e transmissão "para garantir a segurança do abastecimento e a modicidade tarifária". Na modalidade urbana, sustentou o foco em metrôs, Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs) e BRTs, os ônibus articulados.
Ela admitiu que é necessário "aumentar a cobertura de saneamento do Brasil", reconhecendo que a área coberta atualmente é pequena. Ainda na área de infraestrutura, Dilma afirmou que é preciso aproveitar as duas grandes bacias hidrográficas brasileiras, para fazer dos rios "as nossas estradas".
A presidente defendeu que no setor de petróleo e gás, é preciso olhá-lo como uma grande cadeia e não apenas só exploração. "Uma das coisas importantes que fizemos foi a ressurreição da indústria naval, passamos a ser a quarta indústria naval do mundo, construíamos 18 estaleiros", enumerou.
Na área de educação e ensino técnico, Dilma anunciou que na próxima semana o ministro da Educação, José Henrique Paim, divulgará as diretrizes do Pronatec 2.0, continuação do programa atual de cursos gratuitos de qualificação técnica e uma nova etapa do "Ciência sem Fronteiras", que distribui bolsas no exterior.
Dilma também afirmou que lançará a terceira etapa do programa Minha Casa, Minha Vida, com meta de contratar 3 milhões de moradias. Sugeriu que esse número pode chegar a 4 milhões - "um milhão por ano" - se repetir o ritmo da etapa atual do programa, que contratou 2,750 milhões de casas. Ressalvou que a meta "realista" são 3 milhões. Seu adversário, o ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), prometeu manter o programa e contratar 4 milhões de moradias.
Dilma fez um longo arrazoado para afirmar que o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 1 e 2, somados ao programa de investimentos em logística, permitiram um "acúmulo de experiências e conhecimento" para construção de grandes obras estruturantes no Brasil. Destacou que, desde os anos 80 e 90, com a crise da dívida e a dívida fiscal, não se fazia grandes investimentos nem se planejava grandes projetos no país. "Retomamos o planejamento em 2007 com o PAC e começamos a fazer investimentos no país num quadro de carências", afirmou.
A presidente concluiu o discurso citando o economista francês Thomas Piketty, que afirmou que a desigualdade social cresceu em todo o mundo a partir da década de 70. Segundo Dilma, o Brasil não se enquadra nesse estudo, porque reduziu a desigualdade social nos últimos anos. "Estamos na contracorrente", afirmou.
Ela defendeu que o caminho para o Brasil ingressar na sociedade do conhecimento é ampliar os investimentos em educação, em infraestrutura e no combate à pobreza.
Sobre as manifestações violentas ocorridas em São Paulo nesta quinta-feira em consequência da greve no Metrô, a presidente disse ser "lamentável".
Fonte - Revista Ferroviária  05/06/2014

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Congresso promulga Emenda Constitucional do Trabalho Escravo

Política

Sessão do Congresso para a Promulgação da Emenda Constitucional do Trabalho Escravo - O dispositivo diz que comete o crime quem submete o empregado a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva, a condições degradantes de trabalho, quer restringindo, por qualquer meio, sua locomoção em razão de dívida contraída com o empregador ou preposto

Ivan Richard
Repórter da Agência Brasil
Wilson Dias/Agência Brasil
Na cerimônia de promulgação da Emenda Constitucional 81/2014, que prevê a expropriação de imóveis nos quais for comprovada a exploração de trabalho escravo, defensores dos direitos humanos reivindicaram que o conceito de trabalho escravo, que constará da regulamentação do texto, não seja descaracterizado.
Para o movimento, deve ser mantido o conceito de trabalho análogo à escravidão do Artigo 149 do Código Penal. O dispositivo diz que comete o crime quem submete o empregado a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva, a condições degradantes de trabalho, quer restringindo, por qualquer meio, sua locomoção em razão de dívida contraída com o empregador ou preposto.
Parlamentares ligados ao agronegócio questionam o dispositivo e querem uma definição mais clara do conceito de trabalho escravo. Para eles, é necessário, por exemplo, definir exatamente o que poderia ser considerado como jornada exaustiva.
Da tribuna do Senado, a atriz Leticia Sabatella leu uma carta do Movimento Humanos Direitos em que pede o “fim da barbárie” existente no país. “É hora de abolir de vez essa vergonha, senhores congressistas. Com a manutenção do conceito de trabalho escravo como ele é hoje, vocês se tornam parte da história e, certamente, serão lembrados pelas futuras gerações, pois tiveram a coragem de garantir dignidade ao trabalhador brasileiro. Esse sim será um golaço histórico pré-Copa do Mundo”, disse a atriz.
O presidente do Congresso, senador Renan Calheiros, disse esperar que o combate ao crime seja mais eficaz. “Com a esperança de que com a modificação em nossa Constituição possa, senão eliminar, pelo menos reduzir consideravelmente essa prática criminosa, é que promulgamos a emenda constitucional que dá nova redação ao Artigo 243 da nossa Carta Magna”, discursou Calheiros.
“Esse prática odiosa não pertence mais à nossa vida cotidiana. A escravidão que combatemos não é mais institucionalizada, escancarada, aberta aos olhos de todo, mas nem por isso é menos cruel e execrada. A que persiste é insidiosa, encoberta e disfarçada”, disse o presidente do Congresso.
A cerimônia de promulgação foi acompanhada por artistas, como a cantora Alcione, juristas, e defensores dos direitos humanos.
Fonte - Agência Brasil  05/06/2014

Governador J.Wagner anda de metrô em viagem teste antes de inauguração

Transportes sobre trilhos

Wagner anda de metrô em viagem teste antes de inauguração - Essa é a primeira vez que ele anda no metrô.Wagner e os secretários estaduais participam de uma apresentação do equipamento para a imprensa.

A Tarde
Da Redação
Divulgação | Secom
O governador Jaques Wagner andou no metrô de Salvador em uma viagem teste na manhã desta quinta-feira, 5. O equipamento será inaugurado no próximo dia 11. Essa é a primeira vez que ele anda no metrô.
Wagner e os secretários estaduais participam de uma apresentação do equipamento para a imprensa. Durante o evento, a comitiva circulou entre a estação do Acesso Norte até a do Campo da Pólvora.
O trajeto foi tranquilo e sem intercorrências. O equipamento está climatizado e com aparência de novo, apesar dos trens terem sido entregues há um ano e meio. Para inauguração, o metrô passou por manutenção.
Não houve paradas durante a viagem feita pela comitiva de Wagner.
"É uma alegria muito grande, uma sensação de dever cumprido ver o metrô, que assumimos em maio passado, em operação quase um ano depois. A partir de agora, vamos entrar nesse processo de operação assistida. A população, que ainda não tem o hábito de usar esse meio de transporte, vai se acostumar com o tempo. Os funcionários e operadores também, o dia-a-dia é sempre diferente da operação assistida", disse Wagner.


Operação assistida
Quando for inaugurado, no próximo dia 11, o metrô vai operar por um trecho de 7,3 km entre a Lapa e Retiro, com paradas em Brotas, Campo da Pólvora e Acesso Norte. Quatro trens com quatro carros cada um vão circular.
Durante a operação assistida, o metrô vai funcionar de segunda a sexta em horários específicos (veja abaixo). Nessa fase, que segue até 15 de setembro, a capacidade máxima de passageiros por trem é de 200 passageiros sentados e 800 em pé. O intervalo previsto para a saída de trens é de 10 minutos


cabine do trem - foto A Tarde
interior do trem  - foto A Tarde






nova pintura - foto A Tarde


visita do Governador - foto A Tarde










Fonte - A Tarde  05/06/2014

Aécio, sem vice, é motivo de piada no anedotário político nacional

Política

José Serra já avisou que não quer ser vice de Aécio - O próprio Serra descarta, terminantemente, o posto de vice do oponente interno na legenda. Avisou que prefere ser a deputado ou a senador. Sem uma opção apresentada ao público, até agora, para a candidatura à Vice-presidência, Neves vira motivo de piada na crônica política brasileira.

Por Redação - CB

Pré-candidato tucano à Presidência da República, o senador Aécio Neves (MG) segue, até agora, a mesma trilha de seu antecessor, José Serra, na tentativa de encontrar alguém para chamar de vice, e que o acompanhe na tentativa de chegar ao Palácio do Planalto, em outubro deste ano. Serra conseguiu que fosse escolhido o nome de última hora, do empresário Antonio Pedro Indio da Costa, que lhe rendeu algumas situações embaraçosas durante a campanha. O próprio Serra descarta, terminantemente, o posto de vice do oponente interno na legenda. Avisou que prefere ser a deputado ou a senador. Sem uma opção apresentada ao público, até agora, para a candidatura à Vice-presidência, Neves vira motivo de piada na crônica política brasileira.
Há também a pressão para que o futuro candidato tucano escolha de vice um goiano. Ronaldo Caiado e Henrique Meirelles chegaram a ser citados por correligionários, junto com o governador daquele Estado, Marconi Perillo. Caiado, identificado com o agronegócio e a ultradireita, peca por não ser um nome reconhecido nacionalmente, a não ser por suas opiniões extravagantes. Não consegue ser consenso nem mesmo em Goiás. O DEM, partido a que pertence, tende a desaparecer nas próximas eleições e, em território goiano, não consegue esconder suas fragilidades, principalmente, por causa do envolvimento com o bicheiro Carlinhos Cachoeira.
Já Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central durante os oito anos do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que hoje integra o PSD, não tem expressão política e mais: o PSD fechou, em termos de candidato a presidente, com a reeleição de Dilma Rousseff. Para Gilberto Kassab, presidente nacional do PSD, que teve seus direitos políticos cassados por três anos, uma possível aliança com os tucanos seria restrita a São Paulo, mas sequer cogita ter o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles como candidato a vice de Aécio Neves.
– É impossível. Só de admitir essa possibilidade já fica chato, porque ela realmente não existe – descarta Kassab.
A Justiça Eleitoral condenou o ex-prefeito de São Paulo à perda dos direitos políticos e ao pagamento de multa por entender que ele violou a lei, ao tirar recursos para quitação de precatórios e usar as verbas para outras finalidades da prefeitura paulistana. Além da perda dos direitos políticos, Kassab foi condenado ao pagamento de multa correspondente a 30 vezes o valor salário do prefeito no último mês do exercício de 2006. Cabe recurso contra a decisão. A sentença não enquadra uma possível candidatura de Kassab na Lei da Ficha Limpa porque é de primeira instância e o juiz não apontou enriquecimento ilícito do ex-prefeito no caso.
Os precatórios são dívidas do governo que, após serem reconhecidas pela Justiça, devem ser pagas pelas administrações de acordo com regras gerais. As verbas devidas a servidores após disputas judiciais com o Executivo são exemplos de precatórios. Segundo a decisão do juiz da 7ª Vara da Fazenda Pública da Capital Evandro Carlos de Oliveira, quando o orçamento de 2006 da Prefeitura de São Paulo foi aprovado havia previsão de gasto de R$ 240 milhões para o pagamento de precatórios. Porém, posteriormente Kassab editou decretos que levaram à quitação de apenas R$ 120 milhões em 2006, o que violou a legislação, de acordo com a sentença do magistrado.

Comédia
No anedotário político, porém, o ex-atacante da seleção brasileira Ronaldo (Fenômeno) Nazário seria o candidato perfeito para Neves. “Ronaldo Fenômeno, maior artilheiro de todas as Copas e empresário bem sucedido, pode ser acusado de tudo, menos de ser um idiota, como o chamou o escritor Paulo Coelho, que estava a seu lado, entre outras autoridades e celebridades, quando o Brasil foi escolhido para sediar a Copa do Mundo de 2014. Ao contrário, o ex-jogador do Corinthians e da seleção sempre foi muito esperto nos negócios e não rasga dinheiro, um exímio surfista em busca de uma boa onda, sem dar muita bola para compromissos e princípios éticos, um verdadeiro fenômeno empresarial”, afirmou em sua coluna semanal o cronista Ricardo Kotscho.
“Quando aceitou ser membro do Comitê Organizador Local, em 2007, uma das tarefas de Ronaldo era exatamente a de defender a Copa no Brasil e responder críticas à organização do evento. Só que, logo em seguida, ele sumiu do noticiário, mudou-se para Londres, onde foi cuidar dos seus negócios, e esqueceu a tarefa que havia assumido. Até aí, seria apenas mais um cartola omisso e leniente, preocupado mais em faturar como garoto propaganda do que em servir ao futebol brasileiro que lhe deu fama e fortuna. Depois de embolsar uma bela grana com comerciais alusivos à Copa do Mundo, eis que ele ressurge em grande estilo no Brasil, ganhando novamente as manchetes ao papaguear as críticas da grande mídia à organização, na qual o COL tem um papel importante. Ronaldo foi além e desceu o pau no atraso das obras dos estádios e da mobilidade urbana. Como se não tivesse nada com isso, apenas um turista inglês de passagem pelo Brasil, falou mal dos aeroportos e de todo o resto, dizendo que sentia vergonha de tudo”, prosseguiu.
Vergonha de Ronaldo sentimos nós ao constatar que não fez nada de graça, nem isso: na verdade, estava fazendo política rasteira para desgastar o governo e iniciar uma campanha a favor do candidato que apoia, o tucano Aécio Neves, seu amigo, como fez questão de registrar em seuFacebook, chamando-o de futuro presidente. Com a maior cara de pau, logo deu início à sua nova tarefa de cabo eleitoral: ‘Sempre tivemos uma amizade muito forte e agora vou apoiá-lo. É meu amigo, confio nele e acho que é uma ótima opção para mudar o nosso país’. Foi mais longe: afirmou que, como empresário, diz que desistiu de investir no Brasil no próximo ano por estar inseguro. ‘Essa insegurança que estamos vivendo, essa instabilidade, a revolta do povo… O governo deveria tranquilizar o povo, o setor empresarial”, acrescentou.
“Se com sua ficha extracampo Ronaldo vai agregar ou tirar votos do tucano, é outro problema. E se o nome dele for aprovado nas pesquisas internas do PSDB? Fica a sugestão. A campanha eleitoral ficaria pelo menos mais divertida e festiva”, conclui Kotscho.
Fonte - Correio do Brasil  05/06/2014

Brasil é principal exemplo de sucesso na redução do desmatamento, aponta ONU

Meio Ambiente

De acordo com o principal autor do trabalho, Doug Boucher, o caso brasileiro mostra que o desenvolvimento econômico não é prejudicado pela redução do desmatamento. “Por exemplo, as indústrias de soja e de carne bovina no Brasil prosperaram apesar das moratórias evitando o desmatamento”.

Danilo Macedo 
Repórter da Agência Brasil 

Um relatório divulgado hoje (5) na reunião da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre mudanças climáticas, destacou o Brasil como exemplo de sucesso na redução do desmatamento e das emissões de gases de efeito estufa. Produzido pela Union of Concerned Scientists (UCS), com sede nos Estados Unidos, o documento intitulado Histórias de Sucesso no Âmbito do Desmatamento: Nações Tropicais Onde as Políticas de Proteção e Reflorestamento Deram Resultado traz um capítulo dedicado ao Brasil, apresentado como o país que fez as maiores reduções no desmatamento e nas emissões em todo o mundo.
Dezesseis países da África, América Latina e Ásia também são citados como exemplos de sucesso na proteção às florestas. O relatório indica que o governo brasileiro reduziu o desmatamento na Amazônia, a maior floresta tropical do mundo, por meio da criação de áreas de proteção ambiental a partir da segunda metade da década de 1990, com grande intensificação neste século, e as moratórias acordadas com empresas privadas sobre a compra de soja e carne de áreas desmatadas. “As mudanças na Amazônia brasileira na década passada e a sua contribuição para atrasar o aquecimento global não têm precedentes”, diz o documento.
De acordo com o principal autor do trabalho, Doug Boucher, o caso brasileiro mostra que o desenvolvimento econômico não é prejudicado pela redução do desmatamento. “Por exemplo, as indústrias de soja e de carne bovina no Brasil prosperaram apesar das moratórias evitando o desmatamento”. O relatório avalia que a derrubada da floresta, “vista no século 20 como algo necessário para o desenvolvimento e uma reflexão do direito do Brasil de controlar seu território, passou a ser vista como uma destruição de recursos devastadora e exploradora daquilo que constituía o patrimônio de todos os brasileiros”.
O estudo destaca o papel desempenhado pelas reservas indígenas na conservação da Floresta Amazônica, iniciativas estaduais e a ação de promotores públicos de Justiça, “um braço independente do governo, separado do Poder Executivo e Legislativo, e com poderes para processar os responsáveis pela violação da lei”. Também é citado o apoio internacional, como o acordo celebrado com a Noruega, que já repassou US$ 670 milhões em compensação pelas reduções das emissões. O documento é considerado de natureza não apenas financeira, mas também política e simbólica, mostrando o compromisso em apoiar os esforços dos países tropicais.
Em relação ao futuro, no entanto, o relatório informa que duas mudanças em 2013 levantaram dúvidas sobre a continuidade do sucesso do país na área climática: as emendas ao Código Florestal Brasileiro que anistiam desmatamentos anteriores e o aumento de 28% na taxa de desmatamento entre 2012-2013 na comparação com o período 2011-2012. A avaliação do documento é que ainda é muito cedo para prever se este crescimento será uma tendência, mas ressalta que, embora o desmatamento tenha aumentado 28% no ano passado, em relação a 2012, ele foi 9% menor ao registrado em 2011 e 70% inferior à media entre 1996 e 2005.
“O Brasil inscreveu seu plano para reduzir o desmatamento em 80% em 2020 na lei nacional, mas para que haja um progresso continuado será necessário redobrar os esforços para reduzir as emissões” afirma o documento. “Nesse meio tempo, a redução do desmatamento da Amazônia já trouxe uma grande contribuição no combate à mudança climática, mais do que qualquer outro país na Terra”, finaliza.
Fonte - Agência Brasil  05/06/2014

Novo porto de Salvador pode receber até 8 grandes navios ao mesmo tempo

Salvador

Para a construção do novo terminal, foram investidos R$ 36 milhões - Segundo o presidente da Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba), José Rebouças, o novo Porto tem capacidade para receber até oito grandes navios ao mesmo tempo e conta com toda estrutura necessária que vai desde a Polícia Federal integrada com a Receita Federal ao processo de receptivo com a Bahiatursa.

Amanda Santana - TB
Foto: Francisco Galvão / Tribuna da Bahia
Com cerca de 95% das obras concluídas, o novo Terminal Turístico Marítimo de Passageiros do Porto de Salvador recebeu mais de quatro mil turistas na manhã de ontem, momento em que desembarcavam do navio MSC Divina para um passeio pela capital baiana.
Os passageiros que partiram de Miami, no dia 19 de maio, tendo como destino final o Porto de Santos, incluindo escalas no Caribe, foram recebidos pelas tradicionais baianas, responsáveis por dar as boas-vindas aos turistas, distribuindo sorrisos e fitinhas do Senhor do Bonfim.
Segundo o presidente da Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba), José Rebouças, o novo Porto tem capacidade para receber até oito grandes navios ao mesmo tempo e conta com toda estrutura necessária que vai desde a Polícia Federal integrada com a Receita Federal ao processo de receptivo com a Bahiatursa.
Objetivando testar o funcionamento do local, antes mesmo da inauguração, órgãos federais de fiscalização e de segurança realizaram os procedimentos em solo e também na embarcação. Rebouças também esteve no local na manhã de ontem e conferiu de perto o trabalho e a estrutura necessária para atender aos turistas e baianos que passarão pelo local.
“O novo Porto, além de um equipamento moderno não deixa nada a desejar aos clientes em local algum do mundo. Esse é um terminal de passageiros cujo equipamento tem condições de atender “em trânsito” mais de 20 mil pessoas por dia. Resumo que todos os passageiros, sejam eles do Estado ou de fora, estão bem servidos e com certeza se sentirão satisfeitos com o que verá”, assegurou.
Para a construção do novo terminal, foram investidos R$ 36 milhões por parte do Governo Federal, através da Secretaria Especial dos Portos, em parceria com a Prefeitura de Salvador, que elaborou o projeto básico e o governo do Estado, responsável pelo projeto executivo de engenharia.
O Terminal ocupa uma área total de 11 mil m2, dos quais 7.680 m2 de área construída, inclui uma esplanada com 3 milm2 que vai descortinar para Avenida da França, o mar da Baía de Todos os Santos, com a vista do Forte de São Marcelo.
Desembarcando na capital baiana pela segunda vez, a turista de São Paulo, Áurea Gaudielei, ficou surpresa com a modernidade, melhora e organização do novo Porto. Para ela, o terminal está no padrão e à altura de muitos por onde já passou e pronto para “fazer bonito aos seus visitantes”. Assim como a aposentada, a advogada paulista, Lígia Buonno, acredita que com o resultado final trará grandes surpresas aos passageiros.
“As obras estão em andamento e tudo já está perfeito. Se continuar assim, o turismo da Bahia já começará a agradar só de passar pelo Porto Marítimo de Salvador. Está muito interessante, grande, ventilado, confortável e atendendo as nossas necessidades”, disse.
Embora a operação, também para a Copa do Mundo FIFA 2014, tenha iniciado ontem - ainda em fase de testes - a inauguração oficial do novo Terminal Marítimo de Passageiros será marcada posteriormente pelo Governo Federal.
Fonte - Tribuna da Bahia  05/06/2014

Greve dos metroviários: duas das cinco linhas do Metrô de SP operam normalmente

São Paulo

Os metroviários pedem um reajuste de 16%, mas até o momento o governo oferece 8,7%. “Iniciamos pedindo 35%, que é a inflação dos últimos 12 meses [7,5%] e os três anos de produtividade, calculado pelo Dieese, pelo aumento dos usuários do metrô”, explicou o secretário-geral do Sindicato dos Metroviários, Alex Fernandes.

Camila Maciel
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
Duas das cinco linhas do Metrô de São Paulo estão funcionando normalmente na manhã de hoje (5), apesar da greve dos metroviários, informou a companhia. As demais linhas operam parcialmente. Segundo o Sindicato dos Metroviários, a circulação parcial está sendo possível porque supervisores foram convocados para operar os trens. O sindicato também avalia, no entanto, que isso pode colocar em risco a segurança dos passageiros, pois os supervisores não estão preparados para desempenhar a atividade. A companhia Metrô de São Paulo informou, no entanto, que a operação está sendo feita por trabalhadores que não aderiram ao movimento.
Os metroviários pedem um reajuste de 16%, mas até o momento o governo oferece 8,7%. “Iniciamos pedindo 35%, que é a inflação dos últimos 12 meses [7,5%] e os três anos de produtividade, calculado pelo Dieese, pelo aumento dos usuários do metrô”, explicou o secretário-geral do Sindicato dos Metroviários, Alex Fernandes. Ele destacou que a categoria reduziu a proposta para 16%, considerando apenas a produtividade de um ano, mas que ainda assim, não houve avanço na negociação.
A Linha 4 – Amarela, que liga bairros da zona oeste ao centro, é administrada pela Via Quatro, por meio do regime de concessão e por isso não houve paralisação. Os trens da Linha 5 – Lilás, que ligam bairros da zona sul, também circulam em todas as estações. A Linha 1 – Azul, que opera da zona norte à zona sul, funciona entre as estações Ana Rosa e Luz. A Linha 2 – Verde, que vai da zona oeste à sul, opera entre as estações Ana Rosa e Clínicas. Os trens da Linha 3 – Vermelha, que servem aos moradores da zona leste, circulam apenas entre as estações Bresser e Santa Cecília, o que representa menos de um terço do itinerário.
Fernandes declarou que a adesão chega a 98% da categoria e só não é completa, porque supervisores assumiram as atividades. “Quem votou na assembleia pela paralisação, está de braços cruzados”, apontou. Ele destacou que, até o momento, não houve tentativa de negociação por parte do governo estadual. “O que temos é uma audiência no TRT [Tribunal Regional do Trabalho]. Desde a semana passada, a empresa já provocou a Justiça. A categoria não quer negociar com a amarra do tribunal”, criticou.
O TRT determinou que o sistema de transporte opere 100% no horário de pico (das 6h às 9h e das 16h às 19h). Ou seja, que garanta o funcionamento total no horário de maior movimento das linhas, e o funcionamento de 70% nos demais horários, sob risco de multa diária de R$ 100 mil. O sindicato informou que o cumprimento da decisão judicial vai ser debatido entre os trabalhadores em assembleia prevista para as 17h de hoje na sede do sindicato, no Tatuapé.
O fechamento de estações do metrô prejudicou o funcionamento da Linha 11 da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Na estação Corinthians – Itaquera, houve tumulto porque os passageiros que pegariam o trem foram impedidos de entrar. A CPTM informou que às 7h40 as portas foram abertas e a linha circula normalmente. A companhia estendeu a operação da Linha 7, que vai até a Barra Funda, na região central, até o Brás. As transferências entre metrô e trem ocorrem nas estações Santo Amaro, Pinheiros, Brás e Luz.
A São Paulo Transportes (SPTrans), empresa municipal responsável pela operação dos ônibus, reforçou a frota das linhas que operam com destino às estações de metrô. Além disso, criou três linhas especiais para atender os passageiros que pegariam a Linha 3 – Vermelha, na zona leste.
Fonte - Agência Brasil  05/06/2014

Lagoa dos Pássaros no Stiep está abandonada - Salvador

Meio ambiente

Lagoa está sendo degradada com o tempo - Em 2004, foi criado o Centro de Educação Ambiental Lagoa dos Pássaros, nas proximidades da lagoa. No entanto, o centro foi desativado já no início de 2005. Abandonado, o imóvel foi invadido. Outra solicitação enviada à Secis foi a ocupação e a retomada das atividades do centro.

Rayllanna Lima - TB
Foto: Romildo de Jesus/Tribuna da Bahia
Hoje é o Dia Mundial do Meio Ambiente. Celebrado anualmente desde 1972, quando foi estabelecido pela Assembleia Geral das Nações Unidas, o Dia Mundial do Meio Ambiente cataliza a atenção e ação política de povos e países para aumentar a conscientização e a prevenção ambiental. Temendo que a Lagoa dos Pássaros esteja abandonada para a construção de empreendimentos imobiliários, dois ambientalistas e moradores do bairro Stiep pedem proteção para o local.
A Lagoa dos Pássaros, integrante de um antigo ecossistema de dunas existente entre o Stiep e o Jardim Armação, está sendo degradada com o tempo. “A Lagoa dos Pássaros é o pulmão do Stiep, a maior área verde que temos aqui, e está abandonada. A cada gestão vão tirando um pedaço, e isso não tem volta. A natureza está sendo destruída para a construção de prédios. Temos que preservar o pouco que sobrou”, afirma o morador da região e ambientalista Hendrik Aquino.
De acordo com o também morador da região e ambientalista André Carvalho, a lagoa já está seca. “O que tem agora é só mato. Quando chove muito a lagoa até enche, mas logo a água evapora”, disse.
Ambos os moradores reclamam do descaso dos órgãos públicos, alegando já terem entrado com ação no Ministério Público e, até então, nada ter sido resolvido. A última tentativa foi através do Movimento dos Amigos e Moradores do Stiep, no dia 9 de abril de 2013, quando enviaram um ofício para a Secretaria Cidade Sustentável (Secis), solicitando ações voltadas tanto para a Lagoa dos Pássaros, quanto para a Lagoa dos Frades, localizada nas proximidades do Centro de Convenções, também no Stiep.
A Lagoa dos Pássaros é uma Área de Proteção de Recursos Naturais (APRN) e, entre as solicitações presentes no ofício enviado a Secis, está o cumprimento das diretrizes do inciso XI do artigo 228/Lei nº 7.400/2008. Uma das diretrizes é o desenvolvimento de ações para recuperação ambiental da APRN, de modo a assegurar a recarga da lagoa e a manutenção da sua qualidade hídrica.
Em 2004, foi criado o Centro de Educação Ambiental Lagoa dos Pássaros, nas proximidades da lagoa. No entanto, o centro foi desativado já no início de 2005. Abandonado, o imóvel foi invadido. Outra solicitação enviada à Secis foi a ocupação e a retomada das atividades do centro.
Celebrando esse dia do meio ambiente, Hendrick faz um apelo à população. “As pessoas precisam se informar mais sobre as áreas verdes do seu bairro e fiscalizar. Não adianta achar que só os órgãos públicos têm que resolver. A gente elege alguém, mas temos que fiscalizar, cobrar. As pessoas precisam parar de fazer da lagoa o quintal de casa, e cuidar do que é a nossa vida”, aconselha.
Sobre o ofício enviado pelos moradores, o secretário da Secis, André Fraga, informou que já havia sido feito o contato com a liderança da associação dos moradores, e que aguarda a convocação de uma reunião. “O ideal é a reunião com os moradores para conscientização. Não adianta fazer a limpeza se a comunidade não ajuda a manter. O cuidado não depende só da secretaria. Estou aguardando a convocação dos moradores, para a reunião e, após isso, entrar em contato com os demais órgãos da prefeitura”, explicou.
Fonte - Tribuna da Bahia  05/06/2014

Siemens pode ter fatia de negócio de trens da Alstom

Internacional

Reiterando que a Siemens está sendo "séria" em fazer uma contra-proposta à oferta da norte-americana General Electric, Christophe de Maistre disse ao Le Parisien que a empresa também está disposta a discutir as atividades de sinalização ferroviária

Reuters
foto - ilustração
O grupo de engenharia alemão Siemens manteria uma participação minoritária em qualquer negócio de produção de trens da Alstom se seu plano de comprar a unidade de turbinas de energia da empresa francesa tiver sucesso, disse o chefe da Siemens na França a um jornal do país.
Reiterando que a Siemens está sendo "séria" em fazer uma contra-proposta à oferta da norte-americana General Electric, Christophe de Maistre disse ao Le Parisien que a empresa também está disposta a discutir as atividades de sinalização ferroviária.
Fontes disseram à Reuters em maio que o plano da rival Siemens de comprar a divisão de energia da Alstom daria a empresa francesa seus negócios de trens junto com uma quantia em dinheiro ainda a ser determinada, criando um grupo maior de transporte TGV em trens de alta velocidade.
Esse negócio seria majoritariamente detido pela França e teria sua sede no país, disseram as fontes.
Em sinalização ferroviária, a Siemens poderia comprar os negócios da Alstom, mas definiria a sede da unidade na França, disseram as fontes.
A GE ofereceu 12,35 bilhões de euros (16,8 bilhões de dólares) pela unidade de energia da Alstom em abril, levando a Siemens a iniciar uma oferta rival e o governo francês a aprovar um decreto ampliando seu poder para bloquear acordos em setores estratégicos da indústria.
Nas últimas semanas, tem ocorrido uma série de discussões entre o governo francês e as três empresas, com o ministro da Economia Arnaud Montebourg e o presidente da França François Hollande tentando assegurar concessões sobre empregos e localização de empresas.
Fonte - Revista Ferroviária  05/06/2014

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Dilma mostra a cara do Brasil

Opinião

A democracia participativa nasceu na Grécia - Os reacionários de plantão articulam-se no Congresso para tornar um decreto “ilegal” (como se existissem decretos ilegais; talvez aqueles que ferem os privilégios das elites privilegiadas) que inclui nas novas ações e diretrizes dos órgãos governamentais uma mais próxima e direta participação da população brasileira nas ações

Por João Vicente Goulart 
Diretor do IPG – Instituto João Goulart.

Os sempre contra o povo estão em pé de guerra. O Estadão, segundo seus editores, está propalando que Dilma quer o fim da democracia por decreto.
Os reacionários de plantão articulam-se no Congresso para tornar um decreto “ilegal” (como se existissem decretos ilegais; talvez aqueles que ferem os privilégios das elites privilegiadas) que inclui nas novas ações e diretrizes dos órgãos governamentais uma mais próxima e direta participação da população brasileira nas ações, práticas, diretrizes e dotações orçamentárias do governo na gestão de seus respectivos programas, em todos os seus órgãos e autarquias, a serem aprovados junto com a participação popular, realizados no Brasil através de uma metodologia mais participativa; sem a interferência de corporações, interesses escusos de políticos corruptos, bancadas políticas organizadas em seus próprios interesses ou interesses de seus financiadores.
Trata-se do Decreto Nº 8.243, de 23 de maio do corrente que institui a Política Nacional de Participação Social (PNPS) e o Sistema Nacional da Participação Social, (SNPS). Em seu artigo 1º diz:
“Art. 1º Fica instituída a Política Nacional de Participação Social – PNPS, com o objetivo de fortalecer e articular os mecanismos e as instâncias democráticas de diálogo e a atuação conjunta entre a administração pública federal e a sociedade civil.
Parágrafo único. Na formulação, na execução, no monitoramento e na avaliação de programas e políticas públicas e no aprimoramento da gestão pública serão considerados os objetivos e as diretrizes da PNPS.

Uma nova política de participação
Diz ainda que cria vários instrumentos de ação e coparticipação com a cidadania através da criação e da participação da sociedade civil via a constituição de conselhos de políticas publicas, comissões de políticas publicas, de conferências nacionais, de ouvidorias publicas para saber da opinião do cidadão, de mesas de diálogos a serem estabelecidos com as comunidades e organizações, de audiências publicas para a participação popular no seio da comunidade e colhimento do voto das mesmas; e ainda, da participação virtual dos cidadãos que, hoje, tem já arraigado e conhecido este método chamado internet que, inclusive através dele, já foram feitas consultas de constituintes novas, diretas e participativas como foi realizado na Islândia.
Mas os “pseudo-democratas”, aqui no Brasil estão contra.
Vozes no Congresso se levantam contra, editoriais dos jornalões ficam em pé de guerra contra um esboço de ações governamentais mais participativas. O que eles querem é a democracia representativa, não a participativa onde o povo pode opinar diretamente, querem ser seus representantes até para sonhar com um país mais próximo do povo como quer Dilma. Eles querem até sonhar por nós; pois de nós só precisam do voto uma vez a cada quatro anos, para depois até oferecerem seus pulmões para respirar por nós. Somos é claro uma democracia representativa, mas queremos mais participação direta de nossa população nas questões de gestão e diretrizes exigindo também mais participação, e esta é uma oportunidade para começar.
Os políticos poderiam, nesta hora, pensar um pouco mais em dividir com o povo suas responsabilidades.
Chegam ao extremo de afirmar que este decreto quer mudar o sistema de governo, como se isso fosse possível sem mexer na nossa Constituição, quando, este decreto, apenas dá um primeiro passo rumo a democracia participativa; é um complemento da representativa. O histerismo de algumas redações é tanto que chegam a propalar que a Presidente Dilma não concorda com o sistema representativo brasileiro da Constituição de 1988, em uma fúria que, na verdade, traduz apenas o medo de perder os privilégios de quem tem “como representantes financeiros” nossos parlamentares nos ministérios e autarquias, salvo raras exceções, emanados por este arcaico sistema eleitoral que lhes permitem fazer de nosso parlamento uma agência de interesses particulares de plantão, e ter estes representantes arrumadinhos diante dos interesses dos seus milionários contratos com nossos órgãos públicos. Claro, com “votos representativos” dos milhões e milhões de reais derramados em suas campanhas para servirem aos interesses de quem os financiou.
Isto me lembra de algumas palavras do discurso de Jango, quando propunha reformas estruturais para a Nação e por isto foi derrubado. Dizia ele:
“O que ameaça a Democracia é a fome, é a miséria, é a doença dos que não tem recursos para enfrentá-la. Esses são os males que podem afetar a Democracia, mas nunca o povo na praça pública no uso de seus direitos legítimos e democráticos” João Goulart, 11/03/1964.
Ora, convenhamos que a participação popular dentro dos destinos do orçamento de “seu” dinheiro que vai ser usado pelo “seu” governo é mais do que justo e muito mais ainda democrático em toda sua essência filosófica que define a união de povo e governo.
Ao que parece, os detratores deste decreto o que querem é um elitismo democrático, “a democracia é minha e não tua”, pois em teu nome só eu a exerço.
Queremos sim um regime onde pretendamos criar mecanismos reais e efetivos onde nosso governo possa ser controlado pela sociedade civil, por nós todos brasileiros; eu, tu, o garçom, a lavadeira, o operário, o gari, o desamparado, a prostituta, os doentes, os famintos, os desempregados e toda a sociedade brasileira, inclusive os privilegiados que querem ignorar estes que lhe deram o voto.
Não queremos apenas votar, queremos participar.
Brasil. Mostra a tua cara!!!
Fonte - Correio do Brasil  04/06/2014

Arena Fonte Nova terá melhor rede de Internet da Copa do Mundo no Brasil

Copa 2014

Entre todos os estádios, a Arena Fonte Nova, em Salvador, terá o melhor equipamento com 598 antenas de telefonia e 151 de sinal de internet, interligadas por 18 quilômetros de fibras ópticas além de outras nove antenas externas.

TB
foto - ilustração
A Fifa divulgou ontem a lista com a qualidade da rede WiFi 3g e 4g que serão utilizados nos estádios sedes dos jogos do Mundial de 2014 no Brasil.
Entre todos os estádios, a Arena Fonte Nova, em Salvador, terá o melhor equipamento com 598 antenas de telefonia e 151 de sinal de internet, interligadas por 18 quilômetros de fibras ópticas além de outras nove antenas externas. Em segundo lugar ficou o estádio Mané Garrincha em Brasília, que recebeu 401 antenas de telefonia e 213 de WiFi, além de 17 km de fibra óptica e 10 antenas externas. Além de Salvador e Brasília outros quatro estados (Rio de Janeiro, Porto Alegre, Cuiabá, e Manaus) também terão tecnologias de qualidade.
Mas nem tudo saiu conforme o combinado. Os torcedores de cinco arenas não poderão usufruir do acesso à tecnologia de ponta. As baixas ficaram com as arenas Mineirão, em Belo Horizonte, Arena da Baixada em Curitiba, Arena Castelão em Fortaleza, Arena das Dunas em Natal, a Arena Corinthians, em São Paulo e a Arena Pernambuco, em Recife. As operadoras alegam que não houve acordo com as empresas que administram estes estádios, o que impossibilitou a instalação dos equipamentos.
O investimento total na cobertura de comunicação da Copa do mundo foi de R$ 226 milhões, o que para cada Arena fica em torno de R$ 18,83 milhões por estádio.
Fonte - Tribuna da Bahia  04/06/2014

Sem acordo, metroviários de São Paulo decidem em assembleia se vão parar

São Paulo

De acordo com o presidente do sindicato da categoria, Altino Melo Prazeres Júnior, a categoria não aceitará uma proposta com reajuste inferior a dois dígitos, ou seja, menos de 10%. Os metroviários reivindicam 16,5% de reajuste salarial. “Espero que o governador Geraldo Alckmin pense e, até a hora da assembleia, faça uma proposta possível de aceitarmos. Menos de dois dígitos não dá. Fora isso, há outros fatores a serem negociados.”

Flávia Albuquerque
foto - ilustração
Terminou sem acordo a reunião entre representantes do Sindicato dos Metroviários de São Paulo e representantes do Metrô, apesar de a empresa ter elevado a proposta de reajuste que daria aos trabalhadores para 8,7%. A reunião foi na sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), no centro da capital paulista, e os metroviários saíram do local prometendo greve a partir das 4h ou 5h de amanhã (5). A paralisação ainda será discutida em assembleia às 18h30.
De acordo com o presidente do sindicato da categoria, Altino Melo Prazeres Júnior, a categoria não aceitará uma proposta com reajuste inferior a dois dígitos, ou seja, menos de 10%. Os metroviários reivindicam 16,5% de reajuste salarial. “Espero que o governador Geraldo Alckmin pense e, até a hora da assembleia, faça uma proposta possível de aceitarmos. Menos de dois dígitos não dá. Fora isso, há outros fatores a serem negociados.”
Melo disse ainda que a categoria concordaria em não fazer a greve, caso o governo estadual aceite liberar a catraca. “O governo está colocando que não quer ter prejuízo, mas, de alguma forma, o Metrô vai parar”. Ele alertou que, mesmo com número reduzido de funcionários trabalhando, o Metrô terá problemas. A greve será feita por tempo indeterminado e os trabalhadores farão assembleias todas as noites para decidir a continuidade.
O Sindicato dos Metroviários de São Paulo representa os funcionários do Metrô nas linhas 1, 2, 3 e 5 da capital paulista e aprovou a greve em assembleia no último dia 27. A categoria pretendia trocar a greve por catraca livre, mas o governo estadual rejeitou a ideia.
O presidente do Metrô, Luiz Antonio de Carvalho Pacheco, afirmou, após a reunião, que a companhia não consegue atingir o índice solicitado pelos metroviários. Segundo Pacheco, o reajuste de 8,7%, somado ao dos vales refeição e alimentação, representa um aumento total de 10% a 13%.
“O sindicato quer também outras cláusulas sociais e o Metrô avançou naquilo que é possível avançar. Começamos com uma proposta de 5,2%, elevamos para 7,8% e chegamos a 8,7%. Concordamos em fazer aumento dos vales alimentação e refeição”, destacou Pacheco.
Sobre a possibilidade de liberar as catracas, o presidente da companhia ressaltou que não há sentido em fazer isso porque a bilhetagem é a única fonte de receita do Metrô. Ele disse que a liberação das catracas geraria prejuízo não só para o Metrô, mas também para os funcionários. “O estado de São Paulo investe R$ 5 bilhões por ano na expansão, e o Metrô faz a operação por meio da venda dos bilhetes. Se estamos negociando melhores condições salariais, é um contra senso perder receita”.
No início da manhã, os metroviários fizeram um ato público na Estação Sé e distribuíram panfletos para a população alertando sobre a greve. A Linha 4-Amarela não vai parar porque é representada por um sindicato diferente.
Fonte - Agência Brasil  04/06/2014

Metrô de Salvador será inaugurado com trecho de 7,3 km

Transportes sobre trilhos

Alguns trens e estações precisaram de intervenções devido ao tempo de ociosidade - Neste primeiro momento, o metrô funcionará em velocidade e horários reduzidos. A ideia é que a concessionária que administra o serviço, a CCR Metrô Bahia, utilize esse período para fazer os ajustes necessários ao pleno funcionamento.

Flávia Faria - A Tarde
Divulgação | CCR Metrô Bahia
Foram 15 anos de espera, mas o momento, enfim, chegou. No próximo dia 11, o metrô de Salvador inicia as atividades com a operação assistida. Durante essa fase, que vai até 15 de setembro, os soteropolitanos poderão utilizar os trens de forma gratuita para o trajeto entre as estações do Retiro e da Lapa.
Neste primeiro momento, o metrô funcionará em velocidade e horários reduzidos. A ideia é que a concessionária que administra o serviço, a CCR Metrô Bahia, utilize esse período para fazer os ajustes necessários ao pleno funcionamento.
Nos seis dias de jogos da Copa do Mundo da Fifa em Salvador, porém, o serviço funcionará em regime especial. Nestas ocasiões, cerca de 2 mil torcedores utilizarão os trens para chegar à estação Campo da Pólvora e, de lá, seguir para a Fonte Nova.
Por conta do tempo sem uso, algumas estações precisaram passar por reformas. De acordo com o diretor-presidente da CCR, Harald Peter Zwetkoff, foram necessários alguns reparos básicos como a troca de vidros e lâmpadas, limpeza e pintura.
Também foi preciso adequar os locais para atender às pessoas com deficiência. Além de piso tátil, as estações terão escada rolante e elevador. Os seis trens, por sua vez, passaram por revisões do sistema de freios, portas, propulsão e ar condicionado. Eles chegaram à capital em 2008 e ficaram em galpões durante um ano e meio.
"Os trens foram desmontados e remontados e passaram pelos ajustes necessários para ficarem compatíveis com os 30 novos trens que vão chegar em julho do ano que vem", disse Zwetkoff.

Expansão
Uma das metas estabelecidas no contrato da CCR é a entrega de mais duas estações da linha 1. As paradas Bom Juá e Pirajá devem estar prontas para operação já em 15 de janeiro de 2015.
Existe ainda o projeto de levar o metrô até Águas Claras, de maneira a atender também à população de Cajazeiras. A CCR apresentou uma proposta para o governo, que está discutindo e avaliando essa possibilidade.

Obras seguem na área de influência da av. Luís Eduardo
 (Foto: Mila Cordeiro | Ag. A TARDE)
Já a linha 2, que irá do Acesso Norte ao aeroporto e deve ficar pronta em abril de 2017. As obras serão iniciadas em breve, com o fim do período de sondagem do terreno.
As duas primeiras estações (Detran e Rodoviária), porém, já começam a funcionar em outubro de 2015.
Outras quatro paradas (Pernambués, Imbuí, CAB e Pituaçu) entram em operação em abril de 2016, enquanto Flamboyant, Tamburugy, Bairro da Paz e Mussurunga serão inauguradas em outubro desse mesmo ano.
Por último, a estação aeroporto será finalizada em abril do ano seguinte. Se houver demanda, uma nova parada pode ser construída em Lauro de Freitas.
Na maior parte do percurso, segundo Zwetkoff, o metrô será de superfície, na mesma altura do terreno. Alguns trechos, como Detran-Rodoviária, serão construídos em elevação.
"O metrô não será subterrâneo por uma questão de custo benefício. No canteiro central da Paralela, praticamente não haverá desapropriação. Algumas interferências viárias de alça de retorno precisam ser feitas, mas, mesmo assim, se justifica fazer na superfície", explicou. Com todas as ampliações, o metrô terá 34 km.

Histórico das obras do metrô
1999 - O então prefeito Antônio Imbassahy abre a concorrência pública para construção do metrô
01.2000 - As obras são iniciadas. Nessa época, esperava-se que fosse entregue em 2004 o trecho Lapa-Pirajá
09.2006 - Tribunal de Contas da União pede suspensão de obras do metrô após denúncias de superfaturamento
11.2008 - Primeiros trens chegam a Salvador e são guardados em galpões por um ano e meio
04.2013 - ACM Neto e Jaques Wagner assinam acordo e metrô passa a ser responsabilidade do governo do estado
10.2013 - CCR assina contrato com governo e obras são retomadas após 18 meses de paralisação
11.06.2014 - Início previsto da operação assistida do trecho Lapa- Retiro
Fonte - A Tarde   04/06/2014

Avião decola do Rio com mistura de 4% de bioquerosene

Ciência e Tecnologia

Avião abastecido com bioquerosene, biocombustível de aviação limpo e renovável adicionado ao querosene fóssil - O voo sustentável marca as comemorações da Semana do Meio Ambiente

Vitor Abdala 
Repórter da Agência Brasil
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Um voo da companhia aérea Gol decolou hoje (4) do Aeroporto Santos Dumont, com destino a Brasília, abastecido com bioquerosene. Esse é o primeiro de uma série de 200 voos que a empresa fará até 14 de julho utilizando uma mistura de querosene de aviação com 4% de biocombustível produzido a partir de etanol de milho e óleos e gorduras residuais.
A iniciativa conta com o apoio do Ministério do Meio Ambiente e celebra a Semana do Meio Ambiente. “É a primeira vez que faremos um voo usando uma mistura de 4% de bioquerosene, dando uma contribuição efetiva, para lidar com as emissões associadas ao transporte aéreo”, disse a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.
Ainda não há previsão de quando os aviões brasileiros passarão a operar com bioquerosene, mas um compromisso assinado pelas companhias aéreas de todo o mundo prevê que as emissões de gases do efeito estufa pela aviação comercial caiam pela metade até 2050.
Uma carta de intenções entre o ministério e a Plataforma Brasileira do Bioquerosene foi assinada hoje e busca uma cooperação entre governo e iniciativa privada para promover o uso do combustível e torná-lo mais econômico.
Tânia Rêgo/Agência Brasil
De acordo com o presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), Eduardo Sanowicz, a bioquerosene teria que custar três vezes menos do que custa hoje para tornar-se competitiva com a querosene de aviação tradicional (produzida integralmente com petróleo).
“O biocombustível já é um fato técnico, mas ainda não é um fato econômico. Ele é bastante mais caro do que o combustível fóssil. É preciso haver articulações no sentido de rever políticas tributárias, de criar cadeias de valor, de rever modelos produtivos”, disse Sanowicz.

Apenas nos 200 voos experimentais da Gol, serão utilizados 2 milhões de litros de biocombustível. A empresa espera evitar a emissão de 218 toneladas de dióxido de carbono, o equivalente à absorção de 1.335 árvores.

terça-feira, 3 de junho de 2014

Patrícia Poeta vira piada nas redes depois de gafe no JN

Mídia

Ao lado de Galvão Bueno, apresentadora parece cansada no JN

A Tarde
Da Redação

Patrícia Poeta cometeu gafe no Jornal Nacional desta segunda-feira, 2, e virou alvo de piadas nas redes sociais. A jornalista apresentava o JN, ao vivo de Goiânia, ao lado de Galvão Bueno, e ao retornar, depois dos comerciais, respirou fundo e começou a fazer ruídos com a boca.
A jornalista não percebeu que já estava no ar e a gafe provocou comentários irônicos. No Twitter, o usuário Roberto @Cros_rs escreveu "Patrícia Poeta "bufando" no Jornal Nacional. Eu podia estar pedindo, roubando, mas estou aqui fazendo cara de paisagem".
José Simão (@jose_simao) aproveitou a deixa para fazer piada: "Nem a Patricia Poeta aguenta o Galvão!".

 Veja o vídeo:



Fonte - A Tarde  03/06/2014

Ex-vice-governador do DF permanece preso em Brasília

Política

Deflagrada em novembro do ano passado, a Operação Átrio desvendou um esquema de pagamento de propina para a liberação de alvarás. Na ocasião, a Justiça autorizou a prisão temporária dos administradores das regiões administrativas do DF de Águas Claras, Carlos Sidney de Oliveira, e de Taguatinga, Carlos Alberto Jales.

Ivan Richard 
Repórter da Agência Brasil 
foto - ilustração
Suspeito de participação em um esquema de corrupção de agentes públicos para a concessão de alvarás, investigado pela Polícia Civil do Distrito Federal (DF) na Operação Átrio, o empresário e ex-vice-governador do DF Paulo Octavio (PP) teve o pedido de prisão preventiva decretado ontem (2). Ele foi preso à noite, quando deixava o escritório, localizado no centro de Brasília.
De acordo com o advogado Marcelo Turbay Freiria, que defende Paulo Octavio, como o político tem direito a prisão especial por ser advogado, ele foi levado para o primeiro Batalhão de Trânsito da Polícia Militar. Inicialmente, o ex-vice-governador foi conduzido para a carceragem da Divisão Especial de Repressão ao Crime Organizado (Deco).
Para Freiria, o pedido de prisão é “esdrúxulo” e foi expedido sem os motivos que o justificaram. “Ainda ontem, protocolamos um habeas corpus no plantão judicial, questionando a decretação da prisão e a forma. O que chamou a atenção foi que o pedido de prisão veio desacompanhado da decisão de decretação de prisão. Isso inviabiliza a defesa na tentativa de impugnar, com um habeas corpus, a prisão. Isso seria uma forma de tentar cercear o direito de defesa e dificultar o trabalho dos advogados”, disse o Freiria à Agência Brasil.
Deflagrada em novembro do ano passado, a Operação Átrio desvendou um esquema de pagamento de propina para a liberação de alvarás. Na ocasião, a Justiça autorizou a prisão temporária dos administradores das regiões administrativas do DF de Águas Claras, Carlos Sidney de Oliveira, e de Taguatinga, Carlos Alberto Jales.
Paulo Octavio, segundo a Polícia Civil, teria pago propina para conseguir liberar alvarás para seus empreendimentos. O advogado do ex-vice-governador, no entanto, disse que Paulo Octavio sempre colaborou com as investigações e não haveria motivo para a prisão.
“Essa prisão é despropositada. O inquérito transcorreu com tranqüilidade, o Paulo Octavio esteve à disposição do Ministério Público, da Justiça e vem a prisão agora. A defesa está segura de que a prisão é despropositada e irrazoável”.
Além de suspeito de participação no esquema investigado pela Operação Átrio, Paulo Octavio é réu no processo relativo ao chamado mensalão do DEM, que levou à prisão o ex-governador José Roberto Arruda. O esquema consistia no pagamento de mesada a distritais da base aliada durante o governo de José Roberto Arruda.
Fonte - Agência Brasil  03/06/2014

Empresas estudam criação de ferrovia ligando América do Sul

Ferrovias 

Banco Interamericano de Desenvolvimento financia estudo para o projeto do Corredor Ferroviário Central, que pretende ligar Brasil, Bolívia e Peru

Exame.com

La Paz - Empresas consultoras espanholas, francesas e bolivianas desenvolvem estudos para o projeto do Corredor Ferroviário Central, que pretende ligar Brasil, Bolívia e Peru, informou nesta segunda-feira em La Paz o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).
O especialista em transporte do BID na Bolívia, Ramón Muñoz-Raskin, afirmou à Agência Efe que foi dado um crédito de US$ 6,8 milhões para o estudo de interconexão das redes ferroviárias bolivianas do oeste e do leste, e para o início de uma Unidade Técnica de Ferrovias do governo boliviano.
"Os estudos, atualmente em desenvolvimento, identificarão as alternativas para o traçado do corredor em diferentes escalas de projeto. Cada alternativa será avaliada de acordo com suas respectivas vantagens e inconvenientes econômicos, sociais, ambientais e estratégicos", disse Muñoz-Raskin.
Os estudos incluem um de assessoria estratégica para que a Bolívia possa realizar acordos internacionais que garantam a viabilidade do Corredor Ferroviário Bioceânico Central, e apoio para organizar e coordenar reuniões com o Brasil e com o Peru.
Segundo Muñoz-Raskin, na região não há antecedentes de projetos de corredores bioceânicos ferroviários liderados por uma nação e apoiados pelo BID.
Mas já existe um estudo semelhante liderado pelo setor privado para a construção do Corredor Bioceânico Aconcágua entre Chile e Argentina.
A Bolívia receberá informação técnica, econômica, ambiental e estratégica necessária para poder tomar uma decisão embasada sobre o investimento nesse corredor e a interconexão das redes ferroviárias bolivianas, explicou o especialista do BID.
O programa também está de acordo com os objetivos gerais e estratégicos do BID para a promoção da integração internacional competitiva em nível regional e mundial, acrescentou.
As redes ferroviárias bolivianas andina e oriental, nas mãos de empresas privadas, estão separadas pela falta de infraestrutura, problema que este projeto pretende resolver para consolidar a integração ferroviária nacional.
Há poucos dias, o governo boliviano antecipou que um dos estudos, o referente ao traçado da ferrovia internacional e da interconexão das ferrovias bolivianas andina e oriental, será entregue este mês.
O presidente da Bolívia, Evo Morales, já havia dito que sugeriu ao presidente chinês, Xi Jinping, co-financiar a construção de uma ferrovia da fronteira entre Bolívia e Brasil até o porto peruano de Ilo.
Caso se transforme em realidade, a ferrovia internacional facilitará o envio da carga brasileira ao Pacífico, através do território da Bolívia e dos portos do Peru.
Fonte - STEFZS  03/05/2014