sábado, 1 de fevereiro de 2014

Jogos de Sochi: sucesso de marketing

Internacional

Volume de negócios em torno do evento é recorde na História das Olimpíadas


Os Jogos Olímpicos de Inverno em Sochi, que serão disputados entre os dias 7 e 23 de fevereiro, atraíram um número recorde de empresas. O valor total dos contratos de publicidade, por parte de patrocinadores, fornecedores e licenciados, superou US$ 1,5 bilhão. A cifra é considerada recorde tanto para a Olimpíada de Inverno como para a de Verão.
Além de dez corporações globais, parceiras tradicionais do Comitê Olímpico Internacional, os organizadores dos Jogos de Sochi firmaram contratos de marketing com oito empresas russas. Para efeito de comparação, os Jogos Olímpicos de Verão de 2012, em Londres, tiveram sete patrocinadores britânicos.O Palácio de Esportes no Gelo no Parque Olímpico de Sochi
Além disso, o Comitê Organizador de Sochi 2014 tem três parceiros de marketing, 31 fornecedores e 46 empresas licenciadas. As empresas pagam direitos de licença ao Comitê Organizador por vender lembranças com os símbolos dos Jogos. A estimativa é de que serão vendidas mais de cinco milhões de unidades, e que os pagamentos ultrapassem a faixa dos US$ 30 milhões.
Fonte - Diário da Russia  01/02/2014

Professora faz empréstimo de R$ 10,5 mil para salvar paineira de 30 toneladas

UM BELO EXEMPLO DE AMOR A NATUREZA




A moradora vendeu a casa onde ficava a paineira, que tem meio século de vida, mas o novo dono resolveu cortá-la. Ela resolveu fazer uma dívida para contratar uma equipe e levar a árvore até um parque da região.



Ônibus anfíbio de turismo começa a receber passageiros no Rio

Turismo

Projeto de empresários brasileiros, o veículo percorre água e asfalto

Vinícius Lisboa 
Repórter da Agência Brasil 

As árvores do Aterro do Flamengo e as águas da Baía de Guanabara podem ser vistas em um único passeio partir de hoje (1º), e só quem precisará trocar de assento é o motorista, que cede lugar ao marinheiro quando o ônibus anfíbio Duck Copacabana desce a rampa da Marina da Glória e entra no mar. Projeto de empresários brasileiros, o veículo é o primeiro do Brasil a percorrer água e asfalto em um trajeto turístico.
"Tivemos a ideia quando fizemos o passeio em Boston. Conversando, até pensamos em comprar um lá fora, mas achamos melhor fazer aqui mesmo. Somos engenheiros", conta Ilídio Soares, um dos sócios da Duck Tour Brasil. "Isso há cinco anos. Começou como uma brincadeira, para a gente mesmo andar."
O passeio custa R$ 100 por pessoa e dura uma hora e meia. O valor supera os R$ 55 dos Trens do Corcovado, e os R$ 62 do Bondinho do Pão de Açúcar. Cariocas com comprovante de residência, crianças de até 10 anos e idosos pagam meia. Como o ônibus só tem 28 lugares, a empresa recomenda que os interessados cheguem antes da hora do passeio. O primeiro horário do dia é às 10h, e, o último, às 17h.
O percurso começa no bairro da Urca, bem em frente à Estação do Bondinho. De lá, o ônibus de 3,70 metros de altura contorna a Enseada de Botafogo e entra no Aterro do Flamengo, passando apenas 20 centímetros abaixo das passarelas do parque. Pelas janelas, passam algumas das paisagens mais características da cidade, como o Cristo Redentor, o vai e vem dos teleféricos entre o Morro da Urca e o Pão de Açúcar e o paisagismo de Burle Marx. Quando passa para o mar, o veículo sai da Marina da Glória e faz uma volta que mostra, além das montanhas do Rio, a orla de Niterói ao longe, os aviões que pousam e decolam no Aeroporto Santos Dumont e a Praia do Flamengo.
O ônibus não tem ar-condicionado, e Ilídio defende a opção afirmando que as janelas garantem a brisa e colocam o passageiro em contato com a paisagem: "Faz parte da aventura". Na primeira parte da viagem, por terra, a velocidade pode passar dos 60 quilômetros por hora, mas, na segunda, o ônibus passeia a 3,5 nós, o que equivale a cerca de seis quilômetros por hora.
"A ideia é que as pessoas possam fotografar e contemplar bastante", diz Paulo Vasconcellos, que também é sócio da empresa. Na descida e na subida pela rampa, a transição é suave, e a sensação é a de uma ladeira comum.
Para oferecer o serviço, os empresários tiveram que registrar o veículo no Departamento de Trânsito (Detran) e na Capitania dos Portos. A autorização para navegar levou oito meses para ficar pronta: "Eles exigiram muito porque é um veículo novo e quiseram ter certeza. Testaram de todas as formas e inclinações", diz Ilídio Soares.
O empresário explica porque considera o Duck Copacabana seguro: "Compramos um chassi de ônibus, transformamos com tração nas quatro rodas para ter mais capacidade de subir rampas, e, a partir daí desenvolvemos novas técnicas. Ele é todo seccionado e tem quatro compartimentos estanques. Se der algum furo, ele é bem seguro. Os compartimentos estanques têm isopor naval. Se furar, não enche de água. Continua com uma flutuabilidade muito grande". O grupo pensa em expandir o serviço em números de ônibus e já trabalha no desenvolvimento de um carro de passeio com as mesmas capacidades.
Com toda a família, Patrícia Schimitt elogiou o investimento depois de participar de um passeio experimental nessa sexta-feira (31): "É uma vista privilegiada e não habitual até para o carioca. A cidade está precisando de mais atrações diferentes. Vêm a Copa do Mundo e as Olimpíadas e a gente tem que caprichar, porque vamos viver disso."
Durante seu passeio de bicicleta pela Urca, Graça Mendes, de 58 anos, dona de um bar na Lapa, já tentava se informar para fazer o passeio: "Esse é o sonho de todo mundo que é da minha época e via o James Bond entrar na água com aqueles carros".
Fonte - Agência Brasil  01/02/2014

Japoneses criam bicicletário subterrâneo em Tóquio




A falta de espaços para estacionar é um problema até para quem usa as bicicletas na capital japonesa. Parta tentar diminuir o problema, o governo encontrou uma solução com muita tecnologia.



sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Vale do Cariri muda realidade

Transportes sobre trilhos

Revista Nordeste
VLT do Cariri
Um projeto concreto do transporte ferroviário nordestino pode ser visto na região Sul do Ceará. Em funcionamento desde o dia 1º de dezembro de 2009, o Metrô do Cariri percorre 13,6 quilômetros de linha e nove estações entre Juazeiro do Norte e o Crato. Orçado em mais de R$ 25 milhões, os trens de passageiros estão entre os primeiros a serem fabricados na América do Sul nos últimos 20 anos.
“Deixei de trafegar em uma rodovia perigosa (CE-292), de correr riscos com acidentes e com o trânsito, além de ter mais conforto” comemora o professor de informática Allan Diego Batista, que comumente usava uma motocicleta para trafegar entre cidades do interior cearense. Assim como ele, outros moradores da região estão animados com a chegada dos novos trens.
A também professora Fabiana de Alencar ressalta a qualidade do transporte e o preço mais acessível das passagens. “É climatizado, mais seguro e não é lotado como os ônibus. Em dez minutos, chegamos à escola. A gente percebe também a mudança para os estudantes. O trem facilitou muito a vida deles, que sempre precisam fazer uma atividade extra e não dependem mais de ônibus e da insegurança”, relata a professora de língua estrangeira.

Novo ramal para a Grande Recife
Na Grande Recife (PE), as nove unidades do VLT encomendadas foram todas entregues. As duas últimas chegaram no mês de junho, de acordo com a assessoria da CBTU de Recife. Porém, apenas três delas estão circulando. Isso porque estão sendo concluídos os serviços na malha ferroviária da região.
Os novos modelos substituirão os antigos trens que operam na linha diesel, que faz o percurso entre Cajueiro Seco, em Jaboatão dos Guararapes, e Cabo de Santo Agostinho; e Cajueiro Seco ao Curado. Ao todo, são 30 km de estrada de ferro. De acordo com a assessoria da CBTU de Recife, no final de 2014, com a duplicação da malha, o sistema estará operando com todos os trens a diesel.
Atualmente, são transportados 5 mil usuários/dia, mas se espera um salto para 100 mil usuários/dia. Também há previsão de que seja construído um novo ramal para atender ao Complexo Portuário de Suape.
Fonte - Abifer  31/01/2014

Ativistas dizem que fim da neutralidade da internet põe em risco a inovação

Comunicação

Todos são iguais perante a rede....

Camila Maciel 
Repórter da Agência Brasil 
foto - ilustração
A internet sem neutralidade funcionaria de forma similar a uma TV a cabo, na qual o pacote de programação comprado filtra o que pode ou não ser visto. É assim que ativistas da internet livre explicam a existência de uma rede com acesso controlado. Esse formato está em discussão no Congresso Nacional, no projeto do Marco Civil da Internet, que discute se a neutralidade será ou não um príncípio da rede no país. O tema, que é um dos impasses para a aprovação do projeto, foi debatido hoje (31) no quinto dia da Campus Party
Um dos pontos em discussão é proibir as empresas que viabilizam a conexão de privilegiar, por meio de acordos comerciais, sites que paguem para ter suas páginas acessadas com maior velocidade.
“A neutralidade da rede é o princípio que preserva a essência do que é a internet. Questões políticas, culturais, religiosas, financeiras não podem fazer com que determinado tráfego seja privilegiado em detrimento de outro. Todos são iguais perante a rede”, defendeu Carlos Affonso Pereira de Souza, doutor em direito civil e diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade.
O publicitário João Carlos Caribé, ativista pela inclusão digital, avalia que, caso não seja garantida a neutralidade da internet, estará sendo criado algo diferente do que existe hoje: "Vamos ter outra coisa, uma rede privada”, declarou. Para ele, a neutralidade é "um princípio basilar" da rede. Os ativistas apostam na internet como uma plataforma de propósito geral, de acesso e produção livre a todo usuário.
Carlos Affonso acredita que uma eventual imposição de limites pode afetar a inovação na rede, que é uma das características da internet. “Gera-se uma barreira econômica para que novos empreendimentos possam se estabelecer. Estamos cada vez mais empurrados para um quartinho murado na internet”, comparou. Ele explica que, em um quadro de ausência de neutralidade, somente empresas estabelecidas teriam uma condições de pagar aos provedores para trafegar com maior velocidade.
De acordo com os ativistas, os provedores iriam atuar como porteiros do que pode ou não ser visto na internet. Daí a similaridade com a TV a cabo. A cada faixa de plano de internet, o usuário acessaria determinado tipo de conteúdo, como redes sociais, ouvir músicas, utilizar e-mail, buscador, entre outros. Empresários do setor, no entanto, criticam a possibilidade de a neutralidade prejudicar os negócios e inviabilizar a venda de pacotes por diferentes velocidades.
Caribé lembra que a internet livre proporciona um debate aberto e amplo da sociedade, sem precisar de intermediários. “Isso é uma ameaça para o poder político, financeiro, para a indústria cultural”, destacou. Durante o debate, foram citadas muitas páginas de divulgação dos protestos de junho no país que foram apagadas das redes sociais.
Fonte - Agência Brasil  31/01/2014

Obra altera trânsito na Paralela e Edgard Santos na segunda (03/02/2014)

Salvador

Alterações vão acontecer por conta da obra do Complexo Viário Imbuí-Narandiba


A Tarde
Da Redação
Fernando Vivas / Ag. A Tarde
O tráfego de veículos será alterado nas avenidas Luis Viana Filho (Paralela) e Edgard Santos entre as 23h de segunda-feira, 3, e 6h de terça, 4, para movimentação e manobras de máquinas e equipamentos pesados para a nova etapa da construção do Complexo Viário Imbuí-Narandiba. A informação foi divulgada nesta sexta, 31, pela Secretaria de Comunicação Social do Governo da Bahia (Secom).
A Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado (Conder), responsável pela execução das obras, informou que, durante a operação, as vias serão totalmente sinalizadas para maior conforto e segurança dos usuários que precisarem trafegar pelos locais.
Na Paralela, sentido Centro, nas imediações do bairro de Narandiba, próximo à sede da empresa Odebrecht e da Concessionária Danton, o trecho será interditado em duas faixas, ficando outras duas liberadas para o tráfego de veículos.
Na Edgard Santos, no sentido da Avenida Paralela, em Narandiba, haverá interdição de um trecho desse acesso. Para chegar à Paralela, será necessário pegar o retorno existente à esquerda e o acesso à Avenida Luis Viana Filho será feito por intermédio da Rua Silveira Martins, no Cabula.
Neste trecho interditado o acesso só será permitido aos moradores locais. Nesse período, será mantido sem alteração o acesso ao bairro de Narandiba pela Avenida Edgard Santos.

Mobilidade urbana
O complexo Viário Imbuí-Narandiba faz parte do conjunto de ações estruturantes em execução pelo Governo do Estado, que busca melhorar a mobilidade urbana em Salvador.
Iniciadas em maio do ano passado, as obras contam com investimentos da ordem R$ 95 milhões e a previsão de entrega é para junho.
Fonte - A Tarde  31/01/2014

Governador do Rio mantém tarifas dos transportes

Transportes

Sérgio Cabral decidiu manter os preços das tarifas dos trens, das barcas e do metrô

Douglas Corrêa 
Repórter da Agência Brasil

O governador do Rio, Sérgio Cabral, decidiu manter os preços das tarifas dos trens (R$2,90), das barcas (R$3,10 – tarifa social) e do metrô (R$3,20). Em nota, informou que a Lei Estadual 6.138/2011 instituiu a tarifa social para as barcas e definiu que as despesas serão subsidiadas pelo Fundo Estadual de Transporte. O caso dos trens e metrôs serão definidos pela área econômica do governo estadual.
Nesta quinta-feira (30), o Diário Oficial do município do Rio publicou decreto do prefeito Eduardo Paes, reajustando em 9,09% as passagens dos ônibus urbanos. A tarifa vai passar dos atuais R$ 2,75 para R$ 3. O aumento entra em vigor no dia 8 de fevereiro.
Eduardo Paes instituiu o passe livre universitário e ampliou os benefícios de gratuidade nos ônibus para estudantes do ensino fundamental e ensino médio da rede pública.
Fonte - Agência Brasil  31/01/2014

Helena Chagas oficializa saída do governo

Política

Karine Melo 
Repórter da Agência Brasil 
Imagem de Arquivo/Agência Brasil
A ministra de Comunicação Social, Helena Chagas, deixa o cargo, que será ocupado por Thomas Traumann, atual porta-voz da Presidência da República
A exoneração da ministra da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Helena Chagas, deve ser publicada no Diário Oficial da União na próxima segunda-feira (3). No lugar dela deve assumir a vaga o atual porta-voz da Presidência da República, Thomas Traumann, segundo a assessoria de imprensa do Palácio do Planalto .
A ministra oficializou a saída do governo ontem (30) ao entregar uma carta à presidenta Dilma Rousseff. No documento, Helena Chagas agradece a oportunidade e a confiança nos três anos em que ocupou o posto.
“ O critério da mídia técnica , que herdamos do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e que soubemos preservar e aprimorar, proporcionou a oportuna e equilibrada publicidade governamental de tais ações públicas, trazendo ao cidadão informação clara e objetiva a respeito de seus direitos e das oportunidades que lhe eram postas”, disse a ministra em trecho da carta à presidenta.
Em nota divulgada na tarde de hoje, a presidenta Dilma Rousseff "agradeceu a dedicação e os relevantes serviços prestados ao País" pela ministra, ao longo dos últimos três anos. A transmissão de cargo deve ocorrer na segunda-feira, no Palácio do Planalto.
Fonte - Agência Brasil  31/01/2014

O BRASIL DE DAVOS E DE MARIEL

Politica

Mauro Santayana

(JB) - A presidente Dilma foi a Davos, na Suiça, para reunir-se, entre outras personalidades, com o presidente do país, Didier Burkhalter, o do grupo SAAB - sócio brasileiro no projeto dos caças Gripen NG - Hakan Buskhe, o da FIFA, Joseph Blatter, e CEOs de grandes multinacionais, como a UNILEVER e a NOVARTIS.
E de lá, para Havana, Cuba, para se encontrar com líderes do continente, na reunião da CELAC - Comunidade de Estados da América Latina e do Caribe, e participar, junto ao Presidente Raul Castro, de uma cerimônia emblemática: a inauguração da primeira etapa do terminal de containers e da Zona Especial de Desenvolvimento de Mariel, junto ao porto do mesmo nome, financiado com dinheiro brasileiro e construído por empresas nacionais de engenharia - que geraram, com o projeto, 198.000 empregos no Brasil - em associação com firmas locais, no valor aproximado de um bilhão de dólares.
O objetivo do Brasil, no Fórum Econômico de Davos, foi esclarecer aos investidores que, com relação à economia, por aqui o diabo não está tão feito quanto aparenta ou querem fazer que pareça. Nas conversas com investidores, os representantes brasileiros devem ter apresentado dados como a queda da inadimplência, o aumento da arrecadação, e a manutenção, no ano que passou, do Investimento Estrangeiro Direto em um patamar acima de 60 bilhões de dólares por ano, quase o mesmo, portanto, que o de 2012.
Já, em Cuba, o papel do Brasil foi o de dar novo exemplo de seu “soft power” regional, exercido também por meio de grandes projetos de infra-estrutura, voltados para melhorar as condições de vida de nossos vizinhos e parceiros, e integrar, pelo desenvolvimento, a América Latina.
O que paraguaios, bolivianos, peruanos, equatorianos, e mexicanos viram, paralelamente à reunião da CELAC, quando tomaram conhecimento da dimensão do projeto de Mariel - onde devem se instalar empresas brasileiras a partir do ano que vem, para montar produtos destinados às Américas e ao Pacífico, aproveitando a vizinhança do Canal do Panamá - não é muito diferente do que o Brasil já faz em seus respectivos países.
Basta lembrar o recém inaugurado linhão elétrico de 500 kV entre Itaipu e Assunção, que permitirá, finalmente, a industrialização do Paraguai; o gasoduto Bolivia-Brasil, que gera, com a exportação de gás, boa parte do PIB boliviano; os corredores ferroviários e rodoviários bioceânicos, em fase de implantação, que nos levarão ao Peru, Bolívia e Chile, e por meio deles, ao oceano Pacífico; as obras do metrô de Quito, no Equador, que também tem participação brasileira; ou o maior projeto petroquímico em construção no México, que está sendo tocado, em associação com empresas locais, pela Braskem.
Para muita gente, o Brasil de Mariel, que tem consciência de sua dimensão geopolítica na América Latina, é incompatível com o Brasil de Davos, que, muita gente também acredita, deveria se sujeitar aos Estados Unidos e à Europa, em troca de capitais, acordos e investimentos.
Essa visão limitada, tacanha, defendida tanto por alguns setores da oposição, quanto por gente do próprio governo e da base aliada - já foi ultrapassada pelos fatos e deveria ser abandonada em benefício de um projeto de nação à altura de nosso destino e possibilidades.
Quanto mais poder tem um país, mais razões ele tem para ser pragmático, múltiplo, universal, no trato com as outras nações. Não podemos fechar as portas para ninguém, nem deixar de ter contato ou de fazer negócios com quem quer que seja, desde que essa relação se faça em igualdade de condições.
O que não deve impedir, nem limitar, nosso direito de eleger, estrategicamente, prioridades e alianças, específicas, no âmbito internacional, que nos permitam alcançar mais rapidamente nossas metas de fortalecimento do Brasil e de melhora das condições de vida da população brasileira.
Fonte - Mauro Santayana  30;01/2014

Dilma comemora taxa de desemprego mais baixa em 11 anos

Economia

Paulo Victor Chagas
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
A presidenta Dilma Rousseff destacou a redução das desigualdades, ao analisar a taxa de desemprego, que fechou 2013 em 4,3%. Segundo ela, este é o retrato de um país que vem criando oportunidades de emprego.
Os números foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e mostram a série histórica do desemprego desde 2002. A presidenta comparou o aumento do nível da ocupação dos jovens e negros entre 2003, quando o PT assumiu o governo, e o ano passado.
“Em relação a 2003, aumentou o nível da ocupação dos jovens de 18 a 24 anos (de 53,8% para 59,2%) e da população negra (de 48,5% para 53,5%)”, afirmou em sua conta no Twitter. Segundo Dilma, o crescimento de 51,4% do rendimento dos trabalhadores negros indica que houve redução de desigualdade.
“Os números são impressionantes quando analisados ao longo do tempo”, disse a presidenta. “Entre 2003 e 2013, a proporção de pessoas ocupadas com 11 anos ou mais de estudo cresceu de 46,7% para 63,8%”, disse, constatando que os anos a mais na escola ampliam a ocupação dos trabalhadores.
A presidenta citou o crescimento da parcela de trabalhadores com carteira de trabalho assinada no setor privado, e da proporção de pessoas ocupadas que contribuíam para a Previdência.
Fonte - Agência Brasil  31/01/2014

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Manifestantes pulam catracas de trens em ato contra aumento do ônibus no Rio

Protestos

Protesto chegou a interditar pista da avenida Presidente Vargas


Mascarados estimularam passageiros a passar em catracas sem pagar

Ariel Subirá / Futura Press
Estadão Conteúdo
Manifestantes realizam nesta quinta (30) um ato contra o aumento do valor da passagem de ônibus, anunciado na quarta (29) pela Prefeitura do Rio de Janeiro. A tarifa passará de R$ 2,75 para R$ 3 a partir do dia 8 de fevereiro.
O grupo, que chegou a interditar por volta das 18h30 a pista central da avenida Presidente Vargas, entraram na Central do Brasil e estimularam passageiros a pularem as catracas.
Segundo a Supervia, concessionária responsável pelo serviço de trens, por volta das 20h30 as catracas foram liberadas e todos os passageiros puderam passar sem pagar, para evitar que os manifestantes quebrassem os equipamentos.

Passe livre
O decreto sobre o aumento de passagens de ônibus de R$ 2,75 para R$ 3 foi publicado no Diário Oficial nesta quinta. Na mesma publicação, a prefeitura divulgou a criação do passe livre universitário e o aumento do número de gratuidades para estudantes da rede pública. Os alunos dos ensinos médio e fundamental passam a ter direito a 76 gratuidades por mês — um acréscimo de 16.
O decreto determina ainda a gratuidade a universitários cotistas e bolsistas do ProUni, que tinham direito a pagar meia. O total de passagens também será de 76 por mês. O benefício será estendido aos universitários com renda familiar per capita de até um salário mínimo, mesmo que seja de uma instituição particular.
Fonte - R7.com  30/01/2014

Quilombolas acusam fuzileiros navais de derrubar residência

Quilombolas

Conflitos entre quilombolas e Marinha são antigos

Milena Fahel
Raul Spinassé | Ag. A TARDE
A casa do morador do Quilombo Rio dos Macacos, Luiz Oliveira, 52 anos, foi destruída no final da manhã desta quinta-feira, 30, em Simões Filho, Região Metropolitana de Salvador (RMS). Segundo informações da irmã do quilombola, Olinda Oliveira, cerca de 20 fuzileiros navais invadiram a comunidade e derrubaram a residência.
O fato ocorreu durante reunião de validação da construção de uma estrada independente de acesso ao quilombo - atualmente, os moradores da comunidade precisam passar por uma guarita pertencente à Marinha.
Os militares teriam aproveitado a dispersão da comunidade, em reunião com o Comandante da Marinha em Brasília, Almirante Nazareth e o chefe de gabinete do Ministério da Defesa, Antonio Lessa, para invadir o quilombo. As ações da Marinha são antigas e visam a desapropriação da área de 301 hectares para uso próprio.
"A Marinha não é autoridade maior nessa cidade não. Eu nasci aqui, eu já passei por tudo quanto é coisa ruim por causa das barbaridades da Marinha. Queremos justiça", desabafou a irmã do quilombola.
O dono da residência destruída, a esposa, Ana Rita, 31 anos, e os três filhos do casal estão na casa da mãe do quilombola, Maria Oliveira. Ninguém ficou ferido durante a ação.
Representantes do coletivo Quilombo X, da Fundação Palmares, do Coletivo de Entidades Negras (CEN) e da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) foram até o local e, após negociações com a Marinha, conseguiram a garantia de materiais de construção para o dono da casa atacada.
O comandante do 2º Distrito Naval, vice-almirante Monteiro Dias, confirmou ter ordenado a derrubada do telhado. "Quis ganhar tempo para avisar ao juiz da construção irregular dessa casa. Há uma decisão judicial que impede construções ali", disse o comandante.
Ainda segundo o vice-almirante, a Marinha já ofereceu duas vezes áreas para construção de casas e os quilombolas não aceitaram.
Fonte - A Tarde  30/01/2014

Irregularidades nos trens levam Ministério Público a pedir multa para SuperVia

Transportes sobre trilhos

Cristina Indio do Brasil 
Repórter da Agência Brasil 
foto - ilustração
O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), protocolou na 6ª Vara Empresarial um pedido de aplicação de multa de R$ 2,1 milhões, à concessionária SuperVia, responsável pelo sistema de trens do Rio. Para o MPRJ, houve descumprimento em itens de uma liminar obtida na Justiça em ação civil pública ajuizada em 2009. Nela, a empresa é obrigada a solucionar a má qualidade dos serviços de trens, em especial, os atrasos, tumultos, acidentes e a paralisação dos serviços e falta de informações para os passageiros.
Para fundamentar o pedido, o Ministério Público incluiu reportagens e manifestações dos consumidores, com fotos, vídeos e documentos do site rj.consumidorvencedor.mp.br e outros enviados pela Ouvidoria, sobre as panes no sistema ferroviário registradas nos dias 22 e 24 de janeiro deste ano.
Segundo o MPRJ, as irregularidades incluem a ausência de equipes de resgate ao sistema de som ineficaz e composições antigas e em mau funcionamento ainda em circulação, além da falta de informações adequadas. O pedido foi encaminhado à 6ª Vara Empresarial pela 3ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa do Consumidor e do Contribuinte.
No dia 22, o descarrilamento de um trem na Estação de São Cristóvão, na zona norte da cidade, provocou a interrupção do serviço durante 13 horas no acesso aos principais ramais à Estação Central do Brasil. Além disso, foram bloqueados os ramais Saracuruna e Belford Roxo e as composições circularam apenas até a Estação Triagem. Os de Japeri, Santa Cruz e Deodoro pararam na Estação Engenho de Dentro, dez estações antes da Central.
Fonte - Agência Brasil  30/01/2014

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Bairro da Barroquinha é um buraco só

Cidade


Carros transitam com dificuldade entre a Barroquinha e as ruas estreitas da região

Rayllana Lima - TB
Já não é novidade que os soteropolitanos sofrem com constantes buracos que aparecem pela cidade. No bairro da Barroquinha, local onde transitam muitos pedestres e onde estão instaladas várias lojas, a quantidade e dimensão dos buracos são revoltantes.Comerciantes alegam que a situação tem gerado prejuízos, principalmente em dias chuvosos.
No fim de linha da Barroquinha, o calçamento deu lugar aos buracos. Buracos são obstáculos para pedestres, veículos e, principalmente, pessoas com deficiência. Mas quem já não suporta mais a situação do bairro são os comerciantes.
“Nesses dias de chuva, os buracos ficam inundados. Os carros passam e jogam água por toda mercadoria. Quando jorra lama em roupa branca, perdemos a mercadoria porque enferruja”, desabafou a comerciante Edvanda Moreira, 51.
Ela ainda informou que são os próprios comerciantes da região que se mobilizam pra melhorar o lugar. “Minha coluna já anda doendo de tanto tirar água dos buracos. Pagamos licença, o IPTU já está chegando, e nada é feito. É um descaso total”, completou.
Assim como dona Edvanda, a comerciante Maria José ajuda a retirar água das crateras para evitar que produtos sejam perdidos. “Se nós não nos mobilizarmos, nada é feito. Já tem mais de cinco anos que estamos nessa situação”, informou.
Durante a tarde de ontem (28), o entregador de mercadorias Wellington Barbosa, 36, afirmou que é um transtorno passar pelo local. “Tenho que fazer entregas diárias e passo por essa rua todos os dias. O carro está sempre pesado e já caí várias vezes em buracos. É um absurdo”, exclamou.
Comerciantes informaram que, diariamente, cinco a seis carros chegam a cair nos buracos. “Caiu um carro na segunda-feira, que, pra sair, precisou ser empurrado. Os próprios comerciantes que juntam entulhos para tapar os buracos. Mas como passam muitos carros, fecha um e abre outro”, informou um vendedor que preferiu se identificar apenas com Alfredo.

Até o fechamento dessa matéria, a equipe de reportagem da Tribuna tentou entrar em contato com a Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo do Município (Sucom),
Fonte - Tribuna da Bahia  29/01/2014

Médicos cubanos desembarcam hoje em Fortaleza

Saude

Paula Laboissière 
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
Cerca de 125 médicos cubanos desembarcam hoje (29) no Aeroporto Internacional de Fortaleza. O voo está previsto para chegar às 16h30. Os profissionais fazem parte do terceiro ciclo do Programa Mais Médicos. Até o final da semana, 2 mil cubanos estarão em solo brasileiro para começar as aulas do módulo de acolhimento e avaliação do programa.
De acordo com a assessoria de imprensa do Ministério da Saúde, a previsão é que um grupo de cerca de 200 médicos cubanos desembarque no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, amanhã (30), às 2h. Na sexta-feira (31), outro grupo de 200 médicos também deve chegar de madrugada.
A expectativa do governo é que os profissionais cubanos comecem a atuar em municípios brasileiros em março, junto com os demais estrangeiros participantes do terceiro ciclo do Mais Médicos. Além dos 2 mil cubanos, 891 médicos selecionados por meio de inscrições individuais devem participar da terceira fase do programa.
Atualmente, em todo o país, 6.658 profissionais atuam pelo Mais Médicos em 2.166 cidades e em 28 distritos indígenas. A meta do ministério é preencher 13 mil postos até o fim de março.
Fonte - Agência Brasil  29/01/2014

Chega a 32 o número de ônibus destruídos neste mês em São Paulo

Transportes

Da Agência Brasil 
foto ilustração
Mais um ônibus foi incendiado hoje (29) na capital paulista. O número de veículos queimados subiu para 32 só neste mês, segundo a São Paulo Transporte, empresa municipal responsável pela gestão do sistema de transporte da cidade.
A Polícia Militar (PM) informou que o veículo foi incendiado por volta das 12h, na altura do número 10 mil da Estrada do M'Boi Mirim, no extremo sul de São Paulo. De acordo com a PM, um grupo de manifestantes bloqueou a via, obrigando o motorista a parar. Eles pediram para os passageiros descerem e atearam fogo no veículo. A corporação disse não ter informações sobre o motivo do protesto.
Apenas ontem (28), três ônibus foram incendiados e um apedrejado. Dois foram queimados na Estrada do M'Boi Mirim, na região do Capão Redondo. Um terceiro veículo foi apedrejado na mesma região por cerca de 15 pessoas, que obrigaram o motorista a sair do ônibus quando passava pela Rua Citeron.
Por volta das 23h, outro ônibus foi atacado na Rua Desembargador Arlindo Pereira, na região do Itaim Paulista, zona leste, com coquetéis molotov. O motorista e o cobrador conseguiram conter as chamas e o veículo ficou parcialmente destruído. Ninguém se feriu.
Fonte - Agência Brasil  29/01/2014

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Em discurso na Celac, Dilma condena política de bloqueio a Cuba

Internacional

Paulo Victor Chagas 
Repórter da Agência Brasil - Agência Brasil
EBC
A presidenta Dilma Rousseff voltou a condenar hoje (28) as políticas de sanção impostas a Cuba pelos Estados Unidos desde 1962. Segundo ela, a participação do país caribenho nos acordos econômicos dos demais países do Caribe e da América Latina é imprescindível para a região.
“Criticamos com empenho a política de bloqueio a Cuba. Temos a convicção de que não haverá verdadeira integração econômica na América Latina e no Caribe sem Cuba”, declarou, durante discurso na 2ª Cúpula da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac).
O evento ocorre em Havana, capital Cubana, e esta foi a primeira intervenção pública da presidenta na cúpula. Ontem (27), Dilma já havia dito, durante inauguração de um porto no país, que o embargo econômico é injusto . Desde sua chegada a Havana, a presidenta se encontrou com os líderes de Cuba, Raúl Castro, e da Argentina, Cristina Kirchner.
Ao reconhecer o êxito de Cuba na condução da presidência da Celac, Dilma disse que seu sentimento é compartilhado por todos que “nunca se conformaram em ver Cuba excluída dos foros regionais e multilaterais”. “A presidência de Cuba na Celac mostrou mais uma vez o quanto é anacrônica essa exclusão, ao qual o Brasil sempre se opôs”, declarou. No ano passado, a Organização das Nações Unidas aprovou, pela 22ª vez consecutiva, uma resolução pedindo o fim do embargo .
Para a presidenta brasileira, a Celac é um poderoso instrumento de aproximação entre os estados membros. “Nossos países têm aprendido a somar suas diferenças. No fundo, a Celac torna o Caribe mais latino-americano e a América Latina mais caribenha”, comparou. Segundo ela, a Cúpula é uma ferramenta valiosa para o diálogo da região com o resto do mundo, acrescentando que nos últimos anos foram estreitadas as relações dos países membros da Celac com diversos atores como a União Européia, a China, a Rússia e o Conselho de Cooperação do Golfo.
De acordo com Dilma, os países da América Latina crescem comprometidos com a distribuição de renda e com atração de investimentos. “Segundo dados da Cepal [Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe] e da OIT [Organização Internacional do Trabalho], o percentual de pessoas que vivia na pobreza na nossa região caiu nas últimas décadas de 48% para 28%. A pobreza extrema diminuiu de 22,6% para 11,5%”, disse.
A presidenta destacou que o objetivo da cúpula não é eliminar os acordos paralelos à organização. “A Celac não impede as relações bilaterais entre os Estados, dentro e fora da região. Pelo contrário, tem a capacidade de fortalecê-las”. Segundo ela, a união dos países fortalece projetos individuais de desenvolvimento. “Com a integração, a prosperidade de cada um transforma-se na riqueza de todos”.
Dilma terminou seu discurso dando as boas-vindas ao país que vai assumir a presidência da Celac. “Estou certa de que a nossa querida companheira da Costa Rica, Laura Chinchila, terá o mesmo êxito na presidência da Celac. O Brasil acredita na Celac”, disse.
Fonte - EBC  28/01/2014

Orquestra da periferia de Salvador se prepara para turnê nos Estados Unidos





Os 22 músicos se apresentarão em 12 concertos em 11 cidades. Além de mostrar o que é que a música brasileira tem, a orquestra, vai provar que um projeto social de música clássica, na Bahia, pode mudar a vida de muita gente.



103 pessoas foram libertadas da situação de trabalho escravo no Ceará em 2013

Trabalho escravo

Dados foram divulgados pela Coordenadoria Especial de Políticas Públicas dos Direitos Humanos, em parceria com a SRTE/CE

Redação

Foto: Divulgação
Em 2013, 103 trabalhadores foram libertados da situação de trabalho escravo no Ceará. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (28) em balanço feito pela Coordenadoria Especial de Políticas Públicas dos Direitos Humanos (COPDH), em parceria com a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Ceará (SRTE/CE).
96 trabalhadores foram resgatados de Granja e Barroquinha, e 7 de Ibicuitinga
De acordo com o balanço, cinco atividades econômicas são as mais propensas a concentrarem trabalhadores em situação de escravidão no Estado. São elas: cana-de-açúcar, carvão, melão e roço/limpeza sob os fios de alta tensão, retirada de lenha e carnaúba.
Perfil dos trabalhadores em situação de trabalho escravo
Segundo o balanço, os trabalhadores são majoritariamente homens, 77% nordestinos, 80% negro ou pardo, possuem média de 31,4 anos de idade, são analfabetos funcionais e não possuem qualificação profissional. Já os empregadores são, em sua maioria, homens, brancos, com média de idade de 41,7 anos, oriundos do Sudeste do País e com curso superior completo.
Dois casos foram descobertos em 2013
Durante o ano de 2013, dois casos de situação de trabalho escravo foram descobertos no Estado. O primeiro foi em outubro, quando foram resgatados 7 pessoas, sendo 2 adolescentes, em Ibicuitinga. Os trabalhadores desenvolviam a atividade de corte de lenha de madeira.
O segundo caso foi descoberto em duas fazendas localizadas nos municípios de Granja eBarroquinha. 96 trabalhadores, sendo 3 mulheres, foram resgatados ao desenvolverem atividades relacionadas à produção do pó de carnaúba.
Números de pessoas libertas de 2006 a 2009
Também foi divulgado pela COPDH e SRTE/CE o número de pessoas que foram libertadas no Ceará de 2006 a 2009.
 Confira os números:
- Em 2009, 20 trabalhadores
- Em 2008, 192 trabalhadores
- Em 2007, 19 trabalhadores
- Em 2006, 88 trabalhadores
Fonte - Diário do Nordeste 28/01/2014

Dez anos depois, acusados da Chacina de Unaí seguem em liberdade




Três fiscais e um motorista do Ministério do Trabalho foram mortos enquanto investigavam denúncias de trabalho escravo na região de Unaí, em Minas Gerais. Depois dos assassinatos, o dia 28 de janeiro foi escolhido como o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo.




Sociedade precisa discutir comércio de dados pessoais na web, diz ativista

Tecnologia

Daniel Mello 
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
O comércio envolvendo dados pessoais dos usuários da internet precisa ser discutido amplamente pela sociedade, na opinião do professor adjunto da Universidade Federal do ABC e ativista Sérgio Amadeu. Ele chama atenção para o fenômeno que chama de “economia da intrusão”, onde grandes empresas lucram recolhendo e vendendo informações pessoais. “Você tem uma economia de corporações que usam o rastro digital, entram na máquina das pessoas. Acompanham as pessoas na sua navegação, no seu cotidiano digital para formar esses perfis”, explicou Amadeu após participar de debate hoje (28) na Campus Party, importante evento de tecnologia que ocorre durante esta semana na capital paulista.
Segundo Amadeu, redes sociais, aplicativos para celular e até softwares de bancos recolhem informações dos usuários, mesmo quando o usuário está desconectado do serviço. “Você tem softwares que entram no sistema operacional e, depois que você saiu do site do banco, acompanham a sua navegação”, exemplifica. “Dados da nossa intimidade, da nossa vida cotidiana, que não são de interesse do Estado, da lei ou da Justiça, interessam só a nós”, detalha sobre o tipo de informação que é armazenada.
Esses dados são usados, de acordo com o professor, para a elaboração de perfis de comportamento, de consumo, psicológicos e sociais dos internautas. “Você tem uma economia de corporações que usam o rastro digital, entram na máquina das pessoas. Acompanham as pessoas na sua navegação, no seu cotidiano digital para formar esses perfis”, ressalta. As autorizações, que aparecem como termos de uso em diversas aplicações e programas, muitas vezes, concedem às empresas o uso dessas informações.
No entanto, Amadeu pontua que como não existe uma conscientização sobre esse tema, as pessoas não percebem o que estão cedendo ou autorizando. “As grandes corporações sabem que as pessoas têm o direito de proteger esses dados. Mas, ao mesmo tempo, elas sabem que esses dados são extremamente valiosos”, destaca o professor, que defende a proibição de algumas dessas práticas. “A questão é que a sociedade precisa ter consciência disso e saber opinar sobre isso. É tão importante quanto escolher um presidente”, compara.
Uma das formas dos usuários de internet protegerem seus dados pessoais é com o uso de navegadores e programas de criptografia, que codificam os dados enviados e recebidos pelo computador ou celular. “A criptografia é uma forma de proteger o seu HD [disco rígido], a sua comunicação e só deixar ler e acessar quem você quiser”, explica.
Fonte - Agência Brasil  28/01/2014

Linha 4-Amarela torna-se referência internacional

Transportes sobre trilhos

ViaQuatro
foto ilustração
A Linha 4-Amarela de metrô, operada pela concessionária ViaQuatro, tornou-se referência internacional em apenas pouco mais de dois anos de operação plena. Em 2013, recebeu a visita de dez delegações do exterior. Países como Turquia, França, Índia, Chile e Peru
foram atraídos pela inovadora tecnologia driverless, que permite a operação automática sem a necessidade de condutor, e pelos indicadores de eficiência e produtividade da empresa.
O interesse estrangeiro também está no fato de a Linha 4-Amarela ser a única driverless com maior número de passageiros transportados do mundo, com uma média de 700 mil usuários por dia útil, além de registrar altos índices de satisfação entre seus clientes. Este ano, a Linha 4-Amarela foi considerada a melhor PPP - Parceria Público-Privada da América Latina e Caribe pelo Internacional Finance Corporation, entidade financeira ligada ao Banco Mundial.
Fonte - Revista Ferroviária  27/01/2013

COMENTÁRIO Pregopontocom

Torcemos muito para que esse mesmo consorcio que também esta construindo e ira operar as duas linhas (Linha 1 e Linha 2) do metrô de Salvador/Lauro de Freitas tenha aqui a mesma competência e o mesmo sucesso.

Brasil tem produção recorde de pneus em 2013

Economia

André Magnabosco 
Agência Estado
foto - pregopontocom

O maior volume de veículos produzidos no Brasil ao longo do ano passado, principalmente caminhões e máquinas, contribuiu para que a produção de pneus alcançasse um novo recorde em 2013. De acordo com dados divulgados nesta terça-feira pela Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (ANIP), a indústria brasileira produziu 68,8 milhões de pneus, um aumento de 9,8% ante 2012. O antigo recorde, de 2010, era de 67,3 milhões de unidades produzidas no Brasil.
O resultado foi impulsionado principalmente pelo segmento de pneus para veículos de uso industrial, como guindastes e empilhadeiras, com expansão de 53,9% sobre 2012 e um total de 2,07 milhões de unidades produzidas. No segmento de pneus para camionetas, a alta foi de 20,7%, para 9,9 milhões de unidades, enquanto no de veículos de carga o incremento foi de 15,2%, para 8,23 milhões de unidades. O segmento de pneus para veículos de passeio, o principal destino da produção nacional, registrou expansão de 6% para um total de 32,46 milhões de pneus produzidos em 2013.
Os números positivos de produção contrastam com a situação da balança comercial do setor. Segundo a ANIP, as importações cresceram 7,33% em relação a 2012 e totalizaram 44,9 milhões de unidades, incluindo peças para veículos de duas rodas. As exportações, por outro lado, encolheram 7,36% para um total de 13,6 milhões de pneus. Em valores, as exportações caíram 12%, para US$ 1,286 bilhão, contra uma alta de 7,20% das importações, a um total de US$ 1,641 bilhão.
"Com a queda das exportações e o aumento das importações, a balança comercial do setor ficou negativa em US$ 355,5 milhões, um novo recorde no déficit, dando continuidade à inversão que ocorreu em 2010, quando o setor deixou de ser superavitário após anos de saldo positivo", destacou em nota o presidente-executivo da ANIP, Alberto Mayer. O déficit de 2013 apresentou uma expansão de 405% em relação ao ano anterior.
A participação de pneus importados no consumo aparente se manteve na faixa de 39% em 2013, com a China representando mais de 50% das importações. "Esses números mostram que se conseguirmos aumentar a competitividade dos pneus nacionais, hoje muito onerada pelo custo Brasil, podemos ampliar a produção local e ter mais duas ou três fábricas no País", disse Mayer.
O setor, que deve investir mais de R$ 10 bilhões entre 2007 e 2015, reúne 11 fabricantes, incluindo a Sumitomo, que inaugurou sua unidade industrial no Paraná em outubro do ano passado.
Fonte - A Tarde  28/01/2014

Líderes dos 33 países da Celac participam da cúpula em Cuba

Internacional

Da Agência Brasil
Com informações da Telesur
foto - ilustração
Todos os 33 chefes de Estado e de governo dos países da Comunidade de Estado Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) estão em Havana, Cuba, para participarem, a partir de hoje (28), da 2ª Reunião de Cúpula do organismo. Nos próximos dois dias, líderes, chanceleres e altos representantes desses países debaterão uma série de temas que são o centro de mais de 30 declarações especiais que estão sendo elaboradas entre as quais a Declaração Final de Havana e o Plano de Ação da Celac para 2014.
Em 2013, a comunidade priorizou temas como a luta contra a fome e a pobreza, a desigualdade, o respeito aos modelos políticos, econômicos, sociais e culturais que garantem o desenvolvimento dos povos e a união de esforços em prol da equidade e da igualdade de oportunidades, baseados na diversidade. Ontem (27), os chanceleres dos 33 países se reuniram para entrar em um consenso sobre o conteúdo de cada documento temático e sobre a Declaração Final.
De acordo com o ministro do Exterior cubano, Bruno Rodriguéz, o encontro foi conduzido com harmonia. Foram aprovados 28 documentos, entre os quais apoio à luta da Argentina pela independência das Ilhas Malvinas, rechaço ao bloqueio econômico e financeiro à Cuba e exclusão desse país da lista dos que apoiam o terrorismo.
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, informou que o documento final da cúpula reafirmará o objetivo da Celac de promover a unidade com soberania, a flexibilidade e a participação ativa de todos os 33 Estados-Membros, com respeito ao direito internacional e à Carta da Organização das Nações Unidas (ONU). A cúpula, que começou ontem, irá até amanhã (29), quando a Costa Rica receberá de Cuba a presidência pro tempore da Celac.
A Celac, que agrupa todos os países das Américas, exceto os Estados Unidos e o Canadá, representa um bloco com mais de 600 milhões de habitantes e cuja economia forma um Produto Interno Bruto (PIB) de US$ 6 bilhões (cerca de R$ 14,4 bilhões).
Fonte - Agência Brasil  28/01/2014

Ato público marca Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo

Direitos Humanos

Da Agência Brasil 
foto - ilustração
Um ato público, a partir das 9h, em frente ao Supremo Tribunal Federal, marca hoje (28) em Brasília o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. A data foi criada para homenagear os auditores fiscais do trabalho assassinados em 2004 durante fiscalização na zona rural de Unaí, em Minas Gerais, a 170 quilômetros de Brasília.
O ato público terá a presença de representantes da Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo e foi organizado pelo Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho.
No início da tarde, será a vez de o Ministério Público Federal promover um ato contra a escravidão contemporânea. A instituição vai apresentar dados de sua atuação contra o crime. Será lançada também uma campanha sobre o tema, a ser veiculada em todo o país . As peças publicitárias foram criadas para que o cidadão que se encontra em condição análoga à de escravo identifique a prática do crime pelo empregador.
Para marcar a data, estão previstas ainda manifestações em seis estados - Tocantins, Goiás, Ceará, Maranhão, São Paulo e Espírito Santo.
Fonte - Agência Brasil  28/01/2014

Ministério Público do RJ pede multa para SuperVia por pane ferroviária

Transportes sobre trilhos

Flávia Villela 
Repórter da Agência Brasil 
foto - ilustração
O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) protocolou hoje (27), na 6ª Vara Empresarial, petição para aplicação de multa à SuperVia, concessionária dos trens urbanos do Rio de Janeiro, pelos prejuízos causados aos usuários com a pane de quarta-feira (22) passada no sistema ferroviário do município.
Leia mais sobre os problemas dos trens no Rio de Janeiro.
De acordo com o subcoordenador da área de Defesa do Consumidor do MPRJ, Sidney Rosa, a petição inclui vídeos, fotos e documentos enviados pelos usuários, além de imagens veiculadas pela imprensa, que evidenciam o descumprimento da liminar obtida na Justiça pela 3ª Promotoria de Defesa do Consumidor, que exige solução para a má qualidade dos serviços de trens, sobretudo, atrasos, tumultos, acidentes e paralisação dos serviços.
“A liminar prevê que, se empresa não fizer manutenção e permitir a ocorrência de panes por falta de reparos nas composições, ela deve receber uma multa no valor de R$ 300 mil. O que estamos fazendo é demonstrar o descumprimento da liminar e pedir a aplicação de multa. Temos feito isso recursivamente”, explicou ele.
Em 2003, o Ministério Público firmou com a SuperVia um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que determina a devolução do valor da passagem quando a viagem é interrompida. A SuperVia comprometeu-se a restituir o valor da tarifa sempre que viagem não se completar e a pagar multa de R$ 500 a cada caso de descumprimento, ou seja, quando não devolver o valor a cada passageiro prejudicado.
Também foi ajuizada uma ação civil pública que obriga a SuperVia a impedir a circulação de trens com portas abertas. Multa de R$ 20 mil será cobrada em cada caso de descumprimento. O promotor disse que o ministério já requereu, com base em vários casos de circulação de trens com portas abertas, a aplicação de multas que totalizam R$ 240 mil.
O MPRJ tem pelo menos 15 ações contra a concessionária, das quais oito com decisões de liminar já deferidas. Os usuários que enfrentam problemas com os trens urbanos podem encaminhar pela internet relatos, imagens ou vídeos no site Consumidor Vencedor.
“Sempre que houver descumprimento dessas decisões, é bom que o consumidor nos envie material para pedirmos novas aplicações de multa”, ressaltou o promotor.
Em nota, a SuperVia informou que aguarda a intimação para tomar as medidas necessárias.
Fonte - EBC  27/01/2014

Polícia Federal confirma investigação contra sonegação da Globo!

Notícias

Miguel do Rosário
O Cafezinho
Agora já temos um número e um delegado responsável. É o inquérito 926 / 2013, e será conduzido pelo delegado federal Rubens Lyra.
O chefe da Delegacia Fazendária da Polícia Federal do Rio de Janeiro, Fabio Ricardo Ciavolih Mota, confirmou à comitiva do Barão de Itararé-RJ que o visitou hoje: o inquérito policial contra os crimes fiscais e financeiros da TV Globo, ocorridos em 2002, foi efetivamente instaurado.
Os crimes financeiros da TV Globo nas Ilhas Virges Britânicas foram identificados inicialmente por uma agência de cooperação internacional. A TV Globo usou uma empresa laranja para adquirir, sem pagar impostos, os direitos de transmissão da Copa do Mundo de 2002.
A agência enviou sua descoberta ao Ministério Público do Brasil, que por sua vez encaminhou o caso à Receita Federal. Os auditores fiscais fizeram uma apuração rigorosa e detectaram graves crimes contra o fisco, aplicando cobrança de multas e juros que, somados à dívida fiscal, totalizavam R$ 615 milhões em 2006. Hoje esse valor já ultrapassa R$ 1 bilhão.
Em seguida, houve um agravante. Os documentos do processo foram roubados. Achou-se uma culpada, uma servidora da Receita, que foi presa, mas, defendida por um dos escritórios de advocacia mais caros do país, foi solta, após conseguir um habeas corpus de Gilmar Mendes.
Em países desenvolvidos, um caso desses estaria sendo investigado por toda a grande imprensa. Aqui no Brasil, a imprensa se cala. Há um silêncio bizarro sobre tudo que diz respeito à Globo, como se fosse um tema tabu nos grandes meios de comunicação.
Um ministro comprar uma tapioca com cartão corporativo é manchete de jornal. Um caso cabeludo de sonegação de impostos, envolvendo mais de R$ 1 bilhão, seguido do roubo do processo, é abafado por uma mídia que parece ter perdido o bonde da história.
Nas “jornadas de junho”, um grito ecoou por todo o país. Foi talvez a frase mais cantada pelos jovens que marchavam nas ruas: “A verdade é dura, a Rede Globo apoiou a ditadura”.
A frase tem um sentido histórico. É como se a sociedade tivesse dito: a democracia voltou; agora elegemos nossos presidentes, governadores e prefeitos por voto direto; chegou a hora de acertar as contas com quem nos traiu, com quem traiu a nossa democracia, e ajudou a criar os obstáculos que impediram a juventude brasileira de ter vivido as alegrias e liberdades dos anos 60 e 70.
O Brasil ainda deve isso a si mesmo. Este ano, faz cinquenta anos que ocorreu um golpe de Estado, que instaurou um longo pesadelo totalitário no país. A nossa mídia, contudo, que hoje se traveste de paladina dos valores democráticos, esquece que foi justamente ela a principal assassina dos valores democráticos. E através de uma campanha sórdida e mentirosa, que enganou milhões de brasileiros, descreveu o golpe de 64 como um movimento democrático, como uma volta à democracia!
A ditadura enriqueceu a Globo, transformou os Marinho na família mais rica do país. E mesmo assim, eles patrocinam esquemas mafiosos de sonegação de imposto?
O caso da sonegação da Globo é emblemático, e deve ser usado como exemplo didático. Se o Brasil quiser combater a corrupção, terá que combater também a sonegação de impostos. Se estamos numa democracia, a família mais rica no país não pode ser tratada diferentemente de nenhuma outra. Se um brasileiro comum cometer uma fraude fiscal milionária e for pego pela Receita, será preso sem piedade, e seu caso será exposto publicamente.

Por que a Globo é diferente? A sonegação da Globo deve ser exposta publicamente, porque é uma empresa que sempre viveu de recursos públicos, é uma concessão pública, e se tornou um império midiático e financeiro após apoiar um golpe político que derrubou um governo eleito – uma ação pública, portanto.
Esperamos que a Polícia Federal cumpra sua função democrática de zelar pelo interesse público nacional. E esperamos também que as Comissões da Verdade passem a investigar com mais profundidade a participação das empresas de mídia nas atrocidades políticas que o Brasil testemunhou durante e depois do golpe de 64. Até porque sabemos que a Globo continuou a praticar golpes midiáticos mesmo após a redemocratização, recusando-se a dar visilidade (e mentindo e distorcendo) às passeatas em prol de eleições diretas, manipulando debates presidenciais e, mais recentemente, tentando chancelar a farsa de um candidato (o episódio da bolinha de papel).
O Brasil se cansou de ser enganado e, mais ainda, cansou de dar dinheiro àquele que o engana. Se a Globo cometeu um grave crime contra o fisco, como é possível que continue recebendo bilhões em recursos públicos?
Fonte - Do Blog do Miro (Altamiro Borges)  27/01/2014

O voo de Dilma e a miséria moral da oposição....

Politica


Fernando Brito
Parece incrível, mas boa parte do debate político do dia de hoje foi sobre a escala do avião presidencial brasileiro em Lisboa, vindo de Zurich, a caminho de Cuba.
A mídia ficou repercutindo mais uma idiotice do PSDB, que lança um protesto e uma nota oficial até quando Dilma Rousseff espirra, com a Folha dando início a uma história sem pé nem cabeça sobre um suposto “capricho” presidencial de fazer uma escala em Lisboa – de apenas 15 horas, incluída aí a madrugada -para jantar num restaurante.
Pura idiotice de figuras como Álvaro Dias, o pateta da República.
É só olhar os manuais técnicos e ver que o avião tem, sim, capacidade para fazer o vôo direto entre Zurich e Havana, mas operando perto do limite (mais de 80%) de seu alcance.
Isso é o suficiente para alternar aeroporto na região, de acordo com as normas de vôo internacionais, em caso de mau tempo sobre o destino.
Em condições normais.
Mas não em condições excepcionais.
É por isso que nenhum companhia aérea opera vôos transatlânticos como A-319 da Airbus, o aparelho presidencial. Mesmo com a versão CJ, que tem um pouco mais de combustível.
E o tempo sábado estava como “céu de brigadeiro”?
Bom os interessados podem repetir, clicando aqui, a busca que fiz sobre o tempo no Atlântico Norte, área que deveria ser cruzada pelo avião presidencial.
Alíás, fiz a busca usando o título de um artigo que encontrei, que discutia a possibilidade de uma tempestade “histórica” naquele trecho do oceano, na altura das Ilhas Britânicas, pouco acima da rota natural do avião.
Passamos, então, à abobrinha do jantar presidencial.
O chanceler Luiz Alberto Figueredo disse que cada um pagou sua despesa e Dilma também.
E se não tivessem pago, não haveria nada de mais.
Não passa pela cabeça de ninguém que, se a Presidenta estiver “dura”, ela que peça para fazerem uma “vaquinha” para pagar um Big Mac para acalmar a fome.
De qualquer forma deve ter custado menos que as passagens que o Senado pagou para o Senador Aécio Neves passar o Carnaval de 2012 no Rio ( vindo 15/02 no Webjet 6795 BSB/SDU e voltando, bem esticado, na terça da semana seguinte aos folguedos, dia 28, no Gol 1582).
Será que não há um repórter para apurar esses fatos, que estão aí, a uma busca no Google ou jornalismo é só ficar no “ele disse, o outro falou”?
Fonte - Do Blog Tijolaço  27/01/2014

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Lagoa de Abaeté é abandonada e está sendo engolida pela areia das dunas

Meio Ambiente

Foto: Francisco Galvão/Tribuna da Bahia
A calçada está quebrada em muitos lugares, podendo causar acidentes

Maíra Côrtes - TB
A sensação de abandono é visível para quem chega a um dos únicos parques de Área de Proteção Ambiental (APA) de Salvador. Calçadas de pedras portuguesas danificadas, escadas quebradas e sujeira na parte externa do centro comercial são comuns para quem se arrisca a passear pelo local. Entretanto, de todos os problemas enfrentados por comerciantes e visitantes, a falta de segurança ainda é o maior.
Em ano de Copa do Mundo, tendo Salvador como uma das cidades-sedes, baianos lamentam o abandono do Parque Metropolitano Lagoa do Abaeté. Composto por dunas, 18 lagoas e vegetação nativa, o turismo já foi um dos pontos fortes do Abaeté na década de 1990, como lembra Maria Iraildes de Sousa, moradora da região há 25 anos.
“Houve uma época em que aqui era um tempo de comércio forte, de movimento intenso e de alegria entre os visitantes”, comentou D. Iraildes, que atualmente sobrevive do que consegue vender em um quiosque localizado na margem da Lagoa.
De acordo com o administrador do Parque, Tiago Marques, do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), estão sendo pensadas guaritas estratégicas e monitoramento no portal de cima e no portal de baixo da Lagoa. Mas, o administrador admitiu que nada disso consta no orçamento do órgão para este ano. “Foi feito levantamento para atender as necessidades da comunidade, do turista e do meio ambiente, mas tudo ainda requer aprovação orçamentária”, disse Tiago Marques.

ASSALTOS
São inúmeros os casos de assaltos nas proximidades da lagoa, fazendo com que as pessoas frequentem cada vez menos o local. “A última vez que estive no Abaeté foi há oito anos. Após sofrer um assalto a mão armada, falei com um policial em um posto que tinha lá, mas ele disse que não podia fazer nada. Depois disso, nunca mais tive vontade de voltar”, relatou a professora Maiara Paraiso, que estava com a família no mesmo dia em que outras pessoas também tinham sido assaltadas. A assunto “segurança” é unânime entre trabalhadores e frequentadores. “O que mais sentimos falta aqui é de mais policiamento, sem isso, não tem visitante, não tem turismo, não tem renda para nós trabalhadores”, pontuou Januário Cerqueira, gerente de bar. A promotora de vendas Camila Barros também reclama da insegurança.
“Eu costumava vir sempre com amigos e familiares, mas depois de ver tantos episódios de assalto, raramente apareço por aqui. Seria bom poder aproveitar mais a paisagem da Lagoa do Abaeté, mas não vale a pena se arriscar tanto”, lamenta. Enquanto os projetos do Inema não são aprovados, visitantes e trabalhadores contam com a presença esporádica de policiais. Segundo Tiago Marques, existe uma parceria com a 15ª Companhia Independente da Polícia Militar que atua com cavalaria e viaturas na região da APA.

Nível da lagoa está diminuindo
No Abaeté uma lagoa chama a atenção porque está diminuindo de tamanho. Para o biólogo e fundador da Universidade Livre das Dunas e Restingas de Salvador (Unidunas), Lutero Maurício, esse é um processo já esperado, mas não há riscos de desaparecimento do manancial.
“A Lagoa só está procurando o equilíbrio natural dela. Ela teria que ser abastecida de duas formas: pela chuva e pelas nascentes. Mas com a construção na cidade, a Lagoa perdeu a água pluvial que passou a ser desviada, mas ainda conta com a água da nascente”, explica o Lutero ao observar que a Lagoa já baixou cinco metros na diagonal e pouco mais de um metro na vertical.
A atual situação da lagoa não afasta a possibilidade de tornar o local um forte potencial para o turismo ecológico, segundo afirma o próprio Lutero Maurício. “A área poderia ser muito bem utilizada pelo turismo como, por exemplo, realizar trilhas ecológicas, que na verdade já existem, mas não podemos levar ninguém lá por ser rota de fuga de bandidos”, declarou.
O taxista Jailton Maia faz questão de levar turistas ao Abaeté. “É um lugar tão bonito que não pode sair do roteiro turístico, com certeza vale a pena fazer um registro dessas belezas naturais. Os clientes ficam muito felizes por ver isso aqui”, conta o taxista que passeava com um grupo de holandeses.

Corte de Haia decide a favor do Peru em disputa de mar territorial com o Chile

Internacional

De Monica Yanakiew
Correspondente da Agência Brasil/EBC
EBC
A Corte Internacional de Justiça (CIJ), sediada em Haia, na Holanda, concedeu ao Peru, nesta segunda-feira (27), a parte do Oceano Pacífico que o país reivindica e que era controlada pelo Chile. Os dois governos prometeram respeitar a decisão, que coloca um fim a seis anos de litígio.
O Peru reivindicava 38,3 mil quilômetros quadrados do Oceano Pacífico, que representam 1% da zona econômica exclusiva chilena.
A questão também é acompanhada pela Bolívia, que apelou em 2011 à Corte de Haia como terceiro envolvido na disputa sobre águas territoriais entre Peru e Chile. Na época, o presidente Evo Morales disse que o assunto envolve diretamente seu país porque a área debatida é a mesma que reivindicam desde 1879.
A disputa remonta à chamada Guerra do Pacífico (1879-1883), que confrontou os três países em disputa por território. Ao final da guerra, o Chile anexou áreas dos dois países - a província peruana de Tarapacá e a área boliviana de Antofogasta - e a Bolívia perdeu a saída para o mar.
Fonte - Agência Brasil  27/01/2014

ANTT discutirá malha da FCA em reunião em Juazeiro

Ferrovias

ANTT
foto ilustração
A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) realiza nesta quarta-feira (29/01) em Juazeiro (BA) Reunião Participativa para ouvir manifestações da população local sobre o aproveitamento que será dado aos trechos devolvidos da malha da Ferrovia Centro Atlântica (FCA) nos estados da Bahia e Pernambuco.
O objetivo do encontro é ouvir o que a população sugere quanto ao melhor aproveitamento dos trechos ferroviários nos quais não trafegam trens. Esses trechos poderão ser utilizados para composições de passageiros ou para fins turísticos, bem como para projetos de mobilidade urbana.
Esta reunião encerra o ciclo de audiências envolvendo o processo definido pela Resolução ANTT nº 4.131/2013, destinada a colher propostas para a manutenção da operação ferroviária nessa malha e ao aproveitamento dos trechos para implantação de passageiros ou de turismo.
Antes de Juazeiro, houve reuniões em Vitória(ES) (09/12/13), Montes Claros(MG) (18/12/13), Campos dos Goytacases(RJ) (13/01/14), Salvador (21/01/14) e Aracaju (23/01.14). A documentação completa relativa aos objetivos dessas reuniões está disponível (até o dia 31 deste mês) em sua integralidade no site da Agência, no seguinte endereço eletrônico: http://www.antt.gov.br – Tomada de Subsídio nº 019/2013.
A reunião em Juazeiro será realizada no Grande Hotel de Juazeiro/sala 01 – Mezanino – Rua José Petitinga, 466 entre 14 e 18h.
Fonte - Revista Ferroviária  27/01/2014

SAVEIROS voltam a colorir o mar baiano

Saveiros da Bahia

Rayllana Lima
TB
foto - ilustração
No início da tarde de ontem (26), a tradicional regata de saveiros encantou os baianos e turistas que estavam aproveitando o domingo ensolarado no Porto da Barra, um dos pontos turísticos de Salvador. A 42ª edição da Regata João das Botas reuniu cerca de 100 embarcações que deixaram a paisagem da praia da Barra ainda mais encantadora. Os primeiros colocados foram premiados.
Organizada pelo Comando do 2º Distrito Naval, através da Capitania dos Portos da Bahia (CPBA), e com patrocínio da Braskem, a competição proporcionou um verdadeiro baile de veleiros e saveiros nas águas baianas. Embarcações dos tipos saveiros de vela içar, saveiros de vela de pena, canoas, barcos de pesca e catraias, foram distribuídas em 12 classes, saindo do Porto da Barra, indo até as boias próximas do farol de Mar Grande, e retornando para o ponto de início.
De acordo com o comandante José Antônio Freitas Costas, organizador do evento desde 2005, manter a tradição é muito importante, mas o esperado era que pelo menos 150 embarcações fossem inscritas. “Os saveiros já foram um meio de transporte na cidade. É uma pena que o número de inscrito cai a cada edição. Mas, nessa competição, a data coincidiu com a festa de Jaguaribe, e muitas embarcações foram prestigiar a festa”, explicou.
Sobre a competição, o comandante confessou que se emociona ao ver a largada. “Cada vez que vejo as velas içar saindo, me emociono. Sinto que estou ajudando a manter a tradição”, desabafou. Não é a primeira vez que a gerente de vendas Fabiana Magalhães, 40, assiste a uma regata de saveiros. Ela já chegou a participar de uma competição, e afirma que a sensação é incrível. “É muito bonito ver todas as embarcações saindo juntas. Já participei da Regata Aratu-Maragojipe e foi fantástico”, exclama a gerente de vendas.
Fabiana estava admirando a largada das outras classes enquanto esperava por seu marido, Ricardo Tavares, que estava em um dos primeiros saveiros a sair. Orgulhosa, ela informou que ele foi o idealizador do Dia Municipal do Saveiro, comemorado no dia 19 de janeiro.
“Ele é apaixonado por saveiros e propôs a Câmara que o dia fosse comemorado. Ricardo já chegou a expor miniaturas de saveiros feitos por ele”, explicou. Ela informou ainda que, Ricardo Tavares, que é escritor, está escrevendo um livro sobre a história dos saveiros.
foto - ilustração
Espetáculo no mar do Porto
Soteropolitanos e turistas ficaram encantados com o visual que a regata deu ao Porto da Barra. Para a francesa de 23 anos, que está há apenas três dias em Salvador, e preferiu se identificar apenas como Carlita, foi uma surpresa encontrar mais uma paisagem tão bonita nas praias baianas. “Estava passando e vi o espetáculo no mar. Achei muito bonito”, disse. O aposentado Adalberto Oliveira, 65, aproveitou o dia para espairecer enquanto tomava uma cervejinha,e admirava a regata. “Aposentado já fica o dia todo em casa, como fiquei sabendo da competição, decidi me divertir um pouco. E valeu a pena, a largada foi bonita demais”.
Já para a psicóloga Camila Baqueiro, 34, o evento poderia ter sido melhor. Ela estava passando pela Barra com sua irmã Patrícia Baqueiro, 41, e ambas não sabiam do evento. Mas decidiram parar para admirar o ambiente.
Segundo Camila Baqueiro, faltou mais organização. “Achei o ambiente confuso. Não é uma praia convidativa. É bonita a questão da regata, mas o domingo no Porto da Barra por si só já é tumultuado, e as pessoas não preservam a praia, jogando todo o lixo consumido na areia. Eu teria aproveitado mais a competição se tivesse sido em um lugar mais calmo”, desabafou.
A ideia surgiu em 1969, quando várias embarcações de Salvador fizeram um belo espetáculo para a despedida de uma escuna. A Regata foi criada para marcar o sesquicentenário da Independência na Bahia, em 1973. Seu nome homenageia o herói da guerra de Independência da Bahia, em 1823, João das Botas.
Fonte - Tribuna da Bahia  27/01/2014

Hora de ocuparmos a TV aberta

Comunicação

Bruno Marinoni
Observatório do Direito à Comunicação:
foto - ilustração
A possibilidade de que os movimentos sociais tenham liberdade para falar diretamente à população por meio da TV aberta pode ser uma realidade a médio prazo, no Brasil. Na última segunda-feira (20), o Ministério das Comunicações aprovou o pedido do Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (Irdeb) para operar o Canal da Cidadania. Com a medida, a cidade de Salvador terá reservado, na TV aberta, espaço para duas emissoras não-comerciais dirigidas pela sociedade civil.
O desafio para a concretização dessas emissoras, no entanto, é ainda muito grande. Embora esteja previsto na norma regulamentar do Canal da Cidadania que “o Ministério das Comunicações selecionará para este fim (operar duas faixas de programação) duas associações comunitárias por município e três no Distrito Federal”, montar uma emissora de televisão aberta e garantir sua gestão democrática é algo que pode ser considerado inédito no país, apesar dos esforços que já foram feito nesse sentido.
No Brasil, as TVs comunitárias foram relegadas ao ostracismo (para utilizar um eufemismo) pelos interesses comerciais que pressionaram as tentativas de regulamentação desse segmento. Sem condições para se financiar razoavelmente, em um cenário em que a produção audiovisual independente sempre andou mal das pernas, capturadas por interesses individuais ou eleitoreiros que sufocam a democracia em suas gestões e restritas às transmissões por meio de TV por assinatura, dificilmente essas TVs puderam exercer sua dimensão comunitária de fato.
Agora, o Canal da Cidadania abre espaço para que as emissoras comunitárias possam ser sintonizadas na TV aberta e para que sejam formados conselhos participativos que discutam o conteúdo e a gestão dessas TVs. Além disso, a produção audiovisual independente tem crescido no país e as novas tecnologias têm favorecido a ampliação do número de produtores, alguns fundos públicos já prevêem recursos a serem aplicados no setor direta ou indiretamente (como a Condecine, por exemplo).

O papel da sociedade civil
Apesar das possibilidades inscritas na implementação do Canal da Cidadania, duas questões precisam ser enfrentadas: a grande dependência da iniciativa do poder público e a necessidade de que a sociedade civil compreenda a importância do espaço e se mobiliza para ocupá-lo.
A outorga para que o serviço seja operado é dada a órgãos das prefeituras ou dos governos estaduais, que devem ocupar uma das quatro ou cinco faixas de programação suportadas pelo canal (grosso modo, cada faixa de programação equivale a uma emissora). As duas emissoras comunitárias, para operarem no Canal da Cidadania, dependem do pedido de concessão pelo poder público, da instalação dos conselhos locais de comunicação (costumeiramente rejeitados pelas forças políticas influenciadas pelos empresários de mídia), da instalação dos equipamentos de transmissão pelo órgão responsável e dos avisos de habilitação publicados pelo Ministério das Comunicações.
No caso de Salvador, por exemplo, o pedido foi feito pela TV Educativa do governo do estado e não houve conversa com a sociedade civil. Já no Rio de Janeiro, o processo todo tem acontecido por pressão da Frente Ampla pela Liberdade de Expressão (Fale-Rio), que tem levantado a bandeira da importância de ocupar esse espaço. No dia 13 de janeiro, a Câmara dos Vereadores autorizou a prefeitura (que já fez a solicitação da outorga) a dispor do orçamento para instalar o Canal da Cidadania e o conselho municipal.
A lista de pedidos de outorga do Canal da Cidadania disponibilizada pelo site do Ministério das Comunicações, ainda que incompleta (Salvador não consta na lista), contabiliza apenas 149 de um total de 5.570 municípios brasileiros. É muito pouco. Talvez por desconhecimento, talvez por descrença. O fato é que os movimentos sociais ainda não abraçaram a ideia do Canal da Cidadania e, com isso, poderemos perder a chance de ter um veículo de comunicação com a população que não seja orientado pela busca do lucro ou pelo discurso oficial.
Fonte - Blog do Miro ( Altamiro Borges) 27/01/2014