sábado, 4 de janeiro de 2014

Câmara pode votar reserva de vagas para negros em concursos

Política

O projeto que reserva 20% das vagas em concursos públicos federais para negros e pardos pode ser uma das primeiras matérias analisadas pelos deputados este ano. O texto já foi aprovado na Comissão de Direitos Humanos e precisa passar pela Comissão de Constituição e Justiça e pelo plenário antes de ir ao Senado...

Carolina Gonçalves
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O projeto de lei (PL 6738/13) que reserva 20% das vagas em concursos públicos federais para negros e pardos pode ser uma das primeiras matérias analisadas pelos deputados federais quando retomarem as atividades no dia 2 de fevereiro. O texto foi um dos últimos aprovados antes do recesso de final de ano na Comissão de Direitos Humanos (CDH), mas ainda precisa passar pela Comissão de Constituição e Justiça e pelo plenário antes de seguir para o Senado.Como o texto foi enviado pelo governo com urgência constitucional, o prazo para análise em cada Casa é 45 dias. Assim, o projeto de lei trancou a pauta da Câmara no dia 23 de dezembro sem sequer ter passado pelo crivo do último colegiado: a CCJ.O objetivo do Executivo é garantir a reserva por dez anos. Mas a regra, sugerida pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), valerá apenas quando o texto for sancionado. Para isso, a proposta ainda precisa passar pela análise do Senado, que poderá alterar alguns itens.
Na Câmara, os parlamentares decidiram incluir uma emenda para que a reserva de vagas também seja aplicada na ocupação de cargos comissionados no funcionalismo público. O relator da matéria na CDH, deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), defendeu a novidade e explicou que os cargos comissionados correspondem a 70% do quadro de funcionários e, por isso, mesmo sendo ocupados por iniciativa de gestores por um período temporário, “não faz sentido deixá-los fora do alcance de uma política de ação afirmativa”.
Pela proposta aprovada, ainda ficou definido que, dentro da reserva de 20% do total de vagas, 75% devem ser ocupadas por negros que estudaram em escolas da rede pública de ensino.
O projeto defendido pelo Planalto garante que, além das vagas reservadas, os negros também podem concorrer àquelas destinadas à ampla concorrência em concursos para órgãos e entidades da administração pública federal, autarquias, fundações públicas, empresas públicas e sociedades de economia mista controladas pela União.
Fonte - Agência Brasil  04/01/2014

Nova etapa do Programa Mais Médicos começa em fevereiro

Saúde

A terceira etapa de contratação será iniciada no mês que vem com os profissionais brasileiros e, em março, com os estrangeiros. Segundo o Ministério da Saúde, a meta é chegar a 13 mil médicos. Atualmente o programa conta com 6.658 profissionais, atendendo a 23 milhões de brasileiros...

Cristina Indio do Brasil
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro - A terceira etapa de contratação do Programa Mais Médicos será iniciada no mês que vem com os profissionais brasileiros e, em março, com os estrangeiros. Segundo o Ministério da Saúde, a meta é atingir 13 mil médicos. Atualmente o programa conta com 6.658 profissionais, atendendo a 23 milhões de brasileiros.
Os locais onde os médicos irão trabalhar ainda não foram escolhidos. O ministério pretende contemplar municípios que não receberam profissionais do programa lançado pelo governo federal em julho de 2013.
No estado do Rio, foram beneficiadas 765,9 mil pessoas em 23 municípios, entre eles Duque de Caxias, Belford Roxo e Mesquita, na Baixada Fluminense; Campos dos Goytacazes, no norte fluminense, Petrópolis na região serrana, e a cidade do Rio. No estado, 222 profissionais fazem parte do programa, sendo 198 estrangeiros.
Na capital, trabalham 70 médicos. O maior número está nas zonas oeste (34) e norte (31). A maior parte dos 68 estrangeiros é cubana. Há ainda uma espanhola, um argentino e uma peruana. Todos atendem em unidades básicas de saúde e em clínicas da Família próximas às comunidades, e são monitorados pelos coordenadores das unidades.
Na avaliação da Secretaria Municipal de Saúde, como os médicos cubanos tinham o costume de atender em clínicas da Família de Cuba, eles se adaptaram muito bem ao trabalho no Brasil e a resposta dos pacientes é positiva.
A Bahia é o estado que recebeu mais profissionais (787). Na sequência, vêm os estados de São Paulo (588), do Ceará (572) e do Maranhão (445), onde, segundo o Ministério da Saúde, há o menor índice de médicos por mil habitantes do país (0,5).
Fonte - Agência Brasil  04/01/2014

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Mais de mil disputam vaga para ir à Marte

Ciência

Missão vai selecionar os 24 colonos que viajarão ao planeta vermelho em seis grupos de quatro pessoas

DN
Nova York. Mais de mil pessoas foram pré-selecionadas para formar parte de um grupo de primeiros colonos do planeta Marte, em 2025, informou ontem a companhia holandesa Mars One, autora do projeto.
Foto: Nasa
O Mars One promete ser a primeira iniciativa a explorar outro planeta. Até agora, as agências espaciais só conseguiram enviar sondas robóticas à Marte
A seleção foi realizada a partir de 200 mil pessoas, de 140 países, que se inscreveram para fazer parte da primeira onda de colonização do Planeta Vermelho. No total, 1.058 candidatos passaram à segunda fase da seleção, segundo a Mars One.
O maior grupo de interessados vem dos Estados Unidos (24%), da Índia (10%), da China (6%) e do Brasil (5%). Mas também se inscreveram candidatos de países como Argentina, Chile, Colômbia, Espanha, México, Peru, Alemanha, Austrália, Canadá, Filipinas, França, Itália, Polônia, Reino Unido, Rússia, Turquia e Ucrânia.
"O desafio com os 200.000 inscritos era separar os que pensamos ser capazes - mental e fisicamente - para a missão de embaixadores humanos em Marte dos que não levam o desafio a sério", disse Bas Lansdorp, fundador e presidente da Mars One.
A Mars One vai selecionar agora, em várias fases, os 24 colonos que devem viajar a Marte em seis grupos de quatro pessoas.

Desafios
O plano enfrenta vários obstáculos. Segundo o projeto, os colonos, que jamais poderão regressar à Terra, deverão viver em pequenos habitats, encontrar água, produzir oxigênio e cultivar seus próprios alimentos.
Além disso, Marte é um grande deserto, a atmosfera é composta principalmente por dióxido de carbono e a temperatura média é de -63° C. Os "astronautas" também se submeterão a uma perigosa radiação cósmica durante a viagem. Por último, ainda não existe um foguete nem uma cápsula que transportem esses voluntários, admitiu a Mars One.
O projeto enfrenta muito ceticismo, mas entre seus apoiadores está o Nobel holandês Gerard´t Hooft, ganhador do prêmio de Física em 1999, que aparece em um vídeo promovendo a Mars One no site de financiamento coletivo Indiegogo.
Até agora, as agências espaciais ao redor do mundo só conseguiram enviar sondas robóticas a Marte, sendo a última a Curiosity, da Nasa, estimada em US$ 2,5 bilhões, e que pousou no planeta em agosto de 2012.
Se for bem sucedida, a missão será a primeira iniciativa a explorar outro planeta.
Fonte - Diário do Nordeste  03/01/2014

Os RICOS cada vez mais RICOS

Economia


Por Altamiro Borges
Desde 2007, o sistema capitalista atravessa uma gravíssima crise econômica, comparada por muitos estudiosos à Grande Depressão de 1929. Mas quem paga o ônus são os assalariados, com recordes de desemprego, brutal arrocho dos salários e retirada de históricos direitos trabalhistas. Os causadores da desgraceira, os capitalistas, ainda ganham com a crise, concentrando mais capital. Isto é o que revela o recente índice da “Bloomberg Billionaires”, um ranking das 300 maiores fortunas do planeta.
Segundo matéria desta quinta-feira (2) do jornal Valor, dedicado à elite empresarial nativa, “as pessoas mais ricas do planeta ficaram ainda mais ricas em 2013 após aumentarem o seu patrimônio líquido coletivo em US$ 524 bilhões, segundo o índice Bloomberg Billionaires... O patrimônio líquido total dos principais bilionários do mundo permaneceu em US$ 3,7 trilhões no fechamento do mercado, em 31 de dezembro, segundo o ranking. Os maiores ganhos ocorreram na indústria de tecnologia, que subiu 28 por cento ao longo do ano”.
Das 300 pessoas que apareceram no ranking final de 2013, apenas 70 registraram uma perda líquida no período de 12 meses. Na maior caradura, o ricaço John Catsimatidis, fundador do conglomerado imobiliário e de energia Red Apple Group, ainda comemora. “Os ricos continuarão ficando mais ricos em 2014”. Bill Gates, fundador e presidente da Microsoft, foi quem mais lucrou em 2013. Sua fortuna cresceu de US$ 15,8 bilhões, para US$ 78,5 bilhões. “Gates retomou do investidor mexicano Carlos Slim o título de pessoa mais rica do mundo”, informa o Valor.
Sheldon Adelson, fundador da Las Vegas Sands Corp., a maior empresa de cassinos do mundo, foi o segundo maior ganhador em 2013, com um aumento de US$ 14,4 bilhões em sua riqueza depois que as ações da sua corporação subiram 71%. Além da indústria de alta tecnologia e do rei da jogatina, os banqueiros também auferiram altos lucros com a agiotagem financeira – explorando a desgraça alheia em meio à crise capitalista.
Na América Latina, o empresário Carlos Slim perdeu US$ 1,4 bilhão em 2013 devido às medidas adotadas pelo Congresso do México de combate ao monopólio nas telecomunicações. Mesmo assim, ele segue no posto de maior ricaço da região, US$ 51 bilhões à frente do brasileiro Jorge Paulo Lemann. A terceira pessoa mais rica da América Latina é o colombiano Luis Carlos Sarmiento, que controla mais de um quarto da indústria financeira do país. Quem mais perdeu no ano passado foi o empresário Eike Batista, cujo patrimônio líquido encolheu mais de US$ 12 bilhões.
Fonte - Blog do Miro  03/01/2014

Turistas se queixam em Salvador da sinalização de trânsito e de ambulantes

Cidades

Foto: Francisco Galvão
A insistência dos ambulantes incomoda os turistas

Faltam alguns meses para os jogos da Copa do Mundo, mas no auge do fluxo turístico da alta estação Salvador ainda recebe críticas dos visitantes em relação a serviços e infraestrutura. Na manhã de quinta-feira (2), primeiro dia útil do ano, a Tribuna foi às ruas saber os principais pontos positivos e negativos da cidade sob a visão dos turistas.
Entre as principais queixas estão a deficiente sinalização de trânsito na cidade e dos pontos de ônibus - nunca indicando a direção e as paradas do coletivo -, as formas de atendimento nos estabelecimentos e a abordagem dos comerciantes de rua. Já os elogios ficaram a cargo do policiamento nos pontos turísticos, da beleza da parte histórica da cidade e da receptividade do soteropolitano.
Com um grupo de três amigos, o estudante João Paulo Zatoni, 23 anos, enfrentou de carro quase 1500 km que separam São Paulo de Salvador para participar da primeira festa de réveillon realizada na Praça Cayru. Encantado com o clima e as belezas naturais da capital baiana, ele estendeu a estada e circulava na manhã de ontem pelas ruas do Centro Histórico. “É uma cidade que tem uma energia muito boa. As pessoas só têm uns probleminhas que acabam afastando os visitantes”, afirmou antes de iniciar a lista de reclamações sobre a infraestrutura da cidade e sobre a forma de abordagem dos prestadores de serviço e ambulantes.
Ao lado dos colegas, ele contou os problemas encontrados para conseguir chegar aos pontos turísticos. “Desde o dia que nós chegamos encontramos dificuldade para andar de carro na cidade, mesmo nos pontos turísticos. A gente se perdeu várias vezes por conta da sinalização deficiente, isso quando havia sinalização”, contou. Sobre problemas dos pontos turísticos, o grupo apontou a má conservação de alguns espaços públicos na região do Centro Histórico.
O grupo também reclamou da falta de fiscalização em relação aos flanelinhas. “Aqui em Salvador você não para de gastar dinheiro. Todo lugar que se para tem que pagar estacionamento, até no meio da rua. E o pior é pagar e ainda se sentir ameaçado pelo carinha. Senti que algumas pessoas pensam que porque somos turistas, automaticamente temos dinheiro para gastar. Isso não é verdade”, desabafou, contando a situação que viveu ao estacionar para ir ao show na Praça Cayru, no dia da virada. Segundo João Paulo, ele e os amigos foram abordados por um homem ao estacionarem nas proximidades do Elevador Lacerda e tiveram de pagar o valor de R$ 30 sob a ameaça de terem o carro danificado. “Quando a viatura passou, o cara saiu correndo e então percebemos que ele já havia extorquido diversas pessoas”, continuou.

Infraestrutura e transporte público
Há poucos minutos em Salvador, a goiana recém- chegada do réveillon de Guarajuba Priene Bittar, 30, já tinha uma queixa formulada em relação a infraestrutura no Centro Histórico. “Como é que um cartão-postal e meio de transporte como o Elevador Lacerda não possui um banheiro fixo para quem utiliza o serviço? É um absurdo que em uma cidade turística como Salvador a gente tenha que ir a um restaurante para poder ter acesso a um banheiro”, questionou a empresária que disse ter sido informada por funcionários do Elevador Lacerda sobre onde utilizar o sanitário.
A dupla cearense Wilker Brito, 19 anos, e Tiago Albuquerque, 25, teve mais elogios do que criticas sobre a capital baiana. Hospedados na região da Avenida Tancredo Neves, eles disseram ter ficado satisfeitos com o transporte público no dia do réveillon. “Não sei como é aqui, mas lá em Fortaleza eles recolhem a frota mais cedo no dia do réveillon e nós achávamos que aqui acontecia da mesma forma. Então foi uma surpresa chegar e sair do Comércio de ônibus sem enfrentar nenhum problema”, disse Wilker. Em Salvador, ele diz ter estranhado o horário de funcionamento das lojas no Pelourinho. “A gente chegou cedo aqui, já estamos indo embora e muitas não abriram as portas ainda”, concluiu.Já o engenheiro de alimentos Tiago Albuquerque elogiou o policiamento no Centro Histórico. “Dá uma sensação grande de segurança”, pontuou. Quem concordou com ele foi a argentina Lidia Bloonfeld. Em férias com a família, ela destacou a presença constante de policiais no Centro Histórico e a amabilidade do soteropolitano. “Tenho uma pequena queixa em relação aos serviços prestados aqui, principalmente no quesito agilidade”, afirmou, logo sendo alertada pelo guia turístico de que se trata de uma questão cultural. 
Fonte - Tribuna da Bahia  03/01/2014

Comentário Pregopontocom :
A verdade é que a cidade de Salvador que diz ter uma vocação para o turismo esta longe de saber aproveitar esse potencial natural,investindo na sua infraestrutura urbana,no transporte público de qualidade, na melhoria da prestação de serviços públicos e privados,no treinamento de uma mão de obra qualificada para o setor de turismo,na limpeza da cidade,na sua organização,na implantação de um sistema de informação visual e eletrônico para melhor informar e orientar os visitantes que por aqui passam,a "mina" esta ai, é só sabe usa-la  e explora-la de maneira inteligente e racional......

Estação brasileira Comandante Ferraz na Antártica será inaugurada em 2016

Ciência


A reinauguração da Estação Antártica Comandante Ferraz foi adiada para março de 2016. A base brasileira no continente, destruída em um incêndio em fevereiro de 2012, tinha previsão inicial de inauguração do novo complexo em 2015...

Heloisa Cristaldo
Repórter da Agência Brasil
Brasília – A reinauguração da Estação Antártica Comandante Ferraz foi adiada para março de 2016. A base brasileira no continente, destruída em um incêndio em fevereiro de 2012, tinha previsão inicial de inauguração do novo complexo em 2015. No entanto, a licitação para a reconstrução da estação foi suspensa e deverá ser retomada neste mês, segundo informações da Secretaria Interministerial para os Recursos do Mar, da Marinha. A concorrência é estimada em R$ 137 milhões.

Apesar de ser o principal posto brasileiro, a Estação Comandante Ferraz não é a única base de atuação no Continente Antártico. Na primeira semana de outubro de 2013 foi iniciada a 32ª Operação Antártica (Operantar 32), com a partida do Navio Polar Almirante Maximiano e do Navio de Apoio Oceanográfico Ary Rongel. A operação se estenderá por um período de um ano.
Na Operantar serão apoiados 24 projetos científicos de diferentes áreas de conhecimento, selecionados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), envolvendo cerca de 300 pessoas, entre pesquisadores e alpinistas, distribuídos nos dois navios e nos Módulos Antárticos Emergenciais (MAE). Serão feitas pesquisas de estudo da biodiversidade e do ecossistema, investigações sobre mudanças climáticas naquela região e suas consequências para o mundo, além de pesquisas nas áreas de oceanografia, glaciologia e geologia.
De acordo com a coordenadora-geral para o Mar e Antártica do MCTI, Janice Trotte Duhá, o Plano de Ações para a Ciência Antártica 2013/2022 avaliará o impacto do continente diretamente na América do Sul. O plano é dividido em cinco eixos temáticos que estudam temas como o impacto dos ecossistemas antártico com a região e as mudanças climáticas e o papel da criosfera - áreas da superfície terrestre cobertas permanentemente por gelo e neve - no sistema terrestre.

“Em cada um desses eixos temáticos, a gente associa a Antártica com a América do Sul, que na verdade é o grande salto qualitativo da ciência que a gente passa a fazer. Outra área que a gente quer estimular bastante é a interação maior com os programas científicos de países da América do Sul, voltados para o nosso lado do Atlântico”, explica Duhá.
A partir deste ano, 20 novos projetos com a participação de pesquisadores brasileiros serão desenvolvidos na Antártica. Serão destinados R$ 13,8 milhões de fundos setoriais, somados a recursos do CNPq e a emendas da Frente Parlamentar pela Antártica. O planejamento de ações no continente começa com oito meses de antecedência. Devido às condições climáticas, esses projetos só serão desenvolvidos no verão antártico.
Segundo previsões de Janice Duhá, esses projetos já poderão se beneficiar da nova Estação Comandante Ferraz. “Imaginamos que dois verões antárticos serão suficientes para reerguer a estação. Em março de 2014, devemos ter a pedra fundamental, fruto de estudos geotécnicos feitos lá na Antártica. Como os projetos têm prazo de três anos, uma parte deles já poderá ser feita na Estação Comandante Ferraz”.
O desafio para a pesquisa científica na região, segundo Duhá, é garantir o volume de recursos financeiros. “A gente sabe que a logística em regiões remotas é muito difícil, cerca de 60% [dos recursos] são gastos com logística para 40% de gastos com pesquisa. O grande desafio do ministério é tentar prover recursos financeiros necessários para a gente manter e ampliar as nossas pesquisas na Antártica”.
Fonte - Agência Brasil  03/01/2014

Veja também - 
Degelo na Antártica aumentará o efeito estufa, dizem pesquisadores

Executivo da Siemens foi instruído a destruir papéis de conta em paraíso fiscal

Investigação

JB  
foto - ilustração
O gerente-geral da área de projetos corporativos da Siemens, Sergio de Bona, declarou em depoimento à Polícia Federal que foi instruído a destruir "todo e qualquer documento" relativo à conta bancária secreta que ex-diretores da empresa mantinham em Luxemburgo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
A conta foi descoberta pela matriz da empresa na Alemanha durante auditoria interna, após o escândalo de corrupção mundial na empresa, o que resultou na demissão do então presidente da empresa no Brasil, Adilson Primo, em outubro de 2011.
Primo era um dos proprietários da conta bancária, que recebeu cerca de US$ 7 milhões de dinheiro da Siemens na Alemanha e nos Estados Unidos.
Em depoimento à PF, o vice-chefe do setor de compliance da Siemens na Alemanha, Mark Gough, disse que há suspeitas de que a conta era utilizada para pagar propina a agentes públicos no Brasil.
De acordo com De Bona, executivos da Siemens o pressionaram a aceitar a incumbência de encerrar a conta no exterior. O gerente afirmou também à PF que, em 2004, quando o quadro de sócios da empresa que era dona da conta foi alterado e Adilson Primo foi incluído entre eles, o ex-presidente da Siemens lhe entregou, em sua própria sala, cópia de seu passaporte e assinou documentos relativos à conta.
O executivo contou ainda que Romero lhe disse que a conta existia para despesas do plano de pensão para funcionários alemães que trabalhavam no Brasil.
A Siemens negou conhecer a existência da conta e disse que colabora com as autoridades na apuração do caso.
Fonte - Jornal do Brasil  03/01/2014

Milhares de voos são cancelados por causa da nevasca nos EUA

Internacional


Cerca de 3 mil voos foram cancelados nessa quinta-feira (2) nos Estados Unidos devido à tempestade de neve que atingiu o Nordeste do país, acompanhada de ventos fortes e temperaturas negativas.
A nevasca afeta uma região com cerca de 100 milhões de habitantes...

Da Agência Lusa
Nova York - Cerca de 3 mil voos foram cancelados nessa quinta-feira (2) nos Estados Unidos devido à tempestade de neve que atingiu o Nordeste do país, acompanhada de ventos fortes e temperaturas negativas.
Nova York, Nova Jersey, Pensilvânia e parte da Nova Inglaterra estão sob alerta de tempestade de inverno, que vigora até o meio-dia desta sexta-feira (3).
De acordo com o  - FlightAware.com -, portal especializado que monitora o tráfego aéreo, mais de 500 voos foram cancelados nos aeroportos nova-iorquinos. O aeroporto internacional de Boston também foi afetado, tendo sido anunciada a suspensão de todas as partidas na quinta-feira à noite. Foram ainda cancelados mais de 600 voos previstos para hoje em Nova York e em Boston e cerca de 900 em todo o país.

Segundo as previsões meteorológicas, em Nova York a temperatura deve atingir na noite de sexta-feira para sábado até -13 graus Celsius (°C), mas a sensação térmica será de - 23°C, por causa do vento. A neve deverá atingir uma altura de até 20 centímetros.
A tempestade de neve em Nova York é o primeiro teste para o novo prefeito, Bill de Blasio, que assumiu suas funções na quarta-feira. "Estamos prontos", afirmou ontem, após coletiva de imprensa.
Em Boston, onde a neve também caiu abundantemente nessa quinta-feira, o termômetro deve descer até os 21 °C negativos. Para esta sexta-feira, o presidente da Câmara de Boston, Thomas Menino, ordenou o fechamento das escolas públicas.
O governador do estado de Nova Jersey, Chris Christie, declarou estado de emergência, assim como o governador Andrew Cuomo, no estado de Nova York, que anunciou ainda o fechamento de três vias rápidas, incluindo a de Long Island, onde foi emitido um aviso de neve. O governador de Nova York ativou também o Centro Estadual de Operações de Emergência devido ao mau tempo.
A tempestade de neve afeta uma região com cerca de 100 milhões de habitantes.
Fonte - Agência Brasil  03/01/2014

Degelo na Antártica aumentará o efeito estufa, dizem pesquisadores

Ciência

Heloisa Cristaldo
Repórter da Agência Brasil


Brasília - A Antártica é a maior reserva de água doce da Terra. Seus 14,2 milhões de quilômetros quadrados - 1,6 vezes a extensão territorial do Brasil - são cobertos por uma capa de gelo de 2 quilômetros de espessura média. Além disso, tem as maiores reservas de gelo (90%) e água doce (70%) do planeta. Em seu estado sólido, essas reservas regulam o clima do Hemisfério Sul e distribuem umidade pelo planeta. Também resfriam a atmosfera e retiram carbono, metano e outros gases que influenciam diretamente no efeito estufa.
O Continente Antártico está situado na Região Polar Austral. Ele é formado por uma massa continental localizada quase inteiramente dentro do círculo polar antártico. É cercado pelo Oceano Antártico, de limites imprecisos, formado pelo encontro das águas dos oceanos Atlântico, Pacífico e Índico, a chamada Confluência Antártica. 

As temperaturas no verão variam de 0º Celsius (ºC), no litoral, a –32º C no continente e, no inverno, variam de –15º C, no litoral, a –65º C no continente. De acordo com informações de participantes do Seminário Antártica 2048, evento que discutiu a pesquisa na região, a possibilidade de um degelo no continente acionaria um círculo vicioso, de quanto mais degelo, mais carbono e metano seriam jogados na atmosfera e, consequentemente, acarretaria em um maior efeito estufa, temperaturas mais altas e, consequentemente, mais degelo.

Atualmente, 29 países - incluindo o Brasil - mantém bases e desenvolvem pesquisas na Antártica. No verão, essas bases recebem mais de 4 mil pesquisadores, em cooperação científica estabelecida pelo Tratado da Antártica. O tratado de cooperação estabelece uma moratória até 2048 para a exploração de recursos não renováveis na região. O Brasil faz parte deste acordo desde 1975 e deu início ao Programa Antártico Brasileiro (Proantar), em 1982.
Segundo o glaciologista Jefferson Simões, ainda não existe um policiamento do Tratado da Antártica. Para o pesquisador, a qualidade dos estudos e da ciência feitas na região é que determinam o status de um país no Tratado Antártico.
“O Brasil é líder na pesquisa [sobre o Continente Antártico] da América Latina. Grandes conhecimentos da química e da física são feitos na Antártica. Há organismos que estão em estado dormente há mais de 400 mil anos dentro do gelo na Antártica”, explica Simões.
Outro acordo de cooperação para estabelecer procedimentos na região, o Protocolo de Madri, assinado em 1998, determina regras a serem seguidas na execução de pesquisas científicas e no apoio logístico às estações antárticas. O objetivo é proteger a flora e a fauna da região. Há limitações com a eliminação de resíduos e medidas preventivas contra a poluição marinha.
De acordo com a Marinha do Brasil, em três décadas, o Proantar fará uma média anual de 20 projetos de pesquisas nas áreas de oceanografia, biologia, biologia marinha, glaciologia, geologia, meteorologia e arquitetura. Além de pesquisadores e cientistas, o turismo é uma atividade regular que já leva ao continente mais de 40 mil visitantes por ano.
Fonte - Agência Brasil  03/01/2014

Veja também -
Estação brasileira Comandante Ferraz na Antártica será inaugurada em 2016

Espanha, país massacrado por Franco, faz polêmica com o "jeitinho brasileiro"

Internacional

JB
foto - ilustração
O jornal espanhol El País publicou reportagem neste dia 1º, intitulada “O polêmico ‘jeitinho’ brasileiro”, na qual analisa o comportamento da população e conclui que o artifício, que de tempos pra cá tem sido denegrido, nada mais é do que “arranjar uma saída para uma situação sem saída” e, portanto, tem ares de inteligência, além de uma “criatividade ancestral”.
Embora o texto admita que o jeitinho brasileiro também esteja presente entre os mais ricos, é nos mais pobres que ele se mostra com força. Isso porque, segundo a matéria, os que sofreram uma batalha sangrenta no passado sabem o que é a economia de guerra. Ou seja, os mais pobres, “que sempre foram maioria no Brasil”, não podem hoje ser acusados de resignados, já que o poder segue os negando o essencial, como viver em uma sociedade com igualdade de direitos.
Para esses, com seus direitos renegados, “mais vale um pássaro na mão do que dois voando”, de acordo com o artigo do El País. E é aí que se mostra o jeitinho brasileiro: eles poderiam estar dispostos a derrubar o poder e ocupar a cidade rica, daqueles que não necessitam de jeitinhos porque lhes sobram recursos e apoios políticos. Mas não o fazem porque possuem esse “pássaro na mão”, que oferece a sensação de que algo está melhorando. No entanto, o artigo acredita que, pouco a pouco, é possível que os brasileiros percebam que melhor que o jeitinho é poder atuar como um cidadão pleno, com direitos e deveres, em uma sociedade que funcione para todos, como foi visto nas manifestações de junho.
Surpreende que tal artigo venha de um jornal espanhol, país cuja população passou 40 anos sendo oprimida pela ditadura de Francisco Franco. Não houve injustiça maior do que a ditadura franquista, e não houve "jeitinho espanhol" nenhum para contornar as dificuldades. Pelo contrário: Franco sequer deixava que seu país se comunicasse com o mundo. Não havia importações, cinemas não passavam filmes estrangeiros, havia apenas dois canais de televisão e também apenas dois jornais - um da monarquia, chamado ABC, e outro do próprio Franco.
O autor da reportagem do El País talvez tenha memória curta, ou tenha vivido no exílio. Não conheceu a repressão sanguinária do seu país. Uma repressão tão violenta que teve no episódio do assassinato do almirante Carrero Blanco um dos mais emblemáticos. No dia 20 de dezembro de 1973, um atentado acabou com a vida do então presidente do governo da Espanha. A explosão foi tão violenta que seu carro voou pelos ares, atingindo 40 metros de altura e passando por cima de um prédio de cinco andares.
Falta autoridade ao país que sofreu uma severa repressão por quase 40 anos - e que passou por uma guerra que matou quase 10% de sua população - para que se faça qualquer tipo de crítica a desigualdades e dificuldades que resultem no "jeitinho brasileiro".
Fonte - Jornal do Brasil  02/01/2014

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Metrô de Xangai passa a ser primeiro com mais de 500 km

Transportes sobre trilhos


Metrô de Xangai (BBC)

Esta semana, a cidade de Xangai estabelece um novo recorde: com a abertura das linhas 12 e 16, a metrópole chinesa passa a ter o primeiro sistema de metrô do mundo com comprimento total superior a 500 quilômetros. Nos próximos anos, serão adicionados mais 230 km, extensão superior à do metrô de Paris. Enquanto Xangai atinge esta semana 567 quilômetros de trilhos em operações, Londres tem 400 quilômetros, e Nova York, 337 quilômetros. Já o metrô de São Paulo, maior rede do Brasil, tem 74 quilômetros.
Fonte - BBC Brasil  02/01/2014

A desigualdade de renda recente no Brasil e nos EUA

Economia

No primeiro dia do ano, o New York Times publicou texto de Paul Krugman dando conta do aumento da desigualdade de renda nos EUA de 2000 a 2012.

José Carlos Peliano

No primeiro dia deste ano, o jornal The New York Times publicou texto de Paul Krugman dando conta do aumento da desigualdade de renda nos EUA de 2000 a 2012. Neste período os 90% dos indivíduos dos estratos inferiores da população americana passaram a deter de 54,7% a 50,4% da renda total, atingindo uma perda de cerca de 8% em 12 anos.
Interessante observar que, ao contrário deste cenário regressivo da maior potência ainda hegemônica do planeta, o Brasil no mesmo período apresentou uma redução significativa da desigualdade de renda, exatamente pela melhoria dos rendimentos dos mais pobres – não só pelo aumento relativo das rendas da maioria dos indivíduos pertencentes aos grupos que recebem até 2 salários mínimos, mas também e principalmente pela incorporação de mais de 5 milhões de famílias no mercado através do Programa Bolsa Família.
A consequente ampliação exuberante da demanda proporcionada pela melhoria de renda e inclusão de novos consumidores, um dos pilares da nova política econômica posta em prática nas administrações de Lula e Dilma, não é de maneira alguma reconhecida pela grande mídia sequer mencionada pelos economistas da oposição. De fato, essa modificação marcante do perfil da distribuição de renda continuará trazendo benefícios ponderáveis à economia brasileira pelo fortalecimento continuado do mercado interno, a garantia de renda em salários e demais rendimentos e um círculo virtuoso de consumo e produção, o que certamente dará condições para maiores estímulos aos investimentos.
Assim, o primo pobre do sul começa a mostrar ao primo rico do norte que há um caminho alternativo de política econômica que beneficia a economia como um todo a partir do reconhecimento do papel importante desempenhado pelos estratos mais pobres. Simples assim: o impulso sustentado do investimento não precisa sempre e necessariamente vir do consumo, poupança e aplicações dos mais ricos, podendo em momentos de crises, períodos de estagnação ou mesmo de períodos normais vir de ações que estimulem principalmente o consumo dos mais pobres, ainda que sobre espaço para suas pequenas poupanças e aplicações.
Resultado em números da opção da política econômica brasileira na última década em contraste com a dos EUA é que, aqui, a desigualdade cai e a produção industrial sobe (25%), enquanto lá a desigualdade sobe e a capacidade de produção industrial recua 6%. Decisões diferentes, resultados distintos.
Os argumentos de Krugman podem ser resumidos a dois centrais. Primeiro, a queda de 8% na renda dos 90% mais pobres americanos de 2000 a 2012 juntou-se à queda da capacidade de produção da economia em até 6%; o aumento da desigualdade fez mais que a recessão para deprimir as rendas da classe média. Segundo, havia uma bolha de poupança dos mais ricos de 1% amparada por uma bolha de crédito ao consumo dos mais pobres. A crise derrubou a produção, o consumo e a poupança deixando os pobres com as dívidas do crédito e o desemprego.
A mesma crise que assolou os EUA e o mundo também passou por aqui. Só que o crédito aqui, mesmo alimentado pela poupança dos mais ricos, foi direcionado para sustentar e garantir a produção industrial interna, enquanto lá boa parte do crédito ao consumo não ficou no circuito de financiamento industrial do país já que foi direcionado aos compromissos das relações produtivas e comerciais internas com o mercado externo.
A exposição americana ao mercado externo é bem superior a do Brasil. A sustentação do mercado interno brasileiro incentivada pela política econômica contempla todo o setor industrial, mas também os pequenos negócios com ações e instrumentos específicos de crédito, financiamento e garantias de participações em programas e projetos. Um conjunto de medidas desse tipo cria liames sólidos com o restante do complexo industrial. O que proporciona abertura de novas oportunidades, mais trabalhos e empregos, além de salários e rendimentos.
Se os EUA não praticarem uma política econômica voltada também para atender e incluir os mais pobres, a desigualdade tenderá a subir e a produção industrial poderá estagnar, se não alçar voo de galinha, para ficar somente nos termos e argumentos de Krugman. Enfim, o capitalismo continuará o mesmo, tanto lá como aqui, porém menos seletivo, discriminatório e injusto. A maior participação da população no mercado de trabalho, no entanto, pode aproximar os interesses dos cidadãos com os dos consumidores e investidores e daí trazer para a pauta dos direitos e deveres individuais a discussão e a redefinição dos rumos da sociedade e do bem estar social.
(*) José Carlos Peliano é economista
Fonte - Carta Maior 02/01/2014

Resgatados passageiros do navio russo encalhado na Antártida

Notícias

Foram resgatados com sucesso os 52 passageiros do navio russo encalhado na Antártida 






Novas indústrias iniciam produção na Bahia

Economia

Ulisses Dumas | Ag. Bapress | Divulgação
Canteiro de obras da fábrica da Basf em Camaçari: multinacional está investindo R$ 1,2 bi na Bahia

Paula Janay Alves
A Tarde

Apesar dos gargalos, o setor industrial da Bahia vai ganhar fôlego novo em 2014. Pelo menos 19 empreendimentos entrarão em operação este ano, dentre eles o Estaleiro Enseada do Paraguaçu, em Maragojipe, o Parque Eólico Curva dos Ventos, em Igaporã e Caetité, e a fábrica do grupo O Boticário, em Camaçari.
Também em 2014 serão concluídas as obras da montadora JAC Motors, o polo acrílico da Basf e a nova fábrica de motores da Ford.
Os maiores impactos na economia só serão sentidos a partir de 2015, quando as produções da Basf e a JAC Motors começarem, mas os efeitos imediatos com os investimentos na indústria da construção, contratação e treinamento de pessoal e montagens de equipamentos já começaram no ano passado e continuam em 2014.
Segundo o vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), Reinaldo Sampaio, a expectativa para 2014 é positiva. "Estamos convencidos que o PIB do Estado continuará avançando além da média do crescimento brasileiro, especificamente o PIB industrial", afirmou.
A fábrica do Grupo O Boticário entra em operação em junho. A capacidade de produção é de 30 milhões de itens de perfumaria e cuidados pessoais por ano. Ao todo, o grupo está investindo R$ 535 milhões na Bahia - R$ 380 milhões na fábrica e R$ 155 milhões em um centro de distribuição em São Gonçalo dos Campos. 

Megaprojeto
Quem passou pela Via Parafuso em setembro passado e viu o transporte dos dois reatores de mais de 300 toneladas pôde ter uma ideia da dimensão do complexo acrílico da Basf, ainda em construção em Camaçari.
Segundo o vice-presidente do Projeto Complexo Acrílico Basf, Willi Nass, atualmente a fábrica já emprega mais de 3 mil trabalhadores em sua construção. "Nós já estamos causando um impacto positivo na economia baiana. Estamos contratando empresas, principalmente de construção civil. Todas 100% baianas", afirma Nass.
Em 2014, a fábrica estará em fase de término das construções e início da montagem mecânica e elétrica. Após a finalização, mais de 230 empregos diretos e 600 indiretos serão gerados. A produção comercial começa em 2015.
Com investimento de R$ 1,2 bilhão (R$ 300 milhões só em 2014), a Basf irá produzir 200 mil toneladas de ácido acrílico por ano. O faturamento previsto é de US$ 300 milhões por ano. "Vamos reduzir as importações que o Brasil faz hoje. Serão menos US$ 200 milhões de importação, que é muito importante na balança comercial", afirma Nass.
A influência na balança comercial se deve à fabricação de superabsorventes, atualmente importado pelas indústrias que utilizam o material para produzir itens como fraldas descartáveis. Além disso, espera-se um aumento de US$ 100 milhões no volume de exportações.
Ainda para a instalação do polo acrílico, foi necessário um investimento de R$ 50 milhões da Braskem, que vai fornecer 100 mil toneladas por ano do propeno, fabricado pela empresa e utilizado como matéria-prima pela Basf.

Automóveis
Com investimento de R$ 1 bilhão, a fábrica da JAC Motors começa a nascer também em 2014. Com a terraplanagem quase finalizada, a estimativa é que a fase de construção civil se inicie, o que vai gerar mais empregos no setor.
Com a planta em operação mais de 3,5 mil empregos diretos e 10 mil indiretos serão gerados. Apesar de só ser inaugurada completamente em 2015, o primeiro carro baiano será lançado em 2014. A produção pode chegar a 80 mil veículos de passeio e 15 mil caminhões.
Já em construção, a nova fábrica de motores da Ford demandou um investimento de R$ 400 milhões e tem previsão de ficar pronta em 2014. A capacidade de produção é de 210 mil motores por ano.
Com os novos projetos, o desafio do Estado agora é melhorar e modernizar a infraestrutura, principalmente portos, rodovias e ferrovias, segundo os empresários.
Fonte - A Tarde  02/01/2014

SuperVia recebe novos carros de passageiros

Transportes sobre trilhos

RF
foto - ilustração
A SuperVia recebeu em dezembro mais quatro carros de passageiros dos 80 carros que foram comprados da Alstom e estão sendo produzidos no Brasil. No início do mês de dezembro, a concessionária carioca já tinha recebido dois carros. Esses carros formarão o primeiro trem desta encomenda.
A previsão é que os primeiros trens comecem a operar no primeiro semestre de 2014. Os 80 carros devem ser entregues até setembro de 2014. Eles contam com ar condicionado, passagem interna entre os carros, sistema que não permitirá a abertura de portas durante as viagens, TVs e painéis de LED, mapa de linhas, circuito interno de câmera e capacidade para transportar até 2.600 passageiros por composição.
A operadora está investindo R$ 280 milhões que, além dos carros, contempla a construção de uma fábrica de montagem de trens nas dependências da oficina de Deodoro, localizada na Zona Norte do Rio de Janeiro.
Em 2014, além desses 80 novos carros, a concessionária começará a receber outros 240 carros, encomendados da China pelo Governo do Estado, cuja entrega foi antecipada de setembro para o mês de abril.
Fonte - Revista Ferroviária  02/02/2014

Vale vende 26,5% das ações da VLI para Brookfield

Logistica

RF
foto - ilustração
A Vale anunciou em dezembro que fez um acordo com o fundo gerido pela Brookfield Asset Management para a venda de 26,5% de sua participação no capital da VLI, empresa de logística integrada de carga geral controlada pela Vale. O acordo é de R$ 2 bilhões.
Após a conclusão dessa transação, a Vale terá participação de 37,6% na VLI. Em setembro, a empresa anunciou os acordos de transferência de capital de 20% para Mitsui & Co. e de 15,9% para o Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS (FI-FGTS), que é administrado pela Caixa Econômica Federal.
As vendas das ações da VLI ainda estão sujeitas a aprovação dos órgãos governamentais, como o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). Segundo o comunicado da Vale sobre a negociação com a Brookfield, “a venda de participações no capital da VLI é consistente com a estratégia da Vale de reduzir sua exposição a ativos considerados non-core e diminuir significativamente dispêndios futuros de capital em investimentos nesses ativos”.

Vagões Norte-Sul
No final de dezembro, a VLI anunciou que aumentou em 2013 a frota de vagões da Ferrovia Norte Sul (FNS) em 306 unidades, sendo 208 vagões do tipo hopper para o transporte de grãos e 98 vagões tanques para combustíveis. Segundo o gerente da FNS, Leonardo Paiva, com o aumento da frota, a empresa garante atendimento logístico de uma região que está crescendo significativamente no agronegócio brasileiro e também abrindo fronteiras no segmento de combustíveis.
Segundo a empresa, os vagões que estão sendo adquiridos também são mais modernos e com mais capacidade de transporte, garantindo maior produtividade para a ferrovia. Os vagões para grãos podem atingir até 98 toneladas de capacidade cada um. Alguns vagões já estão operando e outros ainda em fase de testes.
Os vagões tanque são utilizados no transporte de combustíveis. Eles podem carregar 116 mil litros, um acréscimo de quase 30% em relação à capacidade volumétrica dos antigos (90 mil litros).
Fonte - Revista Ferroviária  02/01/2014

Mídia sucumbe ao próprio veneno

Mídia

Por Cadu Amaral, em seu blog
foto - ilustração
Para encerrar bem o ano de 2013, a autoproclamada “grande imprensa”, solta seus já conhecidos sambas de uma nota só. Além de um provável programa no Fantástico (?) da Globo sobre a mãe de Joaquim Barbosa, que pode ser candidato à presidência em 2014, uma lista com nomes para participarem dos jogos bobocas do Programa do Faustão em que nela aparece Aécio Neves (PSDB) e as equipe são nas cores azul e amarelo. Coincidência?
O canal de tevê fechada GloboNews, em seu programa Painel, apresentado pelo apresentador mais próximo dos EUA no país, William Waack, apresentou um “debate” sobre direita e esquerda.
Como não podia deixar de ser, senão não era a Globo, todos os três “debatedores” eram de direita, entre eles o Reinaldo Azevedo, de Veja. Junte isso ao próprio apresentador e tivemos, por quase cinquenta minutos, quatro pessoas tentando destruir o espectro ideológico de esquerda no Brasil. Se a Globo tive o mínimo de senso de ridículo, ao menos um dos convidados seria de esquerda. Porém pedir o senso de ridículo à Globo é pedir demais. Seja na quantidade que for.
*Entre as inúmeras baboseiras que soltavam em rede nacional de tevê fechada, estava a de que “os esquerdista não sabem lidar com a diferença”. Pois é, falaram isso durante um programa para debater direita e esquerda e que só participaram debatedores de direita. Isso sim é saber lidar com as diferenças, não acham?
Outra bobagem ditas pelos “entendedores” de linhas ideológicas foi a de que o Brasil é “um país de esquerdista” e “ser liberal é ser revolucionário”. Seria cômico se não fosse trágico.
O programa Painel, da GloboNews, é a prova material do que disse Márcio Pochmann, da Fundação Perseu Abramo, à revista Fórum, sobre a imprensa no Brasil.
“Os jornais que temos hoje também escrevem para os seus militantes, escrevem o que eles querem ouvir, e por isso esses jornais estão com dificuldades para ampliar o seu número de leitores, é por isso que os jovens não interagem com esses jornais. Mas eles têm um público cativo, e para manter esse público cativo ficam alimentando uma visão que é, a meu ver, insustentável, isso não tem futuro. Estamos assistindo ao fim desse tipo de imprensa. Está em construção uma outra imprensa, uma outra cobertura, que é a coisa digital e isso também está em construção", afirmou Pochmann.
Por essas e outras que a internet vem ganhando o terreno da televisão como mídia mais consumida pelos brasileiros. De acordo com o um estudo realizado pelo IAB Brasil em parceria com a comScore chamado “Brasil Conectado – Hábitos de Consumo de Mídia”. Hoje no país, cerca de 100 milhões de pessoas, 82% dos entrevistados, se informam e se entretém pela internet.
Enquanto que, em 2013, a audiência da Globo foi a pior da História, principalmente de seu principal programa, o Jornal Nacional. Entre 2012 e 2013, a audiência caiu cerca de 18,4%. No acumulado da década, a queda foi de quase 30%. O Fantástico sua horrores para chegar a 20 pontos.
Lógica natural de uma mídia que tenta convencer as pessoas de uma realidade que não existe. Que é extremamente panfletária, mas jura de pés juntos ser imparcial e compromissada com a informação e a verdade factual. Provavelmente por acreditar que seus telespectadores, ouvintes e leitores tenham a capacidade intelectual do personagem de desenho animado Homer Simpson.
Como o próximo ano é eleitoral, a postura da “grande imprensa” deverá ser o mesmo e seguindo o mesmo comportamento sua audiência cairá ainda mais. Ela não é uma grande imprensa, não trata os temas de forma grandiosa, completa, com a finalidade que deveria. Ela é apenas uma imprensa grande, graças inclusive ao golpe de 1964. Mas do jeito que vai, nem uma imprensa grande será mais. E em menos tempo do que se pensa.
*  Grifos Pregopontocom
Fonte - Blog do Miro 02/01/2014

Cai número de acidentes e mortes em rodovias durante festas de fim de ano

Transito 


A Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou 6.651 acidentes nas rodovias federais brasileiras e 380 mortes durante o período das festas de Natal e Ano-Novo. Em 2012, foram 7.407 acidentes e 420 óbitos. O balanço da Operação Rodovida indica ainda que 4.352 pessoas ficaram feridas, contra 4.642 do ano anterior...

Pedro Peduzzi
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Durante as festas de final de ano foram registrados 6.651 acidentes nas rodovias federais brasileiras e 380 mortes, segundo balanço que será divulgado hoje (2) às 11h pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). Em 2012, foram 7.407 acidentes e 420 mortes.
Ainda de acordo com a PRF, esses acidentes resultaram em 4.352 pessoas feridas, ante os 4.642 registrados em 2012. Os números, referentes ao período entre os dias 20 de dezembro e 1º de janeiro, fazem parte da Operação Rodovida, que conta com a ajuda da União, estados e municípios.
Com esta iniciativa, a PRF busca diminuir a violência no trânsito das rodovias federais, principalmente durante as comemorações de final de ano, férias escolares de janeiro e carnaval.
Fonte - Agência Brasil   02/01/2014

O futuro dos caminhões

Os trucks do futuro

Turistas estrangeiros devem injetar US$ 9,2 bilhões na economia brasileira em 2014

Economia

Vitor Abdala
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
Rio de Janeiro – Os turistas estrangeiros devem injetar US$ 9,2 bilhões (cerca de R$ 22 bilhões) na economia brasileira em 2014, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur). Caso a previsão seja confirmada, isso representará um crescimento de 38,5% em relação a 2012, quando foram geradas US$ 6,64 bilhões (R$ 15,6 bilhões) em divisas internacionais.
Em 2013, até novembro, o turismo estrangeiro movimentou US$ 6,13 bilhões (R$ 14,4 bilhões) no país. A expectativa é que feche o ano entre US$ 6,6 bilhões e US$ 7,7 bilhões (cerca de R$ 18 bilhões).
Parte dos recursos previstos para 2014 serão gerados pela Copa do Mundo da Fifa (Federação Internacional de Futebol), que ocorre de 12 de junho a 13 de julho em 12 cidades brasileiras. Em todo o ano de 2014 são esperados 7 milhões de turistas estrangeiros no país, um recorde.
“A presença de 7 milhões de turistas significa provavelmente a geração de recursos superiores à indústria automobilística e à indústria de papel e celulose no Brasil, mostrando a importância econômica do turismo e, portanto, a necessidade de haver investimentos públicos e privados, como vem ocorrendo na expansão da rede hoteleira”, disse o presidente da Embratur, Flavio Dino.
Segundo Dino, é preciso receber bem o turista estrangeiro e, para isso, é necessário ampliar investimentos em infraestrutura (como aeroportos) e ensinar línguas estrangeiras a profissionais que têm contato com esses turistas.
“Tenho muita confiança na necessidade de haver investimentos e a competitividade, ou seja, haver políticas públicas e ações privadas que garantam preços justos, para que esses turistas possam ser bem acolhidos e também economicamente estimulados a voltar ao Brasil”, disse Dino.
Fonte - Agência Brasil  01/01/2014

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Derrotas dos barões da mídia em 2013

Política


Por Altamiro Borges
Em 2013, o debate sobre o poder ditatorial dos meios de comunicação e sobre a urgência da regulação democrática da mídia ganhou impulso no mundo inteiro. Até o Reino Unido, chocado com os escândalos de corrupção e invasão de privacidade do império de Rupert Murdoch, aprovou uma dura legislação. A Rainha Elizabeth 2ª se tornou, na visão dos barões da mídia, a nova “chavista” do planeta. Os avanços mais sensíveis se deram na América Latina. Infelizmente, o Brasil se manteve na posição da “vanguarda do atraso” no enfrentamento desta questão estratégica.
O “Royal Charter” britânico
A nova legislação britânica, assinada em outubro, cria um órgão regulador para a mídia imprensa, estabelece um código de ética para os veículos e fixa multas de até R$ 3,7 milhões para os crimes da imprensa. Ela se soma à regulação já existente há décadas sobre as concessões públicas de rádio e televisão. Os abusos da mídia britânica, principalmente do império Murdoch – o maior do planeta – resultaram num fato inédito. A nova lei foi elaborada pelo governo conservador de David Cameron, obteve o apoio da oposição trabalhista e foi assinada pela Rainha Elizabeth.
Os monopólios do setor fizeram de tudo para sabotar a nova lei. Ingressaram na Justiça, pressionaram parlamentares e até atacaram a “sagrada” monarquia britânica. A pressão, porém, não evitou que a rainha ratificasse a “Royal Charter”, a carta real sobre a mídia imprensa. Os poderes públicos se viram pressionados pela sociedade, que não engoliu os crimes praticados pelo jornal “News of the Word”, do empresário australiano Rupert Murdoch. O tabloide, que subornou e grampeou telefones ilegalmente, inclusive foi fechado e seus diretores podem ir para a cadeia.
Pela lei aprovada, o novo órgão regulador poderá aplicar multas de até 1 milhão de libras (R$ 3,7 milhões), além de impor correções e pedidos de desculpas por parte de jornais e revistas com o mesmo destaque dado pelas matérias caluniosas. Ele será composto por integrantes indicados de forma independente, sendo vedada a participação de editores dos veículos privados. Já o código de ética exige “respeito pela privacidade onde não houver suficiente justificativa de interesse público”. Qualquer pessoa que alegar ter sido atingida por reportagens poderá acionar o órgão.
A defesa do pluralismo na Europa
As derrotas dos barões da mídia não se deram apenas no Reino Unido. Em vários países tão badalados como expressão da “democracia liberal” também ocorreram importantes revezes em 2013. Outro destaque do ano, simplesmente ocultado pela imprensa brasileira, foi a aprovação do relatório “Uma mídia livre e pluralista para sustentar a democracia europeia”, em janeiro do ano passado. O documento foi elaborado por um grupo de alto nível (HLG) constituído no âmbito da União Europeia e faz trinta recomendações sobre a regulação democrática da mídia.
Entre outros pontos, o relatório realça que “o conceito de liberdade de mídia está intimamente relacionado à noção de liberdade de expressão, mas não é idêntico a ela. A última está entronizada nos valores e direitos fundamentais da Europa: ‘Todos têm direito à liberdade de expressão... Pluralismo na mídia é um conceito que vai muito além da propriedade... Pluralismo inclui todas as medidas que garantam o acesso dos cidadãos a uma variedade de fontes e vozes de informação, permitindo a eles que formem opiniões sem a influência indevida de um poder dominante”.
Para o desespero dos barões da mídia, o documento propõe a introdução da educação para a leitura crítica da mídia nas escolas secundárias; o monitoramento permanente do conteúdo da mídia por parte de organismo oficial; a total neutralidade de rede na internet; a provisão de fundos estatais para o financiamento da mídia alternativa que seja inviável comercialmente, mas essencial ao pluralismo; a existência de mecanismos que garantam a identificação dos responsáveis por calúnias e a garantia da resposta e da retratação de acusações indevidas.
“Todos os países da União Europeia deveriam ter conselho de mídia independente, cujos membros tenham origem política e cultural equilibrada, assim como sejam socialmente diversificados. Esses organismos teriam competência para investigar reclamações (...), mas também certificariam de que as organizações de mídia publicaram seus códigos de conduta e revelaram detalhes sobre propriedade... Os conselhos de mídia devem ter poderes legais, tais como imposição de multas, determinar a publicação de justificativas e cassação do status jornalístico”, afirma o relatório.
Espionagem e atritos nos EUA
Se na Europa o debate sobre a regulação democrática da mídia produziu alguma luz, na pretensa “pátria da democracia”, os EUA, ele só gerou atritos e nada de concreto. Mesmo assim, o tema esteve na ordem do dia. Durante vários meses, o presidente Barack Obama e os impérios midiáticos se digladiaram. O governo acusou abertamente a rede Fox, do mesmo Rupert Murdoch, de se transformar no braço político do Partido Republicano e da sua corrente mais fascistoide, o Tea Party. Já os veículos acusaram a Casa Branca de monitorar os seus repórteres e promover retaliações.
Em junho passado, num fato inédito, as corporações midiáticas chegaram a boicotar uma reunião com o secretário de Justiça, Eric Holder. A crise decorreu das revelações de que o governo espionava jornalistas. A agência de notícias Associated Press e a TV Fox News tiveram telefonemas e e-mails de seus repórteres monitorados pelo Departamento de Justiça, que investigava o vazamento de informações consideradas confidenciais pelo governo. Diante do escândalo, que desmistifica a “pátria da democracia”, Barack Obama aceitou conter as medidas de monitoramento.
O armistício, porém, não soluciona os crescentes atritos entre o governo dos EUA e as poderosas corporações midiáticas. Estudos indicam que a concentração do setor tem aumentado no país, reforçando assustadoramente o poder destes impérios. Mais de 120 jornais faliram nos últimos anos e apenas os grandes sobrevivem à avassaladora crise da mídia impressa. Já as emissoras de televisão “atravessam intensa concentração nos EUA”, segundo reportagem de Nelson de Sá, publicada em julho passado na Folha.
Através de aquisições e fusões, a mídia fica ainda mais monopolizada. Nelson de Sá cita dois exemplos nos setores de TV a cabo e TV aberta. “No primeiro, a Charter, controlada por John Malone, tenta comprar o serviço da Time Warner. Negócios semelhantes estariam sendo discutidos entre a Cablevisión e a Cox e, no âmbito das operadoras de TV por satélite, entre a Dish e a DirecTV. No segundo setor, pequenos grupos de emissoras abertas estão se consolidando em grupos maiores, como na compra das 19 estações do Local TV pelo Tribune por US$ 2,7 bilhões”.
* No próximo artigo, as derrotas dos barões da mídia na América Latina.
Fonte - Blog do Miro 01/01/2013

Plataforma P-55 começa a operar no Campo de Roncador

Economia

Vitor Abdala
Agência Brasil
Rio de Janeiro – A plataforma P-55, da Petrobras, entrou em operação ontem (31) no Campo de Roncador, na Bacia de Campos. Segundo a empresa, a plataforma pode processar 180 mil barris de petróleo e comprimir 6 milhões de metros cúbicos de gás natural.
No Campo de Roncador, estão em operação duas plataformas (P-52 e P-54). Uma quarta, a P-62, deixou o estaleiro em Ipojuca, em Pernambuco e está sendo levada para a Bacia de Campos.
De acordo com a Petrobras, a obra da P-55 integra o Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal. A construção e a integração dos módulos da plataforma foram feitos no Brasil. A unidade teve índice de conteúdo local de 79%.

foto - ilustração
Fonte - EBC  01/01/2013

Caça Mirage faz último voo no Brasil

Defesa

foto - FAB
Os Mirage, batizados na FAB de F-2000, atuavam na defesa aérea do país desde 2006

TB
O Mirage 2000 fez nesta terça-feira (31/12) o seu último voo, após quase uma década servindo ao sistema de defesa aeroespacial brasileiro. O destino da aeronave foi o Rio de Janeiro. A partir de agora, o exemplar poderá ser visto no Museu Aeroespacial da Força Aérea Brasileira (FAB), em Campos dos Afonsos, na capital fluminense.
A solenidade de despedida ocorreu na Base Aérea de Anápolis (BAAN). No comando da aeronave, o capitão Antonio Augusto da Silva Ramalho, do 1º Grupo de Defesa Aérea, iniciou o trajeto que marcou em definitivo a aposentadoria do caça. Porém, a série de homenagem teve início na semana passada, em Anápolis (GO), com a participação de oficiais-generais da Aeronáutica.
As aeronaves continuaram em operação até o final de dezembro fazendo a proteção da capital federal e, a partir de janeiro pelos caças F-5EM. Na ocasião, também ocorreu a passagem de comando do Primeiro Grupo de Defesa Aérea (1º GDA) - Esquadrão Jaguar.
Os Mirage, batizados na FAB de F-2000, atuavam na defesa aérea do País desde 2006 e já completaram mais de 10 mil horas de voo. Para o tenente-coronel Eric Breviglieri, piloto da FAB com 1038 horas de voo no caça, a aeronave atendeu todos os requisitos necessários enquanto esteve em operação. “O Mirage é a máquina, é excelente e foi de grande valia para ajudar neste salto que vamos dar a partir de agora com o Gripen. Os conceitos e o emprego do Mirage vão auxiliar a assimilar mais fácil o novo caça”, revela Breviglieri.
Os 12 Mirage foram adquiridos da França já usados como uma solução temporária para a aviação de caça de alta performance no Brasil. Pelo plano inicial os jatos iriam parar no final de 2011, mas com ajustes seis aeronaves foram poupadas e permaneceram em voo. O Governo já anunciou a aquisição dos substitutos do Mirage: o Gripen NG da empresa sueca Saab.
Até que os novos caças cheguem, as missões de defesa aérea, antes desempenhadas pelo Mirage, ficarão a cargo dos caças F-5EM. Os três esquadrões com F-5, do Rio de Janeiro, Manaus e Canoas vão assumir o alerta de defesa aérea a partir da BAAN com suas próprias aeronaves. “A partir de primeiro de janeiro as aeronaves F-5 assumirão a defesa aérea, e tanto Anápolis quanto o Planalto Central estarão protegidos”, afirma o brigadeiro Luiz Fernando de Aguiar, comandante da Terceira Força Aérea (III FAE).
Com a aposentadoria do Mirage, o Esquadrão Jaguar ficará sem aeronaves. Um grupo de seis pilotos permanece em Anápolis (GO) para manter a administração da unidade, cumprir horas de voo no F-5 e participar de treinamentos. No futuro, os militares vão compor o primeiro grupo que irá receber o novo caça Gripen NG. Parte do efetivo já foi transferida para outras unidades, mas os que ficam aguardam com boas expectativas a chegada do novo avião. “É uma aeronave que traz conceitos doutrinários novos, diferentes daqueles que nós utilizamos, e vai colocar a Força Aérea, com certeza, em um novo patamar operacional”, ressalta o novo comandante do 1º GDA, major Cláucio Oliveira Marques.
Fonte - Tribuna da Bahia  31/12/2013

Candidato a motorista terá de usar simulador antes das aulas práticas

Brasil

Thais Araujo
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
Brasília - Os alunos de autoescolas, que irão tirar carteira de motorista na categoria B, terão que usar um simulador de direção antes das aulas práticas. A obrigatoriedade, prevista em resolução do Conselho Nacional de Trânsito, entrou em vigor hoje (31). De acordo com o conselho, o uso do equipamento vai complementar a formação dos condutores, permitindo sua exposição a situações virtuais sem comprometer a segurança e a integridade do motorista e de seu instrutor. Pela nova regra, após as aulas teóricas, os alunos deverão ter cinco horas de treinamento com o simulador para, só depois, começarem as aulas de direção nas ruas.
Estudos realizados pelo National Center Injury, dos Estados Unidos, indicam que o uso do simulador pode reduzir até à metade o número de acidentes nos primeiros 24 meses de habilitação. No Brasil, o protótipo do modelo ideal de simulador de direção foi desenvolvido a partir de estudos feitos na Universidade Federal de Santa Catarina. Os estudos comprovaram que os caminhoneiros que tiveram aulas com o uso do simulador provocaram menos acidentes após obtenção da carteira do que aqueles que não fizeram uso do equipamento.
De acordo com o Ministério das Cidades, a maior parte dos acidentes está associada à imprudência ao volante, que engloba desobediência à sinalização, abuso da velocidade e direção sob efeito de álcool. Outra parcela dos acidentes ocorridos no Brasil credita-se à falta de competências para a direção.
"Com o uso do simulador, os pretendentes à obtenção da permissão para dirigir na categoria B poderão passar por simulações que permitam verificar, antes das aulas práticas, se o condutor tem domínio do veículo, dirigindo-o com atenção e cuidados indispensáveis à segurança do trânsito, em condições normais ou adversas e situações imprevistas ou de emergência, conforme as normas gerais de circulação e conduta previstas no Capítulo III do Código de Trânsito Brasileiro", informa o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).
O diretor da AutoEscola Brasiliense, rede que conta com 15 unidades no Distrito Federal e em Goiás, Luciano Santos, disse não acreditar que o uso do simulador vá melhorar a formação dos condutores. Para ele, o que falta aos motoristas é "educação no trânsito". Ele também lamenta que a obrigatoriedade vá provocar reajuste nos valores cobrados pelas autoescolas, embora não tenha uma estimativa do percentual de aumento.
"A forma como a formação é feita atualmente é suficiente. Acho que é ilusão pensar que o equipamento vai trazer melhorais em relação ao ensino. O aluno aprende é na prática, no volante, no trânsito. O que o motorista precisa aperfeiçoar é a educação ao dirigir, obedecendo às regras, respeitando limites de velocidade e não fazendo do volante uma arma", ressaltou ele, que vai ter que correr para se adaptar à nova exigência "nos primeiros dias de janeiro" e adquirir os simuladores.
De acordo com o Conselho Nacional de Trânsito, os Centros de Formação de Condutores somente poderão utilizar simulador de direção previamente certificado e posteriormente homologado pelo Denatran, que será responsável pela fiscalização do cumprimento dos requisitos e exigências definidas.
Fonte - Agência Brasil  31/12/2013

Ministro Toffoli nega recurso e mantém veto a salários do Senado acima do teto

Nacional

foto - ilustração
O ministro do Supremo Tribunal Federal Antonio Dias Toffoli indeferiu o pedido de liminar feito pelo Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo (Sindilegis) para que os funcionários do Senado que receberam salários acima do teto do funcionalismo público não precisassem devolver o dinheiro pago a mais. Toffoli entendeu que não há risco de lesão grave e de difícil reparação para os servidores do Senado, enquanto aguardam o julgamento do mérito da ação na qual pedem revisão da decisão do TCU....

Mariana Jungmann
Repórter da Agência Brasil

Brasília - O ministro do Supremo Tribunal Federal Antonio Dias Toffoli indeferiu o pedido de liminar feito pelo Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo (Sindilegis) para que os funcionários do Senado que receberam salários acima do teto do funcionalismo público não precisassem devolver o dinheiro pago a mais.
O sindicato acionou o Supremo depois que o Tribunal de Contas da União (TCU) determinou o corte dos salários que extrapolassem o teto constitucional e a devolução dos valores recebidos a mais. Assim que a decisão foi proferida, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), repassou a ordem para que ela fosse cumprida pela diretoria-geral, o que fez com que o Sindilegis entrasse com o mandato de segurança.
O ministro Toffoli entendeu que não há risco de lesão grave e de difícil reparação para os servidores do Senado, enquanto aguardam o julgamento do mérito da ação na qual pedem revisão da decisão do TCU. Na opinião do ministro, há sim o risco inverso, de que os cofres públicos sejam lesados, caso o pagamento continue ocorrendo enquanto o assunto não é esgotado no Supremo.
O Sindilegis alega que os pagamentos de horas extras e pelo exercício de funções comissionadas não devem contar para o teto constitucional, bem como as verbas de natureza alimentar. Além disso, o sindicato reclama que outras decisões semelhantes do TCU para corte de salários acima do teto constitucional de funcionários da Câmara dos Deputados não incluíram a devolução dos valores recebidos a mais.
O teto do funcionalismo público obedece a limite equivalente aos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal, que atualmente é R$ 28.059,028. No entanto, alguns funcionários do Legislativo acabam ganhando muito acima desse valor por acumularem verbas e benefícios ao salário.
Fonte - Agência Brasil  31/12/2013


                                       assista o vídeo
                                     EBC

Snowden confirma entrevista a blogueiros

Internacional

Miguel do Rosário,
O Cafezinho:

O homem-bomba do serviço secreto norte-americano, o homem que revelou ao mundo que os EUA espionam até celulares pessoais de presidentes de nações amigas, que devassava os computadores da nossa Petrobrás à procura de informações vitais à economia brasileira, aceitou dar uma entrevista a blogueiros, tuiteiros e ativistas digitais do Brasil.
E não é para qualquer blogueiro (o que incluiria Noblat e Reinaldo Azevedo), mas para o campo de esquerda, progressista, que foi quem construiu a entrevista. A abordagem foi feita através do jornalista Glenn Greenwald, que vive no Rio de Janeiro, que encaminhará as nossas perguntas.
Você também pode participar, comentando no seguinte espaço, criado por um amigo, Adriano Ribeiro, um baiano residente em Porto Alegre:
 - http://www.noticiasdablogosfera.com.br/ -
A decisão de Snowden e Glenn Greenwald nasceu da constatação de que um indivíduo como Snowden não pode se comunicar com a sociedade brasileira apenas via Rede Globo, uma empresa que é praticamente um braço dos interesses norte-americanos no país, que se consolidou aqui com dinheiro norte-americano e que recebeu milhões de dólares para dar o golpe de Estado pró-americano de 1964.
Snowden está hoje asilado na Rússia. Recentemente ele deu declarações de que gostaria de receber asilo permanente na Alemanha ou no Brasil. Por se tratar de uma operação diplomática de alto risco político, é importante que o assunto seja discutido de forma ampla e transparente pela sociedade brasileira. Há o risco ainda, natural, de que uma ação desse tipo, por causa de suas fortes implicações políticas, possa ser usada eleitoralmente pela oposição, com vistas a desgastar a presidente. O que seria irônico e cínico ao mesmo tempo, visto que seus adversários estão posicionados à direita do espectro ideológico e, portanto, mais próximos dos Estados Unidos.
Em caso de vitória da oposição, Snowden, se estivesse no Brasil, sofreria risco de ser deportado para os EUA, com a colaboração – covarde, como sempre – do Supremo Tribunal Federal. Nosso STF, se pensarmos bem, é historicamente covarde. Aceitou a deportação de Olga Prestes, aceitou o golpe de Estado, e agora aceitou o golpe midiático do mensalão.
De qualquer forma, é sempre um prazer falar com alguém tão corajoso e idealista como Edward Snowden, um homem à frente de seu tempo porque pensou antes na humanidade do que em sua segurança pessoal. Vamos ouvir o que ele tem a dizer!
***
Esta semana, eu me encontrei com David Miranda, parceiro de Greenwald, num café do Leblon, e trocamos ideias sobre a sua campanha para dar asilo a Snowden no país. Procurei lhe dar um panorama político da situação e alguns conselhos. Miranda vem construindo uma rede de articulações, inclusive internacionais, para ajudar Snowden não apenas a se manter em segurança, mas para ganhar mais liberdade para participar dos debates sobre privacidade, vigilância e a suposta guerra contra o terrorismo.
Fonte - Blog do Miro 31/12/2013

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

FELIZ 2014




Maior ferrovia de alta velocidade do mundo na China completa um ano

Transportes sobre Trilhos

CRJ Online

A mais longa ferrovia de alta velocidade do mundo, que interliga a capital chinesa Beijing e a cidade de Guangzhou, completou nessa quinta-feira (26) um ano. Ao longo de um ano, foram transportados mais de95 milhões de passageiros.
Segundo Guangzhou Railway Group, a corporação de ferrovia de Guangzhou, 50 mil trens-bala percorreram mais de 100 milhões de quilômetros durante o período. O intervalo mínimo de partida é de cinco minutos.
A ferrovia Beijing - Guangzhou interliga o sul e norte do país e está conectada com as diversas ferrovias de alta velocidade, formando uma rede entre as províncias de Guangdong, Hunan, Hubei, Henan, Hebei e a capital Beijing. Essa interligação oferece grande facilidade para o deslocamento e a logística de 28 cidades ao longo da ferrovia.
Fonte - São Paulo Trem Jeito  30/12/2013 

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Índios retornam à Terra Indígena Tenharim em Humaitá

Meio Ambiente

Paulo Victor Chagas
Repórter da Agência Brasil 
foto - wikipédia
Brasília – Os cerca de 140 índios Tenharim que estavam abrigados no 54º Batalhão de Infantaria de Selva de Humaitá retornaram hoje (30) à Terra Indígena Tenharim Marmelos, localizada em Humaitá, no sul do Amazonas. O clima na cidade é tenso desde o último dia 16, quando três homens brancos desapareceram após serem vistos trafegando de carro pela Rodovia Transamazônica.
De acordo com a Fundação Nacional do Índio (Funai), o deslocamento dos índios contou com o apoio das polícias Federal e Rodoviária Federal e da Força Nacional. A Funai informou também que os servidores da Coordenação Regional Madeira, que atuam no município, foram transferidos para outra localidade por questões de segurança.
Moradores acusam os índios de terem sequestrado os homens em represália à morte do cacique Ivan Tenharim. Após o desaparecimento, manifestantes incendiaram, no último dia 25, o prédio da Funai, destruindo também carros e o barco do órgão. Os nove servidores da Funai que estavam na cidade não ficaram feridos. No fim da tarde de sábado (28), todos os funcionários foram retirados da cidade.
Servidores que atuam na sede da Funai em Brasília foram encaminhados a Humaitá para, segundo a fundação, colaborar com os trabalhos. “Cabe à Funai atuar como mediadora no diálogo entre os indígenas e as forças de segurança, sendo de responsabilidade da polícia a investigação das denúncias e crimes ocorridos”, informou o órgão em nota.
Hoje, a Justiça Federal determinou que governo adote medidas para garantir a segurança dos indígenas após ameaças de invasão à Terra Tenharim. Em sua decisão, a juíza Marília Gurgel relatou que a população está "acuada e relegada à própria sorte" por causa da suspeita de participação no desaparecimento. A juíza determinou também que os órgãos de segurança devem elaborar um plano para garantir a segurança dos índios, instalar postos de fiscalização próximos à reserva e monitorar o trecho da Transamazônica que corta a terra dos índios.
A reportagem entrou em contato com os índios por meio de um telefone público localizado próximo à Aldeia Tenharim, mas foi informada que as lideranças não estão falando com a imprensa. O 54º Batalhão de Infantaria de Selva também foi contactado, respondeu que as informações sobre as operações do batalhão são restritas e serão repassadas apenas por meio de entrevista feita pessoalmente com o comandante, que não foi localizado.
Fonte - Agência Brasil  30/12/2013


Sobre os índios Tenharim :


Tenharim é o nome pelo qual são conhecidos três grupos indígenas que vivem hoje na região do curso médio do rio Madeira, no sul do Estado do Amazonas, pertencentes a um conjunto mais amplo de povos que chamam a si mesmos de Kagwahiva. Além da mesma auto-denominação, os povos Kagwahiva são falantes de uma mesma língua, pertencente à família Tupi-Guarani, e se organizam conforme um mesmo sistema de metades matrimoniais com nomes de aves. Quanto aos três grupos Tenharim, o do rio Sepoti tem origem recente no do rio Marmelos, mas o do igarapé Preto não tem origem comum conhecida com os outros dois, mas é um antigo aliado.
Fonte - Povos Indígenas no Brasil