sábado, 19 de outubro de 2013

O INFERNO, NA PRIMAVERA.

Política

Mauro Santayana

(HD) - Quem planta vento, colhe tempestade. A máxima popular - que alguns atribuem a antigo provérbio bíblico - se ajusta, como uma luva, ao continente europeu, sitiado, no Mediterrâneo, por milhares de refugiados da série de conflitos que se convencionou chamar de “Primavera Árabe”.
A intenção da UE e dos EUA, ao incentivar o “vamos para a rua” nos países árabes, era destruir a coesão interna – se possível promovendo sua divisão geográfica - de países que, historicamente, se opunham à dominação ocidental naquela região do mundo.
No plano político, esse objetivo já foi quase alcançado. E na economia, a situação beira a catástrofe. Nesta semana, o banco inglês HSBC, publicou relatório afirmando que a Primavera Árabe vai custar a países como o Egito, Tunísia, Líbia, Síria, Jordânia, Líbano e Bahrein, entre 2011 e 2014, 800 bilhões de dólares, mais uma redução potencial em seu PIB da ordem de 35%.
No plano cultural e no religioso, abriram-se feridas que talvez não cicatrizem nunca. Na última semana de setembro, realizou-se, em Bkerke, no Líbano, a reunião do Conselho de Patriarcas Católicos do Oriente.
A reunião contou com a presença de Gregoire III Laham, representante dos católicos gregos, de Luis Rafael Sako, patriarca caldeu, de Ignacio Yusef Yunan, representante dos siríacos-católicos, de Narciso Pedros XIX e de um grande número de bispos.
No final do encontro, em seu pronunciamento, o Patriarca Maronita Monsenhor Bechara Rai, não mediu as palavras: “O Oriente Médio - afirmou Rai, que vai se encontrar com o Papa Francisco em novembro – precisa, nesse momento, dos ensinamentos de Cristo, do evangelho da paz, da verdade, da fraternidade e da Justiça.”
“Construímos, nos últimos 2.000 anos, com nossos irmãos muçulmanos, uma única civilização e uma identidade comum, que a política internacional tem feito de tudo para destruir e sabotar. A Primavera Árabe transformou-se, em pouco mais de dois anos, em um inferno de matança e destruição.”
Um inferno que estende suas conseqüências para todos os aspectos da vida humana e obriga à quebra de padrões de identidade psicológica e herança antropológica da população mais atingida.
Ainda ontem, na Síria – em uma decisão que lembra o massacre, pela fome, dos habitantes do Ghetto de Varsóvia - um grupo de ulemás e líderes religiosos, foi obrigado a emitir um edital islâmico autorizando os habitantes muçulmanos dos subúrbios do sul de Damasco a abater e comer animais impuros.
Em certas versões do Corão é proibido comer animais que se alimentem de impurezas, como os burros, ou outros, associados ao demônio, que – como os cães e os gatos – possuam caninos.
Autorizamos isto – afirma o comunicado publicado na internet – como um apelo para chamar a atenção do mundo para a terrível situação que estamos vivendo, e tentar evitar que nossos fiéis, por obediência às leis de Alá, venham a morrer de fome.
Fonte - Mauro Santayana  19/10/2013

Portugueses e italianos protestam contra novas medidas de austeridade

Internacional

Cerca de 70.000 pessoas foram as ruas


AFP - Agence France-Presse

Dezenas de milhares de manifestantes saíram às ruas em Portugal e na Itália neste sábado para protestar contra as novas medidas de austeridade anunciadas por seus governos com o objetivo de reduzir os déficits públicos.
Na Itália, cerca de 70.000 pessoas, de acordo com os sindicatos, 50.000 segundo as autoridades, protestaram em Roma, onde um forte esquema de segurança foi montado por temor de incidentes.
"Protestamos contra uma austeridade que deixa o país de joelhos", explicou Piero Bernocchi, do movimento sindical Cobas. Para ele, esta política "não atingiu o seu objetivo, que era reduzir a dívida, enquanto a classe política continua com os seus privilégios".
O Parlamento italiano começou a examinar o orçamento para o ano que vem, que inclui grandes cortes nos gastos sociais.
Confrontos foram registrados entre cerca de cem manifestantes mascarados e a polícia em torno do Ministério italiano das Finanças.
Quatorze pessoas foram detidas antes da manifestação e "várias" outras, depois.
Em Portugal, os manifestantes participaram de protestos nas duas principais cidades do país, convocados pela CGTP, principal central sindical do país, ligada ao Partido Comunista.
Na Cidade do Porto, maior cidade do norte, havia "entre 50.000 e 60.000" manifestantes, segundo os organizadores, mas 25.000, segundo a polícia. Eles atravessaram a pé a Ponte do Infante, que liga os dois lados do rio Douro.
Em Lisboa, os manifestantes cruzaram a famosa ponte 25 de Abril, que homenageia a revolução que derrubou a ditadura salazarista em 1974, a bordo de cerca de 400 ônibus. Os organizadores não divulgaram estimativas sobre o número de participantes.
"Mentirosos", "Fora", "O povo está revoltado", gritavam os manifestantes, que estavam reunidos no bairro de Alcântara, na capital.
"Precisamos mudar de política com urgência" ou "Diante das injustiças, a revolução é uma obrigação", eram as palavras escritas em faixas exibidas por um grupo de aposentados.
Enquanto isso, uma coluna de ônibus atravessava lentamente a ponte, em meio a um buzinaço. Cada ônibus que passava recebia os aplausos dos manifestantes.
"Vou ter que emigrar"
"Meu filho, meu neto e meu bisneto estão desempregados. Tenho motivos para ficar preocupada!", disse Olga Costa, de 71 anos, que recebe uma aposentadoria de apenas 371 euros.
"Tenho que trabalhar em sete locais diferentes para sobreviver", afirmou uma faxineira que tinha saído de Aveiro (centro) para protestar, acompanhada de sua filha, estudante, e de seu marido, um marceneiro desempregado.
"Tivemos que reduzir todas as nossas despesas, incluindo as com medicamentos!", disse essa mulher de 51 anos.
"O orçamento do governo para o ano que vem atinge fortemente as classes mais modestas. Isso é injusto. Somos nós que vamos ter que pagar pela crise", reclamava Eugênia Leal, professora de uma escola lisboeta.
"Não acho que as coisas vão melhorar neste país!", afirmou Marta Tavares, estudante de Comunicação de 19 anos. "Vou ter que emigrar!", completou.
Em Portugal, essa foi a primeira grande mobilização após o anúncio feito na terça-feira de um novo programa de austeridade incluído no plano de orçamento para 2014, que vai atingir em cheio o poder aquisitivo dos funcionários públicos e dos aposentados.
Entre as medidas mais contestadas estão reduções de 2,5% a 12% nos salários dos funcionários públicos, assim como cortes de cerca de 10% nas aposentadorias daqueles que trabalharam no setor público.
A organização desse dia de mobilização foi marcada por uma disputa entre a CGTP e o governo sobre o trajeto escolhido para a manifestação em Lisboa.
"O governo tentou nos impedir, mas a ponte não lhe pertence", declarou o líder sindical.
Fonte - Diário de Pernambuco  19/10/2013

Poluição fatal

Meio Ambiente

DN
foto - ilustração
Quando a mídia internacional concede bastante ênfase aos diversos questionamentos ambientais, relacionados ao futuro da Terra e da vida humana, pesquisa divulgada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) repercute intensamente por sua preocupante conclusão: as crianças são as maiores vítimas da poluição do meio ambiente e estima-se que mais de 40% das doenças causadas pelos agentes poluidores acometam menores até cinco anos de idade.
Recentes estudos demonstram que houve um aumento dramático, no segmento infantil, de novos casos de tumores malignos, asma, alergia, atraso no desenvolvimento mental, distúrbios no desenvolvimento neurológico e até acentuação dos fenômenos físicos causados pela puberdade precoce.
De acordo com os cientistas, as crianças são mais vulneráveis porque, em proporção ao seu peso e tamanho, elas bebem mais água, se alimentam mais e respiram com intensidade maior do que uma pessoa adulta, apresentando ainda, como agravante, uma menor capacidade de eliminar substâncias tóxicas.
Registra o relatório da Organização Mundial de Saúde que, em crianças de até quatro anos, 10% dos óbitos estão relacionados à exposição de elementos poluidores, tanto dentro quanto fora de casa. Milhões de toneladas de poluentes emitidos anualmente, somente no contexto das grandes metrópoles, são responsáveis pelo surgimento de doenças graves no aparelho respiratório de adultos e, principalmente, de menores.
O tema tem sensibilizado bastante a opinião pública, sobretudo os interessados na saudável coexistência entre o meio ambiente e a saúde. Infelizmente, segundo relatam as últimas aferições e pesquisas sobre o problema, os efeitos devastadores da poluição ambiental são indevidamente subestimados em qualquer país do Planeta, mesmo naqueles considerados como detentores de maior nível de civilização.
De modo lamentável, no plano internacional ainda existem injustificáveis resistências contra as medidas recomendadas cientificamente para proteção do meio ambiente, exatamente nos países responsáveis pelas maiores emissões de gases venenosos, tudo sob a discutível alegação de que qualquer tentativa de controle nesse sentido acarretaria sérios prejuízos à economia.
As metrópoles brasileiras estão a caminho de atingir os elevados índices de poluição já registrados em outras metrópoles internacionais. Pelo que vem sendo observado, tem-se que evitar, com inadiável urgência, as insidiosas práticas que conduzem a esses graus de saturação ambiental, tais como a progressiva destruição dos parques e lagoas; a sistemática devastação de áreas verdes; a falta de saneamento em favelas e bairros cada vez mais insalubres da periferia; e o crescente acúmulo de esgotos clandestinos, visíveis a céu aberto, na orla marítima. Todos os citados itens, obviamente, são altamente lesivos à saúde infantil.
Tais fatores se somam, em países menos civilizados, aos habituais problemas atmosféricos de caráter global, enfatizando a evidência da responsabilidade de como devem ser encarados e tratados tais tipos de ameaças, sobretudo nas metrópoles em constante expansão demográfica. Já restam poucas dúvidas de que a ação humana tem provocado impacto direto na elevação das temperaturas, um dos maiores problemas detectados no painel do clima na ONU. O calor vai dissolver o gelo das calotas polares e aumentar o nível do mar, pondo em risco as populações das zonas costeiras.
Fonte -  Diário do Nordeste  19/10/2013

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Vi-Verde Trem

TV Brasil grava programa no Trem de Salvador


Da Redação
Uma equipe do programa AgloMerado da TV Brasil,realizou nesta sexta feira (18) a bordo de um dos trens Thoshiba da CTS,as filmagens para um documentário a ser exibido em breve na emissora da EBC.
O evento foi realizado em parceria com o projeto Verde Trem do Movimento Trem de Ferro, contando com a presença de um dos seus coordenadores o Ferroviarista  Gilson Vieira,que conversou com a equipe da  TV Brasil durante percusso no trem.O evento transcorreu durante uma viagem rotineira do trem nos dois sentidos,ida e volta,Caçada/Paripe/Calçada em clima de festa com "som mecânico" e "quituteiras" a bordo de um dos carros da composição.O objetivo do documentário entre outros é ressaltar uma característica muito especial,entre poucas no mundo, da  ferrovia do nosso subúrbio que se desenha ao longo da sua orla com visão para belas paisagens da Baia de Todos os Santos, fato esse que abre possibilidades para que o nosso trem,além do grande potencial como um meio transporte,rápido,barato e eficiente para a população do subúrbio,seja também um potencial instrumento para alavancar o turismo na região que se reverterá em benefícios para a população local,pois certamente isso trará novos investimentos com novas fontes de geração de emprego e renda para a região.Além disso atividades culturais,entre elas eventos musicais, também são realizadas pelo Projeto Verde Trem em parceria com a CTS a bordo de trens especiais para esses fins.O nosso trem do subúrbio não é só apenas um meio transporte importante para a nossa cidade,é também patrimônio histórico e cultural,uma marca registrada da história dos bons tempos da nossa ferrovia,cujos trens de passageiros que partiam da imponente Gare da Calçada ligavam a Capital ao recôncavo,ao interior da Bahia e a cidades em outros estados entre elas Aracaju/Sergipe(Trem Estrela do Norte) e Monte Azul/Minas Gerais.E por todos esses motivos é que todos nós "queremos o nosso trem de volta"
Estivemos presentes ao evento documentando e também representando o Movimento Salvador Sobre Trilhos agradecendo o convite do nosso amigo e companheiro de lutas pela volta dos trens de passageiros Gilson Vieira do Verde Trem.
Pregopontocom


Galeria de fotos


trem thoshiba





Entrevista no trem
janela do trem








































marisqueiras









20 de outubro é o dia do maquinista

Ferroviários


Foto -  ilustração
RF
No dia 8 de maio do ano passado a presidenta Dilma Rousseff sancionou a lei de número 12.621, instituindo o dia nacional do maquinista ferroviário. O dia do maquinista é comemorado em 20 de outubro. Esta data já era instituída no Estado de São Paulo como sendo o dia estadual do maquinista.
A proposta do projeto de Lei foi apresentada pelo deputado federal Julio Semeghini (PSDB/SP). Na justificativa do projeto, o deputado lembrou que apesar de todas as tecnologias disponíveis, o maquinista ainda é grande responsável pelo trem.
O dia 20 de outubro foi escolhido por ser a data de fundação da Associação dos Maquinistas e Ferroviários de São Paulo (AMAFER), em 1907. A data é uma homenagem à categoria que há mais de um século conduz trens cada dia mais potentes e um grande número que movimentam as riquezas e as pessoas do país.
Fonte - Revista Ferroviária  18/10/2013

Governo mantém TAV no PAC, apesar de leilão adiado

Transportes |Sobre trilhos

Valor Econômico
foto - ilustração
Apesar de o leilão do trem de alta velocidade (TAV) ter sido adiado e não haver nova previsão de data para a concorrência, o empreendimento continua recebendo selo verde no balanço recém-divulgado do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Isso indica que o governo não desistiu de licitá-lo, mas a única "providência" descrita no balanço para o trem-bala Rio-São Paulo-Campinas é a "continuidade da execução do projeto de engenharia".
"O projeto é necessário ao país, tem viabilidade técnico-econômica e vamos adquirir tecnologia", disse o ministro dos Transportes, César Borges, ao ser questionado sobre as razões de o TAV ter sido classificado como "adequado" no novo balanço. "Sem ele, como vamos atender à demanda entre as cidades? Fazendo novos aeroportos? Como vamos ligar Viracopos com a capital (de São Paulo)?", questionou Borges. Ele mesmo respondeu: "Só com o trem de alta velocidade. Temos convicção de que o projeto é necessário ao país".
Fonte - Revista Ferroviária  18/10/2013

Petrobras bate recorde de aproveitamento de gás natural

Economia


A Petrobras fez o aproveita- mento de 94,36% do gás associado ao petróleo em seus campos do Brasil,
em setembro. Segundo nota da estatal, o índice de aproveitamento superou o recorde anterior, de julho, quando haviam sido aproveitados 94,01% do gás

Vitor Abdala
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – A Petrobras fez o aproveitamento de 94,36% do gás associado ao petróleo em seus campos do Brasil, em setembro. Segundo nota divulgada hoje (18), o índice de aproveitamento superou o recorde anterior da estatal petrolífera, de julho, quando haviam sido aproveitados 94,01% do gás.

Quando o petróleo é extraído do solo, o mineral vem acompanhado de gás natural, que pode ser aproveitado economicamente ou despejado na atmosfera. O gás natural pode ser usado como combustível de veículos, casas, indústrias e usinas termelétricas.

Segundo a Petrobras, o maior aproveitamento do produto é resultado de esforços de otimização das unidades operacionais da empresa. No ano, o índice de aproveitamento médio do gás alcança 92,6%, superior ao observado em 2012, que havia sido 91,26%.
Fonte - Agência Brasil  18/10/2013

Comitê vai avaliar qualidade dos serviços na Copa

Copa 2014


A qualidade dos servi- ços, os preços e as tarifas, durante a Copa no Brasil, serão monitorados por um comitê interministerial criado por determinação da presidenta Dilma Rousseff e envolverá os ministérios envolvidos na organização do Mundial

Paulo Victor Chagas
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A qualidade dos serviços, os preços e as tarifas, durante a Copa do Mundo de 2014, serão monitorados por um comitê interministerial criado hoje (17) por determinação da presidenta Dilma Rousseff e envolverá os ministérios envolvidos na organização do evento esportivo.
A ministra-chefe da Casa Civil da Presidência da República, Gleisi Hoffmann, que coordenará o comitê, se reuniu nesta quinta-feira com os representantes dos ministérios do Esporte, da Justiça, do Turismo, da Secretaria de Aviação Civil e de entidades de defesa do consumidor para tratar do assunto.
“Vamos utilizar todos os instrumentos à disposição do Estado para garantir a defesa dos direitos do consumidor, seja ele brasileiro ou estrangeiro”, disse a ministra por meio de nota divulgada pela Casa Civil. De acordo com Gleisi, o governo não pode interferir, por exemplo, nos valores das passagens aéreas, mas abusos não serão permitidos.
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, terá atuação importante no comitê, que se reunirá pela primeira vez na próxima quinta-feira (24). De acordo com a Casa Civil, o ministro acionará o Conselho Administrativo de Defesa Econômica para fazer uma análise dos setores aéreo e hoteleiro, visando a identificar situações que levariam à inibição da concorrência.
"Nós vamos acompanhar preços, tarifas, avaliar a qualidade dos serviços prestados e buscaremos garantir aos turistas e brasileiros que acompanharão a copa uma situação acolhedora", disse Cardozo.
Segundo o ministro, o comitê fará um monitoramento para mapear possíveis abusos, que serão coibidos utilizando mecanismos previstos na legislação de defesa do consumidor. "A nossa lei prevê, para cada tipo de abuso, uma alternativa de ação. O governo vai atuar para fazer com que os preços sejam justos, sem exorbitâncias, e para coibir os abusos dentro da legislação que defende o consumidor", declarou.
O Ministério da Justiça também entrará em contato com os Procons das 12 cidades-sede do Mundial para fazer um diagnóstico detalhado dos preços e qualidades dos serviços prestados em hotéis, restaurantes, aeroportos e outros setores. A metodologia das avaliações e a periodicidade de encontro do comitê, no entanto, ainda não foram definidas.
Participaram da reunião com Gleisi Hoffmann os ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo; do Turismo, Gastão Vieira; e da Secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco, além dos presidentes da Embratur, Flávio Dino, e da Agência Nacional de Aviação Civil, Marcelo Guaranys, e do secretário executivo do Ministério do Esporte, Luis Fernandes. No encontro da próxima semana, cada ministério ficou responsável por apresentar uma análise da sua área.
Fonte - Agência Brasil  17/10/2013

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Primeiros trilhos do VLT de Cuiabá são preparados para instalação

Transportes Sobre trilhos

24 Horas News
Redação
foto - ilustrção
A primeira etapa dos trilhos que vão compor o Veículo Leve Sobre Trilhos ( VLT) já estão sendo preparados para a instalação. Na tarde desta quarta-feir, 16, o governador Silval Barbosa e o secretário Extraordinário da Copa, Maurício Guimarães visitaram a área em Várzea Grande onde os trilhos são armazenados e recebem os acabamentos. Ao todo, o VLT terá 22.8 km de trilhos permanentes.
O governador comemorou o avanço na obras do VLT e afirmou que os trabalhos estão em ritmo acelerado. Detalhe: podem ser feitos independente da chuva. "Por isso estou confiante" - avaliou. Segundo Mauricio Guimarães estes são os primeiros trilhos do centro de manutenção do VLT. " Os trilhos da via permanente ainda estão para chegar ao Brasil. Tem muito trilho para chegar isto é só o início. Daqui a alguns dias vamos receber os primeiros veículos que já estão no país", explicou.
Como o transporte será feito por meio rodoviário, serão necessárias 125 viagens de caminhão, entre o porto paranaense de Paranaguá e a Capital para trazer todos os trilhos. Os trilhos do VLT cuiabano já foram fabricados e serão de dois tipos: “grooved”, produzidos na Polônia, e “vignole”, fabricados na Espanha. Ao todo, foram fabricados 90 km de trilhos “grooved”, que serão instalados nos 22,2 km de trajeto do VLT. Já os trilhos “vignole” serão instalados apenas no Centro de Manutenção e pátio de estacionamento do VLT (antiga Vila Militar, em Várzea Grande).
O Consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande diz em nota que tem, dentro das frentes de obras liberadas, trabalhado para que os prazos contratuais sejam cumpridos. No começo da semana, o governador Silval Barbosa chegou a admitir que dificilmente entregará a obra completa para a Copa.
Fonte - 24 Horas News  17/10/2013

Brasil aumenta em 9,2 mil MW a geração de energia

Energia

Pedro Peduzzi
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
Brasília – A segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) agregou mais 9.231 megawatts (MW) de energia à capacidade de geração do Brasil. Desse total, 3,7 mil MW são gerados a partir de 11 usinas hidrelétricas; 4,59 MW a partir de 38 usinas térmicas; 762 MW a partir de 30 usinas eólicas; e 152 MW a partir de oito pequenas centrais hidrelétricas.
Quando as obras em andamento forem concluídas, 26,5 mil MW serão agregados ao parque gerador brasileiro, a partir de mais oito hidrelétricas, 11 térmicas, 122 eólicas e cinco pequenas centrais hidrelétricas. Os números constam do oitavo balanço da segunda fase do PAC, divulgado hoje (17).
De acordo com o balanço, a Usina Hidrelétrica de Belo Monte terá investimento de R$ 28,9 bilhões e está com 34% das obras concluídas. Localizada no Pará, a usina terá capacidade instalada de 11.233 MW.
Vinte e seis linhas de transmissão foram concluídas, totalizando 8.270 quilômetros (km) de extensão, para levar a energia gerada ao mercado consumidor. Trinta e oito linhas, com extensão de 10.154 km, estão com obras em andamento. Há ainda 32 subestações em construção.
Entre as que estão em operação está a do Circuito 1 da Interligação Madeira-Porto Velho-Araraquara, com 2.375 km, ainda em fase de testes. A Interligação Tucuruí-Macapá-Manaus (1.798 km) tem dois trechos concluídos que somam 1.085 km de extensão. Mais 16.554 km de linhas serão viabilizados por meio de nove leilões já feitos, com previsão de investimentos da ordem de R$ 18,6 bilhões.
Na área de petróleo e gás natural, foram iniciadas a perfuração de 354 poços exploratórios, sendo 167 no mar (60 deles na área do pré-sal), e 187 em terra. Do total, 279 foram concluídos. As plataformas PMXL-1, P-56, e as plataformas flutuantes (FPSOs) localizadas em Itajaí, Anchieta, São Paulo e Paraty iniciaram a produção, somando mais 520 mil barris/dia de óleo e 36,5 milhões de metros cúbicos/dia de gás à capacidade do país. Foram concluídas também as plataformas de perfuração em águas rasas P-59 e P-60.
Entre as ações realizadas no último quadrimestre, o governo federal destaca o início das obras de três das 28 sondas contratadas para serem construídas no Brasil, e a conclusão da Refinaria Planalto Paulista, em Paulínia (SP). A Refinaria Abreu e Lima (PE) está com 80% das obras concluídas e a do Comperj (RJ), com 60%.
Fonte - Agencia Brasil  17/10/2013

Obras do metrô de Salvador podem começar na próxima semana

Metrô

A Tarde
foto - ilustração
Para ser concluído até 15 de setembro do próximo ano, com início da fase de testes em 13 de junho, o primeiro trecho do metrô entre a Lapa e o Retiro vai demandar pelo menos 1.500 trabalhadores nas obras civis.
O número de operários a serem absorvidos na construção do sistema metroviário deverá chegar a 3.400 em 2015 - considerado o pico do projeto.
Presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Pesada e Montagem Industrial do Estado da Bahia (Sintepav), Bebeto Galvão diz que o prazo estipulado no contrato é curto, mas não é impossível de ser cumprido.
"Para sair dentro do prazo, é preciso que seja contratado o número de operários que for necessário, com condições de trabalho adequadas", diz. A expectativa é que as obras comecem já na próxima semana, com a instalação dos canteiros de obras.
Parte dos canteiros utilizados para erguer o primeiro tramo, como o da Rótula do Abacaxi, será reativada. Mas o projeto prevê estudo da logística para implantação de outros espaços de apoio para a obra.
Cronograma - Dividida em seis etapas, a obra prevê entrega do trecho Lapa e Retiro da Linha 1 até junho do próximo ano, para início da fase de testes, com operação comercial em setembro. A extensão até a estação Pirajá é prometida para dezembro do mesmo ano.
A primeira etapa da Linha 2, até o Iguatemi, tem prazo de entrega em outubro de 2015. Em abril de 2016, o governo pretende concluir as estações do Imbuí e Pituaçu.
Em outubro do mesmo ano, o metrô chegará até a estação de Mussurunga, atingindo o aeroporto em abril de 2017.
Obra público-privada - Principais empresas que integraram o consórcio Metrosal, responsável pela obra do metrô de Salvador em curso desde 1999 e que já consumiu R$ 1 bilhão, a Andrade Gutierrez e a Camargo Corrêa serão as principais empreiteiras que tocarão a obra do metrô sob novo contrato, assinado anteontem pelos governos federal e estadual com o grupo de concessões CCR.
O contrato de parceria público-privada prevê a ampliação dos atuais 6,6 km para 41,2 km de metrô, com investimentos de R$ 4 bilhões e previsão de conclusão total em abril de 2017.
Tanto Andrade Gutierrez quanto Camargo Corrêa são sócias minoritárias do grupo CCR, mas não necessariamente teriam que ser escolhidas para a retomada do metrô. Contudo, afirma o secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, Cícero Monteiro, "a experiência e o conhecimento das empresas" na primeira etapa da obra foram determinantes na escolha feita pela CCR.
Auditoria - A construção da primeira etapa está sendo investigada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) . Em auditoria, o órgão de controle acusa o consórcio Metrosal de superfaturamento de R$ 160 milhões (R$ 400 milhões em valores corrigidos), além de supostamente entregar a obra sem conclusão e com falhas na estrutura.
O Metrosal também foi alvo de ação de improbidade, movida pelo Ministério Público Federal em janeiro de 2010, por supostas irregularidades no processo licitatório e na execução das obras do metrô. O consórcio nega as irregularidades.
Fonte - Revista Ferroviária  17/10/2013

Metrô para o leste - Fortaleza

Metrô

Diário do Nordeste
foto - ilustração
O transporte público de massa prevalece como solução técnica nas maiores concentrações urbanas do mundo. Os metrôs dominam esse mercado, em decorrência do maior número de passageiros transportados por composição, do preço relativamente baixo da tarifa e das facilidades de fluxos quando suas linhas são totalmente subterrâneas.
O Estado assinou o contrato das obras civis da Linha Leste do Metrô de Fortaleza, planejado, em seu traçado inicial, para percorrer 12,4 quilômetros de extensão, entre o Centro da Capital e o Fórum Clóvis Bevilaqua, no bairro Edson Queiroz. A obra será conduzida por consórcio de empresas da construção civil, vencedor da concorrência pública.
Obras desse porte sofrem dilatações em seus prazos, tanto em razão de dificuldades burocráticas, por conta de desapropriações dos espaços privados para localizar as estações de embarque e desembarque. Depois, pela própria natureza da obra enterrada, embora facilitada pelas condições peculiares dos solos previamente estudados.
Ainda assim, a Linha Leste está inicialmente orçada em R$ 2,25 bilhões, numa operação de investimentos em que a União participa com R$ 1 bilhão; o Estado, com R$ 1 bilhão, mediante empréstimo externo; e o restante, com recursos oriundos do Tesouro Estadual. Para abrir os caminhos dos trilhos do metrô Leste, o Ceará recebeu duas da encomenda de quatro tuneladoras fabricadas em Xangai, na China.
Esse equipamento permite avançar a perfuração, facilitando o acabamento do túnel cavado. Xangai é centro avançado de produção de recursos técnicos para a construção civil de grande porte, a exemplo de seu trem metropolitano. As duas outras tuneladoras, em processo de montagem, estão no prazo contratado para o fornecimento.
O projeto, por contemplar as regiões leste e sul de Fortaleza, onde se registram os maiores índices de crescimento, deveria ter projetado, pelo menos, sua extensão até as tapioqueiras, em Messejana. Lá se concentra contingente expressivo de trabalhadores, clientela preferencial do trem metropolitano.
O Ceará levou 15 anos para montar o seu primeiro metrô, em Fortaleza, ligando a Praça Castro Carreira, no Centro da cidade, ao terminal da Vila das Flores, em Pacatuba, na Região Metropolitana. Há dez meses, as composições estão perfazendo o percurso de 25 quilômetros, sem custo para os usuários. Poderá chegar em janeiro sem cobrar a passagem.
O investimento realizado na primeira linha de metrô na Capital foi de R$ 1,5 bilhão, sendo R$ 1,2 bilhão proveniente do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal, e os R$ 300 milhões restantes do Estado. Nesse empreendimento foi utilizada a maior parte do percurso ferroviário, explorado pela antiga Rede Ferroviária Federal.
O Estado incorporou ao novo sistema de transporte, além do antigo caminho de ferro, as dependências da Central da Reffsa, na Praça Castro Carreira. O metrô para ser viabilizado contou com maciços investimentos do governo federal, depois de marchas e contramarchas determinadas pela carência de recursos.
Quando faz rodar seus novos trens da Linha Sul, a administração da Companhia do Metropolitano ainda não teve tempo para executar o trabalho para a restauração da cobertura vegetal existente na Avenida Tristão Gonçalves, destruída quando do início das obras. A promessa formal era do replantio dos oitizeiros plantados, na década de 30, mas não cumprida. Ainda há tempo.
Fonte - Revista Ferroviária  17/10/2013

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Senado aprova MP do Mais Médicos

Saúde

Fernando Stankuns/Creative Commons
O texto aprovado também permite que aposentados participem do Mais Médicos, o que não estava previsto na proposta original do governo

Mariana Jungmann 
Agência Brasil
Brasília - O plenário do Senado aprovou hoje (16) o Projeto de Lei de Conversão 26/2013, que trata da Medida Provisória que criou o Programa Mais Médicos, do governo federal. Os senadores mantiveram a mesma versão aprovada pela Câmara dos Deputados. Agora, o texto segue para sanção da presidenta Dilma Rousseff.
Pelo texto, caberá ao Ministério da Saúde emitir o registro provisório para que médicos estrangeiros possam trabalhar no Mais Médicos, deixando de ser uma atribuição dos conselhos regionais de Medicina. A mudança ocorreu por causa de uma emenda incluída pelo relator da comissão especial mista que analisou o projeto de lei de conversão, deputado Rogério Carvalho (PT-SE), depois de o governo argumentar que havia demora por parte dos conselhos em liberar os registros. Conforme balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, 237 profissionais com diploma estrangeiro ainda aguardam o registro para começar a trabalhar.
O texto prevê que o médico estrangeiro será obrigado a revalidar o diploma, caso queira continuar trabalhando no país além dos três anos de atuação previstos no programa. Antes, não havia essa exigência. Durante três anos, os estrangeiros podem atuar somente nas atividades do Mais Médicos.
O texto aprovado também permite que aposentados participem do Mais Médicos, o que não estava previsto na proposta original do governo.
O Programa Mais Médicos foi criado pelo governo federal com o intuito de levar médicos para áreas de difícil fixação desses profissionais, como regiões isoladas, do interior e periferias de grandes cidades. A criação do programa foi alvo de críticas das principais entidades médicas, que questionam a vinda de profissionais estrangeiros para o Brasil sem a necessidade de passar pela revalidação do diploma e a falta de estrutura física para o trabalho.
Todas as propostas de emendas apresentadas no plenário do Senado foram rejeitadas. Três emendas de redação foram aprovadas para melhorar o texto, mas elas não provocam a necessidade de retorno do projeto à Câmara. A presidenta Dilma Rousseff terá 15 dias para sancionar integral ou parcialmente o texto.
Fonte - EBC  16/10/2013

Linha 4-Amarela (metrô de SP) completa dois anos de operação plena

Metrô

RF
foto ilustração - pregopontocom
A Linha 4-Amarela, que liga os bairros da Luz ao Butatã, completa neste dia 16 de outubro dois anos de operação comercial plena. Segundo a ViaQuatro, consórcio operador, a linha já transportou nesses dois anos de existência 347 milhões de pessoas em seus 14 trens, uma média de média de 650 mil passageiros transportados por dia útil.
Os trens da linha realizaram mais de 450 mil viagens no trecho entre as estações Luz e Butantã, equivalente a uma distância de 4,5 milhões de quilômetros percorridos nos atuais 9,5 km de trilhos. “Transportamos pouco menos de dois Brasis na nossa Linha. O número mostra que temos demanda reprimida e que podemos transportar muito mais com um sistema integrado” afirma Luis Valença, presidente da ViaQuatro, concessionária responsável pela manutenção e operação da Linha 4-Amarela.
Quando as cinco novas estações (Fradique Coutinho, Oscar Freire, Higienópolis-Mackenzie, São Paulo-Morumbi e Vila Sônia) da Fase II estiverem prontas, a Linha 4-Amarela terá 12,8 quilômetros de extensão e 11 estações, ligando a região da Luz, no centro da cidade, ao bairro de Vila Sônia, na zona oeste. A expectativa é que transporte, com as 11 estações, cerca de um milhão de passageiros diariamente, serão 29 trens em operação para atender à essa demanda
Fonte - Revista Ferroviária 16/10/2013

Relatório recomenda ao Brasil aprovar PEC do Trabalho Escravo

Trabalho Escravo

Carolina Sarres
Repórter da Agência Brasil
foto EBC
Brasília – O relatório Índice de Escravidão Global
2013, divulgado pela Fundação Walk Free, recomenda que o Brasil aprove a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do Trabalho Escravo, que tramita há dez anos no Congresso Nacional, aumente as sanções, a pena e a multa para o uso de mão de obra forçada; fortaleça a Lista Suja do Trabalho Escravo; e pressione ainda mais as empresas que produzem ou que usem produtos provenientes de trabalho análogo à escravidão.
O Brasil está em 94º entre os 162 países avaliados proporcionalmente em relação à população. O país, de acordo com o relatório, tem de 170 mil a 217 mil pessoas em situação análoga à escravidão. No ranking das Américas, o Brasil está em 13º. No mundo, o país em que há, proporcionalmente, a maior prevalência de casos é a Mauritânia, na Costa Oeste da África; seguida pelo Haiti e Paquistão. Em termos quantitativos, os que mais registram casos são a Índia e a China, com, pelo menos, 13,3 milhões e 2,8 milhões de pessoas escravizadas respectivamente.
Nos parâmetros do índice, escravidão é a condição de uma pessoa sobre a qual é exercido qualquer poder de propriedade. Entre essas condições, estão a servidão por dívida, casamento forçado ou servil e a venda ou a exploração de crianças – inclusive em conflito armado.
“O Brasil tem boas práticas, com um plano nacional, políticas integradas, especialistas altamente treinados, juízes do Trabalho e a lista suja [Lista Suja do Trabalho Escravo], o que é ótimo. A maioria dos países não tem isso”, destacou o autor do índice, Kevin Bales, em referência, em especial, aos plano nacionais de erradicação do trabalho escravo, de 2003 e 2008.
Ainda assim, para Bales, o país pode melhorar por meio da adoção de medidas preventivas e protetivas, especialmente no que tange à exploração de mão de obra, casos em que são verificados as situações de condição análoga à escravidão no Brasil.
“O Brasil tem problemas? Sim, mas veja quantas pessoas saíram de situação análoga à escravidão devido à atuação de organizações e do governo: dezenas de milhares”, explicou o autor do relatório. De acordo com o índice, só em minas de carvão, entre 2003 e 2011, foram libertados 2,7 mil trabalhadores nesse tipo de situação.
Segundo o documento, atualmente, o grupo de pessoas mais vulneráveis ao trabalho escravo, no Brasil, é o de estrangeiros em busca de empregos – especialmente os haitianos e bolivianos, que emigram devido a condições econômicas, sociais e naturais em seus países. Esses estrangeiros são majoritariamente explorados por meio da escravidão por dívida.
“[Os estrangeiros] não podem ser invisíveis, especialmente para a população local. Quando há imigrantes, eles são tratados inferiormente. Se eles não falam bem português, ninguém fala com eles, são ignorados. É fácil não saber da situação”, explicou Bales.
O Brasil apresenta também problemas no que se refere ao trabalho penoso - atividades perigosas ou em condições precárias, como em minas de carvão. “O governo brasileiro tem assumido um papel ativo no reconhecimento da existência da escravidão moderna e na promoção de discussões [sobre o tema]”, ressalta o relatório da Fundação Walk Free, que cita como “exemplar” os esforços do Brasil no combate ao uso de mão de obra forçada.
Fonte - Agência Brasil  16/10/2013

Senado e Polícia Federal do Brasil querem ouvir Edward Snowden

Internacional


foto - ilustração
Ex-agente da CIA relatou que Estados Unidos espionavam autoridades e empresas brasileiras

A Comissão Parlamentar de Inquérito da Espionagem do Brasil, que está sendo conduzida pelo Senado Federal, e a Polícia Federal do país pretendem conversar com o ex-técnico de Informações dos Estados Unidos, Edward Snowden, que desde 1º de agosto está em asilo temporário de até um ano na Rússia.

Senadores e policiais federais querem ouvir Snowden através de vídeo conferência. A CPI apura as denúncias do ex-agente da CIA de que o Brasil é um dos alvos preferenciais da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos. A Polícia Federal está encarregada de investigar os meios que possibilitaram à inteligência norte-americana monitorar as comunicações da Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, de ministros de Estado, assessores e de grandes empresas brasileiras, como a Petrobras.
Fonte - Diário da Russia  16/10/2013

Propina do cartel era de 8,5%, afirmam testemunhas

Propinoduto

O Estado de São Paulo
foto - ilustração
A propina que teria sido paga a servidores públicos no escândalo Siemens girava em torno de 8,5% sobre o valor superfaturado de contratos milionários firmados no setor metroferroviário. A revelação é de testemunhas que prestaram depoimento perante força-tarefa do Ministério Público criada para investigar a ação do grande cartel de multinacionais, liderado pela Siemens, que se teria instalado em setores do transporte público da administração tucana em São Paulo e no governo do Distrito Federal.
O esquema teria operado no fim dos anos 90 - um investigador estima que mais de 90% dos pagamentos ocorreram nesse período. Alguns agentes públicos citados como supostos beneficiários da corrupção permaneceram em cargos da gestão tucana até 2003. Esse detalhe tem importância fundamental para o Ministério Público, que trabalha em duas áreas - uma apuração sobre improbidade, outra no âmbito criminal.
A Lei 8.429/92, que define os atos e sanções à improbidade administrativa, impõe limite de tempo para que a promotoria ingresse com processo na Justiça. O artigo 23 dessa norma prevê que as ações podem ser propostas até 5 anos após o encerramento do exercício de mandato, de cargo em comissão ou de função de confiança.
Como a maior parte dos servidores citados deixou o governo há 10 anos, ou mais, eles ficam livres de eventual ação por improbidade e de suas sanções - como pagamento de multa e inelegibilidade -, mas não de ações de ressarcimento por dano ao erário, que são imprescritíveis, conforme impõe o artigo 37 da Constituição.
Investigadores avaliam como "avassaladora" a prova até aqui reunida sobre o esquema liderado pela Siemens. A própria multinacional alemã fechou acordo de leniência com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), em 22 de maio. Seis ex-executivos da Siemens subscreveram o pacto.
São citadas como integrantes do cartel 20 empresas, entre elas a Alstom, que já é alvo de outra investigação. Depoimentos citam diversas outras pessoas jurídicas que teriam atuado como laranjas ou intermediárias de licitações forjadas.
A Controladoria-Geral da Administração (CGA) recomendou às direções do Metrô e da CPTM que instaurassem processos administrativos para declarar inidôneas a Siemens e demais empresas suspeitas de cartel. A Procuradoria-Geral do Estado ingressou com ação judicial de indenização contra a Siemens.
Fonte - Revista Ferroviária 16/10/2013

Isenção do ISS para o sistema metroviário é adiada mais uma vez

Politica

Isenção do ISS para o metrô será votada segunda  (21)


Crédito: Valdemiro Lopes
Lideranças partidárias acordaram nova data para ampliar a discussão

Os líderes partidários na Câmara Municipal de Salvador decidiram adiar para a sessão ordinária de segunda-feira (21) a votação do Projeto de Lei nº 354/13, do Executivo, que concede benefícios fiscais do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) relativos às obras, instalações e operação do Metrô de Salvador, pelo período de 10 anos. A ideia é ter mais tempo para esclarecer dúvidas e aprofundar o debate sobre a proposta, que prevê renúncia fiscal da ordem de R$1,3 bilhão no período, sendo esta a participação da prefeitura no esforço conjunto com os governos federal e estadual para a viabilização do metrô Salvador-Lauro de Freitas.
A isenção do ISS aos serviços vinculados às obras e instalações necessárias à implantação do Metrô de Salvador, bem como a redução da alíquota do imposto incidente sobre o serviço de transporte metroviário, de 5% para 2%, segundo justifica o prefeito ACM Neto na mensagem encaminhada ao Legislativo, possibilitará a redução dos custos de implantação, com reflexos positivos na tarifa a ser cobrada dos usuários finais.
O projeto será apreciado com emenda de autoria do vereador Claudio Tinoco (DEM) que obriga a concessionária a devolver os valores correspondentes à isenção caso as obras e instalações não sejam concluídas no prazo estabelecido no contrato.
Fonte - CMS (http://www.cms.ba.gov.br/)  16/10/2013  

Comentário Pregopontocom  

SEM COMENTÁRIOS.........

SP extingue e altera linhas de ônibus

Transporte Público

Caio do Valle 
Agência Estado
foto ilustração - pregopontocom
Pedro Paulo Santos, de 67 anos, aguardou o ônibus de sempre no ponto perto de casa: 20, 30, 40 minutos. O tempo passou, e nada. O aposentado precisou usar outra linha. Nas últimas semanas, milhares de passageiros se deparam com situação parecida em São Paulo. Isso porque a Prefeitura começou a extinguir e a fundir vários itinerários de ônibus, para "racionalizar" o sistema.
Neste ano, 54 linhas já deixaram de operar, de acordo com a São Paulo Transporte (SPTrans). O processo, acelerado nos últimos dias, deve ser intensificado nas próximas semanas. O urbanista e consultor de Engenharia de Tráfego Flamínio Fichmann defende que toda mudança estrutural das linhas deva passar pela avaliação do uso do deslocamento dos passageiros, rastreável por meio dos dados do Bilhete Único. "O que a gente precisa é olhar o sistema de transporte de maneira sistêmica, de fato. Assim, haveria a possibilidade de se fazer linhas expressas, semiexpressas, paradoras, secções ou extensões de linhas. Atender ao usuário de acordo com o que mais precisa", afirma. "O restante é brincar de operar transportes, com modificações pontuais, que nem merecem ser avaliadas isoladamente. Não sou contra o lucro dos empresários, mas dá para conjugar com o interesse do usuário."
A linha 3124-10 (Cohab Fazenda do Carmo-Parque D. Pedro II), usada por Santos para ir do bairro José Bonifácio, na zona leste, até a região central, foi uma das que deixaram de existir em setembro, embora a demanda não tenha caído. "Os ônibus estavam sempre cheios, não existe uma justificativa lógica para cancelá-la de repente", diz o vendedor Rodrigo de Freitas Andrade, de 37 anos, que mora na mesma região.
O percurso era feito pela Radial Leste. Agora, as linhas do bairro foram seccionadas, fazendo-as terminar na Estação de Transferência Itaquera, onde os usuários têm de pegar outro ônibus para seguir a viagem. Segundo Santos, a mudança - feita, além de tudo, sem aviso prévio - provoca mais cansaço. "A gente não acompanha ficar fazendo muita baldeação, não tem mais idade para isso."
Caso parecido aconteceu na zona sul. Para aproveitar a faixa exclusiva da 23 de Maio, as linhas que vinham da zona sul (pelas Avenidas 23 de Maio, Rubem Berta, Interlagos e Sabará) pela Brigadeiro Luís Antônio tiveram percurso alterado. A mudança foi informada.
A gestão do prefeito Fernando Haddad (PT) tem divulgado que, com medidas como a adoção do bilhete único mensal (em novembro) e a criação de linhas noturnas (em 2014), pretende tornar a capital paulista mais acessível aos habitantes que moram em regiões afastadas do centro. "Só que seccionar linhas não beneficia ninguém, somente as empresas de ônibus, que vão receber por mais passageiros transportados, já que a mesma pessoa será computada ao menos duas vezes, em vez de uma, para vencer o mesmo percurso", afirma Andrade. Ele levou o problema da região de José Bonifácio ao Ministério Público Estadual (MPE) na semana passada.
Fonte  - A Tarde 16/10/2013

Concessionárias de rodovias que não cumprirem exigências podem perder contratos

Rodovias

Karine Melo
Repórter da Agência Brasil
foto - ilustração
Brasília – Os contratos de concessionárias de sete rodovias federais que não cumprirem o que prevê o termo de ajustamento de conduta (TAC) firmado em setembro com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) poderão ser encerrados, disse hoje (16) o ministro dos Transportes, César Borges. As declarações foram dadas durante audiência pública na Comissão de Infraestrutura do Senado.
A exigência vale para as empresas que venceram os leilões da segunda etapa de concessões de rodovias, entre 2007 e 2008. Segundo o ministro, como o preço das tarifas dos pedágios foram muitos menores que os cobrados pelas concessionárias na primeira etapa, houve atrasos significativos em obras como a duplicação da Serra do Cafezal, na Régis Bittencourt, no Paraná.
Para César Borges, a medida foi necessária porque as multas aplicadas pela ANTT não resolveram o problema. "Sentimos que a ANTT multava (por causa de atrasos), mas sem resultados. De R$ 20 milhões em multas, foram pagos R$ 2,255 milhões. Os processos são judicializados e acabam percorrendo várias instâncias", acrescentou.
Fonte - Agência Brasil  16/10/2013

Projeto transfere custos com transporte de empregado para empregador

Transportes


A Comissão de Assuntos Sociais do Senado aprovou, em caráter terminativo, texto prevendo que as despesas com transporte de empregados são do empregador, desonerando assim o trabalhador dos custos com vale-transporte. O projeto será analisado pelos deputados


Carolina Gonçalves
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado aprovou há pouco, em caráter terminativo, texto prevendo que as despesas com transporte de empregados são do empregador, desonerando assim o trabalhador dos custos com vale-transporte.
Pelos cálculos e avaliação do autor do Projeto de Lei (PL) 242/2013, senador Fernando Collor (PTB-AL), o impacto da medida no orçamento das empresas é “desprezível”. O projeto ainda precisa ser analisado pelos deputados.
O relator da matéria, senador Paulo Paim (PT-RS) lembrou que, pela lei, o vale-transporte é uma antecipação feita pelo empregador do valor gasto com transporte pelo empregado, para que se desloque de sua residência ao local de trabalho e retorne para casa. O benefício inclui o sistema de transporte coletivo público, urbano, intermunicipal e interestadual.
Pelas regras atuais, o empregador arca com uma ajuda de custo equivalente ao valor que ultrapassar os 6% do salário do empregado. Por esse critério, um trabalhador que recebe salário mínimo (R$ 678) e gasta R$ 88 com transporte (22 passagens de ida e 22 de volta, a R$ 2), tem desconto de R$ 40,68 do salário e recebe do empregador R$ 47,32.

Convencido pelo autor da proposta, o senador Paim defendeu que a transferência dos custos totais do benefício para o empregador “fará grande diferença no orçamento dos empregados e não causará tanto impacto nos custos das empresas”.
Segundo ele, além do impacto ser pequeno, esse tipo de despesa ainda pode ser abatido da receita da empresa, “para fins de apuração de seu lucro tributável, portanto, prejuízo não haverá para a classe produtiva”, concluiu.
Qualquer trabalhador tem, por lei, direito ao vale-transporte para o deslocamento residência-trabalho-residência, mas o gasto não é contabilizado como salário, nem considerado para cálculos de outros recursos, como o do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O valor também não se configura como rendimento tributável.
Fonte - Agência Brasil  16/10/2013

ONU alerta sobre desperdícios no Dia Mundial da Alimentação

Internacional

Da Agência Brasil
Com informações da Agência Lusa

Roma - As Nações Unidas alertaram hoje (16), no Dia Mundial da Alimentação, para o desperdício alimentar, uma das principais razões para que 842 milhões de pessoas continuem privadas de quantidades suficientes de alimentos. No mesmo comunicado, a ONU destacou a importância de uma dieta equilibrada para combater o aumento da obesidade e garantir a saúde das populações.

Para marcar a data, na sede da FAO, em Roma, será oferecido hoje um almoço totalmente feito com produtos destinados ao lixo.
Cerca de um terço dos alimentos produzidos em todo o mundo - ou 1,3 bilhão de toneladas e mais de US$ 750 bilhões - por ano são atualmente desperdiçados, de acordo com dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).
"Com um quarto desses números, é possível alimentar 842 milhões de pessoas famintas em todo o mundo", garantiu Robert van Otterdijk, especialista em indústrias agrícolas e responsável pela infraestrutura rural na FAO.
Segundo ele, ao "reduzir à metade esse desperdício, bastaria aumentar a produção alimentar mundial em 32% para conseguir dar comida a 9 bilhões de pessoas, a população mundial prevista em 2050", de acordo com projeções demográficas.
Atualmente, os peritos estimam ser necessário um aumento de 60% da produção para responder às necessidades futuras da humanidade, um patamar insustentável para o planeta, cujos recursos em terra e água não são infinitos.
Para Mathilde Iweins, coordenadora de um relatório sobre os custos ambientais do desperdício, "as superfícies agrícolas utilizadas para a produção de alimentos que não serão utilizados equivalem às do Canadá e da Índia, em conjunto".
Se avaliarmos o desperdício alimentar como um país, seria "o terceiro emissor de gás de efeito estufa, depois da China e dos Estados Unidos", com um consumo de água equivalente a três vezes o Lago Léman (entre a Suíça e França), disse Iweins.
Nos países em desenvolvimento, as reduzidas capacidades de armazenamento e de acesso ao mercado são as principais causas do desperdício. Nas sociedades industrializadas, a responsabilidade é do excesso de normas e regras, devido a preocupações sanitárias ou estéticas.
Em sua mensagem pelo Dia Mundial da Alimentação, a ONU insistiu também na importância de sistemas de produção duráveis. "Modelos não viáveis de desenvolvimento degradam o ambiente natural, ameaçam os ecossistemas e a biodiversidade, indispensáveis para o futuro abastecimento de alimentos", acrescentou.
Se os esforços combinados dos Estados e das agências da ONU permitiram reduzir, de forma espetacular, o número de pessoas com fome (mais de 1 bilhão em 2009), o número de subnutridos é ainda de 2 bilhões, que sofrem uma ou várias carências em micronutrientes, como vitaminas e minerais.
A FAO mostrou que a subnutrição abrange 26% das crianças que apresentam atraso no crescimento, e 1,4 bilhão de pessoas com excesso de peso, incluindo 500 milhões de obesos.
Em relatório publicado em junho, a organização avaliou que o custo econômico da subnutrição e das carências em micronutrientes representam de 2% a 3% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial, ou seja, entre US$ 1,4 bilhão e US$ 2,1 bilhões.
De acordo com o Programa Alimentar Mundial (PAM), que fornece ajuda de emergência a 80 países, é urgente reforçar o número de mães e crianças que recebem produtos nutricionais especializados e focar essa atenção nos primeiros mil dias de vida.
"Se a comunidade internacional investisse US$ 1,2 bilhão por ano, durante cinco anos, na redução das carências em micronutrientes, a quebra da taxa de mortalidade infantil e o impacto positivo nos rendimentos futuros podiam atingir os US$ 15,3 bilhões", indicou o PAM, citando especialistas do Consenso de Copenhague, um projeto voltado ao bem-estar da humanidade.
"Conseguir o maior número possível de alimentos de cada gota de água, porção de terreno, partícula de fertilizantes e minuto de trabalho poupa recursos para o futuro e torna os sistemas mais sustentáveis", lembrou a organização.
Fonte - Agência Brasil  16/10/2013

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Cada R$ 1 investido no Bolsa Família cresce em R$ 1,78 o PIB, diz Ipea

Cidadania

Jorge Wamburg

Brasília – Criado pela Lei 10.836, de 9 de janeiro de 2004, o Bolsa Família vai completar dez anos. Um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que a cada R$ 1 investido no programa de transferência de renda provoca aumento de R$ 1,78 no Produto Interno Bruto (PIB).
O estudo aponta ainda efeitos do programa no consumo das famílias. "O Programa Bolsa Família é, por larga margem, a transferência com maiores efeitos sobre o PIB, que aumenta R$ 1,78 a cada R$ 1 adicionado ao programa. Ou seja, nessas condições, um gasto adicional de 1% do PIB no programa, que privilegia as famílias mais pobres, gera aumento de 1,78% na atividade econômica – e de 2,40% sobre o consumo das famílias –, bem maior que o de transferências previdenciárias e trabalhistas crescentes de acordo com o salário do beneficiário", dizem os pesquisadores em trecho do livro Programa Bolsa Família: uma década de inclusão e cidadania, que será lançado no próximo dia 30.
Conforme o estudo, o programa reduziu em 28% a extrema pobreza no país, entre 2002 e 2012. "Sem a renda do Programa Bolsa Família, a taxa de extrema pobreza em 2012 seria 4,9%, ou seja, 36% maior que a observada com o programa", diz o capítulo do livro que trata dos efeitos macroeconômicos do Bolsa Família, divulgado pelo presidente do Ipea e ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Marcelo Neri, que assina o capítulo junto com os pesquisadores Fabio Vaz e Pedro de Souza.
Pesquisadores concluíram que o programa contribuiu para aumentar a freqüência escolar e queda da repetência, da inatividade de pessoas classificadas como “nem-nem” (não estudam nem trabalham), da mortalidade em crianças menores de cinco anos e da prevalência de baixo peso no nascimento, além de crescimento na proporção de crianças com vacinas nas idades corretas. Os estudos não indicam estímulo à informalidade e à fecundidade, segundo o Ipea.
Na apresentação dos dados, o programa recebeu o 1º Prêmio Award for Outstanding Achievement in Social Security, concedido pela Associação Internacional de Seguridade Social, na Suíça, em reconhecimento ao combate à pobreza e na promoção dos direitos sociais da população de baixa renda. A organização tem 330 organizações filiadas em 157 países. A cerimônia oficial de premiação será em novembro, no Catar.
Para a ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello, os dados “derrubam todos os mitos sobre o Bolsa Família, como o da preguiça e o da informalidade e comprova estatisticamente os seus efeitos positivos”, e rebate as críticas de assistencialismo e gastos elevado. De acordo com a ministra, esses efeitos não se deram apenas em relação à distribuição de renda, mas também na qualidade de vida das famílias beneficiadas pelo programa, em questões como educação e redução da mortalidade infantil.
Atualmente, o programa beneficia 13,8 milhões de famílias, quase 50 milhões de pessoas. Em 2013, o orçamento previsto é R$ 24 bilhões, cerca de 0,46% do PIB, segundo o ministério.
Fonte - EBC  15/10/2013

Dilma e Wagner assinam o contrato de concessão do sistema metroviário Salvador e L. de Freitas

Transportes Sobre Trilhos

Dilma Rousseff anuncia investimentos para construção do metrô de Salvador


O anúncio dos investimentos foi feito nesta terça-feira (15/10), em Salvador

A presidente Dilma Rousseff participou, nesta terça-feira (15/10), ao lado do governador Jaques Wagner, em Salvador, da assinatura do contrato de concessão do Sistema Metroviário de Salvador e Lauro de Freitas, entre o Governo da Bahia e o Grupo CCR. Com a assinatura do contrato da Parceria Público-Privada, a Linha 1 será concluída e a Linha 2 implantada.
Além de participar da assinatura, Dilma anuncia o investimento de mais R$ 700 milhões para as obras do metrô, através do PAC Mobilidade.
Segundo o governador Jaques Wagner, entre julho e agosto de 2014 estará funcionando o trecho até o Retiro. “Creio que em dezembro de 2014, janeiro de 2015, a gente tenha o trecho até Pirajá.” Wagner lembrou que algumas obras já estão em andamento para facilitar a mobilidade urbana, a exemplo de viadutos, da duplicação da Avenida Pinto de Aguiar e da Via Expressa.
foto - ilustração
Serão investidos R$ 7,3 bilhões, incluindo verbas dos governos federal, estadual e municipal e da iniciativa privada, de modo que no final de 2014, a população vai poder circular e utilizar o metrô no primeiro trecho, que em seguida, será estendido até Cajazeiras/Águas Claras.
No evento, foi anunciada a liberação de verbas para outras obras em Salvador, através do PAC Mobilidade. De acordo com a presidente, além do metrô de Salvador/Lauro de Freitas, do complemento da Linha 1, vai oferecer outras duas ações, melhorando o transporte público de Salvador, com a implantação de 13 quilômetros de BRT (Bus Rapid Transit) da Lapa ao Iguatemi e implantação do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) metropolitano (Comércio/Calçada/Paripe e Águas Claras/Paripe).
Fonte - Tribuna da Bahia  15/10/2013

Vendas no comércio têm sexta alta consecutiva

Economia

Vitor Abdala
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro - O comércio varejista teve crescimento de 0,9% no volume de vendas de julho para agosto e registrou a sexta alta consecutiva. Além disso, houve aumento de 1,2% na receita nominal de julho para agosto. Os dados, da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), foram divulgados hoje (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Entre os oito setores analisados pelo IBGE, seis tiveram alta no volume de vendas em agosto na comparação com julho. O destaque ficou com o segmento de equipamento e material para escritório, informática e comunicação, com crescimento de 7,6%. Também tiveram alta os artigos farmacêuticos, médicos e perfumaria (1,1%), livros, jornais e papelaria (0,9%), móveis e eletrodomésticos (0,8%), supermercados e comércio de alimentos (0,6%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (0,1%).
Apenas dois setores tiveram queda no volume de vendas de julho para agosto: tecidos, vestuário e calçados (1%) e combustíveis e lubrificantes (0,7%).
O comércio varejista ampliado, que também considera os setores de veículos e peças e de material de construção, teve um crescimento menor: 0,6%. Os veículos, motos, partes e peças registraram aumento de 2,6% no volume de vendas, enquanto os materiais de construção tiveram alta de 0,8%.
Na comparação com agosto de 2012, o varejo teve alta de 6,2% no volume de vendas e de 13,6% na receita nominal. No acumulado do ano, o comércio varejista teve crescimentos de 3,8% no volume e 11,9% na receita. Em 12 meses, o varejo acumula altas de 5,1% no volume e 12,2% na receita.
Fonte - Agência Brasil  15/10/2013

Via Expressa fica pronta em 15 dias

Cidade

Foto: Carol Garcia / GOVBA
Jaques Wagner visitou a obra com o ministro César Borges

Naira Sodré - TB
Daqui a 15 dias a Via Expressa Baia de Todos os Santos estará sendo aberta para o tráfego. A previsão é do governador Jaques Wagner, que ontem pela manhã, visitou a obra que está em fase de conclusão. Atualmente a via recebe os últimos retoques na parte de acabamento, construção de passarelas, paisagismo e limpeza dos espaços em uso desde a primeira fase da construção. Com a entrega da via, que vai retirar o tráfego pesado das avenidas Bonocô e San Martim, o impacto no trânsito de Salvador será positivo, inclusive no item segurança.
Ao circular pela Via Expressa, o motorista terá uma redução de 3,2 quilômetros no trajeto da BR 324 ao Porto de Salvador. Dos 7,497 que o motorista roda hoje, com a via, o trajeto diminui para 4,297. A Via Expressa perpassa Água de Meninos, Ladeira do Canto da Cruz, Estrada da Rainha, Largo Dois Leões, Avenida Heitor Dias, Rótula do Abacaxi, Ladeira do Cabula e Acesso Norte. São 10 faixas de tráfego – sendo seis para tráfego urbano e quatro exclusivas para veículos de carga, três túneis, 14 elevados, quatro passarelas, além de ciclovia, pista de rolamento e passeios.
Intervenção viária
Para o governador Jaques Wagner, esta é a maior intervenção viária dos últimos 30 anos. “É uma obra monumental, que integra o conjunto de obras estruturantes que o governo do estado está executando na capital baiana, para reduzir gargalos crônicos no trânsito. Vai permitir ao motorista que estiver na cidade Baixa e queira ir para a Paralela, usar as faixas e o túnel designado para o tráfego urbano, saindo diretamente na Luís Eduardo. Isto vai aliviar bastante a zona do Iguatemi”, salientou Wagner.
Se na estrutura viária de hoje trafegam na Bonocô (da Fonte Nova para o Iguatemi) cerca de 2.030 veículos de carga por dia – sendo 1569 caminhões e 461 carretas, com a Via Expressa em funcionamento, o fluxo estimado é de pelo menos 3.500 veículos de carga por dia. Somam-se a esses caminhões e carretas que circularam no novo elo logístico integrador outros 59,5mil veículos leves e ônibus, o que deve gerar uma média de 63 mil veículos por dia, liberando o trânsito e diminuindo os congestionamentos que existem hoje.
A obra teve investimento total de R$480 milhões, em parceria estabelecida pelo governo do Estado, por meio das secretarias de Desenvolvimento Urbano (Sedur) e de Infraestrutura (Seinfra), com o Governo Federal. A execução ficou por conta da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder).
Projetada inicialmente para ser uma via portuária, a Via Expressa evoluiu para uma intervenção abrangente, se consolidando como um elo logístico integrador de acesso ao Porto de Salvador. A demora de conclusão na obra foi por conta de vários problemas que aparecem normalmente quando se mexe no tecido antigo da cidade, como foi o caso da Via Expressa. Segundo o secretário de Desenvolvimento Urbano (Sedur), Cícero Monteiro, “por conta dos problemas encontrados, em redes de esgoto, de água e energia, foram necessárias várias obras complementares. Só desapropriações foram cerca de 653”, esclareceu.
Visita das autoridades 
O governador Jaques Wagner, o ministro dos Transportes, César Borges, e os secretários estaduais de Desenvolvimento Urbano, Cícero Monteiro, e da Casa Civil, Rui Costa, visitaram na manhã desta segunda-feira (14) a Via Expressa Baía de Todos-os-Santos. Acompanhados da imprensa e outras autoridades, eles saíram da Rótula do Abacaxi e seguiram pelas novas pistas até os novos túneis que ligam a Cidade Alta e a Cidade Baixa, na altura do porto de Salvador.
Maior intervenção viária em Salvador nos últimos 30 anos, a Via Expressa cria uma nova opção de mobilidade que muda a forma como carros e veículos de carga se deslocam por alguns pontos da cidade, segundo o governador.
“São três túneis e 10 pistas que abrem caminhos. Quem sair do Comércio para a Paralela, por exemplo, não vai mais precisar passar pelo Iguatemi e fazer esse contorno todo que faz hoje. É só pegar a Via Expressa, sair no Acesso Norte, depois Luís Eduardo e Paralela, indo ou voltando. Isso contribui para tirar o fluxo do olho do furacão do engarrafamento que é a região do Iguatemi”, afirmou Wagner.
Fonte - Tribuna da Bahia  15/10/2013

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Maior túnel da América Latina, obra do Projeto de Integração do Rio São Francisco, terá 15.4 km

Infraestrutura


Estão avançados os trabalhos de perfuração do túnel

Implantado na divisa do Ceará com a Paraíba para o transporte de água, o ‘Cuncas I’ já está com 11,6 km concluídos, o equivalente a 70% da obra, devendo ficar totalmente pronto em 2015.
No local trabalham 633 operários, movendo 209 equipamentos, dentre eles a perfuradora de rocha intitulada Jumbo, importada da Finlândia que faz escavações durante 24 horas, num ritmo de 18 metros por dia.
O objetivo do túnel é conduzir 83.000 litros de água por segundo para a Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará, após passar pelo túnel ‘Cuncas II’, por meio de interligação com um reservatório.
Para acelerar as obras, foi adotado um sistema de perfuração com fogo controlado, conhecido como Novo Método de Tunelamento Austríaco, em que os operários trabalham em 4 frentes de serviço simultâneas nas 2 extremidades dos túneis (entrada e saída) e mais 2 frentes de serviço no ponto central (janela de serviço); à medida em que as perfurações avançam, as equipes se deslocam em sentidos opostos até se encontrarem as escavações.
O Projeto São Francisco, a cargo do Ministério da Integração Nacional, é a maior obra de infraestrutura hídrica do Brasil, emprega mais de 6.600 pessoas, tem mais de 1.800 equipamentos em operação em 4 trechos funcionando por 24 horas por dia em São José de Piranhas (PB), Salgueiro (PE), Cabrobó (PE)
Fonte - Bahia Negócios  14/10/2013

CHEGA AO BRASIL MINISTRO RUSSO PARA PROPOR PRODUÇÃO CONJUNTA DO CAÇA DE QUINTA GERAÇÃO T-50

Aviões Militares

Mauro Santayana

A possibilidade que aventamos aqui no blog, outro dia, de participação do Brasil no programa PAK-FA, tornou-se oficialmente concreta.
O Ministro da Defesa da Rússia, Serguei Shoigú, que chega a Brasília amanhã, irá propor ao Brasil, não apenas a compra dos caças Sukhoi SU-35, mas também o desenvolvimento e a produção conjunta do caça T-50, de quinta geração.
O projeto do T-50, do Programa PAK-FA, já conta com a participação da Índia, que disponibilizou cerca de US$ 25 bilhões e espera obter a versão de exportação do T-50 até 2018.
A Força Aérea Russa (FAR) receberá os primeiros T-50 de produção em série este ano, e comprará pelo menos 70 aeronaves.
O caça traz toda uma série de inovações para minimizar sua visibilidade aos radares. E também novos materiais estruturais e revestimentos, inteligência artificial, e componentes de hardware que elevam a indústria aeronáutica russa a um patamar completamente novo.
Um dos destaques do T-50 são os novos polímeros de fibra de carbono, com peso duas vezes menor do que o alumínio e quatro vezes menor que o aço. Como mais de 70% do revestimento da aeronave é composto por novos materiais, o resultado é um avião quatro vezes mais leve que os construídos com material comum.
Além disso, o T-50 se destaca por uma visibilidade reduzida aos radares, ópticos e infravermelhos. A área efetiva da superfície refletora da aeronave é de 0,5 m2, enquanto a do Su-30MKI é de 20 m2. Isso significa que, no radar, o Su-30MKI aparece como um objeto metálico de 5 por 4 metros, enquanto o T-50 tem uma imagem 40 vezes menor.
Dezenas de sensores colocados ao longo da fuselagem permitem controlar a situação em torno da aeronave, e trocar informações, em tempo real, com serviços terrestres e dentro de um esquadrão. Se não bastasse, um “piloto automático” oferece ao piloto da aeronave várias opções de ação. O T-50 é capaz de decolar e pousar em uma pista de 300 a 400 metros de extensão.
O caça possui elevada capacidade de manobra e alto nível de monitoramento. Um radar de matriz ativa faseada instalado na aeronave permite ao piloto ver tudo o que acontece a uma distância de várias centenas de quilômetros, e acompanhar vários alvos aéreos e terrestres ao mesmo tempo.
O armamento é transportado dentro de compartimentos internos, como exige a tecnologia Stealth. Esses compartimentos podem acomodar até oito mísseis ar-ar do tipo R-77 ou duas bombas inteligentes de 1.500 kg. A aeronave também pode levar em dois pontos duros sob as asas mísseis com capacidade para atingir alvos a uma distância de 400 km.
Fonte - Mauro Santayana 14/10/2013

Carro Solar Equipe Eindhoven, movido a energia solar, percorreu 875 km com uma única carga

Tecnologia


Placas colocadas no teto absorvem a energia

O carro, que participou do Mundial de 2013 Bridgestone Solar Challenge, na Austrália, com apenas 2 lugares, foi desenvolvido por um grupo de estudantes.
Utilizando baterias para longas distâncias e rajadas de aceleração, o veículo acumula a maior parte de sua energia com os painéis solares colocados no que mede 6 m2.
Informa o blog Verde sobre Rodas ser a energia positiva a característica mais marcante do veículo, gerando, no uso diário normal, mais energia do que consome, permitindo que o excesso seja colocado na rede . Assim que a energia excedente pode ser entregue à rede de eletricidade.
Fonte - Bahia Negócios  14/10/2013