sábado, 27 de abril de 2013

Projeto ERA-GLONASS promete poupar 4 mil vidas por ano na Rússia Sistema equipará todos os veículos do país

O governo russo anunciou que ainda esse ano será dado início à realização do projeto ERA-GLONASS, que prevê aparelhar todos os tipos de veículos da Rússia com um novo equipamento de assistência, baseado no sistema de navegação russo GLONASS. Junto a isso, será dado início em mais de 30 regiões do país a um programa de segurança rodoviário intitulado Corredores de Transporte.

Em caso de emergência ou acidente, o terminal ERA-GLONASS irá transmitir as coordenadas exatas do veículo e outros dados ao serviço 911 da Rússia. Os especialistas acreditam que o novo sistema irá reduzir o número de acidentes de trânsito e salvar quatro mil vidas por ano.

Segundo o vice-diretor da agência espacial russa Roskosmos, Vitali Davydov, o sistema de posicionamento global via satélite, GLONASS, está em seu pleno funcionamento, e todos os problemas técnicos relativos sua à implantação massiva no país e no mundo já foram resolvidos. Vale lembrar que o sistema GLONASS é análogo ao sistema norte-americano GPS, permitindo determinar a localização e a velocidade de deslocamento de objetos terrestres, marinhos e aéreos com uma precisão de até um metro.
Fonte - Diário da Russia  26/04/2013

Escola do Teatro Bolshoi é recebida por ministro brasileiro e encanta Brasília

Bailarinos fizeram espetáculo em homenagem aos 53 anos da cidade 26/04/2013 8h23

Os bailarinos da Escola do Teatro Bolshoi no Brasil foram recebidos na quarta-feira, 24, em Brasília, pelo Ministro do Turismo, Gastão Vieira. O encontro aconteceu na véspera da apresentação de 90 artistas da institiuição, no Ginásio Nilson Nelson, em homenagem à cidade e em comemoração aos 10 anos da pasta. A apresentação nesta quinta-feira, 25, foi gratuita e começou às 20h30.
Os alunos da Escola do Teatro Bolshoi Brasil encenaram Dom Quixote em Brasília
Ao receber professores e alunos da Escola, o Ministro Gastão Vieira disse que o espetáculo do Bolshoi foi a melhor forma de homenagear Brasília, que completou 53 anos de fundação no dia 21 de abril. A apresentação do balé Dom Quixote foi comemorativa, também, dos 10 anos de constituição do Ministério do Turismo.
De acordo com o ministro, fazer turismo é buscar felicidade, alegria, confraternização, conhecer novas pessoas e novos ambientes. Segundo ele, o Bolshoi é o balé que mais fala ao sentimento do brasileiro, daí o convite para a companhia se apresentar em Brasília. Nas palavras de Gastão Vieira, a instituição russa foi escolhida por ser uma “companhia que fala com a alma da gente, fala de felicidade e fala o que é e como é o turismo“.
Na quarta-feira, antes de ser recebido por Gastão Vieira, o grupo de bailarinos, que reúne adolescentes de 19 estados brasileiros e de outros países, fez um passeio turístico por Brasília. Os jovens conheceram o Setor Militar Urbano, o estádio de futebol Mané Garrincha, a Torre de TV e a Esplanada dos Ministérios.
Fonte - Diário da Russia  26/04/2013

Il nuovo treno Frecciarossa di Trenitalia - Itália

Itália terá novo trem de alta velocidade este ano

O novo Frecciarossa 1000 (foto divulgação Trenitalia)

No final do ano, o Gruppo Ferrovie dello Stato Italiane (Trenitalia) vai colocar um novo trem de alta velocidade Frecciarossa em operação na linha entre Nápoles e Turim, passando por Roma, Florença, Bologna e Milão, na Itália.
“Trata-se do Frecciarossa 1000, que poderá atingir até 400 km/h e fará, por exemplo, Roma a Milão em 2h20”, disse Luis Martinez, do GSA da Trenitalia.
“Design, tecnologia e serviços, além da velocidade, são as características desse super trem”, destacou Martinez. “Entre outras facilidades, o trem tem até uma sala de reuniões”, emendou ele.
Atualmente o Frecciarossa tem 84 saídas diárias, com velocidade máxima de 300 km/h. “Tanto o atual como o novo têm quatro classes: executiva, business, premium e standard.”
Martinez participou hoje pela manhã do seminário sobre trens promovido pela TT Operadora, em São Paulo.
Fonte - Panrotas 26/04/2013

Il nuovo treno Frecciarossa di Trenitalia - Itália


Alla fine dell'anno, il Gruppo Ferrovie dello Stato Italiane (Trenitalia) metterà una nuova linea ferroviaria ad alta velocità in funzione Frecciarossa tra Napoli e Torino, passando per Roma, Firenze, Bologna e Milano, Italia.
"Questo è il Frecciarossa 1000, che potrebbe arrivare fino a 400 km / he sarà, per esempio, a 02:20 Roma a Milano", ha dichiarato Luis Martinez, Trenitalia di GSA.
"Design, tecnologia e servizi, oltre a velocità, le caratteristiche di quel treno eccellente", ha detto Martinez. "Tra gli altri servizi, il treno ha anche una sala riunioni", ha modificato
Frecciarossa attualmente dispone di 84 partenze giornaliere con la velocità massima di 300 km / h. "Sia l'attuale e il nuovo hanno quattro classi:. Esecutivo, affari, premium e standard"
Martinez ha frequentato il seminario di questa mattina promosso dal TT treni Operatore a São Paulo.
Traduzione - Pregopontocom

TT faz seminário sobre trens para agentes em SP


Na home o diretor da TT Operadora, Pablo Bernhard; acima, Luis Martinez (Trenitalia), Irina Ens (DB), Natalia Artamonova (Russian Railway Tours), Bernhard, Isis Pompilio (Eurasia Trains & Tours), Sheila Nassar (Via Rail) e Fernando Haynes (Brit Rail)

A TT Operadora realizou hoje pela manhã um seminário sobre trens para 80 agentes de viagens em São Paulo. “O diferencial desta capacitação é que trouxemos representantes de várias operadoras para que eles próprios falassem sobre suas empresas”, explica o diretor da TT, Pablo Bernhard.

Além de colaboradores da TT, que mostraram como se reserva e compra trens no site da operadora, Bernhard trouxe representantes das seguintes operadoras: Trenitalia (Itália), DB e Eurasia Trains & Tours (Alemanha), Brit Rail (Reino Unido), Via Rail (Canadá) e Russian Railway (Rússia).

“Esse seminário é importante porque o brasileiro, de um modo geral, não tem a cultura de viajar de trem porque aqui não temos mais trens de passageiros como em outros países”, destaca o diretor da TT.

“E o que percebemos nos últimos anos é que o turista brasileiro tem viajado cada vez mais de trem”, analisa ele. “Além de confortável, rápido e, muitas vezes, saindo e chegando dos centros das cidades, o passageiro vê a paisagem e passa por lugares onde o carro não alcança.”

Bernhard diz que irá fazer um seminário semelhante a outras cidades, em datas a agendar, como Porto Alegre e Belo Horizonte. Mais informações pelo www.lufthansacc.com.
Fonte - Panrotas  26/04/2013

Venezuela convoca reunião da Petrocaribe

Leandra Felipe*
Correspondente da Agência Brasil/EBC

Bogotá - A Venezuela convocou hoje (26) uma reunião de cúpula da Petrocaribe para o próximo dia 4 de maio. A Petrocaribe é a aliança de 18 países do Caribe que compram petróleo do governo venezuelano em condições preferenciais de pagamento. O grupo foi criado em 2005 pelo então presidente da Venezuela, Hugo Chávez (morto no último mês de março).

A reunião foi convocada pelo chanceler venezuelano, Elías Jaua, durante reunião da Associação dos Estados do Caribe (AEC), que termina hoje em Porto Príncipe, no Haiti.

Jaua disse que o encontro tem o objetivo de fortalecer os mecanismos de intercâmbio regional. Segundo o chanceler, o evento terá a participação de representantes dos países-membros da Petrocaribe e de observadores regionais. “O presidente Nicolás Maduro convida a todos para esta reunião na Ilha de Margarita”, anunciou.

Vários países caribenhos que compõem a Petrocaribe dependem do petróleo produzido na Venezuela, entre eles: Nicaraguá, Honduras e Cuba.
*Com informações da Telesur
Fonte - Agência Brasil  26/04/2013

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Metrô de Salvador - sancionada transferência pelo governador JW

Metrô: Jaques Wagner sanciona transferência

Aprovada por unanimidade na Assembleia Legislativa na terça-feira, a lei entra em vigor hoje

Da Redação
O governador Jaques Wagner sancionou nesta quinta a lei 12.808/2013, que autoriza o Poder Executivo estadual a assumir o controle societário da Companhia de Transportes de Salvador (CTS), que controla o metrô e os trens do Subúrbio.
foto - ilustração
Aprovada por unanimidade na Assembleia Legislativa na terça-feira, a lei entra em vigor hoje, quando deve ser publicada no Diário Oficial do Estado, segundo a assessoria do Governo do Estado.
Além do governador, assinam o documento os secretários Otto Alencar (Infraestrutura), Rui Costa (Casa Civil) e Cícero Monteiro (Desenvolvimento Urbano). A lei é parte do processo jurídico de transferência do metrô do município de Salvador para o Governo do Estado.
A previsão é que o projeto tramite também na Câmara de Vereadores nos próximos 15 dias.
De acordo com o Governo do Estado, o edital de licitação para finalização da Linha 1 do metrô (com mais 5,6 km), apresentação do projeto de extensão dela até o bairro de Cajazeiras, construção da Linha 2 e operação de todo o sistema metroviário deve ser lançado no início de maio.
A obra será realizada por meio de uma Parceria Público Privada (PPP). Para execução, estão previstos investimentos de R$ 4,2 bilhões. Já o Executivo Municipal pretende lançar o edital de licitação para administração da Estação da Lapa ainda no primeiro semestre.
Fonte - Correio 26/04/2013

Moscou impõe restrições a trânsito de caminhões

Anel rodoviário da capital russa ficará fechado para estes veículos por 16h do dia


As autoridades de Moscou aumentarão as restrições ao trânsito de caminhões pesados dentro dos limites da capital, elevando também o valor das multas para aqueles que desrespeitarem a nova legislação. A partir do dia 1º de maio, esses veículos estarão proibidos de entrar no anel rodoviário da capital russa, o MKAD, entre as 6h e as 22h.
foto - ilustração
De acordo com as regras anteriores, introduzidas em março, apenas os caminhões pesados que atravessavam a cidade para se dirigir a outras localidades eram impedidos de circular pelo anel viário.
As multas para os que violarem as regras passarão de US$ 16 para US$ 64 inicialmente. Mas sofrerão novos reajustes nos meses de junho e julho. Câmeras instaladas ao longo de todo o rodoanel registram diariamente milhares de infrações cometidas pelos motoristas que passam pelo local. De acordo com o vice-chefe do Departamento de Transportes de Moscou, Dmitri Savchenko, a polícia costuma emitir de 5 a 10 mil multas por dia.
Haverá, entretanto, algumas exceções para a nova lei. Veículos que estiverem levando bens para suprir as necessidades da capital ou aqueles que por algum motivo especial precisarem passar pelo MKAD poderão obter um passe especial.
Fonte - Diário da Russia  26/04/2013

Brasil, Rússia e China disputam construção de usinas na Argentina

Dilma Rousseff se encontrou com Cristina Kirchner em Buenos Aires

Empresas da Rússia e da China são as principais concorrentes das brasileiras Andrade Gutierrez, Odebrecht, OAS e Camargo Correa na licitação internacional promovida pelo governo da Argentina para a construção de duas usinas de energia interligadas. Este foi apenas um dos muitos itens discutidos durante a visita da Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, e à sua colega da Argentina, Cirstina Kirchner, em Buenos Aires, na quinta-feira, 25.
Junto com esta discussão, Cristina Kirchner apresentou à Dilma Rousseff a proposta para que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) financie a construção deste projeto avaliado em US$ 5 bilhões, aproximadamente R$ 10 bilhões. A líder brasileira apresentou à sua correspondente argentina uma outra ideia de financiamento, no valor de US$ 1,5 bilhão, ou R$ 3 bilhões, para obras na linha férrea de Sarmiento, tidas como um dos principais projetos de infraestrutura de transportes na Argentina. A empresa brasileira Odebrecht participa diretamente deste projeto.
Fonte - Diário da Russia  26/04/2013

Cresce expectativa sobre para Trem Regional do Sul

Jornal Agora
Para o deputado federal Fernando Marroni, a divulgação do resultado positivo do estudo de viabilidade técnica de implantação de um trem regional de passageiros entre Caxias do Sul e Bento Gonçalves aumenta a expectativa com relação a aprovação da instalação de um trem regional interligando Capão do Leão, Pelotas, Rio Grande/Cassino, na Zona Sul do Estado.
Foto ´ilustração
Orçado em R$ 156,1 milhões, o projeto do Trem da Serra foi considerado viável pelo estudo elaborado pelo Laboratório de Transportes e Logística da Universidade Federal de Santa Catarina (Labtrans/UFSC), mesma instituição responsável por apurar a viabilidade técnica, econômica e ambiental do trem regional do sul.
“Ao considerar viável o trem regional da Serra, o ministério dos Transportes abre uma porta importante para a aprovação da implantação do trem também no trecho Capão do Leão, Pelotas e Rio Grande/Cassino, pois é muito grande a demanda de pessoas que circula diariamente por estes municípios. Estamos otimistas com relação à aprovação do projeto e, a expectativa é de que até o final deste ano já se possa ver aberto o processo de concessão do serviço”, comenta Marroni (PT-RS), que é também coordenador do Comitê em Defesa do Trem Regional, que reúne lideranças dos três municípios envolvidos.
Conforme informações obtidas por Marroni junto ao Labtrans, o resultado do estudo de viabilidade técnica será entregue ao ministro dos Transportes, César Borges, no dia 23 de maio.

O Trem da Serra
O trecho entre Caxias do Sul e Bento Gonçalves totalizará 65 quilômetros e inclui paradas em Farroupilha, Carlos Barbosa e Garibaldi. O projeto prevê a utilização de veículos leves sobre trilhos (VLT) com capacidade para atingir até 120 km/h. A ideia é aproveitar os trechos das antigas ferrovias de cargas e fazer as devidas adequações. O projeto deverá ser viabilizado através de Parceria Público Privada (PPP) ou por meio de concessão à iniciativa privada por período determinado. O projeto executivo deve ser contratado ainda em 2013.
Fonte - Revista Ferroviária  26/04/2013

Ministro do Turismo defende ações que incentivem população a viajar mais pelo país

Ag.Br
Thais Leitão
Repórter da Agência Brasil

Brasília - O grande desafio do setor de turismo no Brasil é garantir que a preparação para os eventos esportivos dos próximos anos transforme o país em um "grande destino" para todo o mundo. A opinião é do ministro do Turismo, Gastão Vieira.
Ao fazer um balanço dos dez anos da pasta, ele ressaltou que o desenvolvimento do setor, que acredita que irá se tornar um dos principais motores da economia brasileira, depende da consolidação do mercado interno e de ações que incentivem o brasileiro a viajar mais pelo país.
"O turismo brasileiro é muito jovem e, com esses eventos [esportivos], vamos alcançar a maturidade, a idade adulta. É preciso acreditar na classe média, que está consumindo turismo e viajando cada vez mais para fora, e tentar equilibrar essa balança, fazendo com que os brasileiros viajem mais pelo Brasil e descubram mais o seu país", disse Vieira durante a apresentação da Escola de Teatro Bolshoi Brasil.
O espetáculo, que marcou uma década desde a criação da pasta, reuniu, na noite de ontem (25), no Ginásio Nilson Nelson, em Brasília, diversos espectadores para ver a performance dos alunos da única escola do Bolshoi fora da Rússia. Localizada em Joinville (SC), a unidade desenvolve há 13 anos ações ligadas à educação, à cultura e ao desenvolvimento social de crianças, adolescentes e jovens com idade entre 9 e 20 anos. Com mais de 90% dos alunos provenientes de famílias de baixa renda, a escola oferece, com ajuda de diversos parceiros, bolsa integral a todos os participantes do projeto. Em contrapartida, os alunos devem ter bom rendimento na escola e não podem ser reprovados.
O espetáculo desta quinta-feira contou com cerca de 90 bailarinos e bailarinas que apresentaram a Grande Suíte do Balé Don Quixote, baseada no clássico da literatura de Miguel de Cervantes. A obra conta a história de Kitri e o pobre barbeiro Basílio, que enganam o arrogante e rico Gamash, com quem Lorenzo, o pai da moça, a força a se casar. Com a ajuda de Don Quixote, nobre cavaleiro, e seu fiel escudeiro, Sancho Panza, os apaixonados Kitri e Basílio casam-se em uma grande festa, em Barcelona.
Utilizando figurino colorido e variado, mas sobretudo técnica apurada, o grupo encantou pequenas bailarinas, como Hanna da Silva, de 8 anos. Moradora de Sobradinho, cidade do Distrito Federal, ela foi ao ginásio acompanhada da mãe, Luciana da Silva, de 42 anos. Sem tirar os olhos do palco e atenta a todos os movimentos, a menina disse que, mesmo sem ter o sonho de tornar-se bailarina profissional, ficou muito emocionada. "É lindo, estou muito emocionada, ainda mais porque é a primeira vez que vejo um show desse tamanho tão de perto", disse.
Veja aqui a galeria de fotos do espetáculo Don Quixote.
Fonte Agência Brasil 26/04/2013

Google compra por US$ 30 milhões aplicativo para ler notícias

Enviado por luisnassif
Do Brasil Econômico
Google paga US$ 30 mi pela Wavii, aplicativo para ler notícias

Empresa de Seattle havia sido sondada pela Apple e é concorrente da Summly, recém-comprada pelo Yahoo.
Ao longo da última década, o Google tem sido um dos maiores - e mais bem sucedidos compradores da indústria da tecnologia, e ele deve muito do seu sucesso a essas compras. Estratégia essa que continua a ser perseguida por seu presidente Larry Page, que pagou cerca de US$ 30 milhões em dinheiro pela Wavii, segundo fonte com conhecimento do assunto.
Trata-se de um empresa iniciante de Seattle responsável por um aplicativo de leitura de notícias que pode não fazer diferença imediatamente no portfólio do mais popular site de buscas do planeta. Mas que o coloca na dianteira de rivais como Apple, que já havia demonstrado interesse na compra da Wavii para incorporar a tecnologia de linguagem natural da empresa ao Siri, ferramenta que funciona sob comando de voz.
Também sucede uma transação do Yahoo, que pagou uma quantia similar para comprar a Summly, rival da Wavii. Um sinal do potencial do Wavii é a lista de investidores, que inlui Max Levchin, co-fundador da Paypal, Dave Morin, executivo do Facebook, e Fritz Lanman, que era da Microsoft. Google e Wavii não quiseram comentar o assunto.

Carrinho cheio

A compra de uma parte da Motorola por U$ 12,5 bilhões ainda é maior aquisição do Google até agora - mais de quatro vezes o preço do Double Click, o líder anterior. Mas o gigante das buscas tem no histórico um carrinho cheio.
O núcleo da sua plataforma de busca com publicidade e a maior parte de seus novos grandes negócios, incluindo Android, YouTube, e publicidade de display, todos têm vindo de outras empresas.
A estratégia tradicional de compra da Google identifica pequenos grupos de pessoas talentosas, como os criadores do Android, que podem crescer muito mais com os recursos do site por trás deles.
Mas eventualmente a companhia supera a barreira do bilhão de dólares para comprar empresas que já eram bem-sucedidas, e já fez inúmeras aquisições na casa entre US$ 100 milhões e US$ 750 milhões. Veja algumas delas:

US$ 3,1 bilhões pela DoubleClick
A compra da Double Click em 2008 auxiliou a empresa a servir anúncios para usuários de sua ferramenta de busca e outros serviços. Essa compra quase foi superada quando o Google tentou - sem sucesso - comprar o Groupon por US$ 6 bilhões.

US$ 1,65 bilhão pelo YouTube
O Google lançou a própria ferramenta de busca de vídeos em 2005 e impulsionou sua estratégia na área com a compra do YouTube no ano seguinte. Sob sua liderança, o YouTube permaneceu como um gigante da tecnologia e até mesmo cultural.

US$ 750 milhões pela AdMob
A compra da empresa de publicidade móvel AdMob em 2010 fez todo sentido para a Google, e foi muito menos cara do que a Motorola Mobility, outra aquisição direcionada a expandir as ambições mobile do gigante de buscas.
Fonte - Luis Nassif Online 26/04/2013

Nova versão do Ubuntu está disponível para download


Enviado por luisnassif,
Do site da revista Info
Ubuntu 13.04 melhora integração com redes sociais

A Canonical liberou hoje para download a versão 13.04 do Ubuntu, a Raring Ringtail. E a maior novidade é a melhoria na performance gráfica (especialmente em GPUs da AMD), embora, claro, haja algumas outras, como a integração com redes sociais.
A ideia da desenvolvedora com esse desempenho melhorado é preparar terreno para a edição mobile do sistema operacional, o Ubuntu Touch – ou pelo menos funcionar melhor em máquinas menos potentes. Tanto que ele já vem com um SDK em versão “developer preview” e até com a possibilidade de instalar o novo servidor gráfico MIR, para desenvolvedores que querem criar aplicativos que funcionam tanto no SO “de mesa” quanto no móvel. - VEJA MAIS - http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/nova-versao-do-ubuntu-esta-disponivel-para-download
Fonte - Luis Nassif  online  25/04/2013

Gilmar: um coronel no Supremo


Enviado por luisnassif,
Autor: Luis Nassif

A liminar concedida pelo MInistro Gilmar Mendes, visando trancar a votação sobre novos partidos, é a comprovação cabal: Gilmar é um provocador, firmemente empenhado em gerar crises institucionais.
Independentemente da legitimidade ou não da votação, o procedimento de Gilmar é inadmissível: uma liminar contra uma lei que sequer foi votada.
Há um clima de guerra entre Congresso, STF e PGR, com essa PEC absurda do Congresso limitar os poderes do Supremo. Por outro lado, um histórico de extrapolações do próprio poder pelo Supremo, desde o julgamento do mensalão.
De lado a lado, pessoas responsáveis, políticos, juristas, analistas, magistrados, procuram estabelecer um clima de concórdia, de maturidade institucional.
Mas Gilmar não tem estatura de Ministro do STF. Sua decisão de hoje visa apenas jogar gasolina na fogueira, apostar na crise permanente.
É um irresponsável.
Fonte - Luis Nassif online 25/04/2013

Polo ferroviário diminuirá déficit social e de infraestrutura de município da Baixada Fluminense


Polo ferroviário vai diminuir déficit social e de infraestrutura de município da Baixada Fluminense
Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro - O primeiro Polo Intermodal Ferroviário do estado do Rio de Janeiro, destinado ao transporte de carga geral, vai representar para o município de Queimados, na Baixada Fluminense, a geração de pelo menos 1,3 mil empregos diretos e indiretos, sendo 400 empregos diretos de imediato. O polo tem entrada em funcionamento prevista para 2015. O protocolo de intenções para viabilização do empreendimento foi firmado hoje (25) entre a prefeitura de Queimados e a MRS Logística, no Palácio Guanabara, no Rio.
Foto - ilustração
O prefeito da cidade, Max Lemos, disse à Agência Brasil que a obra contribuirá para que Queimados se transforme em um município mais próspero. Colabora para essa meta a futura inauguração do Arco Rodoviário Metropolitano, rodovia que ligará Itaguaí, na Baixada Fluminense, a Itaboraí, na região metropolitana do Rio.
Segundo Lemos, nos últimos três anos, “nós demos um grande passo no sentido de tornar a cidade independente economicamente, com o crescimento das empresas que trouxemos para o nosso distrito industrial”. O distrito industrial de Queimados existia há 34 anos e estava praticamente abandonado.
O município conseguiu atrair 32 fábricas, graças aos incentivos estaduais trazidos pela Lei 5.636, que reduziu de 19% para 2% o recolhimento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS), e à redução do Imposto sobre Serviços (ISS) de 5% para 2%. “O advento da MRS Logística vai consolidar o crescimento econômico da cidade. E mais do que isso: ele vai colocar a cidade na rota das cidades interessantes para logística”, disse.
Além disso, o prefeito lembrou que o polo ferroviário, ao lado dos empreendimentos em funcionamento e dos que se acham fase de instalação, vai significar aumento de arrecadação do ISS para o município, “que é um imposto municipal e está na veia do nosso orçamento”. O polo vai melhorar ainda a região onde será construído, no bairro conhecido como Quebra Coco, onde vivem cerca de 10 mil pessoas em situação de pobreza. “Você traz uma infraestrutura que não tem hoje, gera emprego e faz crescer uma região de baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH)”.
Queimados recebeu investimentos privados da ordem de R$ 1 bilhão, nos últimos quatro anos, que geraram quase 4 mil empregos na região. A expectativa de Max Lemos é que nos próximos 3,5 anos, o município consiga receber mais R$ 500 milhões em investimentos privados. O prefeito de Queimados trabalha com a perspectiva de criação de mais 4 mil empregos nos próximos 18 meses.
Fonte -  Agência Brasil 25/04/2013

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Pela preservação da Voz do Brasil

Chico Sant’Anna e Beto Almeida
Observatório da Imprensa
No FNDC



Eram 19 horas, mas Brasília ainda nem existia. Com a narração do locutor Luiz Jatobá e veiculado nas 50 emissoras de rádio existentes à época no Brasil, entrava no ar, pela primeira vez, em 22 de julho de 1935, o Programa Nacional, que mais tarde foi rebatizado de a Hora do Brasil e, atualmente, A Voz do Brasil.
Com as suas três denominações, A Voz do Brasil, informativo de abrangência nacional sobre as atividades dos três Poderes da República é hoje o programa radiofônico em operação mais antigo do mundo. Supera, inclusive, o Voci del Grigioni italiano (Voz dos Grisões italianos), criado pela Rádio e Televisão da Suíça Italiana, que data de 1939 e também teve denominações distintas.
A Voz do Brasil, certamente poderia entrar no Guiness Book por ser o programa radiofônico de maior penetração no território nacional, sendo transmitido em cadeia por 7.691 estações, já computadas as 3.154 emissoras comunitárias legalmente em operação (e, é claro, não considerando os boicotes e desrespeitos legais que muitas delas cometem).


Tramitação obscura. Na trajetória deste programa, que em 1938, foi rebatizado com o nome A Hora do Brasil, a temática nem sempre se limitou aos feitos governamentais. Houve época em que se incluía até notas internacionais, em especial sobre a Segunda Guerra Mundial. A linha editorial dos primeiros anos se baseava em três regras básicas: ser informativo, objetivo – não comentando as notícias – e não usar off, sempre citando as fontes noticiosas. Segundo a Fundação Getúlio Vargas, o programa nasceu para cumprir três finalidades: informativa, cultural e cívica.

Engana-se quem pensa que A Voz do Brasil é fruto do DIP, o Departamento de Imprensa e Propaganda criado por Getúlio Vargas. Embora tenha sido uma idéia do então presidente, a Voz é mais antiga do que o DIP, que nasceu em 1939, ou seja, quatro anos após Luiz Jatobá entrar com seu vozeirão nas residências de todo o país.
Em 1971, A Hora do Brasil se transformou em A Voz do Brasil e o formato existente atualmente conta com uma única edição diária, com uma hora de duração, das 19h às 20h. Os primeiros 25 minutos são dedicados aos fatos gerados pelo Poder Executivo. Os tribunais integrantes do Poder Judiciário Federal dividem cinco minutos. As duas Casas do Legislativo e o Tribunal de Contas da União partilham 30 minutos (20 minutos para a Câmara dos Deputados, 10 minutos para o Senado Federal, e o TCU tem direito a um minuto às quartas-feiras). Cada instituição é responsável pela elaboração do respectivo conteúdo.
Programa mais antigo do país é também o menos querido pela Abert – Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão. Embora pesquisa do instituto Datafolha, feita em dezembro de 1995, informe que 88% dos brasileiros com idade acima de 16 anos conhecem o informativo, e que mais da metade dos ouvidos aprovava que a sua transmissão seja obrigatória pelas emissoras de rádio do Brasil, a Abert luta para pôr fim a essa obrigatoriedade.
Durante muito tempo, a estratégia da entidade representativa dos donos da mídia foi se valer de medidas judiciais para liberar a obrigatoriedade da transmissão. Depois que o assunto foi enterrado de vez pelo Supremo Tribunal Federal, acatando como justa e legal a obrigatoriedade da veiculação, os donos de rádio e TV atacaram via Legislativo.
Valendo-se do período eleitoral, quando o parlamentar não quer brigar com a mídia e o cidadão está com a atenção mais voltadas para a eleição, foi aprovado no Senado Federal um projeto de lei da deputada Perpétua Socorro (PCdoB-AC) que, em sua última versão, flexibiliza o horário de transmissão da Voz do Brasil, facultando a cada emissora escolher o horário fazê-lo, desde que não ultrapasse as 22h do mesmo dia.
O projeto, no seu nascedouro, não foi votado no plenário da Câmara dos Deputados. Talvez temerosos com o chamado "baixo clero", aquele que a mídia só cobre quando vira tema grotesco, os defensores do projeto conseguiram que ele fosse enviado diretamente para as comissões do Senado Federal. Em uma delas, foi relatado pelo senador Antonio Carlos Magalhães Filho, empresário ligado à radiodifusão na Bahia. Nem na tramitação da Câmara dos Deputados nem na do Senado o projeto foi submetido ao crivo do Conselho de Comunicação Social (CCS), órgão do Congresso Nacional que, regimentalmente, deve analisar todas as propostas legislativas vinculada à temática.

Áreas rurais

Alguns poderão não gostar daquele refrão de O Guarani, de autoria de Carlos Gomes, mas são obrigados a reconhecer que A Voz do Brasil tem desempenhado historicamente importante papel na construção da unidade nacional. A partir de 1962, no processo de mudança da capital federal para Brasília, e com o advento do Código Brasileiro de Telecomunicações, o programa passou a veicular informações sobre o Legislativo, levando a todos os rincões do país as notícias dos feitos parlamentares já instalados no Planalto Central, independentemente de cor partidária, nem sempre alvo das atenções da imprensa tradicional. Nos anos de chumbo do regime militar, A Voz do Brasil foi o único veículo em que as oposições tinham espaço para verbalizar suas críticas.
A partir da Nova República, com as mudanças editoriais que recebeu, em especial a adoção de um foco mais jornalístico, o programa contribuiu para a transparência dos feitos públicos e converteu-se em verdadeiro instrumento de fiscalização popular. A Voz do Brasil é o único veículo de comunicação do país que informa aos brasileiros dos pequenos municípios a chegada de recursos para a merenda escolar, do Fundeb, dos repasses oficiais, dos programas da Agricultura Familiar, da Previdência Social etc.
Ouvindo o rádio, os cidadãos das áreas mais remotas do país podem melhor exercitar a sua cidadania, cobrando das prefeituras e câmaras municipais as medidas necessárias, já que os aportes federais de recursos públicos foram efetivados. Podem também tomar conhecimento das decisões judiciais e das fiscalizações do Tribunal de Contas, sem falar na crítica parlamentar, que nem sempre ecoa na imprensa comercial.
É notório que o setor radiofônico brasileiro não cumpre a lei que obriga que pelo menos 5% da programação sejam de produtos jornalísticos. É ridícula a quantidade de profissionais de imprensa contratados por esse setor, que recentemente foi alvo de anistia do Ministério das Comunicações por abuso do limite permitido de veiculação de publicidade. Para as 7.691 estações, segundo dados oficiais do Ministério do Trabalho, não chegam a 2.300 radiojornalistas – ou seja, a cada cinco emissoras em operação, existe um profissional produzindo informação.
A investida dos radioempresários contra A Voz do Brasil se dá num momento em que eles acabam de conseguir a renovação de um acordo entre o Ministério da Educação e a Abert. Assinado originalmente pelo então ministro da Educação do governo Collor, Carlos Alberto Chiarelli – e renovado desde então –, o convênio define que as emissoras de rádio que operam em ondas médias não serão mais obrigadas a veicular a programação de ensino à distância do Projeto Minerva. Este projeto federal de ensino à distância, utilizado para reduzir o analfabetismo no Brasil, previa a veiculação de meia hora, todos os dias, entre 20h e 20h30, apenas nas emissoras de ondas médias. Pelo acordo, esta meia hora de educação gratuita foi transformada em 5 minutos no rádio e, na TV, em comerciais institucionais do Ministério da Educação. No MEC, o marketing fala mais alto do que a erradicação do analfabetismo.
Outra questão importante é que pesquisas apontam que A Voz do Brasil é hoje a única fonte de informação de 80 milhões de brasileiros, localizados principalmente nas periferias dos grandes centros, nas áreas rurais e nos municípios de pequeno e médio porte do Brasil e, em especial, nas áreas rurais das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Para o camponês, veicular A Voz do Brasil mais tarde é o mesmo de tirá-la do ar, pois ele dorme e acorda com as galinhas.

Patrimônio cultural imaterial

Por sua trajetória histórica, importância para a integração nacional e contribuição para a construção da cidadania brasileira, teve início em Brasília um movimento de preservação da Voz do Brasil. Nascido entre jornalistas e radialistas da cidade, o movimento conta com apoio da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Federação Interestadual dos Radialistas (Fitert), sindicatos dos jornalistas do Distrito Federal e do Estado do Rio, sindicato dos radialistas do DF, Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Central Geral de Trabalhadores do Brasil (CGT-B), CNBB, MST e outras entidades civis.
O movimento "Em Brasília 19 Horas" defende a preservação desse importante instrumento de comunicação e o seu tombamento como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil. O país não pode perder seu informativo radiofônico mais antigo do mundo. A proposta foi abraçada pela senadora Marinor Brito (PSOL-PA), que já a apresentou na forma de projeto de lei. Este conta com apoio pluripartidário, dentre outros, do senador Roberto Requião (PMDB-PR) e da senadora Vanessa Graziotin (PCdoB-AM).
Além de classificar como patrimônio imaterial cultural do Brasil, o projeto de lei determina que seu horário seja obrigatoriamente das 19h às 20h, segundo o horário oficial de Brasília. Em última instância, trata-se da defesa de uma bem sucedida experiência de regulamentação informativa paradoxalmente ameaçada quando cresce na sociedade e no governo federal a consciência sobre a importância da regulamentação democrática das comunicações.
Fonte - Com Texto Livre 25/04/2013

Fortaleza - Metrofor tem investimento previsto de R$ 91 milhões neste ano

O Governo Federal deverá aportar na obra do metrô da Capital, em 2013, um montante de R$ 76,9 milhões

Sergio de Souza - Repórter

Com previsão de término das primeiras 18 estações no próximo mês, a Linha Sul do Metrô de Fortaleza, que liga Pacatuba ao Centro da Capital, tem previstos R$ 91,3 milhões em recursos a serem aplicados neste ano de 2013. Além destes, uma suplementação de R$ 190,2 milhões deverá ser licitada ainda este ano, sendo que o funcionamento assistido da linha não dependerá destes recursos, conforme garante a Companhia Cearense de Transportes Metropolitanos (Metrofor).
FOTO: ALCIDES FREIRE
O Metrofor é uma obra que vem sendo tocada há mais de uma década na Capital cearense, mas é reconhecidamente um meio de transporte que irá melhorar a condição de ir e vir do fortalezense .
O Governo Federal deverá aportar na obra, em 2013, um montante já garantido de R$ 76,9 milhões, e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), outros R$ 14,3 milhões, totalizando os R$ 91,3 milhões programados.
"O Governo do Estado, já aportou todos os Recursos previstos em convênio até 31 de dezembro de 2010, faltando apenas o aporte de Recursos do financiamento com o BNDES", afirma o Relatório da Administração do Metrofor, que apresenta as demonstrações contábeis da companhia.
Destino dos recursos
De acordo com a assessoria de imprensa do Metrofor, estes recursos serão utilizados nas seguintes ações: obras civis para conclusão do trecho subterrâneo; sistemas fixos, como energia catenária (distribuição e alimentação elétrica da ferrovia), oficina, ventilação dos túneis e subestação da estação de São Benedito (localizada no Centro, na Avenida Tristão Gonçalves com Rua Clarindo de Queiroz) e do Centro de Controle Operacional (CCO); obras de emboque do túnel e sistema de irrigação das estações de passageiros.
Complementação
Os recursos complementares para o Metrô de Fortaleza já foram solicitados ao Ministério das Cidades. Serão R$ 148,4 milhões provenientes da União e os R$ 41,7 milhões restantes de contrapartida do Estado, totalizando os R$ 190,2 milhões.
Estes recursos são destinados aos sistemas de sinalização, telecomunicações e parte da oficina, necessários para a operação comercial da linha, mas não ainda à assistida. "A suplementação deve ser licitada este ano, sendo que o funcionamento da Linha não fica comprometido", explicou o Metrofor, por meio de sua assessoria de imprensa.
No ano passado, o governo federal liberou R$ 16,9 milhões para a linha, valor aplicado no pagamento de despesas com obras civis, sistemas fixos, gerenciamento, supervisão de obras civis, de material rodante e sistemas fixos. O governo estadual liberou, no período, outros R$ 2,2 milhões para obras complementares na Rua Ouro Branco, contorno rodoviário próximo ao centro de manutenção e sistema de drenagem, de corrente de fuga. Já o BNDES aplicou mais R$ 18,0 milhões em obras civis, remoções de interferências, desapropriações e aluguéis necessários à implantação do projeto.
Investimentos e prejuízos
Os investimentos totais do Metrofor (todas as linhas, além dos metrôs do Cariri e de Sobral), em 2012, foram de R$ 190,3 milhões, valor inferior ao de 2011, quando foram aportados R$ 246,5 milhões. A Companhia, neste período, também duplicou o prejuízo anual, passando de R$ 20,4 milhões em 2011 para R$ 42,4 milhões em 2012.
Cariri e Sobral
A companhia, que é responsável também pelos metrôs do Cariri e de Sobral, informa, em seu relatório de administração, que, neste primeiro, foram transportados 265,5 mil passageiros no ano passado, gerando uma média de mil passageiros por dia. "Com relação ao Metrô de Sobral estamos dando continuidade na execução das obras civis e na fabricação dos VLT´s, com data de implantação prevista para meados de 2013", diz o documento.
O Metrô de Sobral contará com investimentos de R$ 91,9 milhões, sendo R$ 21,7 milhões oriundos do governo federal e R$ 70,2 milhões do Governo do Estado. O sistema irá contar com cinco VLTs, fazendo um trajeto de 13,1 quilômetros de via, através de 11 estações.
Operação assistida de toda Linha Sul em julho
A operação assistida de todo o trecho da Linha Sul do Metrô de Fortaleza, isto é, a fase de testes do equipamento, deverá ser iniciada em julho próximo. A operação comercial, entretanto, não possui data definida para início, mas projeta-se que esta fase ocorra no 2º semestre desse ano.
No momento, o metrô funciona em operação assistida das estações Carlito Benevides (antiga Vila das Flores, em Pacatuba) à São Benedito, com cinco TUE´s (Trem Unidade Elétrica), somente das 8h às 12h, com transporte gratuito de passageiros. Até maio, serão finalizadas as obras das estações José de Alencar (na praça de mesmo nome) e Chico da Silva (na Praça da Estação).
A partir de julho, começará a operação, também assistida, até a Chico da Silva, completando todo o trajeto. A operação comercial, quando começarão a ser cobradas passagens e com funcionamento durante todo o dia, ainda está indefinida.
Para isso, serão necessárias as intervenções a serem realizadas com os recursos complementarem ainda a serem licitados.
As duas outras estações que foram incluídas posteriormente, a Juscelino Kubitschek (depois da Parangaba) e Padre Cícero (depois de Porangabuçu), continuarão em obras, que avançam em 30%, atualmente.
A Linha Sul percorrerá, em todo seu trajeto, uma distância de 24,1 quilômetros.
Bilhetes
O valor do bilhete que será cobrado aos passageiros do Metrô de Fortaleza ainda não está fechado. A previsão, apontada pelo Metrofor, é implantar, neste ano, a Bilhetagem Eletrônica e a Integração do Transporte Público, contemplando a integração do metrô com os demais modais de transportes públicos da RMF. No momento, os editais de bilhetagem estão em análise pela equipe técnica da Prefeitura.
Linha Oeste
A Linha Oeste, formada pelos trens que levam de Caucaia ao Centro da cidade, já teve sua remodelação concluída, no valor total de R$ 125 milhões.
Deste valor, entretanto, ainda estão sendo pagos Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs) novos adquiridos para a via
A Linha Oeste transportou 3,3 milhões de passageiros em 2012, perfazendo uma média aproximada de 15 mil passageiros por dia útil, número que, de acordo com a diretoria do Metrô, representa um equilíbrio em relação ao ano anterior. (SS)
Fonte - Diário do Nordeste  25/04/2013

Metrofor

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Comunidades quilombolas são atendidas pelo projeto Prosperar - SERGIPE

Governo de Sergipe investiu mais de R$ 1,3 milhão na realização de 18 projetos comunitários em dez comunidades

Fotos: Ascom/Pronese
Em Sergipe, existem 15 comunidades remanescentes de quilombolas já reconhecidas pela Fundação Cultural Palmares. Essas comunidades, que historicamente eram excluídas das políticas públicas, têm agora seus direitos sociais e culturais reconhecidos e valorizados pelo governo estadual. Por meio da Empresa de Desenvolvimento Sustentável do Estado de Sergipe (Pronese), a gestão estadual investiu R$ 1.392.016,58 na realização de 18 projetos comunitários em 10 das 15 comunidades quilombolas já reconhecidas, beneficiando 853 famílias. Os recursos são do Projeto Prosperar, resultado do empréstimo internacional do Governo de Sergipe junto ao Banco Mundial.


O presidente da Pronese, Manoel Hora, explica que o governador Marcelo Déda está realizando mais do que tinha planejado nas comunidades quilombolas. “No acordo internacional realizado com o Banco Mundial, a previsão do Governo era atender 50% das comunidades reconhecidas quilombolas, mas por orientação do próprio governador, conseguimos atender 67%. Com esses investimentos, o Governo está ajudando aos quilombolas a desenvolver projetos que resgatam suas origens culturais e, ao mesmo tempo, geram emprego, renda e desenvolvimento sustentável para os povoados”, disse.
Manoel Hora detalhou que o primeiro passo concreto para essa mudança foi a elaboração do Plano de Participação das Comunidades Tradicionais, fruto do acordo internacional firmado entre o governo de Sergipe e o Banco Mundial (BIRD), através do Programa de Combate á Pobreza Rural, o Prosperar, lançado em 2010.

“O objetivo do Plano de Participação foi desenvolver uma política de inclusão social nas comunidades, com programas de geração de emprego e renda, estimulando o desenvolvimento sustentável e solidário, além do fortalecimento de empreendimentos administrados por eles mesmos. Com base nessa proposta, a Pronese disponibilizou recursos financeiros para as comunidades quilombolas desenvolver e investir em projetos sustentáveis que gerou empregos e renda”, disse presidente da Pronese.
As comunidades quilombolas nos povoados Pontal, Brejão, Caraíbas, Forte, Porto da Areia, Catuabo, Bongue, Patioba, Mussuca e o Assentamento Don José Brandão de Castro foram beneficiadas com nove tipos de projetos comunitários, como tratores e implementos, equipamentos para agricultura, passagem molhada, cisternas, núcleo de inclusão digital, atividades culturais, barcos de pesca motorizados, construção de casas populares, equipamentos de pesca.
Esses projetos mudaram a vida das comunidades, trazendo mais qualidade de vida e desenvolvimento para os municípios de Amparo de São Francisco, Brejo Grande, Canhoba, Cumbe, Estância, Frei Paulo, Ilha das Flores, Japaratuba, Laranjeiras e Poço Redondo.


Valorização das tradições culturais

Francisco Carlos de Jesus, conhecido como Chicão, presidente da Associação Manoel Bernardo dos Santos, comunidade quilombola Catuabo, município de Frei Paulo, comenta sobre sua atuação no movimento dos quilombolas. “Fui um dos coordenadores dos quilombolas em Sergipe e a ONG Cáritas, da igreja, me indicou para organizar os quilombolas no povoado Catuabo, com o apoio e parceria do Incra e posteriormente aprovado pela Fundação Cultural Palmares”.
“No Povoado Catuabo, a 12 km do município de Frei Paulo, vive uma comunidade de remanescentes dos quilombolas. Quando a Pronese chegou à comunidade para divulgar o Programa Prosperar, trouxe esperanças para a associação. Nós nos reunimos e escolhemos as prioridades da nossa comunidade e a associação pleiteou quatro projetos, sendo três de cisternas e um de casas populares junto a Pronese”, explicou Chicão.
Segundo relatos dos moradores, o acesso a água era a prioridade para o povoado. Lá, eram as mulheres que caminhavam duas vezes por dia, por quase dois quilômetros ou mais, para buscar água, e essa luta só terminou com a construção de 54 cisternas, financiadas pelo projeto Prosperar. A cisterna facilitou a vida das mulheres, melhorou a saúde das famílias e trouxe mais qualidade de vida.
Já o projeto de construção de casas populares despertou interesse da comunidade. Foram construídas 14 casas com a mão de obra local e a associação contratou um engenheiro civil para a construção.
O presidente da associação disse que o apoio da Pronese, do governo do Estado e do Banco Mundial está trazendo desenvolvimento para a comunidade de Catuabo. “Também, já estamos visando construir cisternas no quintal das casas, para termos mais qualidade de vida. A Pronese é uma porta aberta para apoiar a questão social rural”, concluiu.

Povoado resgata manifestações culturais

A presidente da Associação Comunitária de Remanescente de Quilombo “João Almeida da Silva”, Elma Nunes da Silva, da comunidade Forte, no município de Cumbe, comentou que a associação junto com a comunidade resgatou as tradições quilombolas com o Projeto Manifestações Culturais. Com esse projeto, a comunidade teve um grande incentivo que mudou a vida de crianças, jovens, adultos e idosos que não tinham nenhuma atividade.
“Hoje, podemos ver uma imagem totalmente diferente dessas pessoas que participam das atividades de capoeira, dança afro, percussão e samba de roda. Tanto é que hoje, são mais amigos e companheiros uns dos outros”, disse a presidente da Associação.
A preocupação da presidente é que as vagas para os cursos foram poucas e a procura foi grande. “Por isso queremos dar continuidade a esse e mais outros projetos, como a formação de uma banda comunitária, uma vez que a comunidade já tem alguns instrumentos, como teclado, guitarra, contrabaixo, violão, sanfona, bateria e instrumento de percussão. Temos a certeza de que a nossa comunidade só tem a crescer. Mas sabemos que depende de nós e de nossos colaboradores”.
“Portanto, a Associação Comunitária de Remanescente de Quilombo João Almeida da Silva, só tem a agradecer ao Governo do Estado, através da Pronese, ao Banco Mundial e ao Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra), pelo investimento e incentivo à comunidade. Todos estes parceiros ajudaram a resgatar as manifestações culturais, motivando-nos a preservar as nossas origens e cultura”, conclui o presidente.
Fonte - ASN ( Agência Sergipe de Noticias) 24/04/2013

Dilma defende mais investimentos em metrô

 Agência Estado
A presidente Dilma Rousseff afirmou que o Brasil superou o "complexo de vira-latas" e defendeu os investimentos em metrô que, segundo ela, não beneficiam apenas a população rica. O comentário foi feito na noite desta terça-feira, 23, na abertura do II Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável, em Brasília.
foto - ilustração
Dilma falou que o País vivia um complexo de vira-latas, achando que não "merecia certas coisas". "Isso explica porque nós, com grandes cidades metropolitanas, não tenhamos uma estrutura de metrô como muitos outros países têm, porque diziam que isso não era adequado pro Brasil, a mesma coisa que dizem para o trem de alta velocidade hoje, diziam isso de metrô", afirmou.
"Metrô não é de gente rica, é de região urbana que precisa de grande volume de transporte de massa. Temos necessidade de investir em metrô em Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Salvador, Rio já fazia, São Paulo idem", prosseguiu.
Dilma aproveitou o discurso para reiterar o compromisso do governo federal com o desenvolvimento sustentável. "Essa sustentabilidade é uma palavra-chave que diz que não é possível construir o novo e ao mesmo tempo desconstruir o meio ambiente, que é necessário entender que a riqueza de hoje é a base da riqueza do futuro e das gerações futuras. Sustentabilidade é um conceito que caminha junto com inclusão social, produtiva, cidadã."
A presidente destacou que o governo federal está "propenso, disposto e interessado em parcerias". "Trago compromisso do governo federal com o fortalecimento do pacto que temos com a federação. É minha função ser presidente de todos os brasileiros", declarou.
Ao discursar antes de Dilma, o presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) e ex-prefeito de Vitória, João Coser, pediu à presidente que fossem extintos impostos (PIS, Cofins e ISS) sobre o transporte coletivo municipal e estadual. De acordo com Coser, a medida garantiria uma redução de até 25% no valor da passagem e ajudaria no controle da inflação.
Um projeto de lei que tramita no Congresso Nacional institui o Regime Especial de Incentivos para o Transporte Coletivo Urbano e Metropolitano de Passageiros (Reitup), prevendo a redução de tributos sobre a prestação desses serviços e na aquisição de insumos neles empregados.
Fonte - Revista Ferroviária 24/04/2013

Seminário na Bahia trata necessidade da Fiol

foto ilustração - diáriodooeste
O Seminário da Ferrovia de Integração Oeste-Leste - “Fiol - A Bahia quer, o Brasil precisa!” será realizado nesta sexta-feira (26/04), na cidade de Barreiras (BA). O objetivo do evento é sensibilizar os órgãos responsáveis para a retomada das obras da ferrovia, que é vista como essencial.

A Fiol será utilizada como via de escoamento da produção de minério de ferro e grãos do interior da Bahia e Tocantins. Além disso, a ferrovia deve fazer a ligação do estado com outros polos do país, através da conexão com a Ferrovia Norte-Sul (FNS). O projeto da Fiol tem 1.527 quilômetros de extensão e liga as cidades de Ilhéus, Caetité e Barreiras – no estado da Bahia – à Figueirópolis, no estado do Tocantins.

Entre as autoridades convidadas estão a Presidenta da República, Dilma Rousseff; o governador da Bahia, Jaques Wagner; os ministros dos Transportes, dos Portos e das Cidades; e o presidente da EPL, Bernardo Figueiredo.
Fonte - Revista Ferroviária  24/04/2013

45 anos do Metrô de São Paulo

Foto - ilustração
Nesta quarta-feira a Companhia do Metropolitano de São Paulo faz 45 anos de criação. A data marca o dia da fundação da instituição. A Linha 1-Azul, a primeira do sistema, teve seu planejamento iniciado em 1968, mas sua inauguração se deu seis anos depois, em 14 de setembro de 1974.

Atualmente, o metrô paulistano possui 74,3 quilômetros de malha e cinco linhas, ligadas por 64 estações (58 operadas pelo Metrô e seis pela ViaQuatro). As linhas do sistema se dividem em: Linha 1-Azul (Jabaquara - Tucuruvi), 2-Verde (Vila Prudente - Vila Madalena), 3-Vermelha (Corinthians-Itaquera - Palmeiras-Barra Funda), 4-Amarela (Luz-Butantã) e 5-Lilás (Capão Redondo - Largo Treze). A Linha 4-Amarela é administrada pela iniciativa privada.

No ano passado, mais de 1,2 bilhão de pessoas utilizaram o metrô da capital, numero que vem crescendo nos últimos anos com a inauguração de novas estações e futuramente com a conclusão das novas linhas, como a Linha 6-Laranja, Linha 15-Prata e Linha 17-Ouro, (nas duas últimas serão utilizados o monotrilho).
Fonte - Revista Ferroviária  24/04/2013

Carros de monotrilhos de SP serão mais leves

 Valor Econômico

RF
A diferença de 500 quilos a menos no peso de um carro monotrilho que se move com pneus a 15 metros de altura, em relação aos trens de metrô, é a vantagem que leva os construtores desse veículo aéreo a escolher o alumínio para a construção das carcaças dos carros. O inconveniente nesta escolha é que a durabilidade do alumínio não passa de 30 anos, enquanto que os carros de aço inoxidável do metrô resistem meio século, o que, no entanto, é compensado pelo custo desse insumo, de até 40% menos que o utilizado no metrô.
Essas foram as razões que levaram os construtores do monotrilho de São Paulo a optar pelo alumínio. Primeiro da América Latina, o trem começará com duas linhas, a 17 Ouro, que ligará Congonhas ao Morumbi, e a 15, Prata, que irá da Vila Prudente à Cidade Tiradentes. O alumínio é o material usado no Japão, desde a década de 1960. O que não ocorre nos países nórdicos, onde a opção é pelo aço inoxidável.
"A vantagem é a leveza que se ganha no sistema e na estrutura. Hoje, o alumínio tem uma resistência que atende as especificações e garantias de vida do material rodante, com duração superior a três décadas", explica Alan Moreira, presidente da Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros Sobre Trilhos (ANP/Trilhos). O executivo, que também é diretor do Grupo MPE, fabricante de monotrilhos, observa que, além de mais leve, o alumínio facilita o processo de implantação. "O monotrilho tem uma capacidade de implementação muito mais rápida que o do metro. É possível implantar 40 quilômetros de monotrilho em 40 meses sendo que a mesma extensão de metrô pode consumir até 10 anos. Outra vantagem é o custo. O monotrilho chega a custar até 40% do valor total da construção de um metro", completa Moreira. Considerando-se o fato de o monotrilho correr em vigas elevadas e o metrô exigir escavações bastante dispendiosas.
David Turbuk, gerente de concepção e sistema da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), explica que, além das qualidades do alumínio em termos de leveza, há um outro aspecto que precisa ser levado em conta. "É mais simples fabricar uma caixa de alumínio que uma de aço inoxidável. O aço exige um trabalho artesanal, sendo que o processo de produção com alumínio pode ser automatizado", afirma.
Segundo Turbuk, um carro do metrô chega a pesar 8 toneladas enquanto o do monotrilho pesa 7.500 quilos. "No caso do metrô, que corre sobre trilhos, o peso maior é irrelevante. O que não ocorre com os vagões do monotrilho, porque trafegam sobre vigas e pneus. Qualquer redução, nesse caso, é um grande ganho."
As empresas OAS e Queiroz Galvão são as responsáveis pelas obras de infraestrutura, onde serão colocados os trilhos. Os 53 trens que rodarão pelo sistema são produzidos pela canadense Bombardier em uma fábrica inaugurada há cerca de um ano em Hortolândia, no interior de São Paulo. O objetivo da empresa é transformar o local em um centro mundial de produção de monotrilhos de alta capacidade. "Aplicamos a tecnologia usada na fabricação de avião aos monotrilhos", diz Luis Ramos, diretor de Comunicação da Bombardier para a América Latina.
"Será o primeiro monotrilho de alta capacidade do mundo, considerando custo benefício", diz Ramos. A expectativa é que o Expresso Monotrilho Leste tenha capacidade para transportar meio milhão de pessoas por dia. Parte dos componentes usados na fabricação é importada da China. "A expectativa é que 60% das peças sejam nacionais, fabricadas por empresas da região de Hortolândia. Já estamos firmando parcerias com fornecedores", informa.
Fonte - Revista Ferroviária 23/04/2013

terça-feira, 23 de abril de 2013

Os destaques do setor ferroviário


Vencedores do Prêmio Revista Ferroviária 2013
As empresas vencedoras das nove categorias do Prêmio Revista Ferroviária 2013 foram homenageadas nesta segunda-feira (22/04) durante a solenidade realizada em São Paulo.
Alstom, AmstedMaxion, IAT , Odebrecht, OnixSat, Progen, Randon, Rumo e Siemens foram escolhidas pelo leitores da Revista Ferroviária como as melhores empresas do setor metroferroviário brasileiro.
A francesa Alstom conquistou seu décimo Prêmio Revista Ferroviária. A empresa é a fabricante que mais ganhou desde a criação do Prêmio, em 1989. Em 2002, a companhia foi eleita Melhor Indústria; em 2004 e 2006 venceu como Melhor Criador de TI; em 2007, 2008 e 2009 conquistou mais três troféus como Melhor Indústria. Em 2010, a empresa venceu simultaneamente duas categorias: Melhor Fabricante de Componentes para Sistemas e Melhor Indústria de Equipamentos de Passageiros. Em 2011 e 2012 Melhor Fabricante de Veículos de Passageiros.
O prêmio foi recebido pelo vice-presidente sênior da empresa, Michel Boccaccio, que destacou a importância de ganhar mais um prêmio da Revista Ferroviária e as expectativas para a empresa no setor metroferroviário. “É sempre um grande orgulho para nós receber este prêmio, que reflete os esforços que estamos fazendo no mercado metroferroviário brasileiro. O setor brasileiro está crescendo muito e temos participação em grandes projetos de todos os segmentos, como o TAV, VLTs, metrôs e trens regionais”. A entrega do troféu foi feita pelo diretor-presidente da Trensurb, Humberto Kasper.
Já a AmstedMaxion foi eleita como a Melhor Fabricante de Componentes para Material Rodante e agora conta com oito premiações. Ela foi eleita Melhor Indústria em 2004, 2005, 2009, 2010 e 2011 e Melhor Fabricante de Componentes para Material Rodante 2012 e 2013. Em 2007, Ivoncy Ioschpe recebeu o prêmio Ferroviário do Ano.
Eduardo Parente, presidente da MRS Logística, entregou o prêmio a Ricardo Chuahy, presidente da AmstedMaxion. “Estamos sempre muito honrados em participar deste concurso e nos esforçamos todos os anos, não só para ganhar o prêmio, pois isso é uma consequência, mas para servir os clientes cada vez melhor. Esse é o resultado disso. Vamos continuar ganhando, não só como componentes, mas como melhor vagão também” pontua.
Na categoria Melhor Fabricante Para Via Permanente a vencedora foi a IAT. O diretor-geral da ANTT, ´Jorge Luiz Macedo Bastos, entregou o troféu para Alexander Ellwanger, diretor presidente da IAT, que vence pelo segundo ano consecutivo na categoria. “Esse é um reconhecimento público do nosso trabalho, já que essa eleição é feita entre os visitantes da feira e os leitores da revista e nós, pelo segundo ano consecutivo, consolidamos nossos esforços”, comemora o presidente.
A Odebrecht recebeu pela quarta vez consecutiva o prêmio de Melhor Construtora. O diretor-superintendente para São Paulo e o Sul do Brasil, Luiz Bueno, recebeu o troféu das mãos do presidente da Transnordestina, Ângelo Baptista. “Esse prêmio é motivo de alegria e orgulho. E aumenta a nossa responsabilidade com nossos clientes e parceiros”, destacou Bueno.
A OnixSat, empresa especializada em rastreamento de veículo, recebeu o prêmio na categoria Melhor Criador de TI. Esta foi a primeira vez que a companhia recebeu a premiação. Sérgio Omura, auditor técnico de qualidade da OnixSat, recebeu o troféu das mãos de Gerson Toller, diretor-executivo da Revista Ferroviária, e disse que o prêmio serve de incentivo para o desenvolvimento de novas soluções. “Não tenho como mensurar a alegria que é receber este prêmio. Isso reflete o esforço da nossa equipe, que sempre colocou a tecnologia em favor das soluções do transporte. Este prêmio serve de incentivo para pensarmos em novas soluções ainda não existentes no mercado”.
A Progen, companhia que atua no segmento de engenharia e projetos industriais, foi a vencedora do Prêmio RF como Melhor Consultora. Foi a primeira vez que a empresa venceu o Prêmio RF.
O CEO, Eduardo Barcella, recebeu o primeiro troféu RF da empresa das mãos de Jorge Luiz Macedo Bastos, diretor-geral da ANTT. “O prêmio é um momento muito importante para a companhia. Nós realizamos 5.800 quilômetros dos estudos da concessão das ferrovias do Governo Federal e esse é um reconhecimento que o mercado dá ao nosso trabalho de comprometimento com o crescimento do nosso país” afirmou.
Na categoria Melhor Fabricante de Veículos de Carga, a vencedora foi a Randon, que este ano recebeu seu segundo prêmio consecutivo da categoria. A empresa se destacou por ter desenvolvido novos vagões para transporte de sacos de cimento, fardos de celulose, contêineres e plataformas, destinados à carga em geral.
O diretor comercial da Randon, Vanei Geremia, disse que receber o prêmio é fruto do reconhecimento dos produtos da empresa. “É uma homenagem excepcional para nós receber o prêmio, que reflete o reconhecimento pela tecnologia aplicada em nossos produtos. Continuaremos investindo no Brasil nos próximos anos”.
A Rumo Logística, empresa de logística do Grupo Cosan, venceu na categoria Melhor Cliente. Essa é a segunda vez que a empresa vence o Prêmio RF, a primeira vez havia sido em 2011.
O presidente da Cosan, Marcos Lutz, foi quem recebeu o troféu passado por Gerson Toller, diretor-executivo da Revista Ferroviária. “Esse reconhecimento é de todo o trabalho dos colaboradores da Rumo, dos clientes que nos proporcionam e nos dão condições de fazer desse negócio, um negócio próspero. E também dos nossos investidores e sócios que apostaram, fizeram investimentos e agora colhem os frutos juntos conosco” disse o Lutz.
Inscrita no Prêmio RF com o projeto de fornecimento do sistema de rede aérea do metrô de Fortaleza (CE), a Siemens foi a vencedora na categoria Melhor Fabricante de Componentes Para Sistemas. Este foi o primeiro troféu recebido pela empresa alemã, que foi entregue pelo presidente da Companhia do Metropolitano de São Paulo, Peter Walker.
Para Luiz Armando Piunti, gerente de Infraestrutura e Cidades da empresa, receber o Prêmio RF foi uma grande conquista. “É uma grande honra poder participar e sermos premiados de um prêmio tão importante do setor. Enxergamos o prêmio como o reconhecimento pelo serviço que temos prestado. Com o setor em amplo crescimento, a Siemens irá investir ainda mais para ser um fabricante de confiança”.
Fonte -Revista Ferroviária  22/04/2013

Novo momento da ferrovia

RF
Bernardo Figueiredo discursa no Prêmio RF 2013

“A malha voltou a crescer, novos sistemas de passageiros foram implantados, a indústria se fortaleceu. As realizações das empresas e das pessoas que vamos premiar hoje são a melhor prova disso. E vocês estão de parabéns!”, declarou o diretor-executivo da Revista Ferroviária, Gerson Toller, no início da cerimônia do Prêmio Revista Ferroviária, realizada nesta segunda-feira (22/04), em São Paulo.
Neste ano, a Presidenta Dilma Rousseff foi escolhida pelo Conselho Editorial da Revista Ferroviária como a Ferroviária do Ano. A escolha foi feita pelo empenho da Presidenta em melhorar o setor, desde a sua passagem pela Casa Civil até o atual momento como chefe da nação.
Durante seu discurso, Toller destacou que o avanço obtido no setor foi por conta da indução do Estado e que isso não continuará sem a participação ativa dos investidores privados. “Os dois grandes planos de investimentos do governo em transporte ferroviário – o Programa de Investimentos em Logística (PIL) e o Trem de Alta Velocidade – precisam, para existir, da capacidade de gestão dos investidores privados. Assim como precisam, com o mesmo grau de urgência, do suporte e do planejamento do governo”, explicou.
O diretor da Revista Ferroviária também destacou que os dois programas serão capazes de mudar a face do transporte sobre trilhos no Brasil e que não há outra hipótese, pois a demanda não para de crescer. “O Prêmio de Ferroviário do Ano está sendo conferido hoje à Presidenta Dilma Rousseff, porque ela compreende esta situação e está fazendo a sua parte, que é construir organizações competentes. E colocando a sua frente pessoas de alta capacidade, como são os aqui presentes, Bernardo Figueiredo e Jorge Bastos”, destacou referindo-se ao presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL) e ao diretor-geral da ANTT, respectivamente.
O presidente da EPL, Bernardo Figueiredo, destacou que o País necessita de um sistema de transporte conectado. Ele explicou que as limitações e problemas são conhecidos e o que vai fazer mudar a situação é o desenvolvimento de ações. Ele lembrou que é isso que a Presidente Dilma fez no ano passado ao lançar o Programa de Investimentos em Logística. “Pela primeira vez nos temos em um programa de governo com a ferrovia como protagonista. Temos duas alternativas, fazer ou fazer. O País não suporte mais ficar se queixando que não tem infraestrutura. Nós precisamos executar esse programa”, enfatizou Figueiredo.
Figueiredo relatou que até o final do ano boa parte dos trechos do PIL estará em fase de leilões e que os estudos das ferrovias projetadas antes do anúncio do programa estão em andamento. Explicou ainda que o governo avalia com a Valec a conexão da Transnordestina e da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) com a Ferrovia Norte-Sul.
Bernardo Figueiredo ressaltou que é justa a escolha da Presidenta Dilma como Ferroviária do Ano. Ele explicou que a Presidenta não pode comparecer ao evento, mas que faz questão de marcar uma data para receber o troféu em Brasília.
Participaram do almoço do Prêmio Revista Ferroviária o secretário dos Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo, Jurandir Fernandes; o presidente da EPL, Bernardo Figueiredo; o diretor-geral da ANTT, Jorge Luiz Macedo Bastos; o presidente da Cosan, Marcos Lutz; o presidente da MRS, Eduardo Parente; o presidente da Transnordestina Logística, Angelo Baptista; o presidente da ALL, Eduardo Pelleissone; O presidente da Abifer, Vicente Abate; o presidente da ANPTrilhos, Joubert Flores; presidente-executivo da ANTF, Rodrigo Vilaça; diretor-presidente da Trensurb, Humberto Kasper; o presidente do Metrô de São Paulo, Peter Walker; presidente da CBTU, Francisco Colombo; entre outros dirigentes de empresas do setor metroferroviário.
Fonte - Revista Ferroviária  22/04/2013

Venezuela poderá "tomar medidas" contra os Estados Unidos, caso sofra sanções, diz chanceler

Leandra Felipe
Correspondente da Agência Brasil/EBC

Bogotá - O chanceler venezuelano, Elías Jaua, disse hoje (22) que tomará "medidas de ordem comercial, energética, econômica e política" contra os Estados Unidos, caso a Venezuela receba algum tipo de sanção dos norte-americanos. A declaração de Jaua, foi uma resposta à secretária de Estado adjunta norte-americana para a América Latina, Roberta Jacobson, que insiste em uma recontagem dos votos para que haja "confiança" no resultado eleitoral do país.
O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) fará uma auditoria nas urnas restantes e já declarou que o procedimento é diferente de uma recontagem manual, voto a voto. Nesse cenário, o ministro das Relações Exteriores endureceu o discurso dizendo que a Venezuela não aceitará ameaças de nenhum império: "Muito menos, ameaças de um império decadente como os Estados Unidos", disse.
Roberta Jacobson não falou que os Estados Unidos aplicaria sanções à Venezuela, mas não descartou a possibilidade. "Não podemos dizer se vamos implementar sanções ou se não vamos implementá-las", disse hoje a secretária de Estado adjunta em entrevista, quando lhe perguntaram se os Estados Unidos poderiam tomar tal atitude em relação à Venezuela.
Elías Jaua ressaltou que as palavras da secretária foram grosseiras e inaceitáveis. "Essas declarações são ingerencistas e propõem um comportamento parcial por parte de [Roberta] Jacobson. Na Venezuela não haverá recontagem dos votos, porque temos um dos melhores sistemas eleitorais do mundo", acrescentou.
Ele disse ainda que foi orientado pelo presidente Nicolás Maduro a responder com reciprocidade, caso sofra alguma sanção. Um exemplo de medida econômica da Venezuela contra os Estados Unidos poderia ser a suspensão do fornecimento do petróleo venezuelano aos EUA. Os norte-americanos estão entre os maiores compradores do petróleo da Venezuela.

Com informações da Multiestatal Telesur http://www.telesurtv.net/articulos/2013/04/22/canciller-afirma-que-venezuela-no-acepta-amenazas-de-imperio-alguno-3864.html
Fonte - Agência Brasil  22/04/2014

Transporte público poderá ter desoneração

Fazenda estuda desoneração para transporte coletivo, diz secretário

Wellton Máximo
Repórter da Agência Brasil

Brasília – As passagens de ônibus, trens urbanos e metrô poderão sofrer redução de tributos e, com isso, ficarão mais baratas, disse hoje (22) o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa. Segundo ele, o governo estuda a diminuição do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) cobradas nas tarifas, mas ainda não há definição sobre a medida.
Foto ilustração - Pregopontocom
De acordo com Barbosa, a desoneração faz parte do pacote de medidas destinadas a baratear os bens e serviços de uso popular. “Parte da nossa agenda tributária é justamente reduzir a tributação sobre itens de uso popular, como fizemos com a cesta básica. A redução da tarifa do transporte urbano está na nossa discussão, mas não há uma decisão formada sobre isso”, disse.
A desoneração, no entanto, atingiria apenas o preço das passagens e não se aplicaria ao combustível dos ônibus urbanos e à energia elétrica consumida por trens e metrôs. “Nesse ponto, não é possível fazer uma alteração nesse momento, até por questões fiscais. Por enquanto, estamos discutindo apenas se é possível diminuir PIS e Cofins na passagem”, disse. A principal dificuldade seria encontrar técnicas precisas para medir o combustível e a energia efetivamente consumidos pelas empresas.
Barbosa deu as declarações antes de audiência na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE) para discutir projeto de lei que trata sobre o tema. Aprovado na Câmara, o projeto pode seguir para sanção presidencial se for aprovado pela comissão e não houver requerimento para levar a matéria ao plenário do Senado.
Segundo o presidente da CAE e relator da matéria, senador Lindbergh Farias (PT-RJ), as prefeituras e os governos estaduais também precisam fazer desonerações para que os preços das passagens tenham redução significativa. “O governo pode desonerar PIS e Cofins, mas os estados precisam desonerar ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços]; e os municípios, o ISS [Imposto sobre Serviços]. Se apenas o governo federal desonera o PIS e o Cofins, as tarifas caem 3%. Sem o ICMS e o ISS, a queda poderia ultrapassar 15%”, disse.
Fonte - Agência Brasil  22/04/2013

Ministério das Cidades aprova projeto para aquisição de trens elétricos com isenção fiscal

Gabriel Palma
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O Ministério das Cidades aprovou hoje (22) o projeto de aquisição de 15 Trens Unidades Elétricos (TUE), de quatro carros cada um, para a Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre S.A. (Trensurb) – autarquia federal ligada ao ministério, pelo Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura (Reidi).
Foto - ilustração
Segundo a Trensurb, a medida possibilita que a empresa faça um requerimento de habilitação junto à Receita Federal para usufruir da isenção de recolhimento do PIS/Pasepe e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins).
O incentivo fiscal pode significar uma economia de até 9,25% do valor total do contrato, que é de R$ 243,75 milhões, ou seja, aproximadamente R$ 22,55 milhões em desconto.
A Trensurb opera uma linha de metrô de superfície no eixo norte da região metropolitana de Porto Alegre, atendendo aos municípios de Porto Alegre, Canoas, Esteio, Sapucaia do Sul, São Leopoldo e Novo Hamburgo, transportando, diariamente, cerca de 180 mil pessoas.
Fonte - Agência Brasil  22/04/2013

segunda-feira, 22 de abril de 2013

METRÔ DE SALVADOR... DESENCANTOU Acordo assinado













Após um bom tempo de espera,movido por uma boa dose de ansiedade,angustia,expectativas,e especulações,foi assinado o tão esperado acordo da transferência do Metrô/CTS da prefeitura de Salvador para o governo do Estado,com a participação da prefeitura de Lauro de Freitas,que também fara parte do sistema.....


Em solenidade realizada hoje na Governadoria no CAB iniciada as 14:30 hs com uma exposição áudio visual pelo Sec. do Gov. Rui Costa onde o mesmo apresentou todos os projetos de mobilidade urbana que serão implementados pelo governo do estado em Salvador.Em seguida a exposição o governador do estado Jaques Wagner os prefeitos ACM Neto de Salvador e Dr.Marcio de Lauro de Freitas (acompanhados de assessores e secretários),assinaram a documentação relativa a transferência  da administração e do patrimônio da CTS/Metrô de SSA, para o governo do estado.O prefeito de Lauro de Freitas agradeceu ao Gov. JW o seu empenho em levar o metrô até o seu município,ressaltando os benefícios para a população local.O governador JW e o prefeito ACM Neto ressaltaram a importância das ações conjuntas e da cooperação entre as duas esferas ,municipal e estadual,longe de  interesses políticos partidários em benefício da cidade e da sua população,além dos resultados positivos que serão obtidos com a  implantação do sistema metroviário metropolitano,Lapa/Pirajá/Cajazeiras e SSA/Lauro de Freitas e dos sistemas que funcionarão  integrados ao mesmo.

O governo ainda não estabeleceu prazos para a entrada em operação do metrô e a licitação será feita tão logo o ato seja confirmado pela CMS e pela ALBA respectivamente.O governador falou sobre os projetos de mobilidade do seu governo entre eles o Metrô as vias de ligações transversais ( Av. 29 de Março a ligação Patamares/Av. Gal Costa e Av. Luis Eduardo/Orla),a implantação de corredores exclusivos de ônibus,a transferência  para a BR 324 do Detran  e da Estação Rodoviária que será integrada a estação do metrô em Pirajá,os viadutos na Av. Paralela ( os do Imbuí e de Narandiba já em faze inicial de execução) além de investimentos na modernização do trem do subúrbio e a reativação dos trens regionais.Estiveram presentes a solenidade vários políticos,

(vereadores,deputados,senadores),representantes de movimentos sociais,da sociedade civil e um grande contingente de profissionais da imprensa,escrita,falada,televisada,blogs e sites.Após o termino do evento o governador e os prefeitos juntamente com seus secretários e assessores  dirigiram-se  até a sala de imprensa onde participaram de uma entrevista coletiva.
Pregopontocom - A.Luis 22/04/2013

DESCOBRIMENTO DO BRASIL - 22/04/1500

DESCOBERTA DO BRASIL 

Wikipédia
Descoberta, ou descobrimento do Brasil refere-se à chegada, em 22 de abril de 1500, da frota comandada por Pedro Álvares Cabral ao território onde hoje se encontra o Brasil. O termo "descobrir" é usado nesse caso em uma perspectiva eurocêntrica, referindo-se estritamente à chegada de europeus, mais especificamente portugueses, às terras de "Vera Cruz", o atual Brasil, que já eram habitadas por vários povos indígenas. Tal descoberta faz parte dos descobrimentos portugueses.
Embora quase exclusivamente utilizado em relação à viagem de Pedro Álvares Cabral, o termo "descoberta do Brasil", também pode referir-se à suposta chegada de outros navegantes europeus antes dele. Esse é o caso das possíveis expedições de Duarte Pacheco Pereira em 1498 e mais tarde do espanhol Vicente Yáñez Pinzón em 26 de janeiro de 1500

Nau de Pedro Álvares Cabral conforme retratada no Livro das Armadas, atualmente na Academia das Ciências de Lisboa

A armada

Para selar o sucesso da viagem de Vasco da Gama de descobrimento do caminho marítimo para a Índia - que permitia contornar o Mediterrâneo, então sob domínio dos mouros e das nações italianas, o Rei D. Manuel I se apressou em mandar aparelhar uma nova frota para as Índias. Uma vez que a pequena frota de Vasco da Gama tivera dificuldades em impor-se e comerciar, esta seria a maior até então constituída, sendo composta por treze embarcações e mais de mil homens. Com exceção dos nomes de duas naus e de uma caravela, não se sabe como se chamavam os navios comandados por Cabral. Estima-se que a armada levasse mantimentos para cerca de dezoito meses.
Aquela era a maior esquadra até então enviada para singrar o Atlântico: dez naus, três caravelas e uma naveta de mantimentos. Embora não se saiba o nome da nau capitânia, a nau sota-capitânia, capitaneada pelo vice-comandante da armada, Sancho de Tovar se chamava El Rei. A outra cujo nome permaneceu é a Anunciada, comandada por Nuno Leitão da Cunha. Esta última pertencia a Dom Álvaro de Bragança, filho do duque de Bragança, e fora equipada com os recursos de Bartolomeu Marchionni e Girolamo (ou Jerônimo) Sernige, banqueiros florentinos que residiam em Lisboa e investiam no comércio de especiarias. As cartas que eles trocaram com seus sócios e acionistas italianos preservaram o nome do navio.
Conservou-se ainda o nome da caravela capitaneada por Pero de Ataíde, a São Pedro. A outra caravela, comandada por Bartolomeu Dias, teve o seu nome perdido. A armada era completada por uma naveta de mantimentos, comandada por Gaspar de Lemos. Coube a ela retornar a Portugal com as notícias sobre a descoberta do Brasil.

Rota seguida por Cabral para a Índia em 1500 (em vermelho) e a rota de retorno (em azul).

Baseado em documento incompleto que localizou na Torre do Tombo, em Lisboa, Francisco Adolfo de Varnhagen identificou cinco das dez naus que compunham a frota cabralina. Seriam elas Santa Cruz, Vitória,Flor de la Mar,Espírito Santo e Espera. A fonte citada por Varnhagen nunca foi reencontrada, portanto a maioria dos historiadores prefere não adotar os nomes por ele listados. A armada, assim, continua quase anônima.

Outros historiadores do século XIX declararam que a nau capitânia de Cabral era a lendária São Gabriel, a mesma comandada por Vasco da Gama na histórica viagem em que se descobriu o caminho marítimo para as Índias, três anos antes. Entretanto, não existem documentos para comprovar a tese.

Pouco antes da partida, el-Rei mandou rezar uma missa, no Mosteiro de Belém, presidida pelo bispo de Ceuta, D. Diogo de Ortiz, em pessoa, onde benzeu uma bandeira com as armas do Reino e entregou-a em mãos a Cabral, despedindo-se o rei do fidalgo e dos restantes capitães.

Vasco da Gama teria tecido considerações e recomendações para a longa viagem que se chegava: a coordenação entre os navios era crucial para que não se perdessem uns dos outros. Recomendou então ao capitão-mor disparar os canhões duas vezes e esperar pela mesma resposta de todos os outros navios antes de mudar o curso ou velocidade (método de contagem ainda atualmente utilizado em campo de batalha terrestre), dentre outros códigos de comunicação semelhantes.

A chegada a Vera Cruz


Carta de Pero Vaz de Caminha ao rei D. Manuel I, comunicando sobre o descobrimento da Ilha de Vera Cruz (Brasil).

No dia 24 de Abril, Andreza Balbino e Cabral receberam os nativos no seu navio. Então, acompanhado de Sancho de Tovar, Simão de Miranda, Nicolau Coelho, Aires Correia e Pero Vaz de Caminha, recebeu o grupo de índios que reconheceram de imediato o ouro e a prata que se fazia surgir no navio — nomeadamente um fio de ouro de D. Pedro e um castiçal de prata — o que fez com que os portugueses inicialmente acreditassem que havia muito ouro naquela terra. Entretanto, Caminha, em sua carta,5 confessa que não sabia dizer se os índios diziam mesmo que ali havia ouro, ou se o desejo dos navegantes pelo metal era tão grande que eles não conseguiram entender diferentemente. Posteriormente, provou-se que a segunda alternativa era a verdadeira.
O encontro entre portugueses e índios também está documentado na carta escrita por Caminha. O choque cultural foi evidente. Os indígenas não reconheceram os animais que traziam os navegadores, à exceção de um papagaio que o capitão trazia consigo; ofereceram-lhes comida e vinho, os quais os índios rejeitaram. A curiosidade tocou-lhes pelos objectos não reconhecidos - como umas contas de rosário, e a surpresa dos portugueses pelos objetos reconhecidos - os metais preciosos. Fez-se curioso e absurdo aos portugueses o fato de Cabral ter vestido-se com todas as vestimentas e adornos os quais tinha direito um capitão-mor frente aos índios e estes, por sua vez, terem passado por sua frente sem diferenciá-lo dos demais tripulantes.

Desembarque de Cabral em Porto Seguro (óleo sobre tela), autor: Oscar Pereira da Silva, 1904. Acervo do Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro.

Os indígenas começaram a tomar conhecimento da fé dos portugueses ao assistirem a Primeira Missa, rezada por Frei Henrique de Coimbra, em um domingo, 26 de abril de 1500. Logo depois de realizada a missa, a frota de Cabral rumou para as Índias, seu objetivo final, mas enviou um dos navios de volta a Portugal com a carta de Caminha. No entanto, posteriormente, com a chegada de frotas lusitanas com o objetivo de permanecer no Brasil - e a tentativa de evangelizar os índios de fato -, os portugueses perceberam que a suposta facilidade na cristianização dos indígenas na verdade traduziu-se apenas pela curiosidade destes com os gestos e falas ritualísticos dos europeus, não havendo um real interesse na fé católica, o que forçou os missionários a repensarem seus métodos de conquista espiritual.
Os povos nativos
Os povos que habitavam o Brasil na época da chegada de Cabral viviam na Idade da Pedra, entre a passagem do Paleolítico para o Neolítico, uma vez que praticavam uma incipiente agricultura (milho e mandioca) e domesticação de animais (porco do mato e capivara). Isso significa que estavam entre 300.000 e 12.000 anos atrás dos europeus. Contudo, tinham amplo conhecimento da produção de bebidas alcoólicas fermentadas (mais de 80), utilizando como matéria prima raízes, tubérculos, cascas, frutos, etc. O impacto causado pela chegada dos portugueses é o mesmo que causaria hoje a chegada de nave de extraterrestres pertencentes a uma civilização milhares de anos mais avançada do que a nossa.

Índios tupinambás, gravura do século XVI.

Quando da chegada ao Brasil pelos portugueses, o litoral baiano era ocupado por duas nações indígenas do grupo linguístico tupi: os tupinambás, que ocupavam a faixa compreendida entre Camamu e a foz do Rio São Francisco; e os tupiniquins, e que se estendiam de Camamu até o limite com o atual estado brasileiro do Espírito Santo. Mais para o interior, ocupando a faixa paralela àquela apropriada pelos tupiniquins, estavam os aimorés.
No início do processo de colonização do Brasil, os tupiniquins apoiaram os portugueses, enquanto seus rivais, os tupinambás, apoiaram os franceses, que durante os séculos XVI e XVII realizaram diversas ofensivas contra a América Portuguesa. A presença dos europeus incendiou mais o ódio entre as duas tribos, ódio relatado por Hans Staden, viajante alemão, em seu sequestro pelos tupinambás. Ambas as tribos possuíam cultura antropofágica com relação aos seus rivais, característica que durante séculos não fora compreendida pelos europeus, o que resultou na posterior caça àqueles que se recusassem a mudar esse hábito.

Polêmica

Ver artigo principal: Controvérsias sobre o descobrimento do Brasil
Existem outros navegadores que teriam chegado ao Brasil em datas anteriores a Pedro Álvares Cabral, entre eles Vicente Yáñez Pinzón, Diego de Lepe, João Coelho da Porta da Cruz e Duarte Pacheco Pereira. Este últimos teriam estado na costa do Brasil, respectivamente em 1493 e 1498.
No ano 2000, comemorou-se o aniversário de 500 anos do Descobrimento do Brasil, o que provocou polêmica em redor da data. Para muitos, a comemoração implicaria que a história do Brasil completou o quinto centenário no ano 2000, uma perspectiva vista como eurocêntrica, desconsiderando os povos nativos.
Fonte -Wikipédia - Veja artigo completohttp://pt.wikipedia.org/wiki/Descoberta_do_Brasil