sábado, 19 de janeiro de 2013

Williams e Alstom criam tecnologia para armazenar energia

 Alstom

A Williams Hybrid Power – divisão do grupo Williams de empresas que incluem a Equipe Williams de F1 – e a Alstom Transporte assinaram um acordo através do qual a tecnologia de armazenamento de energia da Williams Hybrid Power será aplicada aos VLTs Citadis da Alstom até 2014.
A Williams Hybrid Power e a Alstom formaram uma parceria exclusiva através da qual as duas empresas trabalharão juntas para adaptar e desenvolver uma solução de armazenamento de energia que tem potencial para reduzir as emissões de gases de efeito estufa do material rodante da Alstom. Após vários anos de pesquisa sobre armazenamento de energia, a Alstom se uniu à Williams Hybrid Power para testar sua tecnologia de armazenamento de energia flywheel MLC composta, que oferece uma economia de combustível em potencial de 15% quando instalada em aplicações de transporte público.
Desenvolvida originalmente para o carro de Fórmula 1 2009 da Williams, a tecnologia de armazenamento de energia da Williams Hybrid Power tem sido introduzida em aplicações como os ônibus de Londres e o vencedor da Le Mans Audi R18 e-tron quattro. A tecnologia oferece economia de combustível e redução de emissões, coletando a energia que normalmente se perde na forma de calor durante a frenagem e transformando-a em energia extra. Ela é ideal para VLTs em função de sua natureza e massa elevada. Além disso, o rotor do flywheel é feito de material composto, que é inerentemente seguro, pois nenhuma estrutura metálica viaja a altíssimas velocidades.
Fonte - Revista ferroviária  17/01/2013


VÍDEO - http://vimeo.com/48867665#

Governo estuda mais 3 trens-bala

Foto ilustração - Pregopontocom
O primeiro trem-bala verde-amarelo nem saiu do papel e o governo já prepara a contratação de estudos de viabilidade para três outras ligações ferroviárias de alta velocidade: São Paulo-Curitiba, São Paulo-Belo Horizonte e São Paulo-Triângulo Mineiro.
A intenção do presidente da Empresa de Planejamento e Logística, Bernardo Figueiredo, é conduzir simultaneamente os estudos de viabilidade técnica e econômica dos novos trechos. "Queremos começar tudo isso no segundo semestre. É um trabalho para cerca de 12 meses". Ele explica que os estudos "vão indicar se vale a pena ou não fazer esses trechos". No caso do trem de alta velocidade (TAV) que será licitado neste ano, esses trabalhos foram feitos por um consórcio liderado pela consultoria inglesa Halcrow. Agora, Figueiredo acredita que a estatal possui conhecimento suficiente para coordenar os estudos, com a ajuda de empresas contratadas.
Estudos vão indicar viabilidade de trens-bala a Minas Gerais e Paraná - O primeiro trem-bala verde-amarelo nem saiu do papel, mas o governo já prepara a contratação dos estudos de viabilidade para três outras ligações ferroviárias de alta velocidade: São Paulo-Curitiba, São Paulo-Belo Horizonte e São Paulo-Triângulo Mineiro. A entrega das propostas para o projeto Rio-São Paulo-Campinas, que definirá o fornecedor da tecnologia e responsável pela operação da linha, está marcada para o dia 13 de agosto.
Uma vez conhecido o resultado do leilão, em setembro, a Empresa de Planejamento e Logística (EPL) pretende iniciar o projeto executivo de engenharia da obra. Esse trabalho detalhará o traçado do primeiro trem-bala e apontará suas necessidades exatas de investimento. A intenção do presidente da EPL, Bernardo Figueiredo, é conduzir simultaneamente os estudos de viabilidade técnica e econômica dos novos trechos. "Queremos começar tudo isso no segundo semestre. É um trabalho para cerca de 12 meses", afirma Figueiredo.
Ele explica que os estudos para as três novas linhas "vão indicar se vale a pena ou não fazer esses trechos", com base em uma estimativa de demanda atual e futura de passageiros, projeções de investimentos necessários e principais dificuldades do ponto de vista ambiental. No caso do trem de alta velocidade (TAV) que será licitado neste ano, todos esses trabalhos foram feitos por um consórcio liderado pela consultoria inglesa Halcrow. Agora, Figueiredo acredita que a estatal tem o conhecimento suficiente para coordenar os estudos, com a ajuda de empresas que serão contratadas para levantar dados e realizar pesquisas de campo.
A quem acusa o governo de megalomania, ao falar de novas linhas de trem-bala sem ter viabilizado sequer a primeira, Figueiredo diz que a própria razão de existir da EPL é criar um "estoque de projetos" de infraestrutura para o pós-2014, extrapolando o mandato da presidente Dilma Rousseff, olhando o longo prazo.
"Precisamos quebrar a cultura de que é um evento investir em infraestrutura. Não é um evento, é um processo, que requer ação contínua", afirma o presidente da estatal de transportes. Ele ressalta que o governo não pode esperar a saturação de estruturas atuais, como a rodovia Nova Dutra (Rio-São Paulo) e de grandes aeroportos, para planejar novas obras capazes de superar esses gargalos. Se não, o que ocorre são projetos apressados e mal feitos, mesmo quando existem recursos disponíveis, diz o auxiliar de Dilma.
Figueiredo, apesar de defender abertamente o transporte ferroviário de alta velocidade, pondera que levar adiante os estudos de novos trens-bala não significa uma decisão já tomada de construí-los. Tudo depende de uma avaliação dos custos e da demanda potencial. No caso do trecho São Paulo-Curitiba, ele presume que as restrições ambientais podem se mostrar excessivamente complicadas e já atrasaram uma obra menos complexa: a duplicação da Régis Bittencourt, estrada que liga as duas cidades, no trecho da Serra do Cafezal (PR). "Imagine para construir um trem-bala", compara.
Além de analisar esses aspectos, os estudos da EPL também vão apontar alternativas de traçados básicos. Será avaliado um traçado, para a linha de Belo Horizonte, com chegada à região de Volta Redonda - um caminho mais curto do que entre Belo Horizonte e São Paulo. A Secretaria de Transportes do Estado do Rio de Janeiro já encaminhou uma proposta à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), em caráter muito preliminar, com essa ligação entre a capital mineira e o sudoeste fluminense.
Se um dia o país criar uma rede de trens de alta velocidade, estará garantido aos demais operadores usar a ferrovia Rio-São Paulo-Campinas, primeiro trecho a ser construído. A minuta do contrato de concessão assegura o compartilhamento da infraestrutura a futuros operadores de outras linhas, incluindo o acesso a seus trilhos e estações. O Tribunal de Contas da União (TCU), já antevendo essa possibilidade, levantou esse assunto em questionamentos à ANTT. "Embora o direito de passagem seja garantido, uma tecnologia com baixa compatibilidade com a selecionada para o TAV Rio-SP pode ter o seu desempenho operacional afetado", respondeu a agência, demonstrando que pode haver problemas em operar os trens de uma linha em outra ferrovia, caso sejam de tecnologias distintas.
De qualquer forma, trata-se de uma hipótese apenas para o longo prazo. Figueiredo diz que não há possibilidade de recuo no projeto do primeiro trem-bala e descarta o adiamento da licitação para a escolha do operador.
Em meados de 2014, quando o projeto executivo de engenharia estiver concluído ou adiantado, o governo fará uma segunda licitação. Ela terá, como objetivo, as obras de infraestrutura. A ideia de Figueiredo é dividir os trabalhos em lotes - algo como dez ou mais - a fim de acelerar os trabalhos das empreiteiras e permitir o início da operação antes de 2020.

Fonte - Valor Econômico  16/01/2013

BRT Transoeste do RIO apresenta mais problemas,agora nas pistas.

Pistas do BRT Transoeste já apresentam problemas após sete meses de inauguradas


Buracos, remendos e lombadas foram flagrados no trecho entre a Barra da Tijuca e Guaratiba. Em alguns pontos até o canteiro central foi destruído. Na ciclovia, os usuários enfrentam vários obstáculos, como postes e placas.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Ferrovias e cabotagem crescem mais do que o dobro do PIB

DCI -17/01/2013
Foto - ilustração
Apesar da predominância do modelo rodoviário para o transporte de cargas no Brasil e da falta de infraestrutura em outros modais, as empresas de transporte ferroviário e marítimo têm crescido mais do que o dobro do Produto Interno Bruto (PIB). Esta tem sido a média de crescimento de ambos nos últimos anos, segundo representantes dos setores em encontro ocorrido na manhã desta quinta-feira (17) na Câmara Americana de Comércio (Amcham).
Somente a cabotagem espera crescer neste ano 8%, com base em uma perspectiva de crescimento de 4% da economia brasileira. "Isso sendo pessimista", indicou o gerente-geral de Cabotagem e Mercosul da empresa Aliança, Gustavo Costa.
Ag. Petrobrás 
O setor ferroviário deve consolidar os números de 2012 somente em março, mas o presidente-executivo da Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF), Rodrigo Vilaça, adiantou que a produção do ano passado chegou próximo da meta de R$ 320 bilhões.
No caso do transporte sobre trilhos, o setor que mais contribuiu para o aumento de volume de carga transportada foi o agronegócio, com crescimento de 277,2% em sua participação no modal ferroviário nos últimos 15 anos.
Já os investimentos na malha ferroviária cresceram, mas não no mesmo ritmo de 2011. De acordo com a ANTF, no ano passado as concessionárias e o governo investiram cerca de R$ 5,3 bilhões ma modernização das linhas ferreas, seguindo a projeção realizada no começo de 2012. Em 2011, o investimento ficou em R$ 4,596 bilhões, e, em 2010, em R$ 2,941.

UM GIGANTE NOS TRILHOS

Transportes sobre trilhos

Locomotivas gigantes foram atração em Lavras na tarde desta quarta-feira Locomotivas chamaram a atenção das pessoas pelo tamanho e desproporcionalidade com as locomotivas comuns

JL
Na frente uma BB-36 e atrás, uma MX, fotografia 
que proporciona a comparação entre elas
Foto - Jornal de Lavras
Há algum tempo que homens e máquinas estão trabalhando na linha férrea, no mês passado eles distanciaram a linha férrea e os trilhos cerca de 50 centímetros da plataforma da antiga estação ferroviária em Lavras, em alguns locais os cortes dos barrancos foram alargados. A ponte que liga Lavras a Ribeirão Vermelho também foi modificada, uma empresa terceirizada, a DCM Engenharia, da cidade de Sete Lagoas, realizou uma obra na estrutura de aço da ponte, na época eles alegaram "adequação de gabaritos", um serviço de cortes das "mão-francesa" (foto), uma espécie de tirante que tem a função de aumentar a resistência da estrutura metálica.
Agora o mistério foi desvendado: na tarde desta quarta-feira, muitos curiosos foram até a estação ferroviária para poder conhecer as duas locomotivas que a Vale adquiriu e que farão o transporte ferroviário nesta linha. As máquinas BB-36 pesam 180 toneladas e tem um tanque de óleo diesel com capacidade de 10 mil litros.
Para se ter uma ideia, a locomotiva comum, a MX, pesa 95 toneladas. Uma composição que seriam necessárias quatro locomotivas MX para puxar, com a BB-36 basta uma, isso porque seu motor tem 4 mil HPs. A BB-36 é, além de mais possante, também mais rápida.

Locomotivas gigantes - 6 fotos




Fotos- Jornal de Lavras






Fonte - Jornal de Lavras 16/01/2013

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Testes do CBTC na Linha 2 de SP terminam em março

O Metrô de São Paulo deve finalizar até o final de março os testes do sistema de Controle de Trens Baseado em Comunicação (CBTC - Communications-Based Train Control) que está sendo implantando na Linha 2- Verde (Vila Prudente-Vila Madalena). Os testes são realizados aos domingos, em períodos pré-estabelecidos pelo Metrô, devido ao menor número de usuários. O Metrô divulga os horários semanalmente e o transporte de passageiros no trecho interrompido é feito por ônibus gratuito.
O sistema CBTC ainda não está instalado em toda a Linha 2-Verde. Atualmente, somente no trecho entre as estações Vila Prudente e Sacomã. Existe também o projeto para implantar o sistema nas linhas 1-Azul e 3-Vermelha. A partir dos resultados obtidos na Linha 2- Verde, serão definidas as necessidades e os períodos de testes nas outras linhas. A Alstom é a responsável pela tecnologia.
O CBTC é considerado por operadoras como um dos melhores sistemas de controle de trens mais moderno do mundo e está em operação em linhas de metrôs nas cidades de Nova York, Londres e Paris, entre outras. Quando esse sistema estiver funcionando plenamente, o intervalo entre um trem e outro será reduzido e a capacidade de transporte ampliada em cerca de 20%.
Fonte - Revista Ferroviária 17/01/2013



CBTC no Metro de Madrid, Espanha
CBTC no Metro de Madrid,Espanha
Trem CBTC em Shenzhen linha 3 do metrô, China
Trem CBTC em Shenzhen Metro Linha 3, China
http://es.wikipedia.org/wiki/Sistema_CBTC

MISSÃO DA BAHIA VISITA MAIOR EMPRESA CHINESA DO SETOR FERROVIÁRIO

Economia

A CNR é a maior empresa de produção de vagões e equipamentos ferroviários do mundo, com um faturamento de US$ 1,4 bilhão, 80 mil empregados e 60% de participação no mercado chinês.

Secom
Trem Bala Chinês entre Harbin-Dalian
Info jornal
Soluções para o Metrô de Salvador, equipamentos e soluções para a malha ferroviária no estado, incluindo a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), foram alguns dos temas tratados pela missão oficial do Governo da Bahia, liderada pelo governador Jaques Wagner, com a diretoria da China CNR Corporation Limited, na terça-feira (15), em Beijing (Pequim), na China.
Também foram abordadas possibilidades de negócios futuros, envolvendo o desenvolvimento empresarial e da empresa no Brasil, especialmente na Bahia, inclusive nos avanços de pesquisa e tecnologia. A CNR é a maior empresa de produção de vagões e equipamentos ferroviários do mundo, com um faturamento de US$ 1,4 bilhão, 80 mil empregados e 60% de participação no mercado chinês.
Nesta quarta-feira (16), o grupo teve um encontro com os executivos de uma montadora automotiva para discutir a possibilidade de atração da empresa para a produção de veículos de passeio na Bahia e visitou a fábrica. Depois, seguiu para a cidade de Xian, onde, nesta quinta-feira (17), encontra a diretoria e visita a fábrica da Baoji Petroleum.
Ainda na quinta-feira, a missão retorna a Beijing, onde, nesta sexta-feira (18), se reúne com a diretoria da China National Petroleum Corporation, onde assinará um Memorando de Entendimentos entre o Governo da Bahia e a CNPC, confirmando as intenções da empresa de acelerar seus investimentos na Bahia na produção de equipamentos de perfuração de petróleo e de exploração de petróleo e gás.
Segunda-feira (21), a comitiva visita a sede da Foton Motors e se reúne com a diretoria da empresa, que já manifestou interesse em instalar uma unidade automotiva na Bahia. O governador retorna a Salvador na próxima terça-feira (22).
A missão baiana, que embarcou para a China na segunda-feira (14), é integrada pelo governador, os secretários do Planejamento, José Sérgio Gabrielli, e da Indústria, Comércio e Mineração, James Correia, e o coordenador do Grupo Executivo do Setor Automotivo da Bahia, Reub Celestino. O objetivo é a atração de investimentos nos setores automotivos e de petróleo e gás.
Fonte - SECOM  16/01/2013

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

A Pça Castro Alves é do povo...e da História??????

Web
Wikipédia




Fico a imaginar o que se passa na cabeça de certos "Arquitetos" e "Urbanistas" quando se debruçam em suas pranchetas para elaborarem esses tais projetos de "modernização" da nossa cidade de Salvador sem levar em conta os valores históricos da mesma que quase sempre são atropelados pelo impeto da transformação sobre o estígma da "modernidade.Ora....então indagamos,como pode uma cidade que se propõe a ter no turismo uma importante,forte e bem desenvolvida atividade econômica quando vive a passar constantemente uma borracha na sua história???...O que seria mais tão atrativo para os turistas por aqui além da nossa desprezada orla e a festança do carnaval??? os shoppings???? os prédios modernos? um punhado de avenidas e viadutos de concreto?...Quem sabe os nossos já costumeiros engarrafamentos. Será que Roma faria o mesmo com o Coliseu,com o Circus Maximus?! ou Paris com o Champs-Élysées e o arco do Triunfo???...Aliais  por falar no Circus Maximus existia no local um grande parque quando a alguns anos atrás foi descoberto a estrutura milenar que ali estava soterrada o parque foi removido e o local escavado para que a preciosidade histórica fosse estudada e ficasse integralmente visível para todos os visitantes.Porque por aqui então ainda se age tão diferente e indiferentemente a nossa história,sem respeito a nossa arquitetura antiga,aos nossos monumentos,até mesmo ao meio ambiente e em respeito a própria cidade???..Tudo bem....a dita "Arena" da terra do "AXÉ",até "poderia".....(poderia???!!).....ser construída na área onde hj funciona o estacionamento na forma de um anfiteatro com capacidade limitada até mais ou menos 600 espectadores,mais sem mutilar o aspecto histórico urbano da Pça C.Alves,sem esconder a Lad.da Montanha,sem detonar o antigo balaustre da Pça.e sem causar qualquer tipo de interferência negativa na mesma. É preciso acabar com essa lógica do modernismo da destruição,da descaracterização,da reforma. Descaracterizar um dos locais mais importantes de Salvador em nome de alguma "modernidade" não me parece muito lógico,sensato e condizente com locais históricos da nossa cidade principalmente da mundialmente conhecida e badalada Pça. que leva o nome  do seu maior e mais importante poeta,Castro Alves.A Pça que é do Povo, como diz a musica em sua homenagem, de valor relevante e que conta para todos que a visitam e que a frequentam, uma importante parte da história de Salvador sobre a proteção e o impávido braço estendido do seu eterno guardião,o poeta dos Escravos,não merece ser "mutilada" por um devaneio modernista de alguém que aparentemente parece não ter nenhum compromisso com a sua história e magnitude,ou simplesmente a desconhece e parece não entender nem compreender a importância e o  valor que ela representa para todos nós.Alias atualmente Salvador vem sendo objeto,de por assim dizer,alguns projetos "estapafúrdios",a expl. da tal  "passarela" do Pelourinho!!!!!.Tenham a Santa paciência...devagar com o andor e com a história. A degradada Pça. da Sé é um belo expl.desse tipo de intervenção de descaracterização e alijamento da sua história,onde a "reforma" substituiu a "restauração" e a revitalização do local,ainda que feita as escavações,sem que um estudo apurado pudesse trazer de volta à Pça da Sé, uma  imagem urbana semelhante a de alguma época da sua longa existência.Decididamente ainda não aprendemos a lidar de maneira correta com a preservação dos  valores históricos e culturais da nossa cidade e do nosso povo....francamente....
Pregopontocom



Curiosidade

A placa na foto abaixo que da detalhes e conta a historia do Circo Massimo em Roma foi toda escrita em português,não havendo na época (3anos) em que foi tirada a foto nenhuma inscrição em italiano
Sitio arqueológico - Circus Maximus

Inspiro: Metrô de última geração da Siemens Metro ecológico,eficiente quase totalmente reciclável

Siemens 
Siemens 
 O Inspiro novo da Siemens é atualmente um dos trens do metrô mais leves do mundo.Engenheiros da Siemens Mobility contou com um design leve, com perfis de alumínio durante o desenvolvimento do veículo ferroviário. Como resultado, um comboio de seis carruagens é de cerca de seis toneladas (ou mais do que três por cento) mais leve do que uma unidade semelhante. Os trens também usam menos energia e pode transportar mais passageiros.Empresas de transporte tem a opção de equipar os trens com adicionais sistemas de poupança de energia, como os que os condicionadores de ar com controle de dióxido de carbono sensores ou utilizar energeticamente eficientes sistemas de iluminação LED. O que é mais, o Inspiro pode ser quase totalmente reciclado após sua vida útil de aproximadamente 40 anos. A empresa de exploração de metro em Varsóvia vai começar a tomar a entrega dos primeiros 35 trens inspiro no outono de 2012.
Siemens
Várias medidas foram realizadas para reduzir o peso do Inspiro. A extremidade dianteira dos carros por si só, que alberga os acoplamentos, pesa 500 kg a menos do que antes. A sua concepção é baseada na utilização de perfis de alumínio leves. Para identificar as áreas em que menos materiais poderiam ser utilizados sem limitar a funcionalidade, o corpo do carro inteiro foi analisado por computador através do método dos elementos finitos. Certos componentes dos próprios veículos foram feitos como multifuncional possível - por exemplo, partes do tecto também servem como canais de cabos. Num esforço adicional para reduzir o peso, condutas de ar são feitas de tecidos leves, em vez de o metal utilizado anteriormente, enquanto que um novo tipo de rolha de alumínio-chão pesa 30 por cento menos do que antes, actua como um amortecedor de ruídos, e também proporciona um melhor isolamento térmico .As medidas tomadas em conta, como já na fase de desenho formam a base para o trem é extremamente alta taxa de reciclagem de 95 por cento, que a Siemens Mobility já demonstrou no metrô de Oslo. O Inspiro serve como uma plataforma para os trens de metrô que atendem os diferentes padrões prevalentes em toda a Europa. Os trens podem consistir de entre três e oito carros e ser equipado com motores diferentes. Além disso, o comprimento, largura e altura dos carros pode ser variada de acordo com a infra-estrutura existente como túneis e plataformas de metro. O conceito Inspiro, que também reduz o tempo de desenvolvimento e custos, faz parte do portfólio ambiental da Siemens, com o qual a empresa gerou cerca de € 30 bilhões em vendas em 2011.
Número de Referência: EM 2012.01.4e
Fonte - http://www.siemens.com

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

"ESTUPIDEZ,IGNORÂNCIA",...OU REVANCHISMO...???????

Itaparica: prefeito destrói ciclovia nos primeiros dias de gestão
Bocão News


Por: Adelia Felix
O prefeito de Itaparica, Pastor Raimundo (PSD), eleito em outubro do ano passado, destruiu uma das obras de lazer da cidade - feita na gestão passada-, logo nos primeiros dias do seu mandato.
A denúncia foi feira pelo ex-prefeito da cidade, Claudio Neves, que entrou em contato com a reportagem do Bocão News. "Eu fiz um convênio, teve recurso do governo federal para fazer aquela obra. É uma "estupidez, uma ignorância", nunca vi coisa igual", comentou Neves.
Bocão News

No último final de semana, trabalhadores da prefeitura retiraram os blocos de concreto, conhecidos como "gelo baiano", que separavam a pista da ciclovia da orla marítima, entre a Marina e o forte São Marcelo.
A reportagem do Bocão News tentou entrar em contato com o prefeito que até o fechamento dessa edição não deu retorno.
Matéria publicada dia 14 de janeiro, às 13h46
Fonte - Bocão News 14/01/2013

LIMINAR IMPEDE A REMOÇÃO DOS ÍNDIOS DA ALDEIA MARACANÃ! ( Museu do Índio RJ )

A DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSEGUIU LIMINAR QUE IMPEDE A REMOÇÃO DOS ÍNDIOS DA ALDEIA MARACANà    ( Museu do Índio )
Foto ilustração
A Defensória Pública do Estado do Rio de Janeiro, por intermédio do Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos, obteve no plantão judiciário deste sábado, 12 de janeiro, decisão que impede a remoção dos índios domiciliados na Aldeia Maracanã (antigo Museu do Índio).
Apesar de a discussão sobre a posse do imóvel ser afeta à Justiça Federal, o Nudedh entendeu ser o caso de provocação da Justiça Estadual, pois subsistiam claros indícios de que a Lei Estadual 2898/98, que trata dos desalijos coletivos, não teria sido observada.
Segundo a decisão proferida pela juíza de direito Adriana Angeli, enquanto não forem cumpridas as exigências da Lei Estadual ou for obtida decisão judicial, nao poderá o Estado do Rio de Janeiro remover os índios, sob pena de incidir multa diária.

Fonte -  Dpge Rio de Janeiro ( Defensoria Publica do Rio de Janeiro)
http://www.facebook.com/dpge.dejaneiro/posts/225414424260790